Preço de Imbruvica em Fairfield/SP: R$ 49321,70

Imbruvica

JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 26/02/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Imbruvica®
ibrutinibe

APRESENTAÇÃO

Cápsulas gelatinosas duras com 140 mg de ibrutinibe em frasco com 90 ou 120 cápsulas.

USO ORAL
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada cápsula gelatinosa dura contém 140 mg de ibrutinibe.
Excipientes: croscarmelose sódica, estearato de magnésio, celulose microcristalina, laurilsulfato de sódio, gelatina e dióxido de titânio.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Imbruvica® é um medicamento contra o câncer1 que contém a substância ativa ibrutinibe. Imbruvica® é usado para tratar os seguintes cânceres do sangue2 em adultos:

  • Linfoma3 de Célula4 do Manto (LCM), um tipo de câncer1 que afeta os linfonodos5, em pacientes que receberam no mínimo um tratamento anterior contendo rituximabe.
  • Leucemia6 linfocítica crônica (LLC), incluindo Linfoma3 linfocítico de pequenas células7 (LLPC): câncer1 causado por um tipo de célula4 branca chamada linfócito8, o qual se multiplica desordenadamente no sangue2 e/ou nos linfonodos5.
  • Macroglobulinemia9 de Waldenström, um tipo de câncer1 que afeta as células brancas do sangue10 chamadas linfócitos, em pacientes que receberam no mínimo um tratamento anterior. Em combinação com rituximabe, é indicado para o tratamento de pacientes com Macroglobulinemia9 de Waldenström que não foram tratados anteriormente ou que receberam no mínimo um tratamento.
  • Linfoma3 de Zona Marginal (LZM), um tipo de câncer1 que afeta as células brancas do sangue10, chamadas de linfócitos, em pacientes que receberam no mínimo um tratamento anterior contendo rituximabe.
  • Doença do enxerto11 contra hospedeiro crônica (DECHc), uma condição em que as células7 transplantadas de outra pessoa (o doador) atacam o corpo (o hospedeiro) causando danos aos órgãos.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Imbruvica® funciona bloqueando uma proteína no corpo que ajuda as células7 do câncer1 a viver e crescer. Esta proteína é chamada de tirosina12 quinase de Bruton (BKT). Através do bloqueio desta proteína, Imbruvica® pode ajudar a matar e reduzir o número de células7 cancerosas e pode também retardar a disseminação do câncer1.
O tempo mediano para a resposta inicial ao tratamento foi de 1,8 meses, variando de 1,4 meses a 12,2 meses em LLC/LLPC e de 1,9 meses, variando de 1,4 a 13,7 meses em LCM.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não tome Imbruvica® se você for alérgico (hipersensibilidade) ao ibrutinibe ou a quaisquer dos ingredientes de sua composição. Se você não tiver certeza disso, fale com seu médico antes de tomar Imbruvica®. Se você apresentar quaisquer sinais13 de reação alérgica14 (urticária15, dificuldade para respirar ou inchaço16 no seu rosto, sua língua17 ou garganta18), durante o tratamento com Imbruvica®, procure socorro médico imediatamente.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Advertências e Precauções
Antes de iniciar o tratamento com Imbruvica®, informe seu médico ou profissional de saúde19:

  • se você já teve equimose20 (manchas vermelho-arroxeadas na pele21), ou hemorragia22 (sangramento) incomum ou está utilizando algum medicamento ou suplemento que aumente o risco de sangramento;
  • se você já teve problemas de ritmo cardíaco ou insuficiência cardíaca23 grave, ou se você sentir algum dos seguintes sintomas24: o seu batimento cardíaco é rápido e irregular, vertigem25, tonturas26, falta de ar, desconforto no peito27 ou você desmaia;
  • se você tem problemas no fígado28 ou nos rins29;
  • se você fez recentemente alguma cirurgia, especialmente que possa afetar o modo de absorção de alimentos ou medicamentos no estômago30 ou intestino;
  • se você está planejando alguma cirurgia, seu médico pode solicitar que você interrompa o tratamento com Imbruvica® por um curto período de tempo;
  • se você tem aumento de glóbulos brancos no sangue2;
  • se você tem hipertensão31;
  • se você está com febre32 ou tem alguma infecção33;
  • se você tem contagem de células sanguíneas34 baixa;
  • se você tem ou já teve outros tipos de câncer1;
  • se você apresenta grandes tumores, pois nestas situações, ao iniciar o tratamento, há o risco da ocorrência da síndrome35 de lise36 tumoral. A síndrome35 da lise36 tumoral é causada pela destruição de um
  • grande número de células7 tumorais que consequentemente leva a um aumento de potássio, ácido úrico e fósforo e a uma diminuição do cálcio no sangue2. Essas alterações no sangue2 podem afetar a função dos rins29 e de outros órgãos;
  • se você apresenta Síndrome35 congênita37 do QT curto ou apresenta histórico familiar de tal síndrome35. Seu médico irá avaliar a prescrição de ibrutinibe para você.

