Preço de Mesilato de Desferroxamina (Injetável 500 mg) em Cambridge/SP: R$ 207,26

Mesilato de Desferroxamina (Injetável 500 mg)

CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA.

Atualizado em 20/07/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

mesilato de desferroxamina
Injetável 500 mg
Medicamento genérico Lei n° 9.787, de 1999.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Pó liófilo para solução injetável 
Embalagem com 5 frascos-ampola + 5 ampolas de diluente de 5 mL

VIA INTRAVENOSA / INTRAMUSCULAR / SUBCUTÂNEA1
USO ADULTO e PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÃO:

Cada frasco-ampola contém:

mesilato de desferroxamina 500 mg
excipiente q.s.p. 1 frasco-ampola

Excipiente: ácido clorídrico2, hidróxido de sódio, água para injeção3.

Cada ampola de diluente contém:

água para injeção3 q.s.p. 5 mL

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Mesilato de desferroxamina pode ser usado para tratar as seguintes condições:

  • acúmulo crônico4 de ferro, por exemplo devido a transfusões de sangue5 frequentes em talassemia6 maior;
  • intoxicação aguda por ferro;
  • acúmulo crônico4 de alumínio em pacientes com doença grave nos rins7 que necessitam de diálise8 regularmente. Sob certas circunstâncias, a diálise8 pode levar a um acúmulo de alumínio em excesso.

Mesilato de desferroxamina pode ser usado para testar o acúmulo de ferro ou alumínio.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Mesilato de desferroxamina contém a substância ativa desferroxamina, que é denominada como “quelante”. Ela é usada para remover o excesso de ferro ou alumínio do organismo.

Mesilato de desferroxamina prende e remove o excesso de ferro ou alumínio, os quais são então excretados através da urina9 e fezes.

Transfusões de sangue5 repetidas podem ser necessárias em pacientes portadores de certos tipos de anemia10 tais como a talassemia6. Contudo, as transfusões de sangue5 repetidas podem causar o acúmulo de ferro em excesso. Isto porque o sangue5 contém ferro e o organismo não possui uma via natural para remover o excesso de ferro que acumula com as transfusões de sangue5. Com o tempo, o excesso de ferro pode causar dano a órgãos importantes tais como o fígado11 e o coração12. Mesilato de desferroxamina remove o excesso de ferro e pode, portanto, ser usado para tratar o acúmulo crônico4 de ferro. Mesilato de desferroxamina pode ser usado para tratar adultos, adolescentes e crianças.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não use Mesilato de desferroxamina se:

  • Você é alérgico (hipersensível) ao Mesilato de desferroxamina ou a qualquer outro componente de Mesilato de desferroxamina mencionado no início desta bula (exceto onde a dessensibilização13 bem-sucedida torna o tratamento com Mesilato de desferroxamina possível).

Se isto se aplica a você, fale com seu médico e não use Mesilato de desferroxamina.

Se você acha que pode ser alérgico ao Mesilato de desferroxamina, converse com seu médico para que ele o oriente.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga todas as instruções de seu médico cuidadosamente. Elas podem diferir das informações gerais contidas nesta bula.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÕES

Se isso se aplicar a você, informe seu médico antes de usar Mesilato de Desferroxamia

  • Se você tem qualquer distúrbio nos rins7.

Comunique ao seu médico imediatamente, se você apresentar quaisquer dos seguintes sintomas14 durante o tratamento com Mesilato de desferroxamina:

  • Se você apresentar febre15 alta, dor de garganta16, falta de ar, dor abdominal, diarreia17 aguda ou desconforto geral (sinais18 de infecções19 por fungos ou bactérias);
  • Se você apresentar diminuição importante na eliminação de urina9 (sinal20 de distúrbio nos rins7);
  • Se você apresentar distúrbios visuais e auditivos;
  • Se você apresentar tonturas21, vertigens22 (sinais18 de pressão arterial23 baixa), falta de ar que podem ocorrer se o medicamento for administrado muito rapidamente quando Mesilato de desferroxamina é administrado por infusão em uma veia (vide “9. O que fazer se alguém usar uma quantidade maior que a indicada deste medicamento?”);
  • Se você sentir fadiga24, palpitações25, falta de ar ou inchaço26 (edema27) nas pernas, tornozelos e pés (sintomas14 de doenças do coração12), que podem ocorrer em pacientes que usam Mesilato de desferroxamina e também usam altas doses de vitamina28 C. Se o seu médico receitar suplementos de vitamina28 C, certifique-se que você está utilizando Mesilato de desferroxamina® regularmente por pelo menos 1 mês antes de começar a tomar vitamina28 C. Além disso, tome vitamina28 C somente nas doses recomendadas pelo seu médico. Não exceda a dose diária de 200 mg

Fale com seu médico se você notar que:

  • A criança tratada com Mesilato de desferroxamina apresenta crescimento menor que o normal.

