FELDENE

PFIZER

Atualizado em 08/12/2014

Cápsulas
Comprimidos Solúveis
Comprimidos de Dissolução Instantânea
Supositórios
Solução Intramuscular

Identificação do Produto de Feldene

Nome: Feldene*

Nome genérico: Piroxicam

Formas Farmacêuticas e Apresentações de Feldene

Cápsulas:

10 mg - embalagem com 15 cápsulas
20 mg - embalagem com 15 cápsulas
20 mg - embalagem com 10 cápsulas

                         
Comprimidos Solúveis:

20 mg - embalagem com 10 comprimidos solúveis

Comprimidos de Dissolução Instantânea

20 mg - embalagem com 10 comprimidos

Supositórios:

20 mg - embalagem com 8 supositórios

Solução Intramuscular:

40 mg - embalagens com 2 ampolas de 2 ml

USO ADULTO

Composição de Feldene

Feldene* cápsulas 10 e 20 mg: Cada cápsula contém o equivalente a 10 e 20 mg de piroxicam, respectivamente.
Excipientes: amido de milho, cápsula de gelatina dura, lactose1, estearato de magnésio, laurilsulfato de sódio.

                         

Feldene* comprimidos solúveis 10 e 20 mg:
Cada comprimido solúvel contém o equivalente a 10 e 20 mg de piroxicam, respectivamente.
Excipientes: lactose1, hidroxipropilcelulose, celulose microcristalina, estearil fumarato de sódio.

                         
Feldene*SL comprimidos de dissolução instantânea:
Cada comprimido de dissolução instantânea contém o equivalente a 10 e 20 mg de piroxicam, respectivamente.
Excipientes: Manitol, gelatina, aspartame2, ácido cítrico anidro.

                         

Feldene* supositórios 20 mg:
Cada supositório 20 mg contém o equivalente a 20 mg de piroxicam.
Excipientes: galato de propila e base para supositórios.

                         

Feldene* solução intramuscular 20 e 40 mg:
Cada ampola de 1 ml contém 20 mg de piroxicam
Cada ampola de 2 ml contém 40 mg de piroxicam
Excipientes: álcool benzílico, etanol, ácido clorídrico3, nicotinamida, propilenoglicol, fosfato de sódio diidratado, hidróxido de sódio e água.

                         

Informações ao Paciente de Feldene

Feldene*, nas formas cápsulas, comprimidos solúveis e comprimidos de dissolução instantânea deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30 C), ao abrigo da luz e umidade.

Feldene* supositórios deve ser conservado em temperatura ambiente não superior a 25ºC, ao abrigo da luz e umidade.

Feldene* solução intramuscular deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), ao abrigo da luz.

O prazo de validade está indicado na embalagem externa do produto. Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

Feldene*, nas formas comprimidos solúveis e cápsulas, pode ser deglutido diretamente com um pouco de líquido. Feldene*, na forma comprimidos solúveis, pode ainda ser dissolvido em um mínimo de 50 ml de água (1/4 a 1/2 copo de água).

Feldene*SL na forma de comprimidos de dissolução instantânea pode ser deglutido diretamente com água, ou ainda colocado embaixo da língua4 ou na mesma para dissolver e então deglutido com a saliva ou água na forma de suspensão. Dissolve-se quase instantaneamente na boca5 na presença de água ou saliva.

A dosagem de Feldene* varia de acordo com a doença a ser tratada, conforme orientação médica. O mesmo pode se dizer quanto a duração do tratamento que poderá variar de alguns dias até semanas.

É importante informar o médico responsável pelo tratamento se quaisquer das seguintes reações adversas ocorrerem: náusea6, vomito7, dor ou desconforto abdominal, diarréia8, ou manchas avermelhadas pelo corpo.

Feldene* não deve ser administrado a pacientes sofrendo de úlcera péptica9 e àqueles portadores de asma10, rinite11, ou reações alérgicas da pele12 causadas por ácido acetil-salicílico ou outro medicamento antiinflamatório.

                         
Feldene* deve ser administrado com cuidado a pacientes que sofram azia13, sintomas14 gástricos, doenças renais, hepáticas15 ou cardíacas.