Caso alguma das situações acima se aplicar a você ou você não tenha certeza, fale com seu médico ou profissional de saúde19 antes de tomar Imbruvica®.

Reativação viral
Casos de reativação da hepatite38 B foram relatados em pacientes que receberam Imbruvica®. Seu médico realizará pesquisa de hepatite38 B e recomendará quais ações você deve seguir.

Exames laboratoriais antes e durante o tratamento
Exames de laboratório podem demonstrar que sua contagem sanguínea possui mais células7 brancas (chamadas ‘linfócitos’) nas primeiras semanas de tratamento (linfocitose). Isto é esperado e pode permanecer por alguns meses. Isto não significa necessariamente que o seu câncer1 do sangue2 piorou. Seu médico verificará sua contagem sanguínea antes ou durante o tratamento e em casos raros pode ser necessário administrar outro medicamento. Fale com seu médico sobre o significado dos resultados dos seus exames.

Uso pediátrico e em adolescentes
Imbruvica® não deve ser usado em crianças e adolescentes abaixo de 18 anos de idade, pois não há estudos do medicamento nesta faixa etária.

Imbruvica® e outros medicamentos
Fale com seu médico ou profissional de saúde19 se você está tomando, tomou recentemente, ou possa vir a tomar algum outro medicamento. Isto inclui medicamentos isentos de prescrição médica, fitoterápicos e suplementos. Isto porque Imbruvica® pode afetar o funcionamento de outros medicamentos. Além disso, outros medicamentos podem afetar o funcionamento de Imbruvica®.

Imbruvica® pode aumentar o risco de sangramento
Fale com seu médico ou profissional de saúde19 se você toma outros medicamentos que aumentam os riscos de sangramento, incluindo:

  • ácido acetilsalicílico (AAS, Aspirina®) e anti-inflamatórios não-esteroidais, como ibuprofeno ou naproxeno;
  • anticoagulantes39 tais como varfarina, heparina ou outras medicações para prevenir ou tratar a formação de coágulos sanguíneos;
  • suplementos que podem aumentar o risco de sangramento tais como óleo de peixe e vitamina40 E.

Os efeitos de Imbruvica® ou outros medicamentos podem ser influenciados se você toma Imbruvica® em conjunto com qualquer um dos medicamentos a seguir. Informe seu médico se você toma:

  • antibióticos para tratar infecções41 bacterianas, como claritromicina, telitromicina, ciprofloxacino, eritromicina ou rifampicina;
  • medicamentos para tratar infecções41 fúngicas42, como cetoconazol, itraconazol, fluconazol, voriconazol ou posaconazol;
  • medicamentos para tratar infecção33 por HIV43, como ritonavir, cobicistate, indinavir, nelfinavir, saquinavir, amprenavir, atazanavir ou fosamprenavir;
  • medicamentos para prevenir náusea44 e vômitos45 associados com quimioterapia46, como aprepitanto;
  • medicamentos para tratar depressão, como nefazodona;
  • medicamentos chamados inibidores de quinase para tratamento de outros cânceres, como crizotinibe e imatinibe;
  • medicamentos chamados de bloqueadores de canal de cálcio para hipertensão31 (pressão alta) ou dor no peito27, como diltiazem, verapamil;
  • medicamentos chamados estatinas para tratar colesterol47 alto como rosuvastatina;
  • medicamentos para o coração48/antiarrítmicos como amiodarona, dronedarona;
  • medicamentos para prevenir convulsões ou tratar epilepsia49 ou medicamentos para tratar condições dolorosas na face50 chamadas de nevralgia trigeminal, como carbamazepina e fenitoína;
  • um fitoterápico usado, por exemplo, para depressão, como erva de São João.

