RITMONORM

ABBOTT

Atualizado em 09/12/2014

RITMONORM

Cloridrato de Propafenona
Comprimido Revestido - Embalagem com 20 comprimidos revestidos sulcados.
Solução Injetável - Embalagem com 6 ampolas de 20 ml para uso endovenoso.

USO ADULTO

Composição de Ritmonorm

Comprimido Revestido: Cada comprimido revestido contém:Cloridrato de Propafenona....................300 mg
Solução Injetável: Cada ampola de 20 ml contém:
Cloridrato de Propafenona ....................70mg

INFORMAÇÃO AO PACIENTE:
Conservar o produto em lugar fresco, ao abrigo da luz e umidade. A solução injetável não deve ser guardada em refrigerador.
O prazo de validade do produto é de 60 meses, a contar da data de sua fabricação.

NÃO USE MEDICAMENTOS COM PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.
Assim como qualquer medicamento, Ritmonorm só deve ser usado durante o primeiro trimestre de gravidez1 sob orientação e cuidados médicos.
A ocorrência de gestação durante o uso do medicamento deve ser comunicada imediatamente ao médico.
O uso do produto durante a amamentação2 deve ser feito somente sob orientação e cuidados médicos.
O produto deve ser administrado de acordo com a orientação dada pelo médico e somente ele poderá recomendar a sua interrupção.
No caso de surgirem reações desagradáveis, tais como: secura da boca3, gosto salino ou amargo, sensação de anestesia4 na língua5 e lábios, dor de cabeça6, perturbações visuais, tonteiras, palpitações7, náuseas8, vômitos9 e constipação10, o médico deve ser imediatamente comunicado.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Deve-se evitar manipular maquinário perigoso ou dirigir veículos motorizados devido a uma diminuição da capacidade de reação.
Pacientes com distúrbio hepático e/ou renal11 devem comunicar o fato ao médico.
Deve-se evitar a ingestão de bebidas alcóolicas durante o uso de Ritmonorm.

NAO TOME REMÉDIOS SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE12.

Informação Técnica de Ritmonorm

Ritmonorm contém como princípio ativo o Cloridrato de Propafenona, quimicamente o cloridrato de 2'-2-hidroxi-3-(propilamino)-propoxi-3-fenilpropiofenona, um agente antiarrítmico13 com efeito anestésico local e estabilizador de membrana na célula14 miocárdica. Prolonga, dependendo da dose, o tempo refratário nos átrios
e nos ventrículos.
Estudos clínicos, eletrofisiológicos, com isoproterenol, demonstraram no homem um efeito betabloqueador correspondente a 1/40 do propranolol.
Estudos farmacológicos e eletrofisiológicos realizados com a Propafenona demonstraram uma pronunciada ação corretora das arritmias15 provocadas experimentalmente pelo cálcio, clorofórmio, digital e isquemia16 coronária. Esses estudos, confirmados clinicamente, comprovaram:
1. Efeito dromotrópico negativo, tanto na condução atrioventricular como intraventricular e intra-atrial. No eletrograma do feixe de His17 há um aumento do intervalo AH e HV.
2. Diminuição do automatismo sinusal e aumento do tempo de recuperação do nódulo sinusal18, determinado pela estimulação atrial com marcapasso19.
3. Redução da condução sinoatrial.
Apresenta, assim, a Propafenona modo de ação característico dos antiarrítmicos do tipo quinidina, procainamida e dos betabloqueadores, porém com um efeito cardiodepressivo bem menos intenso.
Estas propriedades tornam desnecessário o emprego combinado dos diversos antiarrítmicos no tratamento das arritmias15 cardíacas.

Indicações de Ritmonorm

Tratamento e profilaxia de todas as formas de extrassistolias ventriculares e supraventriculares, taquicardias e taquiarritmias20 ventriculares e supraventriculares e síndrome21 de Wolff-Parkinson-White.

Contra-Indicações de Ritmonorm

insuficiência cardíaca22 manifesta;- choque23 cardiogênico (exceto quando causado por taquiarritmia24) ;
bradicardia25 acentuada (abaixo de 50 b.p.m.);- transtornos preexistentes de alto grau da condução sino-atrial, atrioventricular e intraventricular; - síndrome21 do nódulo sinusal18 (síndrome21 bradicárdico-taquicárdico); - doença pulmonar obstrutiva grave; - transtornos manifestos do metabolismo26 eletrolítico; - hipotensão27 acentuada; - hipersensibilidade ao Cloridrato de Propafenona; - miastenia28 grave.

Precauções de Ritmonorm

Uso na Gravidez1:Não foi determinado ainda se o Cloridrato de Propafenona tem efeitos teratogênicos29 nem se pode afetar a capacidade reprodutiva da mulher. Desta forma, Ritmonorm só deve ser administrado às gestantes, se efetivamente necessário, devendo ser evitado durante o primeiro trimestre de gravidez1.

Uso na Lactação30:
A excreção da droga pelo leite materno é desconhecida; assim, é recomendável controle clínico quando Ritmonorm for administrado durante o período de amamentação2.

