Preço de Glivec em São Paulo/SP: R$ 0,00

Glivec

NOVARTIS BIOCIENCIAS S.A

Atualizado em 30/12/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Glivec®
mesilato de imatinibe
Comprimidos 100 mg e 400 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Comprimido revestido
embalagem contendo 30 ou 60 comprimidos

VIA ORAL
USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO (vide indicações)

COMPOSIÇÃO:

Cada comprimido de Glivec® 100 mg contém:

mesilato de imatinibe (como cristais beta, equivalente a 100 mg de imatinibe) 119,5 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: celulose microcristalina, crospovidona, hipromelose, estearato de magnésio e dióxido de silício. Revestimento do comprimido: óxido férrico vermelho, óxido férrico amarelo, macrogol, talco e hipromelose.


Cada comprimido de Glivec® 400 mg contém:

mesilato de imatinibe (como cristais beta, equivalente a 400 mg de imatinibe) 478 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: celulose microcristalina, crospovidona, hipromelose, estearato de magnésio e dióxido de silício. Revestimento do comprimido: óxido férrico vermelho, óxido férrico amarelo, macrogol, talco e hipromelose.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Glivec® é um tratamento para:

  • pacientes adultos e pediátricos (acima de 2 anos) com Leucemia1 Mieloide Crônica (LMC) cromossomo2 Philadelphia positivo (Ph+) recém-diagnosticada e sem tratamento anterior.
  • pacientes adultos com LMC cromossomo2 Philadelphia positivo em crise blástica, fase acelerada ou em fase crônica após falha ou intolerância à terapia com alfa-interferona. A LMC é um tipo de câncer3 das células4 do sangue5 na qual o corpo produz um número elevado de células4 brancas anormais no sangue5 (chamadas “células mieloides”).
  • pacientes adultos e pediátricos (acima de 1 ano) com Leucemia1 Linfoblástica Aguda (LLA Ph+) cromossomo2 Philadelphia positivo, recentemente diagnosticada, integrados com quimioterapia6. Leucemia1 é um tipo de câncer3 das células brancas do sangue7. Estas células4 brancas em geral ajudam o corpo a combater infecções8. A LLA é um tipo de câncer3 do sangue5 na qual o corpo produz um número elevado de células4 brancas anormais no sangue5 (chamadas “linfoblastos”).
  • pacientes adultos com Tumores Estromais Gastrintestinais (GIST), não ressecáveis e/ou metastáticos.
  • tratamento adjuvante de pacientes adultos após ressecção de GIST primário. O GIST é um câncer3 do estômago9 e intestino. Ele surge do crescimento descontrolado das células4 do tecido10 de suporte destes órgãos.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Glivec® é um medicamento para tratamento de câncer3 e contém a substância ativa imatinibe. Glivec® age interrompendo a produção de células4 anormais nas doenças citadas anteriormente.

Se você tiver qualquer dúvida sobre como o Glivec® funciona ou porque este medicamento foi prescrito para você, pergunte ao seu médico.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Glivec® é contraindicado em pacientes com alergia11 (hipersensibilidade) ao imatinibe ou a qualquer um dos ingredientes do produto. Se este for o seu caso, converse com seu médico antes de tomar Glivec®.

Se você suspeita que pode ser alérgico, converse com seu médico.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Seu tratamento com Glivec® será prescrito por um médico com experiência no uso de terapias anticâncer.

Siga todas as instruções do médico cuidadosamente. Elas podem ser diferentes das informações gerais contidas nesta bula.

Tome especial cuidado com Glivec®.

Antes de tomar Glivec® avise seu médico:

  • Se tiver ou se já teve problemas de fígado12, rim13 ou coração14;
  • Se você estiver grávida ou suspeita de gravidez15 ou se você estiver amamentando (vide “Gravidez e amamentação”);
  • Se você estiver tomando levotiroxina16 devido à retirada de sua tireoide17;
  • Se você estiver recebendo tratamento com outros medicamentos, em particular aqueles listados na seção “Interações medicamentosas”;
  • Se você já teve ou possa ter agora uma infecção18 por hepatite19 B. Isso ocorre porque durante o tratamento com Glivec®, a hepatite19 B pode se tornar ativa novamente. O seu médico irá verificar se existem sinais20 dessa infecção18 antes de iniciar o tratamento com Glivec®.