Observe que sua urina9 pode ficar marrom-avermelhada durante o tratamento com Mesilato de desferroxamina. Isto porque há mais ferro em sua urina9. Isso geralmente não é motivo para se preocupar, mas se você estiver preocupado, fale com o seu médico ou enfermeiro.

Monitoramento durante o tratamento com Mesilato de desferroxamina

Você pode ter que fazer certos exames de sangue5 e urina9 antes e durante o tratamento.

Para os pacientes com sobrecarga de ferro, os níveis de ferro (ferritina) em seu corpo serão monitorados para ver o quão bem Mesilato de desferroxamina está funcionando. Sua visão29 e audição também terão que ser avaliadas. Nas crianças, o crescimento e o peso corporal serão avaliados em intervalos regulares. O seu médico irá considerar estes testes para decidir a dose de Mesilato de desferroxamina mais adequada para você.

Seu médico também irá avaliar a sua função cardíaca se você tomar vitamina28 C, enquanto estiver usando Mesilato de desferroxamina.

Se você tem alguma dúvida sobre como Mesilato de desferroxamina funciona ou porque este medicamento foi prescrito para você, pergunte ao seu médico.

Idosos (65 anos ou acima)

Mesilato de desferroxamina pode ser usado por pacientes idosos nas mesmas doses que de outros adultos.

Crianças e adolescentes

Mesilato de desferroxamina pode ser usado em crianças e adolescentes.

Gravidez30 e Lactação31

Você deve informar ao seu médico se estiver grávida, planeja engravidar ou se está amamentando. Em geral, você não deve usar Mesilato de desferroxamina durante a gravidez30 e amamentação32, a menos que seu médico a oriente a usar. O seu médico irá discutir com você o risco potencial do uso de Mesilato de desferroxamina durante a gravidez30.

A amamentação32 não é recomendada durante o tratamento com Mesilato de desferroxamina. Informe ao seu médico se estiver amamentando.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Mesilato de desferroxamina pode afetar a sua visão29 ou audição, fazer você se sentir tonto, ou causar outros distúrbios da função nervosa. Se você apresentar estes efeitos, não dirija nem utilize quaisquer ferramentas ou máquinas até se sentir bem novamente.

Usando outros medicamentos

Informe ao seu médico ou farmacêutico se estiver usando ou usou recentemente outros medicamentos além de Mesilato de desferroxamina, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Isto inclui, em particular:

  • medicamentos contendo proclorperazina, um medicamento neuroléptico33 usado para tratar distúrbios neurológicos;
  • vitamina28 C (doses superiores a 200 mg por dia durante o tratamento com Mesilato de desferroxamina). Não tome mais do que 200 mg de vitamina28 C por dia (vide “Advertências e Precauções”);
  • gálio-67, um medicamento administrado antes do exame de imagem (scanning), que é utilizado no diagnóstico34 de certas doenças.

Pode ser necessário alterar a dosagem do outro medicamento, ou parar de tomá-lo por completo.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde35.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

O produto deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Após preparo, manter em temperatura ambiente por no máximo 24 horas. Um frasco-ampola para uso único. O produto deve ser usado imediatamente depois da solução ter sido preparada (reconstituída) o começo do tratamento deve ser em 3 horas. Quando a solução é preparada sob condições reconhecidas como estéreis, o produto pode ser armazenado por um período máximo de 24 horas em temperatura ambiente, antes da administração. Soluções opacas ou turvas devem ser descartadas.

Prazo de validade: o prazo de validade do produto é de 24 meses a partir da data de fabricação impressa na embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

Características físicas e organolépticas do produto

Pó compacto branco, que pode estar intacto ou fragmentado.

Aspecto da solução reconstituída: A amostra se reconstitui em até 2 minutos. A solução é límpida e praticamente isenta de partículas.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga as instruções do seu médico cuidadosamente. Não exceder a dose recomendada.