Feldene* supositórios não deve ser administrado a pacientes portadores de lesões16 inflamatórias do reto17 e ânus18, ou àqueles pacientes com história de sangramento retal ou anal.

O uso de Feldene* durante a gravidez19 não é recomendado. Informar o médico da ocorrência de gravidez19 durante o seu tratamento ou após o seu término.

O uso de Feldene* não é recomendado durante a amamentação20 uma vez que a segurança clínica ainda não foi estabelecida.

Feldene* não deve ser administrado em conjunto com ácido acetil-salicílico ou outros produtos antiinflamatórios.

Feldene* não é indicado para crianças menores de 12 anos.

Os supositórios de Feldene* estão acondicionados em embalagens plásticas que já saem da fábrica picotadas, facilitando o destaque de apenas um supositório do restante da embalagem. Para abrir o envelope plástico basta somente rasgar no local picotado liberando assim o supositório da embalagem.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

NÃO TOME REMÉDIOS SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE21.

                         

Informações Técnicas de Feldene

Ações de Feldene

Feldene* é um agente antiinflamatório não esteróide que possui também propriedades analgésicas e antipiréticas. Edema22, eritema23, proliferação tecidual, febre24 e dor podem ser inibidas em animais de laboratório pela administração de Feldene. É eficaz independentemente da etiologia25 da inflamação26. Enquanto seu mecanismo de ação não é totalmente conhecido, estudos isolados "in vitro" e "in vivo" têm mostrado que Feldene interage em vários passos da resposta imune e da inflamação26 através:

.da inibição da síntese de prostanóides, incluindo as prostaglandinas27, por inibição reversível da enzima28 ciclo-oxigenase;

.da inibição da agregação dos neutrófilos29;.da inibição da migração das células30 polimorfonucleares31 e monócitos32 para a área de inflamação26;
.da inibição da liberação de enzimas lisossomais de leucócitos33 estimulados;
.da inibição da formação do ânion superóxido pelo neutrófilo;
. da redução da produção do fator reumatóide sistêmico34 e sinovial em pacientes com artrite reumatóide35 soro36-positiva.

Ficou estabelecido que Feldene* não atua pela estimulação do eixo pituitário adrenal. Estudos "in vitro" não têm revelado qualquer efeito negativo sobre o metabolismo37 cartilaginoso.

Em estudos clínicos Feldene* mostrou-se eficaz como analgésico38 em dores de várias etiologias (pós-trauma, pós-episiotomia39 e pós-operatório). O início da analgesia é imediato.

Em dismenorréia40 primária os níveis aumentados de prostaglandinas27 endometriais causam hipercontratilidade uterina, resultando em isquemia41 uterina e consequente dor. Feldene*, como um potente inibidor da síntese das prostaglandinas27, tem mostrado reduzir esta hipercontratilidade uterina e ser eficaz no tratamento da dismenorréia40 primária.

Feldene é bem absorvido após a administração oral ou retal. Com a ingestão de alimentos pode haver uma leve demora na velocidade da absorção, porém não atinge a extensão da mesma.
A meia-vida plasmática de Feldene* é de aproximadamente 50 horas no homem, e concentrações plasmáticas estáveis são mantidas durante 24 horas com apenas uma administração diária.
Tratamento contínuo com 20 mg/dia, durante um ano, produz níveis sanguíneos similares aos conseguidos após alcançado o "steady state".
As concentrações plasmáticas da droga são proporcionais nas doses de 10 e 20 mg e geralmente alcançam o pico dentro de três a cinco horas após a administração. A dose única de 20 mg geralmente produz níveis de pico plasmático de piroxicam de 1,5 a 2 mcg/ml, enquanto que a concentração máxima plasmática da droga, após ingestão contínua de 20 mg de piroxicam, usualmente se estabiliza em 3 a 8 mcg/ml. A maioria dos pacientes alcança níveis plasmáticos estáveis dentro de 7 a 12 dias.

O tratamento com dose maciça de 40 mg/dia nos primeiros dois dias, seguida de 20 mg/dia nos dias subsequentes, permite uma alta porcentagem de alcance (aproximadamente 76%) dos níveis de "steady state" imediatamente após a segunda dose. Os níveis de "steady state", a área sob a curva e a meia-vida de eliminação são similares aos obtidos após administração de 20 mg diários.

