VIRAMUNE

Boehringer Ingelheim

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Viramune

cada comprimido contém: nevirapina 200,00 mg.Excipientes: celulose microcristalina, lactose1 monoidratada, povidona K/25, amido glicolato sódico, dióxido de silício coloidal, estearato de magnésio.

Posologia e Administração de Viramune

a dose recomendada de Viramune é 1 comprimido de 200 mg, 1 vez ao dia nos primeiros 14 dias (fase de introdução), seguido por 1 comprimido de 200 mg, 2 vezes ao dia, em combinação com medicamentos anti-retrovirais análogos de nucleosídeo. Deve ser usada a dosagem recomendada pelo fabricante do nucleosídeo, sendo também necessária a monitoração do tratamento concomitante. Monitoração dos pacientes: testes bioquímicos, que incluem testes da função hepática2, devem ser realizados antes de iniciar o tratamento com Viramune e em intervalos apropriados durante o tratamento. Ajuste da posologia: recomenda-se ajuste da dose ou suspensão do tratamento com Viramune em pacientes que apresentarem erupções cutâneas3 ou toxicidade4 hepática2 consideradas relacionadas com o uso da droga. Viramune deve ser descontinuado em pacientes que apresentarem erupções cutâneas3 extensas acompanhadas de sintomas5 constitucionais possivelmente relacionados com a administração de Viramune. Pacientes apresentando erupções cutâneas3 durante os 14 primeiros dias do tratamento, tomando 200 mg/dia, não devem ser submetidos a aumentos da dose enquanto não desaparecerem as erupções. A administração da droga deve ser interrompida em pacientes que apresentarem alterações moderadas ou severa dos testes da função hepática2 (excluindo GGT), até os resultados dos testes da função hepática2 voltarem aos valores normais. O tratamento com Viramune pode então ser reiniciado com a metade da dose preconizada6. Viramune deve ser permanentemente descontinuado se houver recorrência7 de anormalidades moderadas ou severas no teste da função hepática2. Não há dados disponíveis que recomendem o uso de Viramune em pacientes submetidos à diálise8. Superdosagem: não se conhece antídoto9 para a superdosagem de Viramune. Não foram relatadas toxicidade4 aguda e nem seqüelas em um paciente que tomou uma dose de 800 mg da Viramune em um dia.

Precauções de Viramune

quando Viramune for administrado como parte de um tratamento anti-retroviral, deve-se consultar todas as informações concernentes aos demais produtos que constituem as demais partes do tratamento, antes de iniciá-lo. Anevirapina é amplamente metabolizada pelo fígado10 e os metabólitos11 de nevirapina são extensamente eliminados pelos rins12. A farmacocinética da nevirapina não foi avaliada em pacientes com disfunção hepática2 ou renal13. Portanto, Viramune deve ser usado com cuidado nesses pacientes. Durante o tratamento com Viramune foram relatadas alterações nos testes da função hepática2, algumas nas primeiras semanas do tratamento, incluindo casos de hepatite14. A administração de Viramune deve ser interrompida em pacientes que apresentarem alterações moderadas ou severas nos testes da função hepática2 (excluindo elevações da GGT, que não são consideradas clinicamente importantes) até que os resultados dos testes retornem aos valores normais. Gravidez15: considerando que nem sempre os resultados dos estudos de reprodução16 animal são reproduzidos em seres humanos, Viramune deve ser usado durante a gravidez15 somente após a avaliação dos riscos e benefícios. Parto e lactação17: recomenda-se como norma que as lactantes18 infectadas com o HIV19-1 e que estiverem tomando medicamentos anti-retrovirais não amamentem as crianças. Uso pediátrico: a segurança e a eficácia de Viramune em pacientes pediátricos com idade inferior a 15 anos, infectados com HIV19-1 não foram ainda estabelecidas. - Interações medicamentosas: a nevirapina é um indutor das enzimas metabolizantes hepáticas20 (CYP3A) e potencialmente pode baixar as concentrações plasmáticas de outras drogas que são amplamente metabolizadas pelas CYP3A (por exemplo, warfarina, corticosteróides, contraceptivos orais). Resultados farmacocinéticos sugerem que a máxima indução ocorre dentro de 2-4 semanas do início de um tratamento dose-múltipla com nevirapina. Portanto, recomenda-se cuidadosa monitoração da eficácia terapêutica21 das drogas metabolizadas pelas CYP3A quando tomadas em combinação com Viramune. Além disso, contraceptivos orais não devem ser usados como primeira escolha de contracepção22 em mulheres que tomam Viramune.

