Hyqvia

BAXALTA BRASIL BIOCIÊNCIA LTDA

Atualizado em 15/03/2021

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Hyqvia
imunoglobulina1 humana normal
Injetável 0,1g/mL

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução injetável
Frasco duplo composta por um frasco de imunoglobulina1 humana normal (Imunoglobulina1 a 10% ou IG 10%) e um frasco de hialuronidase humana recombinante (rHuPH20)

USO ADULTO
VIA SUBCUTÂNEA2

COMPOSIÇÃO:

Cada mL de Imunoglobulina1 normal humana (IG a 10%) contém:

Imunoglobulina1 normal humana (pureza mínima de 98% de imunoglobulina1 G (IgG)) 100 mg
veículo q.s.p. 1 mL

Veículo: Glicina e água para injetáveis.

A hialuronidase humana recombinante é uma glicoproteína de 447 aminoácidos em células3 de ovário4 de hamster chinês (CHO) por tecnologia de DNA recombinante. Veículo: Cloreto de sódio, fosfato de sódio dibásico, albumina5 humana, ácido etilenodiaminotetracético (EDTA) dissódico, cloreto de cálcio, hidróxido de sódio (para ajuste de pH), ácido clorídrico6 (para ajuste de pH) e água para injetáveis.

hialuronidase humana recombinante

imunoglobulina1 humana normal 10%

Volume (mL)

Proteína (g)

Volume (mL)

1,25

2,5

25

2,5

5

50

5

10

100

10

20

200

15

30

300


Distribuição das subclasses de IgG (valores aproximados):

IgG1

≥ 56,9%

IgG2

≥ 26,6%

IgG3

≥ 3,4%

IgG4

≥ 1,7%

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Hyqvia é indicado para adultos com um sistema imune7 fraco, que não possuem anticorpos8 suficientes em seu sangue9 e tendem a apresentar infecções10 frequentes. Doses regulares e suficientes de Hyqvia podem elevar níveis anormalmente baixos de imunoglobulina1 em seu sangue9 para níveis normais (terapia de reposição).

Hyqvia é prescrito como terapia de reposição para pacientes11 que não possuem anticorpos8 suficientes, incluindo os seguintes casos:

  • Pacientes com incapacidade congênita12 ou redução da capacidade de produzir anticorpos8 (imunodeficiências primárias);
  • Pacientes com determinados tipos de câncer13 sanguíneo (leucemia14 linfocítica crônica) que causam diminuição da produção de anticorpos8 e infecções10 recorrentes quando os antibióticos preventivos falharam;
  • Pacientes com determinados tipos de câncer13 sanguíneo (mieloma15 múltiplo) e diminuição da produção de anticorpos8 com infecções10 recorrentes no qual não houve resposta a vacina16 contra determinada bactéria17 (pneumococci);
  • Pacientes com baixa produção de anticorpos8 antes e após transplante de células3 de medula óssea18 de outra pessoa.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Hyqvia contém duas soluções para infusão (gotejamento) sob a pele19 (infusão subcutânea2 ou SC). É fornecida como embalagem contendo um frasco de imunoglobulina1 normal humana a 10% (a substância ativa) e um frasco de hialuronidase humana recombinante (uma substância que auxilia a imunoglobulina1 humana normal a 10% a chegar ao seu sangue9).

Imunoglobulina1 humana normal a 10% pertence a uma classe de medicamentos denominados “imunoglobulinas humanas normais”. Imunoglobulinas20 também são conhecidas como anticorpos8 e são encontradas no sangue9 de pessoas hígidas. Os anticorpos8 são parte do sistema imune7 (as defesas naturais do sangue9) e auxiliam seu organismo a combater infecções10.

O frasco de imunoglobulinas20 foi preparado a partir do sangue9 de pessoas hígidas. O medicamento atua exatamente do mesmo modo que as imunoglobulinas20 naturalmente presentes no sangue9. Hialuronidase humana recombinante é uma proteína que facilita a infusão de imunoglobulinas20 (gotejamento) sob a pele19 e a chegar ao seu sistema sanguíneo.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

NÃO injetar ou infundir Hyqvia:

  • caso seja alérgico a imunoglobulinas20, hialuronidase, hialuronidase recombinante ou qualquer dos outros princípios deste medicamento (listados na seção 6, “Conteúdo da embalagem e outras informações”).
  • caso apresente anticorpos8 contra imunoglobulina1 A (IgA) em seu sangue9. Isto poderá ocorrer caso apresente deficiência de IgA. Uma vez que Hyqvia contém quantidades traço de IgA, você poderá apresentar uma reação alérgica21.
  • em um vaso sanguíneo (via intravenosa) e no músculo (via intramuscular).

