Preço de Arixtra em Woodbridge/SP: R$ 120,87

Arixtra

ASPEN PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 20/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Arixtra®
fondaparinux sódico
Injetável 2,5 mg e 7,5 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução injetável
Embalagens contendo 2 seringas

USO SUBCUTÂNEO1 (apresentação de 2,5 mg e 7,5 mg) OU INTRAVENOSO (apresentação de 2,5 mg)
USO ADULTO (a partir de 17 anos de idade)

COMPOSIÇÃO:

Cada seringa2 de Arixtra® 2,5 mg contém:

fondaparinux sódico 2,5 mg
veículo q.s.p. 0,5 mL

Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção3 (ácido clorídrico4 ou hidróxido de sódio para ajuste do pH, conforme necessário).


Cada seringa2 de Arixtra® 7,5 mg contém:

fondaparinux sódico 7,5 mg
veículo q.s.p. 0,6 mL

Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção3 (ácido clorídrico4 ou hidróxido de sódio para ajuste do pH, conforme necessário).

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Arixtra® é usado para prevenir que coágulos (trombos5) se formem nos vasos sanguíneos6 das pernas e sigam para as artérias7 dos pulmões8. Isso pode ocorrer em pacientes que estejam em recuperação pós-cirúrgica ou com outros problemas que os obriguem a ficar acamados ou impedidos de se locomover.

Arixtra® também é usado para tratar trombose venosa profunda9 (quando um coágulo10 sanguíneo se formou em uma veia profunda das pernas) e tromboembolismo11 pulmonar (quando um coágulo10 sanguíneo está alojado em um vaso do pulmão12).

Arixtra® é ainda usado para tratar angina13 instável (dor causada pelo estreitamento das artérias7 do coração14 e consequente diminuição da irrigação no órgão) e infarto15 agudo16 do miocárdio17 (ataque cardíaco).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Arixtra® é um medicamento antitrombótico. Seu princípio ativo, o fondaparinux, atua inibindo o processo de coagulação18 do sangue19, impedindo assim a formação de trombos5 (coágulos) nos vasos sanguíneos6.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não use Arixtra® se você:

  • É alérgico a fondaparinux sódico ou a qualquer componente da fórmula.
  • Apresenta sangramento espontâneo, Acidente Vascular Cerebral20 hemorrágico21 (AVC hemorrágico21, popularmente conhecido como derrame22 cerebral) ou algum sangramento ativo.
  • Apresenta infecção23 bacteriana no coração14 (endocardite24 bacteriana aguda).
  • Tem comprometimento renal25 grave (mal funcionamento dos rins26 definido pela depuração de creatinina27 menor que 20 mL/min).

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Precauções e advertências

Via de administração: Arixtra® só deve ser administrado por via subcutânea28 (sob a pele29). Para tratamento da síndrome30 coronariana aguda (ataque cardíaco), a primeira dose poderá ser utilizada por via intravenosa, conforme o caso, sob supervisão médica.

Arixtra® foi prescrito a você para prevenir a formação de coágulos sanguíneos ou tratar coágulos já formados.

Devido ao mecanismo de funcionamento desta droga, hemorragia31 (sangramento) pode se tornar um problema se você sofre de úlcera duodenal32 (no duodeno33) ou gástrica (no estômago34) que tem propensão a sangrar; se passou recentemente por uma cirurgia no cérebro35, na coluna espinhal ou nos olhos36; ou se está tomando outros medicamentos que afetem a coagulação18 do sangue19. Converse com seu médico se achar que alguma dessas situações se aplica a você.

Informe a seu médico se você:

  • tem alguma doença no fígado37;
  • tem 75 anos de idade ou mais;
  • pesa menos de 50 kg;
  • teve algum problema de coagulação18 ou redução do número de plaquetas38 (células39 responsáveis pela coagulação18 do sangue19) após tratamento anterior com heparina.

Se você apresenta mau funcionamento dos rins26 com depuração de creatinina27 menor que 30 mL/min, não tome este medicamento sem conhecimento ou orientação detalhada de seu médico.

Se você passou por uma cirurgia, a primeira dose de Arixtra® deve ser administrada aproximadamente seis horas após a operação e somente após os cortes terem parado de sangrar. Como este medicamento reduz a capacidade do sangue19 de coagular40, administrar Arixtra® antes disso pode piorar o sangramento das feridas.

