MAXAQUIN

PFIZER

Atualizado em 09/12/2014

Lomefloxacina

Formas Farmacêuticas e Apresentações de Maxaquin

Comprimidos revestidos - caixas contendo 7 e 3 unidades

USO PEDIÁTRICO E ADULTODrágeas - 50mg
Gotas (15mg/ml) -
Solução injetável - 75mg/3ml
Supositórios 12,5mg 75mg
Gel a 1 % para uso local

Composições de Maxaquin

Cada comprimido contém:

Cloridrato de lomefloxacina...............441,6mg


                     Excipientes: lactose1 monohidratada,
                                            carboximetilcelulose cálcica, estearato de
                                            magnésio, hidroxipropilcelulose, estearato
                                            de polioxil - 40, hidroxipropilmetilcelulose,
                                            opaspray M-1-711-B, polietilenoglicol
                                            400.


                   (equivalente a 400mg de
                   Lomefloxacina)
                                           

Informações ao Paciente de Maxaquin

                    Conserve o medicamento em local fresco, protegido da luz e umidade.Manter em temperatura entre 15C - 30C.
Prazo de validade: 02 (dois) anos a partir da data de fabricação
Não use qualquer medicamento após o vencimento do prazo de validade.
Siga corretamente as indicações de seu médico. Não desaparecendo os sintomas2 ou no caso do aparecimento de reações diferentes ou desagradáveis, consulte seu médico.
Tome o produto de acordo com a prescrição (receita) e não interrompa o tratamento sem que o médico autorize.
A ingestão de antiácidos3 contendo alumínio ou magnésio deve ocorrer num período de 2 horas antes ou após a administração de MAXAQUIN.


TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE4.

Informação Técnica de Maxaquin

                    Lomefloxacina é um novo antimicrobiano quinolônico difluorado, de largo espectro, quimicamente descrito como: monocloridrato do ácido 1-etil-6,8-difluor-1, 4-dihidro-7-(3-metil-1-piperazinil)-4-oxo-3-quinolinocarboxílico. Os átomos de flúor proporcionam aumento da potência contra organismos Gram-negativos e o radical piperazina é responsável pela atividade em Pseudomonas.

Farmacodinâmica de Maxaquin

                    A ação bactericida resulta da interferência na atividade da enzima5 bacteriana DNA-girase, necessária para transcrição e replicação do DNA da bactéria6. Conseqüentemente ocorre inibição do superespiralamento do DNA dependente de ATP7, inibição do relaxamento do DNA superespiralado e quebra da dupla haste do DNA.

Atividade microbiológica8:A lomefloxacina é um agente antimicrobiano com atividade "in vitro" contra bactérias Gram-negativas e Gram-positivas. Estudos "in vitro" assinalaram que este quinolônico tem ação sobre:

GRAM-NEGATIVOS: Acinetobacter sp (incluindo A. calcoaceticus ssp lwoffi e A. calcoaceticus ssp. anitratun), Aeromonas hydrophilia, Alcaligenes sp, Branhamella catarrhalis (beta lactamase + e -), Campylobacter sp (incluindo C.jejuni e C.pylori), Citrobacter sp (incluindo C.diversus e C.freundii), Enterobacter sp (incluindo E.aerogenes, E. agglomerans e E.cloacae), Escherichia coli, Hafnia alvei, Haemophilus sp (incluindo cepas9 beta lactamase + e - de H.influenzae e H.parainfluenzae) e H.ducreyi, Klebsiella sp (incluindo K.oxytoca, K.ozaenae, e K. pneumoniae), Legionella pneumophilia, Morganella morganii, Neisseria sp (incluindo cepas9 beta lactamase + e - de N.gonorrhoeae e N.meningitidis), Proteus sp (incluindo P.mirabilis e P.vulgaris), Providencia sp (incluindo P.alcalifaciens, P.rettgeri e P.stuartii), Pseudomonas sp (incluindo P. aeruginosa e P.fluorescens), Salmonella sp (incluindo S. enteritidis e S.typhi), Serratia sp (incluindo S.liquifaciens e S.marcescens), Shigella sp (incluindo S.dysenteriae, S.flexneri e S.sonnei), Vibrio sp (incluindo V.cholerae e V.parahemolyticus), Yersinia enterocolitica.

