Preço de Afinitor em Houston/SP: R$ 4314,34

Afinitor

NOVARTIS BIOCIENCIAS S.A

Atualizado em 03/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Afinitor™
everolimo
Comprimidos 2,5 mg, 5 mg e 10 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

Comprimido
Embalagens contendo 30 comprimidos

VIA ORAL
USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS (uso pediátrico para tratamento de SEGA associado ao TSC)

COMPOSIÇÃO

Cada comprimido de Afinitor™ 2,5 mg contém

everolimo 2,5 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: lactose1 anidra, crospovidona, hipromelose, lactose1 monoidratada, estearato de magnésio e butilidroxitolueno.


Cada comprimido de Afinitor™ 5 mg contém

everolimo 5 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: lactose1 anidra, crospovidona, hipromelose, lactose1 monoidratada, estearato de magnésio e butilidroxitolueno.


Cada comprimido de Afinitor™ 10 mg contém

everolimo 10 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: lactose1 anidra, crospovidona, hipromelose, lactose1 monoidratada, estearato de magnésio e butilidroxitolueno.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Seu médico pode prescrever Afinitor™ comprimidos para o tratamento de:

  • Mulheres na pós-menopausa2 com câncer3 de mama4 avançado, receptor hormonal5 positivo, em combinação com um inibidor da aromatase, após terapia endócrina prévia;
  • Tumores neuroendócrinos avançados (NET) localizados no estômago6 e intestino, pulmão7 ou pâncreas8;
  • Câncer3 avançado do(s) rim9(ns) (Carcinoma10 avançado de Células11 Renais (CCR) cuja doença tenha progredido durante ou após o tratamento com VEGFR – TKI, quimioterápicos ou imunoterápicos;
  • Angiomiolipoma renal12 (um tumor13 do rim9) associado ao Complexo da Esclerose14 Tuberosa (TSC) que não requeira cirurgia imediata (em pacientes acima de 18 anos);
  • Astrocitoma subependimário de células gigantes15 (SEGA, um tumor13 cerebral específico) associado ao Complexo da Esclerose14 tuberosa (TSC).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A substância ativa do Afinitor™ é o everolimo.

Afinitor™ é um medicamento antitumoral que pode bloquear o crescimento de algumas células11 do organismo. Contém uma substância ativa chamada everolimo. Pode ser usado para o tratamento de alguns tipos de câncer3 em adultos e também alguns tipos de tumores benignos associados a um distúrbio genético chamado Esclerose14 Tuberosa ou Complexo de Esclerose14 Tuberosa (TSC) em crianças e adultos.

Tratamento de câncer3 de mama4 avançado receptor hormonal5-positivo: O crescimento deste tipo de câncer3 é estimulado por estrógenos os quais são hormônios sexuais femininos.
Inibidores da aromatase reduzem a quantidade de estrógeno16 e podem reduzir o crescimento de tumores de mama4. Ingerir Afinitor™ juntamente com um inibidor da aromatase também pode prevenir as células11 do câncer3 de mama4 de se tornarem resistentes à terapia hormonal, que pode consequentemente reduzir o crescimento de tumores de mama4 ao mesmo tempo em que retarda a sua recorrência17.

Tratamento de tumores neuroendócrinos avançados: Os tumores neuroendócrinos são tumores raros que podem ser encontrados em diferentes partes do corpo.
Afinitor™ pode controlar o crescimento destes tumores localizados no estômago6 e intestino, pulmão7 ou pâncreas8.

Tratamento do câncer3 avançado do rim9Afinitor™ pode impedir o tumor13 de produzir novas células11 e pode interromper o fornecimento de sangue18 para o tumor13. Isso pode retardar o crescimento e a disseminação do câncer3 renal12.

Tratamento de angiomiolipoma renal12 associado ao TSC (em pacientes acima de 18 anos): Afinitor™ pode reduzir o tamanho do angiomiolipoma renal12, o qual está associado ao distúrbio genético chamado Complexo da Esclerose14 Tuberosa (TSC). Isso pode diminuir o risco do(s) tumor13(es) causar(em) hemorragias19 e pode auxiliar na preservação da função renal12.

Tratamento de SEGA (astrocitoma subependimário de células gigantes15) associado ao Complexo da Esclerose14 Tuberosa (TSC): Afinitor™ pode reduzir o tamanho de tumores cerebrais (SEGAs) causados por um distúrbio genético chamado TSC. Isto pode diminuir o risco dos tumores causarem problemas, como hidrocefalia20 (acúmulo excessivo de líquido no cérebro21).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não tome Afinitor™:

  • Se você for alérgico (hipersensível) ao everolimo, medicamentos relacionados ao everolimo como sirolimo (rapamicina), tensirolimo ou qualquer outro componente do Afinitor™.

Se isso se aplica a você, informe ao seu médico antes de tomar Afinitor™. Se achar que pode ser alérgico, pergunte ao seu médico.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga cuidadosamente todas as instruções do médico. É possível que estas sejam diferentes das informações contidas nesta bula.

