TRENTAL Solução Injetável

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Trental Solução Injetável

cada ml contém: pentoxifilina 20 mg, veículoq.s.p. 1 ml.

Posologia e Administração de Trental Solução Injetável

Trental pode ser administrado através de infusão endovenosa e também através de injeção1 endovenosa. Extensa experiência da prática clínica tem demonstrado ser a terapia por infusão endovenosa a forma mais efetiva e melhor tolerada de administração parenteral de Trental. A preferência deve, desta forma, ser dada a esta via de aplicação sempre que possível. Trental 400 drágeas2 pode ser prescrito para suplementar o tratamento parenteral. Terapia de infusão: infusão endovenosa: dependendo da severidade da doença vascular3, peso corpóreo do paciente e fatores de tolerabilidade, a terapia por infusão endovenosa pode ser implementada usando-se o seguinte esquema: uma infusão endovenosa pela manhã e à tarde, cada uma de 200 mg ou 300 mg de pentoxifilina em 250 ou 500 ml de líquido durante um período de 120 a 180 minutos. Uma administração oral adicional de 2 drágeas2 de Trental 400 pode ser indicada após a infusão da tarde. Quando as duas infusões apresentarem um intervalo longo, a administração de 1 drágea4 de Trental 400 pode ser transferida para a hora do almoço. Quando as condições locais ou fatores de tolerabilidade permitirem somente uma infusão endovenosa diária, a administração oral adicional de Trental 400 é recomendada na dose de 3 (2+1) drágeas2 divididas durante o dia (meio-dia e a noite) após a infusão endovenosa. Uma infusão endovenosa de 24 horas gota5 a gota5 pode ser indicada em casos mais avancados, especialmente em pacientes com dor de repouso severa e gangrena6 ou ulceração7 (estágios III e IV de Fontaine). Em geral, a dose de 24 horas de Trental para administração parenteral não deve exceder 1200 mg de pentoxifilina e a dose individual pode ser baseada na fórmula: 0,6 mg de pentoxifilina por kg de peso corpóreo por hora. A dose diária calculada desta forma seria 1000 mg de pentoxifilina para um paciente pesando 70 Kg e 1150 mg de pentoxifilina para um paciente de 80 Kg. O volume de infusão deve ser estabelecido baseado nas doenças subjacentes e geralmente será entre 1000 e 1500 ml nas 24 horas. Terapia de injeção1: injeção1 endovenosa: a injeção1 endovenosa deve ser administrada lentamente por um período de 5 minutos com o paciente deitado. Uma injeção1 endovenosa não deve, de forma alguma, ser repetida imediatamente após a primeira. Tratamento adjunto e acompanhamento: a formulação oral de Trental 400 drágeas2 pode ser prescrita para suplementar o tratamento por infusão ou injeção1 endovenosa. Após o início da melhora do quadro, o tratamento pode ser continuado com a medicação oral somente. Administração: os tempos de infusão e injeção1 não devem ser menores do que os estabelecidos acima. Solução salina fisiológica8, solução de Ringer lactato9, solução de glicose10 ou outros substitutos sangüíneos convencionais podem ser usados como líquidos de infusão. A compatibilidade com a solução a ser utilizada deve ser testada em cada caso antes da administração. Pacientes com insuficiência cardíaca11 necessitam de tratamento aprópriado. Grandes quantidades de líquidos (infusão) devem ser evitadas em tais casos. O ajuste posológico é necessário em pacientes com função renal12 comprometida.

Precauções de Trental Solução Injetável

embora não tenha sido constatada teratogenicidade em animais que receberam o medicamento, deve ser evitada a administração de Trental durante a gestação. É necessário um ajuste posológico em pacientes portadores de insuficiência renal13, bem como em pacientes hipotensos ou com pressão arterial14 lábil. Interações medicamentosas: quando administrado concomitantemente a agentes anti-hipertensivos, Trental pode potencializar a ação destes. Nesses casos, a dose de Trental deve ser ajustada. A administração de altas doses de Trental por via parenteral em pacientes diabéticos controlados por insulina15 ou agentes hipoglicemiantes orais16, pode intensificar a ação hipoglicemiante17 desses preparados. Nesses casos, é necessário reduzir a dose da insulina15 ou do hipoglicemiante17 oral durante a terapia com Trental.

