Preço de Bexsero em Woodbridge/SP: R$ 527,74

Bexsero

GLAXOSMITHKLINE BRASIL LTDA

Atualizado em 20/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Bexsero
vacina1 adsorvida meningocócica B (recombinante)
Injetável

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Suspensão injetável em seringa2 preenchida 
Embalagem contendo 1 seringa2 preenchida, sem agulha.

SOMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO INTRAMUSCULAR
USO ADULTO E PEDIÁTRICO A PARTIR DE 2 MESES DE IDADE

COMPOSIÇÃO:

Cada dose de 0,5 mL da suspensão injetável contém:

Proteína de fusão NHBA recombinante de Neisseria meningitidis grupo B1,2,3 50 mcg
Proteína NadA recombinante de Neisseria meningitidis grupo B1,2,3 50 mcg
Proteína de fusão fHbp recombinante de Neisseria meningitidis grupo B1,2,3 50 mcg
Vesículas3 de membrana externa (OMV) de Neisseria meningitidis grupo B 25 mcg
veículo q.s.p. 0,5 mL

Cepa4 NZ98/254 medida como quantidade de proteína total contendo PorA P1.42

1 Produzida em células5 de E. coli através da tecnologia de DNA recombinante.
2 Adsorvida em hidróxido de alumínio (0,5 mg Al3+).
3 NBHA (Antígeno6 de ligação de Neisseria com Heparina), NadA (Adesina A de Neisseria), fHbp (Proteína de ligação com o fator H).

Excipientes: cloreto de sódio, histidina, sacarose e água para injetáveis.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

A vacina1 Bexsero é indicada para auxiliar na proteção de indivíduos a partir de 2 meses a 50 anos de idade contra a doença causada pela bactéria7 Neisseria meningitidis do grupo B. Esta bactéria7 pode provocar infecções8 graves e, às vezes, com ameaça à vida, como a meningite9 (inflamação10 da membrana que recobre o cérebro11 e a medula espinhal12) e a sepse13 (infecção14 generalizada).

A vacina1 funciona especificamente estimulando o sistema de defesa natural do corpo da pessoa vacinada. Isto resulta na proteção contra esta doença.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A vacina1 Bexsero estimula a produção de anticorpos15 que destroem a bactéria7 Neisseria meningitidis do grupo B causadora de doenças como a meningite9 e a sepse13 (infecção14 generalizada).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A vacina1 Bexsero não deve ser usada se você ou o seu filho:

  • for alérgico (hipersensível) às substâncias ativas ou a qualquer outro componente da Bexsero listado na seção COMPOSIÇÃO.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Advertências e Precauções

Como todas as vacinas injetáveis, supervisão e tratamento médicos sempre devem estar disponíveis caso ocorra um evento anafilático (alérgico) após a administração da vacina1.

Consulte seu médico antes de receber a vacina1 Bexsero, caso você ou o seu filho apresente:

  • uma infecção14 grave com febre16 alta. Neste caso, a vacinação será adiada. No caso de uma infecção14 de menor, como um resfriado, a vacinação não deve ser adiada, no entanto, converse antes com seu médico.
  • se seu filho tiver nascido prematuramente (antes ou com 28 semanas de gestação), particularmente se apresentou dificuldades respiratórias, converse antes com seu médico. Parada respiratória ou respiração irregular por um curto período de tempo pode ser mais comum nos três primeiros dias após a vacinação nestes bebês17, podendo ser necessário monitoramento especial.
  • hemofilia18 ou qualquer outro problema que possa impedir a coagulação19 adequada do seu sangue20, tal como tratamento com afinadores do sangue20 (anticoagulantes21). Converse antes com seu médico.
  • uma alergia22 ao antibiótico canamicina. Se houver, o nível de canamicina presente na vacina1 é baixo. Caso você ou seu filho possam ser alérgicos à canamicina, converse antes com seu médico.

Desmaio, sensação de desmaio ou outras reações relacionadas ao estresse podem ocorrer como resposta a qualquer injeção23 com agulha.

Informe o seu médico ou enfermeiro caso tenha apresentado este tipo de reação anteriormente.

Informe seu médico se você ou seu filho for alérgico ao látex. A tampa da seringa2 pode conter a borracha natural de látex. O risco de desenvolvimento de uma reação alérgica24 é mínimo, mas seu médico precisa estar ciente da sua alergia22 quando ele decidir se você ou seu filho deve receber a vacina1 Bexsero.