Afinitor™ somente poderá ser prescrito para você por um médico com experiência na utilização de terapias antitumorais ou no tratamento de pacientes com TSC.

Afinitor™ pode aumentar o risco de problemas com a cicatrização de feridas. Portanto, você deve informar ao seu médico se você está prestes a ter uma cirurgia, se você teve uma cirurgia recente, ou se você ainda tem uma ferida não curada após a cirurgia.

Monitoramento durante o tratamento com Afinitor™

Durante o tratamento, você realizará exames de sangue18 regularmente para monitorar a quantidade de células sanguíneas22 (glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas23) em seu organismo para verificar se o Afinitor™ está causando um efeito indesejado sobre essas células11. Exames de sangue18 também serão realizados para monitorar sua função renal12 (níveis no sanguede creatinina24, ureia25 ou proteína urinária) e função hepática26 (nível de transaminases) e os níveis de açúcar27 e de lipídeos no sangue18, que também podem ser afetados pelo Afinitor™.

Se você receber Afinitor™ para o tratamento de TSC com SEGA, exames de sangue18 regulares são necessários para medir a quantidade de Afinitor™ no seu sangue18, uma vez que isto ajudará seu médico a decidir quanto Afinitor™ você precisa tomar.

Se tiver qualquer dúvida sobre o Afinitor™ ou porque este medicamento está sendo prescrito para você, pergunte ao seu médico.

Tome especial cuidado com Afinitor™

Se algum destes casos for aplicável a você, avise seu médico antes de tomar Afinitor™:

  • se você tiver qualquer problema no fígado28 ou tiver tido anteriormente quaisquer doenças que possam tê-lo afetado. Pode ser necessário modificar sua dose de Afinitor™.
  • se você tiver diabetes29 (nível elevado de açúcar27 no sangue18).
  • se você tiver quaisquer infecções30. Pode ser necessário tratar a infecção31 antes se iniciar o tratamento com Afinitor™.
  • se você tiver tido hepatite32 B anteriormente, porque ela pode ser reativada durante o tratamento com Afinitor™ (vide “Quais os males que este medicamento pode me causar”).
  • se você estiver tomando qualquer outro medicamento (vide “Interações medicamentosas”).
  • se você estiver grávida, achar que pode estar grávida ou se houver uma chance de você engravidar enquanto estiver tomando Afinitor™ (vide “Gravidez e amamentação”).
  • se você estiver amamentando (vide “Gravidez e amamentação”).
  • se você se programou para receber qualquer vacina33.

O que você deve saber durante o tratamento com Afinitor™

  • Problemas nos pulmões34 ou de respiração: pacientes podem desenvolver problemas pulmonares ou de respiração, como pneumonite35, embolismo36 pulmonar ou síndrome37 do desconforto respiratório agudo38. Avise ao seu médico imediatamente se você tiver sintomas39 pulmonares/respiratórios recentes ou piorados, como tosse, dor no peito40 ou respiração ofegante, uma vez que problemas pulmonares ou respiratórios graves podem colocar a vida em risco. Seu médico pode precisar interromper ou descontinuar seu tratamento com Afinitor™, e acrescentar outro medicamento para ajudar com este evento adverso. Seu médico poderá ter que reiniciar o tratamento com Afinitor™ em uma dose mais baixa.
  • Infecções30: Afinitor™ pode deixá-lo mais sensível a contrair infecções30 (como pneumonia41, infecção31 do trato urinário42, infecção31 fúngica43 ou infecção31 viral, como reativação de hepatite32 B). Algumas infecções30 podem ser graves e podem colocar a vida em risco. Avise ao seu médico imediatamente se você tiver sintomas39 de infecções30. Seu médico pode precisar interromper ou descontinuar seu tratamento com Afinitor™ e acrescentar outro medicamento para ajudar com este evento adverso.
  • Reações alérgicas: se durante o tratamento com Afinitor™ você apresentar sintomas39, tais como, inchaço44 das vias respiratórias ou língua45 e/ou dificuldade de respirar, estes podem ser sinais46 de uma reação alérgica47 grave. Neste caso, procure um médico imediatamente.
  • Úlceras48 de boca49: pacientes podem desenvolver úlceras48 de boca49 e feridas. Avise ao seu médico se você tiver dor ou desconforto na boca49 ou tiver feridas abertas na boca49. Seu médico pode precisar interromper ou descontinuar seu tratamento com Afinitor™. Você pode precisar de tratamento com enxaguatórios ou géis. Alguns enxaguatórios, géis ou outros produtos podem piorar as úlceras48, portanto não use nenhum deles sem antes consultar seu médico. Seu médico poderá reiniciar o tratamento com Afinitor™ na mesma dose ou com uma dose menor.
  • Hemorragia50: foram notificados casos graves de hemorragia50, alguns com desfecho fatal, em pacientes tratados com Afinitor™ em doença oncológica. Não foram notificados casos graves de hemorragia50 renal12 em TSC. Recomenda-se precaução em pacientes que estejam tomando Afinitor™, particularmente durante a administração concomitante com substâncias ativas conhecidas por afetarem a função das plaquetas23 ou que podem aumentar o risco de hemorragia50 bem como em pacientes com antecedentes de distúrbios hemorrágicos51. Os profissionais de saúde52 e os pacientes devem estar atentos aos sinais46 e sintomas39 de hemorragia50 ao longo do período de tratamento, especialmente se houver combinação dos fatores de risco de hemorragia50.
  • Problemas renais: insuficiência renal53 foi observada em alguns pacientes recebendo Afinitor™. Falência renal12 pode ser grave e pode colocar a vida em risco. Seu médico irá monitorar sua função renal12 durante o tratamento com Afinitor™.
  • Vacinas: se você precisar receber uma vacina33 enquanto estiver tomando Afinitor™, consulte seu médico antes. Para crianças com TSC, recomenda-se completar a série de vacinação da infância com vírus54 vivos (atenuados), antes de iniciar o tratamento de acordo com as orientações locais de tratamento.
  • Complicações na cicatrização de feridas: a dificuldade na cicatrização de feridas é um efeito de classe dos derivados da rapamicina, incluindo Afinitor™. Desta forma, deve ser-se prudente na utilização de Afinitor™ no período peri-operatório.
  • Lactose1: os pacientes com problemas hereditários de intolerância à galactose55, deficiência de lactase de Lapp ou má absorção de glicose56-galactose55 não devem tomar este medicamento.