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Advertências e precauções

As advertências e precauções a seguir deverão ser consideradas antes que você receba ou use Hyqvia. Converse com seu médico ou enfermeira em caso de quaisquer dúvidas.

Reações alérgicas

Você pode ser alérgica às imunoglobulinas20 sem saber. Reações alérgicas como queda súbita na pressão arterial22 ou choque anafilático23 (uma queda súbita na pressão arterial22 com sintomas24 como edema25 de garganta26, dificuldades para respirar e erupção27 cutânea28) são raras, porém podem ocorrer ocasionalmente, mesmo que não tenha apresentado problemas com tratamentos similares. Você apresenta maior risco de reações alérgicas se apresentar deficiência de IgA com anticorpos8 anti IgA. Os sinais29 ou sintomas24 destas reações alérgicas raras incluem:

  • sensação de tontura30 ou desmaio,
  • erupção27 cutânea28 e coceira, edema25 na boca31 ou garganta26, dificuldade para respirar, respiração ruidosa, frequência cardiaca anormal, dor torácica, lábios ou dedos das mãos32 ou dos pés azulados,
  • visão33 embaçada.

Seu médico ou enfermeira infundirá primeiro Hyqvia lentamente, e o monitorará atentamente por todas as primeiras infusões, de modo que qualquer reação alérgica21 possa ser imediatamente detectada e tratada.

Caso perceba qualquer destes sinais29 durante a infusão, informe seu médico ou enfermeira imediatamente. Ele/a decidirá se reduzirá a velocidade de infusão ou interromperá totalmente a infusão.

Velocidade de infusão

É muito importante infundir o medicamento na velocidade correta. Seu médico ou enfermeira o aconselhará sobre a velocidade adequada de infusão a ser utilizada quando estiver infundindo Hyqvia em casa. Monitoramento durante a infusão

Determinados efeitos colaterais34 poderão ocorrer mais frequentemente se: você estiver recebendo Hyqvia pela primeira vez. você tiver recebido outra imunoglobulina1 e tiver sido transferido para Hyqvia. tiver havido um intervalo longo (por exemplo, mais de 2 ou 3 intervalos de infusão) desde a última vez que recebeu Hyqvia.

Nestes casos, você será atentamente monitorado durante sua primeira infusão e pela primeira hora após o término de sua infusão.

Em todos os demais casos, você deverá ser monitorado durante a infusão e por no mínimo 20 minutos depois de ter recebido Hyqvia pelas primeiras infusões.

Tratamento domiciliar

Antes de iniciar o tratamento domiciliar, você deverá designar uma pessoa como tutor. Você e seu tutor serão treinados a detectar os sinais29 iniciais de efeitos colaterais34, principalmente reações alérgicas. Este tutor deverá auxiliá-lo a estar atento a possíveis efeitos colaterais34. Durante a infusão, você deverá monitorar possíveis primeiros sinais29 de efeitos colaterais34.

Caso apresente quaisquer efeitos colaterais34, você ou seu tutor deverá interromper a infusão imediatamente e contatar um médico.

Caso apresente um efeito colateral35 grave, você ou seu tutor deverá buscar imediatamente tratamento emergencial.

Disseminação de infecções10 localizadas

Não infundir Hyqvia no interior ou ao redor de uma área infectada ou edemaciada36 e vermelha em sua pele19, uma vez que isso poderá causar disseminação da infecção37.

Não foram observadas alterações em longo prazo (crônicas) na pele19 nos estudos clínicos. Qualquer inflamação38, protuberâncias (nódulos) ou inflamação38 crônicas ocorridas no local de infusão e com duração superior a alguns dias deverão ser relatadas ao seu médico.

Efeitos nos testes sanguíneos

Hyqvia contém muitos anticorpos8 diferentes, alguns dos quais podem afetar os testes sanguíneos (testes sorológicos).

Informe seu médico sobre seu tratamento com Hyqvia antes de qualquer teste sanguíneo.