Se você está tomando digoxina, um medicamento para problemas do coração48, ou metotrexato, um medicamento usado para tratar outros cânceres e para reduzir a atividade do sistema imunológico51 (por exemplo, para artrite reumatoide52 ou psoríase53), eles devem ser tomados pelo menos 6 horas antes ou depois de Imbruvica®.
Contate seu médico se tiver alguma dúvida se seu medicamento está listado acima. Conheça os medicamentos que você toma. Tenha uma lista para mostrar ao seu médico ou profissional de saúde19 quando você receber um novo medicamento.

Imbruvica® com alimento
Não tome Imbruvica® com toranja (‘grapefruit’) ou Laranjas de Sevilha. Isto inclui comê-la, tomar o suco ou suplementos que possam contê-la, pois ela pode aumentar a quantidade de Imbruvica® em seu sangue2.

Efeito sobre a capacidade de dirigir ou operar máquinas
Você pode sentir fadiga54 (cansaço) ou tontura55 e astenia56 (ausência ou diminuição da força física) tomando Imbruvica® e isso pode afetar sua capacidade para dirigir, usar qualquer ferramenta e operar máquinas.

Gravidez57, amamentação58 e fertilidade
Você não deve engravidar enquanto estiver tomando Imbruvica®.
Se você está grávida, acha que está grávida ou planeja ter um bebê, converse com seu médico ou profissional de saúde19 para devida orientação antes de tomar Imbruvica®.
Imbruvica® não deverá ser utilizado durante a gestação. Não há informação sobre a segurança de Imbruvica® em mulheres grávidas.
Mulheres em idade fértil devem usar métodos contraceptivos eficazes para evitar gravidez57 enquanto estiver tomando Imbruvica® e por pelo menos um mês após o tratamento com Imbruvica®. Se você estiver utilizando métodos hormonais, como por exemplo, pílula anticoncepcional ou dispositivos para evitar a gravidez57, você deve adicionar um método de barreira (por exemplo, preservativo). Não se sabe quanto tempo após o tratamento com Imbruvica® é seguro engravidar.

Informe seu médico imediatamente se você ficar grávida.
Não amamente enquanto estiver tomando Imbruvica®.

Os homens não devem conceber um filho ou doar esperma59 enquanto estiverem tomando Imbruvica® e por 3 meses após a conclusão do tratamento. Use preservativos e não doe esperma59 durante e por 3 meses após a conclusão do tratamento. Se você planeja ser pai, fale com seu médico ou profissional de saúde19 antes de tomar Imbruvica®.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez57.
Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde19.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Conservar em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30ºC).
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Após aberto, válido por 45 dias.

Aspecto físico
Cápsula de gelatina dura, branca e opaca, com “ibr 140mg” gravado em preto, contendo pó branco a quase branco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Tome Imbruvica® exatamente conforme foi prescrito por seu médico ou profissional de saúde19. Não altere sua dose ou pare de tomar Imbruvica® até que seu médico o oriente a fazê-lo.
As cápsulas de Imbruvica® devem ser engolidas inteiras com um copo de água. Não quebre, mastigue ou abra as cápsulas.

Tome as cápsulas de Imbruvica® no mesmo horário do dia.
Imbruvica® pode ser tomado antes ou após uma refeição.

Nunca dê Imbruvica® a outra pessoa, mesmo que esta pessoa tenha o mesmo problema que você está sendo tratado.

Linfoma3 de célula4 do manto (LCM) ou Linfoma3 de Zona Marginal (LZM)
A dose recomendada de Imbruvica® é de quatro cápsulas (560 mg) via oral uma vez ao dia.

Leucemia6 linfocítica crônica/Linfoma3 linfocítico de pequenas células7 ou Doença do enxerto11 contra hospedeiro crônica (DECHc)
A dose recomendada de Imbruvica® é de três cápsulas (420 mg) via oral uma vez ao dia.

Macroglobulinemia9 de Waldenström (MW)
Monoterapia

A dose recomendada de Imbruvica® para MW é de 420 mg (três cápsulas de 140 mg) uma vez ao dia, até a progressão da doença ou até não mais tolerado pelo paciente.