Reações Adversas de Viramune

a segurança de Viramune foi estudada em pacientes adultos que tomaram o medicamento como monodroga ou em associação com ZDV ou ZDV+ ddl. A maioria dos efeitos adversos foi de intensidade leve ou moderada. Os mais freqüentemente observados durante o tratamento com Viramune foram: erupção23 cutânea24, febre25, fadiga26, náusea27 e cefaléia28. Outras reações adversas: sistema nervoso autônomo29: rubores. Corpo como um todo: sintomas5 da gripe30, dor lombar, dor torácica, edema31 facial, fogachos, edema31. Cardiovascular/freqüência cardíaca e ritmo: palpitação32, hipertensão33, taquicardia34. Sistema nervoso central35 e periférico: tontura36, insônia, hipertonia37, síndrome38 do túnel do carpo, contrações musculares involuntárias, neuralgia39, vertigem40. Gastrintestinais: dispepsia41, boca42 seca, constipação43, flatulência, amilase aumentada, disfagia44, gengivite45, estomatite46 aftosa, alterações retais, hemorragia47 retal. Fígado10 e sistema biliar: GGT aumentada, fosfotase alcalina aumentada. Metabólico e nutricional: desidratação48, hipernatremia49, hipertrigliceridemia, hipofosfatemia, CPK aumentado. Musculoesquelético: artralgia50, fraqueza muscular. Psiquiátrico; pensamento anormal, nervosismo, agitação, ansiedade, labilidade emocional, pesadelos, confusão, alucinação51, hipomania. Hematológico: anemia52. Mecanismo de resistência: infecção53, infecção53 do trato urinário54. Respiratório: dispnéia55, bronquite, epistaxe56, desordem respiratória. Pele57 e anexos58: alterações da pele57, seborréia59, descoloração da pele57. Sentidos especiais: conjuntivite60, visão61 anormal, fotofobia62, zumbido. Sistema urinário63: disúria64. Adicionalmente ao relatado acima, foram observados durante estudos clínicos cegos com Viramune reações adversas que podem ser pelo menos possivelmente associadas ao uso do medicamento: reação de fotossensibilidade, necrose65 isquêmica, idéias suicidas, convulsões, episódio psicótico, anafilaxia66, acidente cerebrovascular, cardiomiopatia, insuficiência cardíaca67, hiperglicemia68, colangite esclerosante, hematêmese69 e púrpura70 trombocitopênica idiopática71.

Contra-Indicações de Viramune

pacientes com hipersensibilidade clinicamente significativa em relação a qualquer componente da fórmula. - Advertências: nos pacientes tratados com Viramune ocorreram reações dermatológicas severas ou potencialmente perigosas, inclusive a síndrome38 Stevens-Johnson, Viramune deve ser descontinuado em pacientes que apresentarem erupções cutâneas3 acompanhadas de sintomas5 constitucionais como febre25, erupções vesiculares, lesões72 orais, conjuntivite60, edemas73, dores musculares ou das articulações74, ou mal-estar geral.

