GANVIRAX

BLAUSIEGEL

Atualizado em 08/12/2014

GANVIRAX®
GANCICLOVIR

Apresentação de Ganvirax

Cápsulas. Cartucho contendo 40 cápsulas de 250 mg.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO.

Composição:

Cada cápsula contém: Ganciclovir (equivalente a 273 mg de ganciclovir sódico)    250,0 mg
 Excipientes    q.s.p.    1 cápsula
Componentes não ativos: amido de milho, celulose microcristalina, amido glicolato de sódio e estearato de magnésio.

INFORMAÇÃO TÉCNICA


O ganciclovir é um derivado sintético ativo contra o citomegalovirus1 (CMV), é um nucleosídeo acíclico análogo da 2'-deoxiguanosina que inibe a replicação do herpes vírus2. O ganciclovir se mostrou ativo contra o citomegalovírus1 (CMV) e herpes simplex vírus2 (HSV) em estudos clínicos realizados em humanos.
O ganciclovir é fosforilado primeiro a forma monofosfato por uma proteína quinase homóloga CMV-codificada (gen UL97), e depois para as formas di e tri-fosfato pelas quinases celulares. As concentrações de ganciclovir trifosfato podem ser 100 vezes maiores em pacientes infectados por CMV do que nas células3 não-infectadas, indicando fosforilação preferencial  nas células3 infectadas. Ganciclovir trifosfato, uma vez formado, persiste por dias nas células3 infectadas pelo CMV. Acredita-se que o ganciclovir tri-fosfato seja capaz de inibir a síntese do DNA viral por (1) inibição competitiva do DNA polimerase viral; e (2) incorporação ao DNA viral, resultando em eventual termíno de alongamento do DNA viral.

Atividade antiviral: a concentração média de ganciclovir que inibe a replicação do CMV (IC50) in vitro (cepas4 laboratoriais ou isolados clínicos) foi de 0,02 a 3,48 mg/ml. O ganciclovir inibe a proliferação das células3 dos mamíferos in vitro a concentrações mais altas, variando de 30 a 725  mg/ml. Células3 formadoras de colônias derivadas da médula óssea são mais sensíveis (CIC50 0,028 a 0,7 mg/ml). A relação da sensibilidade in vitro do CMV ao ganciclovir e respostas clínicas não foram ainda estabelecidas.

Farmacocinética
Devido ao fato do ganciclovir ser eliminado predominantemente por via renal5, são necessárias reduções na dose de acordo com o clearance de creatinina6 do paciente.

Absorção: ao final de uma hora de infusão intravenosa de 5 mg/kg de ganciclovir, o AUC total ficou entre 22,1 ± 3,2 (n = 16) e 26,8 ± 6,1 mg.hr./ml (n = 16) e Cmax entre 8,27 ± 1,02 (n=16) e 9,0 ± 1,4 mg/ml (n = 16).

Distribuição: o volume de distribuição no ponto-de-equilíbrio do ganciclovir após administração intravenosa foi de 0,74 ± 0,15 L/kg (n = 98). A ligação do ganciclovir às proteínas7 plasmáticas foi de 1% a 2% sobre a concentrações de 0,5 e 51 mg/ml.

Eliminação: quando administrado por via intravenosa, o ganciclovir apresenta farmacocinética linear na faixa de 1,6 a 5,0 mg/kg. A excreção renal5 da droga não modificada por filtração glomerular e secreção tubular ativa é a maior rota de eliminação do ganciclovir. Em pacientes com função renal5 normal, 91,3 ± 5,0% (n = 4) do ganciclovir administrado por via intravenosa foi recuperado não metabolizado na urina8. O clearance sistêmico9 do ganciclovir administrado por via intravenosa foi de 3,52 ± 0,80 ml/min/kg (n = 980) enquanto o clearance renal5 foi de 3,20 ± 0,80 ml/min/kg (n = 47), contabilizando 91 ± 11% do clearance sistêmico9 (n = 47).
A hemodiálise10 reduz as concentrações plasmáticas do ganciclovir em 50% após administração intravenosa.  

Indicações de Ganvirax

O produto é indicado para o tratamento de infecções11 graves por citomegalovírus1 (CMV), que põem em risco a vida ou a visão12 de doentes imunocomprometidos. O imunocomprometimento pode ser causado pela AIDS, transplantes de órgãos ou médula acompanhados de uso de imunossupressores, imunodepressões celulares induzidas por neoplasias13 e na quimioterapia14 supressiva. As infecções11 graves por CMV são normalmente retinites, colites e outras infecções11 do aparelho digestivo15, pneumonias e encefalites16.
O diagnóstico17 compreende uma viremia positiva (retinites); isolamento do vírus2 ou inclusões virais intracelulares (localização digestiva); isolamento ou inclusões intracelulares nas localizações pulmonares ou cerebrais.
O diagnóstico17 deve ser comprovado e, salvo exceções, o produto não deve ser utilizado em infecções11 menos graves por citomegalovírus1, ou em infecções11 por CMV, em pacientes não imunodeprimidos.