A maioria das cepas9 de Pseudomonas cepacia, Pseudomonas maltophilia, Ureaplasma urealyticum e Mycoplasma hominis são moderadamente susceptíveis à lomefloxacina. Convém ressatar que é extraordinariamente eficaz contra Neisseria gonorrhoeae.

GRAM-POSITIVOS: Staphylococcus sp (incluindo cepas9 de S.aureus e S.epidermidis meticilina-susceptíveis e meticilina-resistentes) e S.saprophyticus.

A maioria das cepas9 de estreptococos do grupo D (incluindo enterococos) e Streptococcus pneumoniae são moderadamente susceptíveis à lomefloxacina como o são o Mycobacterium tuberculosis e a Chlamydia trachomatis.

A maioria das bactérias anaeróbicas são resistentes à lomefloxacina, incluindo Bacteroides fragilis e Clostridium difficile. A maioria dos estreptococos dos grupos A e B são resistentes.

A lomefloxacina é levemente menos ativa quando testada em pH ácido. Um aumento no tamanho do inóculo tem pouco efeito sobre a atividade " in vitro" da lomefloxacina. A resistência "in vitro" a lomefloxacina desenvolve-se lentamente (mutação10 de múltiplos passos). Um desenvolvimento rápido da resistência num único passo ocorre somente raramente <10-9) "in vitro".

Não há resistência cruzada entre lomefloxacina e outras classes de agentes antimicrobianos tais como aminoglicosídeos, penicilinas, tetraciclinas, cefalosporinas ou sulfonamidas. Tem sido relatada resistência cruzada entre lomefloxacina e outros agentes antimicrobianos da classe das quinolonas. Estudos "in vitro" têm mostrado que freqüentemente resulta atividade aditiva quando lomefloxacina é combinado com outros agentes antimicrobianos tais como beta-lactâmicos, aminoglicosídeos, ou metronidazol.

Farmacologia11 Humana de Maxaquin

                    Após administração oral lomefloxacina é rapidamente e bem absorvida do trato gastrintestinal, alcançando níveis séricos úteis a partir de meia hora e atingindo a concentração mais alta em 4 horas, com meia vida séirca de 7-8 horas. Subsequênte a uma dose única ou doses múltiplas diárias de 400 mg, concentrações urinárias são superiores a 300 mcg/ml nas 4 horas após a dose e permanecem acima de 35 mcg/ml durante pelo menos 24 horas após a dose. A excreção urinária completa-se virtualmente dentro de 72 horas após o término da dosagem, com aproximadamente 65% da dose sendo recuperada na forma inalterada ou seu metabólito12 glucorônico.
Os estudos farmacocinéticos revelam que a lomefloxacina tem a propriedade de difundir-se em muitos tecidos. exercendo sua atividade antimicrobiana em diversos órgãos com aparelho urinário13, pulmão14, pele15 e tecido16 celular subcutâneo17, fígado18, trato gastrintestinal e próstata19.

Indicações de Maxaquin

                    Lomefloxacina é um antimicrobiano bactericida de largo espectro, indicado no tratamento das infecções20 causadas por bactérias susceptíveis, com ação no trato urinário21, no aparelho respiratório22, trato gastrintestinal, pele15 e tecido16 celular subcutâneo17 e ossos. Além disso, está indicado em algumas infecções20 sexualmente transmitidas, como blenorragia23.

Contra-Indicações de Maxaquin

                    PACIENTES COM HISTÓRIA DE HIPERSENSIBILIDADE &AGRAVE; LOMEFLOXACINA OU &AGRAVE;S OUTRAS QUINOLONAS.

Precauçoes de Maxaquin

                    A LOMEFLOXACINA NÃO DEVE SER USADA EM CRIANÇAS OU ADOLESCENTES NO PERÍODO DE CRESCIMENTO.

A CLASSE DAS QUINOLONAS PODE CAUSAR ESTIMULAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL24 QUE PODE LEVAR A TREMORES, AGITAÇÃO, TONTURA25, CONFUSÃO E, MUITO RARAMENTE, A CRISES CONVULSIVAS. PORTANTO, A LOMEFLOXACINA DEVERÁ SER USADA COM CAUTELA EM PACIENTES COM SUSPEITA OU ALTERAÇÕES CONFIRMADAS DO SNC26, TAIS COMO EPILEPSIA27 OU OUTROS FATORES PRÉ- DISPONENTES À CONVULSÕES.

