CAPTOTEC HCT

HEXAL

Atualizado em 03/06/2015

CAPTOTEC HCT

CAPTOPRIL + HIDROCLOROTIAZIDA

No Registro-MS: 1.0047.0278

Apresentações de Captotec Hct

30 comprimidos snap tab 50/25 mg

Indicações de Captotec Hct


CAPTOTEC HCT é indicado para o tratamento da hipertensão1. Os efeitos redutores da pressão arterial2 de
CAPTOPRIL e das tiazidas são aproximadamente aditivos. Esta combinação fixa de drogas pode ser utilizada como terapia
inicial ou como terapia de substituição em pacientes recebendo doses individuais previamente tituladas dos seus componentes.

Contra-Indicações de Captotec Hct

CAPTOTEC HCT é contra-indicado para pacientes3 hipersensíveis ao captopril ou a qualquer outro inibidor
da enzima4 conversora da angiotensina, bem como em pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade prévia a
hidroclorotiazida ou outras drogas derivadas da sulfonamida. A hidroclorotiazida é contra-indicada na anúria5.

Cuidados e Advertências de Captotec Hct

CAPTOPRIL:

Angiedema: Relata-se a ocorrência de angioedema6 envolvendo as extremidades,
face7, lábios, mucosas8, língua9, glote10 ou laringe11 em pacientes tratados com captopril. Edema12 limitado à face7, mucosa13 bucal,
lábios e extremidades tem normalmente se resolvido com a descontinuação do tratamento. Neutropenia14/Agranulocitose15:
Relata-se neutropenia14 (<1000/mm3) com hipoplasia16 mielóide com o uso de captopril. Relata-se a ocorrência de neutropenia14 em
pacientes com dano renal17 fazendo uso do alopurinol concomitantemente com captopril. Os mesmos fatores de risco para a
neutropenia14 estão presentes na insuficiência cardíaca18. Função Renal17 Prejudicada: Alguns pacientes com doença renal17,
particularmente aqueles com estenose19 grave da artéria renal20, podem desenvolver aumentos de uréia21 e creatinina22 sérica após
redução da pressão arterial2 com captopril. Hipercalemia23: Elevações no potássio sérico foram observadas em alguns pacientes
tratados com captopril. O risco de desenvolvimento de hipercalemia23 existe nos pacientes com insuficiência renal24, diabetes25
melittus e aqueles usando concomitantemente diuréticos26 poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do
sal contendo potássio, ou outras drogas associadas com aumentos de potássio sérico. Tosse: Relata-se tosse com o uso de
inibidores da ECA. Não é produtiva, persistente e desaparece após a descontinuação da terapia. Cirurgia/Anestesia27: Em
pacientes em cirurgia de grande porte ou durante anestesia27 com agentes que produzem hipotensão28, captopril bloqueará a
formação de angiotensina II secundária à liberação compensatória de renina. Se ocorrer hipotensão28, e esta for considerada
como ocorrendo por este mecanismo, ela pode ser corrigida por expansão de volume. Proteinúria29: Constatou-se proteínas30
urinárias totais superiores a 1 g/dia em cerca de 0,7% dos pacientes recebendo captopril. Hipotensão28: Casos de hipotensão28
excessiva foram raramente observados em pacientes hipertensos porém é uma conseqüência possível do uso do captopril em
pessoas com depleção31 de sal/volume, em pacientes com insuficiência cardíaca18 ou naqueles sob diálise32 renal17. Morbidade33 e
Mortalidade34 Fetal /Neonatal:
Quando usados na gravidez35 durante o segundo e terceiro trimestres, os inibidores da ECA podem
causar danos ao desenvolvimento e mesmo morte fetal. Quando a gravidez35 for detectada, CAPTOTEC HCT deve ser
descontinuado o quanto antes. O uso de inibidores da ECA durante o segundo e terceiro trimestres da gravidez35 está associado
com dano fetal e neonatal, incluindo hipotensão28, hipoplasia16 do crânio36 no recém-nascido, anúria5, insuficiência renal24 reversível ou
não e mesmo morte fetal. Relata-se também oligohidrâmnios associados com contraturas dos membros do feto37, deformações
crânio36-faciais e desenvolvimento hipoplásico do pulmão38. Se oligohidrâmnios forem observados, CAPTOTEC HCT deve ser
descontinuado, a menos que seja considerado como fundamental na manutenção da vida materna.

