Preço de Acetilcisteína em Wilmington/SP: R$ 24,50

Acetilcisteína

EUROFARMA

Atualizado em 03/06/2015

Acetilcisteína1

Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

Xarope e Granulado

Formas Farmacêuticas e Apresentações da Acetilcisteína1

Xarope 20 mg/mL. Embalagens contendo 1 frasco com 100 mL ou 150 mL. + copo-medida.Granulado 100, 200 ou 600 mg. Embalagens contendo 16, 30 ou 50 envelopes com 5 g.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição da Acetilcisteína1

Xarope 20 mg/mL - Cada 1 mL de xarope contém:
acetilcisteína1 ……………………………....................…………….… 20 mg
Excipientes q.s.p. ………………………………………....................…….… 1 mL
Excipientes: EDTA dissódico, carboximetilcelulose, sacarina2 sódica, benzoato de sódio, hidróxido de sódio, metilparabeno, álcool etílico, água deionizada e aroma de framboesa.

Granulado 100 mg - Cada envelope contém:
acetilcisteína1 ………………………………....................…...…100 mg
Excipientes q.s.p. …………………………....................…… 5 g
Excipientes: sacarina2 sódica, sacarose, aroma de laranja e corante amarelo crepúsculo.

Granulado 200 mg - Cada envelope contém:
acetilcisteína1 ………………………………………....................…… 200 mg
Excipientes q.s.p. …………………………………………………....................…… 5 g
Excipientes: sacarina2 sódica, sacarose, aroma de laranja e corante amarelo crepúsculo.

Granulado 600 mg - Cada envelope contém:
acetilcisteína1 …………………………………………………....................… 600 mg
Excipientes q.s.p. …………………………………………………....................…….....… 5 g
Excipientes: sacarina2 sódica, frutose3, dióxido de silício, aroma de laranja e corante amarelo crepúsculo.

Informações ao Paciente da Acetilcisteína1

Ação esperada do medicamento
Acetilcisteína1 fluidifica as secreções e favorece a expectoração4 por não interferir no mecanismo da tosse produtiva. Este efeito fluidificante se manifesta após 3 a 4 horas do início da administração.
Devido à sua ação antioxidante, acetilcisteína1 é capaz de prevenir e/ou estabilizar a progressão do enfisema5 pulmonar. Acetilcisteína1 exerce também ação protetora contra alguns dos danos provocados pelo hábito de fumar; todavia, deixar de fumar é a medida mais saudável.

Cuidados de armazenamento
Acetilcisteína1 xarope - Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C). Proteger
da luz.
Acetilcisteína1 granulado - Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C).
Proteger da Luz e Umidade

Prazo de validade
Desde que observados os devidos cuidados de conservação, os prazos de validade de acetilcisteína1 xarope ou granulado são de 24 meses contados a partir das datas de fabricação impressas em suas embalagens externas.
Após abertura do frasco, o xarope tem validade de 14 dias, não sendo recomendada sua
utilização após este prazo.

NÃO USE MEDICAMENTO S COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.

Gravidez6 e lactação7
Acetilcisteína1 deve ser usada durante a gravidez6 e a lactação7 somente se os benefícios do tratamento esperados para a mãe superarem os riscos potenciais para o bebê. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez6 na vigência do tratamento ou após o seu término.
Não se sabe se acetilcisteína1 é excretada no leite materno. Informe ao seu médico se está amamentando.

Cuidados de administração
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Interrupção do tratamento
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico; somente o médico poderá avaliar a eficácia da terapia. A interrupção do tratamento pode ocasionar a não obtenção dos resultados esperados.

Reações adversas
Por ser derivada de um aminoácido natural, acetilcisteína1 é normalmente bem tolerada.
Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Ingestão concomitante com outras substâncias
Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

Contra-indicações e precauções
O uso deste medicamento é contra-indicado em caso de hipersensibilidade conhecida a acetilcisteína1 e/ou demais componentes das formulações.
Acetilcisteína1 granulado 100 e 200 mg: Atenção diabéticos: contém açúcar8.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSA PARA A SAÚDE9.

Informações Técnicas da Acetilcisteína1

Características da Acetilcisteína1

A ação mucolítica da acetilcisteína1, derivado do aminoácido natural cisteína, deve-se ao mecanismo de lise10 físico-química, atribuível à presença na molécula de um grupo sulfidrílico livre que interage com as ligações S-S das cadeias mucoprotéicas provocando a cisão destas e determinando, dessa maneira, uma diminuição da sua viscosidade11.

