Preço de Albicon em Cambridge/SP: R$ 14,92

Bula do paciente Bula do profissional

Albicon
(Bula do profissional de saúde)

CHIESI FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 05/01/2021

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO:

Albicon®
benzocaína + bicarbonato de sódio + clorato de potássio
Pó 0,006 g + 0,884 g + 0,11 g

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Pó para uso tópico1
Frasco plástico contendo 20 g de pó

USO TÓPICO1
USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS.

COMPOSIÇÃO:

Cada grama2 de Albicon® pó contém:

benzocaína 0,006 g
bicarbonato de sódio 0,884 g
clorato de potássio 0,11 g
excipiente q.s.p. 1 g

INFORMAÇÕES AO PROFISSIONAL DE SAÚDE3

INDICAÇÕES

Este medicamento é indicado no tratamento de aftas, gengivites, estomatites, candidíase4 oral e na profilaxia do tártaro5 dentário.

RESULTADOS DE EFICÁCIA

Não foram realizados estudos clínicos com o medicamento em questão.

Por ser um medicamento de uso tópico1, a aplicação clínica foi estabelecida com base na ação farmacológica das substâncias presentes na formulação do medicamento e/ou, pelo conhecimento clínico da etiologia6 das doenças.

A afta7 ou aphta vulgaris é uma lesão8 vesiculosa da mucosa9 da boca10, que ocorre habitualmente nas bochechas, lábios e língua11; raramente no céu da boca10 e na gengiva. Ela pode aparecer individualmente ou em grupos e geralmente é reincidente. As aftas são bastante dolorosas, principalmente nos primeiros 3 a 5 dias. A lesão8 dura de 10 a 14 dias e a mucosa9 oral se recupera totalmente, não deixando cicatriz12. A etiologia6 é desconhecida. Quanto ao tratamento da afta7, substâncias alcalinizantes e cauterizantes, antissépticos13, antibióticos, agentes protetores da mucosa9 oral, anestésicos tópicos, vitaminas, entre outras, têm sido utilizadas.1,2

A gengivite14 é um processo inflamatório que se desenvolve através das bactérias que vivem na boca10 e se grudam nos dentes por meio de uma película pegajosa, formando a placa15 bacteriana ou biofilme dentário.3

A candidíase4 é uma infecção16 fúngica17 devido à presença de levedura do gênero Candida, a qual é um membro da família Cryptococcaceae. Existem 81 espécies no gênero Cândida, sendo a Candida albicans a mais conhecida e a mais comum. A candidíase4 está associada a alterações bucais ou sistêmicas. Fatores como: recém-nascido, diabetes18, antibioticoterapia, xerostomia19, imunossupressão20 e AIDS estão associados com a forma aguda, enquanto a diabetes18, prótese21 superior, perda da dimensão vertical (queilite angular) e imunossupressão20 relacionam-se com a forma crônica.4,5 Um estudo in vitro demonstrou que solução de bicarbonato de sódio tem eficácia na ação antifúngica semelhante à nistatina.6

Albicon® é uma associação de substâncias na forma farmacêutica de pó, que apresentam a característica de alcalinizar o meio em que são colocadas, como por exemplo a cavidade oral22, além de possuírem um efeito antisséptico23, fungistático e bacteriostático e uma ação oxidante.

O bicarbonato de sódio é classicamente usado como alcalinizante, elevando o pH do meio, uma vez que reage com os íons24 de hidrogênio formando água e dióxido de carbono, auxiliando no combate aos fungos e microrganismos.

O clorato de potássio apresenta efeito antisséptico23 e uma ação oxidante. A benzocaína é um anestésico tópico1 eficaz, amplamente utilizado.

Desta forma, o produto é indicado como antisséptico23 e alcalinizante tópico1, no tratamento sintomático25 de aftas, gengivites, estomatites, candidíase4 oral e na profilaxia do tártaro5 dentário.

Referência Bibliográficas:

  1. Robert W. Barrons. Treatment strategies for recurrent oral aphthous ulcers. American Journal of Health-System Pharmacy, Jan 2001.
  2. Zunt, Susan L. Recurrent aphtohous ulcers: prevention and treatment. The Journal Of Practical Hygiene, July-August, 2001, p. 17–24.
  3. SEIXAS, Aline Ribeiro et al. Prevenção e tratamento da gengivite14 na prática do técnico em saúde3 bucal. Revista Gestão & Saúde3, Curitiba, v.1, n.2 , p. 37–41, 2010.
  4. Cavassani, Valdinês Gonçalves dos Santos et al. Candidíase4 oral como marcador de prognóstico26 em pacientes portadores do HIV27. Rev Bras Otorrinolaringol, v.68, n.5, 630- 4, Set/Out 2002.
  5. Neto, Marco Martins et al. Candidíase4 bucal: revisão da literatura. Saúde3, vol. 31 (1 - 2): 16–26, 2005.
  6. Miranda da Rosa, Francine et al. Análise in vitro da eficácia de bicarbonato de sódio e da nistatina na inibição de candida albicans. Stomatos (Revista de Odontologia da Universidade Luterana do Brasil), Junho-dezembro, vol 12, nº 023, p. 17–21, 2006.

