Norditropin SimpleXx™

NOVO NORDISK

Atualizado em 09/12/2014

Norditropin® SimpleXx™

Somatropina
Hormônio1 de crescimento humano biossintético.
Para injeção subcutânea2.

Forma Farmacêutica e Apresentações de Norditropin Simplexx™

Solução injetável.Norditropin® Simplexx™ é apresentado em embalagem contendo um cartucho refil com 1,5 ml de
solução pronta para o uso, a ser aplicada com o sistema de aplicação NordiPen® correspondente.
Norditropin SimpleXx está disponível em três concentrações:
Norditropin SimpleXx 5 mg/1,5 ml, para uso com NordiPen 5;
Norditropin SimpleXx 10 mg/1,5 ml, para uso com NordiPen 10 e
Norditropin SimpleXx 15 mg/1,5 ml, para uso com NordiPen 15.

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

Composições completas:
Cada ml da solução injetável de Norditropin SimpleXx 5 mg/1,5 ml contém 3,3 mg de somatropina.
Cada ml da solução injetável de Norditropin SimpleXx 10 mg/1,5 ml contém 6,7 mg de somatropina.
Cada ml da solução injetável de Norditropin SimpleXx 15 mg/1,5 ml contém 10 mg de somatropina.
Outros ingredientes: histidina, poloxâmero, fenol, manitol e água para injeção3.

Informação ao Paciente de Norditropin Simplexx™

Ação esperada do medicamento

Norditropin SimpleXx contém como substância ativa a somatropina, hormônio1 de crescimento
humano biossintético, idêntico ao hormônio1 de crescimento produzido pelo organismo humano. A
somatropina estimula o crescimento em crianças e age no metabolismo4 de crianças e adultos.
Norditropin SimpleXx é usado em crianças para tratar a deficiência de crescimento causada por:
ausência ou baixa produção de hormônio1 de crescimento, síndrome5 de Turner (problema genético que
afeta o crescimento) e doença renal6. Em adultos, Norditropin SimpleXx é usado para repor o
hormônio1 de crescimento quando sua produção manteve-se baixa desde a infância ou foi prejudicada
pela presença de um tumor7, pelo tratamento do tumor7 ou por uma doença que afetou a glândula8 que
produz o hormônio1 de crescimento.

Cuidados de armazenamento

Norditropin SimpleXx deve ser armazenado entre 2ºC e 8ºC (no refrigerador). Evitar o congelamento,
exposição à luz e calor excessivo.
Manter o produto na embalagem externa (antes de usar) ou dentro do sistema de aplicação (durante o
uso) para protegê-lo da luz.
Após o primeiro uso, Norditropin SimpleXx pode ser estocado até 4 semanas entre 2ºC e 8ºC (no
refrigerador).
Não use o produto se ele tiver sido congelado ou exposto a temperaturas excessivas.

Prazo de validade

O prazo de validade de Norditropin SimpleXx é de 24 meses. Nunca use qualquer medicamento
com o prazo de validade vencido. O prazo de validade do produto está impresso no rótulo e na
embalagem.

Gravidez9 e lactação10

Informe a seu médico a ocorrência de gravidez9 na vigência do tratamento ou após o seu
término. Informe ao médico se estiver amamentando. Não há dados suficientes sobre a segurança
da utilização da somatropina durante a gravidez9, razão pela qual ela é contra-indicada nesse período.
Se ocorrer gravidez9 durante o tratamento, Norditropin SimpleXx deverá ser descontinuado. A
somatropina pode ser eliminada no leite materno, portanto, o tratamento com Norditropin SimpleXx
durante a amamentação11 não é recomendado.

Cuidados de administração

Siga a orientação do seu médico, respeitando os horários, as doses e a duração do tratamento. A
administração de Norditropin SimpleXx deverá ser feita sob estrito acompanhamento médico.
Recomenda-se administrar as injeções por via subcutânea12, à noite, antes de deitar, diariamente. Deve-
se alternar o local das aplicações para evitar reações localizadas na pele13. Se você esquecer de tomar
uma dose, tome a próxima normalmente, sem dobrar a dose. Lave bem as mãos14 com água e sabonete
antes de manusear Norditropin SimpleXx para a aplicação. A solução de Norditropin SimpleXx nunca
deve ser agitada vigorosamente. Não use a solução de Norditropin SimpleXx se ela não estiver
límpida e incolor. Antes de usar, verifique se o cartucho refil está intacto (por ex.: sem fissuras15). Não
use o cartucho refil se for observado qualquer tipo de anormalidade ou se o êmbolo16 de borracha for
visível acima da faixa branca. Para a aplicação, leia cuidadosamente as instruções contidas no manual
do sistema de aplicação NordiPen. Observe que Norditropin SimpleXx (5, 10 e 15 mg) foi concebido
para ser usado com o correspondente sistema de aplicação NordiPen (5, 10 e 15) e com agulhas
NovoFine.

