MAXITROL

ALCON

Atualizado em 09/12/2014

Maxitrol®

Dexametasona
Sulfato de Neomicina
Sulfato de Polimixina B
Suspensão Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Apresentação de Maxitrol

Frascos plásticos conta-gotas contendo 5 ml e bisnagas com 3,5 g.

Composições de Maxitrol

Suspensão Oftálmica:

Cada ml contém:

Dexametasona micronizada bifásica.................... 0,001 g
Sulfato de neomicina (equivalente a 3,5 mg da base).................... 0,005 g
Sulfato de polimixina B.................... 6000 UI
Hipromelose (Hidroxipropilmetilcelulose)....................0,005 g

Veículo constituído de cloreto de sódio, polissorbato 20, cloreto de benzalcônio como conservante e água purificada q.s.p. 1 ml

Pomada Oftálmica:

Cada g contém:

Dexametasona micronizada bifásica.................... 0,001 g
Sulfato de neomicina (equivalente a 3,5mg da base).................... 0,005 g
Sulfato de polimixina B.................... 6000 UI

Excipiente constituído de lanolina líqüida anidra, com metilparabeno e propilparabeno como conservantes e vaselina sólida q.s.p. 1 g

Indicações de Maxitrol

Nas condições inflamatórias oculares que respondam aos esteróides e onde exista infecção1 bacteriana ocular ou risco de infecção1.Os esteróides oculares são indicados nas condições inflamatórias das pálpebras2 e conjuntiva3 bulbar, córnea4 e segmento anterior do globo, onde se aceita o risco inerente ao uso de esteróides em certas conjuntivites5 infectadas para se obter diminuição do edema6 e inflamação7.
MAXITROL é também indicado na uveíte8 anterior crônica e traumas corneanos causados por queimaduras químicas, por radiação ou térmicas, e também em casos de corpo estranho.
O uso da combinação com antiinfeccioso é indicado onde o risco de infecção1 é grande ou quando se suspeita que um número de bactérias potencialmente perigoso estará presente no olho9.
MAXITROL é ativo contra Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Haemophilus influenzae, Klebsiella / Enterobacter sp, Neisseria sp e Pseudomonas aeruginosa.
Este produto não dá cobertura adequada contra Serratia marcescens e Streptococci, inclusive Streptococcus pneumoniae.

Contra-Indicações de Maxitrol

Ceratite epitelial por herpes simples (ceratite dendrítica), vaccinia, varicela10 e outras doenças virais da córnea4 e conjuntiva3.
lnfecções oculares por micobactérias. Doenças micóticas oculares.
Hipersensibilidade aos componentes da fórmula (a hipersensibilidade aos componentes antibióticos é mais comum que aos outros componentes).
O uso dessas associações é sempre contra-indicado após remoção não complicada de corpo estranho da córnea4.

Advertências de Maxitrol

NÃO DEVE SER INJETADO.

O uso prolongado pode suprimir a resposta do hospedeiro e, portanto, aumentar o perigo de infecções11 oculares secundárias.Nas doenças que causam adelgaçamento da córnea4 ou da esclera12 são conhecidos casos de perfuração com o uso de esteróides tópicos.
Em condições purulentas13 agudas dos olhos14, os esteróides podem mascarar infecção1 ou exacerbar infecções11 existentes. O emprego de esteróides no tratamento do herpes simples requer grande cautela.
Se o produto for utilizado por 10 dias ou mais, a pressão intra-ocular deve ser rotineiramente avaliada, embora isso se torne difícil no caso de crianças e pacientes que não colaboram. O uso prolongado pode resultar em glaucoma15 com dano ao nervo óptico, defeitos na acuidade e nos campos visuais e formação de catarata16 subcapsular posterior.
O sulfato de neomicina pode causar sensibilização cutânea17.