Informações sobre a matéria-prima de Hyqvia

A imunoglobulina1 humana normal a 10% de Hyqvia e albumina5 sérica humana (um princípio de hialuronidase humana recombinante) são produzidas a partir do plasma39 humano (a parte líquida do sangue9).

Quando medicamentos são fabricados a partir do sangue9 humano ou plasma39, determinadas medidas são realizadas para prevenção de transmissão de infecções10 aos pacientes. Estas incluem:

  • seleção cautelosa dos doadores de sangue9 e plasma39 para garantir que os indivíduos em risco de apresentar infecções10 sejam excluídos, e
  • teste de cada doação e pools de plasma39 quanto aos sinais29 de vírus40/infecções10.

Os fabricantes destes produtos também incluem etapas no processamento de sangue9 ou plasma39, que podem inativar ou remover vírus40. Apesar destas medidas, quando medicamentos preparados a partir do sangue9 ou plasma39 humano são utilizados, a possibilidade de transmissão de infecção37 não poderá ser totalmente descartada. Isto também se aplica a quaisquer vírus40 desconhecidos ou emergentes ou outros tipos de infecções10.

As medidas realizadas para fabricação de Hyqvia são consideradas eficazes para vírus40 envelopados, como vírus40 da imunodeficiência41 humana (HIV42), vírus40 da hepatite43 B e vírus40 da hepatite43 C, e para os vírus40 não envelopados de hepatite43 A e parvovírus B19.

As imunoglobulinas20 não foram associadas a infecções10 por hepatite43 A ou parvovírus B19 possivelmente porque os anticorpos8 contra estas infecções10, que estão presentes em Hyqvia, são protetores.

Recomenda-se enfaticamente que a cada vez que utilize Hyqvia, os dados a seguir sejam registrados em seu diário de tratamento: data de administração, número de lote do medicamento e volume injetado, velocidade de fluxo, número e localização dos locais de infusão.

Outros medicamentos e Hyqvia

Informe seu médico, farmacêutico ou enfermeira caso esteja administrando, tenha administrado recentemente ou possa administrar quaisquer outros medicamentos.

Vacinações

Hyqvia poderá reduzir o efeito de algumas vacinas virais, como sarampo44, rubéola45, caxumba46 e varicela47 (vacinas virais vivas). Portanto, depois de receber Hyqvia, você poderá precisar aguardar até 3 meses antes de iniciar determinadas vacinas. Você poderá precisar aguardar até 1 ano depois de receber Hyqvia antes que possa receber sua vacina16 contra sarampo44.

Informe ao seu médico ou enfermeira responsável pela vacinação sobre seu tratamento com Hyqvia.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Os pacientes poderão apresentar efeitos colaterais34 (por exemplo, tontura30 ou náusea48) durante o tratamento com Hyqvia, que podem afetar a capacidade de dirigir e operar máquinas. Se isto ocorrer, você deverá aguardar até o desaparecimento das reações.

Informações importantes sobre um dos componentes do medicamento

Hyqvia contém SÓDIO

A hialuronidase humana recombinante de Hyqvia contém pequenas quantidades (3,68 mg por mL) de sódio. Isto poderá ter que ser considerado para pacientes11 que estão em dieta com controle de sódio.

Fertilidade, Gravidez49 e Lactação50

Os efeitos do uso crônico51 de hialuronidase humana recombinante na gestação, lactação50 e fertilidade atualmente são desconhecidos. Hyqvia deverá ser utilizado por gestantes e lactantes52 apenas após discussão com seu médico.

Caso engravide durante o uso de Hyqvia, você deverá discutir com seu médico a possibilidade de participar de um registro de gestação para coleta de dados sobre sua gestação e desenvolvimento do bebê. A finalidade deste registro é coletar e compartilhar dados apenas com as autoridades de saúde53 pública responsáveis pelo monitoramento da segurança deste produto. A participação no registro é voluntária.

Categoria C – Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais34 no feto54, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez49.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde53.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

O produto deve ser armazenado em temperatura entre +2°C e +8°C (refrigerado).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Manter os frascos no cartucho externo para protegê-los da luz. Prazo de validade: 36 meses

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não congelar. Não agitar.