Indicações de Viramune

em combinação com análogos de nucleosídeos, é indicado para o tratamento de pacientes que apresentam infecção53 pelo HIV19-1, em estado avançado, nos quais o prosseguimento, por mais tempo, do tratamento anti-retroviral em curso não é adequado. Esta indicação está baseada em aumentos significativos de respostas imunológicas e virológicas em pacientes com infecção53 por HIV19- 1 que foram previamente tratados com agentes anti-retrovirais análogos de nucleosídeos. No momento, não há resultados de estudos que confirmam o efeito do Viramune em combinação com análogos de nucleosídeos no progresso da doença ou na sobrevivência75.

Apresentação de Viramune

embalagem com 60 comprimidos.


VIRAMUNE - Laboratório

Boehringer Ingelheim
Av. Maria Coelho Aguiar,215-Bl. F - 3ºand
São Paulo/SP - CEP: 05804-970
Tel: 55 (011) 3741-2181
Fax: 55 (011) 3741-1648
Site: http://www.boehringer-ingelheim.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "Boehringer Ingelheim"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
3 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
4 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Preconizada: Recomendada, aconselhada, pregada.
7 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
8 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
9 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
10 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
11 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
12 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
13 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
14 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
15 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
16 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
17 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
18 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
19 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
20 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
21 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
22 Contracepção: Qualquer processo que evite a fertilização do óvulo ou a implantação do ovo. Os métodos de contracepção podem ser classificados de acordo com o seu objetivo em barreiras mecânicas ou químicas, impeditivas de nidação e contracepção hormonal.
23 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
24 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
25 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
26 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
27 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
28 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
29 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
30 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
31 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
32 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
33 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
34 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
35 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
36 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
37 Hipertonia: 1. Em biologia, é a característica de uma solução que apresenta maior concentração de solutos do que outra. 2. Em medicina, é a tensão excessiva em músculos, artérias ou outros tecidos orgânicos.
38 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
39 Neuralgia: Dor aguda produzida pela irritação de um nervo. Caracteriza-se por ser muito intensa, em queimação, pulsátil ou semelhante a uma descarga elétrica. Suas causas mais freqüentes são infecção, lesão metabólica ou tóxica do nervo comprometido.
40 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
41 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
42 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
43 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
44 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
45 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
46 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
47 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
48 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
49 Hipernatremia: Excesso de sódio no sangue, indicativo de desidratação.
50 Artralgia: Dor em uma articulação.
51 Alucinação: Perturbação mental que se caracteriza pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensação sem objeto. Impressão ou noção falsa, sem fundamento na realidade; devaneio, delírio, engano, ilusão.
52 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
53 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
54 Trato Urinário:
55 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
56 Epistaxe: Hemorragia de origem nasal.
57 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
58 Anexos: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
59 Seborréia: Também conhecida como dermatite seborreica, caspa ou eczema, é uma afecção crônica que se manifesta em partes do corpo onde existe maior produção de óleo pelas glândulas sebáceas ou a presença de um fungo, o Pityrosporum ovale. Manifesta-se sob a forma de lesões avermelhadas que descamam e coçam principalmente no couro cabeludo, sobrancelhas, barba, perto do nariz, atrás e dentro das orelhas, no peito, nas costas e nas dobras de pele (axilas, virilhas e debaixo dos seios). Nos bebês, é conhecida como crosta láctea, uma placa gordurosa que adere ao couro cabeludo, mas que pode também aparecer na região das fraldas. Não é contagiosa.
60 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
61 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
62 Fotofobia: Dor ocular ou cefaléia produzida perante estímulos visuais. É um sintoma freqüente na meningite, hemorragia subaracnóidea, enxaqueca, etc.
63 Sistema urinário: O sistema urinário é constituído pelos rins, pelos ureteres e pela bexiga. Ele remove os resíduos do sangue, mantêm o equilíbrio de água e eletrólitos, armazena e transporta a urina.
64 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
65 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
66 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
67 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
68 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
69 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
70 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
71 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
72 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
73 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
74 Articulações:
75 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.

Tem alguma dúvida sobre VIRAMUNE?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.