ASSEPIUM Comprimidos e Suspensao

GROSS

Atualizado em 09/11/2015

Assepium    

Sulfametoxazol
Trimetoprima
Bactericida de amplo espectro

Uso adulto e pediátrico

Composição de Assepium Comprimidos e Suspensao

ASSEPIUM Comprimidos: Cada comprimido contém: Sulfametoxazol 400 mg; Trimetropina 80 mg; Excipiente q.s.p 600 mg. ASSEPIUM Suspensão: Cada 5 ml contém: Sulfametoxazol 200 mg; Trimetoprima 40 mg; Veículo q.s.p. 5 ml.

Propriedades de Assepium Comprimidos e Suspensao

ASSEPIUM é a associação de dois quimioterápicos de amplo espectro (sulfametoxazol e trimetoprima) que juntos se potencializam, determinando um bloqueio metabólico, impedindo praticamente o aparecimento de resistência bacteriana. O mecanismo de ação de ASSEPIUM decorre da inibição em cadeia de duas enzimas vitais ao desenvolvimento bacteriano, bloqueando a produção do ácido fólico e evitando a formação do ácido diidrofólico. A ação bactericida de ASSEPIUM foi demonstrada in vitro e comprovada in vivo, pelas respostas observadas no uso clínico. A atividade bactericida do ASSEPIUM é consideravelmente maior do que a atividade antibacteriana de qualquer dessas drogas isoladas. ASSEPIUM mostra-se eficiente no tratamento de infecções1 bacterianas produzidas por variada gama de germes Gram-positivos e Gram-negetivos, como estreptococos, estafilococos, pneumococos, Neisseria, Bordetella, Salmonella, Klebsiella, Shigella e Vibrio cholerae. Devem-se destacar ainda os ótimos resultados obtidos no tratamento de infecções1 produzidas pelo Haemophilus influenzae, Escherichia coli e Proteus.

Indicações de Assepium Comprimidos e Suspensao

Infecções1 causadas por uma grande gama de germes patogênicos sensíveis à associação sulfametoxazol e trimetoprima. Em Urologia: Pielonefrite2, pielite, cistites aguda e crônica, uretrite3. Em Gastrenterologia; Febre tifóide4 e paratifóide, enterite. Em Pneumologia: Bronquites aguda e crônica, pneumonia5, sinusite6, faringite7, bronquiectasia8. Em Dermatologia: Piodermite9, furunculose, abscessos10, ferimentos cutâneos infectados.

Contra-Indicações de Assepium Comprimidos e Suspensao

ASSEPIUM não deve ser prescrito a pacientes com lesões11 renais hepática12 graves, com discrasias sangüíneas13 ou hipersensibilidade aos componentes da fórmula, particularmente às sulfonamidas. No estado atual dos conhecimentos sobre esta associação, ela está também contra-indicada na gravidez14. Se este diagnóstico15 não puder ser excluído, os eventuais riscos devem ser avaliados face16 ao afeito terapêutico desejado. Não deve ainda ser prescrito a prematuros e aos recém-nascidos durante as primeiras cinco semanas de vida.

Precauções de Assepium Comprimidos e Suspensao

Um controle hematológico periódico é necessário nos casos de tratamentos prolongados ou interativos, particularmente em pacientes de mais de 65 anos. Este controle deve ser efetuado também, nos casos de insuficiência hepática17 (transaminase), de antecedentes hematológicos (hemograma, plaquetas18) e de insuficiência renal19 (clearance de creatinina20). A associação sulfametoxazol-trimetoprima apresentou efeitos teratogênicos21 em animais; portanto, sua utilização é desaconselhada durante a gravidez14.

Interações Medicamentosas de Assepium Comprimidos e Suspensao

Recomenda-se um acompanhamento cuidadoso nos casos de prescrição simultânea com os anticoagulantes22 do tipo cumarínico (possível aumento do efeito anticoagulante23) e de antidiabéticos orais24 do tipo sulfoniluréia (risco de hipoglicemia25). A associação pode inibir o metabolismo26 da fenitoína ao nível do fígado27; portanto, a administração concomitante pode produzir um aumento do efeito desta substância.