Se você for submetido à anestesia41 espinhal ou retirada de líquido no espaço ao redor da espinha (punção lombar) enquanto estiver fazendo uso de Arixtra®, existe risco de ocorrer sangramento na espinha no local da injeção3, o que pode ser grave. Se você tem alguma dúvida, converse antes com seu médico.

A seringa2 de Arixtra® contém LÁTEX: O protetor da agulha da seringa2 contém látex. Informe seu médico se você for alérgico a látex.

Efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

Nenhum estudo sobre o efeito na habilidade de dirigir e de usar máquinas foi realizado.

Gravidez42

Arixtra® não deve ser usado por mulheres grávidas, exceto se claramente necessário.

Se você estiver grávida ou com suspeita de gravidez42, informe seu médico.

Lactantes43

A amamentação44 não é recomendada durante o tratamento com Arixtra®.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgiãodentista.

Interações medicamentosas

Alguns medicamentos podem influenciar o efeito de Arixtra®, assim como Arixtra® pode afetar o efeito de outros medicamentos. Por favor, avise seu médico ou farmacêutico sobre outros medicamentos que esteja tomando ou que pretende tomar, mesmo aqueles vendidos sem receita médica. Outros medicamentos que afetem a coagulação18 sanguínea não devem ser usados com Arixtra®, a menos que receitados pelo médico.

Informe seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde45.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de armazenamento

Conservar em temperatura ambiente, entre 15°C e 30°C.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

A seringa2 de Arixtra® contém um líquido incolor límpido a praticamente límpido.

As soluções devem ser inspecionadas visualmente antes da administração, a fim de se observar a possível presença de partículas. Caso seja observado algum material particulado, descartar o medicamento.

A seringa2 preenchida de Arixtra® contém um sistema de proteção automático da agulha, de modo a prevenir ferimentos com a agulha após a injeção3.

Qualquer produto não usado ou material residual devem ser descartados.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Modo de uso

As soluções devem ser inspecionadas visualmente a fim de se observar a possível presença de material particulado antes da administração.

Arixtra® é administrado por injeção subcutânea46 (sob a pele29) ou intravenosa (pela veia). Este medicamento não deve ser administrado através de injeção intramuscular47 (pelo músculo).

A injeção subcutânea46 é administrada do mesmo modo que com uma seringa2 clássica. A administração intravenosa deve ser feita através de cateter intravenoso, injetando diretamente pelo cateter ou utilizando uma minibolsa de solução salina a 0,9%.

A seringa2 preenchida de Arixtra® contém um sistema de proteção automático da agulha, de modo a prevenir ferimentos com a agulha após a injeção3.

Qualquer produto não usado ou material residual deve ser descartado.

Via de administração subcutânea28

Os locais de administração subcutânea28 devem ser alternados entre a parede abdominal48 ântero-lateral esquerda e direita e póstero-lateral esquerda e direita. Para evitar perda de medicamento quando estiver usando a seringa2 preenchida, não expelir a bolha49 de ar da seringa2 antes da injeção3. Toda a extensão da agulha deve ser inserida perpendicularmente em uma prega da pele29 mantida entre o polegar e o indicador. A prega na pele29 deve ser mantida durante a aplicação da injeção3.

Arixtra® destina-se ao uso sob orientação de um médico. Os pacientes podem se autoinjetar somente se seus médicos determinarem que isso seja apropriado e com acompanhamento médico, conforme necessário. O treinamento apropriado na técnica de injeções subcutâneas deve ser fornecido.

As instruções para a autoadministração estão descritas abaixo.

Partes das seringas:

  1. Capa da agulha
  2. Êmbolo50
  3. Apoio para os dedos
  4. Dispositivo de segurança

Instruções para uso:

  1. Lave as mãos51 cuidadosamente com água e sabão e enxugue-as com uma toalha.
  2. Retire a seringa2 da caixa de papelão e verifique se:
    • Está dentro do prazo de validade;
    • Não foi aberta ou danificada.
  3. Sente-se ou deite-se em posição confortável.
    Escolha um lugar na área abdominal inferior (parte de baixo da barriga), pelo menos 5 cm abaixo de seu umbigo52.
    Em cada aplicação, alterne o lado esquerdo e direito na área abdominal inferior. Isso ajudará a reduzir o desconforto no local de injeção3.
    Se não for possível injetar na área abdominal inferior, peça orientação a seu (a) enfermeiro (a) ou médico (a).
  4. Limpe a área da injeção3 com um algodão embebido em álcool.
  5. Remova a capa da agulha, torcendo-a primeiramente e, então, retirando-a em linha reta para longe do corpo da seringa2.