Combinação
Em combinação, a dose recomendada de Imbruvica® para MW é de 420 mg (três cápsulas de 140 mg) uma vez ao dia, até a progressão da doença ou até não mais tolerado pelo paciente. O rituximabe é uma droga intravenosa, e, nessa combinação, deve ser usada na dose de 375 mg/m2 de superfície corpórea, semanalmente por 4 semanas consecutivas (semanas 1-4); após um intervalo de 3 meses, novo ciclo de rituximabe deve ser feito, semanalmente por mais 4 semanas consecutivas (semanas 17-20). Para mais informações referentes ao rituximabe, veja a bula deste produto.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você esquecer de tomar uma dose, esta dose pode ser tomada assim que possível no mesmo dia, com o retorno ao esquema normal no dia seguinte. Não tome doses extras para compensar a dose esquecida. Contate seu médico se você estiver com dúvidas sobre o que fazer.
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, Imbruvica® pode causar efeitos adversos. Os seguintes efeitos adversos podem acontecer tomando este medicamento:

Hemorragia22 (sangramento):
Você pode apresentar equimose20 (manchas vermelho-arroxeadas na pele21) ou sangramentos nasais durante o tratamento com Imbruvica®. Raramente, podem ocorrer sangramentos internos graves, como sangramento no estômago30, intestino ou cérebro60, algumas vezes ocasionando a morte. Se você toma outros medicamentos ou suplementos que aumentem seu risco de sangramento, consulte o item “O que devo saber antes de usar este medicamento?”. Fale com seu médico ou profissional de saúde19 se você apresentar sinais13 ou sintomas24 de sangramento grave, como sangue2 nas fezes ou urina61 e sangramento que dure mais tempo ou que você não pode controlar.

Leucostase (dificuldade na circulação62 do sangue2 devido ao aumento do número de células7 brancas no sangue2):
Você pode apresentar um aumento no número de células7 brancas no sangue2, especialmente linfócitos. Em casos raros este aumento pode ser severo, causando agregação das células7, dificultando o fluxo do sangue2 pelos vasos sanguíneos63. Seu médico irá monitorar sua contagem sanguínea.

Infecções41:
Você pode apresentar infecções41 virais, bacterianas ou fúngicas42 durante o tratamento com Imbruvica®. Fale com seu médico se você tiver febre32, calafrios64, fraqueza, confusão, dores no corpo, frio ou sintomas24 de resfriado, sentir-se cansado ou sentir falta de ar. Estes podem ser sinais13 de infecção33.

Redução na contagem de células7 do sangue2:
O uso de Imbruvica® pode levar a um número baixo de células7 vermelhas do sangue2 (anemia65), número baixo de um tipo de célula4 branca do sangue2 (neutrófilo) ou plaquetas66 (células7 que ajudam o sangue2 a coagular67). Seu médico ou profissional de saúde19 deve verificar sua contagem de células7 regularmente.

Doença Pulmonar Intersticial68 (DPI):
Inflamação69 dentro dos pulmões70 que pode levar a dano permanente aconteceu com o tratamento com Imbruvica®. Fale com seu médico se você tiver dificuldade para respirar ou tiver tosse persistente.

Problemas no ritmo cardíaco:
Problemas no ritmo cardíaco podem acontecer durante o tratamento com Imbruvica®. Informe seu médico ou profissional de saúde19 se você tem qualquer sintoma71 de problemas no ritmo cardíaco como sentir-se como se o seu batimento cardíaco está rápido e irregular, vertigem25, tonturas26, falta de ar, desconforto no peito27 ou você desfalecer.

Síndrome35 de lise36 tumoral:
Níveis não usuais de substâncias químicas no sangue2 causadas pela rápida morte de células7 cancerosas aconteceram durante o tratamento de câncer1 e às vezes mesmo sem tratamento. Isto pode levar a alterações na função dos rins29, batimentos cardíacos anormais ou convulsões. Seu médico ou outro profissional de saúde19 pode realizar testes de sangue2 para checar a síndrome35 de lise36 tumoral.

Cânceres de pele21 não melanoma72:
Tipos de cânceres de pele21 que não são melanoma72, mais frequentemente cânceres de células7 escamosas ou de célula4 basal, aconteceram com pessoas em tratamento com Imbruvica®.

