Preço de Stivarga em Wilmington/SP: R$ 6271,80

Stivarga

BAYER S.A.

Atualizado em 04/02/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Stivarga®
regorafenibe
Comprimidos 40 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Comprimido revestido
Cartucho com 3 frascos plásticos contendo 28 comprimidos revestidos cada

USO ORAL
USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS

COMPOSIÇÃO:

Cada comprimido de Stivarga® contém:

regorafenibe (equivalente a 41,49 mg de regorafenibe monoidratado) 40 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: celulose microcristalina, croscarmelose sódica, povidona, dióxido de silício, estearato de magnésio, laca rosa.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Stivarga® é indicado para o tratamento de pacientes adultos com:

  • tumores estromais gastrintestinais (GIST) metastáticos ou não ressecáveis, que tenham progredido ou experimentaram intolerância ao tratamento prévio com imatinibe e sunitinibe.
  • carcinoma1 hepatocelular (CHC) que tenham sido previamente tratados com sorafenibe, um medicamento indicado para tratamento de câncer2 de fígado3 que não possa ser removido com cirurgia.
  • câncer2 colorretal (CCR) metastático que tenham sido previamente tratados com, ou não sejam considerados candidatos para, as terapias disponíveis. Estas incluem quimioterapia4 à base de fluoropirimidinas, terapia anti-VEGF e terapia anti-EGFR.

Stivarga® deve ser prescrito e controlado por um oncologista ou profissional de saúde5 capacitado para tratar pacientes com câncer2 gastrintestinal ou câncer2 de fígado3.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Stivarga® é um medicamento utilizado para o tratamento do câncer2 através da lentificação do processo de crescimento e disseminação das células6 cancerosas e interrupção do suprimento de sangue7 que mantêm o crescimento das células6 do câncer2.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não tome Stivarga® se você for alérgico (hipersensível) ao regorafenibe ou a qualquer outro componente de Stivarga® listado no início da bula. Consulte seu médico se você acredita que pode ser alérgico. Se isso aplicar a você, informe ao seu médico antes de iniciar o tratamento com Stivarga®.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Este medicamento foi prescrito somente para você. Não compartilhe Stivarga® com ninguém, mesmo se eles apresentarem sintomas8 semelhantes aos seus. Fale com seu médico antes de usar Stivarga®.

Advertências e Precauções

Se você tem qualquer problema no fígado3, incluindo síndrome9 de Gilbert com sinais10 como: coloração amarelada da pele11 e do branco dos olhos12, urina13 escura, confusão e/ou desorientação. O tratamento com Stivarga® pode aumentar o risco de problemas no fígado3. Seu médico irá solicitar exames sanguíneos para monitorar a função do fígado3 antes e durante o tratamento com Stivarga®. Se a função do seu fígado3 está gravemente comprometida, você não deve ser tratado com Stivarga®, uma vez que não há dados sobre o uso de Stivarga® em pacientes com comprometimento grave das funções do fígado3.

Se você tiver uma infecção14 com sinais10 como febre15 alta, tosse grave com ou sem aumento da produção de muco (escarro), dor de garganta16 grave, falta de ar, queimação/dor ao urinar, secreção ou irritação vaginal incomum, vermelhidão, inchaço17 e/ou dor em qualquer parte do corpo. O seu médico pode interromper temporariamente o seu tratamento.

Se você teve ou tem qualquer problema de sangramento e se você estiver tomando varfarina, femprocumona ou outro medicamento que afina o sangue7 para prevenir coágulos sanguíneos. O tratamento com Stivarga® pode aumentar o risco de sangramento. Antes de iniciar o uso de Stivarga® seu médico poderá solicitar a realização de exames de sangue7. Stivarga® pode causar sangramento grave no sistema digestivo18 tal como no estômago19, garganta16, reto20 ou intestino, nos pulmões21, rins22, boca23, vagina24 e/ou cérebro25. Procure auxílio médico imediatamente se você apresentar os seguintes sintomas8: presença de sangue7 nas fezes ou presença de fezes escuras, presença de sangue7 na urina13, dor de estômago19, tosse/vômito26 com sangue7.