O estudo comparativo da biodisponibilidade de doses múltiplas de piroxicam nas formas cápsulas e injetável mostrou que após a administração intramuscular de Feldene* o nível plasmático foi significantemente maior do que aqueles obtidos com ingestão de cápsula durante os 45 minutos após a administração no primeiro dia, durante os 30 minutos no segundo dia, e os 15 minutos no sétimo dia. As duas formulações são bioequivalentes.

                         
Um estudo comparativo da farmacocinética e biodisponibilidade de doses múltiplas diárias de piroxicam nas formas de comprimidos de dissolução instantânea e cápsulas, mostrou que após administração de doses únicas diárias durante 14 dias, os perfis dos tempos das concentrações plasmáticas médias de piroxicam para as duas formas farmacêuticas estudadas foram praticamente sobreponíveis. Não houve diferenças significantes entre dos valores médios de Cmax, Cmin, T1/2 e Tmax no "Steady State" (equilíbrio). Este estudo concluiu que Piroxicam comprimidos de dissolução instantânea é bioequivalente a cápsulas quando administrado em doses únicas diárias.
Estudos de doses únicas demonstraram bioequivalência quando os comprimidos de dissolução instantânea são administrados com ou sem água.

Feldene* é extensamente metabolizado sendo que menos de 5% da dose diária é excretada de forma inalterada na urina42 e fezes. Uma importante via metabólica é a hidroxilação do anel piridil de piroxicam, seguida por uma conjugação com ácido glicurônico e eliminação urinária.

Indicações de Feldene

Feldene* é indicado para uma variedade de condições que requeiram atividade antiinflamatória e/ou analgésica, tais como: artrite reumatóide35, osteoartrite43 (artrose44, doença articular degenerativa45), espondilite anquilosante, distúrbios músculo-esqueléticos agudos, gota46 aguda, dor pós-operatória e pós-traumática.

Está também indicado para o tratamento da dismenorréia40 primária em pacientes maiores de 12 anos.

Feldene* na forma solução intramuscular é indicado para o tratamento inicial de afecções47 agudas e exacerbações agudas de afecções47 crônicas.

                         

Contra-Indicações de Feldene

1. Úlcera péptica9 ativa. Hemorragia48 gastrintestinal intensa.

2. Pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade à droga. Há potencial de sensibilidade cruzada com ácido acetil-salicílico e outros antiinflamatórios não  esteroidais (AINEs).

3. Pacientes que desenvolveram asma10, pólipo49 nasal, angioedema50 ou urticária51 após o uso de ácido acetil-salicílico ou outros AINEs.

4. Feldene* supositório não deve ser usado em pacientes  com quaisquer lesões16 inflamatórias do reto17 e do ânus18, ou em pacientes  com história recente de sangramento anal ou retal.

                         

Advertências de Feldene

Uso na Gravidez19 e Lactação52:

Apesar de não terem sido observados efeitos teratogênicos53 em testes com animais, o uso de Feldene* durante a gravidez19 não é recomendado. Feldene* inibe a síntese e liberação das prostaglandinas27 através de uma inibição reversível da enzima28 ciclo-oxigenase. Este efeito, assim como ocorre com outros AINEs, tem sido associado a uma incidência54 maior de distócia e parto retardado em animais, quando a droga é administrada até o final da gravidez19. Drogas antiinflamatórias não esteroidais podem também induzir ao fechamento do ducto arterioso em crianças.

A presença de piroxicam no leite materno foi verificada durante tratamento inicial e tratamento de longa duração (52 dias). A concentração de piroxicam no leite materno mostrou-se aproximadamente 1% a 3% do plasma55. Durante o tratamento não houve acúmulo de piroxicam no leite em comparação ao do plasma55. Feldene* não é recomendado durante a lactação52, pois a segurança de seu uso em lactantes56 ainda não foi estabelecida.

Uso em Crianças:

Posologia e indicações para uso em crianças abaixo de 12 anos não foram ainda estabelecidas.