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS

Albicon® é uma associação dos princípios ativos bicarbonato de sódio, benzocaína e clorato de potássio.

O bicarbonato de sódio é classicamente usado como alcalinizante, elevando o pH do meio, uma vez que reage com os íons24 de hidrogênio formando água e dióxido de carbono, auxiliando no combate aos fungos e microrganismos. Quando administrado por via oral, o bicarbonato de sódio reage com o ácido gástrico28, com a produção de dióxido de carbono e água. Somente o excesso de sódio e de bicarbonato é absorvido pela corrente plasmática. As concentrações plasmáticas de bicarbonato são reguladas pelo rim29. Em um adulto saudável quase todo o íon30 bicarbonato filtrado pelo glomérulo31 é reabsorvido, e menos que 1% é excretado. O excesso de bicarbonato, excretado na urina32 na presença de íons24 sódio, torna a urina32 mais alcalina e exerce um efeito diurético33.

O clorato de potássio apresenta efeito antisséptico23 e uma ação oxidante moderada. Em um estudo em ratos, clorato de potássio radioativo34 foi rapidamente absorvido quando administrado pela via oral, alcançando picos de concentrações plasmáticas após uma hora, e sendo eliminado lentamente do sangue35, com uma via de eliminação bifásica com meia-vida de 3 a 36,7 horas, respectivamente. Se uma via similar de eliminação ocorrer em humanos, exposição diária a clorato de potássio pode resultar em toxicidade36 cumulativa.

A benzocaína é um anestésico local eficaz, que age diminuindo a permeabilidade37 aos íons24 sódio através da membrana neuronal. Esta ação inibe a despolarização da membrana neuronal, bloqueando a iniciação e a condução dos impulsos nervosos. É amplamente utilizada, apresenta um início de ação quase que imediato (15 a 30 segundos). Devido a sua baixa solubilidade em água, a benzocaína é pouco absorvida e por isso a toxicidade36 sistêmica é rara. A benzocaína é metabolizada pelas colinesterases plasmáticas. A excreção renal38 é mínima, sendo excretada como droga não metabolizada.

CONTRAINDICAÇÕES

Albicon® não deve ser utilizado em pacientes que apresentam hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula.

Albicon® não deve ser usado em lesões39 extensas, nem em tratamentos prolongados.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O medicamento deve ser utilizado somente para uso tópico1 e não deve ser ingerido.

O uso de Albicon® em crianças menores de 2 anos deve ser feito somente mediante recomendação médica.

Devido à presença de bicarbonato de sódio, o medicamento deve ser utilizado com precaução em pacientes com histórico de insuficiência cardíaca congestiva40, de insuficiência renal41, de cirrose42 e hipertensão43 e em pacientes utilizando corticosteróide concomitantemente.

Devido à presença de benzocaína, o medicamento não dever ser utilizado na pele44 ou mucosa9 ressecada, irritada ou com temperatura elevada; não deve ser aplicado em áreas extensas ou em doses acima do indicado; o local de aplicação não deve ser coberto; pois todas estas condições podem aumentar o risco de absorção sistêmica e de toxicidade36.

Populações especiais

Pacientes idosos: Não existem restrições ao uso. Você deve ter as mesmas precauções e cuidados de administração previstos para os demais pacientes.

Gravidez45 e Lactação46

Albicon® é indicado para uso tópico1, portanto é esperado que baixas concentrações atinjam a corrente sanguínea podendo, na posologia recomendada, ser considerada segura a utilização do medicamento durante a gestação. Porém, não existem estudos específicos da utilização do medicamento Albicon® durante a gravidez45 e lactação46. O médico deverá considerar se os benefícios esperados para a mãe são maiores do que qualquer possibilidade de risco ao feto47 ou recém-nascido.

Categoria C: Não foram realizados estudos em animais e nem em mulheres grávidas; ou então, os estudos em animais revelaram risco, mas não existem estudos disponíveis realizados em mulheres grávidas.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Por ser um medicamento de aplicação tópica, com potencial de absorção sistêmica baixo, as interações medicamentosas ou alimentares são improváveis. Até o momento, não existem relatos de incompatibilidade com outros medicamentos, substâncias ou alimentos durante o uso do medicamento, podendo ser associado a antimicóticos ou corticosteroides tópicos, quando necessário.

