INFLAX

ATIVUS

Atualizado em 08/12/2014

USO ADULTO E/OU PEDIÁTRICO

Forma Farmacêutica e Apresentações de Inflax

Comprimidos Revestidos de 10 mg - Caixa com 16 comprimidosrevestidos.
Comprimidos Revestidos de 20 mg - Caixa com 8 e 16 comprimidos
revestidos.
Comprimidos Solúveis de 20 mg - Caixa com 10 comprimidos solúveis.
Gel - Bisnaga com 30 g.
Gotas - Suspensão oral - Frasco com 10 ml.
Injetável em solução intramuscular - Caixa com 2 ampolas.

Composição de Inflax

Comprimidos Revestidos de 10 mg: cada comprimido contém:
Piroxicam 10mg
Excipiente: Celulose, Lactose1, Polietilenoglicol, Dióxido de Titânio,
Gluconato Amido Sódico, Estearato de Magnésio, Acetona,
Laurilsulfato de Sódio, Talco, Polissorbato 80, Simeticone, Copolímero
Ácido Metacrílico, Trietilcitrato, Água Destilada.

Comprimidos Revestidos de 20 mg: cada comprimido contém:
Piroxicam 20mg
Excipiente: Celulose, Lactose1, Polietilenoglicol, Dióxido de Titânio,
Gluconato Amido Sódico, Estearato de Magnésio, Acetona,
Laurilsulfato de Sódio, Talco, Polissorbato 80, Simeticone, Copolímero
Ácido Metacrílico, Trietilcitrato, Água Destilada.

Comprimidos Solúveis de 20 mg: cada comprimido contém:
Piroxicam 20mg
Excipiente: Celulose Microcristalina, Amido de Milho, Estearato de
Magnésio.

Gel a 0,5%: cada 5 gr contém:
Piroxicam 25mg
Excipiente: Carbopol, Trietanolamina, Metilparabeno, Propilparabeno,
Água destilada.

Gotas: cada 20 gotas contém:
Piroxicam 10mg
Excipiente: Açúcar2, Álcool Absoluto, Celulose Microcristalina,
Glicerina, Metilparabeno, Propilparabeno, Polissorbato 20, Água
Destilada.

Injetável em solução intramuscular: cada 2 ml contém:
Piroxicam 40mg
Excipiente: Propilenoglicol, Álcool Benzilico, Água bidestilada.

Informações ao Paciente de Inflax

INFLAX (Piroxicam), devido as suas propriedades analgésicas eantipiréticas, é indicado nos casos de Artrites, Distúrbios
músculo-esqueléticos, Gota3, Dor pós-operatória ou pós-traumática e
Dismenorréia4.

Cuidados na conservação:

O medicamento deve ser conservado em temperatura ambiente ao
abrigo da luz e umidade.

Prazo de Validade:

Comprimido Solúvel, Gotas, Gel e Injetável: 24 meses após a data de
fabricação.
Comprimido Revestido: 36 meses após a data de fabricação.

Não use medicamentos com o prazo de validade vencido
Verifique a data de fabricação no cartucho.

Gravidez5 e Lactação6: Até o momento, não existem trabalhos que
comprovem a utilização de Piroxicam, nessa classe de pacientes,
portanto, a sua utilização durante estes períodos é contra-indicada.
Informe seu médico a ocorrência de gravidez5 na vigência do
tratamento ou após o seu término. Informe-o se estiver amamentando.

Cuidados na administração e interrupção: As doenças crônicas
necessitam de um período de 6 a 7 dias para se obter uma resposta
adequada, não se devendo interromper a medicação sem consultar o
médico. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os
horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interromper o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

Reações Adversas: Pacientes sensíveis podem apresentar dores de
estômago7, vômitos8, azia9 e distensão abdominal, principalmente quando  a dose de 30 mg/dia for ultrapassada, ou quando INFLAX (Piroxicam) for utilizado prolongadamente.
Deve-se interromper o tratamento no caso de aparecimento de
erupções cutâneas10.Informe a seu médico o aparecimento de reações
desagradáveis.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO
ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Contra-Indicações e Precauções: Pacientes que eventualmente
tiveram qualquer manifestação de hipersensibilidade aos
medicamentos do grupo Oxicans não devem utilizar INFLAX
(Piroxicam). Todos os antiinflamatórios não hormonais podem ser
responsáveis pela piora da sintomatologia de pacientes asmáticos ou
portadores de outras doenças alérgicas como: Rinites, Bronquites e
Urticária11. Em caso de contato do gel com os olhos12 lave-os com água
corrente abundante e procure orientação médica. Informar a seu
médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do
início, ou durante o tratamento.

