Preço de Carbolitium em Fairfield/SP: R$ 17,64

Carbolitium

EUROFARMA

Atualizado em 03/06/2015

Carbolitium

carbonato de lítio

Forma Farmacêutica e Apresentação de Carbolitium

Comprimidos revestidos, 300 mg. Cartucho contendo 50 comprimidos revestidos.

USO ADULTOUSO ORAL

Composição de Carbolitium

Cada comprimido revestido contém:
carbonato de lítio .................... 300 mg
Excipiente q.s.p. .................... 1 comprimido revestido
Excipientes: amido, estearato de magnésio, laurilsulfato de sódio, povidone, glicolato amido sódico, dióxido de titânio, talco, goma laca, hipromelose e macrogol.

Informações ao Paciente de Carbolitium

AÇÃO ESPERADA DO MEDICAMENTOO Carbolitium (carbonato de lítio) é indicado no tratamento de episódios maníacos nos transtornos bipolares; no tratamento de manutenção de indivíduos com transtorno bipolar, diminuindo a freqüência dos episódios maníacos e a intensidade destes quadros; na profilaxia da mania recorrente; prevenção da fase depressiva e tratamento de hiperatividade psicomotora1.
Na ação clínica do lítio, salientam-se as seguintes características:
a) Controle relativamente rápido da crise maníaca (5 a 10 dias);
b) Ausência de qualquer efeito narcótico ou hipnótico;
c) Controle ambulatorial do paciente após a estabilidade inicial;
d) Possibilidade de completo retorno à vida anterior, ativa e útil;
A medicação com o lítio apresenta ainda os seguintes fatores de segurança:
a) Ausência de efeitos tóxicos , sob condições de controle;
b) Ausência de toxicomania ou de reação de abstinência.

CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO
Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C). Proteger da umidade.

PRAZO DE VALIDADE
Desde que observados os devidos cuidados de conservação o prazo de validade de Carbolitium (carbonato de lítio) é de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa.

NÃO USE O MEDICAMENTO COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.

GRAVIDEZ2 E LACTAÇÃO3
Informar ao médico a ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se está amamentando.
CUIDADOS DE ADMINISTRAÇÃO
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde4. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico, somente o médico poderá avaliar a eficácia da terapia. A interrupção do tratamento pode ocasionar a não obtenção dos resultados esperados.
Se houver esquecimento, recomenda-se o seguinte esquema: até 3 horas ou menos, tomar a dose normal. Acima de 3 horas, reiniciar o tratamento no próximo horário programado. Seu nível sangüíneo adequado será alcançado novamente em pouco tempo. Nunca dobre uma dose do produto para alcançar a que havia sido esquecida. Isto pode levar a elevação grave de lítio nos níveis sangüíneos.

REAÇÕES ADVERSAS
Informe ao seu médico o aparecimento de qualquer reação desagradável ou efeitos colaterais5, tais como: aumento exagerado do volume urinário, ganho anormal de peso, insônia, cansaço, diminuição da velocidade de pensamento, sensação de frio, alterações menstruais, dor de cabeça6 e dores musculares.

INGESTÃO CONCOMITANTE COM OUTRAS SUBSTÂNCIAS
Durante o tratamento com o produto o paciente deverá evitar quantidade exagerada de café, chá ou outras bebidas com cafeína, pois a cafeína provoca perda de água e pode agravar as reações secundárias provocadas pela litioterapia.

CONTRA-INDICAÇÕES E PRECAUÇÕES
O uso deste medicamento é contra indicado em caso de hipersensibilidade ao carbonato de lítio e/ ou demais componentes da formulação. Não deve ser usado durante a gravidez2 e período de aleitamento. O Carbolitium (carbonato de lítio) não deve ser administrado em pacientes portadores de doenças renais e cardiovasculares, em indivíduos debilitados ou desidratados, em quadros de depleção7 de sódio, em indivíduos com uso de diuréticos8, pois o risco de intoxicação se eleva nestes pacientes. Porém se, a critério médico o risco for menor do que os benefícios do seu uso, o Carbolitium (carbonato de lítio) deve ser administrado com muita precaução, incluindo dosagens séricas freqüentes e ajuste de doses abaixo das habituais. Em alguns casos indica-se a hospitalização do paciente.
Para manter o nível de água no organismo durante o tratamento com o produto, recomenda-se beber pelo menos 1 a 1 e 1/2 litro de líquido por dia e dieta normal de sal.
O Carbolitium (carbonato de lítio) pode prejudicar a realização de atividades que requerem alerta. Operadores de máquinas devem ser orientados quanto aos efeito do lítio e alteração de consciência. Evite dirigir automóveis ou operar máquinas complexas até a comprovação de que o Carbolitium®(carbonato de lítio) não compromete o desempenho funcional.
Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Informações Técnicas de Carbolitium