Contra-Indicações de Ganvirax

O produto é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao ganciclovir ou ao aciclovir18; gravidez19 e lactação20; quando o número de neutrófilos21 polinucleares for inferior ou igual a 500/mm3 e em mulheres em idade fértil, na ausência de meios eficazes de controle da concepção22.

Precauções e Advertências de Ganvirax


Precauções:

Hematológicas:
Não administrar o produto, ou interromper a administração, quando a contagem de neutrófilos21 indicar número igual ou inferior a 500/mm3 e a de plaquetas23 for menor que 25000 células3/mm3. Granulocitopenia (neutropenia24), anemia25 e trombocitopenia26 foram observados em pacientes tratados com ganciclovir. A frequência e severidade destes eventos variam amplamente de paciente para paciente27. O ganciclovir deve, deste modo, ser administrado com cautela em pacientes com citopenia preexistente ou com história de reações citopênicas a outras drogas, químicas e irradiações.  A granulocitopenia geralmente ocorre durante a primeira ou segunda semana de tratamento mas pode ocorrer a qualquer tempo durante o tratamento. A contagem das células3 pode começar a se recuperar dentro de 3 a 7 dias depois da descontinuação da droga.  

Comprometimento da fertilidade:
Dados em animais demonstraram que a administração de ganciclovir causa inibição da espermatogênese e infertilidade28 subsequente. Estes efeitos foram reversíveis a baixas doses e irreversíveis a altas doses. É considerado que provavelmente o ganciclovir causa inibição temporária ou permanente da espermatogênese. Dados em animais indicaram que o ganciclovir podem causar uma supressão na fertilidade em fêmeas.  

Teratogênese29:
Devido ao potencial mutagênico e teratogênico30 do ganciclovir, as mulheres em fase reprodutiva devem ser instruídas a usar meios contraceptivos durante o tratamento. Deste modo, métodos contraceptivos efetivos devem ser usados por ambos os sexos durante o tratamento e pelo homem até 90 dias após o tratamento devido ao seu potencial mutagênico.

Reprodução31 e potencial cancerígeno:
Experimentalmente em animais, o ganciclovir demonstrou inibir a espermatogênese até de forma irreversível e provocar esterilidade32 na fêmea. Demonstrou ainda, teratogenicidade e embrioletalidade em animais. Por sua ação mutagênica, pode ser considerado agente com potencial cancerígeno. Não há estudos na espécie humana, mas essas reações em animais devem ser consideradas.

Uso com a Zidovudina (AZT):
Devido à toxicidade33 hematológica, recomenda-se interromper o tratamento com AZT durante a utilização de ganciclovir.

Uso em lactentes34:
Não é conhecido se o ganciclovir é excretado no leite materno. Entretanto muitas drogas são excretadas no leite humano e, devido aos efeitos carcinogênicos e teratogênicos35 que ocorreram em animais tratados com ganciclovir, a possibilidade de efeitos adversos ocorrerem em lactentes34 deve ser considerado. Devido ao potencial de risco do bebê, a mãe deve ser instruída a descontinuar a amamentação36 enquanto estiver sob tratamento com ganciclovir.

Uso em pediatria:
Ganciclovir não é indicado no tratamento no tratamento das infecções11 congênitas37 ou neonatais por CMV. Em crianças abaixo de 12 anos de idade, a utilização só deve ser feita nos casos de necessidade absoluta, devido aos efeitos oncogênicos a longo prazo e seus efeitos tóxicos sobre a reprodução31. A prevalência38 das reações adversas é mais elevada nas crianças do que nos adultos.

Precauções de emprego:
A administração é exclusivamente por infusão intravenosa, o pH da solução é alcalino (de 9 a 11) e pode provocar acidentes locais graves se extravasar no tecido39 intramuscular ou subcutâneo40. A administração deve ser feita por infusão nas veias41 com débito sangüíneo suficiente para uma rápida diluição e distribuição.

Insuficiência renal42:
A administração por infusão deve ser acompanhada de hidratação suficiente para uma clearance normal, pois o ganciclovir é excretado pelos rins43. Na insuficiência renal42, ajustar a posologia, baseando-se na taxa plasmática de creatinina6 e/ou clearance.
A hemodiálise10 demonstrou reduzir os níveis plasmáticos de ganciclovir em aproximadamente 50%.

