ANGIOLONG AP

FARMALAB

Atualizado em 03/06/2015

angiolong ®
Cloridrato de diltiazem

Uso adulto

Formas Farmacêuticas e Apresentações de Angiolong Ap

Comprimidos de 30mg e 60mg: Embalagens com 20 e 50 unidades. Cada cápsula de liberação prolongada de 180 mg: Embalagens com 20 unidades. Cápsulas e Iiberação prolongada de 300mg: Embalagens com 10 unidades.

Composição de Angiolong Ap


ANGIOLONG 30 MG: Cada comprimido contém 30 mg  cloridrato de diltiazem. ANGIOLONG 60 MG: Cada comprimido contém 60 mg de cloridrato de diltiazem. ANGIOLONG AP 90MG: Cada cápsula contém 90 mg de cloridrato de diltiazem. ANGIOLONG AP 180 MG: Cada cápsula contém 180 mg de cloridrato de diltiazem.
ANGIOLONG AP 300 MG: Cada cápsula contém 300 mg de cloridrato de diltiazem.

Informações ao Paciente de Angiolong Ap

Armazenamento de Angiolong Ap

Conservar o produto em lugar fresco, ao abrigo da luz e umidade excessiva. Prazo de validade: 36 meses. Não uso medicamento com o prazo de validada vencido. Informar ao médico a ocorrência de gravidez1 na vigência do tratamento ou após seu término. O produto deverá ser administrado de acordo com a orientação dada pelo médico;  a interrupção do medicamento deverá somente ocorrer mediante orientação médica. Informar ao médico o aparecimento de reações desagradáveis tais como: edemas2, cefaléia3, náuseas4, tonturas5, erupções cutâneas6, sonolência, insônia, distúrbios gastrintestinais, queda de pressão arterial7 e diminuição da freqüência do pulso.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde8.

Informações Técnicas de Angiolong Ap


Diltiazem é uma droga do grupo dos antagonistas do cálcio. Sua ação se dá a nível dos canais lentos das membranas celulares miocárdicas e da musculatura lisa dos vasos, durante a fase de despolarização, provocando a inibição do influxo de cálcio. Na angina9 do peito10, por espasmos11 coronarianos seu efeito deve-se à dilatação específica das artérias12 coronarianas epicárdicas e subendocárdicas. Diltiazem proporciona aumento da tolerância ao exercício físico na angina9 de esforço, devido a redução do consumo de oxigênio do miocárdio13. Promove a redução da freqüência cardíaca e da tensão arterial sistêmica à sobrecarga física submáxima e máxima. Diltiazem, comparativamente a outros antagonistas do cálcio, apresenta um início de ação menos brusco, facilitando uma adequação posológica e melhor tolerabilidade geral. Diltiazem promove ainda uma diminuição de tensão arterial e da resistência

Indicações de Angiolong Ap

Comprimidos 30 mg e 60 mg: No tratamento da angina9 do peito10 vasospástica (de  repouso, com elevação do st, "angina9 de Prinzmetal"). Na angina9 do peito10 crônica, estável e de esforço. Nos estados anginosos  pós-infarto do miocárdio14. Nas coronariopatias isquêmicas com hipertensão arterial15 e (ou) taquicardia16. Cápsulas 90 mg e 180 mg: No tratamento da insuficiência17 coronariana (angina9 do peito10 crônica estável e de esforço; angina9 vasospástica - Prinzmetal; angina9 pós-infarto do miocárdio14) . Nas coronariopatias isquêmicas com hipertensão arterial15 e (ou) taquicardia16. Na hipertensão arterial15. Cápsulas 300 mg: No tratamento de hipertensão arterial15.

Contra-Indicação de Angiolong Ap


ANGIOLONG é contra-indicado na síndrome18 do nódulo sinusal19  bloqueio AV de 2º ou 3º graus, exceto em pacientes com marcapasso20 ventricular funcionante. Na hipotensão arterial21 (valor sistólico inferior a 90 mmHg). Na bradicardia22 acentuada (pulso inferior a 55 bpm). É também contra-indicado durante a gravidez1 ou em pacientes com possibilidade de engravidar, no período de lactação23 na infância. Em pacientes com função ventricular diminuída.

