Preço de FEMINA em Ann Arbor/SP: R$ 29,71

FEMINA

ACHÈ

Atualizado em 08/12/2014

Identificação do Produto da Femina

DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL

FEMINA

Comprimidos em blíster de 21

USO ADULTO

Composição Completa da Femina

                                                       
Cada comprimido contém:
Desogestrel         150 mcg
Etinilestradiol         20 mcg

Informação ao Paciente da Femina

O produto, quando conservado em locais frescos e bem ventilados, sob temperatura não superior a 25°C, ao abrigo da luz, calor e umidade, apresenta uma validade de 36 meses a contar da data de sua fabricação. Não devem ser utilizados produtos fora do prazo de validade, pois podem trazer prejuízos a saúde1.

A cartela de DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL contém 21 comprimidos e nesta cartela está marcado o dia da semana correspondente a cada comprimido.

Os comprimidos devem ser ingeridos diariamente, de preferência a mesma hora do dia, sem interrupção, a fim de se conseguir o efeito desejado.

Toda pílula anticoncepcional só deverá ser utilizada com orientação contínua do médico, por isto, antes de iniciar o tratamento, a paciente deve ser submetida a exames ginecológicos e principalmente excluída a existência de gravidez2.

Cuidados de Administração da Femina

Para utilizar DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL e obter o máximo de eficácia, ler atentamente as instruções indicadas a seguir:

O 1°. dia do ciclo corresponde ao 1° . dia de menstruação3;

Tomar 1 comprimido (inteiro) por dia, durante 21 dias seguidos -
seguir as setas indicadas na cartela - sempre no mesmo horário,
por exemplo, na hora do café ou na hora do jantar;

Se esquecer de tomar 1 comprimido, o mesmo deve ser tomado na hora que perceber o esquecimento desde que não tenha ultrapassado 12 horas do horário escolhido para fazer o tratamento. Se este período for maior do que 12 horas, esperar até a hora habitual e tomar os 2 comprimidos juntos (o "esquecido" e o do dia normal) - neste caso, tomar precauções adicionais para evitar a gravidez2 durante 14 dias seguidos ou até ocorrer a próxima menstruação3.

Cuidados na Interrupção do Tratamento da Femina

Suspendendo a utilização de DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL, a função dos ovários4 é recuperada e consequentemente existe o risco de gravidez2.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS

Como Utilizar Desogestrel + Etinilestradiol da Femina

Se durante o ciclo anterior não utilizou nenhuma pílula anticoncepcional, ou se utilizou e quer trocar por DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL:

Esperar o início da menstruação3. No 1°. dia de menstruação3 tomar o 1°. comprimido de DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL (ver marca na cartela do dia da semana correspondente ao 1°. comprimido). Seguir a direção das setas e continuar a tomar 1 comprimido por dia, durante 21 dias seguidos, até a cartela ficar vazia. Fazer pausa de 7 dias. Imediatamente após o 7°. dia, ou seja no 8°. dia, iniciar outra cartela de DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL, mesmo que a menstruação3 não tenha terminado. Observar que da 2a. cartela em diante, sempre a 1a. pílula vai coincidir com o mesmo dia da semana em que se iniciou o tratamento;

· Se iniciar o tratamento após o dia recomendado ou no período pós-parto, tomar precauções adicionais para , evitar a gravidez2 durante os primeiros 14 dias de uso de DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL (uso de preservativo ("camisinha") por exemplo);

· Se a menstruação3 já iniciou há mais de 5 dias, aguardar até a próxima menstruação3 para iniciar o tratamento.

Precauções e advertências:

· A utilização de anticoncepcionais orais pode diminuir a tolerância da glicose5, portanto, se você está utilizando insulina6 ou outros medicamentos antidiabéticos comunicar ao médico;

· Os anticoncepcionais orais contendo estrogênio/progestagênio podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade de leite materno. Pequenas quantidades destas substâncias podem ser eliminadas através do leite materno;

· A utilização de cigarros aumenta o risco de doenças cardiovasculares7.
Este risco aumenta com a idade e quantidade de cigarros/dia, portanto
as pacientes que utilizam anticoncepcionais orais devem ser orientadas a parar de fumar;

· A paciente deve informar ao médico qualquer alteração desagradável durante a utilização de DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL, principalmente se estas alterações surgirem com o uso de outros medicamentos.