Atenção: Este medicamento contém LACTOSE1.

Interações medicamentosas

Afinitor™ pode interagir com alguns outros medicamentos. Pode ser necessário modificar a dose de Afinitor™.

Informe ao seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde52 antes de tomar Afinitor™ se estiver tomando ou se tomou recentemente qualquer outro medicamento, incluindo aqueles obtidos sem receita médica. Isso inclui especialmente:

  • alguns medicamentos usados para tratar infecções30. Entre eles, medicamentos para tratar doenças fúngicas57 (antifúngicos como cetoconazol, itraconazol ou fluconazol), ou medicamentos para tratar tipos de infecções30 bacterianas (antibióticos como claritromicina, telitromicina ou eritromicina);
  • alguns medicamentos usados para tratar tuberculose58 como rifampicina ou rifabutina;
  • Erva de São João – produto fitoterápico usado para tratar depressão e outras condições (também conhecido como Hypericum Perforatum);
  • alguns corticosteroides como dexametasona, prednisona ou prednisolona;
  • medicamentos que cessam convulsões ou ataques (antiepilépticos como fenitoína, carbamazepina ou fenobarbital);
  • alguns medicamentos usados para tratar a AIDS/HIV59 como ritonavir, amprenavir, fosamprenavir, efavirenz ou nevirapina;
  • alguns medicamentos usados para tratar condições cardíacas ou pressão alta (como verapamil ou diltiazem);
  • ciclosporina, um medicamento usado para prevenir a rejeição do corpo por causa de transplantes de órgãos;
  • inibidores da enzima60 conversora da angiotensina (ECA), medicamentos utilizados no tratamento da pressão arterial61 elevada ou outros problemas cardiovasculares;
  • aprepitante, um medicamento usado para evitar náusea62 e vômito63;
  • midazolam, um medicamento utilizado para tratar convulsões agudas ou utilizado como um sedativo antes ou durante cirurgias ou procedimentos clínicos.

Esses medicamentos devem ser evitados durante seu tratamento com Afinitor™. Se estiver tomando qualquer um deles, seu médico pode prescrever um medicamento diferente para cessar as reações adversas adicionais causadas pela combinação de outros medicamentos com Afinitor™. Para pacientes64 com SEGA que estão tomando medicamentos anticonvulsivantes, uma mudança na dose do anticonvulsivante (para mais ou menos) pode requerer uma mudança na dose de Afinitor™.

Enquanto estiver tomando Afinitor™ você não deve iniciar um novo tratamento com um medicamento sem consultar primeiro o médico que lhe prescreveu o Afinitor™. Isso inclui medicamentos com prescrição médica, medicamentos vendidos sem prescrição médica e medicamentos fitoterápicos ou alternativos.

Tomando Afinitor™ com alimentos e bebidas

Você deve tomar Afinitor™ todos os dias no mesmo horário regularmente, seja com ou sem alimentação. Não tome suco de toranja (grapefruit) ou coma65 toranja, carambola ou laranja de Sevilha. Isso pode aumentar a quantidade de Afinitor™ no sangue18, possivelmente a um nível perigoso.

Idosos (com 65 anos ou mais)

Se você tem 65 anos ou mais, você pode tomar Afinitor™ na mesma dose de adultos mais jovens.

Crianças e Adolescentes (menores de 18 anos de idade)

Tratamento do câncer3 de mama4 avançado receptor hormonal5-positivo, tumores neuroendócrinos avançados ou câncer3 avançado do rim9: Afinitor™ não é indicado para crianças e adolescentes.

