CEFOTAXIMA 1.000 mg

ARISTON

Atualizado em 05/06/2015

Composição da Cefotaxima

cada frasco-ampola contém: cefotaxima sódica1000 mg. Cada ampola de diluente contém: água para injeção1 5 ml.

Posologia e Administração da Cefotaxima

a dose diária máxima não deve ultrapassar 12 g. A dose usual adulto deve ser de 2 a 6 g ao dia, divididas em 2 ou 3 administrações diárias. Para a gonorréia2 recomenda-se dose única de 500 mg por via intramuscular. Pacientes com insuficiência renal3 (depuração de creatinina4 menor que 5 ml/min) deve-se reduzir à metade da dose usual. Para a profilaxia de infecções5 pós-cirúrgicas deve-se administrar uma dose única, 30 a 60 minutos antes do início da cirurgia. Recém-nascidos e crianças até 12 anos devem receber a dose diária de 50 a 100 mg/kg de peso corporal em 2 a 4 doses iguais. Em prematuros a dose máxima não deve ultrapassar a 50 mg/kg de peso corporal. Cefotaxima para a administração intramuscular ou intravenosa deve ser reconstituída com o diluente que o acompanha na embalagem. Injeção1 intravenosa: administrar lentamente por via intravenosa direta durante 3 a 5 minutos. Injeção intramuscular6: administrar profundamente na região glútea7. Recomenda-se não injetar mais do que 1 g de cada lado. Infusão intravenosa: administrar por um período de tempo mais longo. - Superdosagem: o tratamento da administração imprópria de altas doses, deve ser sintomática8 e de apoio. Em casos de choque anafilático9 interromper imediatamente a administração e colocar o paciente na posição horizontal com as pernas elevadas e vias aéreas desobstruídas, aplicar 0,1 mg de epinefrina por via intravenosa (diluir 1 ml da epinefrina 1:1000 para 10 ml). Em seguida aplicar glicocorticoídes por via intravenosa. Outras medidas terapêuticas podem ser tomadas como: respiração artificial10, inalação de oxigênio, administração de cálcio e de anti-histamínicos.

Precauções da Cefotaxima

recomenda-se verificar cuidadosamente a sensibilidade do paciente às cefalosporinas, penicilinas e outros medicamentos, pois podem ocorrer reações anafiláticas11. Nesse caso deve-se adotar imediatamente as medidas apropriadas. Cefotaxima não deve ser usada durante a gravidez12, principalmente nos primeiros três meses e durante a lactação13, a menos que seja absolutamente necessário. Nos casos de insuficiência renal3 grave, a dose deve ser reduzida pela metade. Cefotaxima deve ser prescrita com cautela em indivíduos com história de doença gastrintestinal, particularmente colite14. Em tratamentos prolongados deve-se verificar regularmente o quadro sangüíneo. Advertências: tratamento com Cefotaxima pode alterar a flora normal do cólon15, permitindo supercrescimento de Clostridium difficile cuja toxina16 é causa da colite14 pseudomembranosa que deve ser considerada no diagnóstico17 de pacientes que desenvolveram diarréia18 associada ao uso de antibiótico. Nesse caso o tratamento com Cefotaxima deve ser descontinuado e instituído o tratamento apropriado. Pode resultar em uma inativação mútua quando se associa Cefotaxima a um aminoglicosídeo. Os dois preparados devem ser utilizados separadamente em seringas diferentes e em casos de infecções5 graves que ainda não se dispõe dos resultados da cultura e do antibiograma. Doses menores que as indicadas na posologia e administração não devem ser usadas. - Interações medicamentosas: podem ocorrer resultados falso-positivos ao teste de Coombs (antiglobulina) direto. Administração concomitante ou subseqüente com aminoglicosídeos (droga potencialmente nefrotóxica) exige uma monitorização da função renal19. Em diabéticos, em tratamento com Cefotaxima podem ocorrer reações falso-positivas com a análise de glicose20 na urina21. A probenecida diminui a excreção renal19 dando como resultado aumento e prolongação das concentrações séricas da Cefotaxima, prolongando a vida média de eliminação e riscos de toxicidades.

Reações Adversas da Cefotaxima

reações de hipersensibilidade: como reações alérgicas de pele22 (urticária23, exantema24); prurido25; febre26 medicamentosa; nefrite27 intersticial28 e anafilaxia29. Aumento transitório na creatinina4 sérica e uréia30, eosinofilia31, leucopenia32 e trombocitopenia33 transitória, granulocitose, aumento nos níveis séricos da bilirrubina34 e/ou enzimas hepáticas35 AST (TGO), ALT (TGP), gamma GT, fosfatase alcalina36 e DHL. Náuseas37, vômitos38, dor abdominal e diarréia18 também podem ser observados. Se for constatada a presença de colite14 pseudomembranosa o tratamento deve ser suspenso. Quando administrada por via intravenosa pode provocar flebite39. Quando aplicada por via intramuscular pode provocar dor local.

Contra-Indicações da Cefotaxima

casos de hipersensibilidade às cefalosporinas e às penicilinas. Em pacientes hipersensíveis à penicilina, deve se levar em conta a possibilidade de reações alérgicas cruzadas.