                         

Precauções de Feldene

Uma incidência54 pouco frequente de ulceração57 péptica, perfuração e sangramento gastrintestinal, em raros casos fatais, tem sido relatada com o uso de Feldene*. Em pacientes com história prévia de doença do trato gastrintestinal superior58 a droga deve ser administrada sob estreita supervisão médica.

Em raros casos AINEs podem causar nefrite59 intersticial60, glomerulite, necrose61 papilar e síndrome nefrótica62. AINEs inibem a síntese de prostaglandinas27 renais que servem para manter a perfusão renal63 em pacientes com fluxo renal63 e volume sanguíneo diminuídos. Nesses pacientes a administração de AINEs pode precipitar descompensação renal63, reversível após a suspensão do tratamento. Pacientes sob maiores riscos são aqueles com insuficiência cardíaca congestiva64, cirrose65 hepática66, síndrome nefrótica62 e doença renal63. Esses pacientes devem ser cuidadosamente monitorizados enquanto estiverem sendo tratados com AINEs.

Os AINEs podem causar retenção de sódio, potássio e água, e podem interferir com a ação natriurética de agentes diuréticos67. Estas propriedades devem ser lembradas em se tratando de pacientes com função cardíaca comprometida ou hipertensão68, uma vez que estes fatores poderão ser responsáveis pela piora das condições cardíacas do paciente.

                         

Para pacientes69 com Fenilcetonúria70: Feldene* comprimidos de dissolução instantânea 10 e 20 mg contém 0,070 e 0,140 mg de fenilalanina71, respectivamente, devido ao componente aspartame2 na sua fórmula.

Assim como ocorre com outros AINEs, sangramento tem sido relatado raramente com Feldene* quando administrado a pacientes recebendo anticoagulantes72 cumarínicos. Os pacientes devem ser monitorizados cuidadosamente quando Feldene* e anticoagulantes72 orais forem administrados concomitantemente.

Feldene*, assim como ocorre com outros AINEs, diminui a agregação plaquetária e prolonga o tempo de sangramento. Este efeito deve ser levado em conta sempre que o tempo de sangramento for determinado.

Como para outros AINEs, o uso de Feldene* em associação ao ácido acetil-salicílico, ou o uso de dois AINEs, não é recomendado, pois não existem dados adequados para se demonstrar que a combinação produza maior eficácia do que a conseguida com a droga em separado, e o potencial para efeitos colaterais73 é maior.

Relatos de alterações oculares encontradas com AINEs recomendam que pacientes que as desenvolvam durante o tratamento com Feldene * recebam avaliação oftalmológica.

Feldene* possui uma alta ligação protéica, e assim pode deslocar outras drogas ligadas às proteínas74. O médico deve estar atento para alterações na posologia quando administrar Feldene* a pacientes recebendo drogas de alta ligação protéica. Feldene*, assim como ocorre com outros AINEs, aumenta o "steady state" dos níveis plasmáticos do lítio. É recomendável que esses níveis sejam monitorizados quando a terapia com Feldene* for iniciada, ajustada ou descontinuada. Resultados de dois estudos mostraram um pequeno aumento na absorção de piroxicam após administração de cimetidina, mas não houve aumento significante nos parâmetros de eliminação. A cimetidina aumenta a área sob a curva (AUC 0-120 horas) e C.max de piroxicam em aproximadamente 13 a 15%. Não houve diferença significante nas constantes da taxa de eliminação e meia vida. O pequeno aumento na absorção não constitui significado clínico.

Estudos têm demonstrado que o uso concomitante de Feldene* e ácido acetil-salicílico resulta em redução dos níveis plasmáticos do piroxicam em cerca de 80% dos valores normais.

O uso concomitante de antiácidos75 não interfere com os níveis plasmáticos de piroxicam. O mesmo se pode dizer do uso com digoxina e digitoxina

                         

Reações Adversas de Feldene

Feldene* é em geral bem tolerado. Sintomas14 gastrintestinais são os mais frequentemente encontrados, apesar de na maioria dos casos não interferir com o curso da terapêutica76.