Durante o tratamento com Glivec®:

Se você sentir algum dos seguintes sintomas21 durante seu tratamento com Glivec®, informe ao seu médico imediatamente. Seu médico vai decidir se modifica ou descontinua o seu tratamento:

  • Ganho rápido de peso, inchaço22 das extremidades (panturrilhas23, tornozelos), inchaço22 generalizado tal como inchaço22 da face24 (sinais20 de retenção de água);
  • Fraqueza, hemorragia25 espontânea ou hematomas26, infecções8 frequentes com sinais20 como febre27, calafrios28, dor de garganta29 ou úlceras30 na boca31 (sinais20 de baixo nível de células sanguíneas32).
  • Dor abdominal intensa, vômitos33 com sangue5, presença de sangue5 nas fezes ou fezes pretas (sinais20 de distúrbio gastrointestinais);
  • Náusea34, falta de ar, batimentos cardíacos irregulares, turvação de urina35, cansaço e/ou desconforto nas articulações36 associado à valores laboratoriais anormais (tais como níveis elevados de potássio, ácido úrico e cálcio e níveis baixos de fósforo no sangue5).
  • Febre27, erupção37 cutânea38, dor e inflamação39 nas articulações36, bem como cansaço, perda de apetite, náuseas40, icterícia41 (amarelamento da pele42), dor na parte superior direita do abdômen, fezes claras e urina35 escura (sinais20 potenciais de reativação da hepatite19 B).

Monitoramento durante o seu tratamento com Glivec®

Seu médico irá monitorar regularmente suas condições para verificar se Glivec® está tendo o efeito desejado. Você também fará testes de sangue5 regulares para ver como Glivec® é tolerado (por exemplo, células sanguíneas32, função hepática43 e função tireoidiana). Seu peso será medido regularmente enquanto você estiver tomando Glivec®.

Populações especiais

Idosos (65 anos ou mais): Glivec® pode ser usado por pessoas acima de 65 anos na mesma dosagem usada para adultos.

Crianças e adolescentes (abaixo de 18 anos): Glivec® é indicado para crianças e adolescentes com LMC. Não há experiência com o uso de Glivec® em crianças abaixo de 2 anos de idade para a indicação de LMC.
Glivec® é indicado para crianças e adolescentes com LLA. Não há experiência com o uso de Glivec® em crianças abaixo de 1 ano de idade para a indicação de LLA.
Algumas crianças e adolescentes que tomam Glivec® podem ter um crescimento mais lento do que o normal. O médico irá monitorar o crescimento durante as visitas regulares.

Gravidez15 e amamentação44

Glivec® não é recomendado durante a gravidez15 a menos que claramente necessário, pois pode prejudicar o seu bebê. Se você está grávida ou acha que pode estar grávida, informe seu médico. Seu médico discutirá com você os potenciais riscos de tomar Glivec® durante a gravidez15. Você não deve usar Glivec® se estiver amamentando. Informe ao seu médico se você estiver amamentando.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez15.

Mulheres com potencial para engravidar: Mulheres com potencial para engravidar devem usar um contraceptivo altamente eficaz durante o tratamento com Glivec®.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Se você sentir tontura45 ou sonolência, ou se você apresentar visão46 turva durante o tratamento com Glivec®, você não deve dirigir veículos e/ou operar máquinas até que se sinta melhor novamente.

Interações medicamentosas

Glivec® pode interferir com outros medicamentos.

Antes de tomar Glivec®, informe ao seu médico ou farmacêutico caso você esteja tomando ou tenha tomado recentemente qualquer outro medicamento, mesmo aqueles que não tenham sido prescritos por ele.

Isto inclui o seguinte:

  • alguns medicamentos para tratamento de infecções8, tais como: cetoconazol, itraconazol, eritromicina ou claritromicina;
  • alguns medicamentos usados para tratamento de epilepsia47, tais como: carbamazepina, oxcarbazepina, fenobarbital, fenitoína, fosfenitoína ou primidona;
  • alguns medicamentos para tratamento de colesterol48 alto, tais como: sinvastatina;
  • alguns medicamentos para tratamento de distúrbios mentais, tais como: benzodiazepínicos ou pimozida;
  • alguns medicamentos para tratamento de pressão sanguínea alta ou distúrbios do coração14, tais como: bloqueadores de canais de cálcio ou metoprolol;
  • rifampicina, um medicamento para tratamento da tuberculose49;
  • Erva de São João – um produto fitoterápico utilizado para tratamento da depressão e outras condições (também conhecida como Hypericum perforatum);
  • dexametasona – um medicamento anti-inflamatório;
  • ciclosporina – um medicamento imunossupressor50;
  • varfarina – um medicamento utilizado no tratamento de distúrbios da coagulação51 sanguínea (tais como coágulos sanguíneos ou tromboses52).

