TAMOXIFENO

ASTA MEDICA ONCOLOGIA

Atualizado em 09/12/2014

Composição do Tamoxifeno

cada comprimido de 10 mg contém: 15,2 mg(equivalente a 10 mg de tamoxifeno). Excipientes q.s.p. 1 comprimido. Excipientes: amido, lactose1, povidona, celulose microcristalina, estearato de magnésio, óxido de silício.

Posologia e Administração do Tamoxifeno

a dose diária recomendada de Tamoxifeno é de 20 mg, em dose única ou fracionada. Se após um mês a resposta não for satisfatória, a dose deve ser aumentada para 40 mg ao dia, em dose única ou dividida em duas tomadas. Para pacientes2 idosos, as doses são as mesmas. - Superdosagem: não foram relatados casos de superdosagem crônica ou aguda. Teoricamente, espera-se que uma superdosagem de tamoxifeno produza um aumento dos efeitos antiestrogênicos indesejáveis. Não há antídoto3 específico para a superdosagem. O tratamento deve ser sintomático4.

Precauções do Tamoxifeno

pode ocorrer supressão da menstruação5 em mulheres em tratamento com tamoxifeno. Após o início do tratamento pode ocorrer um rubor no local do carcinoma6. Este pode ser acompanhado de dor local (especialmente em caso de metástase7 óssea), expansão do tumor8 e eritema9 das lesões10. Estes sintomas11 podem ser a reação de uma boa resposta e neste caso, os sintomas11 irão desaparecer espontaneamente. Pacientes com metástase7 óssea poderão desenvolver hipercalcemia durante o tratamento. Há relatos de um aumento na incidência12 de alterações do endométrio13, incluindo hiperplasia14, pólipos15 e carcinoma6. Há indícios de que este aumento esteja relacionado às propriedades estrogênicas do tamoxifeno. Pacientes que relatem sangramento vaginal anormal durante ou após o tratamento com tamoxifeno devem ser investigadas imediatamente. O tamoxifeno não se mostrou mutagênico em testes in vivo e in vitro. Foram relatados tumores primários sucessivos em outros locais que não o endométrio13 ou a mama16 contralateral, em estudos clínicos realizados após o tratamento do câncer17 de mama16 em pacientes recebendo tamoxifeno. A significância clínica dessas observações não foi estabelecida. - Efeitos sobre a habilidade de dirigir e utilizar máquinas: não há evidência de que o uso de tamoxifeno possa resultar em uma diminuição da capacidade de dirigir ou operar máquinas. Caso, porém, ocorram efeitos indesejáveis como tontura18 e distúrbios visuais, estes poderão ter influência negativa na capacidade de dirigir e operar máquinas. Interações medicamentosas: quando o tamoxifeno é administrado em combinação com anticoagulantes19 do tipo cumarínico (ex.: varfarina), pode ocorrer um aumento significante no efeito do anticoagulante20. Quando esta administração combinada for iniciada, recomenda-se monitorização cuidadosa do paciente. A administração com estrógenos pode interferir no efeito terapêutico do tamoxifeno. Terapia concomitante de tamoxifeno e alopurinol pode levar a um aumento na hepatotoxicidade21 induzida pelo alopurinol. O metabolismo22 hepático do tamoxifeno pode ser influenciado pelo uso concomitante de tamoxifeno e outros medicamentos oncológicos (como aminoglutatimida e acetato de medroxiprogesterona).