Reações alérgicas:
Interrompa o uso de Imbruvica® e procure atendimento médico se você tiver qualquer um desses sinais13 de reação alérgica14: rosto, lábios, boca73, língua17 ou garganta18 inchados, dificuldade de engolir ou respirar, erupções cutâneas74 com coceira (urticária15), vermelhidão na pele21.
As reações adversas mais comumente apresentadas (≥ 20%) foram: diarreia75, neutropenia76, hemorragia22 (ex.: hematoma77), dor musculoesquelética, náusea44, erupção78 cutânea79 e febre32. As reações adversas de graus 3 e 4 mais comuns apresentadas (≥ 5%) foram: neutropenia76, pneumonia80, trombocitopenia81 e neutropenia76 febril. Cansaço (fadiga54) e dor abdominal também foram reportadas durante os estudos clínicos.

Reações adversas apresentadas em estudos clínicos ou durante o período de pós comercialização

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Pneumonia80; infecção33 do trato respiratório superior; sinusite82 (infecção33 dos seios83 da face50); infecção33 de pele21; neutropenia76 (diminuição de neutrófilos84, um tipo de células brancas do sangue10); trombocitopenia81 (diminuição do número de plaquetas66 no sangue2, células7 que ajudam o sangue2 a coagular67); cefaleia85 (dor de cabeça86); hemorragia22; hematoma77; diarreia75; vômito87; estomatite88 (aftas na boca73 e/ou garganta18); náusea44; constipação89 (prisão de ventre); erupção78 cutânea79; artralgia90 (dor articular); espasmos91 musculares (contração involuntária92 dos músculos93); dor musculoesquelética; febre32; edema94 periférico (mãos95, tornozelos e pés inchados).

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Sepses (infecção33 generalizada); infecção33 do trato urinário96; câncer1 de pele21 não melanoma72; carcinoma97 de células7 basais; carcinoma97 de células7 escamosas; neutropenia76 febril (diminuição de neutrófilos84 no sangue2 com febre32); leucocitose98 (aumento no número de células brancas do sangue10); linfocitose (aumento no número de um tipo de células brancas do sangue10, os linfócitos); doença pulmonar intersticial68 (distúrbio respiratório crônico99); síndrome35 de lise36 tumoral (distúrbio metabólico que ocorre em consequência da destruição de células7 neoplásicas100); hiperuricemia (níveis de ácido úrico elevada no sangue2); tontura55; visão101 turva; fibrilação atrial (batimentos cardíacos irregulares); taquiarritmia102 ventricular (alteração do ritmo cardíaco); hematoma77 subdural (acúmulo de sangue2 entre o cérebro60 e o crânio103); sangramento nasal; petéquia104; hipertensão31 (pressão alta); urticária15 (irritação cutânea79); eritema105 (vermelhidão na pele21); onicólise106 (descolamento das unhas107);

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Reativação de Hepatite38 B, síndrome35 leucostase (acúmulo anormal das células brancas do sangue10 nos vasos sanguíneos63), angiodema (inchaço16 da pele21), paniculite (inflamação69 do tecido adiposo108 embaixo da pele21).

As reações adversas com ocorrência mais comum no estudo de Linfoma3 de Zona Marginal (LZM) (≥ 20%) foram fadiga54 (cansaço), diarreia75, equimose20 (manchas vermelho-arroxeadas na pele21), dor musculoesquelética, anemia65 (diminuição de hemácias109, as células7 vermelhas do sangue2), hemorragia22 (sangramento), erupção78 cutânea79, náusea44, trombocitopenia81 (diminuição do número de plaquetas66 no sangue2, células7 que ajudam o sangue2 a coagular67), artralgia90 (dor articular), edema94 periférico (mãos95, tornozelos ou pés inchados), tosse, dispneia110 (dificuldade de respirar ou respiração curta) e infecção33 do trato respiratório superior (infecção33 de nariz111, seios83 da face50 ou garganta18).

As reações adversas descritas a seguir foram coletadas em estudos clínicos com Imbruvica®, para o tratamento de Linfoma3 de Zona Marginal (LZM).