Estes medicamentos devem ser evitados durante o tratamento com Glivec®.

Se você estiver tomando alguns desses medicamentos, seu médico poderá prescrever um medicamento alternativo.

Você também deve informar ao seu médico se você já está tomando Glivec® e se lhe foi prescrito algum novo medicamento, incluindo medicamentos obtidos sem prescrição médica, que você não tenha tomado anteriormente durante seu tratamento com Glivec®.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use este medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde53.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Glivec® deve ser armazenado em temperatura ambiente (entre 15–30°C) e protegido da umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

  • Comprimido de 100 mg: comprimido revestido redondo, biconvexo com bordas chanfradas, amarelo muito escuro a marrom alaranjado.
  • Comprimido de 400 mg: comprimido revestido ovaloide, biconvexo com bordas chanfradas, amarelo muito escuro a marrom alaranjado.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga as instruções do seu médico cuidadosamente e sempre tome Glivec® exatamente como seu médico orientou. Não exceda a dose recomendada.

Quando e como tomar Glivec®

Tome Glivec® com uma refeição para ajudar a proteger seu estômago9. Engula o(s) comprimido(s) inteiro(s) junto com um copo grande de água.

Caso você tenha dificuldade para engolir os comprimidos revestidos inteiros, você pode dissolvê-los em um copo de água ou suco de maçã:

  • Coloque o número de comprimidos necessários em um volume apropriado de bebida (aproximadamente 50 mL para um comprimido de 100 mg, e 200 mL para um comprimido de 400 mg).
  • Misture com o auxílio de uma colher para dissolução completa do(s) comprimido(s).
  • Beber imediatamente todo o conteúdo do copo. Você pode deixar traços do comprimido desintegrado no copo após beber.

Quanto tomar de Glivec® - pacientes adultos

Seu médico lhe dirá exatamente quantos comprimidos de Glivec® você deve tomar.

Se você está sendo tratado para LMC: dependendo da sua condição, a dose inicial habitual é:

  • 400 mg para ser tomado em um único comprimido de 400 mg uma vez ao dia,
  • Ou 600 mg para ser tomado como um comprimido de 400 mg mais 2 comprimidos de 100 mg uma vez ao dia.

Seu médico pode prescrever uma dose maior ou menor dependendo de como você responder ao tratamento. Se sua dose diária é 800 mg, você deve tomar um comprimido de 400 mg pela manhã e um segundo comprimido de 400 mg a noite.

Se você está sendo tratado para GIST: a dose inicial é 400 mg, para ser tomada como um único comprimido de 400 mg uma vez ao dia.
Seu médico pode prescrever uma dose maior ou menor dependendo de como você responder ao tratamento. Se sua dose diária é 800 mg, você deve tomar um comprimido de 400 mg pela manhã e um segundo comprimido de 400 mg a noite.

Se você está sendo tratado para LLA Ph+: a dose inicial é 600 mg para ser tomado como um comprimido de 400 mg mais 2 comprimidos de 100 mg uma vez ao dia.

Quanto tomar de Glivec® - crianças

Se seu filho está sendo tratado para LMC ou para LLA Ph+: O médico irá informar quantos comprimidos de Glivec® dar para seu filho. A quantidade de Glivec® irá depender da condição da criança bem como do seu peso e altura.
A dose diária total em crianças não deve exceder 800 mg para LMC e 600 mg para LLA Ph+.
O tratamento pode ser dado para seu filho tanto em uma única dose diária ou alternativamente a dose diária pode ser dividida em duas administrações (uma pela manhã e outra a noite).

Por quanto tempo tomar Glivec®

Tome Glivec® diariamente até seu médico pedir para você parar. Certifique-se de tomar Glivec® pelo tempo que foi prescrito.

Pacientes idosos: nenhuma recomendação relativa à dose é necessária para pacientes54 idosos.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se uma dose for esquecida ou ocorrer vômito55, não compense a dose. Ao invés disso, aguarde até o horário para a próxima dose.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, Glivec® pode causar o aparecimento de reações adversas, embora nem todas as pessoas as tenham. A maioria dessas reações são de leve a moderada gravidade.