Se você tiver problemas graves de estômago19 e intestino, seu médico poderá decidir descontinuar o tratamento com Stivarga®. Procure auxílio médico imediatamente se você apresentar os seguintes sintomas8: forte dor de estômago19 ou de intestino, ou que não melhora, vômito26 com sangue7, fezes vermelhas ou escuras.

Se você tem dor no peito27 ou tem qualquer problema cardíaco. Antes de iniciar o uso de Stivarga® e durante o tratamento, seu médico irá verificar as condições de funcionamento do seu coração28. Procure auxílio médico imediatamente se você apresentar os seguintes sintomas8, uma vez que podem ser sinais10 de ataque cardíaco ou diminuição do fluxo sanguíneo para o coração28: desconforto no peito27 ou dor que pode espalhar-se do seu peito27 para seus ombros, braços, costas29, pescoço30, dentes, mandíbula31 ou estômago19, e pode vir e ir; encurtamento da respiração, súbito surto de suor frio, pele11 fria e úmida, sensação de tontura32 ou desmaio.

Se você desenvolver dor de cabeça33 grave e persistente, distúrbios visuais, convulsões ou estado mental alterado (como confusão mental, perda de memória ou perda de orientação), que pode ser associada com aumento da pressão sanguínea, contate seu médico imediatamente.

Se você tem pressão sanguínea alta (hipertensão34), Stivarga® pode aumentar sua pressão sanguínea. Seu médico irá monitorar sua pressão sanguínea antes e durante o tratamento, e poderá prescrever medicamento para tratar a hipertensão34.

Se você foi recentemente submetido ou será submetido a procedimento cirúrgico, Stivarga® pode afetar a cicatrização, e o tratamento deve ser temporariamente interrompido antes do procedimento cirúrgico e até a cicatrização dos ferimentos.

Se você tiver problemas de pele11, Stivarga® pode causar vermelhidão, dor, inchaço17, bolhas nas palmas das mãos35 ou nas solas dos pés ou espessamento da camada exterior da pele11. Se você notar quaisquer alterações contate seu médico. Para tratar os sintomas8, seu médico pode recomendar o uso de cremes e/ou o uso de palmilhas e luvas. Se você apresentar essas reações adversas, seu médico pode alterar a dose ou interromper o tratamento até que sua condição melhore.

Antes de utilizar Stivarga® informe ao seu médico se qualquer uma das condições descritas acima se aplica a você. Você pode precisar de tratamento para os casos descritos e podem ser feitos testes adicionais (veja também “8. Quais os males que este medicamento pode me causar?”).

Crianças e Adolescentes

Não foram estabelecidas segurança e eficácia de Stivarga® em crianças e adolescente abaixo de 18 anos de idade.

Interações Medicamentosas

Informe ao seu médico se você estiver tomando ou tomou recentemente qualquer outro medicamento, inclusive medicamentos isentos de prescrição médica, como vitaminas, suplementos dietéticos ou medicamentos fitoterápicos.

Alguns medicamentos podem afetar a maneira como Stivarga® funciona ou Stivarga® pode afetar o funcionamento de outros medicamentos e causar reações adversas graves. Informe ao seu médico especialmente se você estiver tomando qualquer um dos medicamentos descritos a seguir:

  • cetoconazol, itraconazol, posaconazol, voriconazol – medicamentos tipicamente usados no tratamento de infecções36 fúngicas37;
  • rifampicina, claritromicina, telitromicina, neomicina e outros antibióticos – medicamentos tipicamente utilizados no tratamento de infecções36 bacterianas;
  • fenitoína, carbamazepina ou fenobarbital – medicamentos tipicamente utilizados para o tratamento da epilepsia38 (convulsões);
  • metotrexato – medicamento tipicamente utilizado para o tratamento do câncer2, psoríase39 e doença autoimune40;
  • rosuvastatina, fluvastatina, atorvastatina – medicamentos tipicamente utilizados para tratar o colesterol41 alto;
  • varfarina ou femprocumona – medicamentos tipicamente utilizados para afinar o sangue7;
  • Erva de São João – tratamento a base de ervas para depressão.