Não há dados sobre o uso da vacina1 Bexsero em adultos acima de 50 anos de idade ou em pacientes com condições médicas crônicas ou com baixa imunidade25. Se você ou seu filho tiver baixa imunidade25, por exemplo, devido ao uso de medicamentos imunossupressores (medicamentos que agem no sistema de defesa natural do organismo, diminuindo a imunidade25), ou à infecção14 por HIV26, ou a defeitos hereditários no sistema de defesa natural do organismo, é possível que a eficácia da vacina1 Bexsero seja reduzida.

Assim como qualquer vacina1, a vacina1 Bexsero pode não proteger completamente todos os indivíduos que forem vacinados.

Uso com outros medicamentos/vacinas

Consulte seu médico caso você ou o seu filho esteja tomando, tenha tomado recentemente ou possa tomar quaisquer outros medicamentos, ou caso tenha recebido qualquer outra vacina1 recentemente.

A vacina1 Bexsero pode ser administrada ao mesmo tempo com qualquer um dos seguintes componentes vacinais: difteria27, tétano28, coqueluche29 (pertussis), Haemophilus influenzae tipo B, pólio, hepatite30 B, pneumocócica, sarampo31, caxumba32, rubéola33 e catapora34. Consulte seu médico para mais informações.

A administração concomitante da vacina1 Bexsero com outras vacinas, além das mencionadas acima, não foi estudada.

A administração concomitante de vacinas contendo pertussis de células5 inteiras com a vacina1 Bexsero não foi estudada e, portanto, não é recomendada.

Quando administrada juntamente com outras vacinas, a vacina1 Bexsero deve ser aplicada em local de injeção23 separado. O médico poderá prescrever ao seu filho medicamentos que diminuam a febre16 no momento e após a administração da vacina1 Bexsero. Isso ajudará na diminuição de algumas reações adversas da vacina1 Bexsero.

Gravidez35 e amamentação36

Antes de receber a vacina1 Bexsero, o médico deve ser informado caso você esteja grávida ou amamentando, com suspeita de gravidez35 ou planejando engravidar. O médico poderá ainda recomendar a administração da vacina1 Bexsero caso você esteja sob risco evidente de exposição à infecção14 meningocócica.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou amamentando sem a orientação do médico ou cirurgião-dentista.

Efeitos sobre a habilidade de dirigir ou operar máquinas

A vacina1 Bexsero tem influência nula ou insignificante na habilidade de dirigir e operar máquinas.

Entretanto, alguns efeitos mencionados na seção “8. Quais os males que este medicamento pode me causar?” podem afetar temporariamente a habilidade de dirigir ou operar máquinas.

Informações importantes sobre alguns dos componentes da vacina1 Bexsero

Este medicamento contém menos de 1 mmol de sódio (23 mg) por dose; isso significa que é essencialmente livre de sódio.

Atenção diabéticos: contém AÇÚCAR37.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde38.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de armazenamento

Mantenha esta vacina1 fora do alcance das crianças.

Conservar o produto sob refrigeração (entre 2ºC e 8ºC). Não congelar. Não utilize a vacina1 caso tenha sido congelada. Proteger da luz.

Não use a vacina1 Bexsero após a data de validade impressa na caixa. A data de validade refere-se ao último dia daquele mês.

A vacina1 Bexsero tem validade de 3 anos.

Não descarte nenhum medicamento no esgoto ou lixo doméstico. Pergunte ao seu médico sobre como descartar os medicamentos que não serão mais utilizados. Estas medidas ajudarão a proteger o meio ambiente.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

A vacina1 Bexsero apresenta-se como uma suspensão líquida branca opalescente.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A dose recomendada da vacina1 Bexsero é de 0,5 ml, administrada pelo médico ou outro profissional de saúde38 qualificado. A vacina1 deve ser injetada no músculo, geralmente na coxa39 em bebês17, ou na parte superior do braço, em crianças, adolescentes e adultos.

Esta vacina1 não pode ser misturada com outras vacinas na mesma seringa2 para ser administrada.

A vacina1 Bexsero não deve ser administrada por via intravascular40, subcutânea41 ou intradérmica.

É importante seguir as instruções do médico para que você ou seu filho complete o esquema de vacinação.

Bebês17 de 2 meses a 5 meses de idade

Seu filho deverá receber um esquema inicial de três doses da vacina1, seguido por uma quarta injeção23 (dose de reforço).

  • A primeira dose deve ser administrada aos 2 meses de idade. Neste esquema, o intervalo entre cada injeção23 deve ser de, pelo menos, 2 meses.
  • A quarta injeção23 (dose de reforço) deverá ser administrada entre 12 e 23 meses de idade.
  • O esquema primário de vacinação também pode ser administrado aos 2, 3 e 4 meses de idade (com intervalo entre doses de pelo menos 1 mês).

