CILINON

ARISTON

Atualizado em 08/12/2014

CILINON®
Ampicilina Sódica
500 mg - 1000 mg

Forma Farmacêutica e Apresentação de Cilinon

Pó para solução injetável.Embalagem contendo 1 frasco-ampola com diluente.
Embalagem contendo 100 frascos-ampolas com ou sem diluente.
USO ADULTO
- Composição

Cada frasco-ampola de 500 mg contém:
Ampicilina sódica....................500 mg
Cada frasco-ampola de 1000 mg contém:
Ampicilina sódica....................1000 mg
Cada ampola do diluente contém: Água para injeção1, estéril e apirogênica.

Informações ao Paciente de Cilinon

•  O produto deve ser mantido em local fresco.
•  Ao adquirir um medicamento, verifique o prazo de validade na embalagem. O produto mantém sua estabilidade, desde que sejam observados os cuidados de conservação indicados. Não utilize medicamentos após vencido o prazo de validade.
•  A solução injetável reconstituída deve ser aplicada lentamente, segundo o descrito em "Posologia".
•  A Ampicilina é um antibiótico derivado das penicilinas, que age sobre os germes sensíveis.
•  Informe seu médico a ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.
•  Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis com o uso do produto, tais como: reações alérgicas ou distúrbios digestivos.
•  Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
•  A Ampicilina não deve ser utilizada por pacientes alérgicos às penicilinas ou cefalosporinas.
•  TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
•  Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
•  NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE3.

Informações Técnicas de Cilinon

Características de Cilinon

A atividade bactericida da ampicilina depende da capacidade de alcançar e de se ligar a proteínas4 específicas que têm afinidade por penicilinas (PBP1 e PBP3), localizadas na membrana citoplasmática. Após a ligação com a membrana citoplasmática, a ampicilina inibe a septação e a síntese da parede celular, provavelmente por acetilação das transpeptidases da membrana; impedindo a ligação cruzada das cadeias de peptidoglicano, necessárias para a rigidez da parede bacteriana. Desta forma, ocorre a lise5 e o alongamento nas bactérias sensíveis. Bactérias com rápida divisão celular são as mais sensíveis à ação das penicilinas.

Indicações de Cilinon

É indicada em infecções6 causadas por germes Gram-positivos e Gram-negativos, sensíveis à ampicilina, tais como: bronquite aguda7 ou crônica, adenoidite, amigdalite, faringite8, otite9, sinusite10, mastoidite, septicemias, endocardite11 bacteriana, meningite12, febres tifóide e paratifóide, shiguelose, infecções6 dos tratos urinário e ginecológico, broncopneumonia13.

Contra-Indicações de Cilinon

É contra-indicada em pacientes sensíveis as penicilinas. Reações cruzadas com cefalosporinas podem ocorrer.Usar com atenção em pacientes com histórias de asma14, alergia15, urticária16, febre do feno17, diarréia18, colite19 ulcerativa, enterite regional, colite19 pseudomembranosa, mononucleose20 e na disfunção renal21.

Precauções de Cilinon

Recomenda-se a realização de testes de sensibilidade bacteriológica antes da instituição da medicação antibiótica. Verificar cuidadosamente a sensibilidade do paciente, pois podem ocorrer reações anafiláticas22 que exigem tratamento de emergência23.
Quando o produto foi usado por tempo prolongado poderão surgir superinfecções24 por germes resistentes. Doses elevadas em recém-nascidos ou em pacientes com uremia25 podem levar à convulsões.
A indicação do produto durante a gravidez2 ou amamentação26 deve levar em conta a relação risco/benefício, pois a segurança do uso nestes casos não está completamente estabelecida.

Interações Medicamentosas de Cilinon

Pacientes recebendo alopurinol para o tratamento de hiperuricemia podem desenvolver erupções cutâneas27 induzidas pela ampicilina.Cloranfenicol, eritromicinas, sulfonamidas e tetraciclina podem interferir com o efeito bactericida da ampicilina.
Anticoncepcionais orais estrogênicos podem ter sua eficácia diminuida devido à estimulação do metabolismo28 dos estrógenos ou à redução da circulação29 enterohepática dos estrógenos.
É aconselhável o uso de outros métodos anticoncepcionais durante o uso da ampicilina.

Efeitos Colaterais30 de Cilinon

Reações alérgicas podem ocorrer principalmente em pessoas sensíveis às penicilinas e/ou naquelas com asma14, eczema31 e febre do feno17. Também pode ocorrer erupção32 ou "rash33" cutâneo34, podendo ser urticariforme ou maculopapular35, aparecendo, em geral, após cerca de uma semana de uso.
Pacientes com mononucleose20 desenvolvem "rash33" cutâneo34 com o uso de ampicilina, assim como aqueles portadores de leucemia36 linfóide. Existe controvérsia quanto à causa dessa reação cutânea37 provocada pela ampicilina, pois pode ocorrer o desaparecimento completo do "rash33" com a continuidade do tratamento, o que favorece a hipótese de uma reação tóxica ao invés de alérgica. Porém, como em muitas ocasiões é impossível distingüir-se entre uma reação alérgica38 e tóxica, deve-se tomar precauções com seu uso, especialmente em pacientes com história de alergia15 a outras penicilinas.
Também podem ocorrer diarréia18, náuseas39 e vômitos40, porém são mais freqüentes com as apresentações orais da ampicilina.
Colite19 pseudomembranosa tem sido relatada em poucos casos. Também pode ocorrer febre41, porém mais raramente.
Alguns casos de neutropenia42 já foram descritos.
Como para qualquer outra penicilina, pode ocorrer nefrite43 intersticial44, porém com baixa freqüência. Alguns casos raros de convulsões em pacientes com nível sérico muito elevado foram relatados.