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • infecção33 do trato respiratório superior (infecção33 de nariz111, seios83 da face50 ou garganta18);
  • sinusite82 (infecção33 dos seios83 da face50);
  • bronquite;
  • pneumonia80;
  • anemia65 (diminuição de hemácias109, as células7 vermelhas do sangue2);
  • trombocitopenia81 (diminuição do número de plaquetas66 no sangue2, células7 que ajudam o sangue2 a coagular67);
  • diminuição do apetite;
  • hiperuricemia (níveis de ácido úrico elevada no sangue2);
  • hipoalbunemia (níveis de albumina112 baixos no sangue2);
  • hipocalemia113 (níveis de potássio baixos no sangue2);
  • ansiedade;
  • tontura55;
  • cefaleia85 (dor de cabeça86);
  • hemorragia22 (sangramento);
  • hipertensão31 (pressão alta);
  • tosse;
  • dispneia110 (dificuldade de respirar ou respiração curta);
  • diarreia75;
  • náusea44;
  • dispepsia114 (indigestão);
  • estomatite88 (aftas na boca73 e/ou garganta18);
  • dor abdominal;
  • constipação89 (prisão de ventre);
  • dor abdominal superior;
  • vômito87;
  • equimose20 (hematoma77);
  • erupção78 cutânea79;
  • prurido115 (coceira);
  • dor musculoesquelética;
  • artralgia90 (dor articular);
  • espasmo116 muscular (contração involuntária92 dos músculos93);
  • fadiga54 (cansaço);
  • edema94 periférico (mãos95, tornozelos ou pés inchados);
  • pirexia117 (febre32).

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • neutropenia76 (diminuição de neutrófilos84, um tipo de células brancas do sangue10);
  • trombocitopenia81 (diminuição do número de plaquetas66 no sangue2, células7 que ajudam o sangue2 a coagular67);
  • diminuição do apetite;
  • ansiedade;
  • hipertensão31;
  • tosse;
  • dispneia110 (dificuldade de respirar ou respiração curta);
  • diarreia75;
  • estomatite88 (aftas na boca73 e/ou garganta18);
  • dor abdominal;
  • vômito87;
  • erupção78 cutânea79;
  • dor musculoesquelética;
  • artralgia90 (dor articular);
  • espasmo116 muscular;
  • fadiga54 (cansaço);
  • edema94 periférico (mãos95, tornozelos ou pés inchados);
  • pirexia117 (febre32).

As reações adversas descritas a seguir foram coletadas em estudos clínicos com Imbruvica®, para o tratamento de Doença do enxerto11 contra hospedeiro crônica:

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • pneumonia80;
  • infecção33 do trato respiratório superior;
  • sepse118;
  • hipocalemia113;
  • cefaleia85;
  • hemorragia22;
  • tosse;
  • dispneia110 (dificuldade de respirar ou respiração curta);
  • diarreia75;
  • estomatite88 (aftas na boca73 e/ou garganta18);
  • náusea44;
  • constipação89 (prisão de ventre);
  • contusões (hematoma77);
  • erupção78 cutânea79;
  • espasmos91 musculares (contração involuntária92 dos músculos93);
  • dor musculoesquelética;
  • fadiga54 (cansaço);
  • pirexia117 (febre32);
  • edema94 periférico (mãos95, tornozelos ou pés inchados);
  • queda.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • hipocalemia113;
  • cefaleia85;
  • dispneia110 (dificuldade de respirar ou respiração curta);
  • estomatite88 (aftas na boca73 e/ou garganta18);
  • espasmos91 musculares (contração involuntária92 dos músculos93);
  • dor musculoesquelética;
  • pirexia117 (febre32).

Entretanto deve-se enfatizar que muitas pessoas não terão nenhum desses problemas. Não hesite em relatar qualquer efeito indesejável ao seu médico ou farmacêutico. Além disso, informe seu médico ou farmacêutico se você notar qualquer efeito adverso não mencionado nesta bula.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Atenção: este produto é este produto é um medicamento que possui nova indicação terapêutica119 no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você tomar mais cápsulas de Imbruvica® do que deveria, contate seu médico ou vá ao hospital imediatamente.
Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS

 

Venda sob Prescrição Médica

 

MS - 1.1236.3412
Farm. Resp.: Marcos R. Pereira - CRF/SP n° 12.304

Registrado por:
JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA.
Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041, São Paulo – SP CNPJ 51.780.468/0001-87

Fabricado por:
Catalent Clinical Trials Supplies LLC Kansas City - EUA

Embalado por:
AndersonBrecon, Inc. Rockford - EUA

Importado por:
Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Rodovia Presidente Dutra, km 154 São José dos Campos -SP
CNPJ 51.780.468/0002-68
OU
Fabricado por:
Catalent Clinical Trials Supplies LLC Kansas City - EUA