Estas reações incluem: estomatite77, anorexia78, desconforto epigástrico, náuseas79, constipação80, desconforto abdominal, flatulência, diarréia8, dor abdominal e indigestão. Sangramento gastrintestinal, perfuração e úlcera81 têm sido observados com o uso de Feldene* Avaliações objetivas da mucosa82 gástrica e da perda sanguínea intestinal mostram que 20 mg/dia de Feldene*, em doses únicas ou fracionadas, é significantemente menos irritante que o ácido acetil-salicílico. A administração prolongada de doses de 30 mg ou mais leva consigo um risco maior de efeitos colaterais73 gastrintestinais.

Edema22, principalmente de tornozelo, tem sido relatado em uma pequena porcentagem de casos.

Efeitos sobre o SNC83, tais como cefaléia84, tonturas85, sonolência, insônia, depressão, nervosismo, alucinações86, alterações de humor, pesadelo, confusão mental, parestesia87 e vertigem88, têm sido relatados raramente.

Edema22 dos olhos89, visão90 turva e irritações oculares podem ocorrer, apesar das avaliações oftalmológicas não revelarem alterações oculares. Mal-estar e tinitus podem também ocorrer.

Reações dérmicas de hipersensibilidade na forma de "rash91" cutâneo92 e prurido93 podem ocorrer.

Onicólise94 e alopecia95 têm sido raramente observadas. Reações de fotossensibilidade podem raramente estar associadas com a terapia. Assim, como durante o tratamento com outros AINEs, pode-se observar raros casos de necrose61 epidémica tóxica (Doença de Lyell) e Síndrome de Stevens-Johnson96. Reações vesículo-bolhosas têm sido raramente relatadas.

Reações de hipersensibilidade tais como anafilaxia97, broncoespasmo98, urticária51, angioedema50, vasculite99 e "doença do soro36" têm sido raramente relatadas.

No caso dos supositórios reações ano-retais, como dor local, ardor100, prurido93 e tenesmo101, têm sido relatadas. Raramente sangramento retal pode ocorrer.

Elevações reversíveis do BUN (nitrogênio uréico sanguíneo) e creatinina102 têm sido reportadas (veja o ítem "Precauções").

Poderá ocorrer diminuição na hemoglobina103 e no hematócrito104 sem associação com sangramento gastrintestinal. Anemia105, trombocitopenia106 e púrpura107 não trombocitopênica (Henoch-Schonlein), leucopenia108 e eosinofilia109 têm sido relatadas. Anemia105 aplástica e hemolítica e epistaxis têm sido raramente reportadas.

Alterações em diferentes parâmetros da função hepática66 têm sido observadas. Assim como ocorre com outros AINEs, alguns pacientes podem ter aumentados seus níveis de transaminase durante o tratamento com Feldene* Reações hepáticas15 severas, incluindo icterícia110 e casos fatais de hepatite111, têm sido relatadas com o uso de Feldene.* Embora tais reações tenham sido raras, se testes de função hepática66 anormal persistirem ou piorarem, se aparecerem sinais112 e sintomas14 clínicos consistentes com desenvolvimento de doença hepática66, ou se manifestações sistêmicas ocorrerem (ex.: eosinofilia109, "rash91", etc) o uso de Feldene.* deverá ser interrompido.

Raros casos de pancreatite113 tem sido relatados.

Palpitações114 e dispnéia115 têm sido raramente reportadas.

Casos esporádicos de anticorpos116 antinucleares (ANA) positivos e disfunção auditiva têm sido relatados.

Alterações metabólicas como hipoglicemia117, hiperglicemia118, aumento ou diminuição de peso podem ser raramente observadas.

Dor transitória no local da aplicação tem sido ocasionalmente relatada com o uso de Feldene.* solução intramuscular. Reações adversas locais, tais como sensação de queimação ou lesão119 tecidual (formação de abcesso estéril e necrose61 do tecido gorduroso120), poderão ocasionalmente ocorrer no local da injeção121.

                         

Posologia de Feldene

A. Artrite reumatóide35, osteoartrite43 (artrose44, doença articular degenerativa45) e espondilite anquilosante:

A dose inicial recomendada é de 20 mg ao dia, em dose única. A maioria dos pacientes será mantida com 20 mg ao dia. Um pequeno grupo pode ser mantido com 10 mg ao dia, enquanto outros poderão necessitar 30 mg em dose única ou fracionada.