    Descarte a proteção da agulha.
    Nota importante:
    - Não toque na agulha nem deixe a agulha encostar em nenhuma superfície antes da injeção3.
    - É normal ver uma bolha49 de ar pequena na seringa2. Não tente remover essa bolha49 de ar antes de aplicar a injeção3 – você pode perder um pouco do medicamento se fizer isso.
  6. Prenda suavemente a pele29 que foi limpa até fazer uma dobra. Segure a dobra entre os dedos polegar e indicador durante a aplicação da injeção3.
  7. Segure a seringa2 firmemente com os dedos. Insira a agulha em todo seu comprimento em ângulo reto53 na dobra de pele29.
  8. Injete TODO o conteúdo da seringa2, pressionando o êmbolo50 até o fim.
  9. Solte o êmbolo50, e a agulha se retrairá automaticamente, retornando ao dispositivo de segurança, onde ficará travada permanentemente.

Não descarte a seringa2 usada no lixo doméstico. Descarte-a conforme instruções do seu médico ou farmacêutico.

Via de administração intravenosa (somente a primeira dose no tratamento de infarto15 agudo16 do miocárdio17 com elevação do segmento ST)

A administração intravenosa (pela veia) deve ser feita somente através de cateter intravenoso, diretamente ou através de um pequeno volume de solução salina 0,9% (25 ou 50 mL). Para evitar a perda de medicamento quando estiver usando a seringa2 preenchida, não expelir a bolha49 de ar da seringa2 antes da injeção3. Se for administrado diretamente, deve-se passar uma solução salina pelo cateter após a injeção3, para garantir que todo o medicamento foi administrado. No caso de administração através de solução salina, a infusão deve ocorrer entre um e dois minutos.

POSOLOGIA

Adultos

Prevenção de eventos tromboembólicos venosos

Cirurgia ortopédica e abdominal: a dose recomendada de Arixtra® é de 2,5 mg uma vez ao dia, administrados após a cirurgia através de injeção subcutânea46.

A administração da primeira dose só deve ocorrer pelo menos seis horas após o término da cirurgia e somente depois de o sangramento ter parado (veja Advertências).

O tratamento deve ser continuado até que o risco de tromboembolismo11 venoso (bloqueio de uma veia por coágulo10) tenha diminuído, usualmente até que o paciente esteja caminhando, pelo menos cinco a nove dias após a cirurgia.

A experiência mostra que em pacientes submetidos à cirurgia de fratura54 de quadril, o risco de eventos tromboembólicos venosos continua além dos nove dias após a cirurgia.

Nesses pacientes, profilaxia (prevenção) prolongada com Arixtra® deve ser considerada por até 24 dias adicionais.

Pacientes sob o risco de complicações tromboembólicas: a dose recomendada de Arixtra® é de 2,5 mg uma vez ao dia, administrados através de injeção subcutânea46. Tratamento de seis a 14 dias foi clinicamente estudado nos pacientes.

Tratamento de trombose venosa profunda9 (TVP) e tromboembolismo11 pulmonar agudo16 (TEP)

A dose recomendada de Arixtra® a ser administrada através de injeção subcutânea46 uma vez ao dia é de:

  • 5 mg para peso corporal menor que 50 kg;
  • 7,5 mg para peso corporal de 50 a 100 kg;
  • 10 mg para peso corporal maior que 100 kg.

O tratamento deve ser continuado por pelo menos cinco dias e até que a anticoagulação oral adequada esteja estabelecida (Razão Internacional Normalizada, 2 para 3). O tratamento concomitante com antagonistas de vitamina55 K deve ser iniciado tão logo seja possível, usualmente dentro de 72 horas. A duração usual do tratamento com Arixtra® é de cinco a nove dias.

Tratamento de angina13 instável/infarto do miocárdio56 sem elevação do segmento ST

A dose recomendada de Arixtra® é de 2,5 mg uma vez ao dia, via injeção subcutânea46. O tratamento deve ser iniciado tão logo seja feito o diagnóstico57 e continuado por até oito dias ou até a alta hospitalar, caso esta ocorra antes.

