TRIATEC

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Triatec

2,5 mg: cada comprimido sulcado contém:ramiprila 2,5 mg, excipiente q.s.p. 1 comprimido. 5 mg: cada comprimido sulcado contém: ramiprila 5 mg, excipiente q.s.p. 1 comprimido.

Posologia e Administração de Triatec

a dose inicial recomendada é de 2,5 mg de ramiprila uma vez ao dia. Dependendo da resposta do paciente, a dose pode ser aumentada em intervalos de 2 a 3 semanas, primeiro para 5 mg e depois até um máximo de 10 mg uma vez ao dia ou um diurético1 pode ser adicionado. Em pacientes tratados com diuréticos2, pode ocasionalmente ocorrer hipotensão3 maior que a desejada após a primeira dose de Triatec. Devido a isto, se possível o tratamento com o diurético1 deve ser descontinuado 2 a 3 dias antes do início do tratamento com Triatec. Se não for possível, o tratamento inicial com Triatec deve começar com uma dose de 1,25 mg uma vez ao dia e, em seguida, ser ajustada conforme as necessidades do paciente. Os comprimidos devem ser tomados inteiros durante ou após as refeições com bastante líquido. Posologia ajustada em pacientes com comprometimento renal4: a dose recomendada acima é adequada para pacientes5 com níveis de clearance de creatinina6 maior ou igual a 50 ml/min (creatinina6 sérica menor que 1,5 mg/dl7). Para pacientes5 com níveis de clearance de creatinina6 entre 20 e 50 ml/min (creatinina6 sérica entre 1,5 e 3 mg/dl7), a dose inicial e 1,25 mg de ramiprila uma vez ao dia e a dose máxima e 5 mg uma vez ao dia. Para pacientes5 com níveis de clearance de creatinina6 menor que 20 ml/min (creatinina6 sérica maior que 3 mg/dl7), a dose inicial recomendada é também 1,25 mg de ramiprila em dias alternados, mas a dose de manutenção não deve exceder 2,5 mg uma vez ao dia. Posologia em pacientes com comprometimento hepático: em pacientes com comprometimento hepático, o metabolismo8 de ramiprila - com consequente formação do metabólito9 ativo ramiprilato - é retardado devido à atividade diminuída das esterases hepáticas10, resultando em níveis plasmáticos elevados de ramiprila. O tratamento com Triatec deve por isso ser iniciado sob rigorosa supervisão médica e não deve exceder 2,5 mg por dia. - Superdosagem: em caso de superdosagem é de se esperar uma hipotensão3 excessiva. Pode ser necessário tratamento com infusão intravenosa de solução fisiológica11 e/ou angiotensina II.