Características de Carbolitium

O carbonato de lítio é um pó cristalino9 branco, inodoro, de sabor levemente alcalino. Cada grama10 representa 27mEq de lítio.Estudos pré-clínicos mostraram que o lítio altera o transporte do sódio nas células nervosas11 e musculares provocando uma alteração no metabolismo12 intraneural das catecolaminas, porém o mecanismo específico de ação do lítio no tratamento da mania é desconhecido.
Apesar do lítio restabelecer o humor nos transtornos bipolares, o paciente tem reações emocionais normais e pode sentir ou não pequenas interferências com a capacidade física e mental.
Os íons13 lítio são rápida e quase completamente absorvidas no trato gastrintestinal. A absorção completa ocorre em cerca de 8 horas, com pico de concentração ocorrendo duas a quatro horas após a dose oral.

Indicações de Carbolitium

O Carbolitium (carbonato de lítio) é indicado no tratamento de episódios maníacos nos transtornos bipolares; no tratamento de manutenção de indivíduos com transtorno bipolar, diminuindo a freqüência dos episódios maníacos e a intensidade destes quadros; na profilaxia da mania recorrente; prevenção da fase depressiva e tratamento de hiperatividade psicomotora1.
Quando dado a um paciente em episódio maníaco, o Carbolitium pode normalizar os sintomas14 num período que varia de 1 a 3 semanas.

Contra-Indicações de Carbolitium

O USO DESTE MEDICAMENTO É CONTRA INDICADO EM CASO DE HIPERSENSIBILIDADE AO CARBONATO DE LÍTIO E/ OU DEMAIS COMPONENTES DA FORMULAÇÃO. NÃO DEVE SER USADO DURANTE A GRAVIDEZ2 E PERÍODO DE ALEITAMENTO. O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) NÃO DEVE SER ADMINISTRADO EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS RENAIS E CARDIOVASCULARES, EM INDIVÍDUOS DEBILITADOS OU DESIDRATADOS, EM QUADROS DE DEPLEÇÃO7 DE SÓDIO, EM INDIVÍDUOS COM USO DE DIURÉTICOS8, POIS O RISCO DE INTOXICAÇÃO SE ELEVA NESTES PACIENTES. PORÉM SE, A CRITÉRIO MÉDICO O RISCO FOR MENOR DO QUE OS BENEFÍCIOS DO SEU USO, O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) DEVE SER ADMINISTRADO COM MUITA PRECAUÇÃO, INCLUINDO DOSAGENS SÉRICAS FREQÜENTES E AJUSTE DE DOSES ABAIXO DAS HABITUAIS. EM ALGUNS CASOS INDICA-SE A HOSPITALIZAÇÃO DO PACIENTE.