Confiabilidade reduzida:

A confiabilidade de anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando:

· Os comprimidos não são tomados de acordo com as instruções de
uso;

· Ocorrer problemas gastrintestinais como vômitos8 e/ou diarréia9 até 4 horas depois de tomado o comprimido;

· Utilizar outros medicamentos concomitantemente, tais como: antibióticos, barbitúricos e anticonvulsivantes.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE1.

Informação Técnica da Femina

DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL é um anticoncepcional oral combinado que contém, como substâncias ativas o estrogênio etinilestradiol e o progestagênio desogestrel. Os estudos clínicos revelaram que os anticoncepcionais orais contendo etinilestradiol não provocam efeitos metabólicos indesejáveis atribuídos a atividade androgênica de alguns progestagênios utilizados em anticoncepcionais orais. Quando administrado de acordo com o esquema posológico recomendado, DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL suprime a função gonadal hipofisária, e consequentemente a ovulação10. Além disso, DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL induz um sangramento uterino regular com quantidade e duração semelhantes à menstruação3 normal.Este sangramento é indolor e normalmente inicia 2 ou 3 dias após a ingestão do último comprimido. Ensaios clínicos11 realizados com DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL demonstraram baixíssimo índice de gravidez2, bom controle do ciclo, baixa incidência12 de reações adversas.

Indicações da Femina

Como anticoncepcional oral.

Contra-Indicações da Femina

· GRAVIDEZ2.

· DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES OU CEREBROVASCULARES, POR EX., TROMBOFLEBITES13, PROCESSOS TROMBOEMBÓLICOS OU ANTECE- DENTES DESSAS CONDIÇÕES.

· HIPERTENSÃO14 GRAVE.

· DISTÚRBIOS HEPÁTICOS IMPORTANTES OU ANTECEDENTES DESSAS CONDIÇÕES, CASO OS RESULTADOS DOS TESTES DE FUNÇÃO HEPÁTICA15 NÃO TENHAM RETORNADO AO NORMAL;ICTERÍCIA16 COLESTÁTICA; ANTECEDENTES DE ICTERÍCIA16 NA GRAVIDEZ2 OU DURANTE A UTILIZAÇÃO DE ESTERÓIDES.

· SÍNDROME17 DE ROTOR E DE DUBIN-JOHNSON.

· PRESENÇA OU SUSPEITA DE TUMORES ESTROGÊNIO-DEPENDENTES.

· HIPERPLASIA ENDOMETRIAL18.

· SANGRAMENTO VAGINAL SEM DIAGNÓSTICO19.

· PORFIRIA20.

· HIPERLIPOPROTEINEMIA, ESPECIALMENTE EM PRESENÇA DE OUTROS FATORES DE RISCO QUE PREDISPONHAM À DOENÇAS CARDIOVASCULARES7.

· UM HISTÓRICO DE PRURIDO21 INTENSO OU HERPES GESTACIONAL DURANTE GRAVIDEZ2 OU COM USO PRÉVIO DE ESTERÓIDES.

Precauções e Advertências da Femina

OS ANTICONCEPCIONAIS ORAIS CONTENDO ESTROGÊNIO/PROGES-TAGÊNIO PODEM AFETAR A QUALIDADE E REDUZIR A QUANTIDADE DO LEITE MATERNO.

UMA PEQUENA QUANTIDADE DAS SUBSTÂNCIAS ATIVAS PODE SER EXCRETADA ATRAVÉS DO LEITE MATERNO.

SE OCORREREM QUAISQUER SINAIS22 DE PROCESSOS TROMBOEMBÓLICOS, O TRATAMENTO DEVERÁ SER INTERROMPIDO IMEDIATAMENTE.

O TABAGISMO AUMENTA O RISCO DE DOENÇAS VASCULARES23, E ESSE RISCO É ACENTUADO COM A IDADE. ALÉM DISSO, ESSE RISCO É PROVAVELMENTE UM POUCO MAIOR NAS USUÁRIAS DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS CONTENDO ESTROGÊNIOS EM RELAÇÃO ÀS NÃO-USUÁRIAS. SENDO ASSIM, AS MULHERES COM IDADES ACIMA DE 35 ANOS DEVEM SER ORIENTADAS A PARAR DE FUMAR, CASO QUEIRAM UTILIZAR ESSES PRODUTOS.