Advertências de Angiolong Ap

Condução cardíaca: Diltiazem prolonga o período refratário do nódulo AV24 sem significativo prolongamento do tempo de recuperação de nódulo sinusal19. Esse efeito poderá resultar raramente em freqüência cardíaca anormal (particularmente em pacientes com doença do nódulo sinusal19 ) ou bloqueio AV de 2º e 3º graus. O uso concomitante de diltiazem e betabloqueadores ou digitálicos pode ocasionar efeitos aditivos na condução cardíaca. Um paciente com angina9 de Prinzmetal desenvolve períodos de assistolia (2 a 5 segundos) após dose única de 60 mg de diltiazem. Insuficiência cardíaca congestiva25: Apesar de diltiazem ter efeito inotrópico negativos em preparação de tecido26 animal isolado, os estudos hemodinâmicos no homem, com função ventricular normal, não demonstraram uma redução no índice cardíaco nem efeitos negativos consistentes na contratilidade (dp/dt). Experiências com diltiazem, administrado exclusivamente ou associado a betabloqueadores, em pacientes com função ventricular debilitada, são muito limitadas. Nestes casos o uso do medicamento deve sedar com cautela. Hipotensão27: O decréscimo depressão arterial associado à terapia com diltiazem pode ocasionalmente resultar em hipotensão27 sintomática28. Danos hepáticos agudos: Em raros casos, têm-se observado elevação significante de enzimas tais como fosfatase alcalina29, CPK, LDH, SGPT, a outros sintomas30 consistentes e danos hepáticos agudos. Após a descontinuação da droga essas reações revertem. A relação desses sintomas30 com a droga à incerta em muitos casos, mas provável em alguns casos.

Precauções de Angiolong Ap


Gerais: Diltiazem é extensivamente metabolizado pelo fígado31 e excretado pelos rins32 e na bile33. Como algumas novas drogas administradas por períodos prolongados, os parâmetros laboratoriais devem ser monitorados em intervalos regulares. A droga pode ser utilizada com cautela em pacientes com disfunção hepática34 ou renal35. Em estudos de toxicidade36 subaguda37 crônica em ratos e cães, altas doses de diltiazem foram associadas a danos hepáticos. Em estudos de estados hepáticos subagudos especiais, doses orais acima de 125 mg/Kg, administradas em ratos, foram associadas a alterações histológicas38 no fígado31, que reverteram com a descontinuação. Em cães, doses de 20 mg/kg também foram associadas a alterações hepáticas39; no entanto, estas se reverterem com a descontinuação.

Interações Medicamentosas de Angiolong Ap

Estudos farmacológicos indicam que pode haver efeitos aditivos prolongando a condução AV quando diltiazem é utilizado concomitantemente a betabloqueadores ou digitálicos. Estudos clínicos controlados e não controlados sugerem  que essa associação é geralmente bem tolerada. Ou dados disponíveis, no entanto, são insuficientes para predizer os efeitos do tratamento, particularmente em pacientes com disfunção ventricular esquerda ou com anormalidades de condução cardíaca. Em voluntários sadios; diltiazem tem demonstrado aumento do nível sérico da digoxina em 20%. Carcinogênese, mutagênese, fertilidade: Um estudo de 24 meses com ratos o outros de 21 meses com camundongos não demonstraram evidências da carcinogenicidade. Em testes bacteriológicos in vitro também não houve resposta mutagênica. Não foram observados efeitos intrínsecos na fertilidade. Gravidez1: Foram desenvolvidos estudos de reprodução40 em ratos, camundongos e coelhos. A administração de doses cinco a dez vezes maiores que a recomendada diariamente resultaram em letalidade embrionária e fetal. Essas doses, em alguns estudos, foram associadas como causa de anormalidade  esqueléticas. Em estudos peri e pós-natal normalmente redução no peso e na proporção de filhotes sobreviventes. Houve um aumento da incidência41 de natimortos com doses, pelo menos, 20 vezes maiores que a humana. Não se realizaram estudos bem controlados com mulheres grávidas até o presente; assim sendo, recomenda-se o emprego de diltiazem, nestas casos, somente se o benefício justificar o potencial risco ao feto42. Mulheres no aleitamento: Diltiazem é excretado no leite humano. Um trabalho realizado sugere que a concentração da droga no leite pode se aproximar dos níveis séricos de diltiazem for considerado necessário, uma via alternativa de aleitamento deve ser instituída. Uso pediátrico: A segurança e a eficácia em crianças não foram estabelecidas.