Precauções e Advertências de Carbolitium

O LÍTIO PODE CAUSAR MÁ FORMAÇÃO FETAL QUANDO ADMINISTRADO À MULHERES GRÁVIDAS. HÁ RELATOS DO LÍTIO TER CAUSADO EFEITOS ADVERSOS NA FASE DE NIDAÇÃO15 EMBRIONÁRIA EM RATOS, VIABILIDADE EMBRIONÁRIA EM CAMUNDONGOS E NO METABOLISMO12 IN VITRO DOS TESTÍCULOS16 DE RATOS E ESPERMATOZÓIDES17 HUMANOS. ESTUDOS EM RATOS, COELHOS E MACACOS COMPROVAM O EFEITO TERATOGÊNICO18 DO LÍTIO. DADOS SUGEREM UM AUMENTO NO NÚMERO DE ANOMALIAS CARDÍACAS, ENTRE OUTRAS, AO NASCIMENTO, CAUSADAS PELO LÍTIO, ESPECIALMENTE A ANOMALIA DE EBSTEIN. SE A MULHER ENGRAVIDAR DURANTE O TRATAMENTO COM O LÍTIO, ELA DEVE ESTAR CIENTE DOS POTENCIAIS RISCOS PARA O FETO19. A LITIOTERAPIA DEVE SER RETIRADA DURANTE O PRIMEIRO TRIMESTRE DE GRAVIDEZ2, SE POSSÍVEL, A MENOS QUE ISSO DETERMINE UM SÉRIO DANO PARA A MULHER. UMA VEZ QUE O LÍTIO É EXCRETADO NO LEITE, TAMBÉM NÃO É ACONSELHÁVEL A AMAMENTAÇÃO20 NATURAL.
A TERAPIA CRÔNICA COM O LÍTIO PODE DETERMINAR A DIMINUÍÇÃO DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO RENAL21, PRESENTE NA DIABETES INSIPIDUS22 LEVANDO A POLIÚRIA23 E POLIDIPSIA24. ESTES PACIENTES DEVEM SER MONITORADOS COM CUIDADO PARA EVITAR A DESIDRATAÇÃO25 E OS RISCOS DA INTOXICAÇÃO PELO LÍTIO.
ESTA CONDIÇÃO GERALMENTE É REVERTIDA COM A RETIRADA DO LÍTO.
ALTERAÇÕES NA MORFOLOGIA DOS GLOMÉRULOS26, FIBROSE27 INTERSTICIAL28 E ATROFIA29 DOS NEFRONS30 SÃO OBSERVADAS DURANTE A TERAPIA CRÔNICA COM O LÍTIO. ESTAS ALTERAÇÕES TAMBÉM SÃO OBSERVADAS EM INDIVÍDUOS BIPOLARES QUE NUNCA FORAM EXPOSTOS AO TRATAMENTO COM O LÍTIO. A RELAÇÃO ENTRE FUNÇÃO RENAL21, ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS E A ASSOCIAÇÃO DESTAS COM A LITIOTERAPIA NÃO ESTÁ
BEM ESTABELECIDA. O QUE SE SABE É QUE O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO), QUANDO EM DOSES TERAPÊUTICAS NÃO ESTÁ ASSOCIADO À DOENÇAS RENAIS TERMINAIS. PARA AVALIAR A FUNÇÃO RENAL21, ANÁLISES URINÁRIAS DE ROTINA DEVEM SER REALIZADAS ANTES DO INÍCIO DO TRATAMENTO E NA FASE DE MANUTENÇÃO. PODE SE MONITORAR A FUNÇÃO TUBULAR ATRAVÉS DE TESTES DA CONCENTRAÇÃO URINÁRIA E A FUNÇÃO GLOMERULAR ATRAVÉS DA DOSAGEM DE CREATININA31. ALTERAÇÕES SÚBITAS OU PROGRESSIVAS DA FUNÇÃO RENAL21, DURANTE O USO DO LÍTIO, DEVEM LEVAR A REAVALIAÇÃO DO TRATAMENTO.
A TOXICIDADE32 DO LÍTIO ESTÁ RELACIONADA COM OS SEUS NÍVEIS SÉRICOS E OCORRE PRÓXIMO ÀS DOSES TERAPÊUTICAS (VIDE ÍTEM POSOLOGIA).
O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) É EXCRETADO QUASE QUE EXCLUSIVAMENTE ATRAVÉS DA URINA33 COM INSIGNIFICANTE ELIMINAÇÃO PELAS FEZES. A EXCREÇÃO RENAL21 DO LÍTIO É PROPORCIONAL À SUA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA. A MEIA VIDA DE ELIMINAÇÃO DO LÍTIO É DE APROXIMADAMENTE 24 HORAS. O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) DIMINUI A REABSORÇÃO DE SÓDIO NOS TÚBULOS RENAIS PODENDO LEVAR À DEPLEÇÃO7 DO SÓDIO. PORTANTO, É ESSENCIAL QUE O PACIENTE MANTENHA UMA DIETA NORMAL, INCLUINDO A INGESTA DE SAL E ADEQUADA INGESTÃO LÍQUIDA (2-3 L/DIA) PELO MENOS DURANTE O PERÍODO DE ESTABILIZAÇÃO DO TRATAMENTO. A DEPLEÇÃO7 DO CLORETO DE SÓDIO EM UMA DIETA BAIXA EM SAL AUMENTA A TOXICIDADE32 DO LÍTIO. DIMINUIÇÃO DA TOLERÂNCIA AO LÍTIO PODE SER OCASIONADA POR QUADROS INFECCIOSOS COM TEMPERATURA ELEVADA, SUDORESE34 PROLONGADA OU DIARRÉIA35 E, CASO OCORRAM, DEVE-SE AUMENTAR A INGESTÃO DE LÍQUIDOS E SAL. UMA INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA DA LITIOTERAPIA PODE SER NECESSÁRIA.
DOENÇAS NA TIREÓIDE PRÉVIAS NÃO NECESSARIAMENTE CONSTITUEM UMA CONTRAINDICAÇÃO AO USO DO LÍTIO; EM CASOS DE HIPOTIREOIDISMO36, MONITORAÇÃO CUIDADOSA DA FUNÇÃO TIREOIDEANA DURANTE AS FASES DE ESTABILIZAÇÃO E DE MANUTENÇÃO DA LITIOTERAPIA, PERMITEM A CORREÇÃO DAS ALTERAÇÕES TIREOIDEANAS, QUANDO OCORREREM. SE O HIPOTIREOIDISMO36 OCORRER DURANTE A FASE DE ESTABILIZAÇÃO OU DE MANUTENÇÃO, HORMÔNIOS TIREOIDEANOS SUPLEMENTARES PODEM SER UTILIZADOS. O LÍTIO NÃO PROVOCA OU LEVA À DEPENDÊNCIA.

