Preço de LEVORDIOL em Fairfield/SP: R$ 22,02

LEVORDIOL

SIGMA PHARMA

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Levordiol

Comprimido rosa: levonorgestrel 0,050 mg;etinilestradiol 0,030 mg; vitamina1 B6 10,0 mg. Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Comprimido amarelo: levonorgestrel 0,075 mg; etinilestradiol 0,040 mg; vitamina1 B6 10,0 mg. Excipiente q.s.p. 1 comprimido.
Comprimido branco: levonorgestrel 0,125 mg; etinilestradiol 0,030 mg; vitamina1 B6 10,0 mg. Excipiente q.s.p. 1 comprimido.
Comprimido salmão: vitamina1 B6 10,0 mg. Excipiente q.s.p. 1 comprimido.

Posologia e Administração de Levordiol

a paciente deve ser instruída a tomar um comprimido ao dia, sempre no mesmo horário, principalmente após o jantar ou ao deitar, com pequena quantidade de líquido, sem mastigar. Iniciar o tratamento no 5º dia do ciclo menstrual, independente do sangramento haver terminado ou não, ingerindo um comprimido ao dia, seguindo a ordem numérica indicada no verso da cartela. Durante os primeiros 14 dias do primeiro ciclo de tratamento é necessário tomar medidas anticoncepcionais não hormonais adicionais, tipo barreira mecânica (camisinha, diafragma2). Levordiol deve ser administrado ininterruptamente; ao terminar uma cartela a paciente deverá iniciar outra, imediatamente no dia seguinte. Caso ocorra sangramento intermenstrual transitório a paciente deverá ser instruída a não interromper o tratamento. Se a hemorragia3 for persistente e prolongada o médico deverá ser informado. Omissão de comprimidos: caso a paciente esqueça de tomar 1 ou 2 comprimidos de Levordiol, deverá tomá-los tão logo se lembre. O comprimido imediatamente posterior ao(s) esquecido(s) deverá ser ingerido no horário programado e um método contraceptivo não hormonal adicional, tipo barreira mecânica, deverá ser utilizado até a menstruação4 seguinte. Caso a paciente tenha esquecido de tomar três ou mais comprimidos consecutivos recomenda-se interromper o tratamento e utilizar outro método contraceptivo, como barreira mecânica, até a próxima menstruação4 quando no 5º dia, deverá ser iniciado novo blister de Levordiol. Se os comprimidos omitidos forem da cor salmão, recomenda-se que sejam ingeridos tão logo a paciente se lembre e que o tratamento seja então continuado na seqüência normal, pois tais comprimidos são isentos de hormônios, contendo apenas vitamina1 B6 como componente ativo. Se no esquecimento de um ou mais comprimidos não ocorrer menstruação4 no ciclo posterior, recomenda-se interrupção imediata da medicação e verificação da possibilidade de gravidez5. Superdosagem: a superdosagem parece apresentar sintomas6 imediatos e os sintomas6 em longo prazo não formam firmemente estabelecidos. Quando ocorrer superdosagem, pode ser feita lavagem gástrica7 se a ingestão for recente. Medidas gerais de observação e controle dos sintomas6 devem ser tomadas. Testes de função hepática8 podem ser feitos, principalmente verificação dos níveis de transaminases, até 3 semanas após a ocorrência da superdosagem.