Não utilizar este medicamento caso as soluções estejam turvas ou apresentem partículas ou depósitos. Após a abertura, descartar quaisquer soluções não utilizadas nos frascos.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Sempre utilize este medicamento exatamente como seu médico o informou. Verifique com seu médico caso não tenha certeza.

Hyqvia deverá ser infundido sob a pele19 (administração subcutânea2 ou SC).

O tratamento será iniciado pelo seu médico ou enfermeira, porém você poderá utilizar o medicamento em casa depois de ter recebido as primeiras infusões sob supervisão médica e depois de ter sido adequadamente treinado (e/ou seu tutor). Você e seu médico decidirão se você poderá utilizar Hyqvia em casa. Não inicie o tratamento com Hyqvia em casa até que tenha recebido instruções completas.

Administração

Seu médico calculará a dose correta para você com base em seu peso corporal, qualquer tratamento anterior que possa ter recebido e sua resposta ao tratamento. A dose inicial recomendada é aquela que fornece 400 a 800 mg de substância ativa por kg de peso corporal ao mês. No início, você receberá um quarto da dose em intervalos de 1 semana. Esta dose será elevada gradualmente para doses maiores em intervalos de 3 a 4 semanas com as infusões seguintes. Algumas vezes, seu médico poderá recomendar que doses mais elevadas sejam divididas e administradas em dois locais de uma vez. Seu médico também poderá ajustar sua dose dependendo de sua resposta ao tratamento.

Tratamento inicial

Seu tratamento será iniciado por um médico ou enfermeira com experiência no tratamento de pacientes com sistema imune7 fraco e na orientação dos pacientes para tratamento domiciliar. Você será observado cautelosamente por toda a infusão e por no mínimo 1 hora após o término da infusão, para verificar quão bem tolera o medicamento. No início, seu médico ou enfermeira utilizará baixa velocidade de infusão e a aumentará gradualmente durante a primeira infusão e nas infusões seguintes. Quando o médico ou enfermeira tiver encontrado a dose e velocidade de infusão corretas para você, você poderá autoadministrar o tratamento em casa.

Tratamento domiciliar

Você será instruído sobre:

  • Técnicas de infusão sem germes (asséptica),
  • Uso de bomba de infusão ou acionador de seringa55 (se necessário),
  • Manutenção de diário de tratamento, e
  • Medidas a serem realizadas em caso de efeitos colaterais34 graves.

Você deverá seguir cautelosamente as instruções de seu médico sobre a dose, velocidade de infusão e cronograma para infusão de Hyqvia, de modo que o tratamento funcione para você.

  • Para pacientes11 com peso corporal ≥ 40 kg, a velocidade inicial é de 10 mL por hora por local de infusão. Se bem tolerada, esta poderá ser elevada em intervalos de no mínimo 10 minutos para 240 mL por hora por local para as duas infusões iniciais. Para infusões subsequentes, a velocidade poderá ser elevada para 300 mL por hora por local de infusão;
  • Para pacientes11 com peso corporal inferior a 40 kg, a velocidade inicial é de 5 mL por hora por local de infusão. Se bem tolerada, esta poderá ser elevada em intervalos de no mínimo 10 minutos para 80 mL por hora por local para as duas infusões iniciais. Para todas as infusões subsequentes, a velocidade poderá ser elevada para 160 mL por hora por local de infusão.

1. Retirar Hyqvia da caixa

  • Deixar que os frascos cheguem à temperatura ambiente. Isto poderá levar até 60 minutos.
  • Não aquecer ou agitar Hyqvia.
  • Verificar cada frasco de Hyqvia antes do uso:
    • Data de validade: Não utilizar após a data de validade.
    • Cor:
      • Hialuronidase humana recombinante deverá ser límpida e incolor.
      • Imunoglobulina1 humana normal a 10% deverá ser límpida e incolor ou amarela pálida.
      • Se o líquido estiver turvo ou apresentar partículas, não utilize.
    • Tampa: A tampa protetora está na unidade do frasco duplo. Não utilizar o produto se este não possuir a tampa.

2. Reunir todos os materiais:

Reunir todos os itens para sua infusão. Os itens incluem: unidade(s) de frasco duplo de Hyqvia, materiais para infusão (conjunto de agulha subcutânea2, recipiente com solução (bolsa ou seringa55), bandagem e fita adesiva transparentes estéreis, tubos da bomba, dispositivos de transferência, seringas, gaze e fita adesiva), recipiente para materiais perfurocortantes, bomba de infusão eletromecânica de velocidade variável e livro de registro de tratamento e outros materiais, conforme necessários.