Interações Medicamentosas de Carbolitium

À SEMELHANÇA DE OUTROS FÁRMACOS UTILIZADOS PARA ESTA ESPECIALIDADE, O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) PODE SOFRER INTERAÇÃO ADVERSA COM OUTROS MEDICAMENTOS EM ALGUNS PACIENTES.HALDOL: SÍNDROME37 CEREBRAL CARACTERIZADA POR FRAQUEZA, LETARGIA38, FEBRE39, TREMORES, CONFUSÃO MENTAL, SINTOMAS14 EXTRAPIRAMIDAIS, LEUCOCITOSE40, ELEVAÇÃO DE ENZIMAS SÉRICAS SEGUIDA DE DANOS CEREBRAIS IRREVERSÍVEIS PODEM OCORRER EM ALGUNS PACIENTES QUE UTILIZAM O HALDOL EM ASSOCIAÇÃO COM O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) PORÉM, A RELAÇÃO CAUSAL ENTRE ESTA ASSOCIAÇÃO E ESTES EVENTOS NÃO ESTÁ BEM ESTABELECIDA. ESTES PACIENTES DEVEM SER MONITORADOS E EVIDÊNCIAS DE TOXICIDADE32 NEUROLÓGICA DEVEM LEVAR A INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO ASSIM QUE ESSES SINAIS41 FOREM IDENTIFICADOS.
A POSSIBILIDADE DE INTERAÇÕES ADVERSAS SEMELHANTES COM OUTROS ANTIPSICÓTICOS EXISTE.
O CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO ) PODE PROLONGAR OS EFEITOS DE AGENTES BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES E, PORTANTO ESTES AGENTES DEVEM SER ADMINISTRADOS CUIDADOSAMENTE A PACIENTES EM LITIOTERAPIA.
INDOMETACINA E PIROXICAM: PODEM LEVAR A UM AUMENTO SIGNIFICATIVO DOS NÍVEIS PLASMÁTICOS DO LÍTIO. EM ALGUNS CASOS A TOXICIDADE32 DO LÍTIO PODE ESTAR RELACIONADA A ESTE TIPO DE INTERAÇÃO. AGENTES INFLAMATÓRIOS NÃO HORMONAIS DEVEM SER ADMINISTRADOS COM O CONTROLE RIGOROSO DA LITEMIA.
CUIDADOS DEVEM SER TOMADOS QUANDO DA ASSOCIAÇÃO DO CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) COM FENILBUTAZONA, DIURÉTICOS8 COMO HIDROCLOROTIAZIDA E CLORTIAZIDA, OU INIBIDORES DA CONVERSÃO DA ANGIOTENSINA, POIS A PERDA DE SÓDIO PODE DIMINUIR O CLEARENCE RENAL21 DO LÍTIO AUMENTANDO A SUA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA A NÍVEIS TÓXICOS. QUANDO HOUVER ESTAS ASSOCIAÇÕES, AS DOSES DO CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) DEVEM SER DIMINUÍDAS E SEUS NÍVEIS SÉRICOS DETERMINADOS COM MAIOR FREQÜÊNCIA.

