Preço de Simponi em Woodbridge/SP: R$ 5124,65

Simponi

JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 08/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Simponi®
golimumabe
Injetável 50 mg/0,5 mL

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução injetável
Embalagem com 1 caneta aplicadora

USO SUBCUTÂNEO1
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada caneta aplicadora contém:

golimumabe 50 mg
veículo q.s.p. 0,5 mL

Excipientes: sorbitol2, histidina, polissorbato 80 e água para injetáveis. Não contém conservantes.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

ATENÇÃO: RISCO DE INFECÇÕES3 GRAVES

Veja o item “4. O que devo saber antes de usar este medicamento?” dessa bula para mais informações.

Infecções3 graves que levaram à hospitalização ou óbito4, como a tuberculose5, septicemia6 bacteriana, fúngica7 invasiva e outras infecções3 oportunistas ocorreram em pacientes recebendo Simponi®. Simponi® deve ser descontinuado se você desenvolver uma infecção8 grave ou septicemia6.

Você deve ser submetido a exames para identificação de tuberculose5 latente; se positivo, você deve iniciar um tratamento para a tuberculose5 antes de começar a utilizar Simponi®.

O médico deve monitorar todos os pacientes quanto ao desenvolvimento de tuberculose5 ativa durante o tratamento com Simponi®, mesmo se o teste de tuberculose5 latente inicial for negativo.

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Simponi ® é indicado para o tratamento da:

Artrite reumatoide9 ativa moderada a grave em adultos, combinado com metotrexato:

A artrite reumatoide9 é uma doença inflamatória das articulações10. Se você tiver artrite reumatoide9 ativa, receberá Simponi®, que será utilizado em combinação com metotrexato para:

  • Reduzir os sinais11 e os sintomas12 de sua doença;
  • Inibir danos aos seus ossos e articulações10;
  • Melhorar a função física;
  • Melhorar sua qualidade de vida relacionada à saúde13.

Artrite14 psoriásica ativa em adultos, sozinho ou combinado com metotrexato:

A artrite14 psoriásica é uma doença inflamatória das articulações10, normalmente acompanhada por psoríase15. Se você tiver artrite14 psoriásica ativa, receberá Simponi®, sozinho ou em combinação com metotrexato para:

  • Reduzir os sinais11 e os sintomas12 de sua artrite14;
  • Melhorar a função física;
  • Melhorar sua entesite (dor e inchaço16 ao redor das articulações10);
  • Melhorar sua psoríase15 de pele17 e unhas18;
  • Melhorar sua qualidade de vida relacionada à saúde13.

Espondilite anquilosante ativa em adultos:

Espondilite anquilosante é uma doença inflamatória da coluna. Se você tiver espondilite anquilosante ativa, você receberá Simponi® para:

  • Reduzir os sinais11 e os sintomas12 de sua doença;
  • Melhorar a função física;
  • Melhorar sua qualidade de vida relacionada à saúde13.

Espondiloartrite axial não radiográfica

Espondiloartrite axial não radiográfica é uma doença inflamatória da coluna. Se você apresenta espondiloartrite axial não radiográfica, você receberá Simponi® para:

  • Reduzir os sinais11 e sintomas12 de sua doença;
  • Melhorar a mobilidade da sua coluna;
  • Melhorar sua função física;
  • Melhorar sua saúde13 em relação à qualidade de vida.

Colite19 ulcerativa moderada a gravemente ativa em adultos:

A colite19 ulcerativa é uma doença inflamatória dos intestinos20. Se você tiver colite19 ulcerativa ativa de moderada a grave, seja intolerante ou tenha tido uma resposta inadequada às terapias convencionais, que incluem aminosalicilatos orais, corticosteroides orais, azatioprina ou 6-mercaptopurina, o Simponi® é indicado para:

  • induzir e manter a resposta clínica;
  • melhorar a aparência endoscópica da mucosa21 durante a indução;
  • induzir a remissão clínica;
  • alcançar e manter a remissão clínica em pacientes que respondem à terapia de indução.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Em doenças como artrite reumatoide9, artrite14 psoriásica, espondilite anquilosante, espondiloartrite axial não radiográfica e colite19 ulcerativa, o corpo produz excessivamente uma substância chamada fator de necrose22 tumoral alfa (TNF-alfa). O excesso dessa substância faz com que o sistema imunológico23 ataque o tecido24 saudável, resultando em inflamação25. O bloqueio do TNF-alfa obtido com o uso de Simponi® pode reduzir a inflamação25 associada a essas doenças, mas também pode reduzir a capacidade de seu sistema imunológico23 em combater as infecções3.

Qual é a informação mais importante que devo saber sobre Simponi®?