Gravidez42, Lactação43 e Fertilidade

Informe ao seu médico se você suspeita que esteja grávida, está grávida ou planeja engravidar, pois Stivarga® não deve ser utilizado durante a gravidez42, a menos que seja claramente necessário. Após cuidadosa avaliação dos benefícios para a mãe e do risco para o feto44, seu médico irá conversar com você sobre os riscos potenciais de tomar Stivarga® durante a gestação.

Evite engravidar durante o tratamento com Stivarga®, este medicamento pode prejudicar o feto44.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez42.

Stivarga® pode prejudicar a fertilidade em homens45 e mulheres. Mulheres em idade reprodutiva e homens devem garantir contracepção46 efetiva durante o tratamento e até 8 semanas após completar o tratamento.

Você não deve amamentar durante o tratamento com Stivarga®, uma vez que esse medicamento pode interferir no crescimento e desenvolvimento do seu bebê. Informe ao seu médico se você estiver amamentando ou planeja amamentar. Em decorrência do potencial de Stivarga® de provocar reações adversas graves em bebês47, a amamentação48 deve ser descontinuada durante o tratamento com Stivarga® e por 2 semanas após a última dose.

Habilidade para dirigir veículos ou operar máquinas

Não foi conduzido estudo sobre o efeito de Stivarga® na habilidade de dirigir veículos ou usar máquinas. Se você experimentar qualquer sintoma49 que afete sua capacidade de concentração e reação durante o tratamento com Stivarga®, você não deve conduzir veículos ou operar máquinas.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde5.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

O medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (entre 15–30°C). Proteger da umidade.

Mantenha o produto em sua embalagem original para protegê-lo da umidade. Dentro do frasco há uma cápsula com dessecante. O dessecante contido no frasco não deve ser ingerido. Mantenha o dessecante dentro do frasco.

Mantenha o frasco hermeticamente fechado após primeira abertura.

Uma vez aberto, o medicamento demonstrou ser estável durante 4 semanas, mesmo sem o dessecante. Depois disto, o medicamento deve ser descartado.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Após aberto, válido por 4 semanas.

Características organolépticas:

Comprimido revestido rosa claro, de formato oval, marcado com “BAYER” em um dos lados e “40” no outro lado.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Sempre tome Stivarga® exatamente como seu médico o instruiu a fazer.

Verifique com o médico se tiver alguma dúvida. Não tome mais Stivarga® além do que foi prescrito pelo seu médico.

Instruções para uso/manuseio

Pressione a tampa com sistema de fechamento a prova de crianças para baixo de acordo com as instruções da tampa enquanto gira a mesma para a esquerda. O dessecante contido no frasco não deve ser ingerido.

Posologia

A dose diária recomendada em adultos é de 4 comprimidos revestidos de Stivarga® contendo 40 mg cada, (160 mg de regorafenibe) ingeridos via oral, em uma única tomada, uma vez por dia durante 3 semanas seguido por 1 semana sem terapia. Este é um ciclo do tratamento de 4 semanas.

Seu médico poderá modificar a dosagem. Você deve tomar a dose de Stivarga® prescrita pelo seu médico para você.

Como usar

Uso oral

Os comprimidos de Stivarga® devem ser ingeridos inteiros na mesma hora todos os dias, após refeição leve (pouca gordura50). Os comprimidos devem ser ingeridos inteiros com água, após refeição leve que contenha menos que 30% de gordura50. Exemplo de refeição leve (pouca gordura50) inclui uma xícara de cereal, 250 mL ou um copo de leite desnatado, uma torrada com geleia, suco de maçã e uma xícara de café ou chá (520 calorias51, 2 g de gordura50, 17 g de proteína, 93 g de carboidrato52). Você não deve tomar Stivarga® junto com suco de toranja (grapefruit).