Tratamento de Angiomiolipoma renal12 associado ao TSC

Afinitor™ não é indicado para crianças ou adolescentes com angiomiolipoma renal12 associado ao TSC.

Tratamento de Astrocitoma subependimário de células gigantes15 associado ao Complexo da Esclerose14 Tuberosa (TSC)

Afinitor™ pode ser usado em crianças e adolescentes que têm a função hepática26 normal.

Gravidez66 e amamentação67

Antes de tomar qualquer medicamento, consulte seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde52.

Afinitor™ pode ser prejudicial ao feto68 ou ao lactente69.

Afinitor™ não é recomendado durante a gravidez66. Se você estiver grávida ou acha que pode estar grávida, avise ao seu médico, ele discutirá com você sobre o risco potencial de tomar Afinitor™ durante a gravidez66.

A amamentação67 não é recomendada durante o tratamento com Afinitor™e por duas semanas após a última dose de Afinitor™ Informe ao seu médico se estiver amamentando.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez66.

Mulheres em idade fértil e pacientes do sexo masculino

Você deve usar um método contraceptivo altamente eficaz (como preservativo ou pílula) durante o tratamento com Afinitor™ e durante 8 semanas após a interrupção do tratamento. Se achar que pode ficar grávida, consulte seu médico antes de continuar tomando Afinitor™.

Afinitor™ pode ter um impacto sobre a fertilidade masculina e feminina. Ausência de menstruação70 em mulheres que anteriormente menstruavam (amenorreia71 secundária) foi observada em alguns pacientes recebendo Afinitor™.

Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas. Caso se sinta cansado de uma forma não habitual (a fadiga72 é um efeito secundário frequente), tome especial cuidado ao dirigir veículos e/ou operar máquinas.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use este medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde52.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESSE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Você deve armazenar este medicamento em temperatura ambiente (entre 15 e 30 °C). Proteger da luz e da umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Aspecto físico

  • Cada comprimido de 2,5 mg de Afinitor™ possui a inscrição “LCL” gravado de um lado e “NVR” do outro.
  • Cada comprimido de 5 mg de Afinitor™ possui o número “5” gravado de um lado e “NVR” do outro.
  • Cada comprimido de 10 mg de Afinitor™ possui a inscrição “UHE” gravada de um lado e “NVR” do outro.

Características organolépticas

Os comprimidos são brancos a ligeiramente amarelados, alongados com bordas chanfradas e sem sulco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga as orientações do seu médico rigorosamente. Não tome mais do que seu médico lhe recomendou.

Quanto tomar de Afinitor™

Seu médico informará exatamente quantos comprimidos de Afinitor™ você deve tomar. Não altere a dosagem sem conversar com seu médico primeiro.

Se você tiver alguma reação adversa causada por Afinitor™, seu médico poderá reduzir sua dose de Afinitor™, interromper ou descontinuar seu tratamento com Afinitor™.

Não pare de tomar Afinitor™ a menos que seu médico tenha recomendado.

É importante que você informe o seu médico como você está sentindo durante o seu tratamento com Afinitor™.

Tratamento do câncer3 de mama4 avançado receptor hormonal5-positivo, tumores neuroendócrinos avançados, câncer3 avançado do rim9, ou angiomiolipoma renal12 associado ao TSC

A dose usual de Afinitor™ é de 10 mg, uma vez ao dia.

Uma dose maior ou menor pode ser recomendada pelo seu médico com base nas necessidades individuais do tratamento, por exemplo, se você tiver problemas no fígado28 ou se você estiver tomando outros medicamentos.

Tratamento de Astrocitoma subependimário de células gigantes15 associado ao Complexo da Esclerose14 Tuberosa (TSC)

Seu médico determinará a dose de Afinitor™ que você deverá tomar dependendo do tamanho do seu corpo, quadro do seu fígado28 e de outros remédios que você esteja tomando. Exames de sangue18 são necessários durante o tratamento com Afinitor™ para medir a quantidade de Afinitor™ em seu sangue18 e para determinar a melhor dose diária para você. Siga cuidadosamente as instruções do seu médico sobre a quantidade de Afinitor™ que você deve tomar.

Afinitor™ não deve ser utilizado por crianças e adolescentes (menores de 18 anos de idade) que possuem problemas no fígado28.

Quando tomar Afinitor™

Tome Afinitor™ uma vez ao dia, todos os dias, aproximadamente no mesmo horário todos os dias. É importante tomar Afinitor™ aproximadamente no mesmo horário todos os dias, de modo que a quantidade de everolimo se mantenha estável no sangue18.

Como tomar Afinitor™

Os comprimidos de Afinitor™ devem ser ingeridos por via oral.

Você deve tomar Afinitor™ todos os dias no mesmo horário, regularmente com ou sem alimentação. Engula os comprimidos inteiros com um copo de água. Não mastigue ou triture os comprimidos.