Simponi® é um medicamento que afeta o seu sistema imunológico23 e pode reduzir a sua capacidade em combater as infecções3. Alguns pacientes tiveram infecções3 graves enquanto recebiam Simponi®, incluindo tuberculose5, infecções3 fúngicas26 e bacterianas sistêmicas. Alguns pacientes morreram em decorrência dessas infecções3 graves.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Este medicamento é contraindicado para uso por pessoa que tiver alergia27 a qualquer componente desse produto.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Antes de receber tratamento com Simponi®, informe ao seu médico se você:

  • tiver algum tipo de infecção8, mesmo se for muito leve;
  • tiver uma infecção8 que não desaparece ou histórico de infecção8 recorrente;
  • teve tuberculose5 ou esteve recentemente próximo a alguém que teve essa doença. Seu médico o avaliará quanto à tuberculose5 e realizará um teste cutâneo28 ou sanguíneo. Se ele achar que você corre risco de ter tuberculose5, poderá iniciar seu tratamento para essa doença antes que comece o tratamento com Simponi®;
  • morou em uma área em que infecções3 chamadas histoplasmose, coccidioidomicose ou blastomicose são comuns, ou se viajou para uma destas áreas. Essas infecções3 são causadas por fungos que podem afetar os pulmões29 ou outras partes do corpo. Pergunte a seu médico caso não saiba se essas infecções3 são comuns na área em que você mora ou em uma área para a qual você viajou;
  • tiver histórico de infecção8 por hepatite30 B;
  • tiver insuficiência cardíaca31, ou se você teve ou tem problemas no coração32. Se desenvolver sintomas12 novos ou agravamento de sintomas12 da insuficiência cardíaca31, como falta de ar ou inchaço16 dos pés, você deve notificar seu médico;
  • tiver ou teve uma condição que afete seu sistema nervoso33, como esclerose múltipla34 ou síndrome35 de Guillain-Barré. Você deve informar ao seu médico se apresentar fraquezas nos braços ou pernas, dormência36, formigamento ou distúrbios visuais;
  • tiver ou teve qualquer tipo de câncer37;
  • recebeu recentemente uma vacina38 ou se estiver programado para receber;
  • recebeu recentemente ou se estiver programado para receber tratamento com um agente terapêutico infeccioso (tal como instilação de BCG39, usada para o tratamento de câncer37);
  • tiver alergia27 ao látex;
  • estiver grávida, planeja engravidar ou estiver amamentando. Simponi® só deve ser utilizado
  • durante a gravidez40 se houver uma necessidade clara. As mulheres que estiverem amamentando devem conversar com seu médico para saber se devem usar Simponi® ou não;
  • recebeu Simponi® enquanto estava grávida, pois o seu bebê pode estar sob risco maior de ter uma infecção8. É importante informar ao pediatra e a outros profissionais de saúde13 sobre o seu tratamento com Simponi® antes do bebê receber qualquer vacina38, pois certas vacinas podem aumentar o risco do bebê ter uma infecção8.

Interações medicamentosas

Informe ao seu médico todos os medicamentos que estiver usando, incluindo os vendidos sob prescrição médica e os isentos, vitaminas e fitoterápicos, e quaisquer outros medicamentos para tratar artrite reumatoide9, artrite14 psoriásica, espondilite anquilosante, espondiloartrite axial não radiográfica ou colite19 ulcerativa. Informe ao seu médico especialmente se você utiliza anacinra ou abatacepte. Simponi® não deve ser utilizado com anacinra ou abatacepte. Também informe ao seu médico se estiver usando outros medicamentos que afetem seu sistema imunológico23.

Tenha sempre com você uma lista com todos os seus medicamentos para mostrar para seu médico e farmacêutico toda vez que for comprar um medicamento novo.

Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

Não foi realizado nenhum estudo sobre os efeitos na capacidade de dirigir veículos e de operar máquinas.

Advertências e Precauções

Medicamentos imunossupressores podem ativar focos primários de tuberculose5. Os médicos que acompanham pacientes sob imunossupressão41 devem estar alertas quanto à possibilidade de surgimento de doença ativa, tomando, assim, todos os cuidados para o diagnóstico42 precoce e tratamento.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde13.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Conservar sob refrigeração (entre 2°C e 8°C). Proteger da luz. Não congelar. Não agitar. Manter a caneta aplicadora na embalagem original a fim de protegê-la da luz.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

Simponi® é uma solução límpida a levemente opaca e incolor a levemente amarelada. Essa aparência não é incomum nas soluções que contêm proteína.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Para o tratamento de artrite reumatoide9, artrite14 psoriásica, espondilite anquilosante e espondiloartrite axial não radiográfica.

Simponi® 50 mg é administrado por uma injeção43 sob a pele17 (via subcutânea44) com uma caneta aplicadora uma vez ao mês, sempre no mesmo dia de cada mês.

Para o tratamento de colite19 ulcerativa

Simponi® 100 mg é administrado por uma injeção43 sob a pele17 (via subcutânea44) com uma caneta aplicadora. A Tabela a seguir mostra como você deverá utilizar o medicamento.

