PARENZYME TETRACICLINA

MEDLEY

Atualizado em 09/12/2014

PARENZYME TETRACICLINA
Cloridrato de tetraciclina

Forma Farmacêutica e Apresentações de Parenzyme Tetraciclina

Cápsula de 500 mg - embalagem contendo 8 cápsulas.


USO ADULTO

Composição de Parenzyme Tetraciclina

Cada cápsula contém:
Cloridrato de tetraciclina    500,0 mg
Excipientes q.s.p.    1 cápsula
(lactose1, estearato de magnésio, lauril sulfato de sódio e croscarmelose sódica)

Informações ao Paciente de Parenzyme Tetraciclina

Ação esperada do medicamento: Parenzyme Tetraciclina está indicado no tratamento de infecções2 causadas por germes sensíveis à tetraciclina.Cuidados de armazenamento: Parenzyme Tetraciclina deverá ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30 °C), ao abrigo da luz e umidade. Evite guardar o medicamento em locais muito úmidos como banheiro e próximo a pia da cozinha.
Prazo de validade: Não use o medicamento se o seu prazo de validade estiver vencido, o que pode ser verificado na embalagem externa do produto.
Gravidez3 e lactação4: Informe seu médico a ocorrência de gravidez3 na vigência do tratamento ou após o seu término e se está amamentando.
O uso do produto é contra-indicado durante a gravidez3 e amamentação5.
Cuidados de administração: Parenzyme Tetraciclina deve ser ingerido com água. Não ingerir leite ou outros produtos lácteos durante 1 ou 2 horas antes ou depois de tomar tetraciclina, pois pode diminuir a eficácia do medicamento. Evitar antiácidos6, suplementos de cálcio, salicilato de magnésio e colina, suplementos de ferro, salicilato de magnésio, laxantes7 contendo magnésio, bicarbonato de sódio, 1 a 3 horas do uso de tetraciclina oral.
Devem ser rigorosamente obedecidas as recomendações médicas referentes à dose utilizada diariamente. Caso esqueça de tomar uma dose de Parenzyme Tetraciclina, administre-a imediatamente porque servirá para manter níveis constantes da droga no sangue8. Mas, se a administração da dose esquecida estiver muito próxima a dose regular seguinte, deve-se tomar somente a dose regular; não dobrar as doses.
Interrupção do tratamento: Como ocorre com todo tratamento com antibióticos, é importante utilizar Parenzyme Tetraciclina durante o tempo prescrito pelo médico, mesmo que tenham desaparecido os sintomas9 e sinais10 da infecção11. Constitui erro grave interromper a tomada do medicamento tão logo desapareçam os sintomas9, pois isso não significa cura da infecção11 e pode contribuir para o aparecimento de microorganismos resistentes ao antibiótico.
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Reações adversas: Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.
Parenzyme Tetraciclina pode provocar efeitos gastrointestinais como náuseas12, vômitos13, diarréias; candidíase14 oral, vulvovaginite15, prurido16 anal; escurecimento ou descoloração da língua17; colite18 pseudomembranosa, fotossensibilidade da pele19, pigmentação da pele19 e mucosa20 e descoloração e hipoplasia21 do esmalte22 do dente23 em formação.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Ingestão concomitante com outras substâncias: Vide item Interações Medicamentosas.
Contra-indicações e Precauções: Parenzyme Tetraciclina não deve ser administrado a pessoas com hipersensibilidade às Tetraciclinas, a mulheres que estão amamentando ou durante a gravidez3.
Deve-se evitar a exposição excessiva ao sol durante o tratamento com Parenzyme Tetraciclina, pois pode haver fotossensibilização da pele19.
Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
Os anticoncepcionais orais que contém estrógenos podem não ser tão eficazes se tomados simultaneamente com tetraciclina. Poderá ocorrer gravidez3 indesejável. Enquanto durar o tratamento com tetraciclina, utilizar um método diferente ou adicional de controle de natalidade.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE24.