Outros:
Ritmonorm deve ser administrado com cautela à pacientes portadores de disfunção hepática31 e/ou renal11, já que com o emprego de doses terapêuticas pode produzir-se acúmulo, levando a um quadro geral de intoxicação. Devido a sua ação betabloqueante, deve ser empregado com cautela em pacientes sujeitos a broncoespasmo32.
Recomenda-se o uso de doses menores para pessoas idosas e/ou debilitadas.
A ingestão de bebidas alcóolicas deve ser evitada durante o tratamento com Ritmonorm.
A Propafenona pode alterar os limiares de sensibilidade e de estimulação, portanto deve-se controlar a função do marcapasso19 e, se necessário, programá-lo de novo.

Interações Medicamentosas de Ritmonorm

Deve ter-se em conta um possível aumento da ação no emprego simultâneo de anestésicos locais (ex.:para a implantação de um marcapasso19 ou outras medidas cirúrgicas ou odontológicas), assim como de outros medicamentos que ocasionam uma redução da freqüência cardíaca e/ou da contratilidade (ex.:betabloqueadores, antidepressivos tricíclicos).
Há relatos de aumento de nível plasmático de propranolol, metoprolol e digoxina quando administrados concomitantemente com Ritmonorm; por esta razão, deve-se, por precaução, estar atento para possível superdosagem e, caso necessário, determinar as concentrações plasmáticas e reduzir as doses. Há relato de aumento do nível plasmático de propafenona quando administrada simultaneamente com cimetidina.
Pode haver interação da propafenona com anticoagulantes33 orais, aumentando o efeito destes últimos. Recomenda-se efetuar controle cuidadoso das provas de coagulação34 nos pacientes que façam uso concomitante de propafenona e cumarínicos.

Reações Adversas de Ritmonorm

Em casos isolados, sobretudo com doses iniciais muito elevadas podem ocorrer transtornos gastrintestinais, como por exemplo, inapetência35, sensação de plenitude, náusea36, vomito37, sabor amargo, sensação anestésica na boca3, visão38 turva, vertigem39 e, muito raramente, cansaço, cefaléia40, inquietação, pesadelos, transtornos do sono, transtornos psíquicos, como estados de ansiedade e confusão, assim como sintomas41 extrapiramidais.Em raros casos, podem ocorrer enrijecimento facial, prurido42, exantema43 ou urticária44, que desaparecem com a suspensão do tratamento com o medicamento.
Em pacientes de idade avançada, podem ocorrer transtornos ortostáticos da circulação45. Estes sintomas41 desaparecem completamente ao reduzir a dose ou suspender o tratamento.
A ocorrência, embora rara, de visão38 turva, vertigem39, cansaço ou transtornos ortostáticos da regulação da circulação45 com propensão a uma diminuição da pressão arterial46 pode limitar a capacidade de reação ao manipular maquinário perigoso ou dirigir veículos motorizados.
Em raros casos, podem ainda ocorrer: bradicardia25, bloqueios SA, AV ou IV; conduta em bloqueio SA ou AV: atropina, orciprenalina; conduta em bloqueio IV: eletroterapia. Pode haver uma piora em um quadro de insuficiência cardíaca22 pré-existente. Como ocorre com outros antiarritmicos e fármacos, pode ocorrer uma colestase47 como indício de uma reação individual de hipersensibilidade do tipo hiperérgico-alérgico. Este sintoma48 não depende da dose e é completamente reversível depois da suspensão do tratamento com Ritmonorm.
Em casos muito raros pode-se observar uma diminuição do número de leucócitos49, granulócitos50 ou plaquetas51, que é reversível após a suspensão do tratamento com Ritmonorm.
Em casos isolados pode-se observar agranulocitose52.

Posologia de Ritmonorm

Comprimidos revestidos sulcados:
A determinação da dose de manutenção individual deve ser feita através de controle cardiológico, ou seja, vários controles eletrocardiográficos e da pressão arterial46 (fase de ajuste). Se a duração de QRS ou do intervalo QT corrigido para a freqüência aumentar acima de 20%, deve-se reduzir a dose ou suspender a
administração até a normalização do ECG. Para a fase de ajuste e a terapia de manutenção, recomenda-se uma dose diária de 450-600 mg. Eventualmente, far-se-á necessário elevar a dose diária a 900 mg, da seguinte maneira:

Dose mínima: 450 mg/dia (1/2 comprimido, 3 vezes ao dia)
Dose média: 600 mg/dia (1 comprimido, 2 vezes ao dia)
Dose máxima: 900 mg/dia (1 comprimido, 3 vezes ao dia)
A dosagem diária de 900 mg somente deve ser administrada em casos excepcionais ou mediante estrito controle cardiológico.
Estes dados são válidos para pacientes53 com um peso corporal de aproximadamente 70 kg. Em pacientes com peso inferior deve-se reduzir convenientemente as doses diárias.
Em pacientes com idade avançada ou com severo dano cardíaco, Ritmonorm (de modo análogo a outros antiarrítmicos) deve ser administrado em doses paulatinamente crescentes durante a fase inicial de ajuste.
Devido ao seu sabor amargo e ao efeito anestésico superficial da substância ativa, os comprimidos revestidos devem ser deglutidos, sem chupar ou mastigar, com um pouco de líquido após as refeições.
Solução injetável:
Aplicação endovenosa de urgência54:
1 a 2 mg/kg de peso corporal de Ritmonorm, solução injetável, administrados em 3 a 5 min., correspondente a 1 ou 2 ampolas de 20 ml.
Recomenda-se o uso de uma segunda aplicação somente após terem decorridos 90 a 120min., a critério médico. Duração do efeito: de 2 a 4 horas.
Aplicação endovenosa lenta (infusão) durante1 a 3 horas (nas arritmias15 graves):
Dripping de 0,5 a1 mg/min. de Ritmonorm, solução injetável, diluídos em solução glicosada, para adulto médio.
Aplicação endovenosa lenta (infusão) prolongada para manutenção:
Em geral é suficiente a dose de 560 mg de Ritmonorm solução injetável (uma ampola a cada 3 horas) por dia, para adulto médio, durante 24 horas.
Uma vez cessado o quadro agudo55, administrar Ritmonorm oral, 1 comprimido de 300 mg a cada 12 horas, podendo chegar a, no máximo, 900 mg/dia.

Observação de Ritmonorm

Diluir Ritmonorm solução injetável somente em solução glicosada. O uso de solução fisiológica56 pode precipitar o Cloridrato de Propafenona.A velocidade de administração da infusão venosa fica a critério do médico, de acordo com a resposta e a tolerabilidade do paciente ao medicamento.

Superdosagem de Ritmonorm

Como ocorre com outros antiarritmicos, a administração intencional ou acidental de doses elevadas de Cloridrato de Propafenona pode produzir aumento exagerado da duração do complexo QRS e do intervalo QT, dissociação AV, hipotensão27 e/ou bradicardia25, assim como favorecer o aparecimento de diversas taquiarritmias20.
Neste caso, recomenda-se cuidadosa monitorização  eletrocardiográfica e hemodinâmica57, tomando as medidas gerais de suporte, assim como aquelas especificas para cada situação
(agentes inotrópicos e/ou vasopressores, estimulação elétrica, correção hidroeletrolítica, etc.). Em casos extremamente raros, a administração de uma superdose de Cloridrato de Propafenona pode levar a fenômenos convulsivos.

RITMONORM - Laboratório

ABBOTT
Rua Nova York, 245 - Brooklin
São Paulo/SP - CEP: 04560-108
Tel: 11-5536-7000
Fax: 011-5531-7205
Site: http://www.abbottbrasil.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ABBOTT"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
3 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
4 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
5 Língua:
6 Cabeça:
7 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
8 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
9 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
10 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
11 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Antiarrítmico: Medicamento usado para tratar altrações do ritmo cardíaco
14 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
15 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
16 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
17 Feixe de His: Pequeno feixe de fibras especializadas do MÚSCULO CARDÍACO que se origina no NÓ ATRIOVENTRICULAR e penetra na parte membranosa do septo interventricular. O fascículo atrioventricular consiste nos ramos dos feixes esquerdo e direito e transmite os impulsos elétricos aos VENTRÍCULOS gerando a CONTRAÇÃO MIOCÁRDICA. Bloqueio de Ramo;
18 Nódulo Sinusal: Pequena massa de fibras musculares cardíacas modificadas, localizada na junção da VEIA CAVA SUPERIOR com o átrio direito. Os impulsos da contração provavelmente começam neste nó, propagam-se pelo átrio (ÁTRIO CARDÍACO) sendo então transmitidos pelo feixe de His (FEIXE ATRIOVENTRICULAR) para o ventrículo (VENTRÍCULO CARDÍACO).
19 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
20 Taquiarritmias: Cadência rápida do ritmo do coração, arritmias rápidas.
21 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
22 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
23 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
24 Taquiarritmia: Cadência rápida do ritmo do coração, arritmia rápida.
25 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
26 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
27 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
28 Miastenia: Perda das forças musculares ocasionada por doenças musculares inflamatórias. Por ex. Miastenia Gravis. A debilidade pode predominar em diferentes grupos musculares segundo o tipo de afecção (debilidade nos músculos extrínsecos do olho, da pelve, ou dos ombros, etc.).
29 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
30 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
31 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
32 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
33 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
34 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
35 Inapetência: Ausência de apetite, de vontade de comer; anorexia. Por extensão de sentido, é a falta de desejo ou de vontade.
36 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
37 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
38 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
39 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
40 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
41 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
42 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
43 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
44 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
45 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
46 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
47 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
48 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
49 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
50 Granulócitos: Leucócitos que apresentam muitos grânulos no citoplasma. São divididos em três grupos, conforme as características (neutrofílicas, eosinofílicas e basofílicas) de coloração destes grânulos. São granulócitos maduros os NEUTRÓFILOS, EOSINÓFILOS e BASÓFILOS.
51 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
52 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
53 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
54 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
55 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
56 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
57 Hemodinâmica: Ramo da fisiologia que estuda as leis reguladoras da circulação do sangue nos vasos sanguíneos tais como velocidade, pressão etc.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre RITMONORM?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.