Se você for submetido à intervenção coronariana percutânea não primária (ICP, método para desentupir artérias7 do coração14 empregado quando o uso de medicamentos não consegue dissolver os coágulos) e estiver fazendo uso de Arixtra®, heparina não fracionada (tipo de substância anticoagulante58) deve ser administrada e segundo a prática padrão, mas somente durante a ICP. Considerar o risco potencial de o paciente sofrer sangramento e levando em conta o tempo desde a última dose de fondaparinux (veja Advertências).

O tempo para recomeçar a administração subcutânea28 de Arixtra® após remoção do cateter percutâneo deve ser baseado em julgamento clínico. No estudo clínico de angina13 instável/infarto do miocárdio56 sem elevação do segmento ST, o tratamento não foi reiniciado antes de duas horas após remoção do cateter percutâneo.

Em pacientes que foram submetidos à cirurgia de revascularização (por exemplo: colocação de ponte de safena para substituir segmentos de artérias7 do coração14 entupidas) do miocárdio17 (músculo cardíaco59), Arixtra®, quando possível, não deve ser administrado durante as 24 horas que antecedem a cirurgia e deve ser reiniciado 48 horas após a cirurgia.

Tratamento de infarto do miocárdio56 com elevação do segmento ST

A dose recomendada de Arixtra® é de 2,5 mg uma vez ao dia. A primeira dose deve ser administrada via intravenosa, e as próximas doses por injeção subcutânea46. O tratamento deve ser iniciado tão logo seja feito o diagnóstico57 e continuado por até oito dias ou até a alta hospitalar, caso esta ocorra antes.

Se você for submetido à intervenção coronariana percutânea não primária (ICP, método para desentupir artérias7 do coração14 empregado quando o uso de medicamentos não consegue dissolver os coágulos) e estiver fazendo uso de Arixtra®, heparina não fracionada (tipo de substância anticoagulante58)deve ser administrada e segundo a prática padrão, mas somente durante a ICP. Considerar o risco potencial de o paciente sofrer sangramento e levando em conta o tempo desde a última dose de fondaparinux (veja Advertências).

O tempo para recomeçar a administração subcutânea28 de Arixtra® após remoção do cateter percutâneo deve ser baseado no julgamento de seu médico. No estudo clínico de infarto do miocárdio56 com elevação do segmento ST, o tratamento não foi reiniciado antes de três horas após remoção do cateter percutâneo.

Em pacientes que foram submetidos à cirurgia de revascularização (por exemplo: colocação de ponte de safena para substituir artérias7 do coração14 entupidas) do miocárdio17 (músculo cardíaco59), Arixtra®, quando possível, não deve ser administrado durante as 24 horas que antecedem a cirurgia e deve ser reiniciado 48 horas após a cirurgia.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Caso você se esqueça de tomar uma dose, injete-a assim que você se lembrar. Não injete uma dose dupla para compensar a dose perdida. Se você não tiver certeza do que fazer, pergunte ao seu médico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Todo medicamento pode causar eventos adversos em algumas pessoas. As reações adversas relatadas em pacientes que fizeram uso de Arixtra® estão listadas abaixo:

Reações comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • sangramento. O evento adverso mais comum que pode ocorrer em mais do que uma em cada 100 pessoas que usam este medicamento é sangramento. Qualquer sangramento pode se tornar grave. Se isso ocorrer, entre em contato com seu médico urgentemente.
  • hematomas60 (manchas roxas pelo corpo)
  • anemia61 (redução no número de glóbulos vermelhos do sangue19)
  • inchaço62 (edema63)

Reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • redução ou aumento no número de plaquetas38 (células sanguíneas64 responsáveis pela coagulação18 do sangue19)
  • dor de cabeça65
  • enjoo, vômitos66
  • alterações nos resultados de testes sanguíneos hepáticos (do fígado37)
  • febre67
  • rash68 (erupção69 na pele29)
  • prurido70 (coceira), secreção na ferida

Reações raras (ocorrem entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • infecções71 das feridas pós-operatórias
  • reação alérgica72 (incluindo coceira, inchaço62 e erupção69 cutânea73)
  • baixos níveis de potássio no sangue19
  • ansiedade, confusão, tontura74, sonolência
  • pressão baixa (hipotensão75)
  • dificuldade para respirar, tosse
  • dor de estômago34, indigestão, constipação76 (prisão de ventre), diarreia77
  • aumento da bilirrubina78 (substância produzida pelo fígado37) no sangue19
  • reação no local da injeção3
  • dor no peito79, dor nas pernas
  • cansaço
  • vermelhidão
  • desmaio

Sempre avise seu médico sobre novos sintomas80, mesmo aqueles não listados aqui.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Sintomas80 e sinais81

Doses de Arixtra® acima do recomendado podem levar a risco aumentado de sangramento.

