CEFTRIAXONA ARISTON 1 g

ARISTON

Atualizado em 08/12/2014

Composição da Ceftriaxona Ariston

cada frasco-ampola contém: ceftriaxona (saldissódico) 1,0 g; cada ampola de diluente contém: água para injeção1 10,0 ml.

Posologia e Administração da Ceftriaxona Ariston

adultos e crianças acima de 12 anos ou peso superior a 50 kg: 1 a 2 g de ceftriaxona uma vez ao dia. Recém-nascido: 20-50 mg/kg/dia. Lactentes2 e crianças abaixo de 12 anos: tratados em função da gravidade da infecção3. Recomenda-se 20-100 mg/kg/dia. A dose padrão para adultos não requer modificação em casos de pacientes geriátricos. Injeção1 intravenosa: diluir Ceftriaxona 1 g em 10 ml de água para injeção1 e administrar lentamente por via intravenosa direta, durante 2 a 4 minutos. A Ceftriaxona não deve ser misturada, nem combinada com soluções que contenham outros agentes antimicrobianos ou em soluções diferentes da mencionada, para evitar possíveis incompatibilidades. Superdosagem: a experiência da superdosagem é bastante limitada. A administração imprópria em largas doses pode eventualmente ocasionar irritações cerebrais; neste caso a droga deve ser prontamente descontinuada. Os níveis séricos de Ceftriaxona podem ser reduzidos através da hemodiálise4.

Precauções da Ceftriaxona Ariston

recomenda-se verificar, cuidadosamente, a sensibilidade do paciente às cefalosporinas, penicilinas e outros medicamentos, pois podem ocorrer reações anafiláticas5. Nesse caso deve-se adotar imediatamente as medidas apropriadas. Embora as pesquisas pré-clínicas não tenham revelado efeitos mutagênicos ou teratogênicos6, a ceftriaxona não deve ser usada durante a gravidez7 (principalmente nos primeiros três meses) a menos que seja absolutamente necessário. Nos casos de insuficiência renal8 e hepática9 severas e concomitantes, deverão ser determinadas as concentrações plasmáticas de Ceftriaxona a intervalos regulares. Em tratamentos prolongados deve-se verificar regularmente o quadro sangüíneo. Tratamento com antibiótico de amplo espectro (ceftriaxona) altera a flora normal do cólon10, permitindo supercrescimento de Clostridium difficile cuja toxina11 é causa primária da colite12 pseudomembranosa que deve ser considerada no diagnóstico13 de pacientes que desenvolveram diarréia14 associada ao uso de antibiótico. Nesse caso, o tratamento com ceftriaxona deve ser descontinuado e instituído o tratamento apropriado. Estudos experimentais demonstraram que ocorre um efeito aditivo ou sinérgico quando a ceftriaxona é administrada em associação com aminoglicosídeos. Isto se reveste de grande importância nas infecções15 graves causadas por Pseudomonas aeruginosa e Streptococcus faecalis. Os dois antibióticos devem ser injetados separadamente.

Reações Adversas da Ceftriaxona Ariston

a ceftriaxona é, em geral, bem tolerada. Podem ocorrer distúrbios gastrintestinais como diarréia14, vômito16, estomatite17, glossite18. Reações cutâneas19 como exantema20, dermatite21 alérgica, prurido22, urticária23, edema24, eritema multiforme25. Alterações hematológicas como eosinofilia26, hematoma27, leucopenia28, trombocitopenia29, granulocitopenia e anemia hemolítica30. Outros efeitos colaterais31 raramente observados são cefaléia32, tontura33, alteração da creatinina34 sérica, micose35 do trato genital, tremores e reações anafiláticas5. Todos esses efeitos colaterais31 foram reversíveis, em alguns casos somente após a suspensão da medicação.

Contra-Indicações da Ceftriaxona Ariston

hipersensibilidade às cefalosporinas. Em pacientes hipersensíveis à penicilina deve-se levar em conta a possibilidade de reações alérgicas cruzadas.

Indicações da Ceftriaxona Ariston

tratamento de infecções15 causadas por organismos sensíveis à ceftriaxona. Infecções15 no trato respiratório inferior causada por Streptococcus pneumoniae, Streptococcus sp, (excluindo enterococcus), Staphylococcus aureus, Haemophilus parainfluenzae, Haemophilus influenzae, Klebsiella sp. (incluindo Klebsiella pneumoniae), Escherichia coli, Escherichia aerogones, Proteus mirabilis e Serratia marcescens. Infecções15 da pele36 e suas estruturas causadas por Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Streptococcus sp. (excluindo enterococcus), Enterobacter cloacae, Klebsiella sp. (incluindo Klebsiella pneumoniae), Proteus mirabilis e Pseudomonas aeruginosa. Infecções15 do trato urinário37 (complicada ou não complicada) causadas por Escherichia coli, Proteus mirabilis, Proteus vulgaris, Morganella morganii e Klebsiella sp, incluindo Klebsiella pneumoniae). Gonorréia38 não complicada causada por Neisseria gonorrhoeae (incluindo cepas39 produtoras e não produtoras de penicilinase). Septicemia40 bacteriana causada por Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae, Escherichia coli, Haemophilus influenzae e Klebsiella pneumoniae. Infecções15 ósseas e articulares causadas por Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae, Streptococcus sp. (excluindo enterococcus), Escherichia coli, Proteus mirabilis, Klebsiella pneumoniae e Enterobacter sp. Infecções15 intra-abdominais causadas por Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae.

Apresentação da Ceftriaxona Ariston

pó para solução injetável 1g. Caixa contendo 20 frascos-ampola + diluente.


CEFTRIAXONA ARISTON 1 g - Laboratório

ARISTON
Rua Adherbal Stresser, 84
São Paulo/SP - CEP: 05566-000
Tel: (011 )810-1079
Fax: (011 )810-2894
Site: http://www.ariston.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ARISTON"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
5 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
6 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
7 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
8 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
9 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
10 Cólon:
11 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
12 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
15 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
16 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
17 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
18 Glossite: Inflamação da mucosa que reveste a língua, produzida por infecção viral, radiação, carências nutricionais, etc.
19 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
20 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
21 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
22 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
23 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
24 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
25 Eritema multiforme: Condição aguda, auto-limitada, caracterizada pelo início abrupto de pápulas vermelhas fixas simétricas, algumas evoluindo em lesões em forma de “alvo”. A lesão alvo são zonas concêntricas de alterações de coloração com a área central púrpura ou escura e a externa vermelha. Elas irão desenvolver vesícula ou crosta na zona central após vários dias. Vinte porcento de todos os casos ocorrem na infância.O eritema multiforme geralmente é precipitado pelo vírus do herpes simples, Mycoplasma pneumoniae ou histoplasmose.
26 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
27 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
28 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
29 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
30 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
31 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
32 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
33 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
34 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
35 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
36 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
37 Trato Urinário:
38 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
39 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
40 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre CEFTRIAXONA ARISTON 1 g?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.