Interrupção do tratamento

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Se você estiver usando
Norditropin SimpleXx para tratar a deficiência no crescimento devido à síndrome5 de Turner ou à
doença renal6, você deve continuar o tratamento até que o crescimento tenha se completado. Se você
sofre de insuficiência17 de hormônio1 do crescimento, você se beneficiará do tratamento com
Norditropin SimpleXx tanto durante a infância quanto na fase adulta. Seu médico determinará o
momento oportuno para encerrar o tratamento com Norditropin SimpleXx.

Reações adversas

Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. Podem ocorrer inchaço18 das
mãos14 e dos pés devido à retenção de fluidos e também vermelhidão e coceira no local da aplicação da
injeção3. Estes efeitos colaterais19 são, em geral, leves e transitórios. As reações adversas em crianças
são raras. Em adultos, podem ocorrer: formigamento, entorpecimento ou eventualmente dor,
principalmente nos dedos, devido à pressão sobre os nervos; rigidez e dor nas articulações20 e dores
musculares. Avise seu médico se você sentir algum destes sintomas21, pois pode ser necessário reduzir
a dose. Em casos raros, foram observados desenvolvimento de anticorpos22 contra Norditropin
SimpleXx e elevação da pressão intracraniana. Se você passar a sentir dores de cabeça23, problemas de
visão24, náusea25 e/ou vômito26, consulte seu médico, pois estes podem ser sinais27 de aumento da pressão
intracraniana. Em casos raros, crianças tratadas com somatropina começaram a mancar, ou se queixar
de dor no quadril ou nos joelhos. Estes sintomas21 podem ser causados pela doença de Legg-Calvé-
Perthes (doença que afeta a extremidade superior do osso da coxa28) ou por um deslocamento da epífise
femural principal (isto é, a extremidade do osso se desloca da cartilagem29), portanto, tais sintomas21
podem não estar relacionados com o tratamento. Leucemia30 e recaída de tumores cerebrais foram
observadas em pacientes tratados com somatropina, porém, não há evidência de que a somatropina
seja responsável por tais doenças. Entretanto, se você sofre de alguma dessas doenças, avise seu
médico.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Contra indicações e precauções

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante
o tratamento. Avise seu médico se você estiver sob tratamento com glicocorticóides, hormônios
sexuais ou hormônio1 da tireóide. Sua altura final pode ser afetada se você estiver usando Norditropin
SimpleXx para tratar a deficiência no crescimento e usar glicocorticóides ou esteróides sexuais ao
mesmo tempo. Se você estiver sendo tratado com insulina31, talvez a dose de insulina31 tenha que ser
ajustada. Norditropin SimpleXx deve ser usado com muita cautela em pacientes com diabetes32 ou que
tiveram câncer33 ou outro tipo de tumor7. Você não deve utilizar Norditropin SimpleXx se for alérgico
ao fenol ou a qualquer outro componente da formulação, tiver sido submetido a transplante renal6,
estiver grávida ou amamentando, sofrer de câncer33 ou outros tipos de tumor7, ou estiver sendo tratado
com medicamentos contra o câncer33 ou tumor7. Seu médico irá avaliar sua altura e peso, bem como sua
capacidade de produzir o hormônio1 de crescimento, antes de prescrever Norditropin SimpleXx. Não
se sabe que altura final a criança com síndrome5 de Turner, ou doença renal6 crônica, tratada com
Norditropin SimpleXx, irá atingir. Em crianças com doença renal6 crônica, a dose de Norditropin
SimpleXx deverá ser ajustada de acordo com a sua resposta ao tratamento. Pacientes com doença
renal6 crônica normalmente apresentam diminuição da função renal6 e, portanto, devem ser
cuidadosamente acompanhados para se evitar uma diminuição excessiva da função dos rins34. Uma vez
que Norditropin SimpleXx pode provocar hipotireoidismo35, os pacientes devem fazer exames da
tireóide periodicamente. Pacientes com deficiência de hormônio1 do crescimento devido a lesões36
intracranianas devem ser avaliados cuidadosamente, para se averiguar se houve piora da lesão37. Se
durante o tratamento com Norditropin SimpleXx a criança começar a mancar, ou se queixar de dor no
quadril ou nos joelhos, o médico deverá ser informado. Se o paciente sob tratamento com Norditropin
SimpleXx apresentar dor de cabeça23 forte, problemas de visão24, náusea25 e/ou vômito26, recomenda-se
consultar um oculista para realizar exame de fundo de olho38 e esclarecer se houve aumento da pressão
intracraniana; em caso positivo, o tratamento deverá ser descontinuado. A experiência com o uso do
hormônio1 de crescimento em pacientes acima de 60 anos de idade ainda é limitada.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER
PERIGOSO PARA A SAÚDE39.

