Preço de LIPLESS em Fairfield/SP: R$ 96,94

LIPLESS

BIOLABFARMA

Atualizado em 09/12/2014

LIPLESS
Ciprofibrato

Identificação do Produto de Lipless

Comprimido 100 mg. Caixa com 30 comprimidos.

Uso adulto.

ComprimidoCada comprimido contém:
Ciprofibrato ....................100 mg
Excipientes: lactose1, amido, estearato de magnésio, celulose microcristalina, hipromelose, laurilsulfato de sódio.

Informações Técnicas de Lipless

Características de Lipless

O ciprofibrato é um agente hipolipemiante, derivado fenoxi-isobutirato. Assim como os demais fibratos o mecanismo de ação do ciprofibrato ainda não está amplamente esclarecido e ele é multifatorial. É admitido como principais ações: promove menor fluxo de ácidos graxos livres para o fígado2, menor síntese hepática3 de VLDL, estimula a atividade da lipase lipoprotéica (LDL4), aumenta a excreção biliar de colesterol5 hepático. Portanto, é um complemento eficaz da dieta no controle de concentrações elevadas do colesterol5 LDL4 e VLDL e dos triglicerídeos, age reduzindo as lipoproteínas endógenas VLDL e LDL4 e mantendo elevado o HDL6. O ciprofibrato é rapidamente absorvido pelo trato gastrointestinal. A concentração plasmática máxima ocorre em aproximadamente 1 hora em pacientes em jejum, ou com retardo de 2 a 3 horas na presença de alimento. O ciprofibrato possui alta ligação protéica. O volume de distribuição estimado na fase de equilíbrio é de aproximadamente 11,7 mais ou menos 1,97 litros. A principal via de excreção do ciprofibrato é o rim7. A depuração plasmática está entre 1,35 e 1,55 ml/h/Kg. É excretado na urina8 inalterado ou como conjugado glucurônico, entre 80,22 mais ou menos 2,9% da dose administrada por via oral é recuperada na urina8 no período de 10 dias. A meia-vida de eliminação é de aproximadamente 80 horas. O ciprofibrato sofre metabolismo9 hepático. O tempo de meia-vida em pacientes com insuficiência hepática10 severa fica significativamente prolongado.

Indicações de Lipless

LipLess® é indicado para o tratamento da hiperlipidemia11 primária resistente a medidas dietéticas apropriadas, incluindo hipertrigliceridemia, hipercolesterolemia12 e hiperlipidemia11 combinada tipos IIa, IIb, III e IV da classificação de Frederickson.

Contra-Indicações de Lipless

LipLess® é contra-indicado em casos de insuficiência hepática10 ou renal13 graves, na gravidez14 e na lactação15 e em pacientes com hipersensibilidade ao ciprofibrato.