OS QUINOLONICOS TÊM MOSTRADO PROVOCAR FOTOSSENSIBILIDADE. OS PACIENTES DEVERÃO SER AVISADOS PARA EVITAR EXPOSIÇÃO PROLONGADA A LUZ ULTRAVIOLETA DURANTE O TRATAMENTO COM LOMEFLOXACINA.

É NECESSÁRIO ALTERAR O REGIME POSOLÓGICO EM PACIENTES COM COMPROMETIMENTO RENAL28 COM "CLEARANCE" DE CREATININA29 < 30 ML/ MIN./ 1,73 M2 (VIDE POSOLOGIA).

Uso Durante a Lactação30 de Maxaquin

                    Não se sabe se a lomefloxacina é excretada no leite materno; entretanto, sabe-se que é excretada no leite de ratas lactantes31. Em mães que estiverem amamentando, um método alternativo de alimentação para bebês32 deverá ser considerado durante o tratamento com lomefloxacina.

Uso na Gravidez33 de Maxaquin

                    A lomefloxacina não deve ser usada em grávidas.O uso seguro da lomefloxacina não foi estabelecido. Portanto, o uso requer que os benefícios sejam avaliados em relação aos riscos.
Devido à lomefloxacina, como outras drogas da classe, causar artropatia34 em animais jovens não deverá ser usada em gestantes.

Efeitos na Capacidade de Dirigir ou Operar Máquinas de Maxaquin

                    Devido ao potencial de efeitos no SNC26, os pacientes deverão ser advertidos em relação a direção e uso de maquinário durante o tratamento com lomefloxacina.

Reações Adversas de Maxaquin

                    EM 2869 PACIENTES TRATADOS ATÉ HOJE EM PESQUISAS CLÍNICAS, AS REAÇÕES ADVERSAS FORAM DE PEQUENO SIGNIFICADO, E GERALMENTE TRANSITÓRIAS NÃO OBRIGANDO, NA MAIORIA DOS CASOS, A SUSPENDER A MEDICAÇÃO.

AS REAÇÕES ADVERSAS MAIS FREQUÊNTES (INDEPENDETE DE RELAÇÃO COM A DROGA) FORAM AS SEGUINTES: NÁUSEA35 (3,7%), CEFALÉIA36 (3,2%), FOTOSENSIBILIDADE (2,4%), TONTURA25 (2,3%) E DIARRÉIA37 (1,4%).

LOMEFLOXACINA FOI DESCONTINUADA EM 2,6 % DEVIDO A REAÇÕES ADVERSAS PRINCIPALMENTE NO SISTEMA GASTRINTESTINAL (0,7%), PELE15 (1%) E SNC26 (0,5%).

INTERFERÊNCIA EM EXAMES LABORATORIAIS

                   
Pode ocorrer leve aumento das transaminases (1,6%), eosinofilia38 (0,5%), leocopenia (0,2%) e aumento da uréia39 sanguínea (0,2%), bem como presença de cilindrúria e hematúria40.

Interações Medicamentosas de Maxaquin

                    Sucralfato, antiácidos3 contendo magnésio ou alumínio e metais catiônicos ou outras origens tais como suplementos minerais formam complexos quelantes com lomefloxacina e interferem com sua biodisponibilidade. A administração destes agentes deverá ocorrer no mínimo 2 horas antes ou 2 horas após a administração de lomefloxina.

A co-admistração com probenicida retarda a eliminação da lomefloxacina. Deve-se evitar o uso concomitante de lomefloxacina e fenbufeno.

A lomefloxacina não interage com cafeína.

Ao contrário de muitas outras quinolonas, a lomefloxacina não interage com a teofilina.

As quinolonas podem aumentar os efeitos do anticoagulante41 oral, warfarina, ou seus derivados.

A cimetidina demonstrou interferir na eliminação de outras quinolonas, aumentando significativamente a meia- vida. Não se estudou sua interação com lomefloxacina.

A administração concomitente com a alimentação retarda um pouco a absorção, porém, não influi sobre a extensão da absorção.

Posologia de Maxaquin

Maxaquin *A posologia ideal para o adulto é a ingestão de 1 comprimido de 400 mg uma única vez ao dia, durante 7 a 10 dias.
Nos casos de osteomielite42 recomenda-se a ampliação deste prazo para 60-90 dias. Em blenorragia23, a dose única de 1 comprimido, durante 1 ou 2 dias é curativa.