Tratamento inicial

Para pacientes45 com peso corporal maior ou igual a 80 kg: Uma dose inicial de 200 mg seguida de uma dose de 100 mg, 2 semanas depois.

Para pacientes45 com peso corporal menor que 80 kg: Uma dose inicial de 200 mg seguida de uma dose de 100 mg, 2 semanas depois.

Tratamento de manutenção

Para pacientes45 com peso corporal maior ou igual a 80 kg: 100 mg a cada 4 semanas após seu último tratamento, e então a cada 4 semanas consecutivamente.

Para pacientes45 com peso corporal menor que 80 kg: 50 mg a cada 4 semanas após seu último tratamento, e então a cada 4 semanas consecutivamente.

Simponi® só deve ser usado sob a orientação e a supervisão de seu médico. Ele lhe dirá a frequência com que você deve aplicar Simponi®. Não aplique Simponi® em uma frequência maior do que a prescrita. Se o seu médico determinar que é apropriado, você poderá ser capaz de aplicar a injeção43 em si mesmo, após treinamento apropriado a respeito da técnica de aplicação.

Se você aplicar mais Simponi® do que indicado, ligue para seu médico. Não deixe de aplicar nenhuma dose de Simponi®.

MODO DE USAR

Instruções para auto-administração subcutânea44 de Simponi®

No início do seu tratamento, Simponi® poderá ser aplicado pelo médico ou enfermeiro. Entretanto, seu médico pode decidir que é correto que você ou a pessoa que cuida de você aprenda a aplicar Simponi® sob sua pele17 (via subcutânea44). Assegure-se de que você (ou a pessoa que cuida de você) foi treinado sobre o modo de aplicar Simponi® antes de fazê-lo sozinho. Pergunte ao seu médico se tiver alguma dúvida sobre a auto-administração do Simponi®.

Para aplicar Simponi® caneta aplicadora é necessário que você seja treinado por um médico ou profissional de saúde13 sobre o modo de aplicação. Se você não foi treinado, contate um profissional de saúde13 para agendar uma seção de treinamento.

Etapa 1: Prepare Simponi® caneta aplicadora para uso

A figura a seguir mostra como é a caneta aplicadora:

  • NÃO agite a caneta aplicadora em nenhum momento.
  • NÃO remova a tampa da caneta aplicadora até o momento da aplicação.
  • Verifique o prazo de validade: Verifique a data de validade (indicada por “Val:”) na caneta aplicadora. Você também pode verificar o prazo de validade impresso na embalagem externa do produto. Se o prazo de validade estiver vencido, NÃO utilize o produto e contate o seu médico ou farmacêutico para receber orientação.
  • Verifique o selo de segurança: Verifique o selo de segurança ao redor da tampa da caneta aplicadora. Se o selo estiver rompido, não utilize o produto e contate o seu médico ou farmacêutico para receber orientação.
  • Aguarde 30 minutos: Para garantir uma aplicação apropriada, deixe a caneta aplicadora atingir a temperatura ambiente, ficando fora da embalagem externa por 30 minutos antes do uso. Mantenha longe do alcance de crianças.
  • NÃO aqueça a caneta aplicadora de nenhuma outra maneira (por exemplo, NÃO coloque em um aparelho de micro-ondas ou em água quente).
  • NÃO retire a tampa da caneta aplicadora enquanto estiver aguardando o produto atingir a temperatura ambiente.
  • NÃO retorne a caneta aplicadora para o refrigerador, pois isso pode afetar a qualidade do produto. NÃO retire a caneta aplicadora do refrigerador se o produto não for administrado.
  • Prepare o material adicional: Prepare o material adicional que você vai precisar para sua aplicação. Este inclui uma compressa com álcool, bola de algodão ou gaze e um recipiente adequado para descartar objetos pontiagudos cortantes.
  • Verifique a solução injetável na caneta aplicadora: Olhe pela janela de visualização da caneta aplicadora. Certifique-se de que o líquido é claro a levemente claro, e incolor a levemente amarelado.
    Você também poderá notar uma bolha46 de ar – isto é normal.
  • NÃO use se o líquido estiver com a coloração alterada, turvo ou se contiver partículas. Neste caso, contate o seu médico ou farmacêutico para receber orientação.

Etapa 2: Escolha e prepare o local da aplicação

  • Escolha o local da aplicação: O local da aplicação recomendado é a parte da frente, no meio da coxa47 (veja figura).
  • Você também pode utilizar a parte baixa do abdome48, abaixo do umbigo49. Não utilize a área circular próxima ao umbigo49.
    Se a pessoa que cuida de você está aplicando a injeção43, esta também pode ser aplicada na área externa dos braços (veja figura).
  • NÃO aplique nas áreas em que a pele17 estiver sensível, contundida, vermelha, escamosa50 ou dura. Evite áreas com cicatrizes51 ou estrias.

