Preço de LOXONIN em Woodbridge/SP: R$ 14,00

LOXONIN

DAIICHI SANKYO

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Loxonin

cada comprimido contém: loxoprofeno sódico diidratado (equivalente a 60 mg de loxoprofeno sódico anidro) 68,1 mg. Excipiente (lactose1, estearato de magnésio, hidroxipropilcelulose, hidroxipropilcelulose de baixa substituição, óxido de ferro vermelho) q.s.p. 0,25 g. Cada sachê de Loxonin grânulos contém: loxoprofeno sódico diidratado (equivalente a 60 mg de loxoprofeno sódico anidro) 68,1 mg. Excipiente (lactose1, estearato de magnésio, hidroxipropilcelulose de baixa substituição, óxido de ferro vermelho) q.s.p. 0,6 g.

Posologia e Administração de Loxonin

em geral recomenda-se para o adulto a posologia de 1 comprimido ou 1 sachê de Loxonin (60 mg de loxoprofeno sódico), 3 vezes ao dia, por via oral. Em casos agudos poderá ser realizada uma única administração de 1 a 2 comprimidos ou 1 a 2 sachês de Loxonin (60-120 mg de loxoprofeno sódico), por via oral, ajustando-se a dose de acordo com a idade e os sintomas2. No tratamento de inflamações3 agudas do trato respiratório superior deve-se administrar 1 comprimido ou 1 sachê de Loxonin (60 mg de loxoprofeno sódico), por via oral. Como regra geral a administração deve ser feita até 2 vezes ao dia. Loxonin grânulos deve ser dissolvido em água antes da administração. Deve-se evitar ultrapassar a dose diária de 180 mg bem como a administração em jejum. - Superdosagem: não há relato de superdosagem com Loxonin, porém em caso de ocorrência de ingestão acidental recomenda-se proceder ao esvaziamento gástrico e tratamento de suporte com monitoração das funções vitais e assistência ventilatória, se necessário. Não é conhecido antídoto4 específico para a droga. Uso em idosos: atenção especial deve ser dada à condição do paciente após a administração especialmente em idoso com febre5 alta ou com doença debilitante.

Precauções de Loxonin

Loxonin deve ser administrado com cautela em: pacientes com história de hipersensibilidade aos componentes da fórmula; pacientes com antecedentes de úlcera péptica6, distúrbios hematológicos, hepáticos ou renais; pacientes com asma7 brônquica. As seguintes precauções devem ser consideradas quando o Loxonin é utilizado no tratamento de patologias crônicas (artrite reumatóide8 ou osteoartrite9). Durante tratamento prolongado com Loxonin, exames laboratoriais, tais como, análise urinária, hematológica e testes da função hepática10 devem ser realizados periodicamente. Se forem observadas alterações, recomenda-se redução da dose ou interrupção da terapia. Os pacientes em uso de Loxonin devem ser rigorosamente observados e atenção deverá ser dada caso ocorram reações adversas. Queda acentuada da temperatura, colapso11 e extremidades frias, etc. podem ocorrer. Loxonin pode mascarar os sinais12 e sintomas2 de infecção13. Portanto, deve ser administrado concomitantemente com um agente antibacteriano apropriado quando se tratar de processo inflamatório de origem infecciosa. Nete caso, recomenda-se a administração e observação cuidadosa. O uso concomitante de Loxonin com outros agentes antiinflamatórios ou analgésicos14 deve ser feito sob supervisão médica. Uso durante a gravidez15 e lactação16: a segurança do uso de Loxonin na gravidez15 não foi estabelecida. Portanto, Loxonin somente deverá ser administrado a pacientes gestantes se os benefícios terapêuticos justificarem os riscos potenciais para o feto17. Loxonin não deve ser usado no último trimestre da gravidez15 e durante o período de lactação16. - Uso em pediatria: a segurança do Loxonin em crianças não foi estabelecida. - Uso em idosos: atenção especial deve ser dada à condição do paciente após a administração, especialmente em idosos com febre5 ou com doença debilitante. - Interações medicamentosas: co-administração cautelosa: anticoagulantes18 cumarínicos (p. ex.: varfarina): os pacientes devem ser observados cuidadosamente, uma vez que Loxonin pode intensificar os efeitos anticoagulantes18 de tais drogas. Se necessário, reduzir a dose. Hipoglicemiantes19 sulfoniluréicos (p. ex.: clorpropamida20): uma vez que Loxonin potencializa os efeitos hipoglicemiantes19 de tais drogas, os pacientes devem ser cuidadosamente observados. Se necessário, reduzir a dose. Antibacteriano fluorquinolônico (p. ex.: norfloxacina): Loxonin pode potencializar os efeitos de tais drogas na indução de convulsão21. Preparações de lítio (carbonato de lítio): Loxonin pode aumentar a concentração sangüínea de lítio e causar envenenamento. A concentração de lítio deve ser cuidadosamente controlada e, se necessário, reduzir a dose. Derivados benzotiazínicos (p. ex.: hidroclorotiazida): Loxonin pode reduzir os efeitos hipotensores e diuréticos22 de tais drogas.