Tem sido reportado que anestésicos locais que são derivados do PABA (benzocaína, procaína e tetracaína) podem antagonizar a atividade antibacteriana das sulfonamidas.

CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO

Cuidados de conservação

Mantenha o medicamento bem fechado à temperatura ambiente (15 a 30ºC). Proteger da luz e umidade.

O prazo de validade é de 24 meses, a contar da data de fabricação. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

Albicon® é um pó cristalino48, branco e inodoro (sem cheiro).

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

POSOLOGIA E MODO DE USAR

O medicamento deve ser aplicá-lo diretamente sobre as lesões39 (aftas, gengivites, estomatite49 ou candidíase4) ou pode-se fazer gargarejos ou bochechos.

Albicon® é um medicamento para uso tópico1, e ele não deve ser ingerido. A ingestão deste medicamento pode causar desde irritação gastrintestinal até os sinais50 e sintomas51 descritos no item 10 “Superdose”. Assim, se o paciente ingerir acidentalmente este medicamento, deve procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente.

Posologia

Aplicar topicamente sobre as lesões39 uma pequena quantidade do pó de Albicon®, de 8 em 8 horas (3 vezes ao dia), após as refeições, ou, no caso de crianças, após as mamadas.

Em casos de uso em gargarejos ou bochechos, dissolver uma colher de café (2,5 mL) do pó de Albicon® em meio copo de água.

Nas gengivites e para a remoção de manchas de tártaro5 ou de nicotina, dissolver uma colher de café (2,5 mL) do pó de Albicon® em um copo de água e escovar os dentes.

Os tratamentos não devem ser prolongados.

O limite máximo diário de administração tópica é de 3 doses de Albicon®.

REAÇÕES ADVERSAS

Não foram relatadas até o momento reações adversas ao uso do medicamento, não sendo possível determinar a intensidade e freqüência destas reações.

Pode ocorrer uma sensação de ardência no momento da aplicação que desaparece alguns minutos depois, não necessitando a interrupção do tratamento.

A aplicação de grande quantidade deste medicamento pode causar absorção significativa em crianças, seguida de anestesia52 da faringe53, e aumentar o risco de toxicidade36 à benzocaína. Têm sido observados casos de metemoglobinemia, após a aplicação tópica de benzocaína, especialmente em crianças. A benzocaína pode produzir também dermatite54 alérgica e alteração no paladar55.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA ou à Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

SUPERDOSE

A dose excessiva de bicarbonato de sódio pode causar hipopotassemia56 e alcalose57 metabólica, especialmente em pacientes com insuficiência renal41. Os sintomas51 incluem alteração no humor, cansaço, baixa respiração, rigidez muscular e batimentos cardíacos irregulares. Hipertonicidade dos músculos58, espasmos59 e tetania60 podem ocorrer, especialmente em pacientes hipocalcêmicos. Doses excessivas de sais de sódio podem causar excesso de sódio e hiperosmolaridade.

O efeito tóxico primário de exposição à benzocaína é metemoglobinemia. Taquicardia61, hipotensão62, hiperpnéia63, cianose64, letargia65 e acidose metabólica66 podem ocorrer secundariamente a metemoglobinemia significante (maior do que 40%)

A intoxicação aguda causada por ingestão de clorato de potássio requer pronto tratamento sintomático25. Os sintomas51 incluem náusea67, vômito68, diarréia69, dor abdominal, anemia hemolítica70, hemorragia71, metemoglobinemia, hiperpotassemia e falência renal38. Pode ocorrer dano no fígado72 e efeitos centrais com convulsão73 e coma74.

No caso de ingestão acidental de grandes quantidades, utilizar o mesmo procedimento

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas51, procure orientação médica.
 

Reg. M.S.: 1.0058.0001
Farm. Resp.:
Dra. C. M. H. Nakazaki CRF-SP nº 12.448

Registrado e Fabricado por:
CHIESI Farmacêutica Ltda.
Uma empresa do Grupo Chiesi Farmaceutici S.p.A.
Rua Dr. Giacomo Chiesi nº 151 - Estrada dos Romeiros km 39,2
Santana de Parnaíba - SP - CEP 06500-970
CNPJ 61.363.032/0001-46
Indústria Brasileira

Embalado por:
CHIESI Farmacêutica Ltda.
Ou
Laborpack Embalagens Ltda.
Rua João Santana Leite nº 360 - Santana de Parnaíba - SP