Reações Adversas de Carbolitium

A TOXICIDADE32 DO LÍTIO ESTÁ DIRETAMENTE RELACIONADO ÀS SUAS CONCENTRAÇÕES PLASMÁTICAS. NÍVEIS SÉRICOS ACIMA DE 1,5 MEQ/L REPRESENTAM MAIORES RISCOS DE TOXICIDADE32, EMBORA PACIENTES SENSÍVEIS POSSAM APRESENTAR ESTES QUADROS COM LITEMIA INFERIOR A 1,5 MEQ/L.
DIARRÉIA35, VÔMITOS42, SONOLÊNCIA, FRAQUEZA MUSCULAR E ALTERAÇÕES DA COORDENAÇÃO PODEM SER OS SINAIS41 PRECOCES DE UMA INTOXICAÇÃO POR CARBOLITIUM (CARBONATO DE LÍTIO) E PODEM OCORRER COM LITEMIA INFERIOR A 2,0 MEQ/L. EM NÍVEIS PLASMÁTICOS SUPERIORES, TONTURA43, ATAXIA44, VISÃO45 BORRADA, ZUMBIDOS E DIMINUIÇÃO DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO URINÁRIA PODEM SER OBSERVADOS. LITEMIAS ACIMA DE 3,0 MEQ/L PODEM PRODUZIR QUADROS CLÍNICOS COMPLEXOS ENVOLVENDO MÚLTIPLOS ÓRGÃOS E SISTEMAS.
TREMORES FINOS DAS MÃOS46, POLIÚRIA23 E SEDE MODERADA PODEM OCORRER DURANTE O INÍCIO DA TERAPIA NA MANIA AGUDA E PODEM PERSISTIR DURANTE TODO O TRATAMENTO. NÁUSEAS47 TRANSITÓRIAS E MODERADAS, ALÉM DE MAL ESTAR GERAL, PODEM APARECER DURANTE OS PRIMEIROS DIAS DA LÍTIOTERAPIA. ESTES EFEITOS SÃO MAIS UMA INCONVENIÊNCIA DO QUE UMA CONDIÇÃO MÓRBIDA E DEVEM SER ORIENTADOS COMO TAL. PORÉM SE PERSISTIREM, A DIMINUÍÇÃO DA DOSE OU ATÉ A INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO PODEM ESTAR INDICADOS.
AS SEGUINTES REAÇÕES ADVERSAS DO LÍTIO APARENTEMENTE NÃO ESTÃO DIRETAMENTE RELACIONADAS COM OS NÍVEIS SÉRICOS:
NEUROMUSCULAR: TREMORES, HIPEREXCITABILIDADE MUSCULAR (FASCICULAÇÕES48, MOVIMENTOS CLÔNICOS NOS MEMBROS), ATAXIA44, MOVIMENTOS CORÊICOS, HIPERREFLEXIA49 EM TENDÕES50 PROFUNDOS.
SISTEMA NERVOSO CENTRAL51: PERDA SÚBITA DE CONSCIÊNCIA PODE OCORRER, CONVULSÕES EPILEPTIFORMES, FALA PASTOSA, TONTURA43, VERTIGEM52, INCONTINÊNCIA URINÁRIA53 OU FECAL, SONOLÊNCIA, RETARDO PSICOMOTOR54, FADIGA55, CONFUSÃO, ESTUPOR, COMA56, DISTONIA57 AGUDA, NISTAGMO58.
CARDIOVASCULAR: ARRITMIA59 CARDÍACA, HIPOTENSÃO60, ALTERAÇÃO DA CIRCULAÇÃO61 PERIFÉRICA, BRADICARDIA62 SINUSAL SEGUIDA DE SÍNCOPE63.