Uso concomitante com outras substâncias: O Piroxicam pode interagir com drogas como antidiabéticos orais13, anticoagulantes14, diuréticos15 e outras drogas potencialmente nefrotóxicas. Evite o uso de bebidas alcóolicas durante o tratamento.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE16.

Informações Técnicas de Inflax

Mecanismo de Ação: INFLAX (Piroxicam) é um agente antiinflamatório que possui também propriedades analgésicas e antipiréticas. É eficaz,
independentemente da etiologia17 da inflamação18. Sua ação antiinflamatória está ligada a inibição da síntese de prostanóides, incluindo as prostaglandinas19, por bloqueio reversível da ciclo-oxigenase. Este bloqueio diminui a produção de
várias prostaglandinas19 (PGD2, PGE2, PGF2, PGI2) e do tromboxano (TXA2) impedindo a ação vasodilatadora, hiperanalgésica e pirogênica dessas substâncias. Nos processos inflamatórios crônicos a ação de INFLAX (Piroxicam) retarda-se um pouco porque as prostaglandinas19 são produzidas inclusive a nível das células20 sinoviais. É interessante observar que doses subclínicas de INFLAX (Piroxicam) podem acarretar aumento da concentração de prostaglandinas19 a nível das articulações21 através de uma ação ativadora da fosfolipase A2 que aumenta a concentração de ácido araquidônico disponível. As PGE e PGF estão relacionadas aos processos dolorosos que ocorrem na
dismenorréia4, por isto, INFLAX (Piroxicam) pode ser utilizado nesta patologia22.

Farmacocinética: INFLAX (Piroxicam) é bem absorvido por via oral, e é
metabolizado no fígado23. Uma porcentagem de INFLAX (Piroxicam) participa do ciclo entero-hepático. A ação antiinflamatória e analgésica é imediata, mas nas doenças crônicas, o equilíbrio entre os níveis sangüíneos e a articulação24 comprometida pode levar até 7 dias.

Indicações de Inflax

Antiinflamatório não esteroidal utilizado na artrite reumatóide25, espondilite anquilosante, distúrbios musculoesqueléticos agudos, gota3 aguda e dor pós-operatória e pós-traumática, dismenorréia4 primária. Injetável - O uso de injetáveis se faz no início do tratamento ou em casos de reagudização de
quadros crônicos.
Gel - O uso do gel têm sua principal indicação nos processos
articulares e traumáticos como contusões musculares e articulares, pois, devido a sua boa absorção o Piroxicam na forma de gel atinge camadas profundas como a muscular e o líquido sinovial26.

Contra-Indicações de Inflax

Paciente com Úlcera péptica27 ativa ou hemorragia28
gastrointestinal intensa. Pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade à droga. Há potencial risco de sensibilidade cruzada com Ácido Acetil Salicílico e outros antiinflamatórios não esteróides (AINEs). Pacientes que desenvolveram asma29, pólipo30 nasal, angioedema31 ou urticária11 após o uso de Ácido Acetil Salicílico ou outros AINEs. Gastrite32 e Úlcera Péptica27: Os pacientes portadores destas patologias correm maior risco de apresentar complicações com o uso de Piroxicam.

Alergias: Os pacientes portadores de asma29, bronquites e rinites ou urticária11 devem evitar o uso de Piroxicam, assim como de outros antiinflamatórios não esteróides. Insuficiência Renal33: pacientes com a função renal34 prejudicada podem apresentar uma nefrite35 intersticial36 ou agravar a sua insuficiência renal33.
Gravidez5 e Lactação6: INFLAX (Piroxicam) não deve ser utilizado nestas
situações, pois, não existem trabalhos publicados que autorizem o seu uso.