Se você está tomando Afinitor™ para o tratamento de TSC com SEGA e está impossibilitado de engolir os comprimidos, pode misturá-los em um copo com água:

  • Coloque o número de comprimidos necessários em um copo com água (contendo aproximadamente 30 mL)
  • Misture suavemente o conteúdo até os comprimidos desmancharem (aproximadamente 7 minutos) e beba imediatamente;
  • Enxágue o copo com a mesma quantidade de água (aproximadamente 30 mL) e beba todo o conteúdo do copo para garantir que você tome a dose completa de Afinitor™.

Instruções de uso de manuseio de Afinitor™

Aconselha-se aos cuidadores a evitar contato com suspensões do Afinitor™ comprimidos. Lave completamente as mãos73, antes e após a preparação de cada suspensão.

Por quanto tempo tomar Afinitor™

Você deve continuar tomando Afinitor™ pelo tempo indicado pelo médico.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você esquecer de tomar Afinitor™, você ainda pode tomá-lo até 6 horas depois do horário habitual.

Se você se lembrar de tomar mais de 6 horas depois do horário que você toma seu Afinitor™ normalmente, pule a dose daquele dia. No dia seguinte, tome o comprimido no horário habitual. Não tome uma dose dobrada para compensar aquela que você esqueceu.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, pacientes tratados com Afinitor™ podem apresentar reações adversas, embora nem todas as pessoas as tenham. Afinitor™ também pode afetar o resultado de alguns exames de sangue18.

Pare de tomar Afinitor™ e procure ajuda médica imediatamente se você ou seu filho apresentar qualquer um dos seguintes sinais46 de uma reação alérgica47:

  • dificuldade de respirar ou engolir;
  • inchaço44 na face74, lábios, língua45 ou garganta75;
  • coceira grave da pele76, com erupção77 cutânea78 vermelha ou protuberâncias.

Algumas reações adversas podem ser sérias

Se você apresentar uma dessas reações adversas, avise ao seu médico imediatamente, pois elas podem colocar a vida em risco.

Reações adversas graves observadas durante o tratamento do câncer3 de mama4 avançado receptor hormonal5-positivo, tumores neuroendócrinos avançados ou câncer3 avançado do rim9

Reação muito comum: (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Sinais46 de infecção31 como aumento da temperatura ou calafrios79;
  • Fadiga72, perda do apetite, náusea62, icterícia80 (amarelamento da pele76), ou dor na parte superior direita do abdômen, fezes pálidas ou urina81 escura (pode também ser sinal82 de reativação da hepatite32 B);
  • Febre83, tosse, dificuldade de respirar, respiração ofegante, sinais46 de inflamação84 do pulmão7 (pneumonite35).


Reação comum: (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Sede excessiva, grande volume de urina81, aumento do apetite com perda de peso, cansaço (diabetes29);
  • Sangramento (hemorragia50), por exemplo, na parede do intestino;
  • Grave diminuição da produção de urina81, sinais46 de insuficiência85 dos rins86 (insuficiência renal53).


Reação incomum: (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Falta de ar, dificuldade de respirar quando deitado, inchaço44 dos pés ou pernas, sinais46 de insuficiência cardíaca87;
  • Erupção77 cutânea78, prurido88, urticária89, dificuldade em respirar ou engolir, tonturas90, sinais46 de reação alérgica47 grave (hipersensibilidade);
  • Inchaço44 e/ou dor em uma das pernas, geralmente na panturrilha91. Vermelhidão ou calor na pele76 na área afetada, sinais46 de bloqueio do vaso sanguíneo (veia) nas pernas por coagulação92 do sangue18;
  • Início súbito de falta de ar, dor no peito40 ou tossir sangue18, sinais46 potenciais de embolismo36 pulmonar (uma condição que ocorre quando uma ou mais artérias93 nos pulmões34 estão bloqueadas);
  • Grave diminuição da produção de urina81, inchaço44 das pernas, sentir-se confuso, dor nas costas94, sinais46 súbitos de falência renal12 (insuficiência renal53 aguda).


Reação rara: (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Falta de ar ou respiração rápida (sinais46 de síndrome37 da angústia respiratória aguda);
  • Inchaço44 das vias respiratórias ou da língua45, com ou sem comprometimento respiratório (angioedema95).


Reações adversas graves observadas durante o tratamento do TSC Reação muito comum: (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Febre83, tosse, dificuldade em respirar, respiração ofegante, sinais46 de inflamação84 dos pulmões34 (pneumonite35.


Reação comum: (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Inchaço44, sensação de peso ou aperto, dor, dificuldade de locomoção de partes do corpo, sinal82 de potencial acúmulo anormal de líquido nos tecidos moles devido a um bloqueio no sistema linfático96 (linfedema);
  • Erupção77 cutânea78, coceira, urticária89, dificuldade de respirar ou engolir, tontura97, sinais46 de reação alérgica47 grave (hipersensibilidade).


Reação incomum: (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Erupção77 de pequenas vesículas98, vermelhidão na pele76, sinais46 de infecção31 viral que podem potencialmente ser graves (herpes zoster99);
  • Febre83, tosse, dificuldade de respirar, respiração ofegante, sinais46 de inflamação84 do pulmão7 (pneumonite35);
  • Inchaço44 das vias respiratórias ou da língua45, com ou sem comprometimento respiratório (angioedema95).