A administração prolongada de doses de 30 mg ou mais leva consigo um risco maior de efeitos colaterais73 gastrintestinais.

B. Distúrbios músculo-esqueléticos agudos:

Deve-se iniciar com 40 mg ao dia nos primeiros dois dias em dose única ou fracionada. Para os restantes 7 a 14 dias, a dose deve ser de 20 mg ao dia.

C. Gota46 aguda:

Iniciar com uma única dose de 40 mg ao dia, seguida nos próximos 4 a 6 dias por 40mg/dia em dose única ou fracionada.

Feldene.* não está indicado para o tratamento prolongado da gota46.

D. Dor pós-traumática e pós-operatória:

Iniciar com 20 mg/dia em dose única. Em casos onde se deseja um efeito mais rápido, pode-se iniciar com 40 mg/dia nos dois primeiros dias, em dose única ou fracionada. Posteriormente a dose deve ser reduzida a 20 mg/dia.

                         
E. Dismenorréia40 primária:

Iniciar logo no começo do surgimento dos sintomas14 com 40 mg em dose única diária, nos dois primeiros dias do período menstrual e, se necessário, 20 mg/dia em dose única diária nos 3o, 4o e 5º dias.

                         
Cuidados de Administração:

Feldene* oral (cápsulas, comprimidos solúveis e comprimidos de dissolução instantânea):

Feldene*, nas formas comprimidos solúveis e cápsulas, pode ser deglutido diretamente com um pouco de líquido. Feldene*, na forma comprimidos solúveis, pode ainda ser dissolvido em um mínimo de 50 ml de água (1/4 a 1/2 copo de água). Feldene*SL na forma de comprimidos de dissolução instantânea pode ser deglutido diretamente com água, ou ainda colocado em baixo da língua4 ou na mesma para dissolver e então deglutido com a saliva ou água na forma de suspensão;
                       
Dissolve-se quase instantaneamente na boca5 na presença de água ou saliva.

Feldene* Supositórios: Para cada indicação a dosagem de Feldene* supositórios, quando usado sozinho, é idêntica à apresentação oral. Feldene* supositórios é uma via alternativa de administração para aqueles médicos que desejem prescrevê-lo a determinados pacientes, ou para aqueles pacientes que prefiram a forma supositórios.

Feldene* Solução Intramuscular: Feldene* na forma intramuscular é indicado para o tratamento inicial de afecções47 agudas e exacerbações agudas de afecções47 crônicas. Para continuação do tratamento poderão ser utilizadas as formas cápsulas, comprimidos solúveis, comprimidos de dissolução instantânea ou supositórios. A posologia de Feldene* solução intramuscular é idêntica à da formulação oral.

A aplicação de Feldene* solução intramuscular deverá ser feita usando-se a técnica asséptica em um músculo relativamente grande. O local ideal é o quadrante lateral superior da nádega (isto é, "gluteus maximus"). Assim como com outras injeções intramusculares, aspiração faz-se necessária para evitar injeção121 inadvertida em um vaso sanguíneo.

Administração Combinada:

É importante observar que a dose total diária administrada com Feldene* nas formas cápsulas, comprimidos solúveis, comprimidos de dissolução instantânea, supositórios ou intramuscular, não deve exceder a dose máxima total recomendada para cada indicação.

Conduta na Superdosagem de Feldene

Em caso de superdosagem com Feldene* recomenda-se tratamento sintomático122 e de observação.

Estudos têm mostrado que a administração de carvão ativado pode resultar em  uma menor absorção do piroxicam, reduzindo assim a quantidade total de droga ativa disponível.