Precauções de Inflax

Por sua ação antiagregadora plaquetária, INFLAX (Piroxicam),pode acarretar problemas na hemostasia37, por isto é prudente não utilizá-lo nos pacientes que irão ser submetidos a cirurgia. Por ser de metabolização hepática38, pacientes hepatopatas não devem receber INFLAX (Piroxicam) por tempo muito prolongado. Uma incidência39 pouco freqüente de ulceração40 péptica, perfuração e sangramento gastrointestinal, em raros casos fatais, tem sido relatada com o uso de Piroxicam. Em raros casos Piroxicam pode causar nefrite35 intersticial36,
glomerulite, necrose41 papilar e síndrome nefrótica42. Piroxicam inibe a síntese de prostaglandinas19 renais que servem para manter a perfusão renal34 em pacientes com fluxo renal34 e volume sangüíneo diminuído. Nesses pacientes, a administração de Piroxicam pode precipitar descompensação renal34, reversível após a suspensão do tratamento. Pacientes sob maiores riscos são aqueles com insuficiência cardíaca congestiva43, cirrose44 hepática38, síndrome nefrótica42 e doença renal34. Piroxicam pode causar retenção de sódio, potássio e água podendo interferir com a ação natriurética de agentes diuréticos15. Estas propriedades devem ser limitadas, em se tratando de pacientes com função cardíaca comprometida ou hipertensão45, uma vez que estes fatores poderão ser responsáveis pela piora das condições cardíacas do paciente. Assim, como ocorre com outros AINEs, sangramento tem sido relatado raramente com Piroxicam, quando administrado a pacientes recebendo anticoagulantes14 cumarínicos. Os pacientes devem ser monitorados cuidadosamente quando Piroxicam e anticoagulantes14 orais forem administrados concomitantemente. O
uso de doses subclínicas de INFLAX (Piroxicam) pode provocar um efeito contrário sobre a produção de prostaglandinas19. Há casos relatados de fotossensibilidade com o uso de INFLAX (Piroxicam), sendo conveniente a não exposição excessiva ao sol enquanto o medicamento estiver sendo utilizado.
Evite o contato do gel com os olhos12 e espalhe homogeneamente o gel pela pele46, pois pode ocorrer despigmentação transitória da pele46, lave-os com água corrente em grande quantidade caso ocorra contato com os olhos12.

Interações Medicamentosas de Inflax

Anticoagulantes14 orais: Uso concomitante com Piroxicam diminui a agregação plaquetária e aumenta o tempo de sangramento, Ácido Acetil Salicílico e outros AINEs: Aumento do potencial de reações adversas, Lítio : Ocorre aumento dos níveis plasmáticos de lítio, Agentes hipoglicemiantes47: Pode ocorrer aumento da ação hipoglicemiante48 das sulfoniluréias49, Diuréticos15: Tem sua ação diminuída quando utilizados simultaneamente com Piroxicam.

Reações Adversas de Inflax

Gastrointestinal: Dores abdominais, pirose50, azia9, náuseas51, vômitos8, anorexia52, flatulência, diarréia53, sangramento gastrointestinal, perfuração e úlcera54 têm ocorrido, SNC55: Tonturas56, cefaléia57, sonolência, vertigens58, depressão, nervosismo, alucinações59, alterações de humor, pesadelo, confusão mental e parestesia60, Pele46: Fotodermatites, exantema61 macular ou vesicular, edema62,principalmente do tornozelo, tem ocorrido em uma pequena porcentagem dos casos, Geral: Edema62 dos olhos12, visão63 turva e irritações oculares podem ocorrer, além de mal estar e tinitus.
Assim como, durante o tratamento com outros AINEs, pode-se observar raros casos de necrose41 epidérmica tóxica (doença de Lyell) e Síndrome de Stevens-Johnson64. Reações vesículo-bolhosas têm sido raramente relatadas.
Reações de hipersensibilidade tais como anafilaxia65, broncoespasmo66, urticária11, angioedema31, vasculite67 e doença do soro68 têm ocorrido raramente. Elevações reversíveis do BUN (Nitrogênio ureico sangüíneo) e creatinina69 têm sido reportados. Poderá ocorrer diminuição na hemoglobina70 e no hematócrito71 sem associação com sangramento gastrointestinal. Anemia72, trombocitopenia73 e
púrpura74 não trombocitopênica (Henoch - Schonlein), leucopenia75 e eosinofilia76 têm sido relatados. Anemia72 aplástica e hemolítica e epistaxe77 têm sido raramente reportados. Alguns pacientes podem ter aumentados os níveis de transaminase durante o tratamento com Piroxicam. Reações hepáticas78 severas incluindo icterícia79 e casos fatais de hepatite80 tem sido relatados. Palpitações81 e dispnéia82
têm sido raramente reportadas. Casos esporádicos de anticorpos83 antinucleares (anti-DNA) positivos e disfunção auditiva têm ocorrido, bem como raros casos de alterações metabólicas como hipoglicemia84, hiperglicemia85, aumento ou diminuição de peso.

O gel de INFLAX (Piroxicam) é bem tolerado, há raros relatos de irritação local com o uso do Piroxicam.