Indicações da Cefotaxima

tratamento das seguintes infecções5 quando causadas por organismos sensíveis à cefotaxima sódica. Infecções5 do trato biliar40 causadas por Escherichia coli, Klebsiella sp, Proteus mirabilis, Staphylococcus aureus e Streptococcus. Infecções5 ósseas causadas por Aerobacter, Escherichia coli, Klebsiella sp (Klebsiella pneumoniae), Proteus sp (Proteus mirabilis), Serratia sp, Staphylococcus aureus (produtores e não produtores de penicilinase), Streptococcus pneumoniae. Infecções5 do sistema nervoso central41 causadas por: Enterobacteriaceae, Escherichia coli, Haemophilus influenzae, Klebsiella pneumoniae, Neisseria meningitidis, Streptococcus pneumoniae. Infecções5 do trato genitário causado por: cocos anaeróbios (incluindo Peptostreptococcus sp e Peptococcus sp), Escherichia coli, Klebsiella sp, Neisseria gonorrhoea, Proteus mirabilis, Staphylococcus aureus, S. epidermidis, Streptococcus não enterococos (incluindo grupo B). Gonorréia2 causada por: Neisseria gonorrhoea (incluindo produtores de penicilinase). Meningite42 causada por: Enterobacteriaceae, Escherichia coli, Haemophilus influenzae (incluindo cepas43 resistentes à ampicilina), Neisseria meningitidis, Streptococcus pneumoniae. Profilaxia pré, intra e pós-operatória: para prevenir infecções5 de cirurgias classificadas como contaminadas ou potencialmente contaminadas e em pacientes operados onde a infecção44 representa sério risco de vida. Pneumonia45 causada por: Citrobacter sp, Enterobacter sp (Aerobacter), Escherichia coli, Haemophilus influenzae (incluindo cepas43 sensíveis e resistentes à ampicilina), Haemophilus parainfluenzae, Klebsiella sp (Klebsiella pneumoniae), Proteus mirabilis, Proteus sp (indol-positivos e indol-negativos), Serratia sp (Serratia marcescens), Staphylococcus aureus (sensível à meticilina, produtores e não produtores de penicilinase), Streptococcus (excluindo enterococos), Streptococcus (beta-hemolítico do grupo A), Streptococcus pneumoniae. Septicemia46 bacteriana causada por: cocos anaeróbios Gram-positivos, Escherichia coli, Haemophilus influenzae (incluindo cepas43 resistentes à ampicilina), Klebsiella sp (Klebsiella pneumoniae), Proteus mirabilis, Proteus sp (indol-positivo e indol-negativo), Serratia sp (Serratia marcescens), Staphylococcus aureus (produtores e não produtores de penicilinase), Streptococcus (beta-hemolítico do grupo A), Streptococcus (grupo Viridans), Streptococcus agalactiae, S. pneumoniae, Streptococcus (incluindo enterococos). Infecções5 da pele22 e suas estruturas causadas por: cocos anaeróbios (incluindo Peptostreptococcus sp e Peptococcus sp), Enterobacter cloacae (Aerobacter cloacae), Escherichia coli, Haemophilus influenzae, Klebsiella sp, Proteus sp (indol-positivo), P. mirabilis, Serratia sp (Serratia marcescens), Staphylococcus (produtores e não produtores de penicilinase), S. epidermidis (incluindo os sensíveis à meticilina), Streptococcus (incluindo enterococos), Streptococcus (beta-hemolítico do grupo A), S. agalactiae. Infecções5 bacterianas do trato urinário47 causadas por: Citrobacter sp, Enterobacter cloacae (Aerobacter cloacae), Escherichia coli, Klebsiella sp (Klebsiella pneumoniae), Morganella morganii (Proteus morganii), Proteus sp (indol-negativo e indol-positivo), Proteus mirabilis, Proteus vulgaris, Providencia sp [(Providencia rettgerii (Proteus rettgerii)], Serratia sp (Serratia marcescens), Staphylococcus (coagulase-negativo), Staphylococcus aureus (produtores e não produtores de penicilinase).

Apresentação da Cefotaxima

pó para solução injetável 1000 mg. Embalagem com 20 frascos-ampola + diluente de 5 ml.


CEFOTAXIMA 1.000 mg - Laboratório

ARISTON
Rua Adherbal Stresser, 84
São Paulo/SP - CEP: 05566-000
Tel: (011 )810-1079
Fax: (011 )810-2894
Site: http://www.ariston.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ARISTON"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
3 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
4 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Injeção intramuscular: Injetar medicamento em forma líquida no músculo através do uso de uma agulha e seringa.
7 Região Glútea:
8 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
9 Choque anafilático: Reação alérgica grave, caracterizada pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação, acompanhado ou não de edema de glote. Necessita de tratamento urgente. Pode surgir por exposição aos mais diversos alérgenos.
10 Respiração artificial: Tipo de apoio à função respiratória que utiliza um instrumento eletromecânico (respirador artificial), capaz de insuflar de forma cíclica volumes pré-determinados de ar com alta concentração de oxigênio através dos brônquios.
11 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
12 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
13 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
14 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
15 Cólon:
16 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
19 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
20 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
21 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
22 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
23 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
24 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
25 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
26 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
27 Nefrite: Termo que significa “inflamação do rim” e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
28 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
29 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
30 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
31 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
32 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
33 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
34 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
35 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
36 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
37 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
38 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
39 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
40 Trato Biliar: Os DUCTOS BILIARES e a VESÍCULA BILIAR.
41 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
42 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
43 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
44 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
45 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
46 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
47 Trato Urinário:
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre CEFOTAXIMA 1.000 mg?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.