DALACIN T

PFIZER

Atualizado em 08/12/2014

dalacin t®


Fosfato de clindamicina

Solução tópica

Uso externo

Descrição de Dalacin T

DALACIN T Solução tópica contém fosfato de clindamicina numa concentração equivalente a 10 mg de clindamicina por mililitro, em solução de álcool e água. O fosfato de clindamicina é um éster do antibiótico semi-sintético, solúvel em água, produzido por uma substituição do 7(S)-cloro do grupo 7 ( R) -hidroxi derivado da lincomicina. A solução contém ainda: álcool isopropilíco, propilenoglicol e água.

Fórmula de Dalacin T

Cada ml contém: Fosfato de clindamicina 10 mg + 3% (excesso); Excipiente q.s.p. 1 ml.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.
Não utilize medicamentos sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde1.

Informações Técnicas de Dalacin T

Microbiologia: Embora o fosfato de clindamicina seja inativo in vitro, a hidrólise rápida in vivo converte este composto na clindamicina ativa antibacteriana. As fosfatases da pele2 hidrolisam o fosfato de clindamicina em clindamicina base. A clindamicina tem demonstrado possuir atividade in vitro contra isolados de Propionibacterium acnes. Isto pode explicar a sua utilidade em acne3. Além disso, a clindamicina mostrou uma ampla gama de atividade in vitro que é descrita nas bulas da administração oral ou parenteral. Ficou demonstrado que há resistência cruzada entre clindamicina e lincomicina e antagonismo entre clindamicina e eritromicina. A atividade da clindamicina foi demonstrada em extratos das lesões4 em pacientes com acne3. A concentração média da atividade antibiótica nos extratos mencionados foi de 1,4 mcg/ml. A clindamicina in vitro inibe todas as culturas testadas de Propionibacterium acnes (MCI 0,4 mcg/ml). Os ácidos gordurosos livres da superfície da pele2 foram diminuídos de aproximadamente 14% para 2%, após aplicação de clindamicina tópica. Foram negativos os resultados dos estudos realizados para detectar clindamicina ou atividade da clindamicina no sangue5 ou na urino após aplicação tópica deste preparado contendo fosfato de clindamicina. Entretanto, os estudos de penetração na pele2 humana com cloridrato de clindamicina titulada com rádio6 demonstraram que aproximadamente 10% da dose é absorvida conforme indicado por concentração no Stratum corneum. O ensaio microbiológico7 da urina8 de pacientes tratados com cloridrato de clindamicina para uso tópico9 demonstrou concentrações variadas do antibiótico. Não foi observada qualquer absorção induzida pela aplicação tópica de fosfato de clindamicina, porém é teoricamente possível que a clindamicina possa ser absorvida nesta preparado tópico9.

Indicações de Dalacin T

DALACIN T (fosfato de clindamicina) Solução tópica é indicado no tratamento de infecções10 cutâneas11 sensíveis à clindamicina, inclusive acne3 vulgaris. Em uma comparação com a tetraciclina administrada por via oral, DALACIN T Solução tópica reduziu as lesões4 por acne3 em 61%, contra 49% com a tetraciclina. Em estudos controlados adicionais, DALACIN T Solução tópica provocou diminuição de 58% em lesões4 por acne3 comparadas com uma redução de 33% com placebo12 (veículo alcoólico).

Contra-Indicações de Dalacin T

DALACIN T (fosfato de clindamicina) Solução tópica é contra-indicado em indivíduos com antecedentes de hipersensibilidade a preparados contendo clindamicina ou lincomicina, antecedente de enterite regional ou colite13 ulcerativa, ou de colite13 induzida por antibióticos.

Advertências de Dalacin T

Diarréia14, diarréia14 sanguinolenta15, colite13 não-específica e colite13 pseudomembranosa (induzida por antibiótico) foram relatadas com muitos antibióticos usados sistemicamente, incluindo a clindamicina. Não ocorreu qualquer diarréia14 ou colite13 pseudomembranosa em trabalhos clínicos controlados com DALACIN T Solução tópica. Entretanto, é teoricamente possível que a clindamicina possa estar presente sistemicamente, através da absorção proveniente da superfície da pele2. Quando aplicada topicamente, o médico deve estar alerta à possibilidade remota de diarréia14 severa ou colite13 induzidas por antibiótico. Se ocorrer diarréia14 significativa durante a terapia, o medicamento deve ser descontinuado. Diarréia14 significativa (que teoricamente pode ocorrer até várias semanas pós-terapia) deve ser tratada como se fosse induzida por antibiótico. Estudos recentes indicaram uma toxina16 (ou toxinas17) produzidas por bactérias do gênero Clostridia (especialmente Clostridium difficile) como a principal causa direta da colite13 associada a antibiótico. A colite13 é habitualmente caracterizada por diarréia14 severa persistente e cólicas18 abdominais severas e podem ser associadas com a passagem do sangue5 e muco. O exame endoscópico da mucosa19 pode revelar colite13 pseudomembranosa. Os agentes anticolinérgicos e antiperistálticos podem piorar a condição. A vancomicina demonstrou ser eficaz no tratamento de colite13 pseudomembranosa associada a antibiótico, produzida por C. difficile. A dose habitual para adultos é de 500 mg de vancomicina, por via oral, a cada 6 horas, por um período de 7 a 10 dias. Casos leves, mostrando mudanças mucosas20 mínimas, podem responder à simples descontinuação da droga. Casos moderados a severos, incluindo aqueles com ulceração21 ou formação pseudomembranosa, devem ser controlados com líquidos, eletrólitos22 e suplementação23 protéica, conforme o indicado. As resinas colestiramina e o colestipol demonstraram, in vitro, unir a toxina16. Enemas24 de retenção corticóides e corticóides sistêmicos25 podem ajudar em casos persistentes. Outras causas de colite13 devem ser consideradas. Devem ser tomadas informações quanto a prévia sensibilidade à droga e outros alérgenos26. Há resistência cruzada entre clindamicina e lincomicina e antagonismo entre clindamicina e eritromicina.