Posologia de Inflax


Comprimidos Revestidos / Comprimidos solúveis:

Crianças acima de 5 anos 10 mg ao dia
Adultos 10 a 20 mg ao dia

Gotas:

Crianças até 5 anos 1 gota3/Kg/dia em uma única dose diária.
Crianças com mais de 5 anos
        de 20 a 25 gotas em uma única dose diária.


*Patologias agudas podem requerer uma dose inicial de 30 a 40 mg nos primeiros 2 dias.
*Os comprimidos solúveis devem ser dissolvidos em meio copo de água pré-filtrada.

Injetável em solução intramuscular:

Adultos: 01 ampola intra-muscular uma vez ao dia ou à critério médico.
*Aplicar em músculos86 de grande volume e profundamente.
Gel: Aplique uma fina camada (em torno de 1 g) sobre a área
afetada espalhando-a homogeneamente de 3 a 4 vezes ao dia.

Superdosagem de Inflax

A ingestão acidental de doses elevadas ou erros de dosagem
exige atitudes médicas que impeçam a absorção e acelerem a sua eliminação.
A absorção a nível intestinal pode ser diminuída por ingestão de substâncias que apresentem efeito quelante, como o carvão ativado, associado ou não.
Dependendo do tempo de ingestão pode-se tomar medidas provocadoras de vômitos8. Uma hidratação adequada facilita a eliminação urinária do Piroxicam.

Uso em Pacientes com idade superior a 65 anos: INFLAX (Piroxicam)
poderá ser utilizado por pacientes acima de 65 anos de idade desde que observadas as precauções comuns do produto.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA


INFLAX - Laboratório

ATIVUS
Rua Fonte Mécia, 2050 - São Pedro
Valinhos/SP - CEP: 13270-000
Tel: (19) 3849 8600
Site: http://www.ativus.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ATIVUS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
4 Dismenorréia: Dor associada à menstruação. Em uma porcentagem importante de mulheres é um sintoma normal. Em alguns casos está associada a doenças ginecológicas (endometriose, etc.).
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
7 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
8 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
9 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
10 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
11 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
12 Olhos:
13 Antidiabéticos orais: Quaisquer medicamentos que, administrados por via oral, contribuem para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais. Eles podem ser um hipoglicemiante, se forem capazes de diminuir níveis de glicose previamente elevados, ou um anti-hiperglicemiante, se agirem impedindo a elevação da glicemia após uma refeição.
14 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
15 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
18 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
19 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
20 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
21 Articulações:
22 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
23 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
24 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
25 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
26 Líquido sinovial: Gel viscoso e transparente que lubrifica as estruturas que banha, minorando o atrito entre elas. Ele é encontrado na cavidade da cápsula articular.
27 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
28 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
29 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
30 Pólipo: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
31 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
32 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
33 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
34 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
35 Nefrite: Termo que significa “inflamação do rim” e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
36 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
37 Hemostasia: Ação ou efeito de estancar uma hemorragia; mesmo que hemóstase.
38 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
39 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
40 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
41 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
42 Síndrome nefrótica: Doença que afeta os rins. Caracteriza-se pela eliminação de proteínas através da urina, com diminuição nos níveis de albumina do plasma. As pessoas com síndrome nefrótica apresentam edema, eliminação de urina espumosa, aumento dos lipídeos do sangue, etc.
43 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
44 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
45 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
46 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
47 Hipoglicemiantes: Medicamentos que contribuem para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capazes de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
48 Hipoglicemiante: Medicamento que contribui para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capaz de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
49 Sulfoniluréias: Classe de medicamentos orais para tratar o diabetes tipo 2 que reduz a glicemia por ajudar o pâncreas a fabricar mais insulina e o organismo a usar melhor a insulina produzida.
50 Pirose: Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, ela pode ser acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago; azia.
51 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
52 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
53 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
54 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
55 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
56 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
57 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
58 Vertigens: O termo vem do latim “vertere” e quer dizer rodar. A definição clássica de vertigem é alucinação do movimento. O indivíduo vê os objetos do ambiente rodarem ao seu redor ou seu corpo rodar em relação ao ambiente.
59 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
60 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
61 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
62 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
63 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
64 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
65 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
66 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
67 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
68 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
69 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
70 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
71 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
72 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
73 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
74 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
75 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
76 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
77 Epistaxe: Hemorragia de origem nasal.
78 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
79 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
80 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
81 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
82 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
83 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
84 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
85 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
86 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.

Tem alguma dúvida sobre INFLAX?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.