Bebês17 de 6 meses a 11 meses de idade

Bebês17 de 6 meses a 11 meses de idade não vacinados, devem receber duas doses, seguidas por uma terceira injeção23 (dose de reforço).

O intervalo entre as doses deve ser de, pelo menos, 2 meses.

A terceira injeção23 (dose de reforço) será administrada no segundo ano de vida, após um intervalo de, pelo menos, 2 meses a partir da segunda dose.

Crianças de 12 meses a 23 meses de idade

  • Crianças de 12 meses a 23 meses de idade devem receber duas doses.
  • O intervalo entre cada dose deve ser de, pelo menos, 2 meses.

Crianças de 2 a 10 anos de idade

  • Crianças de 2 a 10 anos de idade devem receber duas doses.
  • O intervalo entre cada dose deve ser de, pelo menos, 2 meses.

Adolescentes (a partir de 11 anos de idade) e adultos

  • Adolescentes (a partir de 11 anos de idade) e adultos devem receber duas doses.
  • O intervalo entre cada dose deve ser de, pelo menos, 1 mês.

Adultos acima de 50 anos de idade

  • Não há dados em adultos acima de 50 anos de idade.

Caso você tenha alguma dúvida adicional sobre a vacina1 Bexsero, consulte um profissional de saúde38.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico ou do cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Assim como todas as vacinas, a vacina1 Bexsero pode causar reações adversas, embora nem todas as pessoas as apresentem.

Quando a vacina1 Bexsero é administrada a você ou ao seu filho, as reações adversas mais comuns (aquelas que podem afetar mais de 1 em cada 10 pessoas) que você ou seu filho pode apresentar (relatadas em todas as faixas etárias) são:

  • dor/sensibilidade no local da injeção23, vermelhidão da pele42 no local da injeção23, inchaço43 da pele42 no local da injeção23, enrijecimento da pele42 no local da injeção23.

As seguintes reações adversas também podem ocorrer após a administração desta vacina1.

Bebês17 e crianças (até 10 anos de idade)

Muito comuns (podem afetar mais de 1 em cada 10 pessoas)

  • febre16 (≥ 38°C);
  • perda de apetite;
  • sensibilidade ou desconforto no local da injeção23 (incluindo sensibilidade severa no local da injeção23, resultando em choro quando o membro que recebeu a injeção23 é manipulado);
  • dor nas articulações44;
  • erupção45 cutânea46 (em crianças de 12 a 23 meses de idade) (incomum após a dose de reforço);
  • sonolência;
  • irritabilidade;
  • choro incomum;
  • vômito47;
  • diarreia48;
  • dor de cabeça49.

Comuns (podem afetar até 1 em cada 10 pessoas)

  • erupção45 cutânea46 (em bebês17 e crianças de 2 a 10 anos de idade).

Incomuns (podem afetar até 1 em cada 100 pessoas)

  • febre16 alta (≥ 40°C);
  • convulsões (incluindo convulsão50 febril);
  • vômito47 (após a dose de reforço);
  • pele42 seca;
  • palidez (rara após a dose de reforço).

Raros (podem afetar até 1 em cada 1.000 pessoas)

  • doença de Kawasaki, que pode incluir sintomas51 como febre16 que dura mais de cinco dias, associada à erupção45 cutânea46 no tronco e, às vezes, seguida por descamação52 da pele42 das mãos53 e dedos, gânglios54 inchados no pescoço55, olhos56, lábios, garganta57 e língua58 vermelhos;
  • erupção45 cutânea46 com coceira, erupção45 cutânea46.

Adolescentes (a partir de 11 anos de idade) e adultos Muito comuns (podem afetar mais de 1 em cada 10 pessoas)

  • dor no local da injeção23, resultando na incapacidade de realizar atividades normais do dia a dia;
  • músculos59 e articulações44 doloridas;
  • náusea60;
  • indisposição generalizada;
  • dor de cabeça49.

Consulte seu médico caso qualquer um dos eventos adversos observados torne-se grave.

As reações adversas que foram relatadas durante a comercialização incluem:

Reações alérgicas que podem incluir inchaço43 severo dos lábios, boca61, garganta57 (que pode causar dificuldade ao engolir), dificuldade ao respirar com chiado ou tosse, erupção45 cutânea46, perda da consciência e pressão arterial62 muito baixa; colapso63 (início súbito de flacidez muscular), menos apto a responder que o habitual ou falta de consciência e palidez ou coloração azulada da pele42 em crianças pequenas; sensação de desmaio ou desmaio; febre16 (adolescentes a partir de 11 anos de idade e adultos); reações no local da injeção23 (incluindo inchaço43 extenso do membro vacinado, bolhas no local ou ao redor do local da injeção23 e nódulo64 no local da injeção23 que pode persistir por mais de um mês).