NAS PACIENTES FAZENDO USO DE MEDICAMENTOS CONTENDO ESTROGÊNIOS, O RISCO DE TROMBOSE VENOSA PROFUNDA24 PODE AUMENTAR TEMPORARIAMENTE, AO SEREM SUBMETIDAS À CIRURGIA DE GRANDE PORTE OU IMOBILIZAÇÃO PROLONGADA.

NA PRESENÇA DE VEIAS25 VARICOSAS IMPORTANTES, OS BENEFÍCIOS DOS MEDICAMENTOS COM ESTROGÊNIOS DEVERÃO SER AVALIADOS CONTRA OS POSSÍVEIS RISCOS.

O TRATAMENTO DEVERÁ SER INTERROMPIDO, CASO OS RESULTADOS DOS TESTES DE FUNÇÃO HEPÁTICA15 SE TORNEM ANORMAIS.

MUITO RARAMENTE TÊM SIDO DESCRITOS ADENOMAS DE CÉLULAS26 HEPÁTICAS27 EM USUÁRIAS DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS. O ADENOMA28 PODE SE APRESENTAR COMO UMA MASSA ABDOMINAL E/OU COM SINAIS22 E SINTOMAS29 DE DOR ABDOMINAL AGUDA. CASO A PACIENTE APRESENTE DOR ABDOMINAL OU SINAIS22 DE SANGRAMENTO INTRA-ABDOMINAL, DEVE-SE CONSIDERAR A PRESENÇA DE ADENOMA28 CELULAR HEPÁTICO HEMORRÁGICO30.

OCASIONALMENTE VERIFICA-SE CLOASMA31 DURANTE O USO DE MEDICAMENTOS CONTENDO ESTROGÊNIO E/OU PROGESTAGÊNIO, ESPECIALMENTE EM MULHERES COM ANTECEDENTES DE CLOASMA31 GRAVÍDICO. AS MULHERES COM TENDÊNCIA A CLOASMA31 DEVEM EVITAR EXPOSIÇÃO AO SOL DURANTE O TRATAMENTO COM ESSES MEDICAMENTOS.

DURANTE O USO DE ANTICONCEPCIONAIS CONTENDO ESTROGÊNIOS, PODERÁ OCORRER DEPRESSÃO. CASO ISTO SE ACOMPANHE DE DISTÚRBIO NO METABOLISMO32 DO TRIPTOFANO, A ADMINISTRAÇÃO DE CLORIDRATO DE PIRIDOXINA PODERÁ TER VALOR TERAPÊUTICO.

O USO DE ESTERÓIDES PODE INFLUENCIAR OS RESULTADOS DE DETERMINADOS TESTES LABORATORIAIS.

RECOMENDA-SE EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS DURANTE O TRATAMENTO PROLONGADO COM MEDICAMENTOS CONTENDO ESTROGÊNIOS E/OU PROGESTAGÊNIOS.

AS PACIENTES PORTADORAS DE QUALQUER DAS SEGUINTES CONDIÇÕES DEVERÃO SER MONITORIZADAS:

· INSUFICIÊNCIA CARDÍACA33 LATENTE OU MANIFESTA, DISFUNÇÃO RENAL34, HIPERTENSÃO14, EPILEPSIA35 OU ENXAQUECA36 (OU ANTECEDENTES DESSAS CONDIÇÕES), POIS PODE OCORRER AGRAVAMENTO OU RECORRÊNCIA37 DESSAS DOENÇAS OU EVENTUALMENTE PODEM SER INDUZIDAS.

· DREPANOCITOSE, POIS SOB CERTAS CIRCUNSTÂNCIAS, COMO POR EX., DURANTE INFECÇÃO38 OU ANÓXIA39, OS MEDICAMENTOS CONTENDO ESTROGÊNIOS PODEM INDUZIR PROCESSOS TROMBOEMBÓLICOS EM PACIENTES COM ESSAS CONDIÇÕES.

· DOENÇAS GINECOLÓGICAS SENSÍVEIS À AÇÃO ESTROGÊNICA, COMO POR EX. FIBROMIOMAS UTERINOS - QUE PODEM AUMENTAR DE TAMANHO E ENDOMETRIOSE40 - QUE PODE SE AGRAVAR DURANTE O TRATAMENTO COM ESTROGÊNIO.