* Nos casos de osteomielite42 recomenda-se a ampliação deste prazo para 60-90 dias. Em blenorragia23, a dose única de 1 comprimido, durante 1 ou 2 dias é curativa.

COMPROMENTIMENTO DA FUNÇÃO RENAL28:

                   
A lomefloxacina pode ser usada em pacientes com insuficiência renal43.
Uma vez que a lomefloxacina é excretada fundamentalmente pelo rim44, alguma modificação da dose é recomendada para pacientes45 com insuficiência renal43.

Quando o "clearance" de creatinina29 for >10 mas < 40 ml/min/1,73m2, a posologia recomendada para a maioria das infecções20 será uma dose de ataque inicial de 400 mg seguida por uma dose de manutenção de 200 mg uma vez ao dia (1/2 comprimido).

Sugere-se determinação seriada dos níveis de lomefloxacina para avaliar necessidades dealteração dos intervalos de dose. Quando somente o nível de creatinina29 sérica for desponível, a seguinte fórmula (baseada nos sexo, peso e idade do paciente) pode ser usada para converter este valor em "clearence" de creatinina29 (CL mL/ min.).

A equação presume que a função renal28 do paciente esteja estável:

Homens: (peso em Kg) x (140 - idade) + (72 x creatinina29 sérica ( mg/ 100 mL))

Mulheres: 0,85 x valor acima.

Profilaxia de Maxaquin

                    Quando se considerar apropriado profilaxia pré operatória por via oral ou procedimentos cirúrgicos transuretrais, deve-se administrar uma dose única de 400 mg de MAXAQUIM por via oral 2 a 6 horas antes da cirurgia.

Conduta na Superdosagem de Maxaquin

                    As informações sobre superdosagem em humanos não sào disponíveis.
No caso de superdosage ingerida inadvertidamente, o estômago46 deve ser esvaziado induzindo o vómito ou por lavagem gástrica47, e o paciente cuidadosamente observado e mantendo-se hidratação adequada, devendo ser instituida terapia de suporte. Se houver aparecimento de graves fenômenos tóxico por superdosagem, a diálise48 peritonial pode ajudar na remoção de qualquer quinolônico do organismo.

"Atenção: Este produto é um novo medicamento e embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa o médico responsável deve ser notificado".


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

MAXAQUIN - Laboratório

PFIZER
Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 1555
Guarulhos/SP - CEP: 07112-070
Tel: 0800-16-7575
Site: http://www.pfizer.com.br
CNPJ n° 46.070.868/0001-69

Ver outros medicamentos do laboratório "PFIZER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
6 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
7 ATP: Adenosina Trifosfato (ATP) é nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia. Ela é composta pela adenina (base azotada), uma ribose (açúcar com cinco carbonos) e três grupos de fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular e da fotossíntese, para consumo imediato, não podendo ser estocada. A energia pode ser utilizada em diversos processos biológicos, tais como o transporte ativo de moléculas, síntese e secreção de substâncias, locomoção e divisão celular, dentre outros.
8 Microbiológica: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
9 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
10 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
11 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
12 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
Aparelho urinário
13 Aparelho urinário: O aparelho urinário é constituído pelos rins, pelos ureteres e pela bexiga. Ele remove os resíduos do sangue, mantêm o equilíbrio de água e eletrólitos, armazena e transporta a urina.
14 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
15 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
16 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
17 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
18 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
19 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
20 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
21 Trato Urinário:
22 Aparelho respiratório: O aparelho respiratório transporta o ar do meio externo aos pulmões e vice-versa e promove a troca de gases entre o sangue e o ar.
23 Blenorragia: Infecção transmitida sexualmente, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorreae, que se manifesta por secreção purulenta drenada através da uretra. Se não tratada adequadamente pode produzir problemas mais sérios, como infecção crônica e esterilidade.
24 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
25 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
26 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
27 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
28 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
29 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
30 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
31 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
32 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
33 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
34 Artropatia: Comprometimento patológico de uma artculação.
35 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
36 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
37 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
38 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
39 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
40 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
41 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
42 Osteomielite: Infecção crônica do osso. Pode afetar qualquer osso da anatomia e produzir-se por uma porta de entrada local (fratura exposta, infecção de partes moles) ou por bactérias que circulam através do sangue (brucelose, tuberculose, etc.).
43 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
44 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
45 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
46 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
47 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
48 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.

Tem alguma dúvida sobre MAXAQUIN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.