Precauções de Levordiol

aconselha-se antes de prescrever contraceptivos hormonais, realizar exame físico e histórico clínico completos, repetindo-se este cuidado periodicamente durante o seu uso. Atenção especial deve ser dedicada à pressão arterial9, mamas10, abdômen e órgãos pélvicos11, incluindo esfregaços de Papanicolaou. Sangramentos intermenstruais podem ocorrer eventualmente em usuárias de contraceptivos orais, especialmente durante os três primeiros meses de uso. Causas não hormonais devem ser consideradas e medidas diagnósticas adequadas devem ser feitas para verificar malignidade, tanto nos casos de sangramentos intermenstruais como em qualquer sangramento vaginal irregular. Se a patologia12 for excluída, observar por algum tempo e descontinuar a medicação se necessário. Em caso de amenorréia13, pesquisar gravidez5. Uma vez que levonorgestrel e etinilestradiol podem causar certo grau de retenção líquida, condições que possam ser influenciadas por esse fator como epilepsia14, enxaqueca15, asma16, disfunção cardíaca ou renal17, requerem cuidadosa observação. Em pacientes com histórico de depressão psíquica, recomenda-se acompanhamento cuidadoso. Caso a depressão volte a se manifestar de maneira significativa, descontinuar a medicação. Foi observada uma diminuição da tolerância à glicose18 em uma percentagem significante de pacientes com o uso de anovulatórios. Portanto, pacientes diabéticas devem ser constantemente monitoradas durante o uso de Levordiol. Leiomiomas uterinos podem aumentar de tamanho devido ao uso de associações estrógeno19-progestogênicas. Descontinuar o uso de Levordiol nos casos em que ocorram icterícia20 colestática. Por esta razão, pacientes com história de icterícia20 colestática da gravidez5 deverão ser cuidadosamente monitoradas durante o uso de anovulatórios. O uso de anovulatórios poderá afetar testes de função hepática8 e avaliações endócrinas. Quando estes não estiverem normais na paciente, descontinuar o uso de Levordiol. Repetir os testes dois meses após a interrupção do tratamento. Os anovulatórios podem diminuir os níveis séricos dos folatos. Pacientes que interrompem a medicação e que engravidam pouco tempo depois, poderão desenvolver deficiência de folatos e complicações decorrentes. Recomenda-se que as mulheres que interrompem o uso de anovulatórios com a intenção de engravidar utilizem uma forma alternativa não esteróide de proteção contra a gravidez5 por algum tempo, antes de tentar engravidar. Cuidados especiais: o clínico deverá avaliar criteriosamente as primeiras manifestações de trombose21 (tromboflebites22, perturbações cerebrovasculares, embolia23 pulmonar e trombose21 retiniana). O tratamento com Levordiol deverá ser imediatamente interrompido caso estas manifestações sejam observadas ou suspeitas. Em caso de perda súbita, parcial ou total da visão24; ou quando se verifique princípio de exoftalmia, diplopia25 ou enxaqueca15 deve-se interromper imediatamente o tratamento. Igualmente cessar o tratamento se o exame constatar edema26 papilar ou lesões27 retinianas vasculares28. - Advertências: o uso de cigarros aumenta o risco de efeitos colaterais29 cardiovasculares sérios dos anovulatórios. Este risco está aumentado com a idade e com o fumo intenso (15 ou mais cigarros por dia) e é bastante importante em mulheres acima de 35 anos de idade. Mulheres que utilizam anovulatórios deve ser aconselhadas a não fumar. Existe risco aumentado de infarto do miocárdio30 ligado ao uso de anovulatórios. Foram relatados raros casos de tumores hepáticos, ocasionalmente fatais, em usuárias de anovulatórios a curto e em longo prazo. Tais lesões27 podem se apresentar como uma massa abdominal ou sinais31 e sintomas6 de abdômen agudo32. Estas lesões27 devem ser consideradas caso a paciente apresente dor abdominal espontânea ou mediante à palpação33, ou evidências de sangramento intra-abdominal. A administração de anovulatórios no período pós-parto pode interferir com a lactação34. Poderá haver uma diminuição na quantidade e qualidade do leite materno. Não foi determinado se pequenas quantidades das substâncias hormonais presentes no leite materno, provenientes do anovulatório, exercem algum efeito sobre a criança amamentada. Foi verificado que há maior risco de moléstias da vesícula biliar35 em pacientes que fazem uso de anovulatórios e de estrógenos. Foi constatado que há aumento da pressão arterial9 em pacientes que fazem uso de anovulatórios. Em alguns casos a hipertensão36 poderá ocorrer alguns meses após o início da medicação. A incidência37 de hipertensão36 é maior após o primeiro ano de uso. A idade também influi no aparecimento de hipertensão36. Pacientes que já acusaram hipertensão36 durante a gravidez5 podem ser mais propensas a ter aumento da pressão arterial9 ao usarem anovulatórios. Descontinuar a medicação caso a pressão aumente acentuadamente. A hipertensão36 surgida com o uso de anovulatórios, em geral, volta ao normal após a interrupção do uso do produto. Face38 ao risco muito aumentado de complicações tromboembólicas pós-cirúrgicas em usuárias de anovulatórios, aconselha-se descontinuar o tratamento, pelo menos, 4 semanas antes de uma cirurgia associada a este risco. - Interações medicamentosas: o efeito contraceptivo pode ser reduzido e o índice de sangramentos intermenstruais aumentado quando há administração concomitante e regular de drogas como: ampicilina, rifampicina, fenilbutazona, hidantoína e barbitúricos. Há relatos de alterações entre estrógenos e antidepressivos tricíclicos, provocando sintomas6 de toxicidade39 em pacientes.