Reações Adversas de Trental Solução Injetável

distúrbios gastrintestinais (ex.: sensação de pressão ou repleção no epigástrio18, náuseas19, vômitos20, diarréia21), cefaléia22 ou tontura23 podem ocorrer, podendo ser necessária, em casos isolados, a descontinuação do tratamento. Essas reações geralmente podem ser evitadas através de uma redução da velocidade de injeção1 ou do gotejamento da infusão. Agitação e distúrbios no sono podem ocorrer em casos individuais. Muito raramente tem sido relatado rubor facial ou sensação de calor (flush), arritmia24 (ex.: taquicardia25), angina26 do peito27 ou hipotensão28, principalmente relacionados com doses elevadas de pentoxifilina. Nestas situações, deve-se diminuir a posologia diária administrada ou mesmo descontinuar o tratamento nos casos mais graves. Reações de hipersensibilidade cutânea29, tais como, prurido30, eritema31, urticária32 ou edema angioneurótico33 são extremamente raras e geralmente regridem rapidamente com a interrupção do tratamento. Em situações ocasionais, têm sido relatadas reações de hipersensibilidade, algumas vezes progredindo para choque34. Raríssimas vezes têm sido relatados fenômenos de hemorragia35 (cutânea29, mucosa36, trato gastrintestinal) em pacientes tratados com Trental com ou sem anticoagulantes37 ou inibidores da agregação plaquetária. Até o momento, não pode ser comprovada uma relação causa/efeito entre o uso de Trental e a ocorrência de sangramentos, mas esta não pode ser excluida por completo. Uma diminuição no número de plaquetas38 (trombocitopenia39) foi observada em alguns poucos casos.

Contra-Indicações de Trental Solução Injetável

Trental não deve ser utilizado em pacientes com hemorragias40 cerebrais, hemorragia35 retiniana extensa ou com hipersensibilidade à pentoxifilina. A propriabilidade da administração de Trental em pacientes com infarto41 agudo42 do miocárdio43 deve ser estabelecida com cuidado especial e com a devida atenção ao espectro de efeitos colaterais44. Doença aterosclerótica grave coronariana e cerebral associadas à hipertensão45 e arritmias46 cardíacas graves são contra-indicações relativas para um tratamento parenteral.

Indicações de Trental Solução Injetável

doenças oclusivas arteriais periféricas e distúrbios arteriovenosos de natureza aterosclerótica ou diabética (ex.: claudicação intermitente47, dor em repouso) e distúrbios tróficos (úlceras48 de pernas e gangrena6). Alterações circulatórias cerebrais (seqüelas de arteriosclerose49 cerebral, tais como, dificuldade na concentração, vertigem50, comprometimento da memória), estados isquêmicos e pós-apopléticos. Distúrbios circulatórios do olho51 ou ouvido interno52, associado com processos vasculares53 degenerativos54 e comprometimento da visão55 e audição.

Apresentação de Trental Solução Injetável

embalagens com 5 ampolas de 5 ml.


TRENTAL Solução Injetável - Laboratório

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Rua Conde Domingos Papais, 413
Suzano/SP - CEP: 08613-010
Site: http://www.sanofi-aventis.com.br
C.N.P.J. 02.685.377/0008-23 - Indústria Brasileira

Ou

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Av Brasil, 22.155- Rio de Janeiro - RJ
CNPJ 02.685.377/0019-86 - Indústria Brasileira
Atendimento ao Consumidor 0800-703-0014
www.sanofi-aventis.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Drágeas: Comprimidos ou pílulas contendo preparado farmacêutico.
3 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
4 Drágea: Comprimido ou pílula contendo preparado farmacêutico.
5 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
6 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
7 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
8 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
10 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
11 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
12 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
13 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
14 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
15 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
16 Hipoglicemiantes orais: Medicamentos usados por via oral em pessoas com diabetes tipo 2 para manter os níves de glicose próximos ao normal. As classes de hipoglicemiantes são: inibidores da alfaglicosidase, biguanidas, derivados da fenilalanina, meglitinides, sulfoniluréias e thiazolidinediones.
17 Hipoglicemiante: Medicamento que contribui para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capaz de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
18 Epigástrio: Região superior e mediana do abdome, que vai do apêndice xifoide até o umbigo.
19 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
20 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
21 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
22 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
23 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
24 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
25 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
26 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
27 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
28 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
29 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
30 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
31 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
32 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
33 Edema angioneurótico: Ataques recidivantes de edema transitório que aparecem subitamente em áreas da pele, membranas mucosas e ocasionalmente nas vísceras, geralmente associadas com dermatografismo, urticária, eritema e púrpura.
34 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
35 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
36 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
37 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
38 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
39 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
40 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
41 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
42 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
43 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
44 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
45 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
46 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
47 Claudicação intermitente: Dor que aparece e desaparece nos músculos da perna. Esta dor resulta de uma falta de suprimento sanguíneo nas pernas e geralmente acontece quando a pessoa está caminhando ou se exercitando.
48 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
49 Arteriosclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
50 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
51 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
52 Ouvido interno: Atualmente denominado orelha interna está localizado na porção petrosa do osso temporal, recebe terminações nervosas do nervo coclear e vestibular, sendo parte essencial dos órgãos da audição e equilíbrio. É constituído de três estruturas: labirinto membranoso (endolinfático), labirinto ósseo (perilinfático) e cápsula ótica.
53 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
54 Degenerativos: Relativos a ou que provocam degeneração.
55 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.

Tem alguma dúvida sobre TRENTAL Solução Injetável?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.