Precauções de Dalacin T

DALACIN T (fosfato de clindamicina) contém base de álcool, que poderá provocar queimadura e irritação nos olhos27. No caso de contato acidental com superfícies sensíveis (olhos27, pele2 desgastada, membranas mucosas20), lavar com copiosa quantidade de água fria de torneira. A solução tem um gosto desagradável e deve-se tomar cuidado quando a medicação for aplicada ao redor da boca28. DALACIN T Solução tópica deve ser prescrito com cuidado a indivíduos atópicos. O uso concomitante de outros preparados disponível. para acne3, por exemplo, peróxido benzol, ácido retinóico, foi relatado em estudos não-controlados. Não foi estabelecida a segurança de DALACIN T Solução tópica no período de gravidez29. Não se sabe se a clindamicina é excretada no leite humano após o uso de DALACIN T Solução tópica. Entretanto, a clindamicina administrada por via oral ou parenteral foi detectada no leite humano. Como regra geral, a amamentação30 não deve ser efetuada durante o tratamento com esta droga. Não usar sobre feridas ou queimaduras (solução de continuidade da pele2).

Efeitos Colaterais31 de Dalacin T

Relatórios de efeitos colaterais31 com DALACIN T (fosfato de clindamicina) têm sido infreqüentes. Irritação, ardência e eritema32 (provavelmente causados por veículo alcoólico) foram reportadas com freqüência. Reações gastrintestinais (diarréia14, náusea33, vômitos34) foram relatadas por seis pacientes que foram tratados com DALACIN T Solução tópica. Nenhum deles foi considerado como relacionado com a droga, segundo o relatório médico (ver Advertências). Foram apresentados relatórios isolados de garganta35 irritada, dor de cabeça36, náuseas37, torcicolo38, freqüência urinária, vaginite39 e dermatite40 de contato. Dois casos de fadiga41 e dois casos de pele2 oleosa foram relatados. DALACIN T Solução tópica foi aplicado duas vezes, durante 56 dias ou mais a voluntários, tendo sido bem tolerado.

Posologia e Administração de Dalacin T

Aplicar uma camada fina de DALACIN T (fosfato de clindamicina) sobre, a área afetada, duas vezes ao dia.

Apresentação de Dalacin T

DALACIN T (fosfato de clindamicina) Solução tópica é apresentado em frascos individuais de 30 ml com aplicador (10 mg de clindamicina por ml).
O aplicador é apresentado de tal forma que a solução pode ser aplicada diretamente à pele2 afetada.

Venda Sob Prescrição Médica.


PHARMACIA & UPJOHN Farmacêutica Ltda.

DALACIN T - Laboratório

PFIZER
Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 1555
Guarulhos/SP - CEP: 07112-070
Tel: 0800-16-7575
Site: http://www.pfizer.com.br
CNPJ n° 46.070.868/0001-69

Ver outros medicamentos do laboratório "PFIZER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Rádio:
7 Microbiológico: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
8 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
9 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
10 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
12 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
13 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
14 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
15 Sanguinolenta: 1. Em que há grande derramamento de sangue; sangrenta. 2. Tinto ou misturado com sangue. 3. Que se compraz em ver ou derramar sangue; sanguinária.
16 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
17 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
18 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
19 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
20 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
21 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
22 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
23 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
24 Enemas: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
25 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
26 Alérgenos: Substância capaz de provocar reação alérgica em certos indivíduos.
27 Olhos:
28 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
29 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
30 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
31 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
32 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
33 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
34 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
35 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
36 Cabeça:
37 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
38 Torcicolo: Distúrbio freqüente produzido por uma luxação nas vértebras da coluna cervical, ou a espasmos dos músculos do pescoço que produzem rigidez e rotação lateral do mesmo.
39 Vaginite: Inflamação da mucosa que recobre a vagina. Em geral é devido a uma infecção bacteriana ou micótica. Manifesta-se por ardor, dor espontânea ou durante o coito (dispareunia) e secreção mucosa ou purulenta pela mesma.
40 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
41 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.

Tem alguma dúvida sobre DALACIN T?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.