Seu médico pode precisar reduzir sua dose ou pode decidir interromper ou descontinuar permanentemente o tratamento, se necessário. Normalmente você irá tomar Stivarga® enquanto você estiver sendo beneficiado e não sofrer reações adversas inaceitáveis.

Stivarga® é eliminado principalmente pelo fígado3. Não é necessário ajuste de dose se a função do seu fígado3 estiver levemente ou moderadamente comprometida. Se a função do seu fígado3 estiver levemente ou moderadamente comprometida, seu médico irá manter cuidadoso monitoramento enquanto você estiver sendo tratado com Stivarga®. Se a função do seu fígado3 estiver gravemente comprometida, você não deve ser tratado com Stivarga®, uma vez que não há dados sobre o uso de Stivarga® em pacientes com função do fígado3 gravemente comprometida.

Não é necessário ajuste de dose se a função dos seus rins22 estiver levemente, moderadamente ou gravemente comprometida. No entanto, Stivarga® não foi estudado em pacientes que estejam sendo submetidos à diálise53, e não há uma dose recomendada para estes pacientes.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se esquecer de tomar Stivarga®

Se você esquecer de tomar uma dose, tome-a, no mesmo dia, assim que você se lembrar. Não tome duas doses de Stivarga® no mesmo dia para compensar a dose esquecida no dia anterior. Informe ao seu médico sobre qualquer dose esquecida. No caso de vômito26 após a administração de Stivarga®, você não deve ingerir comprimidos adicionais.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como qualquer medicamento, Stivarga® pode causar reações adversas, no entanto, nem todos os pacientes apresentam tais reações. Este medicamento também pode afetar os resultados de alguns exames de sangue7.

As reações adversas mais graves em pacientes recebendo Stivarga® para as quais um desfecho fatal foi observado foram:

  • lesão54 grave do fígado3, sangramento, perfuração gastrintestinal e infecção14.

Informe ao seu médico imediatamente se você tiver qualquer um dos sintomas8 abaixo:

Problemas no fígado3

O tratamento com Stivarga® pode aumentar o risco de problemas no fígado3. Entre em contato imediatamente com seu médico se você notar:

  • coloração amarelada da pele11 e do branco dos olhos12;
  • urina13 escura;
  • náusea55 ou vômito26;
  • confusão e/ou desorientação.

Estes podem ser sinais10 de lesão54 grave do fígado3.

Infecção14

O tratamento com Stivarga® pode aumentar o risco de infecções36, especialmente do trato urinário56, nariz57, garganta16 e pulmão58. O tratamento com Stivarga® também pode aumentar o risco de infecções36 fúngicas37 da membrana mucosa59, da pele11 ou do corpo. Entre em contato imediatamente com seu médico se você notar:

  • febre15 alta;
  • tosse grave com ou sem aumento da produção de muco (escarro);
  • dor de garganta16 grave;
  • falta de ar;
  • queimação/dor ao urinar;
  • secreção ou irritação vaginal incomum;
  • vermelhidão, inchaço17 e/ou dor em qualquer parte do corpo. Estes podem ser sinais10 de infecção14.

Sangramento

Stivarga® pode causar sangramento grave no sistema digestivo18 como no estômago19, garganta16, reto20 ou intestino, ou nos pulmões21, rins22, boca23, vagina24 e/ou cérebro25. Entre imediatamente em contato com seu médico se você notar:

  • presença de sangue7 nas fezes ou presença de fezes escuras;
  • presença de sangue7 na urina13;
  • dor de estômago19;
  • tosse/vômito26 com sangue7;
  • sangramento menstrual mais intenso que o normal;
  • sangramento vaginal anormal;
  • sangramento nasal frequente.

Estes podem ser sinais10 de sangramento.

Perfuração gastrintestinal ou fístula60 (problemas graves de estômago19 ou intestino)

Entre em contato com seu médico imediatamente se você notar:

  • dores fortes no estômago19 (abdominal) ou dores de estômago19 que não passam;
  • vômito26 com sangue7;
  • fezes vermelhas ou escuras.