Prepare o local da aplicação: 

  • Lave bem as mãos52 com sabão e água morna.
  • Limpe o local da aplicação com um algodão com álcool.
  • NÃO toque novamente a área antes da aplicação. Deixe a pele17 secar antes de aplicar.
  • NÃO abane ou sopre a área limpa.

Etapa 3: Aplicando Simponi® com a caneta aplicadora

  • Retire a tampa
  • NÃO retire a tampa até que esteja tudo pronto para a aplicação de Simponi®. A solução deverá ser aplicada dentro de 5 minutos após a tampa ter sido retirada.
  • Quando estiver pronto para aplicar, gire levemente a tampa para romper o selo de segurança. Retire a tampa. Jogue a tampa imediatamente no lixo.
  • NÃO recoloque a tampa, pois isso pode causar dano à agulha no interior da caneta aplicadora.
  • Observação: Não use a caneta aplicadora se ela cair sem a tampa em sua posição. Se você deixar cair a caneta sem a tampa da agulha em sua posição, contate o seu médico ou farmacêutico para receber orientação.
  • Pressione a caneta aplicadora contra a pele17Segure a caneta aplicadora confortavelmente com uma das mãos52. NÃO pressione o botão neste momento. Empurre firmemente a extremidade aberta da caneta aplicadora contra a pele17 em um ângulo de 90 graus. Pressione o botão somente após a caneta aplicadora ser firmemente empurrada contra a pele17 e a manga de segurança tiver deslizado completamente sob a capa transparente.
  • Recomenda-se que a injeção43 seja realizada sem pinçar a pele17 (figura à esquerda). Entretanto, se você preferir, você pode pinçar a pele17 para criar uma superfície mais firme para a sua injeção43 (figura à direita).
  • Aperte o botão para aplicar: Continue segurando firmemente a caneta aplicadora contra a pele17 e aperte a parte frontal em relevo do botão com os dedos ou com o polegar. Você não conseguirá pressionar o botão a menos que a caneta aplicadora esteja firmemente pressionada contra a sua pele17 e a manga de segurança tiver deslizado sob a capa transparente. Quando o botão for pressionado ele permanecerá ativado, não sendo necessário manter a pressão sobre ele.
  • Você ouvirá o som alto de um “click” – não se assuste. O primeiro “click” indica que a agulha foi inserida e a aplicação teve início.
    Você pode não sentir a picada da agulha neste momento.
  • NÃO retire a caneta aplicadora da pele17. Se você retirar a caneta da pele17, você pode não aplicar toda a dose de medicamento necessária.
  • Aguarde o segundo “click”: Continue segurando a caneta aplicadora contra a pele17 até que ouça o segundo “click” (isso geralmente leva cerca de 3 a 6 segundos, mas pode levar até 15 segundos para que você escute o som do segundo “click”).
    O segundo “click” indica que a aplicação terminou e que a agulha foi retraída para o interior da caneta aplicadora. Levante a caneta aplicadora do local da aplicação.
  • Nota: Se você tiver problemas de audição e não ouvir o segundo “click”, conte 15 segundos a partir do momento em que você pressionou o botão e então levante a caneta aplicadora do local da aplicação.

Etapa 4: Verifique a janela de visualização

Após a aplicação, verifique a janela de visualização para se certificar de que o indicador amarelo está visível.

O indicador amarelo pode não preencher a janela de visualização inteira. Isso é normal. Isso indica que a caneta aplicadora funcionou da maneira correta.

Se você acha que não recebeu sua aplicação, verifique o indicador amarelo novamente para confirmar que a dose foi liberada.

Se o indicador amarelo não estiver visível na janela de visualização, procure orientação médica. NÃO administre a segunda dose sem conversar com seu médico.

Descarte da caneta aplicadora utilizada

Jogue fora imediatamente a caneta aplicadora em recipiente adequado para objetos pontiagudos cortantes. Não a jogue em lixo comum.

Descarte o recipiente de acordo com as legislações locais quando o recipiente estiver completo.

Use bola de algodão ou gaze

Pode haver uma pequena quantidade de sangue53 ou líquido no local da aplicação, o que é normal. Você pode pressionar uma bola de algodão ou gaze no local da aplicação e segurar por 10 segundos. NÃO esfregue o local da aplicação.

Você pode cobrir o local da aplicação com um pequeno curativo adesivo, se necessário.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não deixe de aplicar nenhuma dose de Simponi®. Caso tenha esquecido de aplicar Simponi®, aplique a dose assim que lembrar.

Não aplique dose dobrada para compensar a dose perdida.

A próxima dose deverá ser administrada de acordo com a seguinte orientação:

  • Se a dose perdida tiver menos de 2 semanas de atraso, aplique a dose esquecida assim que lembrar e, depois, aplique a próxima dose na data programada, considerando o mesmo dia do mês. Isto o recolocará na programação.
  • Se a dose perdida tiver mais de 2 semanas de atraso, aplique a dose esquecida assim que lembrar e, depois, o novo dia mensal de aplicação será o dia em que você aplicou a dose esquecida.