Tratamento para acúmulo crônico4 de ferro

O seu médico irá ajustar a dose para sua condição particular. Na maioria dos pacientes as doses diárias são de 20 a 60 mg por quilo de peso corpóreo.

Mesilato de desferroxamina pode ser administrado por infusão lenta sob a pele36 (injeção subcutânea37 utilizando uma bomba de infusão), por infusão em uma veia, ou por injeção3 em um músculo.

Para tratamento a longo prazo dos pacientes com acúmulo de ferro é particularmente conveniente administrar Mesilato de desferroxamina lentamente sob a pele36 utilizando uma bomba de infusão portátil bem leve durante 8 a 12 horas (por exemplo, durante a noite). A bomba de infusão deve ser cuidadosamente preparada em condições muito limpas.

Siga as instruções abaixo para preparar a solução e infundi-la sob a pele36:

  1. Aspirar a água para injetáveis utilizando-se uma seringa38.
  2. Após limpar com álcool a rolha de borracha do frasco-ampola de Mesilato de desferroxamina, injetar o conteúdo da seringa38 no frasco-ampola.
  3. Agitar bem o frasco para dissolver o produto completamente.
  4. Aspirar a solução obtida para a seringa38.
  5. Fixar o tubo de extensão à seringa38, conectar o tubo de extensão à agulha tipo butterfly (borboleta), e então completar o espaço vazio do tubo com solução da seringa38.
  6. Colocar a seringa38 na bomba de infusão.
  7. Para infusão, você pode inserir a agulha tipo butterfly sob a pele36 do abdômen, do braço ou da coxa39. É importante primeiro limpar a pele36 cuidadosamente com álcool. Em seguida inserir a agulha com firmeza até as abas, sob uma dobra, beliscando-a com a outra mão40. A ponta da agulha deve mover-se livremente, quando a agulha for balançada. Se isso não ocorrer, é sinal20 de que a ponta da agulha deve estar muito próxima à pele36. Repetir a inserção da agulha em outro local, após limpá-la com álcool.
  8. Fixar então a agulha na posição, com auxílio de uma fita.
  9. Os pacientes normalmente adaptam a bomba de infusão ao corpo com uma cinta ou com alça a tiracolo. Muitos pacientes referem-se ao uso durante a noite como o mais conveniente.

Uso concomitante da vitamina28 C

Depois de pelo menos um mês de tratamento regular com Mesilato de desferroxamina, seu médico pode decidir se você deve também tomar vitamina28 C. A dose máxima diária de vitamina28 C para adultos é de 200 mg, a qual é fracionada em doses menores que são tomadas ao longo do dia.

Para as crianças menores de 10 anos de idade, 50 mg de vitamina28 C por dia é geralmente suficiente e, para crianças maiores de 10 anos, 100 mg.

Por quanto tempo usar Mesilato de desferroxamina

Certifique-se de usar este medicamento regularmente e exatamente como o seu médico lhe orientou. Isso irá ajudá-lo a obter os melhores resultados e reduzir o risco de reações adversas. Se você estiver em dúvida sobre o seu tratamento, pergunte ao seu médico.

Se você tiver dúvidas sobre quanto tempo deve tomar Mesilato de desferroxamina, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Se você parar de usar Mesilato de desferroxamina

Não pare de usar Mesilato de desferroxamina a menos que seu médico lhe oriente. Se você parar de usar, o excesso de ferro deixará de ser removido do seu corpo (vide "Por quanto tempo usar Mesilato de desferroxamina").

Outros usos de Mesilato de desferroxamina

Tratamento para intoxicação aguda de ferro

  • Mesilato de desferroxamina é usado em casos de intoxicação com preparações de ferro. Este tratamento é realizado em hospital.

Tratamento para acúmulo crônico4 de alumínio

  • Mesilato de desferroxamina é geralmente administrado uma vez por semana por infusão lenta na veia durante os últimos 60 minutos de uma sessão de diálise8, ou 5 horas antes de uma sessão de diálise8, dependendo da concentração de alumínio no seu sangue5;
  • Se você estiver recebendo diálise peritoneal41 ambulatorial contínua (DPAC) ou diálise peritoneal41 cíclica contínua (DPCC), você terá que tomar sua dose de Mesilato de desferroxamina antes da troca final do dia;
  • A dose de Mesilato de desferroxamina é de 5 mg por quilo de peso corpóreo;
  • O seu médico irá auxiliá-lo quanto aos testes que você deve fazer a fim de determinar quanto tempo você deve ser tratado, e se a dose Mesilato de desferroxamina necessita ser alterada.