Reações Adversas de Angiolong Ap


Reações adversas sérias têm sido raras nos estudos desenvolvidos até o momento; porém deve-se reconhecer que pacientes com função ventricular debilitada e com anormalidades de condução cardíaca têm sido excluídos desses estudos. Em testes clínicos controlados com placebo43 a incidência41 de reações adversas constatadas não se apresentou maior no grupo do diltiazem comparativamente ao placebo43. As ocorrências que em seguida relacionamos, observadas em estudos clínicos, podem ser derivadas da farmacologia44 de inibição do influxo de cálcio pela droga. Em muitos casos, não se tem estabelecida uma relação entre a droga e esses efeitos adversos. As ocorrências mais comuns são: edema45 (2,4%), cefaléia3 (2,1%), náusea46 (1,9%), tontura47 (1,5%), erupção48 (1,3%), astenia49 (1,2%). Os eventos que passamos a descrever em seguida não excederam a 1%. Cardiovascular: Angina9, arritmia50, bloqueio AV (1º grau), bloqueio AV (2º e 3º graus), bradicardia22, insuficiência17 cardíaco congestiva, rubor, hipotensão27, palpitações51, síncope52. Sistema nervoso53: Amnésia54, distúrbios da marcha, alucinações55, insônia, nervosismo, parestesia56, alteração de personalidade , sonolência, zumbido e tremor. Gastrintestinal: Anorexia57, constipação58, diarréia59, alteração do paladar60, dispepsia61, elevações ligeiras da fosfatase alcalina29, SGOT, SGPT e LDH, vômitos62, aumento de peso. Dermatológicos: Petéquias63, prurido64, fotossensibilidade, urticária65. Outros: Ambliopia66, dispnéia67, epistaxe68, irritação ocular, hipoglicemia69, congestão nasal, nicturia70, dor osteoarticular, poliúria71, dificuldades sexuais. Outros efeitos constatados infreqüentemente na prática clínica com o produto são: alopecia72, hiperplasia73 gengival, eritema multiforme74 e leucopenia75. No entanto, a relação de causa e efeito do produto com esses eventos deve ainda ser estabelecida.

Superdosagem de Angiolong Ap

Nos eventos de superdosagem ou respostas exageradas, medidas apropriadas de suporte devem ser empregadas, além da lavagem gástrica76. As seguintes medidas devem ser consideradas: Bradicardia22: Administrar atropina (0,6 a 1 mg). Não havendo resposta vagal, administrar isoproterenol, cautelosamente. Bloqueio AV de alto grau: Tratar como para bradicardia22. Deve ser tratado com marcapasso20 cardíaco. Insuficiência cardíaca77: Administrar agentes inotrópicos (isoproterenol, dopamina78 ou dobutamina) e diuréticos79. Hipotensão27: Vasopressores (dopamina78 ou bitartarato de levarterenol). O tratamento e a posologia devem ser determinados em função da severidade e da situação clínica, definidos pelo médico.

Posologia de Angiolong Ap


Angina9 "pectoris" de esforço devida a coronariopatia arteriosclerótica ou devida a espasmo80 arterial coronário: Comprimidos 30 mg 60 mg: A dose deve ser individualizada. Iniciando-se com 30 mg, quatro vezes ao dia, antes das refeições e ao deitar-se; a dose deverá ser aumentada gradualmente com intervalo de um ou dois dias, até a obtenção de uma resposta adequada. Cápsulas 90 mg: Uma a 2 cápsulas, 2 vezes ao dia. Cápsulas 180 mg: Uma cápsula, 1 a 2 vezes ao dia. A dose deverá ser aumentada gradualmente com intervalo de um ou 2 dias até a obtenção de uma resposta adequada. Hipertensão81: Cápsulas 300 mg; Uma cápsula, 1 vez ao dia. Cápsulas 90 mg: Uma a 2 cápsulas, 2 vezes ao dia. Cápsulas 180 mg: Uma cápsula, 1a 2 vezes ao dia. Apesar de, considerando-se as individualidades de cada paciente, haver respostas a vários níveis de dosagens, a dose média adequada parece estar compreendida entre 180  e 360 mg/dia. Não há dados disponíveis sobre a dosagem em pacientes com disfunção hepática34 ou renal35. Se estes necessitarem da droga, a posologia deverá ser definida com cautela. Uso concomitante com outros antianginosos: 1. Nitratos sublinguais: Podem ser administrados para a interrupção de ataques anginoso agudos, durante o tratamento com diltiazem. 2. Nitratos profiláticos: Diltiazem pode ser seguro quando administrado com nitratos de curta e longa duração; porém, não há estudos controlados para avaliar a eficácia desta combinação. 3. Betabloqueadores: Ver restrições e cuidados a serem considerados.