Caso você não tenha certeza de quando deve aplicar Simponi®, entre em contato com seu médico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As reações adversas, observadas com Simponi®, estão resumidas na Tabela 1. As reações adversas ao medicamento, nas classes de sistema/órgão, estão listadas de acordo com a frequência, usando a seguinte convenção:

Categoria Frequência
Muito comum ≥ 10%
Comum ≥ 1% e < 10%
Incomum ≥ 0,1% e < 1%
Raro ≥ 0,01% e < 0,1%
Muito raro < 0,01%
Desconhecida Não pode ser estimada pelos dados disponíveis


Tabela 1: Resumo de reações adversas a golimumabe em estudos clínicos

Infecções3 e infestações

Muito comum

Infecção8 do trato respiratório superior (nasofaringite, faringite54laringite55 e rinite56)

Comum

Infecções3 bacterianas (tais como celulite57), infecção8 do trato respiratório inferior (pneumonia58), infecções3 virais (tais como gripe59 e herpes), bronquite, sinusite60, infecções3 fúngicas26 superficiais, abscesso61

Incomum

Septicemia6 (incluindo choque62 séptico), pielonefrite63

Rara

Histoplasmose, coccidioidomicose, tuberculose5, infecções3 oportunistas (infecções3 invasivas fúngicas26, bacterianas, micobacterianas atípicas e protozoárias), reativação da hepatite30 B, pneumocistose, artrite14 bacteriana, bursite64 infecciosa

Neoplasias65 benignas e malignas

Rara

Câncer37 no sangue53 (linfoma66), leucemia67

Desconhecido

Malignidade pediátrica

Exames laboratoriais

Comum

Alterações de enzimas do fígado68 (aumento na alanina aminotransferase, aumento na aspartato aminotransferase)

Incomum

Diminuição na contagem de neutrófilos69

Distúrbios do sangue53 e sistema linfático70

Comum

Leucopenia71 (incluindo neutropenia72), anemia73

Incomum

Trombocitopenia74, pancitopenia75

Distúrbios do sistema imunológico23

Comum

Autoanticorpos positivos, reações alérgicas não-graves

Distúrbios do sistema nervoso33

Comum

Tontura76, parestesia77

Rara

Distúrbios desmielinizantes78 (central e periférico)

Distúrbios cardíacos

Rara

Insuficiência cardíaca congestiva79 (novo início ou piora)

Distúrbios vasculares80 zzz

Comum

Pressão alta (hipertensão81)

Rara

Vasculite82 (sistêmica)

Distúrbios respiratórios, torácicos e do mediastino83

Incomum

Doença intersticial84 pulmonar

Distúrbios gastrintestinais

Incomum

Constipação85

Distúrbios da pele17 e do tecido subcutâneo86

Comum

Erupção87 cutânea88, alopecia89

Incomum

Psoríase15: nova ou piora; palmar90/plantar e pustular

Rara

Vasculite82 (cutânea88)

Distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conjuntivo91

Rara

Síndrome35 semelhante ao lúpus92

Distúrbios gerais e condições no local de administração

Comum

Pirexia93, reação no local da aplicação (eritema94 no local da aplicação, urticária95, endurecimento, dor, hematoma96, prurido97, irritação, parestesia77)

Efeitos colaterais98 graves

Efeitos colaterais98 graves que podem necessitar de tratamento podem ocorrer durante o tratamento com Simponi®.  Os possíveis efeitos colaterais98 graves de Simponi® incluem:

Infecções3 graves: Se você apresentar febre99, calafrios100, dor de cabeça101, sintomas12 semelhantes aos da gripe59, sentir-se cansado, tiver tosse, sangue53 na expectoração102, falta de ar, suores noturnos, perda de peso, náusea103, vômito104, diarreia105, alteração na frequência ou ardor106 para urinar, vermelhidão ou inchaço16 da pele17 ou da articulação107, herpes simples, dor de dente108 ou dor nova ou agravada em um local qualquer enquanto estiver recebendo Simponi® ou após recebê-lo, você deve informar imediatamente o seu médico, porque podem ser sinais11 de que você está desenvolvendo uma infecção8.
O tratamento com agentes bloqueadores de TNF, como Simponi®, pode resultar na reativação do vírus109 da hepatite30 B em pacientes que portam esse vírus109. Se você souber que é ou suspeitar que possa ser portador do vírus109 da hepatite30 B, certifique-se de informar ao seu médico, já que isso pode afetar a decisão de iniciar ou continuar o tratamento com Simponi®. Seu médico poderá solicitar um exame de sangue53 para o vírus109 da hepatite30 B antes de você iniciar o tratamento com Simponi®.