Gerais - os pacientes devem ser orientados a avisar prontamente o médico sobre a ocorrência de mialgia16, sensibilidade à palpação17 ou fraqueza muscular. Nos pacientes que apresentarem estes sintomas18, os níveis séricos de creatina fosfoquinase (CPK) devem ser imediatamente verificados, suspendendo-se o tratamento caso seja diagnosticada miopatia19 ou se os níveis de CPK estiverem muito altos. Este acometimento parece estar relacionado à dose e, portanto, a posologia recomendada de 100 mg diários não deve ser ultrapassada. Deve-se ter precaução na administração em pacientes com doença na vesícula biliar20 ou cálculo21 biliarPacientes com hipotireoidismo22 podem apresentar dislipidemia secundária e, portanto, este distúrbio deve ser corrigido antes de ser instituído o tratamento da hiperlipidemia11. O hipotireiodismo também pode representar um fator de risco23 quanto à miopatia19. A presença de hipoalbuminemia24, por exemplo em caso de síndrome nefrótica25, também pode aumentar o risco de miopatia19.
Caso as concentrações séricas dos lipídeos não forem controladas após vários meses de tratamento, medidas terapêuticas adicionais ou alternativas deverão ser consideradas.
Gravidez14 - não há evidências de que o ciprofibrato seja teratogênico26, porém sinais27 de toxicidade28 foram observados com doses altas em testes de teratogenicidade em animais. Considerando que não há relatos sobre a administração de LipLess® em mulheres grávidas, o ciprofibrato está contra-indicado durante a gravidez14.
Lactação15 - o ciprofibrato é excretado no leite de ratas que estão amamentando. Considerando que não existem dados sobre a utilização de LipLess® em mulheres que estão amamentando, o ciprofibrato está contra-indicado durante a amamentação29.
Pediatria - o ciprofibrato não é recomendado para crianças, pois ainda não foram estabelecidas a segurança e eficácia de LipLess® nesta faixa etária.
Geriatria (idosos) - a administração de LipLess® em pacientes idosos deve ser realizada com cautela, considerando que a função hepática3 e renal13 podem estar alteradas.
Insuficiência renal30/hepática3 - deve ser usado com cautela em pacientes com alteração de função hepática3 devido ao risco de acumulação do ciprofibrato. Recomenda-se proceder regularmente testes de função hepática3. No caso de alterações persistentes das enzimas hepáticas31, o tratamento deverá ser interrompido. Deve ser utilizado com cautela em pacientes com insuficiência renal30 leve e moderada. Está contra-indicado em pacientes com insuficiência renal30 grave.

Interações Medicamentosas de Lipless

Devido à alta ligação às proteínas32 plasmáticas o ciprofibrato pode deslocar outras substâncias de suas ligações protéicas. Pode ocorrer a potencialização do efeito da varfarina e, portanto, um eventual tratamento concomitante com anticoagulantes33 orais deve ser feito com posologia reduzida e com controle do tempo de protrombina34. Apesar de não existirem dados disponíveis sobre a ocorrência de problemas clínicos significativos existe um potencial de interação com hipoglicemiantes orais35. Quando administrado com inibidores da HMG CoA redutase ou com outros fibratos, o risco de rabdomiólise36, mioglobinúria, miopatia19 podem estar aumentados. Os estrogênios podem provocar hiperlipidemia11, sendo que tal fato sugere uma interação farmacodinâmica com o ciprofibrato, porém ainda não há confirmação clínica.

Interferência em Exames Laboratoriais de Lipless

Da mesma forma que com outros fibratos, foram ocasionalmente observadas alterações nos testes de função hepática3, foram relatados raríssimos casos de colestase37 ou citólise.

Reações Adversas de Lipless

Há relatos de ocorrência ocasional de: cefaléia38, vertigem39, sintomas18 gastrointestinais (náuseas40, vômito41, dispepsia42, dor no estômago43, boca44 seca e diarréia45). Tais sintomas18 foram usualmente leves ou moderados, ocorreram no início da terapia e tornaram-se menos freqüentes com a continuação da terapêutica46. Podem ocorrer também reações cutâneas47, principalmente alérgicas, como: erupções, prurido48 e urticária49. Mialgia16 e miopatia19, inclusive miosite e casos isolados de rabdomiólise36. Na maioria dos casos a toxicidade28 muscular é reversível com a suspensão do tratamento, os pacientes devem ser instruídos a avisar prontamente o médico, os níveis séricos de creatinoquinase (CPK) devem ser imediatamente verificados e a suspensão do tratamento deverá ser realizada caso esteja elevada a CPK com sintomas18 de mialgia16. Foi relatada uma baixa ocorrência de impotência50 e perda de cabelo51, para medicamentos da mesma classe, que regridem com a suspensão da droga.
Ocasionalmente foram relatados alterações dos testes de função hepática3 e raramente ocorreu tontura52, sonolência e cansaço.
Houveram casos isolados de pneumonite53 ou fibrose54 pulmonar. Não existem dados disponíveis que permitam avaliar os efeitos colaterais55 associados ao uso prolongado do medicamento, mais especificamente quanto ao risco de litíase56 biliar.
A hiperuricemia foi observada em pacientes com hiperlipidemia11 do tipo II ou IV porém sua relação com o uso de ciprofibrato ainda não foi estabelecida.