Não fique assustado com a lista de possíveis reações adversas. É possível que você não apresente nenhuma delas.

Reações adversas ocorrem com certa frequência e são definidas como:

Categoria

Frequência

Muito comum

≥ 10%

Comum

≥ 1% e < 10%

Incomum

≥ 0,1% e < 1%

Raro

≥ 0,01% e < 0,1%

Muito raro

< 0,01%

Desconhecida

Não pode ser estimada pelos dados disponíveis

Algumas reações podem ser sérias

Se alguma das reações listadas abaixo afetar você, informe seu médico imediatamente.

Muito comuns a comuns:

  • Rápido aumento de peso, inchaço22 das extremidades (panturrilhas23, tornozelos), inchaço22 generalizado como inchaço22 na face24 (sinais20 de retenção de líquido);
  • Fraqueza, sangramento ou contusão56 espontâneos, infecções8 frequentes com sinais20 como febre27, calafrios28, dor de garganta29, úlceras30 na boca31 (sinais20 de baixo nível de células sanguíneas32).

Incomuns a muito raras:

  • Palidez, cansaço, falta de ar, urina35 escura (sinais20 de destruição de células sanguíneas32 vermelhas);
  • Deficiência da visão46, visão46 embaçada, sangramento no olho57;
  • Aperto ou dor no peito58, febre27, cansaço, ritmo cardíaco irregular (sinais20 de problemas cardíacos, tais como ataque cardíaco, angina59);
  • Náusea34, diarreia60, vômito55, dor abdominal, febre27 (sinais20 de doença inflamatória do intestino);
  • Rash61 grave (erupção37 cutânea38), vermelhidão na pele42, empolamento dos lábios, olhos62, pele42 ou boca31, descamação63 da pele42, febre27, manchas vermelhas ou roxas na pele42, prurido64, queimadura, erupção37 pustular (sinais20 de distúrbios da pele42);
  • Dor e dificuldade para andar;
  • Inflamação39 da pele42 causada por uma infecção18 (sinal65 de celulite66);
  • Dor de cabeça67 intensa, fraqueza ou paralisia68 de membros ou da face24, dificuldade para falar, perda repentina da consciência (sinais20 de distúrbios do sistema nervoso69 tais como sangramento ou inchaço22 intracraniano/cérebro70);
  • Convulsões;
  • Vertigens71, tonturas72 ou desmaio (podem ser sinais20 de pressão arterial73 baixa);
  • Dor abdominal intensa, vômito55 com sangue5, sangue5 nas fezes, ou fezes escuras; inchaço22 no abdômen/líquido dentro do abdômen, constipação74, dor de estômago9 (sinais20 de distúrbios gastrintestinais);
  • Náusea34, perda de apetite, urina35 escura ou amarelamento da pele42 ou dos olhos62 (sinais20 de distúrbios no fígado12);
  • Sede, perda de peso e diminuição grave da quantidade de urina35 (sinais20 de baixa ingestão de líquidos/fluidos);
  • Sangue5 na urina35;
  • Inchaço22 e dor em alguma parte do corpo (sinais20 de coágulos nos vasos sanguíneos75);
  • Tosse, dificuldade ou respiração dolorosa, chiado, dor no peito58 ao respirar (sinais20 de infecções8/distúrbios pulmonares);
  • Fraqueza muscular, espasmos76 musculares, ritmo cardíaco anormal (sinais20 de mudanças no nível de potássio no sangue5);
  • Espasmo77 muscular, febre27, urina35 vermelho-amarronzada, distúrbios renais, dor ou fraqueza nos músculos78 (sinais20 de distúrbios musculares);
  • Dor pélvica79, às vezes acompanhada por náusea34 e vômito55, sangramento vaginal inesperado (sinais20 de distúrbio ginecológico);
  • Reação alérgica80 grave que pode resultar em dificuldade em respirar e tonturas72;
  • Náuseas40, respiração curta, batimento cardíaco irregular, urina35 turva, cansaço e/ou desconforto nas articulações36 associado com valores laboratoriais anormais (tais como, níveis elevados de potássio, ácido úrico e cálcio e níveis baixos de fósforo no sangue5).
  • Forte dor de cabeça67, tonturas72, visão46 turva (sinais20 de aumento de pressão dentro do crânio81).