Reações alérgicas: Alguns pacientes podem apresentar reações alérgicas ao Simponi®. Algumas destas reações podem ser graves. Os sintomas12 de uma reação alérgica110 podem incluir urticária95, erupção87 cutânea88 (vermelhidão na pele17), dificuldade de respirar, dor no peito111 e pressão sanguínea alta ou baixa. Você deve entrar em contato com seu médico, caso apresente esses sintomas12.
Se ocorrer uma reação alérgica110 durante ou logo após a administração de Simponi®, seu médico pode decidir interromper a injeção43 e/ou administrar um medicamento para tratar a reação.

Tampa da agulha com borracha natural seca (uma forma de látex): A tampa da agulha da caneta aplicadora contém borracha natural seca (uma forma de látex). Isso pode causar reações alérgicas em pessoas sensíveis ao látex. Informe ao seu médico se você já teve uma reação alérgica110 ao látex ou desenvolveu qualquer reação alérgica110 à aplicação de Simponi®.

Reações no local da aplicação: Alguns pacientes desenvolvem reações na pele17 no local da aplicação após as aplicações de Simponi®. Essas reações podem incluir erupção87 cutânea88 leve, inchaço16, hematoma96 (sangue53 sob a pele17), urticária95, dor e irritação. Você deve entrar em contato com seu médico se apresentar sintomas12 graves no local da aplicação.

Câncer37

  • Em estudos clínicos, houve uma frequência maior de relatos de câncer37 no sangue53 (chamado de linfoma66) nos pacientes recebendo Simponi® do que a esperada na população em geral. As pessoas que receberam tratamento em longo prazo para artrite reumatoide9, artrite14 psoriásica ou espondilite anquilosante, em especial aquelas com doença altamente ativa, podem estar mais propensas a desenvolver linfoma66. Outros tipos de câncer37 além do linfoma66 também foram relatados em pacientes tratados com Simponi® ou outros bloqueadores de TNF. Em um estudo de Simponi® em pacientes com asma112 persistente grave, ocorreram casos de câncer37 no grupo de pacientes tratados com Simponi®, mas não nos pacientes do grupo controle. Se você tiver asma112 persistente grave, converse com seu médico para saber se Simponi® é apropriado para você.
  • Ocorreram casos de câncer37, incluindo tipos de câncer37 incomuns, em crianças e adolescentes tratados com medicamentos bloqueadores de TNF, algumas vezes resultando em óbito4. Para crianças e adultos tratados com medicamentos bloqueadores de TNF, a possibilidade de ter linfoma66 ou outros tipos de câncer37 pode aumentar.
  • Alguns pacientes tratados com Simponi® desenvolveram certos tipos de câncer37 de pele17, como melanoma113.
  • Em raras ocasiões, foi observado um tipo específico e raro de linfoma66 chamado linfoma66 hepatoesplênico de células114 T em pacientes fazendo uso de outros bloqueadores de TNF. A maioria desses pacientes era de homens adolescentes e jovens adultos. Esse tipo de câncer37 tem frequentemente resultado em morte. Praticamente todos esses pacientes também receberam medicamentos conhecidos como azatioprina ou 6-mercaptopurina. Avise seu médico se você estiver usando azatioprina ou 6-mercaptopurina com Simponi®.

Converse com seu médico se ocorrerem mudanças no aspecto da pele17 ou crescimentos na pele17, durante ou após a terapia.

Você também deve informar o seu médico se teve ou se desenvolver linfoma66 ou outros tipos de câncer37 enquanto estiver usando Simponi®. Se você decidir usar ou não Simponi®, discuta com seu médico as medidas para triagem de câncer37 e o impacto das escolhas de estilo de vida sobre o risco de desenvolvê-lo.

Insuficiência cardíaca congestiva79Casos de agravamento e desenvolvimento de insuficiência cardíaca congestiva79 foram relatados com o uso de agentes bloqueadores de TNF, incluindo Simponi®. Alguns destes pacientes morreram. Simponi® não foi estudado em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva79. Informe o seu médico se você tiver insuficiência cardíaca31. Caso tenha e mesmo assim o seu médico decidir administrar Simponi®, sua condição deve ser monitorada com rigor durante o tratamento. Se desenvolver sintomas12 de insuficiência cardíaca31 ou tiver agravamento destes (como falta de ar ou inchaço16 dos pés), você deve entrar imediatamente em contato com seu médico.

Eventos neurológicos: Em raros casos, os pacientes tratados com agentes bloqueadores de TNF podem desenvolver doenças, como a esclerose múltipla34 ou síndrome35 de Guillain-Barré. Informe o seu médico se tiver histórico de doença neurológica. Caso desenvolva sintomas12 de doença neurológica, como alterações visuais, fraqueza dos braços ou pernas ou dormência36 ou formigamento em qualquer parte do corpo, você deve entrar imediatamente em contato com seu médico.

Problemas no sangue53Algumas vezes, pacientes tratados com agentes bloqueadores de TNF podem apresentar contagens baixas de células114 do sangue53. Se você apresentar sintomas12 como febre99 persistente, sangramentos ou manchas vermelhas ou arroxeadas na pele17, você deve entrar imediatamente em contato com o seu médico.