Informações Técnicas de Parenzyme Tetraciclina


O cloridrato de tetraciclina pertence à classe das Tetraciclinas, agentes bacteriostáticos de largo espectro, que agem inibindo a síntese protéica de bactérias sensíveis, bloqueando a ligação do RNA-t (RNA transportador) ao RNA-m (RNA mensageiro) do complexo ribossômico 30S desses microorganismos.
O espectro de ação do Cloridrato de tetraciclina abrange microorganismos Gram-positivos (aeróbicos e anaeróbicos), Gram-negativos, protozoários25, micoplasma, clamídias, riquetsias e espiroquetas.
Microorganismos comumente sensíveis à tetraciclina incluem Actynomices; Chlamydia; Mycoplasma sp.; Ureaplasma urealytcum, Riquetsias incluindo Coxiella burnettii e espiroquetas, incluindo Borrelia, Leptospira e Treponema sp. . Gram-negativos aeróbicos  incluem Bordetella pertussis, Brucella sp., Calymmato bacterium granulomatis, Campylobacter sp., algumas enterobactérias incluindo Yersinia pestis, Francisella tularensis, Haemophillus, Neisseria, Pasteurella, Pseudomonas mallei e Víbrio sp. Gram-positivos aeróbicos incluem Bacillus anthracis, Listeria monocytogenes, vários estafilococos e estreptococos. Organismos anaeróbicos incluem Bacteróides, Fusobacterium e Clostridium sp. Alguns protozoários25 também são sensíveis, incluindo o Plasmodium falciparum.

Farmacocinética de Parenzyme Tetraciclina

Aproximadamente 75% da dose oral de Parenzyme Tetraciclina é absorvido através do trato gastrointestinal. A presença de íons26 metálicos (principalmente cálcio), diminui sua absorção.O Cloridrato de tetraciclina apresenta ampla distribuição corpórea, atingindo a maioria dos fluídos biológicos, incluindo bile27, secreções sinusais, secreção pleural, líquido ascítico, sinovial e gengival; concentrações no líquido cefalorraquidiano28 são variáveis e podem atingir 10 a 25% da concentração plasmática. Concentrações no líquido gengival cravicular podem chegar de 3 a 7 vezes a concentração sérica. O cloridrato de tetraciclina tende a se acumular em ossos, fígado29, baço30, tumores e dente23; atravessa a barreira placentária e é excretado no leite materno.
O Cloridrato de Tetraciclina apresenta ligação protéica de 65% e praticamente não sofre biotransformação; possui meia vida de 6 a 11 horas.
O tempo para atingir a concentração máxima (T.máx.) após dose única oral de 500 mg de cloridrato de tetraciclina, varia entre 1 e 2 horas. As concentrações terapêuticas são alcançadas em geral após 2 dias, quando ocorre a ingestão contínua das doses adequadas a cada 6 horas.
A concentração terapêutica31 sérica é de 4mcg/ml nos microorganismos susceptíveis ao cloridrato de tetraciclina. A duração da ação é em geral de 6 a 8 horas.
O cloridrato de tetraciclina é excretado de forma inalterada, principalmente por via renal32, (70%); também existe a eliminação fecal, via biliar e gastrointestinal, ou por baixa absorção de tetraciclina no intestino.
Tetraciclinas são removidas lentamente por hemodiálise33 - Diálise34 peritonial não remove tetraciclinas efetivamente.

Indicações de Parenzyme Tetraciclina

Tratamento de:

 ·    Acne35 vulgaris: como adjuvante de tratamento.
·    Actinomicoses causadas por Actinomyces israelii.
·    Antrax causada por Bacillus anthracis.
·    Infecção11 geniturinária causada por N. gonorrhoeae e por Chlamydia trachomatis.
·    Gengivoestomatite causada por Fusobacterium fusiformisans.
·    Granuloma36 inguinal causada por Calymmatobacterium granulomatis.
·    Linfogranuloma venéreo por Chlamydia sp.
·    Otite média37, faringite38, pneumonia39 e sinusite40 causadas por H. influenzae e Klebsiella sp.
·    Tifo causada por Rickettsias.
·    Sífilis41 causada por Treponema pallidum.
·    Infecção11 bacteriana do aparelho urinário42 causada por Escherichia coli e Klebsiella sp.
·    Infecção11 retal menor causada por Chlamydia trachomatis.
·    Amebíase extra intestinal causada por Entamoeba histolytica, usado junto com metronidazol.
·    Enterocolites causadas por Shigella sp.

Contra-Indicações de Parenzyme Tetraciclina

Parenzyme Tetraciclina não deve ser administrado a pessoas com hipersensibilidade às Tetraciclinas. É também contra-indicado durante a gravidez3 e amamentação5.

Precauções de Parenzyme Tetraciclina

As tetraciclinas se depositam nos dentes em formação, causando descoloração do dente23 e hipoplasia21 do esmalte22. Elas também são depositadas nos ossos e unhas43 onde formam um complexo estável com o íon44 cálcio. Portanto, não devem ser administradas a crianças menores de 8 anos de idade, porque afeta o seu crescimento ósseo.
Uso na gravidez3: As Tetraciclinas atravessam a barreira placentária; portanto, o seu uso não é recomendado durante a segunda metade da gestação. As tetraciclinas podem causar descoloração e hipoplasia21 do esmalte22 do dente23 e inibição do crescimento linear do esqueleto45 do feto46.

