MAXILIV

Atualizado em 09/12/2014

MAXILIV

DIPIRONA SÓDICA
Comprimidos em blíster de 20
Solução oral (gotas) em frasco de plástico opaco de 20 ml
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composições Completas de Maxiliv

Cada comprimido contém: Dipirona sódica 500 mg
Excipientes: celulose microcristalina, amido pré-gelatinizado, crospovidona, polividona, estearato de magnésio e corante lake blend LB 282
Cada ml (20 gotas) contém:
Dipirona sódica 500 mg
Excipientes: propilenoglicol, ciclamato sódico, sacarina1 sódica, metilparabeno, propilparabeno, edetato dissódico, álcool etílico, aroma de damasco e água purificada

Informação ao Paciente de Maxiliv

MAXILIV é um medicamento à base de dipirona sódica atuando como analgésico2 e antitérmico3 de eficácia comprovada, sendo capaz de aliviar os estados dolorosos, bem como diminuir temperaturas elevadas. A ação antitérmica inicia-se aproximadamente 30 minutos após a ingestão de MAXILIV.
MAXILIV pode ser utilizado como analgésico2 e antitérmico3 no tratamento sintomático4 da dengue5, sem favorecer o aparecimento de hemorragias6.
MAXILIV, quando conservado em temperatura ambiente (temperatura entre 15 e 30°C), ao abrigo da luz e umidade, apresenta uma validade de 36 meses na forma de comprimidos e de 24 meses na forma de solução oral (gotas), a contar da data de sua fabricação. NUNCA USE MEDICAMENTO COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO. ALÉM DE NÃO OBTER O EFEITO DESEJADO, PODE PREJUDICAR A SUA SAÚDE7.
Informe seu médico a ocorrência de gravidez8 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, tais como: coceira, placas9 vermelhas, dor de garganta10 e/ou qualquer outra anormalidade em sua boca11 ou garganta10.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS
MAXILIV não deve ser ingerido com bebidas alcoólicas.
Pacientes sob tratamento com medicamentos que contenham clorpromazina ou ciclosporina não devem fazer uso de MAXILIV.
MAXILIV é contra-indicado em pacientes que apresentem hipersensibilidade a quaisquer dos componentes de sua fórmula.
MAXILIV é contra-indicado em pacientes que tiveram rinite12, urticária13, asma14 ou reações alérgicas induzidas pelo ácido acetilsalicílico ou por outros agentes antiinflamatórios.
MAXILIV não deve ser administrado em altas doses ou por períodos prolongados, sem controle médico.
O uso de MAXILIV comprimidos é inadequado para crianças e adolescentes abaixo de 15 anos.
Durante o tratamento pode-se observar uma coloração avermelhada na urina15, devido à excreção do metabólito16 ácido rubazônico, porém isto não tem significado toxicológico ou clínico. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.
Durante a gravidez8, principalmente nos primeiros três meses e nas seis últimas semanas e durante a lactação17, MAXILIV somente deve ser utilizado sob orientação médica.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE7.