FarmacodinâmicaEstudos in vivo e in vitro atestam que acetilcisteína1 é capaz de proteger as células12 pulmonares contra o dano provocado por radicais livres oxidantes. A atividade de "varredor de oxidantes" é exercida tanto diretamente como indiretamente, através da manutenção e/ou incremento dos níveis da glutationa, da qual a acetilcisteína1 é precursora.
O conjunto destas propriedades confere à acetilcisteína1 a capacidade de agir positivamente sobre os estímulos tussígenos de tipo irritativo, sem interferir na tosse produtiva.
Também foi documentado que a glutationa e seus precursores protegem da agressão oxidativa a função fagocitária de macrófagos13 e neutrófilos14, bem como promovem a ativação, proliferação e diferenciação dos linfócitos T, o que leva a postular que um incremento dos níveis de glutationa possa desenvolver um importante papel nos mecanismos de defesa imunitária.

Farmacocinética
Pesquisas desenvolvidas no homem, com acetilcisteína1 marcada, demonstraram a sua boa absorção após administração oral. Os picos plasmáticos são alcançados entre a segunda e terceira hora, sendo que, após 5 horas da administração, são detectáveis concentrações significativas de acetilcisteína1 no tecido15 pulmonar.
A acetilcisteína1 pode estar presente no plasma16 como um composto íntegro ou como vários metabólitos17 oxidados tais como a N-acetilcisteína1, N,N-diacetilcisteína e outras cisteínas livres ou ligadas a proteínas18 plasmáticas por ligações dissulfídricas lábeis ou como frações incorporadas nas cadeias peptídicas das proteínas18.
O clearance renal19 da acetilcisteína1 representa cerca de 30% do clearance corpóreo total.
Após administração intravenosa a média das meias-vidas terminais calculadas foram 1,95 e 5,58 horas para acetilcisteína1 reduzida e total, respectivamente.

Indicações da Acetilcisteína1

- Tratamento preventivo20 e curativo de complicações resultantes do resfriado comum e da gripe21, tais como rinofaringites, sinusites e otites22 catarrais.
- Traqueítes, traqueobronquites, bronquites agudas, broncopneumonias, pneumonias e outros processos infecciosos do aparelho respiratório23.
- Bronquite crônica24 asmática ou tabágica.
- Prevenção das exacerbações da bronquite crônica24.
- Prevenção e tratamento do enfisema5 pulmonar.

Contra- Indicações da Acetilcisteína1

O uso deste medicamento é contra-indicado em caso de hipersensibilidade conhecida a ACETILCISTEÍNA1 e/ou demais componentes das formulações.

Precauções e Advertências da Acetilcisteína1

Uso Durante a Gravidez6 e Lactação7 da Acetilcisteína1

NÃO HÁ ESTUDOS ADEQUADOS E BEM CONTROLADOS EM MULHERES GRÁVIDAS OU LACTANTES25.ACETILCISTEÍNA1 DEVE SER USADA DURANTE A GRAVIDEZ6 E LACTAÇÃO7 SOMENTE SE OS
BENEFÍCIOS ESPERADOS DO TRATAMENTO PARA A MÃE SUPERAREM OS RISCOS POTENCIAIS PARA O BEBÊ. NÃO SE SABE SE ACETILCISTEÍNA1 É EXCRETADA NO LEITE MATERNO.

Pacientes Diabéticos da Acetilcisteína1

ACETILCISTEÍNA1 GRANULADO 100 e 200 MG: ATENÇÃO DIABÉTICOS: CONTÉM AÇÚCAR8.

Efeitos Sobre a Habilidade de Dirigir Veículos e/ou Operar Máquinas da Acetilcisteína1

NÃO HÁ EVIDÊNCIAS DE QUE A ACETILCISTEÍNA1 DIMINUA A HABILIDADE DE DIRIGIR VEÍCULOS E/OU OPERAR MÁQUINAS.

Interações Medicamentosas da Acetilcisteína1

Foi comprovado que a acetilcisteína1 , quando administrada simultaneamente A penicilinas semi-sintéticas, favorece a obtenção de níveis séricos mais rápidos e elevados das penicilinas.
Entretanto, o contrário foi observado com as cefalosporinas de 1ª geração.

Reações Adversas da Acetilcisteína1

A tolerabilidade da ACETILCISTEÍNA1 é muito boa, sendo praticamente isenta de efeitos colaterais26. Seu uso sistêmico27 pode determinar a ocorrência de epigastralgia28 em pacientes predispostos, uma vez que, pela sua pr ópria farmacologia29, o produto provoca o aumento de fluidez do muco gástrico protetor.