HIDROCLOROTIAZIDA:

As tiazidas devem ser usadas com cautela na doença renal17 grave. Em pacientes com doenças renais, as tiazidas podem
precipitar a azotemia. Os efeitos cumulativos da droga podem se desenvolver em pacientes com função renal17 comprometida.
As tiazidas devem ser usadas com cautela em pacientes com função hepática39 prejudicada ou doença hepática39 progressiva, já
que pequenas alterações no equilíbrio dos líquidos e eletrólitos40 podem levar ao coma41 hepático. Reações de sensibilidade
podem ocorrer em pacientes com ou sem história de alergia42 ou asma43 brônquica. Todos os pacientes recebendo terapia
tiazídica devem ser monitorizados quanto a sinais44 clínicos de desequilíbrio hidro-eletrolítico como hiponatremia45, alcalose46
hipoclorêmica e hipocalemia47. Sinais44 e sintomas48 de advertências de desequilíbrio de líquidos e eletrólitos40 podem incluir: boca49
seca, sede, fraqueza, letargia50, sonolência, inquietação, dores musculares ou cãibras, fadiga51 muscular, hipotensão28, oligúria52,
taquicardia53 e distúrbios gastrintestinais tais como náusea54 e vômitos55. Hipocalemia47 pode se desenvolver, especialmente quando
diurese56 intensa ou quando cirrose57 grave estiver presente. A interferência na ingestão oral adequada de eletrólitos40 também
pode contribuir para a ocorrência de hipocalemia47. Alguns pacientes podem necessitar de suplementos de potássio e/ou
alimentos com alto teor de potássio. Gravidez35: As tiazidas atravessam a barreira placentária e são detectadas no sangue fetal58.
O uso das tiazidas em mulheres grávidas requer a avaliação do benefício contra os possíveis danos para o feto37. Estes danos
incluem icterícia59 fetal ou neonatal e trombocitopenia60. Lactantes61: CAPTOTEC HCT é excretado no leite materno. Devido ao
potencial das duas drogas para causar reações adversas graves em lactentes62, deve-se decidir descontinuar a amamentação63,
levando-se em consideração a importância de CAPTOTEC HCT para a mãe.

Posologia de Captotec Hct


A posologia deve ser individualizada conforme a resposta do paciente. A terapia pode ser instituída com 1/2 (meio)
comprimido de CAPTOTEC HCT uma vez ao dia. Para os pacientes que demonstraram resposta insuficiente para a dose
inicial, aumentar CAPTOTEC HCT para 1 comprimido uma vez ao dia. CAPTOTEC HCT deve ser ingerido 1 hora antes das
refeições. Ajustes quando há comprometimento renal17: Pelo fato de CAPTOTEC HCT ser excretado principalmente pelos rins64, a
excreção é reduzida em pacientes com comprometimento da função renal17. Estes pacientes demorarão mais para atingir os
níveis de equilíbrio do fármaco65 e atingirão um nível de equilíbrio maior para uma determinada dose diária do que os pacientes
com função renal17 normal. Dessa maneira, estes pacientes podem responder a doses menores ou menos freqüentes de
CAPTOTEC HCT. Atingido o efeito terapêutico desejado, os intervalos entre as doses devem ser aumentados ou a dose total
diária diminuída até que se atinja a dose eficaz mínima.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

ESTE TEXTO É UM RESUMO, PARA INFORMAÇÕES DETALHADAS CONSULTE A BULA DO PRODUTO.

CAPTOTEC HCT - Laboratório

HEXAL
Av. Itaboraí, 1425
São Paulo/SP - CEP: 04135-001
Tel: 5585-9090
Fax: 5594-3665

Ver outros medicamentos do laboratório "HEXAL"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
5 Anúria: Clinicamente, a anúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas.
6 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
7 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
8 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
9 Língua:
10 Glote: Aparato vocal da laringe. Consiste das cordas vocais verdadeiras (pregas vocais) e da abertura entre elas (rima da glote).
11 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
12 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
13 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
14 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
15 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
16 Hipoplasia: Desenvolvimento defeituoso ou incompleto de tecido ou órgão, geralmente por diminuição do número de células, sendo menos grave que a aplasia.
17 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
18 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
19 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
20 Artéria Renal: Ramo da aorta abdominal que irriga os rins, glândulas adrenais e ureteres.
21 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
22 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
23 Hipercalemia: É a concentração de potássio sérico maior que 5.5 mmol/L (mEq/L). Uma concentração acima de 6.5 mmol/L (mEq/L) é considerada crítica.
24 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
25 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
26 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
27 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
28 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
29 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
30 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
31 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
32 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
33 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
34 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
35 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
36 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
37 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
38 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
39 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
40 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
41 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
42 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
43 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
44 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
45 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
46 Alcalose: Desequilíbrio do meio interno, produzido por uma diminuição na concentração de íons hidrogênio ou aumento da concentração de bases orgânicas nos líquidos corporais.
47 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
48 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
49 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
50 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
51 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
52 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
53 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
54 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
55 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
56 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
57 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
58 Sangue Fetal: Sangue do feto. A troca de nutrientes e de resíduos entre o sangue fetal e o materno ocorre através da PLACENTA. O sangue do cordão é o sangue contido nos vasos umbilicais (CORDÃO UMBILICAL) no momento do parto.
59 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
60 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
61 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
62 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
63 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
64 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
65 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.

Tem alguma dúvida sobre CAPTOTEC HCT?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.