NEUROLÓGICA: AUMENTO DA PRESSÃO INTRACRANIANA FORAM RELATADOS NA VIGÊNCIA DO USO DE LÍTIO.
SE NÃO DETECTADA, ESTA CONDIÇÃO PODE LEVAR AO ESTREITAMENTO DO CAMPO VISUAL64 E EVENTUAL AMAUROSE DECORRENTE DA ATROFIA29 DO NERVO ÓPTICO. O TRATAMENTO COM O LÍTIO DEVE SER INTERROMPIDO SE ISTO OCORRER.
GASTROINTESTINAL: ANOREXIA65, NÁUSEAS47 VÔMITOS42 E DIARRÉIA35.
GENITOURINÁRIO: ALBUMINÚRIA66, OLIGÚRIA67, POLIÚRIA23, GLICOSÚRIA68.
DERMATOLÓGICA: RESSECAMENTO E QUEDA DE CABELO69, CINESTESIAS, FOLICULITE, RESSECAMENTO DA PELE70 E EXACERBAÇÃO DA PSORÍASE71.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO72: VISÃO45 BORRADA E BOCA73 SECA.
ANORMALIDADES NA TIREÓIDE: BÓCIO74 EUTIREOIDEANO E/OU HIPOTIREOIDISMO36 (INCLUSIVE MIXEDEMA75) ACOMPANHADOS DA DIMINUIÇÃO DE T3 E T4 . PARADOXALMENTE CASOS RAROS DE HIPERTIREOIDISMO76
FORAM RELATADOS.
ALTERAÇÕES ELETROENCEFALOGRÁFICAS: LENTIFICAÇÃO DIFUSA, ALARGAMENTO DO ESPECTRO DE FREQÜÊNCIA, POTENCIAÇÃO E DESORGANIZAÇÃO DO RITMO PRÉVIO.
ALTERAÇÕES ELETROCARDIOGRÁFICAS: ACHATAMENTO77 REVERSÍVEL, ISOELETRICIDADE OU INVERSÃO DA ONDA T.
OUTRAS ALTERAÇÕES: FADIGA55, LETARGIA38, ESCOTOMAS78 TRANSITÓRIOS, DESIDRATAÇÃO25, PERDA DE PESO, SONOLÊNCIA. REAÇÕES ADVERSAS NÃO RELACIONADAS ÀS DOSES DO LÍTIO: ALTERAÇÕES ELETROENCEFALOGRÁFICA E ELETROCARDIOGRÁFICAS TRANSITÓRIAS, LEUCOCITOSE40, CEFALÉIA79, BÓCIO74 DIFUSO NÃO-TÓXICO COM OU SEM HIPOTIREOIDISMO36, HIPERGLICEMIA80 TRANSITÓRIA, PRURIDO81 GENERALIZADO COM OU SEM RASH82 CUTÂNEO83, ÚLCERAS84 CUTÂNEAS85, ALBUMINÚRIA66, AGRAVAMENTO DE SÍNDROMES CEREBRAIS ORGÂNICAS, GANHO DE PESO EXCESSIVO, EDEMA86 EM PUNHOS E TORNOZELOS, POLIÚRIA23, DIABETES INSIPIDUS22 E GOSTO METÁLICO. UM CASO DE SÍNDROME37 DE RAYNAUD (RESFRIAMENTO DOS DEDOS DAS MÃOS46 E DOS PÉS ACOMPANHADO DE DOR) FOI RELATADO UM DIA APÓS O INÍCIO DO TRATAMENTO COM O LÍTIO. APÓS A INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO HOUVE RESCIDIVA DO QUADRO.