Estes podem ser sinais10 de perfuração gastrintestinal ou fístula60 (problemas graves de estômago19 ou intestino).

REAÇÕES ADVERSAS

As reações adversas mais frequentemente observadas em pacientes recebendo Stivarga® (pode afetar 3 ou mais em 10 pacientes) incluem:

  • dor;
  • reações de pele11 mão61-pé (vermelhidão, dor, bolhas e inchaço17 das palmas das mãos35 e solas dos pés, espessamento da camada exterior da pele11);
  • astenia62/fadiga63 (fraqueza, falta de força e energia, cansaço excessivo e sono incomum);
  • diarreia64 (movimento frequente do intestino ou intestino solto);
  • diminuição do apetite e da ingestão de alimentos;
  • hipertensão34 (pressão sanguínea elevada);
  • infecção14.

Estão listadas abaixo as reações adversas relatadas/experimentadas de acordo com sua frequência:

Reações adversas muito comuns (podem afetar mais de 1 em 10 pessoas):

  • infecção14;
  • trombocitopenia65 (redução do número de plaquetas66 no sangue7, caracterizado por equimoses67 (manchas vermelhas na pele11) fáceis ou sangramento);
  • anemia68 (baixo nível de glóbulos vermelhos no sangue7);
  • diminuição do apetite e da ingestão de alimentos;
  • sangramento;
  • hipertensão34 (pressão sanguínea elevada);
  • disfonia69 (mudanças na voz ou rouquidão);
  • diarreia64 (movimento frequente do intestino ou intestino solto);
  • estomatite70 e/ou inflamação71 de mucosa72 (boca23 dolorida ou seca, língua73 dolorida, feridas na boca23);
  • vômito26;
  • náusea55 (enjoo);
  • hiperbilirrubinemia (aumento da bilirrubina74 no sangue7, uma substância produzida pelo fígado3);
  • reações de pele11 mão61-pé (vermelhidão, dor, bolhas e inchaço17 nas palmas das mãos35 e solas dos pés, espessamento da camada exterior da pele11);
  • erupção75 cutânea76 (de pele11);
  • astenia62/fadiga63 (fraqueza, falta de força e energia, cansaço excessivo e sono incomum);
  • dor;
  • febre15;
  • perda de peso.


Reações adversas muito comuns que podem alterar seus exames de sangue7 ou urina13:

  • aumento das transaminases (alterações nas enzimas produzidas pelo fígado3, que pode indicar que algo está errado com o fígado3).


Reações adversas comuns (podem afetar até 1 em 10 pessoas):

  • dor de cabeça33*;
  • tremor (agitação);
  • distúrbios do paladar77;
  • boca23 seca;
  • refluxo gastroesofágico78 (azia79);
  • gastroenterite80 (infecção14 ou irritação do estômago19 ou do intestino);
  • alopecia81 (queda de cabelo82)*;
  • pele11 seca;
  • erupção75 cutânea76 esfoliativa (descamação83 da pele11);
  • espasmos84 musculares (uma contração involuntária85 súbita de um músculo).

*As reações adversas alopecia81 e dor de cabeça33 foram reportadas com a frequência muito comum, considerando a indicação de tumores estromais gastrintestinais (GIST), e com a frequência comum, considerando a indicação para carcinoma1 hepatocelular.


Reações adversas comuns que podem alterar seus exames de sangue7 ou urina13:

  • leucopenia86 (redução no número de leucócitos87 no sangue7);
  • hipotireoidismo88 (redução da atividade da glândula89 tireoide90);
  • hipocalemia91, hipofosfatemia, hipocalcemia92, hiponatremia93 e hipomagnesemia (baixos níveis de potássio, fosfato, cálcio, sódio ou magnésio no seu sangue7);
  • hiperuricemia (alto nível de ácido úrico no sangue7);
  • proteinúria94 (proteínas95 na urina13);
  • aumento da amilase e da lipase (níveis elevados de enzimas envolvidas na digestão96);
  • razão normalizada internacional (RNI) anormal (condições anormais de coagulação97 do sangue7).