                         

             

FELDENE - Laboratório

PFIZER
Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 1555
Guarulhos/SP - CEP: 07112-070
Tel: 0800-16-7575
Site: http://www.pfizer.com.br
CNPJ n° 46.070.868/0001-69

Ver outros medicamentos do laboratório "PFIZER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Aspartame: Adoçante com quase nenhuma caloria e sem valor nutricional.
3 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
4 Língua:
5 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
6 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
7 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
8 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
9 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
10 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
11 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
12 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
13 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
17 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
18 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
19 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
20 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
21 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
22 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
23 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
24 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
25 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
26 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
27 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
28 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
29 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
30 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
31 Polimorfonucleares: Na histologia, é o que possui o núcleo profundamente lobado, aparentando ser múltiplo. Está presente no sangue, com núcleo de forma irregular e grânulos citoplasmáticos (diz-se de leucócito).
32 Monócitos: É um tipo de leucócito mononuclear fagocitário, que se forma na medula óssea e é posteriormente transportado para os tecidos, onde se desenvolve em macrófagos.
33 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
34 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
35 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
36 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
37 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
38 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
39 Episiotomia: Corte cirúrgico feito no períneo (área entre a vagina e o ânus), realizado com anestesia local, se a mulher ainda não estiver anestesiada, para alargar o canal do parto e, supostamente, ajudar o nascimento do bebê.
40 Dismenorréia: Dor associada à menstruação. Em uma porcentagem importante de mulheres é um sintoma normal. Em alguns casos está associada a doenças ginecológicas (endometriose, etc.).
41 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
42 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
43 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
44 Artrose: Também chamada de osteoartrose ou processo degenerativo articular, resulta de um processo anormal entre a destruição cartilaginosa e a reparação da mesma. Entende-se por cartilagem articular, um tipo especial de tecido que reveste a extremidade de dois ossos justapostos que possuem algum grau de movimentação entre eles, sua função básica é a de diminuir o atrito entre duas superfícies ósseas quando estas executam qualquer tipo de movimento, funcionando como mecanismo de absorção de choque. O estado de hidratação da cartilagem e a integridade da mesma, é fator preponderante para o não desenvolvimento da artrose.
45 Degenerativa: Relativa a ou que provoca degeneração.
46 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
47 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
48 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
49 Pólipo: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
50 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
51 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
52 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
53 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
54 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
55 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
56 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
57 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
58 Trato Gastrintestinal Superior: O segmento do TRATO GASTROINTESTINAL que inclui o ESÔFAGO, o ESTÔMAGO e o DUODENO.
59 Nefrite: Termo que significa “inflamação do rim” e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
60 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
61 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
62 Síndrome nefrótica: Doença que afeta os rins. Caracteriza-se pela eliminação de proteínas através da urina, com diminuição nos níveis de albumina do plasma. As pessoas com síndrome nefrótica apresentam edema, eliminação de urina espumosa, aumento dos lipídeos do sangue, etc.
63 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
64 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
65 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
66 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
67 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
68 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
69 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
70 Fenilcetonúria: A Fenilcetonúria é uma doença genética caracterizada pelo defeito ou ausência da enzima fenilalanina hidroxilase (PAH). Esta proteína catalisa o processo de conversão da fenilalanina em tirosina. A tirosina está envolvida na síntese da melanina. Esta doença pode ser detectada logo após o nascimento através de triagem neonatal (conhecida como Teste do Pezinho). Nesta doença, alguns alimentos podem intoxicar o cérebro e causar um quadro de retardo mental irreversível. As crianças que nascem com ela têm um problema digestivo no fígado. Há um odor corporal forte e vômitos após as refeições. Seu tratamento consiste em retirar a fenilalanina da alimentação por toda a vida.
71 Fenilalanina: É um aminoácido natural, encontrado nas proteínas vegetais e animais, essencial para a vida humana.
72 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
73 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
74 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
75 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
76 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
77 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
78 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
79 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
80 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
81 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
82 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
83 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
84 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
85 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
86 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
87 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
88 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
89 Olhos:
90 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
91 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
92 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
93 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
94 Onicólise: Destruição da unha devido a infecções micóticas, bacterianas ou por processos tóxicos.
95 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
96 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
97 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
98 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
99 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
100 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
101 Tenesmo: Sensação constante de necessidade de esvaziar os intestinos, acompanhada de dor e esforço involuntário.
102 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
103 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
104 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
105 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
106 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
107 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
108 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
109 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
110 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
111 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
112 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
113 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
114 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
115 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
116 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
117 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
118 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
119 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
120 Tecido Gorduroso: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
121 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
122 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre FELDENE?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.