Reações Adversas de Assepium Comprimidos e Suspensao

São raros as náuseas28 e vômitos29 aos exantemas30 medicamentosos. Quando o produto foi administrado por períodos prolongados ou em doses excessivamente elevadas, foram observadas alterações hematológicas em alguns casos. De modo geral estas alterações são brandas e assintomáticas, desaparecendo pela supressão do medicamento e consistem principalmente em trombocitopenia31, leucopenia32, neutropenia33 ou mais raramente púrpura34 e agranulocitose35.

Posologia de Assepium Comprimidos e Suspensao

Comprimido: Adultos: 2 comprimidos de ASSEPIUM, duas  vezes ao dia, após as refeições. Para tratamentos prolongados (14 dias) recomenda-se 1comprimido duas vezes ao dia. Crianças: 1/2 a 1 comprimido duas vezes ao dia, proporcionalmente à idade. Suspensão: Crianças maiores de 5 anos: 1 a 2 colheres das de chá, 2 vezes ao dia. Crianças menores de 5 anos: 1 colher das de chá 2 vezes ao dia.

Conduta na Superdosagem de Assepium Comprimidos e Suspensao

Na eventualidade de intoxicação por superdosagem proceder à lavagem gástrica36 e induzir ao vômito37. Para acelerar a eliminação do medicamento, aumentar a ingestão de líquidos ou promover a diurese38 forçada, com alcalinização da urina39. Se ocorrerem reações de hipersensibilidade pode ser necessário o uso de corticóides.

Apresentações de Assepium Comprimidos e Suspensao

Comprimido: Caixa com 20 comprimidos.
Suspensão: Frascos com 50 e 100 ml.

Agite antes de usar.
Venda Sob Prescrição Médica.
Laboratório GROSS S.A.

ASSEPIUM Comprimidos e Suspensao - Laboratório

GROSS
R. PADRE ILDEFONSO PENALBA, 389
RIO DE JANEIRO/RJ - CEP: 20775020
Tel: (021 )269-3112
Fax: (021 )269-3112

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Pielonefrite: Infecção dos rins produzida em geral por bactérias. A forma de aquisição mais comum é por ascensão de bactérias através dos ureteres, como complicação de uma infecção prévia de bexiga. Seus sintomas são febre, dor lombar, calafrios, eliminação de urina turva ou com traços de sangue, etc. Deve ser tratada cuidadosamente com antibióticos pelo risco de lesão permanente dos rins, com perda de função renal.
3 Uretrite: Inflamação da uretra de causa geralmente infecciosa. Manifesta-se por ardor ao urinar e secreção amarelada drenada pela mesma. Em mulheres esta secreção pode não ser evidente.
4 Febre tifóide: Infecção produzida por uma bactéria chamada Salmonella tiphy, adquirida através de alimentos contaminados e caracterizada por febre persistente, aumento do tamanho dos tecidos linfáticos (baço, gânglios linfáticos, etc.) e erupções cutâneas. Sem tratamento adequado pode ser muito grave.
5 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
6 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
7 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
8 Bronquiectasia: Sinônimo de “dilatação dos brônquios”. Há uma dilatação anormal e permanente dos brônquios cartilaginosos de médio calibre, da quinta à décima divisão brônquica. A dilatação está associada a uma destruição inflamatória dos tecidos musculares e elásticos das paredes brônquicas.
9 Piodermite: Infecção bacteriana da pele caracterizada pela presença de pústulas (vesículas cheias de pus) na superfície da mesma.
10 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
11 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
13 Discrasias sangüíneas: Qualquer alteração envolvendo os elementos celulares do sangue, glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas.
14 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
15 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
16 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
17 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
18 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
19 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
20 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
21 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
22 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
23 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
24 Antidiabéticos orais: Quaisquer medicamentos que, administrados por via oral, contribuem para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais. Eles podem ser um hipoglicemiante, se forem capazes de diminuir níveis de glicose previamente elevados, ou um anti-hiperglicemiante, se agirem impedindo a elevação da glicemia após uma refeição.
25 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
26 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
27 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
28 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
29 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
30 Exantemas: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
31 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
32 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
33 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
34 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
35 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
36 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
37 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
38 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
39 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.

Tem alguma dúvida sobre ASSEPIUM Comprimidos e Suspensao?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.