Reações Adversas de Loxonin

reações adversas que podem ocorrer raramente: urticária23, úlcera péptica6, cefaléia24, reações adversas hematológicas (anemia25, anemia hemolítica26 ou anemia25 aplástica), leucopenia27, trombocitopenia28, palpitação29, choque30, síndrome de Stevens-Johnson31, insuficiência renal32 aguda, síndrome nefrótica33 e pneumonia34 intersticial35. Nestes casos Loxonin deverá ser suspenso. Reações adversas que podem ocorrer pouco freqüentemente: erupção36, prurido37, sonolência, edema38, eosinofilia39, aumento nas transaminases TGO (ALT), TGP (AST) e AI-T (fosfatase alcalina40), reações adversas gastrintestinais (dor abdominal, desconforto gástrico, anorexia41, náusea42 e vômito43, diarréia44, constipação45, pirose46, dispepsia47 e estomatite48).

Contra-Indicações de Loxonin

está contra-indicado em: pacientes com hipersensibilidade a qualquer um dos componentes do produto; pacientes portadores de úlcera péptica6, graves distúrbios hematológicos, hepáticos ou renais; pacientes com insuficiência cardíaca congestiva49 grave; pacientes com asma7 induzida por drogas antiinflamatórias não esteroidais; pacientes gestantes no último trimestre de gravidez15 e durante o período de lactação16.

Indicações de Loxonin

antiinflamatório e analgésico50 no tratamento de: artrite reumatóide8, osteoartrite9, periartrite escapuloumeral, processos inflamatórios osteomusculares do pescoço51, ombro, braço e lombalgias; como analgésico50 e antiinflamatório em pós-cirurgia, pós-traumatismo52 e pós-exodontia; como analgésico50, antiinflamatório e antitérmico53 em processos inflamatórios agudos do trato respiratório superior (acompanhado ou não de bronquite aguda54).

Apresentação de Loxonin

embalagem contendo 30 ou 60 comprimidos. Grânulos: embalagem contendo 15 ou 30 sachês.


Ver informações do laboratório

LOXONIN - Laboratório

DAIICHI SANKYO
Tel: SAC 0800-556596
Email: sac@daiichisankyo.com.br
Site: http://www.daiichisankyo.com.br/Home/Default.aspx

Ver outros medicamentos do laboratório "DAIICHI SANKYO"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
4 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
5 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
6 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
7 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
8 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
9 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
10 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
11 Colapso: 1. Em patologia, é um estado semelhante ao choque, caracterizado por prostração extrema, grande perda de líquido, acompanhado geralmente de insuficiência cardíaca. 2. Em medicina, é o achatamento conjunto das paredes de uma estrutura. 3. No sentido figurado, é uma diminuição súbita de eficiência, de poder. Derrocada, desmoronamento, ruína. 4. Em botânica, é a perda da turgescência de tecido vegetal.
12 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
13 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
15 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
16 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
17 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
18 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
19 Hipoglicemiantes: Medicamentos que contribuem para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capazes de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
20 Clorpropamida: Medicação de uso oral para tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia ajudando o pâncreas a produzir mais insulina e o corpo a usar melhor a insulina produzida. Pertence à classe dos medicamentos chamada sulfoniluréias.
21 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
22 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
23 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
24 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
25 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
26 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
27 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
28 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
29 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
30 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
31 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
32 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
33 Síndrome nefrótica: Doença que afeta os rins. Caracteriza-se pela eliminação de proteínas através da urina, com diminuição nos níveis de albumina do plasma. As pessoas com síndrome nefrótica apresentam edema, eliminação de urina espumosa, aumento dos lipídeos do sangue, etc.
34 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
35 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
36 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
37 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
38 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
39 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
40 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
41 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
42 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
43 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
44 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
45 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
46 Pirose: Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, ela pode ser acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago; azia.
47 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
48 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
49 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
50 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
51 Pescoço:
52 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
53 Antitérmico: Medicamento que combate a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
54 Bronquite aguda: Inflamação dos brônquios produzida em geral por diferentes vírus respiratórios, que se manifesta por febre, tosse e expectoração de muco à tosse.

Tem alguma dúvida sobre LOXONIN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.