CONFIABILIDADE REDUZIDA:

QUANDO FEMINA É TOMADO DE ACORDO COM AS INSTRUÇÕES DE USO, A OCORRÊNCIA DE GRAVIDEZ2 É ALTAMENTE IMPROVÁVEL. ENTRETANTO, A CONFIABILIDADE DOS
   ANTICONCEPCIONAIS ORAIS PODE SER REDUZIDA QUANDO:

· OS COMPRIMIDOS NÃO SÃO TOMADOS DE ACORDO COM AS INSTRUÇÕES DE USO, POR EX., ESQUECIMENTO DE INGESTÃO DE UM OU MAIS COMPRIMIDOS.

· OCORRER EM DISTÚRBIOS GASTRINTESTINAIS COM DIARRÉIA9 E/OU VÔMITOS8 DENTRO DE ATÉ 4 HORAS APÓS A INGESTÃO DO COMPRIMIDO.

· ADMINISTRAÇÃO CONCOMITANTE DE OUTROS MEDICAMENTOS (VIDE ITEM INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS).

CASO NÃO OCORRA SANGRAMENTO DE PRIVAÇÃO E NENHUMA DAS CIRCUNSTÂNCIAS MENCIONADAS ACIMA ESTIVER PRESENTE, A GRAVIDEZ2 SERÁ ALTAMENTE IMPROVÁVEL, E O USO DE ANTICONCEPCIONAL ORAL PODE SER CONTINUADO. SE, NO ENTANTO, QUALQUER UMA DESTAS EVENTUALIDADES OCORRER, DEVE-SE INTERROMPER A INGESTÃO DOS COMPRIMIDOS E EXCLUIR-SE A PRESENÇA DE GRAVIDEZ2, ANTES DE RETORNAR AO USO DO ANTICONCEPCIONAL ORAL.

Interações Medicamentosas da Femina

Sangramento irregular e confiabilidade reduzida poderão ocorrer quando os anticoncepcionais forem administrados concomitantemente com outros medicamentos, como os anticonvulsivantes, barbitúricos, antibióticos (por ex., tetraciclina, rifampicina, etc.), e determinados laxantes41.

Em diabéticas, os anticoncepcionais orais podem diminuir a tolerância a glicose5 e aumentar as necessidades de insulina6 ou outros medicamentos antidiabéticos.

Os anticoncepcionais orais podem interferir no metabolismo32 oxidativo do diazepam e clordiazepóxido, provocando acumulação plasmática dos mesmos. Os estrógenos podem provocar diminuição da resposta a agentes antidepressivos tricíclicos e aumento na incidência12 de efeitos secundários tóxicos desses medicamentos.

Reações Adversas da Femina

FORAM ASSOCIADOS AO TRATAMENTO COM ESTROGÊNIO E/OU PROGES- TAGÊNIO AS SEGUINTES REAÇÕES:

· TRATO GENITURINÁRIO:

SANGRAMENTO INTERMENSTRUAL, AMENORRÉIA42 PÓS-MEDICAÇÃO, ALTERAÇÕES NA SECREÇÃO CERVICAL, AUMENTO NO TAMANHO DOS FIBROMIOMAS UTERINOS, AGRAVAMENTO DE ENDOMETRIOSE40, CERTAS INFECÇÕES43 VAGINAIS COMO A CANDIDÍASE44.

· MAMAS45:

SENSIBILIDADE, DOR, AUMENTO, SECREÇÃO.

· SISTEMA GASTRINTESTINAL:

NÁUSEA46, VÔMITOS8, COLELITÍASE47, ICTERÍCIA16 COLESTÁTICA.

· SISTEMA CARDIOVASCULAR48:

TROMBOSE49, AUMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL50.

· PELE51:

CLOASMA31, ERITEMA NODOSO52, EXANTEMA53.

· OLHOS54:

DESCONFORTO DA CÓRNEA55 QUANDO EM USO DE LENTES DE CONTATO.

· SISTEMA NERVOSO CENTRAL56:

CEFALÉIA57, ENXAQUECA36, ALTERAÇÕES DO HUMOR.

· DIVERSOS:

RETENÇÃO DE LÍQUIDOS, REDUÇÃO DA TOLERÂNCIA A GLICOSE5, ALTERAÇÃO DO PESO CORPORAL.

Posologia da Femina

O 1°. comprimido da primeira cartela deverá ser iniciado no 1°. dia da menstruação3. Isto também é aplicável quando houver troca de um outro anticoncepcional oral. Um comprimido é tomado diariamente no mesmo horário, sem interrupção durante 21 dias, seguindo-se de uma pausa de 7 dias.