3. Preparar uma área de trabalho limpa.

4. Lavar as mãos32:

Lavar bem a mãos32. Posicionar todos os materiais reunidos e abri-los conforme instruído por seu profissional da saúde53.

 

5. Abrir a(s) unidade(s) de frasco duplo de Hyqvia:

  • Retirar as tampas protetoras azuis para expor as tampas do frasco.
  • Preparar para transferir o componente hialuronidase humana recombinante de Hyqvia, limpando a tampa de cada frasco com uma haste de algodão com álcool, caso instruído, e deixar secar ao ar (no mínimo 30 segundos).

6. Preparar o frasco de hialuronidase humana recombinante (HY):

  • Retirar a seringa55 estéril menor da embalagem e anexar a um aplicador sem ventilação56 ou agulha (dispositivo).
  • Puxar o êmbolo57, preencher a seringa55 menor com ar igual à quantidade de hialuronidase humana recombinante no(s) frasco(s) de HY.
  • Retirar a tampa da agulha/dispositivo de transferência sem ventilação56.
  • Inserir a extremidade da agulha/dispositivo de transferência sem ventilação56 no centro da tampa do frasco e empurrar diretamente para baixo. Empurrar o ar no frasco.
  • Virar o frasco de cabeça58 para baixo, com a agulha/dispositivo de transferência sem ventilação56 permanecendo no frasco. A ponta da seringa55 estará apontando para cima.
  • Retirar todo o conteúdo da hialuronidase humana recombinante na seringa55.
  • Repetir a etapa 6, caso mais de um frasco de hialuronidase humana recombinante seja necessário para sua dose.
  • Se possível, combinar toda a hialuronidase humana recombinante necessária para toda a dose de IgG na mesma seringa55.
  • Apontar a extremidade da seringa55 para cima e retirar quaisquer bolhas de ar apontando a extremidade da seringa55 para cima e suavemente batendo na seringa55 com seu dedo. Empurrar de modo lento e cauteloso o êmbolo57 para retirar qualquer ar restante.

7. Preparar o conjunto de agulha com hialuronidase humana recombinante (HY):

  • Anexar a seringa55 preenchida com hialuronidase humana recombinante ao conjunto da agulha
  • Empurrar o êmbolo57 da seringa55 menor para retirar o ar e preencher o conjunto de agulha até as asas da agulha com hialuronidase humana recombinante.
  • Observação: Seu profissional da saúde53 poderá recomendar o uso de um conector em “Y” (para mais de um local) ou outra configuração de conjunto de agulha.

8. Preparar imunoglobulina1 humana normal a 10% frasco:

  • Preparar para transferir o componente imunoglobulina1 a 10% de Hyqvia, limpando a tampa de cada frasco com uma haste de algodão com álcool, caso instruído, e deixar secar ao ar (no mínimo 30 segundos).
  • Imunoglobulina1 humana normal a 10% de Hyqvia poderá ser infundida
    • por agrupamento a partir dos frascos em uma seringa55 maior ou bolsa de infusão conforme instruído por seu profissional da saúde53, dependendo da bomba de infusão eletromecânica de velocidade variável a ser utilizada ou
    • diretamente a partir do frasco de IG . Inserir o aplicador do tubo da bomba com ventilação56 ou aplicador e agulha com ventilação56 no(s) frasco(s) de imunoglobulina1 humana normal a 10%. Preencher o tubo da bomba de administração e separar até que hialuronidase humana recombinante tenha sido administrada.
  • Caso seja necessário mais de um frasco para uma dose completa, perfurar frascos subsequentes após a administração completa do primeiro frasco.

9. Programar a bomba eletromecânica de velocidade variável:

Seguir as instruções do fabricante para preparação da bomba eletromecânica de velocidade variável.
Programar as velocidades de infusão de imunoglobulina1 humana normal a 10% conforme instrução de seu profissional da saúde53.