Administração e Posologia da Acetilcisteína1

XAROPE
Crianças:
- até 3 meses: 1 mL, 3 vezes ao dia;
- de 3 a 6 meses: 2,5 mL, 2 vezes ao dia;
- de 6 a 12 meses: 2,5 mL, 3 vezes ao dia;
- de 1 a 4 anos: 5 mL, 2 a 3 vezes ao dia ou a critério médico;
- acima de 4 anos: 5 mL, 3 vezes ao dia ou a critério médico.

Adultos:

- 10 mL de xarope a cada 8 horas.

GRANULADO
Granulado 100 mg: 1 envelope 2 a 4 vezes ao dia, conforme a idade. Dissolver o conteúdo de 1 envelope em meio copo com água.
Granulado 200 mg: 1 envelope 2 a 3 vezes ao dia. Dissolver o conteúdo de 1 envelope em meio copo com água.
Granulado 600 mg: 1 envelope ao dia, preferivelmente à noite, antes de deitar. Dissolver o conteúdo de 1 envelope em meio copo com água.

A critério do médico, as doses acima podem ser aumentadas até o dobro.

Superdosagem da Acetilcisteína1

Não foram observados sinais30 ou sintomas31 especiais, mesmo em pacientes tratados com doses altas de acetilcisteína1 por via oral. Em caso de mobilização intensa de muco e dificuldade de expectoração4, recorrer à drenagem32 postural e à broncoaspiração33.

Pacientes Idosos da Acetilcisteína1

Devem-se seguir as orientações gerais descritas anteriormente. Contudo, recomenda-se reduzir a dose inicial para metade da dose dos adultos e, em caso de necessidade e se o produto for bem tolerado, a dose poderá ser aumentada.

SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR.

NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS31 PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

N.º de lote, data de fabricação e prazo de validade: VIDE CARTUCHO.

Para sua segurança mantenha esta embalagem até o uso total do medicamento.

Registros: Xarope MS - 1.0043.0771
                 Granulado MS - 1.0043.0772

Farm. Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró - CRF-SP 19.258

EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA.
Av. Ver. José Diniz, 3.465
São Paulo - SP
CNPJ: 61.190.096/0001-92
Indústria Brasileira

Central de Atendimento Eurofarma
0800-704-3876
euroatende@eurofarma.com.br
www.eurofarma.com.br

Ver informações do laboratório

Acetilcisteína - Laboratório

EUROFARMA
Av. Ver. José Diniz, 3465 - Campo Belo
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 0800-704-3876
Email: euroatende@eurofarma.com.br
Site: http://www.eurofarma.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "EUROFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Acetilcisteína: Derivado N-acetil da cisteína. É usado como um agente mucolítico para reduzir a viscosidade das secreções mucosas.
2 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
3 Frutose: Açúcar encontrado naturalmente em frutas e mel. A frutose encontrada em alimentos processados é derivada do milho. Contém quatro calorias por grama.
4 Expectoração: Ato ou efeito de expectorar. Em patologia, é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões; escarro.
5 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
8 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Lise: 1. Em medicina, é o declínio gradual dos sintomas de uma moléstia, especialmente de doenças agudas. Por exemplo, queda gradual de febre. 2. Afrouxamento, deslocamento, destruição de aderências de um órgão. 3. Em biologia, desintegração ou dissolução de elementos orgânicos (tecidos, células, bactérias, microrganismos) por agentes físicos, químicos ou enzimáticos.
11 Viscosidade: 1. Atributo ou condição do que é viscoso; viscidez. 2. Resistência que um fluido oferece ao escoamento e que se deve ao movimento relativo entre suas partes; atrito interno de um fluido.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
14 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
15 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
16 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
17 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
18 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
19 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
20 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
21 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
22 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
23 Aparelho respiratório: O aparelho respiratório transporta o ar do meio externo aos pulmões e vice-versa e promove a troca de gases entre o sangue e o ar.
24 Bronquite crônica: Inflamação persistente da mucosa dos brônquios, em geral produzida por tabagismo, e caracterizada por um grande aumento na produção de muco bronquial que produz tosse e expectoração durante pelo menos três meses consecutivos durante dois anos.
25 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
26 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
27 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
28 Epigastralgia: Dor na região epigástrica, ou seja, na parte mediana superior da parede abdominal, que corresponde em profundidade, aproximadamente, ao estômago e ao lobo esquerdo do fígado.
29 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
30 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
31 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
32 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
33 Broncoaspiração: Aspiração de conteúdo gástrico ou corpo estranho na árvore traqueobrônquica, podendo causar traqueobronquite, pneumonite, infecções pulmonares e obstrução das vias aéreas por aspiração de material sólido.

Tem alguma dúvida sobre Acetilcisteína?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.