Antecedentes hematológicos:
Utilizar com cuidado em pacientes com antecedentes de citopenia (leucocitopenia; trombocitopenia26), mantendo-se constante avaliação sobre a contagem das células3 sangüíneas durante o tratamento. A neutropenia24 pode ocorrer durante a 1ª ou 3ª semana do tratamento ou após dose cumulativa de 200 mg/kg ou a qualquer momento. A contagem globular se normaliza habitualmente de dois a cinco dias após a interrupção do tratamento.

Testes laboratoriais:
Devido a ocorrência de neutropenia24, anemia25 e trombocitopenia26 em pacientes recebendo ganciclovir, é recomendado que seja realizada contagem sangüínea total e contagem de plaquetas23 freqüentemente, especialmente naqueles pacientes nos quais o ganciclovir ou outro nucleosídeo análogo tenha sido previamente resultado leucopenia44 ou naqueles em que a contagem de neutrófilos21 tenha sido menor que 1000 células3/mL no começo do tratamento. Aumentos nos níveis de creatinina6 sérica foram observados em vários estudos de avaliação com o ganciclovir. Os pacientes devem ter os níveis séricos de creatinina6 ou valores no clearance de creatinina6 monitorados cuidadosamente a fim de permitir o ajuste de dosagens em pacientes com função renal5 alterada.  

Antecedentes psiquiátricos:
O ganciclovir deve ser utilizado com precaução nos pacientes com antecedentes de psicose45, de desordens mentais ou que tenham apresentado reações psiquiátricas ou neurológicas a outros medicamentos.

Interações Medicamentosas de Ganvirax

A administração deve ser cuidadosa com aqueles produtos que modificam a secreção ou a reabsorção tubular renal5. Administrar com extremo cuidado com probenecide (altera a reabsorção tubular). Dapsona, Pentamidina, Flucitosina, anti-neoplásicos46, Zidovudina, Anfotericina B, Trimetoprima/Sulfametoxazol ou com nucleosídeos análogos ao ganciclovir. A zidovudina aumenta a toxicidade33 hematológica quando associada ao ganciclovir. Com Imipenem-Cilastina, observou-se o aparecimento de convulsões.

Reações Adversas de Ganvirax


Hematológicas -
podem ocorrer leuconeutropenias graves (neutrófilos21 < 500/mm3 em 155 dos pacientes); leuconeutropenia (neutrófilos21 < 1000 mm3 em 40% dos pacientes); trombocitopenia26 (plaquetas23 < 50000/mm3 em 20% dos pacientes); anemia25 rara (4% dos pacientes) e, raramente eosinofilia47. Estes efeitos se manifestam em tratamentos prolongados.

Neuropsíquicas - podem ocorrer problemas de atenção; disfunções cognitivas; crises convulsivas; psicose45; sonolência; cefaléia48; nervosismo; parastesias; tremores; coma49; confusão (cerca de 5% dos pacientes).

Outras reações - podem ocorrer erupções cutâneas50; anorexia51, náuseas52, vômitos53; diarréia54, febre55, inflamações56; dor e flebite57 no local da infusão. Raramente pode-se verificar ainda: edemas58, arritmia59, hipertensão60 ou hipotensão61. Cefaléia48, dores gastrointestinais, aumento das fosfatases alcalinas, astenia62, dispnéia63, hematúria64, eosinofilia47, aumento da uréia65 sangüínea e da creatinina6, alopécia66, pruridos, hemorragias67, hipoglicemia68 e deslocamento da retina69 após retinopatia por CMV.

Posologia de Ganvirax

Para Tratamento em Pacientes com Função Renal5 Normal:  
 
1. Tratamento de indução :
 O dosagem inicial recomendado para pacientes70 com função renal5 normal é 5 mg/kg (administrado intravenosamente a uma taxa constante por mais de 1 hora) de 12 em 12 horas durante 14 a 21 dias. Não devem ser usadas cápsulas de GANVIRAX® para tratamento de indução.  
 
2. Tratamento de manutenção:  
Cápsulas de GANVIRAX®: a dosagem de manutenção recomendada de cápsulas de GANVIRAX® é 1000 mg administrado com as refeições (3 vezes ao dia). Alternativamente, o regime posológico pode variar com a dose de 500 mg por 6 vezes ao dia, pode ser administradas a cada 3 horas com alguma comida.  

Para pacientes70 que de alguma forma, progride, enquanto tratamento de manutenção com qualquer formulação de ganciclovir (oral ou injetável), o tratamento de redução é recomendado.  
 
Para a Prevenção em Pacientes Com Infecção71 de HIV72 Avançada e Função Renal5 Normal:  
 
Cápsulas: A dose profiláctica recomendada: cápsulas de GANVIRAX® é 1000 mg durante as refeições.  
 