Vacinações: Há certas vacinas que você não deve receber enquanto estiver usando Simponi®. Informe o seu médico se recebeu uma vacina38 recentemente ou se está programado para receber.

Certas vacinas podem causar infecções3. Se você recebeu Simponi® enquanto estava grávida, seu bebê pode estar sob risco maior de ter tal infecção8 por até aproximadamente 6 meses após a última dose que você recebeu durante a gravidez40. É importante informar ao pediatra e aos outros profissionais de saúde13 sobre o seu tratamento com Simponi® para que eles possam decidir quando o seu bebê pode receber qualquer vacina38.

Problemas hepáticos: Houve casos em que os pacientes que utilizavam Simponi® desenvolveram problemas hepáticos. Os sinais11 de que você possa estar com um problema no fígado68 incluem: pele17 e olhos115 amarelados, urina116 marrom-escura, dor abdominal no flanco117 direito, febre99, náusea103, vômito104 e fadiga118 grave. Você deve entrar em contato com seu médico imediatamente se apresentar esses sintomas12.

Efeitos colaterais98 comuns

Os efeitos colaterais98 comuns com Simponi® incluem:

Gripe59, bronquite, infecção8 dos tecidos moles, dor de garganta119, infecção8 das vias respiratórias superiores, infecção8 dos seios nasais120 (sinusite60), coriza121, herpes simples, testes anormais do fígado68, tontura76, dormência36 ou formigamento, pressão sanguínea alta, febre99, perda de cabelo122 e vermelhidão no local da aplicação.

Qualquer medicamento pode ter efeitos colaterais98. Essa não é uma lista completa dos efeitos colaterais98 possíveis com o uso de Simponi®. Informe ao seu médico sobre qualquer efeito colateral123 que o (a) incomoda ou que não desapareça. Peça mais informações ao seu médico.

Experiência pós-comercialização

As reações adversas a Simponi® relatadas durante o período de pós-comercialização são:

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): reações cutâneas124 bolhosas.

Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): melanoma113, carcinoma125 das células114 de Merkel (tipo raro de câncer37 de pele17), reações alérgicas graves (incluindo reação anafilática126), sarcoidose127 (pequenos nódulos inflamatórios) e esfoliação da pele17.

Reação de frequência desconhecida: linfoma66 hepatoesplênico de células114 T.

Atenção: este produto é um medicamento que possui nova indicação no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você aplicar mais Simponi® do que o indicado, poderão aparecer reações adversas como, por exemplo, testes anormais do fígado68, tontura76, dormência36 ou formigamento, pressão sanguínea alta, febre99 e vermelhidão no local da aplicação.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS - 1.1236.3405
Farm. Resp.: Marcos R. Pereira – CRF/SP nº 12.304

Registrado por:
JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA.
Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041, São Paulo – SP
CNPJ 51.780.468/0001-87

Fabricado por:
Baxter Pharmaceutical Solutions LLC, Indiana - EUA

Embalado (emb. secundária) por:
Cilag AG,
Schaffhausen - Suíça

Importado por:
Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda.
Rodovia Presidente Dutra, km 154
São José dos Campos - SP
CNPJ 51.780.468/0002-68