Cada cartela seguinte será iniciada após o término desta pausa de 7 dias.

A administração após o parto deverá ser iniciada no 1°. dia da primeira menstruação3 espontânea. Caso seja necessário iniciar antes, por ex. imediatamente após o parto, serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais durante os primeiros 14 dias de uso dos comprimidos.

A administração após aborto deverá ser iniciada imediatamente. Nesse caso, não serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais.

Conduta na Superdosagem da Femina

A toxicidade58 tanto do desogestrel como do etinilestradiol é muito baixa.
   
Sendo assim, não se espera a ocorrência de sintomas29 tóxicos com DESOGESTREL + ETINILESTRADIOL quando por ex., uma criança venha a ingerir diversos comprimidos simultaneamente. Os sintomas29 que podem ocorrer nesse caso, incluem: náusea46, vômitos8 e em meninas, leve sangramento vaginal. Provavelmente não será necessário tratamento específico, e caso seja adequado, pode-se administrar tratamento de apoio, a critério médico.

"ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E EMBORA AS PESQUISAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA QUANDO CORRETAMENTE INDICADO, PODEM OCORRER REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS AINDA NÃO DESCRITAS OU CONHECIDAS. EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÃO ADVERSA, O MÉDICO RESPONSÁVEL DEVE SER NOTIFICADO".

Data de fabricação, n°. do lote e prazo de validade: vide cartucho.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

FEMINA - Laboratório

ACHÈ
RODOVIA PRES DUTRA KM 222, 2
GUARULHOS/SP - CEP: 07034-904
Tel: 11 6440-8418
Email: ache@ache.com.br
Site: http://www.ache.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "ACHÈ"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
4 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
5 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
6 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
7 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
8 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
9 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
10 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
11 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
12 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
13 Tromboflebites: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
14 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
15 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
17 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
18 Hiperplasia endometrial: Caracterizada por alterações biomorfológicas do endométrio (estroma e glândulas), que variam desde um estado fisiológico exacerbado até o carcinoma “in situ”. É o resultado de uma estimulação estrogênica persistente na ausência ou insuficiência de estímulo progestínico.O fator prognóstico mais importante nas pacientes afetadas é a atipia celular: cerca de 20% das pacientes com hiperplasia atípica evoluem para câncer invasivo.
19 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
20 Porfiria: Constituem um grupo de pelo menos oito doenças genéticas distintas, além de formas adquiridas, decorrentes de deficiências enzimáticas específicas na via de biossíntese do heme, que levam à superprodução e acumulação de precursores metabólicos, para cada qual correspondendo um tipo particular de porfiria. Fatores ambientais, tais como: medicamentos, álcool, hormônios, dieta, estresse, exposição solar e outros desempenham um papel importante no desencadeamento e curso destas doenças.
21 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
22 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
23 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
24 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
25 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
26 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
27 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
28 Adenoma: Tumor do epitélio glandular de características benignas.
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
31 Cloasma: Manchas escuras na face. O seu surgimento está relacionado à gravidez. Além dos fatores hormonais e da exposição solar, a tendência genética e características raciais também influenciam o seu surgimento. O cloasma gravídico pode desaparecer espontaneamente após a gravidez, não exigindo, às vezes, nenhum tipo de tratamento.
32 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
33 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
34 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
35 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
36 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
37 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
38 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
39 Anóxia: Diminuição acentuada da concentração de oxigênio a nível celular. Pode ser devido a um problema nos mecanismos respiratórios (p. ex. apnéia, edema de glote, etc) ou devido a problemas nas trocas de oxigênio a nível celular.
40 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
41 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
42 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
43 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
44 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
45 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
46 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
47 Colelitíase: Formação de cálculos no interior da vesícula biliar.
48 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
49 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
50 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
51 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
52 Eritema nodoso: Erupção eritematosa comumente associada a reações a medicamentos ou infecções e caracterizada por nódulos inflamatórios que são geralmente dolorosos, múltiplos e bilaterais. Esses nódulos são localizados predominantemente nas pernas, podendo também estar nas coxas e antebraços. Eles sofrem alterações de coloração características terminando em áreas tipo equimose temporárias. Regride em 3 a 6 semanas, em média, sem cicatriz ou atrofia.
53 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
54 Olhos:
55 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
56 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
57 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
58 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.

Tem alguma dúvida sobre FEMINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.