Tratamento

A superdosagem associada a complicações hemorrágicas82 deve levar à descontinuação do tratamento e à pesquisa da causa primária. O início da terapia apropriada, que pode incluir hemostasia83 (interrupção da hemorragia31) cirúrgica, reposições sanguíneas (transfusão84 de sangue19), transfusão84 de plasma85 (parte líquida do sangue19, composta por 90% de água e 10% de proteínas86, anticorpos87, enzimas, hormônios e outras substâncias) fresco, plasmaferese (substituição do plasma85), deve ser considerado.

Se você acidentalmente usar Arixtra® além da dose recomendada, procure seu médico imediatamente, porque você pode estar correndo risco elevado de sangramento.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001 se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS 1.3764.0153
Farm. Resp.: Dra. Viviane L. Santiago Ferreira CRF-ES – 5139

Fabricado por:
Aspen Notre Dame de Bondeville
1, rue de l'Abbaye, 76960 Notre Dame de Bondeville - França

Registrado e Importado por:
Aspen Pharma Indústria Farmacêutica Ltda.
Av. Acesso Rodoviário, Módulo 01, Quadra 09, TIMS – Serra - ES
CNPJ: 02.433.631/0001-20


SAC 0800 026 23 95

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
2 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
3 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
4 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
5 Trombos: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
6 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
7 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
8 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
9 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
10 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
11 Tromboembolismo: Doença produzida pela impactação de um fragmento de um trombo. É produzida quando este se desprende de seu lugar de origem, e é levado pela corrente sangüínea até produzir a oclusão de uma artéria distante do local de origem do trombo. Esta oclusão pode ter diversas conseqüências, desde leves até fatais, dependendo do tamanho do vaso ocluído e do tipo de circulação do órgão onde se deu a oclusão.
12 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
13 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
14 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
15 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
16 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
17 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
18 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
19 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
20 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
21 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
22 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
23 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
24 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
25 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
26 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
27 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
28 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
29 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
30 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
31 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
32 Úlcera duodenal: Lesão na mucosa do duodeno – parte inicial do intestino delgado.
33 Duodeno: Parte inicial do intestino delgado que se estende do piloro até o jejuno.
34 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
35 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
36 Olhos:
37 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
38 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
39 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
40 Coagular: Promover a coagulação ou solidificação; perder a fluidez, transformar-se em massa ou sólido.
41 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
42 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
43 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
44 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
45 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
46 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
47 Injeção intramuscular: Injetar medicamento em forma líquida no músculo através do uso de uma agulha e seringa.
48 Parede Abdominal: Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas Músculos Abdominais;
49 Bolha: 1. Erupção cutânea globosa entre as camadas superficiais da epiderme, cheia de serosidade, líquido claro, pus ou sangue, causada por inflamação, queimadura, atrito, efeito de certas enfermidades, etc. Deve ter mais de 0,5 cm. Quando tem um tamanho menor devem ser chamadas de “vesículas”. 2. Bola ou glóbulo cheio de gás, ar ou vapor que se forma (ou se formou) em alguma substância líquida ou pastosa, especialmente ao ser agitada ou por ebulição ou fermentação. 3. Saliência oca em uma superfície.
50 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
51 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
52 Umbigo: Depressão no centro da PAREDE ABDOMINAL, marcando o ponto onde o CORDÃO UMBILICAL entrava no feto. OMPHALO- (navel)
53 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
54 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
55 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
56 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
57 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
58 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
59 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
60 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
61 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
62 Inchaço: Inchação, edema.
63 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
64 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
65 Cabeça:
66 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
67 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
68 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
69 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
70 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
71 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
72 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
73 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
74 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
75 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
76 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
77 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
78 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
79 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
80 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
81 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
82 Hemorrágicas: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
83 Hemostasia: Ação ou efeito de estancar uma hemorragia; mesmo que hemóstase.
84 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
85 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
86 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
87 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.

Tem alguma dúvida sobre Arixtra?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.