Informações Técnicas de Norditropin Simplexx™

Características de Norditropin Simplexx™

Hormônio1 de crescimento humano biossintético obtido por tecnologia de DNA recombinante.

Indicações de Norditropin Simplexx™

I - Tratamento, a longo prazo, em crianças com alterações do crescimento devidas à deficiência de
hormônio1 de crescimento (somatropina).
Deve-se efetuar o diagnóstico40 através de provas da função hipofisária antes da administração do
medicamento. Norditropin SimpleXx só é efetivo enquanto não ocorrer o fechamento epifisário.
II - Síndrome5 de Turner
III - Retardo no crescimento em crianças na fase pré-puberal devido à doença renal6 crônica.
IV - Tratamento de adultos com deficiência de hormônio1 de crescimento, com doença hipotalâmicahipofisária
conhecida (qualquer eixo deficiente exceto para prolactina41) e cuja deficiência intensa do
hormônio1 de crescimento tenha sido demonstrada por dois diferentes testes dinâmicos de estímulo do
hormônio1 de crescimento. Os testes para averiguação da deficiência de hormônio1 de crescimento
devem ser realizados após a instituição de terapia de reposição adequada para qualquer outro eixo.
Pacientes cuja deficiência de hormônio1 de crescimento tenha se manifestado na infância devem ser
reavaliados na idade adulta e a deficiência deve ser confirmada por dois testes de estímulo.
Em adultos, o teste de tolerância à insulina31 é o teste de estímulo de escolha. Quando o teste de
tolerância à insulina31 estiver contra-indicado, outros testes devem ser utilizados, sendo recomendada a
combinação arginina-hormônio1 de liberação do hormônio1 de crescimento. Um teste de arginina ou
glucagon42 também pode ser considerado. Contudo, estes testes apresentam menor valor diagnóstico40 do
que o teste de tolerância à insulina31.

Contra-Indicações de Norditropin Simplexx™

Norditropin SimpleXx não deve ser utilizado quando houver evidência de atividade tumoral. Antes doinício do tratamento deve-se ter certeza de que caso haja qualquer tipo de neoplasia43 intracraniana, a
mesma esteja inativa e que se tenha completado a terapia antitumoral. Caso seja observada qualquer
evidência de crescimento tumoral, a terapia com Norditropin SimpleXx deve ser suspensa.
Em crianças com doença renal6 crônica, a serem submetidas a transplante renal6, o tratamento deve ser
descontinuado.
Norditropin SimpleXx é contra-indicado em pacientes que tenham apresentado hipersensibilidade a
seus componentes.