Informação Técnica de Maxiliv

MAXILIV é um analgésico2 e antipirético18 de eficácia comprovada, que contém a dipirona sódica como princípio ativo, sendo capaz de aliviar os episódios dolorosos de curta duração como ocorre em processos miálgicos e nevrálgicos bem como diminuir temperaturas elevadas. Quimicamente, é 1-fenil-2,3-dimetil-5-pirazolona-4-metilaminometanossulfonato de sódio monohidratado.
A dipirona é um analgésico2 e antitérmico3 de ação central, que atua no centro termorregulador hipotalâmico presente no cérebro19. A ação antipirética inicia-se aproximadamente 30 minutos após a ingestão de dipirona.
Devido à sua elevada solubilidade, a dipirona sódica é rapida e completamente absorvida do trato gastrintestinal, determinando pronto alívio das manifestações dolorosas. Um estudo com a dipirona utilizando dose única e dose múltipla revelou uma farmacocinética não linear, caracterizada pela rápida hidrólise ao metabólito16 ativo 4-metil-amino-antipirina, que tem uma biodisponibilidade de 85% após a administração oral na forma de comprimidos e de 89% na forma de gotas, levando um curto tempo para atingir concentrações sistêmicas máximas. Este metabólito16 é posteriormente metabolizado com uma meia-vida de eliminação média de 2,6 a 3,5 horas em 4-formil-amino-antipirina, que é um metabólito16 final, e em 4-amino-antipirina. Este último metabólito16 é então acetilado, formando o 4-acetil-amino-antipirina. A excreção urinária destes quatro metabólitos20 é responsável por aproximadamente 60% da dose administrada, sendo todos excretados no leite humano. Apresenta metabolização hepática21 e tanto o fármaco22 de origem como seus metabólitos20 ligam-se fracamente às proteínas23 plasmáticas, mas difundem-se rápido e uniformemente nos tecidos.
Em pacientes com cirrose24 hepática21, o "clearance" aparente de todos os metabólitos20 é geralmente reduzido. Em pacientes com doença renal25, o "clearance" aparente do 4-metil-amino-antipirina permanece inalterado.

Indicações de Maxiliv

MAXILIV é indicado como analgésico2 e antipirético18.

Contra-Indicações de Maxiliv

MAXILIV É CONTRA-INDICADO EM PACIENTES QUE APRESENTEM HIPERSENSIBILIDADE A QUAISQUER DOS COMPONENTES DE SUA FÓRMULA. MAXILIV NÃO DEVE SER ADMINISTRADO A PACIENTES COM INTOLERÂNCIA CONHECIDA AOS DERIVADOS PIRAZOLÔNICOS OU COM DETERMINADAS DOENÇAS METABÓLICAS, TAIS COMO: PORFIRIA26 HEPÁTICA21 E DEFICIÊNCIA CONGÊNITA27 DE GLICOSE28-6-FOSFATO-DESIDROGENASE.
MAXILIV É CONTRA-INDICADO EM PACIENTES QUE TIVERAM RINITE12, URTICÁRIA13, ASMA14 OU REAÇÕES ALÉRGICAS INDUZIDAS PELO ÁCIDO ACETILSALICÍLICO OU POR OUTROS AGENTES ANTIINFLAMATÓRIOS.
COMO OS DEMAIS ANALGÉSICOS29, MAXILIV NÃO DEVE SER ADMINISTRADO EM ALTAS DOSES OU POR PERÍODOS PROLONGADOS, SEM CONTROLE MÉDICO.