Reações Adversas do Tamoxifeno

os efeitos colaterais23 observados em longo prazo no tratamento com tamoxifeno são menos freqüentes e graves do que os observados com outros andrógenos24 e estrógenos utilizados no tratamento do câncer17 de mama16. Durante o tratamento em longo prazo com tamoxifeno foram relatados os seguintes efeitos colaterais23: relacionados ao efeito antiestrogênico: ondas de calor, sangramento, corrimento vaginal ou prurido25 vulvar. Gerais: náusea26 e vômitos27, inflamação28 do tumor8, tonturas29, erupções cutâneas30, retenção de fluidos e alopecia31. Um pequeno número de pacientes com metástases32 ósseas desenvolveu hipercalcemia após iniciar o tratamento com tamoxifeno. Foi relatado um pequeno número de casos de hiperplasia14 do endométrio13, pólipos15 do endométrio13 e carcinomas do endométrio13, associados ao tratamento com tamoxifeno. A relação destes efeitos com a terapia com o tamoxifeno não foi estabelecida. Foi relatado fibroma33 uterino. Tumores ovarianos císticos foram ocasionalmente observados em mulheres antes da menopausa34 em tratamento com tamoxifeno. Vários casos de distúrbios visuais incluindo alterações da córnea35, cataratas e retinopatias foram relatados. Foram relatadas trombocitopenia36 e leucopenia37 transitórias, mas sem tendência de sangramento. Há relatos, em raras ocasiões, de neutropenia38, que pode algumas vezes ser grave. Também houve relatos ocasionais de eventos tromboembólicos durante a terapia com tamoxifeno. Há um aumento do risco de ocorrência de eventos tromboembólicos na terapia combinada39 de tamoxifeno com agentes citotóxicos40. O tamoxifeno tem sido associado a alterações nas taxas de enzimas hepáticas41 e, em raras ocasiões, a anormalidades mais graves: esteatose hepática42, colestase43 e hepatite44. Recomenda-se o tratamento sintomático4 dos efeitos colaterais23. Em casos graves as pacientes podem ter a dose reduzida ou o tratamento interrompido temporariamente. Se os efeitos colaterais23 não cederem com estas medidas então a terapia com tamoxifeno deve ser interrompida definitivamente.

Contra-Indicações do Tamoxifeno

Tamoxifeno não deve ser administrado em pacientes que apresentaram hipersensibilidade ao tamoxifeno, ou durante a gravidez45 e lactação46. Gravidez45 e lactação46: Tamoxifeno não deve ser administrado durante a gravidez45. As pacientes sexualmente ativas devem ser instruídas a utilizar métodos anticoncepcionais não hormonais durante e até dois meses após o término do tratamento com tamoxifeno. Não se sabe se o tamoxifeno é excretado no leite materno, portanto, não se recomenda seu uso durante a amamentação47.

Indicações do Tamoxifeno

tratamento do câncer17 de mama16.

Apresentação do Tamoxifeno

caixa com 30 comprimidos de 10 mg.


TAMOXIFENO - Laboratório

ASTA MEDICA ONCOLOGIA
Rua Santo Antônio, 184 - 19º And
São Paulo/SP - CEP: 01314-900
Tel: 55 (011) 233-6800
Fax: 55 (011) 606-4549
Site: http://www.astamedica.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ASTA MEDICA ONCOLOGIA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
3 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
4 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
5 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
6 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
7 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
8 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
9 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
13 Endométrio: Membrana mucosa que reveste a cavidade uterina (responsável hormonalmente) durante o CICLO MENSTRUAL e GRAVIDEZ. O endométrio sofre transformações cíclicas que caracterizam a MENSTRUAÇÃO. Após FERTILIZAÇÃO bem sucedida, serve para sustentar o desenvolvimento do embrião.
14 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
15 Pólipos: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
16 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
17 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
18 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
19 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
20 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
21 Hepatotoxicidade: É um dano no fígado causado por substâncias químicas chamadas hepatotoxinas.
22 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
23 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
24 Andrógenos: Termo genérico para qualquer composto natural ou sintético, geralmente um hormônio esteróide, que estimula ou controla o desenvolvimento e manutenção das características masculinas em vertebrados ao ligar-se a receptores andrógenos. Isso inclui a atividade dos órgãos sexuais masculinos acessórios e o desenvolvimento de características sexuais secundárias masculinas. Também são os esteróides anabólicos originais. São precursores de todos os estrógenos, os hormônios sexuais femininos. São exemplos de andrógenos: testosterona, dehidroepiandrosterona (DHEA), androstenediona (Andro), androstenediol, androsterona e dihidrotestosterona (DHT).
25 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
26 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
27 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
28 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
29 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
30 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
31 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
32 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
33 Fibroma: Neoplasia derivada do tecido fibroso. Incorretamente denominam-se assim os tumores benignos do músculo uterino, cujo nome correto seria mioma uterino.
34 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
35 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
36 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
37 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
38 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
39 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
40 Citotóxicos: Diz-se das substâncias que são tóxicas às células ou que impedem o crescimento de um tecido celular.
41 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
42 Esteatose hepática: Esteatose hepática ou “fígado gorduroso“ é o acúmulo de gorduras nas células do fígado.
43 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
44 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
45 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
46 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
47 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.

Tem alguma dúvida sobre TAMOXIFENO?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.