Precauções de Maxitrol

A repetição da prescrição inicial por mais de 20 ml no caso do colírio18 e 8 g no caso da pomada deve ser feita pelo médico somente após examinar o paciente com o auxílio de magnificação, tal como à biomicroscopia por lâmpada de fenda e, se necessário, por coloração com fluoresceína.
Deve-se considerar a possibilidade de infecções11 micóticas persistentes da córnea4 após administração prolongada de esteróides.
Uso em gestantes: Não se determinou a segurança do uso intensivo ou prolongado de esteróides tópicos em gestantes.

Reações Adversas de Maxitrol

Reações adversas têm ocorrido com a associação de agentes esteróides/antiinfecciosos que podem ser atribuídas ao componente esteróide, ao componente antiinfeccioso, ou à associação.A reação mais comum aos antiinfecciosos é a sensibilização.
As reações devidas ao componente esteróide são: elevação da pressão intra-ocular com possível desenvolvimento de glaucoma15 e dano ao nervo óptico. Formação de catarata16 subcapsular posterior e retarde na cicatrização.
Infecção1 secundária: Infecção1 secundária tem ocorrido após o uso de associações de esteróides e antimicrobianos. Como existe uma certa predisposição para o desenvolvimento de infecções11 corneanas micóticas concomitantemente ao tratamento prolongado com esteróide tópico19, deve-se considerar a possibilidade de invasão fúngica20 em qualquer ulceração21 corneana persistente onde se tenha usado medicação esteróide. Pode também ocorrer infecção1 bacteriana ocular secundária após supressão da resposta do hospedeiro.

Posologia e Administração de Maxitrol

Suspensão: AGITAR BEM ANTES DE USAR. Instilar 1 ou 2 gotas topicamente no saco conjuntival. Em casos graves, as gotas podem ser administradas de hora em hora, diminuindo-se gradativamente a dosagem até a interrupção quando se notar melhora da inflamação7.
Em casos leves, as gotas podem ser utilizadas de 4 a 6 vezes por dia.

Pomada: Aplicar aproximadamente de 1 a 1,5 cm da pomada no saco conjuntival 3 a 4 vezes por dia, ou a critério médico. Quando se observar uma resposta clínica satisfatória, a dose deve ser reduzida gradativamente até uma aplicação diária por vários dias.

Para maior comodidade, a suspensão pode ser usada durante o dia e a pomada à noite, ao deitar-se.

NÃO USE REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE22.

MAXITROL - Laboratório

ALCON
AV. N. SRA. DA ASSUNCAO, 736
SAO PAULO/SP - CEP: 05359001
Tel: (011 )268-7433
Fax: (011 )819-2171

Ver outros medicamentos do laboratório "ALCON"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Pálpebras:
3 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
4 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
5 Conjuntivites: Inflamações da conjuntiva ocular. Podem ser produzidas por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produzem vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
6 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
7 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
8 Uveíte: Uveíte é uma inflamação intraocular que compromete total ou parcialmente a íris, o corpo ciliar e a coroide (o conjunto dos três forma a úvea), com envolvimento frequente do vítreo, retina e vasos sanguíneos.
9 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
10 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Esclera: Túnica fibrosa, branca e opaca, mais externa do globo ocular, revestindo-o inteiramente com exceção do segmento revestido anteriormente pela córnea. É essencialmente avascular, porém contém aberturas para a passagem de vasos sanguíneos, linfáticos e nervos. Recebe os tendões de inserção dos músculos extraoculares e no nível da junção esclerocorneal contém o seio venoso da esclera. Sinônimos: Esclerótica
13 Purulentas: Em que há pus ou cheio de pus; infeccionadas. Que segrega pus. No sentido figurado, cuja conduta inspira nojo; repugnante, asqueroso, sórdido.
14 Olhos:
15 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
16 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
17 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
18 Colírio: Preparação farmacológica líquida na qual se encontram dissolvidas diferentes drogas que atuam na conjuntiva ocular.
19 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
20 Fúngica: Relativa à ou produzida por fungo.
21 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
22 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.

Tem alguma dúvida sobre MAXITROL?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.