ARADOIS

BIOLABFARMA

Atualizado em 03/06/2015

Aradois®

Losartan Potássico

Indicações de Aradois

Indicado no tratamento da hipertensão arterial1. Ele pode ser administrado como monoterapia ou em associação com outros agentes anti-hipertensivos. É indicado para o tratamento da insuficiência cardíaca2 geralmente em combinação com diuréticos3 e digitálicos, tendo demonstrado efeito benéfico na sobrevida4 desses pacientes.



- Forma Farmacêutica e apresentações

Comprimido revestido e sulcado 25 mg. Caixa com 30 comprimidos.
Comprimido revestido e sulcado 50 mg. Caixa com 30 comprimidos.
Comprimido revestido e sulcado 100 mg. Caixa com 30 comprimidos.

- Contra-indicações

Pacientes com hipersensibilidade ao losartan ou a qualquer componente da fórmula.

Cuidados e Advertências de Aradois

Gerais - Pacientes com o volume intravascular5 depletado, podem apresentar hipotensão6 sintomática7 após início da terapia com Aradois® (por exemplo: pacientes tratados com diuréticos3).Estas condições devem ser corrigidas antes da administração de Aradois® ou, então, utilizar uma dose inicial mais baixa (veja posologia).

Gravidez8 - Drogas que agem diretamente no sistema renina-angiotensina podem causar morbidade9 fetal e neonatal e morte do feto10, quando administradas a mulheres grávidas. Quando uma gravidez8 for detectada, deve-se interromper imediatamente o tratamento com Aradois®. Mulheres em idade fértil, devem ser informadas pelos médicos sobre as conseqüências da exposição à drogas que agem no sistema renina-angiotensina.


Lactação11 - Não é conhecido se o losartan é excretado no leite humano, mas significantes níveis dele e de seu metabólito12 ativo foram encontrados no leite de ratas. Em função do potencial de reações adversas no lactente13, deve-se interromper a amamentação14 ou então o tratamento com Aradois®, levando-se em consideração a importância da droga para a mãe.


Pediatria - A segurança e a eficácia do uso de Aradois® em crianças ainda não foram estabelecidas.

Geriatria (idosos) - Não houve diferenças significativas na eficácia e segurança de losartan relacionadas à idade. No entanto, foi observada maior sensibilidade em alguns pacientes idosos.

Insuficiência renal15 - Como conseqüência da inibição do sistema renina-angiotensina-aldosterona, mudanças na função renal16 foram relatadas em pacientes suscetíveis tratados com Aradois®. Em alguns pacientes, estas alterações da função renal16 foram revertidas com a descontinuação da terapia. Em pacientes cuja função renal16 depende da atividade do sistema renina-angiotensina-aldosterona (por exemplo: pacientes com grave congestão cardíaca), o tratamento com inibidores da enzima17 conversora de angiotensina tem sido associado com oligúria18 e/ou azotemia. Efeitos similares foram relatados com losartan.
Em estudos com outros inibidores da ECA em pacientes com estenose19 da artéria renal20 unilateral ou bilateral, foram reportados aumentos na creatinina21 sérica ou BUN (uréia22). Efeitos similares foram relatados com losartan. Em vários pacientes estes efeitos foram revertidos com a interrupção do tratamento.


Insuficiência hepática23 - Baseados na farmacocinética que demonstra aumentos significativos nas concentrações sangüíneas de losartan em pacientes cirróticos, deve-se considerar doses mais baixas em pacientes com história de disfunção hepática24 (veja posologia).

Interações Medicamentosas de Aradois

Não foram identificadas interações farmacocinéticas de significado clínico com os seguintes fármacos: hidroclorotiazida, digoxina, varfarina, cimetidina e fenobarbital.Aradois® pode ser administrado conjuntamente com outros medicamentos anti-hipertensivos.

Reações Adversas de Aradois

O losartan mostrou ser um fármaco25 bem tolerado, com uma incidência26 global de experiências adversas similar ao do placebo27. Somente 2,3% de pacientes tratados com losartan foram obrigados a descontinuar o tratamento. As reações adversas são em geral leves e transitórias, sendo as seguintes: tontura28; dores nas costas29, pernas e tórax30; cãibras; insônia; congestão nasal; astenia31; dor de cabeça32; diarréia33 e reações de hipersensibilidade (urticária34, inchaço35 da face36, lábios e/ou língua37).

Posologia de Aradois


Adultos:
A dose inicial usual é de 50 mg de Aradois® , uma vez ao dia. Aradois® pode ser administrado em uma única tomada ao dia, ou fracionado em duas tomadas ao dia, sendo que a dose total diária pode variar de 25 mg até 100 mg.
Se o efeito anti-hipertensivo é inadequado administrando-se uma única dose de Aradois® ao dia, o regime de duas doses de Aradois® ao dia (fracionando-se a dose total diária) pode ser instituído, ou então, um aumento na dose única de Aradois® por dia pode resultar em resposta terapêutica38 satisfatória.
Em pacientes com depleção39 do volume intravascular5 (por exemplo, pacientes tratados com diuréticos3), recomenda-se iniciar com dose de 25 mg de Aradois®.

Idosos ou insuficiência renal15: não há necessidade de ajuste posológico inicial de Aradois®, nesses casos , incluindo pacientes sob diálise40.
Insuficiência hepática23: recomenda-se utilizar doses mais baixas de Aradois® .
A dose inicial do Aradois® para pacientes41 com insuficiência cardíaca2 é de 12,5mg uma vez ao dia. Geralmente, a dose deve ser titulada em intervalos semanais (isto é, 12,5mg, 25mg, 50mg, uma vez ao dia) de acordo com a tolerabilidade do paciente.

ARADOIS - Laboratório

BIOLABFARMA
Rua Olimpíadas, 242, 3° andar. Vila Olímpia.
São Paulo/SP - CEP: 04551-000
Tel: 55 11 3573-6000

Ver outros medicamentos do laboratório "BIOLABFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
2 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
3 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
4 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
5 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
6 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
7 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
8 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
9 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
10 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
11 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
12 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
13 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
14 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
15 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
16 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
17 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
18 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
19 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
20 Artéria Renal: Ramo da aorta abdominal que irriga os rins, glândulas adrenais e ureteres.
21 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
22 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
23 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
24 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
25 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
26 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
27 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
28 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
29 Costas:
30 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
31 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
32 Cabeça:
33 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
34 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
35 Inchaço: Inchação, edema.
36 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
37 Língua:
38 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
39 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
40 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
41 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre ARADOIS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.