CARLO ERBA S.A.

ANGIOLONG AP - Laboratório

FARMALAB
Av. Brig. Faria Lima, 1734 - 2º e 3º and
São Paulo/SP - CEP: 01452-001
Tel: 55 (011) 867- 0012
Fax: 55 (011) 813-0500
Email: chiesi.brasil@ibm.net
Site: http://www.farmalabchiesi.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "FARMALAB"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
3 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
4 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
5 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
6 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
7 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
10 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
11 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
12 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
13 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
14 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
15 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
16 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
17 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
18 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
19 Nódulo Sinusal: Pequena massa de fibras musculares cardíacas modificadas, localizada na junção da VEIA CAVA SUPERIOR com o átrio direito. Os impulsos da contração provavelmente começam neste nó, propagam-se pelo átrio (ÁTRIO CARDÍACO) sendo então transmitidos pelo feixe de His (FEIXE ATRIOVENTRICULAR) para o ventrículo (VENTRÍCULO CARDÍACO).
20 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
21 Hipotensão arterial: Diminuição da pressão arterial abaixo dos valores normais. Estes valores normais são 90 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 50 milímetros de pressão diastólica.
22 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
23 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
24 Nódulo AV: Pequena massa nodular formada por fibras musculares especializadas que estão localizadas no septo interatrial próximo ao óstio do seio coronário. Dá origem ao feixe atriventricular do sistema de condução do coração.
25 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
26 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
27 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
28 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
29 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
30 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
31 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
32 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
33 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
34 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
35 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
36 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
37 Subaguda: Levemente aguda ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
38 Histológicas: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
39 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
40 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
41 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
42 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
43 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
44 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
45 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
46 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
47 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
48 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
49 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
50 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
51 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
52 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
53 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
54 Amnésia: Perda parcial ou total da memória.
55 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
56 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
57 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
58 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
59 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
60 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
61 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
62 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
63 Petéquias: Pequenas lesões da pele ou das mucosas, de cor vermelha ou azulada, características da púrpura. São lesões hemorrágicas, que não desaparecem à pressão, cujo tamanho não ultrapassa alguns milímetros.
64 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
65 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
66 Ambliopia: Ambliopia ou “olho preguiçoso” é um termo oftalmológico usado para definir a baixa visão que não é corrigida com óculos. Isso quer dizer que a causa desse déficit não está especificamente no olho, mas sim na região cerebral que corresponde à visão e que não foi devidamente estimulada no momento certo (“o olho não aprende a ver”). Afeta 1 a 2% da população, sendo a principal causa de baixa visão nas crianças. É um problema que pode passar despercebido pela criança ou pelos pais, por isso as triagens visuais para as crianças são tão importantes.
67 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
68 Epistaxe: Hemorragia de origem nasal.
69 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
70 Nictúria: Aumento da eliminação de urina durante a noite. Pode ser um sinal de insuficiência cardíaca, doença renal ou distúrbios edematosos.
71 Poliúria: Diurese excessiva, pode ser um sinal de diabetes.
72 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
73 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
74 Eritema multiforme: Condição aguda, auto-limitada, caracterizada pelo início abrupto de pápulas vermelhas fixas simétricas, algumas evoluindo em lesões em forma de “alvo”. A lesão alvo são zonas concêntricas de alterações de coloração com a área central púrpura ou escura e a externa vermelha. Elas irão desenvolver vesícula ou crosta na zona central após vários dias. Vinte porcento de todos os casos ocorrem na infância.O eritema multiforme geralmente é precipitado pelo vírus do herpes simples, Mycoplasma pneumoniae ou histoplasmose.
75 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
76 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
77 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
78 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
79 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
80 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
81 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.

Tem alguma dúvida sobre ANGIOLONG AP?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.