Teste de acúmulo de ferro e alumínio

  • Se seu médico quer testar se você tem acúmulo de ferro, você vai receber 500 mg de Mesilato de desferroxamina no músculo. Você irá coletar sua urina9 durante 6 horas e o teor de ferro será verificado;
  • Se você estiver fazendo diálise8, o seu médico vai querer testar se você tem acúmulo de alumínio. Você receberá 5 mg de Mesilato de desferroxamina por quilo de peso corpóreo por infusão lenta na veia durante os últimos 60 minutos de uma sessão de diálise8. O teor de alumínio das amostras de sangue5 colhidas pouco antes desta sessão de diálise8 e da próxima vai ser determinado.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você esquecer uma dose de Mesilato de desferroxamina, avise ao seu médico imediatamente.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, pacientes tratados com Mesilato de desferroxamina podem ter reações adversas, embora nem todos as tenham.

A maioria dessas reações adversas são leves a moderadas e geralmente irão desaparecer após alguns dias ou semanas de tratamento. Não fique assustado com a lista de possíveis reações adversas. Pode ser que você não tenha nenhuma delas.

As reações adversas podem ocorrer com certas frequências, as quais estão definidas a seguir: Reação muito comum, pode ocorrer em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento. Reação comum, pode ocorrer entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento. Reação incomum, pode ocorrer entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento. Reação rara, pode ocorrer entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento. Reação muito rara, pode ocorrer em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento.

É usado o termo “frequência não conhecida” quando a frequência das reações adversas não pode ser estimada com segurança.

Algumas reações adversas podem ser sérias

Fale com seu médico imediatamente, se você tiver alguma das reações adversas listadas abaixo:

Incomum

  • Distúrbios da audição, como zumbido ou barulho nos ouvidos, perda da audição.
  • Dificuldade respiratória súbita e sensação de aperto no peito42 com chiado ou tosse (asma43).

Rara

  • Distúrbios da visão29, como visão29 turva, visão29 cromática anormal, cegueira noturna, manchas negras na visão29, perda da visão29, turvação do cristalino44, defeito no campo visual45 ou redução da acuidade visual46;
  • Infecções19 fúngicas47 causando febre15 alta, falta de ar, tosse com sangue5, diarreia17, dor abdominal, vômito48, náusea49 ou dor de garganta16;
  • Tontura50, vertigens22 (sinais18 de baixa pressão arterial23 que pode acontecer quando o medicamento é administrado muito rapidamente).

Muito rara

  • Falta de ar devido a distúrbio no pulmão51;
  • Hemorragia52/hematomas53 incomuns (sinal20 de baixo nível de plaquetas54 no sangue5);
  • Febre15, dor de garganta16 ou úlceras55 na boca56 devido a infecções19 (sinal20 de baixo nível de glóbulos brancos);
  • Erupção57 cutânea58, prurido59, urticária60, dificuldade em respirar ou engolir, sensação de aperto no peito42 com chiado ou tosse, tontura50, inchaço26 principalmente na face61 e garganta16 (sinais18 de reação alérgica62 grave ou asma43);
  • Distúrbios da fala, cognição63, movimento, afeto ou comportamento (sinais18 de distúrbio cerebral);
  • Infecção64 bacteriana levando a febre15, dor abdominal e diarreia17, que pode ter sangue5 nas fezes.

Frequência não conhecida

  • Diminuição grave da produção de urina9 (sinal20 de problema nos rins7);
  • Convulsão65 (principalmente em pacientes em diálise8).

Outras reações adversas possíveis estão relacionadas abaixo

Se alguma dessas reações adversas afetar você gravemente, informe ao seu médico.

Reações adversas muito comuns

  • Reação no local da injeção3 como dor, inchaço26, vermelhidão, coceira na pele36, escara66 (ferida na pele36), formação de crosta, pequenas bolhas, ardor67, dor articular ou muscular.

Reações adversas comuns

  • Náusea49, dor de cabeça68, erupção57 cutânea58, febre15, taxa de crescimento reduzida, distúrbios ósseos.