Precauções e Advertências de Maxiliv

O USO DE MAXILIV EM CASOS DE AMIGDALITE OU QUALQUER OUTRA AFECÇÃO30 DA BUCO-FARINGE31 DEVE MERECER CUIDADO REDOBRADO: ESTA AFECÇÃO30 PREEXISTENTE PODE MASCARAR OS PRIMEIROS SINTOMAS32 DE AGRANULOCITOSE33 (ANGINA34 AGRANULOCÍTICA), OCORRÊNCIA RARA, MAS POSSÍVEL, QUANDO SE FAZ USO DE PRODUTO QUE CONTENHA DIPIRONA.
O USO DE PIRAZOLÔNICOS, INCLUSIVE A DIPIRONA, PODE OCASIONAR EFEITOS INDESEJÁVEIS QUE CONSISTEM DESDE UMA SIMPLES ALERGIA35 ATÉ AGRANULOCITOSE33 E REDUÇÃO DA AGRANULOCITOPOESE. POR ESTE MOTIVO, NOS CASOS DE TRATAMENTOS PROLONGADOS, OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DEVEM SER CONTROLADOS PERIODICAMENTE.
SEU USO DEVE SER EVITADO NOS PRIMEIROS TRÊS MESES E NAS ÚLTIMAS SEIS SEMANAS DA GESTAÇÃO E MESMO FORA DESTES PERÍODOS, MAXILIV SOMENTE DEVE SER ADMINISTRADO A GESTANTES EM CASO DE ABSOLUTA NECESSIDADE.
PACIENTES COM ASMA14 OU INFECÇÕES36 RESPIRATÓRIAS CRÔNICAS, BEM COMO PACIENTES COM HIPERSENSIBILIDADE A QUALQUER TIPO DE SUBSTÂNCIA, PODEM DESENVOLVER CHOQUE37. O USO DE MAXILIV COMPRIMIDOS É INADEQUADO PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ABAIXO DE 15 ANOS.
CRIANÇAS MENORES DE 3 MESES DE IDADE OU PESANDO MENOS DE 5 KG NÃO DEVEM SER TRATADAS COM MAXILIV, A MENOS QUE SEJA ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIO, DEVIDO À POSSIBILIDADE DE INTERFERÊNCIA COM A FUNÇÃO RENAL25. EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS HEMATOPOIÉTICOS MAXILIV SOMENTE DEVE SER ADMINISTRADO SOB CONTROLE MÉDICO.
DURANTE O TRATAMENTO PODE-SE OBSERVAR UMA COLORAÇÃO AVERMELHADA NA URINA15, DEVIDO À EXCREÇÃO DO METABÓLITO16 ÁCIDO RUBAZÔNICO, PORÉM ISTO NÃO TEM SIGNIFICADO TOXICOLÓGICO OU CLÍNICO.

Interações Medicamentosas de Maxiliv

Não se deve ingerir bebidas alcoólicas durante o tratamento com MAXILIV, porque o efeito do álcool pode ser potencializado. Medicamentos contendo ciclosporina não devem ser administrados concomitantemente com MAXILIV, pois ocorre uma diminuição do nível sanguíneo de ciclosporina. MAXILIV, igualmente, não deve ser administrado a pacientes sob tratamento com clorpromazina, pois pode ocorrer hipotermia38 grave.

Reações Adversas de Maxiliv


EM PACIENTES SENSÍVEIS, INDEPENDENTE DA DOSE, MAXILIV PODE PROVOCAR REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE. AS MAIS GRAVES, EMBORA BASTANTE RARAS, SÃO CHOQUE37 E DISCRASIAS SANGUÍNEAS (AGRANULOCITOSE33, LEUCOPENIA39, TROMBOCITOPENIA40, ANEMIA41 APLÁSTICA E ANEMIA HEMOLÍTICA42), QUE É SEMPRE UM QUADRO MUITO GRAVE.
OUTRAS REAÇÕES INDESEJADAS, QUE PODEM OCORRER, INCLUEM REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE QUE AFETAM A PELE43 (URTICÁRIA13), A CONJUNTIVA44 E A MUCOSA45 NASOFARÍNGEA, MUITO RARAMENTE PROGREDINDO PARA REAÇÕES CUTÂNEAS46 BOLHOSAS, ÀS VEZES COM RISCO DE VIDA, GERALMENTE COM COMPROMETIMENTO DA MUCOSA45 (SÍNDROME DE STEVENS-JOHNSON47 OU SÍNDROME DE LYELL48). NO EVENTO DE TAIS REAÇÕES CUTÂNEAS46, O TRATAMENTO DEVE SER SUSPENSO IMEDIATAMENTE E O MÉDICO CONSULTADO.
PACIENTES COM HISTÓRIA DE REAÇÃO DE HIPERSENSIBILIDADE A OUTRAS DROGAS OU SUBSTÂNCIAS, PODEM CONSTITUIR UM GRUPO DE MAIOR RISCO E APRESENTAR REAÇÕES ADVERSAS MAIS INTENSAS, ATÉ MESMO CHOQUE37. NESTE CASO O TRATAMENTO DEVE SER IMEDIATAMENTE SUSPENSO E TOMADAS AS PROVIDÊNCIAS MÉDICAS ADEQUADAS: COLOCAR O PACIENTE DEITADO COM AS PERNAS ELEVADAS E AS VIAS AÉREAS LIVRES.
DILUIR 1 ML DE EPINEFRINA 1:1.000 PARA 10 ML E APLICAR 1 ML POR VIA INTRAVENOSA E, A SEGUIR, UMA DOSE ALTA DE GLICOCORTICÓIDE. SE NECESSÁRIO, FAZER REPOSIÇÃO DO VOLUME SANGUÍNEO COM PLASMA49, ALBUMINA50 OU SOLUÇÕES HIDROELETROLÍTICAS.
EM SITUAÇÕES OCASIONAIS, PRINCIPALMENTE EM PACIENTES COM HISTÓRICO DE DOENÇA RENAL25 PREEXISTENTE OU EM CASOS DE SUPERDOSAGEM, HOUVE DISTÚRBIOS RENAIS TRANSITÓRIOS COM OLIGÚRIA51 OU ANÚRIA52, PROTEINÚRIA53 E NEFRITE54 INTERSTICIAL55.
PODEM SER OBSERVADOS ATAQUES DE ASMA14 EM PACIENTES PREDISPOSTOS A TAL CONDIÇÃO.