Uso na amamentação5: As Tetraciclinas são encontradas no leite materno; portanto, seu uso não é recomendado durante a lactação4 pela possibilidade de causarem descoloração do dente23, hipoplasia21 do esmalte22, inibição do crescimento linear do esqueleto45, reações fotossensitivas e afta47 oral e vaginal em bebês48.

Com o uso inadequado das Tetraciclinas pode ocorrer resistência aos microorganismos sensíveis.
Deve-se evitar a exposição excessiva ao sol durante o tratamento com Parenzyme Tetraciclina, pois pode haver fotossensibilização da pele19.

Influência em Exames Laboratoriais: As tetraciclinas podem produzir falsas elevações das catecolaminas urinárias; podem alterar a concentração de uréia49 sérica por seu efeito antianabólico.
Concentrações séricas de transaminase glutâmico pirúvica (TGP), fosfatase alcalina50, amilase, transaminase glutâmico oxalacético e bilirrubinas51 podem estar aumentadas, com a administração de Tetraciclinas.

Interações Medicamentosas de Parenzyme Tetraciclina

A administração de antiácidos6, suplementos de cálcio, salicilatos de colina ou magnésio, ferro e laxantes7 contendo magnésio, concomitantemente com tetraciclinas, pode provocar a formação de complexos estáveis não absorvíveis. A ingestão concomitante com bicarbonato de sódio pode resultar em absorção diminuída das tetraciclinas devido a elevação do pH gástrico.

A administração concomitante com Parenzyme Tetraciclina produz:
 ·    Diminuição da absorção da colestiramina
·    Diminuição da eficácia dos contraceptivos hormonais orais.
·    Inibição parcial do efeito coagulante da heparina.
·    Aumento do potencial nefrotóxico do metoxifluorano.
·    Uma sensível diminuição da ação bacteriana das penicilinas.

A administração com cimetidina pode diminuir a absorção gastrointestinal das tetraciclinas.

A tetraciclina pode elevar o nível de digoxina no soro52.

A tetraciclina pode reduzir a necessidade de insulina53. É necessário controlar e monitorizar a glicose54 sangüínea.

Reações Adversas de Parenzyme Tetraciclina

Gestantes, pacientes que receberem altas doses de tetraciclina por via intravenosa, e pacientes com a função renal32 comprometida apresentam uma pré-disposição de adquirir hepatotoxicidade55 induzida pelo uso de tetraciclinas. No entanto, a hepatotoxicidade55 também pode ocorrer em pacientes sem essa pré-disposição. Em ambos os casos, a incidência56 deste efeito adverso é raro.
As reações alérgicas às Tetraciclinas são comumente cruzadas e se manifestam como alterações da pele19, descoloração do dente23 e hipoplasia21 do esmalte22.
Efeitos gastrointestinais como náuseas12, vômitos13 e diarréias são comuns, especialmente com altas doses, acompanhados ou não de dor e queimação epigástrica.
Pode ainda ocorrer: candidíase14 oral, vulvovaginite15 e prurido16 anal, escurecimento ou descoloração da língua17; colite18 pseudomembrana57, fotossensibilidade da pele19 e pigmentação da pele19 e membrana mucosa58.
Pancreatite59 tem sido relatada raramente.

Posologia de Parenzyme Tetraciclina


Antibacteriano (sistêmico60); antiprotozoário: 500 mg  a cada 6 horas ou 500 mg a 1 g a cada 12 horas.
Na acne35: Inicialmente, 500 mg a 2 g ao dia, em doses divididas, nos casos moderados a graves como adjuvante terapêutico.
Quando for notada melhora (geralmente após 3 semanas), a dose deve ser reduzida gradualmente para uma dose de manutenção diária de até 1g.
Adequada remissão da lesão61 pode também ser possível com terapia em dias alternados.

Na brucelose: 500 mg a cada 6 horas, durante 3 semanas, administrado concomitantemente com 1 g de estreptomicina por via intramuscular a cada 12 horas, na primeira semana e uma vez ao dia na segunda semana.

Na Gonorréia62: 500 mg a cada 6 horas, durante 5 dias.

Na sífilis41: 500 mg a cada 6 horas por 15 dias ou por 30 dias (sífilis41 tardia).
Obs.: Indica-se na sífilis41 como alternativa quando a penicilina estiver contra-indicada.