Posologia de Cilinon

Adultos: de 1 a 2 g/24 horas, em doses divididas a cada 6 ou 8 horas.Crianças: de 25 a 100 mg/kg/dia, em doses iguais a cada 6 ou 8 horas.
As doses podem ser aumentadas de acordo com a gravidade do caso. Nas meningites45 bacterianas recomenda-se até 14 g/dia para adultos e até 200 mg/kg/dia para crianças. O tratamento deve prolongar-se por 48 a 72 horas após cessarem os sintomas46 ou tornarem-se negativas as culturas.
Administração Intramuscular: Diluir com o diluente (água para injeção1) o conteúdo do frasco-ampola e aplicar em injeção intramuscular47 profunda.
Administração Endovenosa Direta: Aplicar diretamente na veia, lentamente, de 3 a 5 minutos (500 mg) e 10 minutos (1000 mg).
Administração Endovenosa Contínua: Misturar a solução diluída em fluídos para infusão (soro48 fisiológico49 ou glicosado 5% ou 10%) obtendo uma concentração entre 2 a 30 mg/ml e aplicando em 4 a 8 horas de infusão contínua.

Superdosagem de Cilinon

As penicilinas apresentam baixa toxicidade50 direta no homem. O risco da administração de altas doses é o possível efeito irritante sobre o Sistema nervoso central51 e periférico, podendo causar ataque epileptiforme52. A ampicilina é removível por hemodiálise53, mas não por diálise peritoneal54.
A ampicilina sódica fornece 61,9 mg (2,7mEq) de sódio em 1000 mg. Pacientes com tendência à hipernatremia55 devem ser monitorados quanto aos eletrólitos56 sangüíneos.

Pacientes Idosos de Cilinon

O produto pode ser usado por pacientes com idade acima de 65 anos, desde que se observe as precauções necessárias. A depuração da ampicilina nesses pacientes está diminuída.
Farm. Resp.: Drª Eliana de Paula D. Oriolo - CRF-SP nº 6.704 - M.S. 1.0270.0043
Ariston Indústrias Químicas e Farmacêuticas Ltda.
Rua Adherbal Stresser, 84 - Jardim Arpoador - São Paulo - SP - CEP 05566-000
Serviço ao Consumidor Ariston: 0800-55-6222
C.N.P.J. 61.391.769/0001-72 - Indústria Brasileira
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Lote, fabricação e validade: vide embalagem

CILINON - Laboratório

ARISTON
Rua Adherbal Stresser, 84
São Paulo/SP - CEP: 05566-000
Tel: (011 )810-1079
Fax: (011 )810-2894
Site: http://www.ariston.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ARISTON"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
5 Lise: 1. Em medicina, é o declínio gradual dos sintomas de uma moléstia, especialmente de doenças agudas. Por exemplo, queda gradual de febre. 2. Afrouxamento, deslocamento, destruição de aderências de um órgão. 3. Em biologia, desintegração ou dissolução de elementos orgânicos (tecidos, células, bactérias, microrganismos) por agentes físicos, químicos ou enzimáticos.
6 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
7 Bronquite aguda: Inflamação dos brônquios produzida em geral por diferentes vírus respiratórios, que se manifesta por febre, tosse e expectoração de muco à tosse.
8 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
9 Otite: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
10 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
11 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
12 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
13 Broncopneumonia: Infecção do tecido pulmonar produzida em geral por microorganismos que alcançam os alvéolos através dos brônquios. Pode ser uma doença grave, principalmente em pacientes idosos. Manifesta-se por tosse, febre e opacificação na radiografia de tórax.
14 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
15 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
16 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
17 Febre do Feno: Doença polínica, polinose, rinite alérgica estacional ou febre do feno. Deve-se à sensibilização aos componentes de polens, sendo que os alérgenos de pólen provocam sintomas clínicos quando em contato com a mucosa do aparelho respiratório e a conjuntiva de indivíduos previamente sensibilizados.
18 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
19 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
20 Mononucleose: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
21 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
22 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
23 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
24 Superinfecções: Geralmente ocorrem quando os antibióticos alteram o equilíbrio do organismo, permitindo o crescimento de agentes oportunistas, como os enterococos. As superinfecções podem ser muito difícil de tratar, porque é necessário optar por antibióticos eficazes contra todos os agentes que podem causá-las.
25 Uremia: Doença causada pelo armazenamento de uréia no organismo devido ao mal funcionamento renal. Os sintomas incluem náuseas, vômitos, perda de apetite, fraqueza e confusão mental.
26 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
27 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
28 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
29 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
30 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
31 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
32 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
33 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
34 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
35 Maculopapular: Erupção cutânea que se caracteriza pelo aparecimento de manchas e de pápulas de tonalidade avermelhada, geralmente observada no sarampo ou na rubéola.
36 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
37 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
38 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
39 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
40 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
41 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
42 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
43 Nefrite: Termo que significa “inflamação do rim” e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
44 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
45 Meningites: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
46 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
47 Injeção intramuscular: Injetar medicamento em forma líquida no músculo através do uso de uma agulha e seringa.
48 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
49 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
50 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
51 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
52 Epileptiforme: Semelhante à epilepsia, a seus sintomas ou às suas manifestações.
53 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
54 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.
55 Hipernatremia: Excesso de sódio no sangue, indicativo de desidratação.
56 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.

Tem alguma dúvida sobre CILINON?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.