Outras possíveis reações adversas

Outras reações adversas incluem a lista a seguir. Se algumas das reações tornar-se severa, entre em contato com seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde52.

A maioria das reações são leves a moderadas e, geralmente, desaparecem após alguns dias da interrupção do tratamento.

Outras reações adversas observadas durante o tratamento do câncer3 de mama4 avançado receptor hormonal5-positivo, tumores neuroendócrinos avançados ou câncer3 avançado do rim9

Reação muito comum: (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • nível alto de açúcar27 no sangue18 (hiperglicemia100);
  • perda de apetite;
  • distúrbios do paladar101 (disgeusia);
  • dor de cabeça102;
  • sangramento nasal (epistaxe103);
  • tosse;
  • úlceras48 na boca49;
  • irritação estomacal como enjôo (náusea62);
  • diarreia104;
  • erupção77 cutânea78;
  • coceira (prurido88);
  • sensação de fraqueza ou cansaço;
  • cansaço, falta de ar, tontura97, palidez, sinais46 de baixo nível de células11 vermelhas (anemia105);
  • inchaço44 dos braços, mãos73, pés, tornozelos ou outra parte do corpo (sinais46 de edema106);
  • perda de peso;
  • nível alto de lipídeos (gorduras) no sangue18 (hipercolesterolemia107).

Se alguma destas reações adversas afetar você de forma grave, avise ao seu médico.

Reação comum: (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • sangramento espontâneo ou equimose108, sinais46 de baixo nível de plaquetas23 (trombocitopenia109);
  • sede, volume baixo de urina81, urina81 escura, pele76 seca e avermelhada, irritabilidade (sinais46 de desidratação110);
  • problemas para dormir (insônia);
  • dor de cabeça102, tontura97, sinal82 de pressão alta (hipertensão111);
  • febre83, dor de garganta75 ou úlcera112 na boca49 devido à infecções30, sinal82 de baixo nível de células11 brancas (leucopenia113, linfopenia, neutropenia114);
  • falta de ar (dispneia115);
  • febre83;
  • inflamação84 da parte interna dos lábios, estômago6, intestino;
  • boca49 seca;
  • azia116 (dispepsia117);
  • sentir-se enjoado (vômito63);
  • dificuldade de engolir (disfagia118);
  • dor abdominal;
  • acne119;
  • erupção77 cutânea78 e dor nas palmas das mãos73 ou plantas dos pés (síndrome37 das mãos73 e pés);
  • pele76 avermelhada (eritema120);
  • dor nas articulações121;
  • dor na boca49;
  • distúrbios menstruais, tais como, ciclos menstruais irregulares;
  • alto nível de lipídeos (gordura122) no sangue18 (hiperlipidemia123, aumento de triglicérides124);
  • baixo nível de potássio no sangue18 (hipocalemia125);
  • baixo nível de fosfato no sangue18 (hipofosfatemia);
  • pele76 seca;
  • distúrbios na unha;
  • testes sanguíneos anormais do fígado28 (aumento de alanina e aspartato aminotransferase);
  • teste sanguíneo anormal dos rins86 (aumento de creatinina24);
  • proteína na urina81.

Se alguma destas reações adversas afetar você de forma grave, avise ao seu médico.


Reação incomum: (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • fraqueza, sangramento espontâneo ou equimose108 e infecções30 frequentes com sinais46 como febre83, calafrios79, dor de garganta75 ou úlceras48 na boca49, sinal82 de baixo nível de células11 do sangue18 (pancitopenia126);
  • perda da sensação do paladar101 (ageusia);
  • tossir sangue18 (hemoptise127);
  • ausência de menstruação70 (amenorreia71);
  • urinar mais vezes durante o dia;
  • dor no peito40;
  • problemas na cicatrização de feridas.


Reação rara: (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • cansaço, falta de ar, tontura97, palidez, sinais46 de baixo nível de células11 vermelhas no sangue18 (um tipo de anemia105 chamada aplasia pura de células11 vermelhas);

Se alguma destas reações adversas afetar você de forma grave, avise ao seu médico.

Outras reações adversas observadas durante o tratamento de TSC

Reação muito comum: (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • infecção31 do trato respiratório superior;
  • dor de garganta75 e coriza128 (nasofaringite);
  • dor de cabeça102, pressão nos olhos129, nariz130 ou área da bochecha131, sinais46 de inflamação84 dos seios132 e fossas nasais (sinusite133);
  • infecção31 do trato urinário42;
  • alto nível de lipídeos (gorduras) no sangue18 (hipercolesterolemia107);
  • diminuição do apetite;
  • dor de cabeça102;
  • tosse;
  • úlceras48 orais;
  • diarreia104;
  • ficar enjoado (vômito63);
  • acne119;
  • erupção77 cutânea78;
  • sensação de cansaço;
  • febre83;
  • distúrbios menstruais, como a ausência de menstruação70 (amenorreia71) ou ciclos menstruais irregulares. Se qualquer uma destas condições afetar você de forma grave, informe ao seu médico.