 

10. Preparar o local de infusão:

  • Escolher um local de infusão na parte intermediária ou superior do abdômen ou coxa59. Vide imagem para a localização do local de infusão. o Selecionar locais em lados opostos do corpo caso seja instruído a infundir em dois locais para doses acima de 600 mL.
  • Evitar áreas ósseas, vasos sanguíneos60 visíveis, cicatrizes61 e quaisquer áreas de inflamação38 ou infecção37.
  • Alternar os locais de infusão, escolhendo lados opostos do corpo entre as futuras infusões.
  • Se instruído por seu profissional da saúde53, limpar o(s) local(is) de infusão com uma haste de algodão com álcool. Deixar secar (no mínimo 30 segundos).

11. Inserir a agulha:

  • Retirar a cobertura da agulha. Pegar firmemente e pinçar no mínimo 2 a 2,5 cm de pele19 entre dois dedos.
  • Inserir totalmente a agulha até as asas da agulha com um movimento rápido direto na pele19, em um ângulo de 90°. As asas da agulha deverão repousar em posição reta na pele19.
  • Manter a agulha no lugar com fita adesiva estéril.
  • Repetir esta etapa caso tenha um segundo local de infusão.


 (ângulo de 90 graus à pele19)

12. Verificar o posicionamento adequado da agulha antes do início da infusão, caso instruído por seu profissional da saúde53.

13. Manter a agulha na pele19:

  • Manter a(s) agulha(s) no local, colocando uma bandagem transparente estéril sobre a agulha.
  • Verificar ocasionalmente o(s) local(is) de infusão por toda a infusão quanto ao deslocamento ou extravasamento.

14. Administrar primeiro a infusão de hialuronidase humana recombinante:

  • Empurrar lentamente o êmbolo57 da seringa55 menor com hialuronidase humana recombinante em velocidade inicial por local de infusão até aproximadamente 1 a 2 mL por minuto e aumentar conforme tolerado.
  • Se estiver utilizando uma bomba, programar a bomba para infundir hialuronidase humana recombinante na velocidade inicial por local de infusão de 1 a 2 mL por minuto e aumentar conforme tolerado.

15. Administrar imunoglobulina1 humana normal a 10%:

Após infusão de todo o conteúdo da seringa55 menor (hialuronidase humana recombinante), retirar a seringa55 do centro do conjunto de agulha. Anexar o tubo da bomba ou a seringa55 maior que contém imunoglobulina1 humana normal a 10% ao conjunto da agulha.
Administrar imunoglobulina1 humana normal a 10% nas velocidades prescritas por seu profissional da saúde53.

16. Lavar o tubo da bomba quando a infusão estiver concluída, se instruído por seu profissional da saúde53:

  • Se instruído por seu profissional da saúde53, anexar uma bolsa de solução fisiológica62/seringa55 de lavagem ao tubo da bomba/conjunto de agulha para empurrar imunoglobulina1 humana normal a 10% até as asas da agulha.

17. Retirar o conjunto da agulha:

  • Retirar o conjunto da agulha tirando a bandagem em todas as extremidades.
  • Puxar as asas da agulha diretamente para cima e para fora.
  • Pressionar suavemente um pequeno pedaço de gaze sobre o local da agulha e cobrir com bandagem protetora.
  • Descartar a(s) agulha(s) no recipiente para materiais perfurocortantes.
    • Descartar o recipiente para materiais perfurocortantes utilizando as instruções fornecidas no recipiente, ou contatar seu profissional da saúde53.

18. Registrar a infusão:

  • Retirar o rótulo destacável do frasco de Hyqvia, que possui o número do lote e data de validade do produto, e colocar o rótulo em seu registro/livro de tratamento.
  • Escrever a data, horário, dose, local(is) de infusão (para auxiliar na rotação dos locais) e quaisquer reações após cada infusão.
  • Descartar qualquer produto não usado no frasco e os materiais descartáveis conforme recomendação por seu profissional da saúde53.
  • Acompanhar com seu médico conforme orientação.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não infundir uma dose dupla de Hyqvia para compensar uma dose omitida. Caso acredite ter omitido uma dose, converse com seu médico tão logo possível.

Caso tenha quaisquer outras dúvidas sobre o uso deste medicamento, pergunte ao seu médico, farmacêutico ou enfermeira.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, este medicamento poderá causar efeitos colaterais34, embora nem todos os apresentem.

Determinados efeitos colaterais34, como dor de cabeça58, calafrios63 ou dores no corpo, poderão ser reduzidos pela diminuição da velocidade de infusão.