Precauções de Triatec

determinação da função renal4: a avaliação do paciente deve incluir a determinação da função renal4 antes do início e durante o tratamento. Alguns pacientes hipertensos com doença renal4 preexistente não aparente podem desenvolver aumentos pequenos ou geralmente transitórios da uréia12 e creatinina6 séricas durante o tratamento com Triatec, especialmente se um diurético1 está sendo administrado concomitantemente. A redução da posologia de Triatec e/ou a descontinuação do diurético1 podem ser necessárias. Comprometimento da função renal4 pode ocorrer em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva13, estenose14 arterial renal4 bilateral e estenose14 arterial renal4 unilateral no rim15 único, assim como após transplante renal4. Se diagnosticado rapidamente, o comprometimento da função renal4 é reversível com a descontinuação da terapia. Comprometimento da função renal4: pacientes com comprometimento da função renal4 (clearance de creatinina6 menor que 50 ml/min) podem requerer doses reduzidas de Triatec e sua função renal4 deve ser cuidadosamente monitorada, desde que o grau de comprometimento possa piorar. Na maioria dos casos, a função renal4 não sofrerá alterações. Há um risco de hiperpotassemia nestes pacientes. Triatec não é adequado para o tratamento de pacientes que requerem hemodiálise16 para insuficiência renal17 em estágio final desde que somente quantidades insignificantes são dialisáveis. Comprometimento da função hepática18: como Triatec é um pró-fármaco19 metabolizado para sua forma ativa no fígado20, deve ser tomado cuidado especial com monitoria rigorosa em pacientes com função hepática18 comprometida. A metabolização do composto original e consequente formação do metabólito9 ativo ramiprilato pode ser desacelerada resultando níveis plasmáticos acentuadamente elevados do composto original devido à atividade diminuída das esterases no fígado20. Insuficiência cardíaca congestiva13: hipotensão3 excessiva foi observada em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva13 e pode ocorrer em associação com oligúria21 ou uremia22. A terapia deve iniciar sob estrita supervisão médica. Crianças: a segurança e a eficácia de Triatec ainda não foram estabelecidas em crianças. Hipotensão3 sintomática23: raramente, hipotensão3 sintomática23 severa e, em casos isolados, síncope24 foram observados em pacientes hipertensos sem complicações após a dose inicial e após aumento da dose de Triatec. Isto é mais provável de ocorrer em pacientes com depleção25 de volume e de sal causada por terapia diurética prolongada, dieta com restrição de sal, diarréia26 ou vômito27. A depleção25 de volume e/ou de sal deve ser corrigida antes de iniciar a terapia com Triatec. Se ocorrer hipotensão3, o paciente deve ser colocado na posição supina e, se necessário, receber uma infusão intravenosa de solução fisiológica11. O tratamento com Triatec geralmente pode ser continuado após a restauração do volume sangüíneo efetivo e da pressão sangüínea28. Leucopenia29: raramente, os inibidores da enzima30 de conversão da angiotensina (ECA) causaram agranulocitose31 e depressão da medula óssea32 em pacientes hipertensos sem complicações, mas mais freqüentemente em pacientes com comprometimento renal4, especialmente se eles também têm uma doença vascular33 do colágeno34, tais como, lúpus35 eritematoso36 e esclerodermia, e estão sob tratamento com drogas como corticosteróides e antimetabólitos. Neste último grupo de pacientes, a contagem de células37 da série branca e os níveis de proteína na urina38 devem ser monitorados regularmente. - Interações medicamentosas: a ingestão de alimento não tem influência relevante sobre a extensão da absorção. A combinação com diuréticos2 ou outros agentes anti-hipertensivos pode potencializar a resposta anti-hipertensiva a Triatec. Pacientes previamente tratados com diuréticos2 podem ter uma queda marcante na pressão sangüínea28. Os diuréticos2 poupadores de potássio, tais como, espironolactona, amilorida e triantereno ou os suplementos de potássio podem aumentar o risco de hiperpotassemia. Como com outros inibidores da enzima30 de conversão da angiotensina (ECA), o efeito anti-hipertensivo de Triatec pode ser diminuído em pacientes em uso de agentes antiinflamatórios não esteróides (por exemplo, ácido acetilsalicílico, fenilbutazona e indometacina). Uma alta ingestão de sal pode diminuir os efeitos da medicação anti-hipertensiva. A leucopenia29 pode ser agravada em pacientes submetidos a tratamento com imunossupressores, agentes citostáticos39, corticóides sistêmicos40 ou alopurinol. Desde que os inibidores da enzima30 de conversão da angiotensina (ECA) diminuem a excreção dos sais de lítio, as concentrações sanguíneas de lítio devem ser monitoradas em pacientes submetidos à tal terapia. Os anestésicos gerais ou anestésicos com ação anti-hipertensiva podem abaixar ainda mais a pressão sanguínea em pacientes tomando Triatec. Medidas profiláticas adequadas, tais como, aumentando o volume sanguíneo ou, se necessário, administrando a angiotensina II, devem ser tomadas antes ou durante a cirurgia.