Posologia de Carbolitium

Mania Aguda: Doses a partir de 600 mg ao dia. As doses devem ser ajustadas individualmente de acordo com os níveis séricos e resposta clínica. No tratamento agudo87 da mania recomenda-se litemias entre 0,8 e 1,4 mEq/l, o que equivale a 900 a 2400 mg/dia em dose fracionada 2 vezes ao dia. A dose única não é recomendada no início do tratamento ou quando são necessárias doses superiores a 1800 mg. Litemias devem ser determinadas 2 vezes por semana na fase aguda do tratamento e até que o quadro clínico do paciente esteja estabilizado.Fase de Manutenção: Para a fase de profilaxia os níveis séricos do lítio podem ser reduzidos para uma faixa de 0,6 a 1,0 mEq/l (600 a 1200 mg/dia) Litemias devem ser colhidas em intervalos de pelo menos 2 meses.
Pacientes sensíveis ao lítio podem exibir sinais41 de toxicidade32 em concentrações entre 1,0 e 1,5 mEq/l. Pacientes idosos geralmente respondem bem a doses mais baixas e podem apresentar toxicidade32 em doses geralmente bem toleradas por outros pacientes.
As amostras de sangue88 devem ser colhidas de 8 a 12 horas após a última tomada e antes da seguinte.
O produto exige um controle da litemia (nível plasmático de lítio), pois é através dele que chegamos ao nível terapêutico, porém, as litemias são apenas referências. As doses devem ser ajustadas individualmente seguindo critérios de eficácia e tolerância.

Superdosagem de Carbolitium

Níveis tóxicos do lítio estão próximos a níveis terapêuticos. Os pacientes e seus familiares devem estar atentos a sintomas14 precoces de intoxicação, interrompendo o uso da droga e informando o seu médico imediatamente. (VIDE ÍTEM REAÇÕES ADVERSAS).
Não há antídoto89 específico para o lítio. Sintomas14 precoces de intoxicação podem ser tratados com a interrupção do tratamento e sua reintrodução 24 a 48 horas depois com diminuição da dose.
Nos casos mais graves, o tratamento tem como objetivo depurar o organismo do íon90, como lavagem gástrica91, correção do balanço hidroeletrolítico92 e regulação da função renal21. Uréia93, manitol e aminofilina aumentam a excreção do lítio.
A diálise94 é provavelmente o meio mais eficaz de remover-se o íon90 do organismo e deverá ser levado em conta no caso de superdosagem. A hemodiálise95 pode ser realizada em pacientes graves. Profilaxia de quadros infecciosos, RXs e preservação de uma boa oxigenação são essenciais.

Condutas Gerais e Específicas
Testes laboratoriais são necessários antes de iniciar-se a litioterapia, para certificar-se de um uso seguro e para determinar os sistemas funcionais basais do organismo. Os tipos e quantidade de testes dependem da condição clínica do paciente. A avaliação da função renal21 é essencial porque o lítio é eliminado do organismo na urina33 e, também porque o lítio pode, com o tempo, provocar alterações na função renal21. A avaliação da função da tiróide também é importante, uma vez que, uma glândula96 hiper ou hipoativa pode causar sintomas14 que se assemelham à mania ou à depressão e também porque o lítio causa anormalidades de funcionamento dessa glândula96.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA.

Nº de lote, prazo de validade e data de fabricação: Vide Cartucho.
MS - 1.0043.0518
Farm. Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró - CRF-SP 19.258


EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA.
Av. Ver. José Diniz, 3.465
São Paulo - SP
CNPJ 61.190.096/0001-9
Indústria Brasileira