Efeitos colaterais34 sérios

Infusões de medicamentos como Hyqvia poderão ocasionalmente resultar em reações alérgicas sérias, porém raras. Você poderá apresentar uma redução súbita na pressão arterial22 e, em casos isolados, choque anafilático23. Os médicos estão cientes destes possíveis efeitos colaterais34 e o monitorarão durante e após as infusões iniciais.

Os sinais29 ou sintomas24 típicos incluem: sensação de tontura30 leve, tontura30 ou desmaio, erupção27 cutânea28 e coceira, edema25 na boca31 ou garganta26, dificuldade para respirar, respiração ruidosa, frequência cardiaca anormal, dor torácica, lábios ou dedos das mãos32 ou pés azuis, visão33 embaçada.

  • Informar imediatamente seu médico ou enfermeira caso perceba qualquer destes sinais29 durante a infusão.
  • Ao usar Hyqvia em casa, você deverá realizar a infusão na presença de um tutor designado que o auxiliará a permanecer alerta quanto a reações alérgicas, interromper a infusão e buscar auxílio, se necessário.
  • Vide também a seção 2 deste folheto sobre o risco de reações alérgicas e uso domiciliar de Hyqvia.

Efeitos colaterais34 muito comuns (podem afetar mais de 1 em 10 infusões): Dor no local de infusão, incluindo desconforto e sensibilidade leve a moderada. Estas reações geralmente desaparecem em poucos dias.

Efeitos colaterais34 comuns (podem afetar até 1 em 10 infusões): Reações no local de infusão: Estas incluem vermelhidão, edema25, prurido64, endurecimento e erupção27 no local de infusão. Estas reações geralmente desaparecem em poucos dias. Dor de cabeça58, cansaço, náusea48, vômito65, diarreia66, dor abdominal, dor muscular ou articular, dor torácica, febre67, sensação de fraqueza ou mal-estar.

Efeitos colaterais34 incomuns (podem afetar até 1 em 100 infusões): Calafrios63, enxaqueca68, aumento da pressão arterial22, tontura30, distensão abdominal, erupção27 cutânea28/erupção27 alérgica/vermelhidão, prurido64, dor torácica, nos braços e/ou pernas, edema25 genital (resultante da disseminação do edema25 a partir do local de infusão), edema25 das pernas, pés e tornozelos, testes sanguíneos positivos para anticorpos8.

Frequência desconhecida (não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis): Hipersensibilidade e doença gripal.

Efeitos colaterais34 observados com medicamentos similares

Os efeitos colaterais34 a seguir foram observados com a infusão de medicamentos como imunoglobulina1 humana normal a 10% administrados sob a pele19 (via subcutânea2). Embora estes efeitos colaterais34 não tenham sido observados até o momento com Hyqvia, é possível que algumas pessoas que utilizam Hyqvia os apresentem:

Tremores, formigamento oral, batimento cardiaco rápido, reações alérgicas, rubor ou palidez, frio nas mãos32 ou pés, dispneia69, edema25 da face70, sudorese71 excessiva, rigidez muscular, alteração nos testes séricos de função hepática72 (aumento de alanino aminotransferase).

Os efeitos colaterais34 raros a seguir foram observados em pacientes que utilizaram medicamentos como imunoglobulina1 humana normal a 10% administrados em uma veia (via intravenosa). Estas reações não foram observadas com Hyqvia, porém há uma pequena possibilidade de que algumas pessoas que utilizam Hyqvia os apresentem:

  • Coágulos sanguíneos nos vasos sanguíneos60 (reações tromboembólicas) causando ataque cardiaco, acidente vascular cerebral73, bloqueio das veias74 profundas ou de vasos sanguíneos60 que chegam ao pulmão75 (embolismo76 pulmonar), distúrbio ou insuficiência renal77, inflamação38 das camadas que revestem o cérebro78 (meningite asséptica79), destruição dos eritrócitos80 (hemólise81).