Reações adversas incomuns (podem afetar até 1 em 100 pessoas):

  • reação de hipersensibilidade (reação alérgica98);
  • infarto do miocárdio99 e isquemia100 (ataque cardíaco, dor no peito27);
  • crise hipertensiva (aumento grave da pressão sanguínea causando dor de cabeça33, confusão, visão101 embaçada, náusea55, vômito26 e convulsões);
  • perfuração e fístula60 gastrintestinal (problemas graves de estômago19 caracterizados por movimento frequente do intestino ou intestino solto, desidratação102, dores fortes no estômago19, febre15, queimação, náusea55 e vômito26);
  • pancreatite103 (inflamação71 do pâncreas104 caracterizada por dor na região do estômago19, náuseas105, vômitos106 e febre15);
  • lesão54 grave do fígado3 (caracterizada pela coloração amarelada da pele11 e do branco dos olhos12, urina13 escura, cansaço excessivo e sono incomum, náusea55, vômito26 ou perda do apetite, confusão e/ou desorientação, machucar-se facilmente e/ou dor do lado direito do seu abdome107);
  • desordens de unha (alterações de unha como sulcos e rachaduras);
  • eritema multiforme108 (erupções múltiplas na pele11).


Reações adversas raras (podem afetar 1 em 1.000 pessoas):

  • ceratoacantoma/carcinoma1 de células6 escamosas da pele11 (certos cânceres de pele11);
  • síndrome9 de leucoencefalopatia posterior reversível/SLPR (caracterizada por dor de cabeça33 grave e persistente, distúrbios visuais, convulsões ou estado mental alterado (como confusão mental, perda de memória ou perda de orientação que são muitas vezes associados com pressão sanguínea elevada));
  • Síndrome de Stevens-Johnson109 e necrólise epidérmica tóxica110 (reação grave de pele11/ou membranas mucosas111 que pode incluir bolhas dolorosas e febre15, inclusive distanciamento extensivo da pele11).

Se você apresentar qualquer reação adversa ou se você notar reações adversas não listadas nesta bula, por favor, informe seu médico.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Informe imediatamente seu médico se tomar uma dosagem maior do que a prescrita para você. Você pode precisar de atenção médica e seu médico poderá interromper o tratamento com Stivarga®.

As reações adversas mais frequentemente observadas com uma sobredose foram:

  • reações de pele11 (erupção75 cutânea76, bolhas, vermelhidão, dor, inchaço17, coceira ou descamação83 da pele11);
  • disfonia69 (mudanças na voz ou rouquidão);
  • diarreia64 (movimento frequente do intestino ou intestino solto);
  • inflamação71 de mucosa72 (feridas na boca23);
  • boca23 seca;
  • diminuição do apetite;
  • hipertensão34 (pressão sanguínea elevada);
  • fadiga63 (cansaço excessivo).

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS-1.7056.0108
Farm. Resp.: Dra. Dirce Eiko Mimura CRF-SP nº 16532

Fabricado por:
Bayer AG
Leverkusen– Alemanha

Importado por:
Bayer S.A.
Rua Domingos Jorge, 1.100
04779-900 - Socorro - São Paulo – SP
C.N.P.J. nº 18.459.628/0001-15