SAC 0800 701 1851

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
2 Sorbitol: Adoçante com quatro calorias por grama. Substância produzida pelo organismo em pessoas com diabetes e que pode causar danos aos olhos e nervos.
3 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
5 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
6 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
7 Fúngica: Relativa à ou produzida por fungo.
8 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
10 Articulações:
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
15 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
16 Inchaço: Inchação, edema.
17 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
18 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
19 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
20 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
21 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
22 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
23 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
24 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
25 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
26 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
27 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
28 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
29 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
30 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
31 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
32 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
33 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
34 Esclerose múltipla: Doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, produzida pela alteração na camada de mielina. Caracteriza-se por alterações sensitivas e de motilidade que evoluem através do tempo produzindo dano neurológico progressivo.
35 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
36 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
37 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
38 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
39 BCG: Vacina utilizada para prevenir a tuberculose. Esta é composta por bacilos vivos e atenuados, que não produzem doença em pessoas com imunidade normal.
40 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
41 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
42 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
43 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
44 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
45 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
46 Bolha: 1. Erupção cutânea globosa entre as camadas superficiais da epiderme, cheia de serosidade, líquido claro, pus ou sangue, causada por inflamação, queimadura, atrito, efeito de certas enfermidades, etc. Deve ter mais de 0,5 cm. Quando tem um tamanho menor devem ser chamadas de “vesículas”. 2. Bola ou glóbulo cheio de gás, ar ou vapor que se forma (ou se formou) em alguma substância líquida ou pastosa, especialmente ao ser agitada ou por ebulição ou fermentação. 3. Saliência oca em uma superfície.
47 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
48 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
49 Umbigo: Depressão no centro da PAREDE ABDOMINAL, marcando o ponto onde o CORDÃO UMBILICAL entrava no feto. OMPHALO- (navel)
50 Escamosa: Cheia ou coberta de escamas, ou seja, de pequenas lâminas epidérmicas que se desprendem espontaneamente da pele.
51 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
52 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
53 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
54 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
55 Laringite: Inflamação da mucosa que recobre a laringe. É muito freqüente durante os meses frios, e é produzida por uma infecção viral. Apresenta-se com dor, alterações da fonação (disfonia), tosse e febre.
56 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
57 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
58 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
59 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
60 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
61 Abscesso: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
62 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
63 Pielonefrite: Infecção dos rins produzida em geral por bactérias. A forma de aquisição mais comum é por ascensão de bactérias através dos ureteres, como complicação de uma infecção prévia de bexiga. Seus sintomas são febre, dor lombar, calafrios, eliminação de urina turva ou com traços de sangue, etc. Deve ser tratada cuidadosamente com antibióticos pelo risco de lesão permanente dos rins, com perda de função renal.
64 Bursite: Doença ortopédica caracterizada pela inflamação da bursa, uma bolsa cheia de líquido, existente no interior das articulações, cuja finalidade é amortecer o atrito entre ossos, tendões e músculos. A bursite pode acontecer em qualquer articulação (joelhos, cotovelos, quadris, etc.), mas é mais comum no ombro.
65 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
66 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
67 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
68 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
69 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
70 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
71 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
72 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
73 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
74 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
75 Pancitopenia: É a diminuição global de elementos celulares do sangue (glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas).
76 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
77 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
78 Desmielinizantes: Que remove ou destrói a bainha de mielina de nervo ou trato nervoso.
79 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
80 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
81 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
82 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
83 Mediastino: Região anatômica do tórax onde se localizam diversas estruturas, dentre elas o coração.
84 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
85 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
86 Tecido Subcutâneo: Tecido conectivo frouxo (localizado sob a DERME), que liga a PELE fracamente aos tecidos subjacentes. Pode conter uma camada (pad) de ADIPÓCITOS, que varia em número e tamanho, conforme a área do corpo e o estado nutricional, respectivamente.
87 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
88 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
89 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
90 Palmar: Relacionado com a palma da mão
91 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
92 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
93 Pirexia: Sinônimo de febre. É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
94 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
95 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
96 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
97 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
98 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
99 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
100 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
101 Cabeça:
102 Expectoração: Ato ou efeito de expectorar. Em patologia, é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões; escarro.
103 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
104 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
105 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
106 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
107 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
108 Dente: Uma das estruturas cônicas duras situadas nos alvéolos da maxila e mandíbula, utilizadas na mastigação e que auxiliam a articulação. O dente é uma estrutura dérmica composta de dentina e revestida por cemento na raiz anatômica e por esmalte na coroa anatômica. Consiste numa raiz mergulhada no alvéolo, um colo recoberto pela gengiva e uma coroa, a parte exposta. No centro encontra-se a cavidade bulbar preenchida com retículo de tecido conjuntivo contendo uma substância gelatinosa (polpa do dente) e vasos sangüíneos e nervos que penetram através de uma abertura ou aberturas no ápice da raiz. Os 20 dentes decíduos ou dentes primários surgem entre o sexto e o nono e o vigésimo quarto mês de vida; sofrem esfoliação e são substituídos pelos 32 dentes permanentes, que aparecem entre o quinto e sétimo e entre o décimo sétimo e vigésimo terceiro anos. Existem quatro tipos de dentes
109 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
110 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
111 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
112 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
113 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
114 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
115 Olhos:
116 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
117 Flanco: 1. O lado (de qualquer coisa). Na anatomia humana, é cada um dos lados do corpo, dos quadris aos ombros. 2. Em construção, é a parte entre o baluarte e a cortina. 3. Em futebol, é o lado do campo. 4. Em geologia, é cada um dos lados de uma dobra. 5. Em termo militar, é a parte lateral de uma posição ou de uma tropa formada em profundidade.
118 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
119 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
120 Seios Nasais: Extensões preenchidas de ar localizadas na parte respiratória da cavidade nasal dentro dos ossos frontal, etmóide, esfenóide e maxila. Variam em tamanho e forma entre indivíduos diferentes, e são revestidas por uma membrana mucosa ciliada da cavidade nasal.
121 Coriza: Inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo.
122 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
123 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
124 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
125 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
126 Reação anafilática: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
127 Sarcoidose: Sarcoidose ou Doença de Besnier-Boeck é caracterizada pelo aparecimento de pequenos nódulos inflamatórios (granulomas) em vários órgãos. A doença pode afetar qualquer orgão do corpo, mas os mais atingidos são os pulmões , os gânglios linfáticos (ínguas ), o fígado, o baço e a pele.

Tem alguma dúvida sobre Simponi?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.