Posologia de Maxiliv

Comprimidos: Adultos e adolescentes acima de 15 anos: um a dois comprimidos até 4 vezes ao dia. Doses maiores, somente a critério médico.
Solução oral (gotas):
Cada 1 ml = 20 gotas, quando o frasco for mantido na posição vertical para gotejar a quantidade pretendida de gotas como indicado abaixo. As dosagens abaixo se aplicam a pacientes de peso normal.
Adultos e adolescentes acima de 15 anos: 20 a 40 gotas em administração única ou até o máximo de 40 gotas, 4 vezes ao dia.
As crianças devem receber MAXILIV gotas conforme seu peso, seguindo a orientação do esquema abaixo.
Crianças menores de 3 meses de idade ou pesando menos de 5 kg não devem ser tratadas com MAXILIV, a menos que seja absolutamente necessário.
Neste caso, a dose de uma gota56 até 3 vezes ao dia não deve ser excedida.
Doses maiores, somente a critério médico.

Peso : 5 a 8 kg
Média de idade: 3 a 11 meses
dose única: 2 a 5 gotas
dose máxima diária: 20 (4 x 5) gotas

Peso : 9 a 15 kg
Média de idade: 1 a 3 anos
dose única: 3 a 10 gotas
dose máxima diária: 40 (4 x 10) gotas

Peso : 16 a 23 kg
Média de idade: 4 a 6 anos
dose única: 5 a 15 gotas
dose máxima diária: 60 (4 x 15) gotas

Peso : 24 a 30 kg
Média de idade: 7 a 9 anos
dose única: 8 a 20 gotas
dose máxima diária: 80 (4 x 20) gotas

Peso : 31 a 45 kg
Média de idade: 10 a 12 anos
dose única: 10 a 30 gotas
dose máxima diária: 120 (4 x 30) gotas

Peso : 46 a 53 kg
Média de idade: 13 a 14 anos
dose única: 15 a 35 gotas
dose máxima diária: 140 (4 x 35) gotas

Conduta na Superdosagem de Maxiliv

O tratamento segue os princípios gerais da conduta no controle de intoxicações exógenas57.
As medidas terapêuticas a serem tomadas em casos de superdosagem são: tratamento sintomático4 e de suporte que deverão ser implementados em casos de complicações, tais como: hipotensão58, insuficiência renal59, convulsões, irritação gastrintestinal e depressão respiratória.
Terapias como anti-histamínicos do grupo H1 e H2 e suporte cardiocirculatório são indicados em casos específicos.