Embalado (emb. primária) por:
AndersonBrecon, Inc. Rockford - EUA

Importado e Embalado (emb. secundária) por:
Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Rodovia Presidente Dutra, km 154 São José dos Campos – SP
CNPJ 51.780.468/0002-68
Indústria Brasileira

 

SAC 0800 701 1851


 

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
4 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
5 Linfonodos: Gânglios ou nodos linfáticos.
6 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Linfócito: Tipo de glóbulo branco relacionado ao sistema imunológico. Existem dois tipos de linfócitos. Um está relacionado à produção de anticorpos (linfócito B) e o outro age na imunidade mediada por células (linfócito T).
9 Macroglobulinemia: Patologia na qual as células plasmáticas produzem uma quantidade excessiva de macroglobulinas (anticorpos grandes) que se acumulam no sangue.
10 Células Brancas do Sangue: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS).
11 Enxerto: 1. Na agricultura, é uma operação que se caracteriza pela inserção de uma gema, broto ou ramo de um vegetal em outro vegetal, para que se desenvolva como na planta que o originou. Também é uma técnica agrícola de multiplicação assexuada de plantas florais e frutíferas, que permite associar duas plantas diferentes, mas gerações próximas, muito usada na produção de híbridos, na qual uma das plantas assegura a nutrição necessária à gema, ao broto ou ao ramo da outra, cujas características procura-se desenvolver; enxertia. 2. Na medicina, é a transferência especialmente de células ou de tecido (por exemplo, da pele) de um local para outro do corpo de um mesmo indivíduo ou de um indivíduo para outro.
12 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
15 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
16 Inchaço: Inchação, edema.
17 Língua:
18 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Equimose: Mancha escura ou azulada devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, a equimose desaparece passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
21 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
22 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
23 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
24 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
25 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
26 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
27 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
28 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
29 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
30 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
31 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
32 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
33 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
34 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
35 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
36 Lise: 1. Em medicina, é o declínio gradual dos sintomas de uma moléstia, especialmente de doenças agudas. Por exemplo, queda gradual de febre. 2. Afrouxamento, deslocamento, destruição de aderências de um órgão. 3. Em biologia, desintegração ou dissolução de elementos orgânicos (tecidos, células, bactérias, microrganismos) por agentes físicos, químicos ou enzimáticos.
37 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
38 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
39 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
40 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
41 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
42 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
43 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
44 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
45 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
46 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
47 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
48 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
49 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
50 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
51 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
52 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
53 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
54 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
55 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
56 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
57 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
58 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
59 Esperma: Esperma ou sêmen. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O esperma é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
60 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
61 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
62 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
63 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
64 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
65 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
66 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
67 Coagular: Promover a coagulação ou solidificação; perder a fluidez, transformar-se em massa ou sólido.
68 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
69 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
70 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
71 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
72 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
73 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
74 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
75 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
76 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
77 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
78 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
79 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
80 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
81 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
82 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
83 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
84 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
85 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
86 Cabeça:
87 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
88 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
89 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
90 Artralgia: Dor em uma articulação.
91 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
92 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
93 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
94 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
95 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
96 Trato Urinário:
97 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
98 Leucocitose: É o aumento no número de glóbulos brancos (leucócitos) no sangue, geralmente maior que 8.000 por mm³. Ocorre em diferentes patologias como em resposta a infecções ou processos inflamatórios. Entretanto, também pode ser o resultado de uma reação normal em certas condições como a gravidez, a menstruação e o exercício muscular.
99 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
100 Neoplásicas: Que apresentam neoplasias, ou seja, que apresentam processo patológico que resulta no desenvolvimento de neoplasma ou tumor. Um neoplasma é uma neoformação de crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido, mediante proliferação celular.
101 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
102 Taquiarritmia: Cadência rápida do ritmo do coração, arritmia rápida.
103 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
104 Petéquia: Pequena lesão da pele ou das mucosas, de cor vermelha ou azulada, característica da púrpura. É uma lesão hemorrágica, que não desaparece à pressão, cujo tamanho não ultrapassa alguns milímetros.
105 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
106 Onicólise: Destruição da unha devido a infecções micóticas, bacterianas ou por processos tóxicos.
107 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
108 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
109 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
110 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
111 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
112 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
113 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
114 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
115 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
116 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
117 Pirexia: Sinônimo de febre. É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
118 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
119 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.

Tem alguma dúvida sobre Imbruvica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.