Posologia de Lipless

Adultos: a posologia recomendada é de um comprimido de LipLess® (100 mg) por dia.Crianças: o uso de ciprofibrato não é recomendado para crianças, pois ainda não estão estabelecidas a eficácia e segurança nesta faixa etária.
Idosos: a mesma posologia para adultos, porém deve ser administrado com cautela.
Insuficiência renal30: em pacientes com insuficiência renal30 moderada metade da dose poderá ser adequada. Sugere-se a administração de 1 comprimido (100 mg) em dias alternados. Os pacientes devem ser cuidadosamente monitorados. Não usar LipLess® em casos de insuficiência renal30 grave.

Superdosagem de Lipless

Sintomas18: existem raros relatos de superdosagem com ciprofibrato, sem a ocorrência de reações adversas específicas decorrentes da superdosagem.
Tratamento: o ciprofibrato não possui antídoto57 específico. O tratamento para uma superdosagem deve ser sintomático58. A lavagem gástrica59 e medidas gerais de suporte poderão ser instituídas. O ciprofibrato não é dialisável.

LIPLESS - Laboratório

BIOLABFARMA
Rua Olimpíadas, 242, 3° andar. Vila Olímpia.
São Paulo/SP - CEP: 04551-000
Tel: 55 11 3573-6000

Ver outros medicamentos do laboratório "BIOLABFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
3 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
4 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
7 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
8 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
9 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
10 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
11 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
12 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
13 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
14 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
15 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
16 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
17 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
18 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
19 Miopatia: Qualquer afecção das fibras musculares, especialmente dos músculos esqueléticos.
20 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
21 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
22 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
23 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
24 Hipoalbuminemia: Queda da albumina no sangue.
25 Síndrome nefrótica: Doença que afeta os rins. Caracteriza-se pela eliminação de proteínas através da urina, com diminuição nos níveis de albumina do plasma. As pessoas com síndrome nefrótica apresentam edema, eliminação de urina espumosa, aumento dos lipídeos do sangue, etc.
26 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
27 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
28 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
29 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
30 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
31 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
32 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
33 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
34 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
35 Hipoglicemiantes orais: Medicamentos usados por via oral em pessoas com diabetes tipo 2 para manter os níves de glicose próximos ao normal. As classes de hipoglicemiantes são: inibidores da alfaglicosidase, biguanidas, derivados da fenilalanina, meglitinides, sulfoniluréias e thiazolidinediones.
36 Rabdomiólise: Síndrome caracterizada por destruição muscular, com liberação de conteúdo intracelular na circulação sanguínea. Atualmente, a rabdomiólise é considerada quando há dano secundário em algum órgão associado ao aumento das enzimas musculares. A gravidade da doença é variável, indo de casos de elevações assintomáticas de enzimas musculares até situações ameaçadoras à vida, com insuficiência renal aguda ou distúrbios hidroeletrolíticos. As causas da rabdomiólise podem ser classificadas em quatro grandes grupos: trauma ou lesão muscular direta, excesso de atividade muscular, defeitos enzimáticos hereditários ou outras condições clínicas.
37 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
38 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
39 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
40 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
41 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
42 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
43 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
44 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
45 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
46 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
47 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
48 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
49 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
50 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
51 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
52 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
53 Pneumonite: Inflamação dos pulmões que compromete principalmente o espaço que separa um alvéolo de outro (interstício pulmonar). Pode ser produzida por uma infecção viral ou lesão causada por radiação ou exposição a diferentes agentes químicos.
54 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
55 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
56 Litíase: Estado caracterizado pela formação de cálculos em diferentes regiões do organismo. A composição destes cálculos e os sintomas que provocam variam de acordo com sua localização no organismo (vesícula biliar, ureter, etc.).
57 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
58 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
59 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre LIPLESS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.