Reações Adversas de Levordiol

entre os efeitos colaterais29 possíveis de associações progestógeno-estrogênicas podem ser citados dor de cabeça40, náuseas41, vômitos42, discretas alterações de peso corpóreo, tensão nos seios43, modificações do fluxo menstrual, alterações da libido44, humor deprimido, manchas na pele45, sangramentos intermenstruais.

Contra-Indicações de Levordiol

mulheres que apresentarem pelo menos uma das seguintes condições: gravidez5 suspeita ou confirmada, doenças vasculares28 cerebrais ou coronarianas, distúrbios graves da função hepática8, histórico de icterícia20 com o uso anterior de contraceptivo hormonal ou de icterícia20 colestática da gravidez5, síndrome46 de Dubin-Johnson ou Rotor, tromboflebites22 ou doenças tromboembólicas, diabetes47 acelerado, anemia falciforme48, carcinoma49 de mama50 ou dos genitais, suspeito ou confirmado, neoplasia51 estrógeno19-dependente, suspeita ou confirmada, sangramento genital anormal, herpes gravídico. É contra-indicada a utilização deste produto durante o período de amamentação52.

Indicações de Levordiol

contraceptivo, no controle de irregularidades menstruais e na supressão da ovulação53.

Apresentação de Levordiol

cada cartela de Levordiol contém 28 comprimidos, sendo 6 comprimidos rosa, 5 comprimidos amarelos, 10 comprimidos brancos e 7 comprimidos salmão.


LEVORDIOL - Laboratório

SIGMA PHARMA
Rodovia SP 101, Km. 08
Hortolândia/SP - CEP: 13186481
Tel: (19) 3887 9800
Fax: (19) 3887 9515
SAC: 0800 191914/ 0800 191222

Ver outros medicamentos do laboratório "SIGMA PHARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Diafragma: 1. Na anatomia geral, é um feixe muscular e tendinoso que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. 2. Qualquer membrana ou placa que divide duas cavidades ou duas partes da mesma cavidade. 3. Em engenharia mecânica, em um veículo automotor, é uma membrana da bomba injetora de combustível. 4. Na física, é qualquer anteparo com um orifício ou fenda, ajustável ou não, que regule o fluxo de uma substância ou de um feixe de radiação. 5. Em ginecologia, é um método contraceptivo formado por uma membrana de material elástico que envolve um anel flexível, usado no fundo da vagina de modo a obstruir o colo do útero. 6. Em um sistema óptico, é uma abertura que controla a seção reta de um feixe luminoso que passa através desta, com a finalidade de regular a intensidade luminosa, reduzir a aberração ou aumentar a profundidade focal.
3 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
4 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
8 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
9 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
10 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
11 Pélvicos: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
12 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
13 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
14 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
15 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
16 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
17 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
18 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
19 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
20 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
21 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
22 Tromboflebites: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
23 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
24 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
25 Diplopia: Visão dupla.
26 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
27 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
28 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
29 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
30 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
31 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
32 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
33 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
34 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
35 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
36 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
37 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
38 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
39 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
40 Cabeça:
41 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
42 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
44 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
45 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
46 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
47 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
48 Anemia falciforme: Doença hereditária que causa a má formação das hemácias, que assumem forma semelhante a foices (de onde vem o nome da doença), com maior ou menor severidade de acordo com o caso, o que causa deficiência do transporte de gases nos indivíduos que possuem a doença. É comum na África, na Europa Mediterrânea, no Oriente Médio e em certas regiões da Índia.
49 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
50 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
51 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
52 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
53 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.

Tem alguma dúvida sobre LEVORDIOL?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.