Para a Prevenção em Recipientes de Transplante Com Função Renal5 Normal:  
Cápsulas de GANVIRAX®: O dosagem profiláctico recomendado de cápsulas de GANVIRAX® é 1000 mg nas refeições.  
A duração de tratamento com cápsulas de GANVIRAX® em receptores de transplante é dependente na duração e grau de imunosupressão. Em uma tentativa clínica controlada de receptores de aloenxerto, tratamento com cápsulas de GANVIRAX® foi continuado por semana 14 pós- transplante.
 
Insuficiência renal42:  
Cápsulas de GANVIRAX®: Em pacientes com Insuficiência renal42, deve ser modificada a dosagem para cápsulas de GANVIRAX® como mostrado abaixo:

Clearance de Creatinina6 *  mL/min    Dose    
>70    1000 mg 3 vezes ao dia  ou 500 mg a cada 3 h, 6x/dia.    
50-69    1500 mg todos os dias ou 500 mg 3 vezes ao dia    
25-49    1000 mg todos os dias ou 500 mg duas vezes ao dia     
10-24    500 mg todos os dias    
<10    500 mg 3 vezes por semana, após a hemodiálise10    

*Clearance de Creatinina6 pode ser obtido no soro73 com a seguinte fórmula:

Clearance de Creatinina6 para homens = (140  idade [anos]) (peso corpóreo [kg])
                         (72) (creatinina6 sérica [mg/dL74])

Clearance de Creatinina6 para mulheres = 0,85 x Fórmula para homens

Superdosagem de Ganvirax


O ganciclovir pode ser eliminado por diálise peritoneal75 ou por hemodiálise10. Nos casos de superdosagem recomenda-se hidratação e diálise76, para reduzir mais rapidamente a taxa plasmática. Os sintomas77 de intoxicação em animais que receberam doses únicas muito elevadas (500 mg) de ganciclovir foram: vômitos53, salivação excessiva, anorexia51, diarréia54 sanguinolenta78, prostação, citopenia, alteração nos testes de função hepática79, elevação da uréia65 sangüínea, atrofia80 dos testículos81 e morte em 7 dias.

Uso Geriátrico de Ganvirax

Não há estudos sobre a segurança e a eficácia do uso do ganciclovir em idosos, mas, nesses casos, deve-se observar a função renal5, em geral comprometida nesses pacientes.

Cuidados de Conservação de Ganvirax


O produto deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15° e 30°C).

Prazo de validade: 24 meses. ATENÇÃO: Não utilize o produto após vencido o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos desejados.

Atenção: ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E, EMBORA AS PESQUISAS REALIZADAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA QUANDO CORRETAMENTE INDICADO, PODEM OCORRER REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS AINDA NÃO DESCRITAS OU CONHECIDAS. EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÃO ADVERSA O MÉDICO RESPONSÁVEL DEVE SER NOTIFICADO.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

USO RESTRITO A HOSPITAIS
Nº do Lote, Data de Fabricação e de Validade: vide cartucho.

GANVIRAX - Laboratório

BLAUSIEGEL
Rodovia Raposo Tavares km 30,5 No. 2833
Cotia/SP - CEP: 06705-030
Tel: (11) 4612-2922
Site: http://www.blausiegel.net

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Citomegalovírus: Citomegalovírus (CMV) é um vírus pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes zóster.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
5 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
6 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
7 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
8 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
9 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
10 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
13 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
14 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
15 Aparelho digestivo: O aparelho digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
16 Encefalites: Inflamação do tecido encefálico produzida por uma infecção viral, bacteriana ou micótica (fungos).
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Aciclovir: Substância análoga da Guanosina, que age como um antimetabólito, à qual os vírus são especialmente susceptíveis. É usado especialmente contra o herpes.
19 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
20 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
21 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
22 Concepção: O início da gravidez.
23 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
24 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
25 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
26 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
27 Para paciente: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Paciente disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
28 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
29 Teratogênese: Formação e desenvolvimento no útero de anomalias que levam a malformações; teratogenia.
30 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
31 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
32 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
33 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
34 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
35 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
36 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
37 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
38 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
39 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
40 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
41 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
42 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
43 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
44 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
45 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
46 Neoplásicos: Que apresentam neoplasias, ou seja, que apresentam processo patológico que resulta no desenvolvimento de neoplasma ou tumor. Um neoplasma é uma neoformação de crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido, mediante proliferação celular.
47 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
48 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
49 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
50 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
51 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
52 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
53 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
54 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
55 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
56 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
57 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
58 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
59 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
60 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
61 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
62 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
63 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
64 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
65 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
66 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
67 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
68 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
69 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
70 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
71 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
72 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
73 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
74 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
75 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.
76 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
77 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
78 Sanguinolenta: 1. Em que há grande derramamento de sangue; sangrenta. 2. Tinto ou misturado com sangue. 3. Que se compraz em ver ou derramar sangue; sanguinária.
79 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
80 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
81 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.

Tem alguma dúvida sobre GANVIRAX?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.