Nas infecções2 uretrais não complicadas, endocervicites ou infecções2 retais causadas por Chlamydia trachomatis: 500 mg, 4 vezes ao dia, durante pelo menos 7 dias.

Limite máximo de ingestão diária: 4 gramas.

Superdosagem de Parenzyme Tetraciclina

Não há descrição de casos de superdosagem aguda. Não há antídoto63 específico, há indicação de diálise34, pois a droga é bastante dialisável.

Pacientes Idosos de Parenzyme Tetraciclina


Não há informação disponível sobre a relação entre idade e efeito das Tetraciclinas.


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

PARENZYME TETRACICLINA - Laboratório

MEDLEY
Rua Macedo Costa, 55
Campinas/SP - CEP: 13080-180
Tel: (19 )744-8324
Fax: (019) 744-8227
Site: http://www.medley.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "MEDLEY"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
5 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
6 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
7 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
13 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
14 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
15 Vulvovaginite: Inflamações na região da vulva e da vagina.
16 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
17 Língua:
18 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
19 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
20 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
21 Hipoplasia: Desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão, geralmente por diminuição do número de células, sendo menos grave que a aplasia.
22 Esmalte: Camada rígida, delgada e translúcida, de substância calcificada que reveste e protege a dentina da coroa do dente. É a substância mais dura do corpo e é quase que completamente composta de sais de cálcio. Ao microscópio, é composta de bastões delgados (prismas do esmalte) mantidos conectados por uma substância cimentante, e apresenta-se revestido por uma bainha de esmalte. (Tradução livre do original
23 Dente: Uma das estruturas cônicas duras situadas nos alvéolos da maxila e mandíbula, utilizadas na mastigação e que auxiliam a articulação. O dente é uma estrutura dérmica composta de dentina e revestida por cemento na raiz anatômica e por esmalte na coroa anatômica. Consiste numa raiz mergulhada no alvéolo, um colo recoberto pela gengiva e uma coroa, a parte exposta. No centro encontra-se a cavidade bulbar preenchida com retículo de tecido conjuntivo contendo uma substância gelatinosa (polpa do dente) e vasos sangüíneos e nervos que penetram através de uma abertura ou aberturas no ápice da raiz. Os 20 dentes decíduos ou dentes primários surgem entre o sexto e o nono e o vigésimo quarto mês de vida; sofrem esfoliação e são substituídos pelos 32 dentes permanentes, que aparecem entre o quinto e sétimo e entre o décimo sétimo e vigésimo terceiro anos. Existem quatro tipos de dentes
24 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
25 Protozoários: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
26 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
27 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
28 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
29 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
30 Baço:
31 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
32 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
33 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
34 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
35 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
36 Granuloma: Formação composta por tecido de granulação que se encontra em processos infecciosos e outras doenças. É, na maioria das vezes, reacional a algum tipo de agressão (corpo estranho, ferimentos, parasitas, etc.).
37 Otite média: Infecção na orelha média.
38 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
39 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
40 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
41 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
Aparelho urinário
42 Aparelho urinário: O aparelho urinário é constituído pelos rins, pelos ureteres e pela bexiga. Ele remove os resíduos do sangue, mantêm o equilíbrio de água e eletrólitos, armazena e transporta a urina.
43 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
44 Íon: Átomo ou grupo atômico eletricamente carregado.
45 Esqueleto:
46 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
47 Afta: Perda de substância no epitélio mucoso causando ulceração superficial. Geralmente ocorre na cavidade oral.
48 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
49 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
50 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
51 Bilirrubinas: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
52 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
53 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
54 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
55 Hepatotoxicidade: É um dano no fígado causado por substâncias químicas chamadas hepatotoxinas.
56 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
57 Pseudomembrana: Falsa membrana que se forma superficialmente, em mucosas, a partir de exsudato.
58 Membrana Mucosa: EPITÉLIO com células secretoras de MUCOS, como as CÉLULAS CALICIFORMES. Forma o revestimento de muitas cavidades do corpo, como TRATO GASTROINTESTINAL, TRATO RESPIRATÓRIO e trato reprodutivo. Mucosa, rica em sangue e em vasos linfáticos, compreende um epitélio interno, uma camada média (lâmina própria) do TECIDO CONJUNTIVO frouxo e uma camada externa (muscularis mucosae) de células musculares lisas que separam a mucosa da submucosa.
59 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
60 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
61 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
62 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
63 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre PARENZYME TETRACICLINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.