Precauções e Advertências de Norditropin Simplexx™

Norditropin SimpleXx deve ser usado somente por médicos com experiência no diagnóstico40 e
tratamento de pacientes com deficiência ou insuficiência17 de hormônio1 de crescimento. O mesmo se
aplica ao controle da síndrome5 de Turner e da doença renal6 crônica. Não há dados disponíveis sobre a
altura final dos pacientes tratados com Norditropin SimpleXx na síndrome5 de Turner ou na doença
renal6 crônica em crianças.
O estímulo do crescimento esquelético em crianças só é observado enquanto não houver consolidação
epifisária44.
Em crianças com doença renal6 crônica, a dose deve ser individualizada, devendo ser ajustada de
acordo com a resposta individual à terapia. O distúrbio de crescimento deve ser claramente
estabelecido, antes do tratamento, através do acompanhamento do crescimento, sob tratamento
conservador ótimo, por um mínimo de um ano. Deve-se manter o controle da uremia45 com os
medicamentos habituais e, se necessário, com diálise46, durante o tratamento.
Pacientes com doença renal6 crônica normalmente apresentam declínio da função renal6, o que faz parte
da evolução natural da doença. Contudo, como medida de precaução, durante o tratamento com
Norditropin SimpleXx a função renal6 deve ser monitorada quanto a um declínio excessivo ou um
aumento na taxa de filtração glomerular (o que pode ser atribuído à hiperfiltração47).
Uma vez que a somatropina pode influir no metabolismo4 dos carboidratos, os pacientes devem ser
observados quanto a sinais27 de intolerância à glicose48.
Devido à ação diabetogênica do hormônio1 de crescimento, Norditropin SimpleXx deve ser usado com
cautela em pacientes portadores de Diabetes mellitus49. Em pacientes tratados com insulina31, um ajuste
da dose de insulina31 pode ser necessário após o início do tratamento com Norditropin SimpleXx.
Os níveis séricos de tiroxina podem cair durante o tratamento com Norditropin SimpleXx devido ao
aumento da deiodinação periférica de T4 para T3.
Em pacientes com doença pituitária em progressão, o hipotireoidismo35 pode se desenvolver.
Pacientes com síndrome5 de Turner apresentam um aumento no risco de desenvolvimento de
hipotireoidismo35 primário associado à presença de anticorpos22 antitireóide.
Como o hipotireoidismo35 interfere na resposta ao tratamento com Norditropin SimpleXx, os pacientes
devem ser submetidos a avaliações periódicas da função tireoidiana e a terapia com hormônios
tireoidianos instaurada, caso necessário.
Pacientes com deficiência de hormônio1 de crescimento devido a lesões36 intracranianas devem ser
seguidos rigorosamente para se determinar se ocorre progressão ou recorrência50 da lesão37.
A ocorrência de leucemia30 foi relatada em um pequeno número de pacientes com deficiência do
hormônio1 de crescimento, alguns dos quais haviam sido tratados com somatropina. Com base nas
evidências atuais, não é provável que a somatropina esteja relacionada ao aparecimento de leucemia30.
Em pacientes com remissão completa do câncer33, o tratamento com o hormônio1 de crescimento não foi
associado a um aumento na taxa de recidiva51 da doença. Entretanto, pacientes que atingiram remissão
completa da doença maligna devem ser cuidadosamente monitorados após o início do tratamento com
Norditropin SimpleXx.
Deslocamento da epífise femural principal pode ocorrer, mais freqüentemente, em pacientes com
distúrbios endócrinos e doença de Legg-Calvé-Perthes pode ocorrer, mais freqüentemente, em
pacientes de baixa estatura. Estas doenças podem manifestar-se pelo aparecimento de manqueira ou
queixas de dor no quadril ou nos joelhos e os médicos e os responsáveis pelas crianças devem ser
alertados quanto a essa possibilidade.
Na ocorrência de cefaléia52 intensa ou recorrente, problemas visuais, náusea25 e/ou vômito26, recomenda-se
a realização de fundoscopia para a averiguação de papiledema. Se for confirmada a presença de
papiledema, deve ser considerado o diagnóstico40 de hipertensão53 intracraniana benigna e, se apropriado,
o tratamento com o hormônio1 de crescimento deve ser descontinuado. Até o presente, há poucas
evidências que possam guiar o clínico na decisão a ser tomada nos pacientes que apresentem
resolução da hipertensão53 intracraniana. É necessária cuidadosa monitoração dos sintomas21 de
hipertensão53 intracraniana se o tratamento com hormônio1 de crescimento for reiniciado.
A terapia de reposição com Norditropin SimpleXx em adultos com deficência de hormônio1 de
crescimento deve ser, preferencialmente, monitorada por um endocrinologista54 com experiência
particular em doença pituitária.
A deficiência de hormônio1 de crescimento em adultos é uma doença para toda a vida e que deve ser
tratada concordantemente; contudo, a experiência com o uso do hormônio1 de crescimento em
pacientes acima de 60 anos de idade e em pacientes tratados por mais de cinco anos ainda é limitada.
Interações medicamentosas
A terapia concomitante com glicocorticóides pode inibir o efeito de Norditropin SimpleXx sobre o
crescimento. O efeito do hormônio1 de crescimento sobre a altura final também pode ser influenciado
pela terapêutica55 adicional com outros hormônios, por exemplo, gonadotropina, esteróides anabólicos,
estrógenos e hormônio1 da tireóide.
Gravidez9 e lactação10
Até o momento, não há dados suficientes sobre a segurança do uso da somatropina durante a
gravidez9, portanto, Norditropin SimpleXx é contra-indicado na gravidez9. Se ocorrer gravidez9 durante
o tratamento, Norditropin SimpleXx deverá ser descontinuado.
A possibilidade da somatropina ser secretada no leite materno não pode ser desprezada.
Reações adversas
Pode ocorrer retenção de fluidos, com edema56 periférico e, especialmente em adultos, pode ocorrer
síndrome5 de túnel do carpo. Estes efeitos normalmente são transitórios e dependentes da dose
administrada, porém podem requerer diminuição da dose. Artralgia57 de intensidade leve, dor muscular
e parestesia58 também podem ocorrer em adultos, mas, em geral, são autolimitadas.
Reações adversas em crianças são raras. O banco de dados acumulados sobre Norditropin SimpleXx
inclui dados de crianças tratadas por até oito anos. Cefaléia52 foi relatada com uma incidência59 de 0,04
por paciente-ano.
Tem-se observado, em raras ocasiões, a produção de anticorpos22 contra a somatropina durante o
tratamento com Norditropin SimpleXx. Os títulos e a capacidade de ligação desses anticorpos22 têm
sido muito baixas, não interferindo na resposta à administração de Norditropin SimpleXx.
Durante o tratamento com Norditropin SimpleXx podem ocorrer reações de pele13 no local da injeção3.
Alguns casos raros de hipertensão53 intracraniana benigna foram relatados.