Reação comum: (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • infecção31 do ouvido médio134;
  • inchaço44, sangramento nas gengivas, sinais46 de inflamação84 da gengiva (gengivite135);
  • inflamação84 da pele76 (celulite136);
  • dor de garganta75 (faringite137);
  • sangramento espontâneo ou equimose108, sinais46 de nível baixo de plaquetas23 (trombocitopenia109);
  • nível baixo de fosfato no sangue18 (hipofosfatemia);
  • alto nível de lipídeos (gordura122) no sangue18 (hiperlipidemia123, aumento de triglicérides124);
  • elevado nível de açúcar27 no sangue18 (hiperglicemia100);
  • cansaço, falta de ar, tontura97, palidez, sinais46 de baixo nível de células11 vermelhas do sangue18 (anemia105);
  • febre83, dor de garganta75 ou úlceras48 na boca49 devido à infecções30, sinais46 de baixo nível de células brancas do sangue138 (leucopenia113, linfopenia, neutropenia114);
  • dor de cabeça102, tontura97, sinais46 de aumento da pressão sanguínea (hipertensão111);
  • sangramento nasal (epistaxe103);
  • dor oral;
  • perturbações do estômago6 como sentir enjoo (náusea62);
  • dor abdominal;
  • dor na região inferior do abdômen e pélvica139, que pode ser acentuada, com irregularidades menstruais (cisto de ovário140);
  • excesso de gases no intestino (flatulência);
  • constipação141;
  • dor abdominal, náusea62, vômito63, diarreia104, inchaço44 do abdômen, sinais46 de inflamação84 da mucosa142 do estômago6 (gastrite143, gastroenterite144 viral);
  • uma condição inflamatória na pele76, caracterizada por vermelhidão, coceira e exsudação145 de líquido dos cistos que tornam-se escamosos, crostosos ou endurecidos (dermatite146 acneiforme);
  • perda de cabelo147 (alopecia148);
  • pele76 seca, comichão (prurido88);
  • proteína na urina81;
  • distúrbios da menstruação70 como menstruação70 atrasada, menstruação70 excessiva (menorragia149) ou sangramento vaginal;
  • irritabilidade;
  • incapacidade de dormir (insônia);
  • agressividade;
  • nível alto no sangue18 de enzimas denominadas lactato150 desidrogenase que dá informações relativas à saúde52 em determinados órgãos;
  • nível maior no sangue18 de hormônio151 desencadeante da ovulação152 (aumento sanguíneo do hormônio151 luteinizante);
  • perda de peso.

Se qualquer uma destas condições afetar você de forma grave, informe ao seu médico.


Reação incomum: (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • tosse com catarro, dor no peito40, febre83 e sinais46 de inflamação84 das vias aéreas (bronquite viral);
  • distúrbios do paladar101 (digeusia);
  • distúrbios da menstruação70, tais como atrasos menstruais;
  • nível maior de hormônio151 feminino reprodutor (aumento sanguíneo do hormônio151 folículo153 estimulante). Se você observar qualquer reação adversa não listada nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico.

Atenção: este produto é um medicamento que possui nova indicação terapêutica154 no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você tomou mais Afinitor™ do que recomendado, ou se alguém tomou seu medicamento acidentalmente, procure imediatamente seu médico ou hospital. Você deve mostrar a caixa do Afinitor™. Um tratamento médico pode ser necessário.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS – 1.0068.1065
Farm. Resp.: Flavia Regina Pegorer - CRF-SP 18.150

Importado por:
Novartis Biociências S.A.
Av. Prof. Vicente Rao, 90
São Paulo - SP
CNPJ: 56.994.502/0001-30
Indústria Brasileira

Fabricado por:
Novartis Pharma Stein AG, Stein – Suíça

Embalado por:
Novartis Pharma Stein AG, Stein – Suíça
ou
Anovis Industrial Farmacêutica Ltda., Taboão da Serra, SP