Reações adversas incomuns

  • Vômito48, dor abdominal.

Reações adversas muito raras

  • Diarreia17, erupção57 cutânea58, sensação de dormência69 ou formigamento nos dedos das mãos70 e dos pés.

Frequência não conhecida

  • Espasmos71 musculares, resultados anormais nos testes de função do fígado11 e renal72.

Hipocalcemia73 e agravamento de hiperparatireoidismo em pacientes tratados para a sobrecarga de alumínio.

A sua urina9 pode ficar marrom-avermelhada, pois há mais ferro em sua urina9. Isso geralmente não é motivo para se preocupar, mas se você ficar preocupado, você deve conversar com o seu médico ou enfermeiro.

Se você tiver alguma outra reação adversa não listada acima, informe ao seu médico ou farmacêutico

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Não tome uma dose ou concentração maior do que a recomendada pelo seu médico, pois você pode apresentar reações adversas locais no local da injeção3, bem como algumas outras reações adversas como tontura50, vertigens22 (sinais18 de pressão arterial23 baixa), batimento rápido ou lento do coração12, distúrbios gastrintestinais (náuseas74), produção de urina9 gravemente diminuída (sinal20 de doença renal72), distúrbios do sistema nervoso75 (por exemplo, agitação, incapacidade de falar, dor de cabeça68), falta de ar (sinal20 de distúrbios pulmonares), deficiência visual e auditiva.

Se você usar muito Mesilato de desferroxamina, avise ao seu médico ou hospital para orientações imediatamente. Você pode necessitar de tratamento médico.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS nº 1.0298.0375
Farm. Resp.: Dr. José Carlos Módolo - CRF-SP nº 10.446

CRISTÁLIA Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda.
Rodovia Itapira-Lindóia, km 14 - Itapira / SP
CNPJ 44.734.671/0001-51 - Indústria Brasileira


SAC 0800 7011918

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
2 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
3 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
4 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Talassemia: Anemia mediterrânea ou talassemia. Tipo de anemia hereditária, de transmissão recessiva, causada pela redução ou ausência da síntese da cadeia de hemoglobina, uma proteína situada no interior do glóbulos vermelhos e que tem a função de transportar o oxigênio. É classificada dentro das hemoglobinopatias. Afeta principalmente populações da Itália e da Grécia (e seus descendentes), banhadas pelo Mar Mediterrâneo.
7 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
8 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
9 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
10 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
11 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
13 Dessensibilização: É uma maneira de parar ou diminuir a resposta a reações alérgicas a algumas coisas. Por exemplo, se uma pessoa apresenta uma reação alérgica a alguma substância, o médico dá a esta pessoa uma pequena quantidade desta substância para aumentar a sua tolerância e vai aumentando esta quantidade progressivamente. Após um período de tempo, maiores doses são oferecidas antes que a dose total seja dada. É uma maneira de ajudar o organismo a prevenir as reações alérgicas.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
16 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
17 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
18 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
19 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
21 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
22 Vertigens: O termo vem do latim “vertere” e quer dizer rodar. A definição clássica de vertigem é alucinação do movimento. O indivíduo vê os objetos do ambiente rodarem ao seu redor ou seu corpo rodar em relação ao ambiente.
23 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
24 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
25 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
26 Inchaço: Inchação, edema.
27 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
28 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
29 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
30 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
31 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
32 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
33 Neuroléptico: Medicamento que exerce ação calmante sobre o sistema nervoso, tranquilizante, psicoléptico.
34 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
35 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
36 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
37 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
38 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
39 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
40 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
41 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.
42 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
43 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
44 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
45 Campo visual: É toda a área que é visível com os olhos fixados em determinado ponto.
46 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
47 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
48 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
49 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
50 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
51 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
52 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
53 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
54 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
55 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
56 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
57 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
58 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
59 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
60 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
61 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
62 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
63 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
64 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
65 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
66 Escara: Úlcera produzida nas áreas cutâneas que sofrem maior pressão (úlcera de decúbito).
67 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
68 Cabeça:
69 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
70 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
71 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
72 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
73 Hipocalcemia: É a existência de uma fraca concentração de cálcio no sangue. A manifestação clínica característica da hipocalcemia aguda é a crise de tetania.
74 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
75 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.

Tem alguma dúvida sobre Mesilato de Desferroxamina (Injetável 500 mg)?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.