Pacientes Idosos de Maxiliv


As mesmas orientações dadas aos adultos devem ser seguidas para os pacientes idosos, observando-se as recomendações específicas para grupos de pacientes descritos nos itens "Precauções e Advertências" e "Contra-indicações".
MS - 1.0573.0238
Farmacêutica Responsável: Dra. Emy Ayako Ogawa CRF-SP nº 6423
Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Via Dutra, km 222,2 - Guarulhos - SP
CNPJ 60.659.463/0001-91 - Indústria Brasileira
SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR; NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS32, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
2 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
3 Antitérmico: Medicamento que combate a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
4 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
5 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
6 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
9 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
10 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
11 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
12 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
13 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
14 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
15 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
16 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
17 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
18 Antipirético: Medicamento que reduz a febre, diminuindo a temperatura corporal que está acima do normal. Entretanto, ele não vai afetar a temperatura normal do corpo se uma pessoa que não tiver febre o ingerir. Os antipiréticos fazem com que o hipotálamo “ignore“ um aumento de temperatura induzido por interleucina. O corpo então irá trabalhar para baixar a temperatura e o resultado é a redução da febre.
19 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
20 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
21 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
22 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
23 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
24 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
25 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
26 Porfiria: Constituem um grupo de pelo menos oito doenças genéticas distintas, além de formas adquiridas, decorrentes de deficiências enzimáticas específicas na via de biossíntese do heme, que levam à superprodução e acumulação de precursores metabólicos, para cada qual correspondendo um tipo particular de porfiria. Fatores ambientais, tais como: medicamentos, álcool, hormônios, dieta, estresse, exposição solar e outros desempenham um papel importante no desencadeamento e curso destas doenças.
27 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
28 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
29 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
30 Afecção: Qualquer alteração patológica do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
31 Faringe: Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório. Comunica-se com a boca e com as fossas nasais. É dividida em três partes: faringe superior (nasofaringe ou rinofaringe), faringe bucal (orofaringe) e faringe inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana), sendo um órgão indispensável para a circulação do ar e dos alimentos.
32 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
33 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
34 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
35 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
36 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
37 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
38 Hipotermia: Diminuição da temperatura corporal abaixo de 35ºC.Pode ser produzida por choque, infecção grave ou em estados de congelamento.
39 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
40 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
41 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
42 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
43 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
44 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
45 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
46 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
47 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
48 Síndrome de Lyell: Sinônimo de Necrólise Epidérmica Tóxica. Caracterizada por necrólise da epiderme. Tem como características iniciais sintomas inespecíficos, influenza-símile, tais como febre, dor de garganta, tosse e queimação ocular, considerados manifestações prodrômicas que precedem o acometimento cutâneo-mucoso. Erupção eritematosa surge simetricamente na face e na parte superior do tronco, provocando sintomas de queimação ou dolorimento da pele. Progressivamente envolvem o tórax anterior e o dorso. O ápice do processo é constituído pela característica denudação da epiderme necrótica, a qual é destacada em verdadeiras lamelas ou retalhos, dentro das áreas acometidas pelo eritema de base. O paciente tem o aspecto de grande queimado, com a derme desnuda, sangrante, eritêmato-purpúrica e com contínua eliminação de serosidade, contribuindo para o desequilíbrio hidroeletrolítico e acentuada perda protéica. Graves seqüelas oculares e esofágicas têm sido relatadas.Constitui uma reação adversa a medicamentos rara. As drogas que mais comumente a causam são as sulfas, o fenobarbital, a carbamazepina, a dipirona, piroxicam, fenilbutazona, aminopenicilinas e o alopurinol.
49 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
50 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
51 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
52 Anúria: Clinicamente, a anúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas.
53 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
54 Nefrite: Termo que significa “inflamação do rim” e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
55 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
56 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
57 Intoxicações exógenas: Intoxicação exógena ou envenenamento é o resultado da contaminação de um ser vivo por um produto químico, excluindo reações imunológicas tais como alergias e infecções. Para que ocorra um envenenamento são necessários três fatores: substância, vítima em potencial e situação desfavorável.
58 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
59 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.

Tem alguma dúvida sobre MAXILIV?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.