SAC 0800 114525

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
2 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
5 Tártaro: Em odontologia, é um depósito duro, formado especialmente por sais de cálcio e de magnésio, que se localizam na borda dos dentes ou sob as gengivas e precisa ser retirado regularmente para evitar complicações dentárias.
6 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
7 Afta: Perda de substância no epitélio mucoso causando ulceração superficial. Geralmente ocorre na cavidade oral.
8 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
10 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
11 Língua:
12 Cicatriz: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
13 Antissépticos: Que ou os que impedem a contaminação e combatem a infecção.
14 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
15 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
16 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Fúngica: Relativa à ou produzida por fungo.
18 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
19 Xerostomia: Ressecamento da boca provocado em geral pela secreção insuficiente de saliva pelas glândulas salivares. É ocasionado como efeito colateral de algumas drogas (anticolinérgicos) ou por diversos transtornos locais ou gerais.
20 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
21 Prótese: Elemento artificial implantado para substituir a função de um órgão alterado. Existem próteses de quadril, de rótula, próteses dentárias, etc.
22 Cavidade Oral: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
23 Antisséptico: Que ou o que impede a contaminação e combate a infecção.
24 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
25 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
26 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
27 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
28 Ácido Gástrico: Ácido clorídrico presente no SUCO GÁSTRICO.
29 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
30 Íon: Átomo ou grupo atômico eletricamente carregado.
31 Glomérulo: 1. Pequeno tufo ou novelo de fibras nervosas ou vasos sanguíneos, especialmente de capilares. 2. Rede de capilares recoberta por células epiteliais nos rins, é o local onde o sangue é filtrado e os produtos de excreção são removidos. 3. Inflorescência cimosa na qual as flores são subsésseis e muito próximas entre si, formando um aglomerado de aspecto globoso.
32 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
33 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
34 Radioativo: Que irradia ou emite radiação, que contém radioatividade.
35 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
36 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
37 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
38 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
39 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
40 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
41 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
42 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
43 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
44 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
45 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
46 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
47 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
48 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
49 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
50 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
51 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
52 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
53 Faringe: Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório. Comunica-se com a boca e com as fossas nasais. É dividida em três partes: faringe superior (nasofaringe ou rinofaringe), faringe bucal (orofaringe) e faringe inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana), sendo um órgão indispensável para a circulação do ar e dos alimentos.
54 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
55 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
56 Hipopotassemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
57 Alcalose: Desequilíbrio do meio interno, produzido por uma diminuição na concentração de íons hidrogênio ou aumento da concentração de bases orgânicas nos líquidos corporais.
58 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
59 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
60 Tetania: Espasmos e contraturas dos músculos das mãos e pés, e menos freqüentemente dos músculos da face, da laringe (cordas vocais) e da coluna vertebral. Inicialmente, são indolores; mas tendem a tornar-se cada vez mais dolorosos. É um sintoma de alterações bioquímicas do corpo humano e não deve ser confundida com o tétano, que é uma infecção. A causa mais comum é a hipocalcemia (nível baixo de cálcio no sangue). Outras causas incluem hipocalemia (nível baixo de potássio no sangue), hiperpnéia (frequência respiratória anormalmente profunda e rápida, levando a baixos níveis de dióxido de carbono), ou mais raramente de hipoparatiroidismo (atividade diminuída das glândulas paratiróides). Recentemente, considera-se que a hipomagnesemia (nível baixo de magnésio no sangue) é também um dos fatores causais desta situação clínica.
61 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
62 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
63 Hiperpnéia: Respiração superficial e rápida, associada a processos fisiológicos (exercícios, parto) ou anormais como a insuficiência respiratória aguda, estados de choque, etc.
64 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
65 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
66 Acidose metabólica: A acidose metabólica é uma acidez excessiva do sangue caracterizada por uma concentração anormalmente baixa de bicarbonato no sangue. Quando um aumento do ácido ultrapassa o sistema tampão de amortecimento do pH do organismo, o sangue pode acidificar-se. Quando o pH do sangue diminui, a respiração torna-se mais profunda e mais rápida, porque o corpo tenta liberar o excesso de ácido diminuindo o volume do anidrido carbônico. Os rins também tentam compensá-lo por meio da excreção de uma maior quantidade de ácido na urina. Contudo, ambos os mecanismos podem ser ultrapassados se o corpo continuar a produzir excesso de ácido, o que conduz a uma acidose grave e ao coma. A gasometria arterial é essencial para o seu diagnóstico. O pH está baixo (menor que 7,35) e os níveis de bicarbonato estão diminuídos (<24 mmol/l). Devido à compensação respiratória (hiperventilação), o dióxido de carbono está diminuído e o oxigênio está aumentado.
67 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
68 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
69 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
70 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
71 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
72 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
73 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
74 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“

Tem alguma dúvida sobre Albicon?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.