SAC 0800 888 3003

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Receptor hormonal: São proteínas que se ligam aos hormônios circulantes, mediando seus efeitos nas células. Os mais estudados em tumores de mama são os receptores de estrogênio e os receptores de progesterona, por exemplo.
6 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
7 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
8 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
9 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
10 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
11 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
12 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
13 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
14 Esclerose: 1. Em geriatria e reumatologia, é o aumento patológico de tecido conjuntivo em um órgão, que ocorre em várias estruturas como nervos, pulmões etc., devido à inflamação crônica ou por razões desconhecidas. 2. Em anatomia botânica, é o enrijecimento das paredes celulares das plantas, por espessamento e/ou pela deposição de lignina. 3. Em fitopatologia, é o endurecimento anormal de um tecido vegetal, especialemnte da polpa dos frutos.
15 Células Gigantes: Massas multinucleares produzidas pela fusão de muitas células; freqüentemente associadas com infecções virais. Na AIDS, há indução destas células quando o envelope glicoproteico do vírus HIV liga-se ao antígeno CD4 de células T4 vizinhas não infectadas. O sincício resultante leva à morte celular explicando então o efeito citopático do vírus.
16 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
17 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
18 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
19 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
20 Hidrocefalia: Doença produzida pelo aumento do conteúdo de Líquido Cefalorraquidiano. Nas crianças pequenas, manifesta-se pelo aumento da cabeça, e nos adultos, pelo aumento da pressão interna do cérebro, causando dores de cabeça e outros sintomas neurológicos, a depender da gravidade. Pode ser devido a um defeito de escoamento natural do líquido ou por um aumento primário na sua produção.
21 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
22 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
23 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
24 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
25 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
26 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
27 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
28 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
29 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
30 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
31 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
32 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
33 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
34 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
35 Pneumonite: Inflamação dos pulmões que compromete principalmente o espaço que separa um alvéolo de outro (interstício pulmonar). Pode ser produzida por uma infecção viral ou lesão causada por radiação ou exposição a diferentes agentes químicos.
36 Embolismo: É o mesmo que embolia, mas é um termo menos usado. Significa obstrução de um vaso, frequentemente uma artéria, pela migração de um corpo estranho (chamado de êmbolo) levado pela corrente sanguínea.
37 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
38 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
39 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
40 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
41 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
42 Trato Urinário:
43 Fúngica: Relativa à ou produzida por fungo.
44 Inchaço: Inchação, edema.
45 Língua:
46 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
47 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
48 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
49 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
50 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
51 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
52 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
53 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
54 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
55 Galactose: 1. Produção de leite pela glândula mamária. 2. Monossacarídeo usualmente encontrado em oligossacarídeos de origem vegetal e animal e em polissacarídeos, usado em síntese orgânica e, em medicina, no auxílio ao diagnóstico da função hepática.
56 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
57 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
58 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
59 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
60 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
61 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
62 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
63 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
64 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
65 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
66 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
67 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
68 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
69 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
70 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
71 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
72 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
73 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
74 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
75 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
76 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
77 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
78 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
79 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
80 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
81 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
82 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
83 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
84 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
85 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
86 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
87 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
88 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
89 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
90 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
91 Panturrilha: 1. Proeminência muscular, situada na face posterossuperior da perna, formada especialmente pelos músculos gastrocnêmio e sóleo; sura, barriga da perna. 2. Por extensão de sentido, enchimento usado por baixo das meias, para melhorar a aparência das pernas.
92 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
93 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
94 Costas:
95 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
96 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
97 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
98 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
99 Zoster: Doença produzida pelo mesmo vírus que causa a varicela (Varicela-Zóster). Em pessoas que já tenham tido varicela, o vírus se encontra em forma latente e pode ser reativado produzindo as características manchas avermelhadas, vesículas e crostas no território de distribuição de um determinado nervo. Como seqüela pode deixar neurite, com dores importantes.
100 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
101 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
102 Cabeça:
103 Epistaxe: Hemorragia de origem nasal.
104 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
105 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
106 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
107 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
108 Equimose: Mancha escura ou azulada devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, a equimose desaparece passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
109 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
110 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
111 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
112 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
113 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
114 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
115 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
116 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
117 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
118 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
119 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
120 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
121 Articulações:
122 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
123 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
124 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
125 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
126 Pancitopenia: É a diminuição global de elementos celulares do sangue (glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas).
127 Hemoptise: Eliminação de sangue vivo, vermelho rutilante, procedente das vias aéreas juntamente com a tosse. Pode ser manifestação de um tumor de pulmão, bronquite necrotizante ou tuberculose pulmonar.
128 Coriza: Inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo.
129 Olhos:
130 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
131 Bochecha:
132 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
133 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
134 Ouvido médio: Atualmente denominado orelha média, é constituído pela membrana timpânica, cavidade timpânica, células mastoides, antro mastoide e tuba auditiva. Separa-se da orelha externa através da membrana timpânica e se comunica com a orelha interna através das janelas oval e redonda.
135 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
136 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
137 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
138 Células Brancas do Sangue: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS).
139 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
140 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
141 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
142 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
143 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
144 Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. É produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.
145 Exsudação: Líquido que, transudando pelos poros de uma planta ou de um animal, adquire consistência viscosa na superfície onde aparece.
146 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
147 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
148 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
149 Menorragia: Também chamada de hipermenorréia, é a menstruação anormalmente longa e intensa em intervalos regulares. As causas podem ser: coagulação sangüínea anormal, desregulação hormonal do ciclo menstrual ou desordens do revestimento endometrial do útero. Dependendo da causa, a menorragia pode estar associada à menstruação dolorosa (dismenorréia).
150 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
151 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
152 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
153 Folículo: 1. Bolsa, cavidade em forma de saco. 2. Fruto simples, seco e unicarpelar, cuja deiscência se dá pela sutura que pode conter uma ou mais sementes (Ex.: fruto da magnólia).
154 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.

Tem alguma dúvida sobre Afinitor?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.