Caso apresente quaisquer efeitos colaterais34, converse com seu médico, farmacêutico ou enfermeira. Isto inclui quaisquer possíveis efeitos colaterais34 não listados neste folheto.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Caso acredite ter utilizado mais Hyqvia do que deveria, converse com seu médico tão logo possível.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


USO RESTRITO A HOSPITAIS
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS nº 1.5628.0011
Farm. Resp.: Jônia Gurgel Moraes CRF/SP 10.616

Fabricado por:
Baxalta Belgium Manufacturing S.A.
Lessines, Bélgica

Importado por:
Baxalta Brasil Biociência Ltda.
Avenida Dr. Chucri Zaidan, 1.240 Torre B, 12° andar, Conj. 1204, Parte A
São Paulo – SP
CEP 04711-130
CNPJ: 22.558.594/0001-93


SAC 0800 940 0367

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Imunoglobulina: Proteína do soro sanguíneo, sintetizada pelos plasmócitos provenientes dos linfócitos B como reação à entrada de uma substância estranha (antígeno) no organismo; anticorpo.
2 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
5 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
6 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
7 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
8 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
12 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
13 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
14 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
15 Mieloma: Variedade de câncer que afeta os linfócitos tipo B, encarregados de produzir imunoglobulinas. Caracteriza-se pelo surgimento de dores ósseas, freqüentemente a nível vertebral, anemia, insuficiência renal e um estado de imunodeficiência crônica.
16 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
17 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
18 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
19 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
20 Imunoglobulinas: Proteína do soro sanguíneo, sintetizada pelos plasmócitos provenientes dos linfócitos B como reação à entrada de uma substância estranha (antígeno) no organismo; anticorpo.
21 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
22 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
23 Choque anafilático: Reação alérgica grave, caracterizada pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação, acompanhado ou não de edema de glote. Necessita de tratamento urgente. Pode surgir por exposição aos mais diversos alérgenos.
24 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
25 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
26 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
27 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
28 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
29 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
30 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
31 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
32 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
33 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
34 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
35 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
36 Edemaciada: Em que se formou edema ou inchaço.
37 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
38 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
39 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
40 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
41 Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
42 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
43 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
44 Sarampo: Doença infecciosa imunoprevenível, altamente transmissível por via respiratória, causada pelo vírus do sarampo e de imunidade permanente. Geralmente ocorre na infância, mas pode afetar adultos susceptíveis (não imunes). As manifestações clínicas são febre alta, tosse seca persistente, coriza, conjuntivite, aumento dos linfonodos do pescoço e manchas avermelhadas na pele. Em cerca de 30% das pessoas com sarampo podem ocorrer complicações como diarréia, otite, pneumonia e encefalite.
45 Rubéola: Doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da rubéola. Resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, aumento dos gânglios do pescoço, manchas avermelhadas na pele, 70% das mulheres apresentam artralgia e artrite. Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Durante a gravidez, a infecção pelo vírus da rubéola pode resultar em aborto, parto prematuro e mal-formações congênitas.
46 Caxumba: Também conhecida como parotidite. É uma doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da caxumba, resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, dor no corpo, perda de apetite, fadiga e dor de cabeça. Cerca de 30 a 40% dos indivíduos infectados apresentam dor e aumento uni ou bilateral das glândulas salivares (mais comumente, das parótidas). Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Em alguns casos pode complicar causando meningite, encefalite, surdez, orquite, ooferite, miocardite ou pancreatite.
47 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
48 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
49 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
50 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
51 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
52 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
53 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
54 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
55 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
56 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
57 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
58 Cabeça:
59 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
60 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
61 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
62 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
63 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
64 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
65 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
66 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
67 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
68 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
69 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
70 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
71 Sudorese: Suor excessivo
72 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
73 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
74 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
75 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
76 Embolismo: É o mesmo que embolia, mas é um termo menos usado. Significa obstrução de um vaso, frequentemente uma artéria, pela migração de um corpo estranho (chamado de êmbolo) levado pela corrente sanguínea.
77 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
78 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
79 Meningite asséptica: Síndrome clínica de inflamação meníngea em que não é encontrado crescimento bacteriano identificado no exame de líquido cefalorraquidiano. Trata-se geralmente de inflamação leptomeníngea caracterizada por febre e sinais meníngeos acompanhados predominantemente por pleocitose linfocítica no LCR com cultura bacteriana estéril. Ela não é causada por bactérias piogênicas, porém diversas condições clínicas podem desencadeá-la: infecções virais e não virais; alguns fármacos, neoplasias malignas, doenças reumatológicas, tais como lúpus eritematoso sistêmico, sarcoidose, angeíte granulomatosa e metástases tumorais.
80 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
81 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.

Tem alguma dúvida sobre Hyqvia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.