SAC 0800 7021241

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
4 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
12 Olhos:
13 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
14 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
16 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
17 Inchaço: Inchação, edema.
18 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
19 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
20 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
21 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
22 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
23 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
24 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
25 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
26 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
27 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
28 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
29 Costas:
30 Pescoço:
31 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
32 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
33 Cabeça:
34 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
35 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
36 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
37 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
38 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
39 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
40 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
41 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
42 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
43 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
44 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
45 Fertilidade em Homens: Habilidade de engravidar uma mulher. Para isso, o sistema reprodutivo do homem precisa produzir, armazenar e transportar os espermatozóides para fora do corpo, de modo que eles possam entrar no trato reprodutivo da mulher.
46 Contracepção: Qualquer processo que evite a fertilização do óvulo ou a implantação do ovo. Os métodos de contracepção podem ser classificados de acordo com o seu objetivo em barreiras mecânicas ou químicas, impeditivas de nidação e contracepção hormonal.
47 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
48 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
49 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
50 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
51 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
52 Carboidrato: Um dos três tipos de nutrientes dos alimentos, é um macronutriente. Os alimentos que possuem carboidratos são: amido, açúcar, frutas, vegetais e derivados do leite.
53 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
54 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
55 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
56 Trato Urinário:
57 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
58 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
59 Membrana Mucosa: EPITÉLIO com células secretoras de MUCOS, como as CÉLULAS CALICIFORMES. Forma o revestimento de muitas cavidades do corpo, como TRATO GASTROINTESTINAL, TRATO RESPIRATÓRIO e trato reprodutivo. Mucosa, rica em sangue e em vasos linfáticos, compreende um epitélio interno, uma camada média (lâmina própria) do TECIDO CONJUNTIVO frouxo e uma camada externa (muscularis mucosae) de células musculares lisas que separam a mucosa da submucosa.
60 Fístula: Comunicação anormal entre dois órgãos ou duas seções de um mesmo órgão entre si ou com a superfície. Possui um conduto de paredes próprias.
61 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
62 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
63 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
64 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
65 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
66 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
67 Equimoses: Manchas escuras ou azuladas devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, as equimoses desaparecem passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
68 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
69 Disfonia: Alteração da produção normal de voz.
70 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
71 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
72 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
73 Língua:
74 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
75 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
76 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
77 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
78 Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).
79 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
80 Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. É produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.
81 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
82 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
83 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
84 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
85 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
86 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
87 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
88 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
89 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
90 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
91 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
92 Hipocalcemia: É a existência de uma fraca concentração de cálcio no sangue. A manifestação clínica característica da hipocalcemia aguda é a crise de tetania.
93 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
94 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
95 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
96 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
97 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
98 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
99 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
100 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
101 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
102 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
103 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
104 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
105 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
106 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
107 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
108 Eritema multiforme: Condição aguda, auto-limitada, caracterizada pelo início abrupto de pápulas vermelhas fixas simétricas, algumas evoluindo em lesões em forma de “alvo”. A lesão alvo são zonas concêntricas de alterações de coloração com a área central púrpura ou escura e a externa vermelha. Elas irão desenvolver vesícula ou crosta na zona central após vários dias. Vinte porcento de todos os casos ocorrem na infância.O eritema multiforme geralmente é precipitado pelo vírus do herpes simples, Mycoplasma pneumoniae ou histoplasmose.
109 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
110 Necrólise Epidérmica Tóxica: Sinônimo de Síndrome de Lyell. Caracterizada por necrólise da epiderme. Tem como características iniciais sintomas inespecíficos, influenza-símile, tais como febre, dor de garganta, tosse e queimação ocular, considerados manifestações prodrômicas que precedem o acometimento cutâneo-mucoso. Erupção eritematosa surge simetricamente na face e na parte superior do tronco, provocando sintomas de queimação ou dolorimento da pele. Progressivamente envolvem o tórax anterior e o dorso. O ápice do processo é constituído pela característica denudação da epiderme necrótica, a qual é destacada em verdadeiras lamelas ou retalhos, dentro das áreas acometidas pelo eritema de base. O paciente tem o aspecto de grande queimado, com a derme desnuda, sangrante, eritêmato-purpúrica e com contínua eliminação de serosidade, contribuindo para o desequilíbrio hidroeletrolítico e acentuada perda protéica. Graves seqüelas oculares e esofágicas têm sido relatadas.Constitui uma reação adversa a medicamentos rara. As drogas que mais comumente a causam são as sulfas, o fenobarbital, a carbamazepina, a dipirona, piroxicam, fenilbutazona, aminopenicilinas e o alopurinol.
111 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.

Tem alguma dúvida sobre Stivarga?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.