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

A experiência de superdose é limitada. Em caso de superdose, recomenda-se monitoramento das funções vitais e possível tratamento sintomático65.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

Reg. MS 1.0107.0321
Farm. Resp.: Edinilson da Silva Oliveira CRF-RJ Nº 18.875

Fabricado por:
GSK Vaccines S.r.L
Bellaria-Rosia, 53018 Sovicille - (Siena) Itália

Registrado e Importado por:
GlaxoSmithKline Brasil Ltda.
Estrada dos Bandeirantes, 8.464 – Rio de Janeiro – RJ
CNPJ: 33.247.743/0001-10


SAC 0800 701 22 33

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
3 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
4 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
7 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
8 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
10 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
11 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
12 Medula Espinhal:
13 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
14 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
16 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
17 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
18 Hemofilia: Doença transmitida de forma hereditária na qual existe uma menor produção de fatores de coagulação. Como conseqüência são produzidos sangramentos por traumatismos mínimos, sobretudo em articulações (hemartrose). Sua gravidade depende da concentração de fatores de coagulação no sangue.
19 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
20 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
21 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
22 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
23 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
24 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
25 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
26 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
27 Difteria: Doença infecto-contagiosa que afeta as vias respiratórias superiores, caracterizada pela produção de uma falsa membrana na garganta como resultado da ação de uma toxina bacteriana. Este microorganismo é denominado Corinebacterium difteriae, e é capaz de produzir doença neurológica e cardíaca também.Atualmente, está disponível uma vacina eficiente (a tríplice ou DPT) para esta doença, que tem tornado-se rara.
28 Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
29 Coqueluche: Infecção bacteriana das vias aéreas caracterizada por tosse repetitiva de som metálico. Pode também ser denominada tosse ferina, tosse convulsa ou tosse comprida, e é produzida por um microorganismo chamado Bordetella pertussis.
30 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
31 Sarampo: Doença infecciosa imunoprevenível, altamente transmissível por via respiratória, causada pelo vírus do sarampo e de imunidade permanente. Geralmente ocorre na infância, mas pode afetar adultos susceptíveis (não imunes). As manifestações clínicas são febre alta, tosse seca persistente, coriza, conjuntivite, aumento dos linfonodos do pescoço e manchas avermelhadas na pele. Em cerca de 30% das pessoas com sarampo podem ocorrer complicações como diarréia, otite, pneumonia e encefalite.
32 Caxumba: Também conhecida como parotidite. É uma doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da caxumba, resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, dor no corpo, perda de apetite, fadiga e dor de cabeça. Cerca de 30 a 40% dos indivíduos infectados apresentam dor e aumento uni ou bilateral das glândulas salivares (mais comumente, das parótidas). Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Em alguns casos pode complicar causando meningite, encefalite, surdez, orquite, ooferite, miocardite ou pancreatite.
33 Rubéola: Doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da rubéola. Resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, aumento dos gânglios do pescoço, manchas avermelhadas na pele, 70% das mulheres apresentam artralgia e artrite. Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Durante a gravidez, a infecção pelo vírus da rubéola pode resultar em aborto, parto prematuro e mal-formações congênitas.
34 Catapora: Doença infecciosa aguda, comum na infância, também chamada de varicela. Ela é provocada por vírus e caracterizada por febre e erupção maculopapular rápida, seguida de erupção de vesículas eritematosas muito pruriginosas.
35 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
36 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
37 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
38 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
39 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
40 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
41 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
42 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
43 Inchaço: Inchação, edema.
44 Articulações:
45 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
46 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
47 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
48 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
49 Cabeça:
50 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
51 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
52 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
53 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
54 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
55 Pescoço:
56 Olhos:
57 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
58 Língua:
59 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
60 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
61 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
62 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
63 Colapso: 1. Em patologia, é um estado semelhante ao choque, caracterizado por prostração extrema, grande perda de líquido, acompanhado geralmente de insuficiência cardíaca. 2. Em medicina, é o achatamento conjunto das paredes de uma estrutura. 3. No sentido figurado, é uma diminuição súbita de eficiência, de poder. Derrocada, desmoronamento, ruína. 4. Em botânica, é a perda da turgescência de tecido vegetal.
64 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
65 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre Bexsero?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.