Desconhecidas:

  • Combinação de uma erupção37 cutânea38 generalizada grave, sensação de enjoo, febre27, nível elevado de certas células brancas do sangue7 ou pele42 e olhos62 amarelados (sinais20 de icterícia41) com falta de ar, dor no peito58/desconforto, diminuição grave na eliminação de urina35 e sensação de sede (sinais20 de reação alérgica80 relacionada ao tratamento).
  • Reativação da infecção18 da hepatite19 B, quando você já teve hepatite19 B (uma infecção18 do fígado12) no passado.

Outras possíveis reações adversas estão listadas na tabela abaixo.

Informe o seu médico, se alguma das reações listadas abaixo afetar você gravemente.

Dor de cabeça67, náusea34, diarreia60, vômito55, indigestão, dor abdominal, prurido64/vermelhidão/erupção37 cutânea38 com sensação de queimação, câimbras82 musculares, dores musculares, dor nos ossos, dor nas articulações36, inchaço22 das pálpebras83 ou ao redor dos olhos62, fadiga84, aumento do peso, dor musculoesquelética após a descontinuação do tratamento com Glivec® (incluindo dor muscular, dor nos membros, dor nas articulações36, dor óssea e dor nas costas85).

Reações adversas muito comuns

Dificuldade para dormir, tontura45, formigamento, dor ou dormência86 das mãos87, pés, pernas ou ao redor do quadril, alterações no paladar88, diminuição da sensibilidade da pele42, olho57 com secreção e prurido64, vermelhidão e inchaço22 dos olhos62 (conjuntivite89), aumento da produção de lágrimas, olho57 seco, rubores, sangramentos nasais, boca31 seca, azia90, inchaço22 abdominal, flatulência, diarreia60, constipação74, náusea34 e dor estomacal (sinal65 de gastrite91), resultados anormais em exames laboratoriais de função hepática43, prurido64, pele42 seca, afinamento ou queda incomum de cabelo92, suores noturnos, aumento da sensibilidade da pele42 ao sol (sinal65 de fotossensibilidade), inchaço22 das articulações36, calafrios28, perda de peso, diminuição do apetite, ulceração93 na boca31, fraqueza, febre27.

Reações adversas comuns

Vermelhidão e/ou inchaço22 nas palmas das mãos87 e nas solas dos pés, que podem ser acompanhados de formigamento e queimação (também conhecido como síndrome94 mão95-pé), infecção18 das vias respiratórias superiores levando a tosse, nariz96 com prurido64 ou entupido, congestão nasal, espirros, dor de garganta29, dor de cabeça67, pressão facial ou espirros, dor de cabeça67 grave, muitas vezes acompanhada por náuseas40, vômitos33 e sensibilidade à luz (sinais20 de enxaqueca97), sintomas21 de gripe98, infecção18 do trato urinário99, inchaço22/aumento dos gânglios linfáticos100, dor e inchaço22 nas articulações36, depressão, ansiedade, sonolência, tremores, distúrbios de memória, um impulso para mover uma parte do corpo (geralmente a perna) para aliviar as sensações de desconforto, irritação dos olhos62, dor nos olhos62 ou vermelhidão, inchaço22/coceira das pálpebras83, sensação de vertigem101/tontura45, dificuldade de audição, ruídos (toque) nos ouvidos, aumento do ritmo cardíaco, hipertensão arterial102, extremidades frias, arrotos, inflamação39 dos lábios, dificuldade para engolir, aumento da sudorese103, descoloração da pele42, unhas104 quebradiças, rompimento das unhas104, inflamação39 dos folículos pilosos, áreas de pele42 espessada e com vermelhidão ao redor dos cotovelos e joelhos, escurecimento da pele42, a ampliação do peito58 em homens e mulheres, edema105 testicular, distúrbios de ereção106, períodos menstruais intensos ou irregulares, disfunção sexual, diminuição do desejo sexual, dor no mamilo, dor no peito58, mal-estar geral, infecção18 viral como herpes labial, infecção18 do trato respiratório superior, que envolve as passagens de ar do nariz96 (sinusite107), dor na garganta29, dedos dormentes ou frios (sinais20 de síndrome94 de Raynaud), dores nas costas85 decorrentes do distúrbio renal108, aumento urinário, aumento de apetite, úlcera109 no estômago9, rigidez articular e muscular, testes de resultados laboratoriais anormais.

Reações adversas incomuns

Confusão, descoloração das unhas104.

Reações adversas raras

Crescimento lento em crianças e adolescentes, lesões110 cutâneas111 dolorosas e/ou bolhas.