Carbolitium - Laboratório

EUROFARMA
Av. Ver. José Diniz, 3465 - Campo Belo
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 0800-704-3876
Email: euroatende@eurofarma.com.br
Site: http://www.eurofarma.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "EUROFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Psicomotora: Própria ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
6 Cabeça:
7 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
8 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
9 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
10 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
11 Células Nervosas: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO.
12 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
13 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Nidação: Implantação.
16 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
17 Espermatozóides: Células reprodutivas masculinas.
18 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
19 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
20 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
21 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
22 Diabetes insipidus: Condição caracterizada por micções freqüentes e volumosas, sede excessiva e sensação de fraqueza. Esta condição pode ser causada por um defeito na glândula pituitária ou no rim. Na diabetes insipidus os níveis de glicose estão normais.
23 Poliúria: Diurese excessiva, pode ser um sinal de diabetes.
24 Polidipsia: Sede intensa, pode ser um sinal de diabetes.
25 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
26 Glomérulos: 1. Pequeno tufo ou novelo de fibras nervosas ou vasos sanguíneos, especialmente de capilares. 2. Rede de capilares recoberta por células epiteliais nos rins, é o local onde o sangue é filtrado e os produtos de excreção são removidos. 3. Inflorescência cimosa na qual as flores são subsésseis e muito próximas entre si, formando um aglomerado de aspecto globoso.
27 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
28 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
29 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
30 Néfrons: Unidades funcionais do rim formadas pelos glomérulos renais e seus respectivos túbulos.
31 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
32 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
33 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
34 Sudorese: Suor excessivo
35 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
36 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
37 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
38 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
39 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
40 Leucocitose: É o aumento no número de glóbulos brancos (leucócitos) no sangue, geralmente maior que 8.000 por mm³. Ocorre em diferentes patologias como em resposta a infecções ou processos inflamatórios. Entretanto, também pode ser o resultado de uma reação normal em certas condições como a gravidez, a menstruação e o exercício muscular.
41 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
42 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
44 Ataxia: Reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo. É um sintoma, não uma doença específica ou um diagnóstico.
45 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
46 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
47 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
48 Fasciculações: 1. Implantações, formações de fascículos. 2. Leves contrações localizadas de fascículos musculares inervados por um único filamento nervoso motor, visíveis como breves tremores na superfície da pele.
49 Hiperreflexia: Definida como reflexos muito ativos ou responsivos em excesso. Suas causas mais comuns são lesão na medula espinal e casos de hipocalcemia.
50 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
51 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
52 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
53 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
54 Psicomotor: Próprio ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
55 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
56 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
57 Distonia: Contração muscular involuntária causando distúrbios funcionais, dolorosos e estéticos.
58 Nistagmo: Movimento involuntário, rápido e repetitivo do globo ocular. É normal dentro de certos limites diante da mudança de direção do olhar horizontal. Porém, pode expressar doenças neurológicas ou do sistema de equilíbrio.
59 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
60 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
61 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
62 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
63 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
64 Campo visual: É toda a área que é visível com os olhos fixados em determinado ponto.
65 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
66 Albuminúria: Presença de albumina na urina. A albuminúria pode ser um sinal de nefropatia diabética (doença nos rins causada pelas complicações do diabetes mal controlado) ou aparecer em infecções urinárias.
67 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
68 Glicosúria: Presença de glicose na urina.
69 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
70 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
71 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
72 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
73 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
74 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
75 Mixedema: Infiltração cutânea causadora de edema firme e elástico nos tecidos, especialmente do rosto e dos membros, acarretada por diminuição da atividade da glândula tireoide (hipotireoidismo).
76 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
77 Achatamento: 1. Ato ou efeito de achatar (-se); achatadura, depressão, rebaixamento. 2. Na astronomia, trata-se de um parâmetro geralmente muito pequeno, que caracteriza a não esfericidade de um astro em rotação, igual à variação relativa de uma grandeza quando se passa do equador ao polo. 3. Que tem ou tomou forma chata, plana.
78 Escotomas: Regiões da retina em que há perda ou ausência da acuidade visual devido a patologias oculares.
79 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
80 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
81 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
82 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
83 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
84 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
85 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
86 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
87 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
88 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
89 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
90 Íon: Átomo ou grupo atômico eletricamente carregado.
91 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
92 Hidroeletrolítico: Aproximadamente 60% do peso de um adulto são representados por líquido (água e eletrólitos). O líquido corporal localiza-se em dois compartimentos, o espaço intracelular (dentro das células) e o espaço extracelular (fora das células). Os eletrólitos nos líquidos corporais são substâncias químicas ativas. Eles são cátions, que carregam cargas positivas, e ânions, que transportam cargas negativas. Os principais cátions são os íons sódio, potássio, cálcio, magnésio e hidrogênio. Os principais ânions são os íons cloreto, bicarbonato, fosfato e sulfato.
93 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
94 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
95 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
96 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.

Tem alguma dúvida sobre Carbolitium?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.