TETRACICLINA

DUCTO

Atualizado em 09/12/2014

Composição da Tetraciclina

cada cápsula de 250 mg e 500 mg contém:respectivamente: cloridrato de tetraciclina 250 mg e 500 mg. Excipiente q.s.p. 1 cápsula. Excipientes: P.V.P. K30, álcool etílico 96ºGL, estearato de magnésio, aerosil.

Posologia e Administração da Tetraciclina

a dose usual recomendada para adultos varia de 1 cápsula (500 mg) a cada 6 horas ou 2 (1000 mg) a cada 12 horas. O ajuste posológico adequado a cada indicação deve ser feito a critério médico.

Precauções da Tetraciclina

o uso de tetraciclinas pode favorecer o supercrescimento de organismos não sensíveis, inclusive fungos (fator comum com outros antibióticos). Em virtude das tetraciclinas diminuírem a atividade protrombínica do plasma1, pacientes em terapia simultânea com anticoagulantes2 podem necessitar de uma redução de dosagem do anticoagulante3. Avaliações laboratoriais devem ser feitas periodicamente, durante terapia prolongada, incluindo estudos hematopoiéticos, renais e hepáticos. A terapia com tetraciclinas deve ser mantida durante, pelo menos 24 a 48 horas após terem cessado os sintomas4 e a febre5. As cápsulas de Tetraciclina devem ser ingeridas uma hora antes ou duas horas depois das refeições. Gravidez6 e lactação7: tetraciclinas atravessam as barreiras placentárias, sendo encontradas nos tecidos fetais; podendo causar efeitos tóxicos no feto8. O uso em pacientes idosos (acima de 65 anos) requer acompanhamento médico. - Interações medicamentosas: por possuir a característica de quelação bidentada de metais, principalmente divalentes, não deve ser administrada com alimentos ou medicamentos que os contenham, essencialmente leite e seus derivados e medicamentos que contenham ferro, alumínio ou magnésio. O uso de tetraciclinas e metoxiflurano pode resultar em toxicidade9 renal10 fatal. É aconselhável evitar a administração concomitante da tetraciclina com penicilinas devido à ação bacteriostática daquela interferir na ação bactericida das últimas.

Reações Adversas da Tetraciclina

os efeitos indesejáveis mais comuns são gastrintestinais como: desconforto abdominal, náuseas11 e vômitos12; raros casos de diarréia13 e ulceração14 esofágica. A administração de doses elevadas e por tempo prolongado pode ocasionalmente causar fototoxicidade (evitar exposição prolongada ao sol) e hepatotoxicidade15, além de promover alterações no sangue16 periférico (leucocitose17, linfócitos atípicos e púrpura18 trombocitopênica). Tetraciclina provoca em crianças na fase de calcificação19 dos dentes, descoloração marrom dos mesmos: quanto maior a dose do medicamento em relação ao peso corpóreo, mais severa a deformidade, mais escura a coloração e mais intensa a hipoplasia20 do esmalte21.

Contra-Indicações da Tetraciclina

pacientes com antecedentes de hipersensibilidade às tetraciclinas em geral. Não deve ser usada por crianças menores de 8 anos devido aos efeitos indesejados nos ossos e dentes. Em caso de falta de opção terapêutica22 o uso deve ter rigoroso controle médico. Não deve ser administrada em gestantes, pois se deposita no esqueleto23 do feto8 humano. São contra-indicadas também a portadores de insuficiência renal24.

Indicações da Tetraciclina

tratamento das infecções25 causadas por rickéttsias (febre5 maculosa das Montanhas Rochosas, tifo epidêmico e recrudescente). No tratamento de infecções25 do trato urinário26 (uretrite27 inespecífica); infecções25 oculares (conjuntivite28 de inclusão); granuloma29 inguinal; infecções25 bacilares (causadas por Brucellas, Shigella e Salmonella); infecções25 venéreas (sífilis30, gonorréia31 e cancróide). Tetraciclina é uma das drogas de escolha no tratamento do cólera32. Tetraciclina é em geral indicada no tratamento de infecções25 causadas por microorganismos a ela sensíveis. Recomenda-se uso de antibiograma para sua segurança de uso.

Apresentação da Tetraciclina

caixas contendo 100 cápsulas (25 envelopes com 4 cápsulas).


TETRACICLINA - Laboratório

DUCTO
Rua VPR 3, Quadra 2-A, Mód. 20/21
Anápolis/GO - CEP: 75133-600
Tel: (62 )310-2500
Fax: (62 )800-2122

Ver outros medicamentos do laboratório "DUCTO"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
2 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
3 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
8 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
9 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
10 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
11 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
12 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
13 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
14 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
15 Hepatotoxicidade: É um dano no fígado causado por substâncias químicas chamadas hepatotoxinas.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Leucocitose: É o aumento no número de glóbulos brancos (leucócitos) no sangue, geralmente maior que 8.000 por mm³. Ocorre em diferentes patologias como em resposta a infecções ou processos inflamatórios. Entretanto, também pode ser o resultado de uma reação normal em certas condições como a gravidez, a menstruação e o exercício muscular.
18 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
19 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
20 Hipoplasia: Desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão, geralmente por diminuição do número de células, sendo menos grave que a aplasia.
21 Esmalte: Camada rígida, delgada e translúcida, de substância calcificada que reveste e protege a dentina da coroa do dente. É a substância mais dura do corpo e é quase que completamente composta de sais de cálcio. Ao microscópio, é composta de bastões delgados (prismas do esmalte) mantidos conectados por uma substância cimentante, e apresenta-se revestido por uma bainha de esmalte. (Tradução livre do original
22 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
23 Esqueleto:
24 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
25 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
26 Trato Urinário:
27 Uretrite: Inflamação da uretra de causa geralmente infecciosa. Manifesta-se por ardor ao urinar e secreção amarelada drenada pela mesma. Em mulheres esta secreção pode não ser evidente.
28 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
29 Granuloma: Formação composta por tecido de granulação que se encontra em processos infecciosos e outras doenças. É, na maioria das vezes, reacional a algum tipo de agressão (corpo estranho, ferimentos, parasitas, etc.).
30 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
31 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
32 Cólera: Doença aguda ocasionada por infecção bacteriana pelo vibrião colérico, caracterizada por diarréia aquosa muito freqüente e abundante, que pode levar o paciente ao choque por desidratação. É transmitida por ingestão da bactéria através de água e alimentos contaminados.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre TETRACICLINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.