Reações adversas de frequência desconhecida

Se você perceber qualquer uma das reações adversas não mencionadas nessa bula, informe ao médico ou farmacêutico.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você tomou acidentalmente mais Glivec® do que o recomendado poderá ser observado, em pacientes adultos, os seguintes sinais20 e sintomas21, dependendo da quantidade ingerida: enjôo, vômito55, diarreia60, vermelhidão em pele42, inchaço22, cansaço, espasmos76 musculares, diminuição na contagem de células4 do sangue5, dor abdominal, dor de cabeça67, redução do apetite, fraqueza, dor muscular, alteração em exames de sangue5, dor gastrintestinal, febre27, inchaço22 facial; em crianças, os sinais20 e sintomas21 podem ser: vômito55, diarreia60, diminuição de apetite e diminuição na contagem de células4 do sangue5.

Procure imediatamente seu médico. Um acompanhamento médico pode ser necessário.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

M.S. 1.0068.0174
Farm. Resp.: Flavia Regina Pegorer – CRF-SP 18.150

Importado por:
Novartis Biociências S.A.
Av. Prof. Vicente Rao, 90
São Paulo – SP
CNPJ: 56.994.502/0001-30
Indústria Brasileira

Glivec 100 mg:
Fabricado e embalado por:
Novartis Pharma Produktions GmbH, Wehr, Alemanha.
ou
Fabricado por:
Novartis Pharma Stein AG, Stein, Suíça e embalado por: Anovis Industrial Farmacêutica Ltda., Taboão da Serra, SP.
(vide cartucho)

Glivec 400 mg:
Fabricado e embalado por: Novartis Pharma Produktions GmbH, Wehr, Alemanha.
ou
Fabricado por: Novartis Pharma Stein AG, Stein, Suíça.
Embalado por: Novartis Pharma Stein AG, Stein, Suíça ou Anovis Industrial Farmacêutica Ltda., Taboão da Serra, SP.
(vide cartucho)


SAC 0800 888 3030

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
2 Cromossomo: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
7 Células Brancas do Sangue: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS).
8 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
10 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
11 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
12 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
13 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
14 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
15 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
16 Levotiroxina: Levotiroxina sódica ou L-tiroxina (T4) é um hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal quando há déficit de produção de tiroxina (T4) pela glândula tireoide.
17 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
20 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Inchaço: Inchação, edema.
23 Panturrilhas: 1. Proeminência muscular, situada na face posterossuperior da perna, formada especialmente pelos músculos gastrocnêmio e sóleo; sura, barriga da perna. 2. Por extensão de sentido, enchimento usado por baixo das meias, para melhorar a aparência das pernas.
24 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
25 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
26 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
27 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
28 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
29 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
30 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
31 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
32 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
33 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
34 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
35 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
36 Articulações:
37 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
38 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
39 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
40 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
41 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
42 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
43 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
44 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
45 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
46 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
47 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
48 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
49 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
50 Imunossupressor: Medicamento que suprime a resposta imune natural do organismo. Os imunossupressores são dados aos pacientes transplantados para evitar a rejeição de órgãos ou para pacientes com doenças autoimunes.
51 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
52 Tromboses: Formações de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Podem ser venosas ou arteriais e produzem diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
53 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
54 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
55 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
56 Contusão: Lesão associada a um traumatismo que pode produzir desvitalização de tecidos profundos.
57 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
58 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
59 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
60 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
61 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
62 Olhos:
63 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
64 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
65 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
66 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
67 Cabeça:
68 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
69 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
70 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
71 Vertigens: O termo vem do latim “vertere” e quer dizer rodar. A definição clássica de vertigem é alucinação do movimento. O indivíduo vê os objetos do ambiente rodarem ao seu redor ou seu corpo rodar em relação ao ambiente.
72 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
73 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
74 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
75 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
76 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
77 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
78 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
79 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
80 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
81 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
82 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
83 Pálpebras:
84 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
85 Costas:
86 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
87 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
88 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
89 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
90 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
91 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
92 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
93 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
94 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
95 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
96 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
97 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
98 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
99 Trato Urinário:
100 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
101 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
102 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
103 Sudorese: Suor excessivo
104 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
105 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
106 Ereção: 1. Ato ou efeito de erigir ou erguer. 2. Inauguração, criação. 3. Levantamento ou endurecimento do pênis.
107 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
108 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
109 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
110 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
111 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre Glivec?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.