Reações Adversas de Triatec

a frequência de reações adversas associadas com Triatec foi baixa nos ensaios clínicos41. Geralmente, as reações adversas foram suaves e transitórias e não requereram a descontinuação da terapia. As reações adversas mais frequentemente reportadas foram náusea42, tontura43 e cefaléia44. A nível cardiovascular: pode ocorrer hipotensão3 sintomática23 caracterizada por tontura43, fraqueza, náusea42, cefaléia44, palpitações45, cansaço ou zumbido, após a dose inicial ou após o aumento da dose de Triatec. Foram observados casos isolados de síncope24. A nível renal4: em pacientes com comprometimento renal4 e pacientes anteriormente tratados com diuréticos2, a função renal4 pode piorar com Triatec e pode estender-se para insuficiência renal17 aguda em casos isolados. Nestes pacientes, uma atenção especial deve se prestar na monitoria das variáveis laboratoriais. Proteinúria46 preexistente pode agravar-se com Triatec. Podem ocorrer também aumento da uremia22 e creatinina6 sérica. O clearance da creatinina6 e a potassemia também devem ser avaliados regularmente. A nível gastrintestinal: podem ocorrer náusea42, vômito27, dor abdominal e diarréia26, mas estas reações são frequentemente transitórias. Muito raramente, podem ocorrer alterações do paladar47. Alérgicas: podem ocorrer reações de hipersensibilidade acompanhadas de prurido48, vermelhidão, erupção49, dispnéia50 e algumas vezes febre51, mas geralmente regridem espontaneamente após descontinuação de Triatec. Edema angioneurótico52: muito raramente ocorreu edema angioneurótico52 durante terapia com inibidores da enzima30 de conversão da angiotensina (ECA), inclusive Triatec. Se ocorrer estridor laríngeo ou angioedema53 da face54, língua55 ou glote56, o tratamento com Triatec deve ser descontinuado e imediatamente iniciar a terapia apropriada. Outras: tosse seca e, raramente, câimbras57 musculares; dor do tórax58, formigamento e impotência59 foram reportados em casos isolados. Exames laboratoriais: a natriemia pode diminuir. Pode ocorrer elevação da potassemia desde que Triatec leva a uma diminuição na secreção da aldosterona; diuréticos2 poupadores de potássio ou suplementos de potássio devem por isso ser evitados. Foram observados aumentos na bilirrubina60 sérica e/ou enzimas hepáticas61. Leucopenia29 e diminuição na hemoglobina62 e plaquetas63 foram observadas com inibidores da enzima30 de conversão da angiotensina (ECA). Efeitos sobre a habilidade para dirigir e operar máquinas: o efeito anti-hipertensivo pode ser sintomático64 em casos individuais. O tratamento com Triatec pode por isso afetar a habilidade para dirigir e operar máquinas. Isto pode ocorrer principalmente no início do tratamento, na mudança de outros tratamentos para Triatec e durante o uso concomitante de bebidas alcoólicas. Advertência: a ramiprila permanece sob farmacovigilância quanto a efeitos adversos e toxicidade65 em longo prazo, pois é um novo medicamento. Embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas nem conhecidas.

Contra-Indicações de Triatec

hipersensibilidade à ramiprila. Edema angioneurótico52 hereditário. Gravidez66. Aleitamento. História anterior de edema angioneurótico52 hereditário: os pacientes devem ser questionados para história anterior de angioedema53 da face54, extremidades, lábios, língua55, glote56 e/ou laringe67. Se houver alguma suspeita de que o paciente possa ter edema angioneurótico52 hereditário, o tratamento com Triatec não deve ser efetuado.

Indicações de Triatec

hipertensão arterial68.

Apresentação de Triatec

embalagens com 20 e 30 comprimidos.


TRIATEC - Laboratório

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Rua Conde Domingos Papais, 413
Suzano/SP - CEP: 08613-010
Site: http://www.sanofi-aventis.com.br
C.N.P.J. 02.685.377/0008-23 - Indústria Brasileira

Ou

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Av Brasil, 22.155- Rio de Janeiro - RJ
CNPJ 02.685.377/0019-86 - Indústria Brasileira
Atendimento ao Consumidor 0800-703-0014
www.sanofi-aventis.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
2 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
3 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
4 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
5 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
6 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
7 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
8 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
9 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
10 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
11 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
13 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
14 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
15 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
16 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
17 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
18 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
19 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
20 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
21 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
22 Uremia: Doença causada pelo armazenamento de uréia no organismo devido ao mal funcionamento renal. Os sintomas incluem náuseas, vômitos, perda de apetite, fraqueza e confusão mental.
23 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
24 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
25 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
26 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
27 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
28 Pressão sangüínea: Força exercida pelo sangue arterial por unidade de área da parede arterial. É expressa como uma razão (Exemplo: 120/80, lê-se 120 por 80). O primeiro número é a pressão sistólica ou pressão máxima. E o segundo número é a presão diastólica ou mínima.
29 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
30 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
31 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
32 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
33 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
34 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
35 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
36 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
37 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
38 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
39 Citostáticos: Diz-se de substâncias que inibem o crescimento ou a reprodução das células.
40 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
41 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
42 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
43 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
44 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
45 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
46 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
47 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
48 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
49 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
50 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
51 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
52 Edema angioneurótico: Ataques recidivantes de edema transitório que aparecem subitamente em áreas da pele, membranas mucosas e ocasionalmente nas vísceras, geralmente associadas com dermatografismo, urticária, eritema e púrpura.
53 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
54 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
55 Língua:
56 Glote: Aparato vocal da laringe. Consiste das cordas vocais verdadeiras (pregas vocais) e da abertura entre elas (rima da glote).
57 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
58 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
59 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
60 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
61 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
62 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
63 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
64 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
65 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
66 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
67 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
68 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre TRIATEC?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.