Posologia de Norditropin Simplexx™

A dose é individualizada, com base no peso corpóreo ou na área da superfície corporal e deve sempreser ajustada de acordo com a resposta individual ao tratamento.
Como norma geral, recomenda-se uma injeção subcutânea2 diariamente, administrada à noite.
Recomenda-se alternar o local das aplicações a cada dia, para evitar lipoatrofia60. Para a aplicação,
deve-se seguir as instruções contidas no manual do sistema de aplicação NordiPen. A solução de
Norditropin SimpleXx nunca deve ser agitada vigorosamente.
As doses usuais recomendadas são:
Crianças:
Deficiência de hormônio1 de crescimento:
25 - 35 microgramas/kg/dia (0,07 - 0,1 UI/kg/dia)
Igual a: 0,7 - 1,0 mg/m2/dia (2 - 3 UI/m2/dia).
Síndrome5 de Turner ou Doença renal6 crônica
50 microgramas/kg/dia (0,14 UI/kg/dia)
Igual a: 1,4 mg/m2/dia (4,3 UI/m2/dia)
Adultos:
Terapia de reposição em adultos
A dose deve ser ajustada de acordo com as necessidades individuais. Recomenda-se iniciar o
tratamento com uma dose baixa, como 0,15 - 0,3 mg/dia (0,45 - 0,9 UI/dia) e aumentar a dose
gradualmente, a intervalos mensais, com base na resposta clínica e na incidência59 de reações adversas.
A determinação sérica do fator de crescimento semelhante à insulina31 (IGF-1) pode servir de guia para
a titulação da dose. As necessidades de hormônio1 declinam com a idade. A dose de manutenção varia
de pessoa a pessoa, mas raramente excede 1,0 mg/dia (3 UI/dia).

Superdose de Norditropin Simplexx™

A administração aguda de uma superdose pode levar, inicialmente, à hipoglicemia61 e
subseqüentemente à hiperglicemia62. Os níveis baixos de glicose48 podem ser detectados
bioquimicamente, mas sem serem acompanhados de sinais27 clínicos de hipoglicemia61. A administração
de superdoses a longo prazo pode resultar em sintomas21 consistentes com os efeitos conhecidos do
excesso de hormônio1 de crescimento humano.
Venda sob prescrição médica.
Só pode ser vendido com retenção da receita.
Para data de expiração63, fabricação e número de lote: vide embalagem e rótulo.
Registro MS: 1.1766.0006
Farmacêutico Responsável: Márcia R. Alexandre - CRF-PR 10880
Distribuído por:
Novo Nordisk Farmacêutica do Brasil Ltda
Rua Prof. Francisco Ribeiro, 683
83707-660 - Araucária - PR
C.N.P.J.: 82 277 955/0001-55
DISK NOVO NORDISK 0800 144488
Norditropin® Simplexx™, NordiPen® e NovoFine® são marcas registradas de propriedade da Novo
Nordisk A/S.
Fabricado por:
Novo Nordisk A/S
2880 Bagsvaerd, Dinamarca

Norditropin SimpleXx™ - Laboratório

NOVO NORDISK
Av. Francisco Matarazzo, 1500. 13º andar. Ed. New York. Bairro Água Branca.
São Paulo/SP - CEP: 05001-100
Tel: (11) 3868.9100
Fax: (11) 3868.9111
Site: http://www.novonordisk.com.br
SAC-SIC (Serviço de Atendimento ao Cliente e Serviço de Informações Científicas): 0800 14 44 88

Novo Nordisk Farmacêutica do Brasil Ltda.
Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 1500 - 13º andar - Ed. New York
Bairro Água Branca
São Paulo - SP
CEP: 05001-100
Tel: (11) 3868.9100 Fax: (11) 3868.9111
Website: www.novonordisk.com.br

Novo Nordisk Produção Farmacêutica do Brasil Ltda.
Endereço: Av. C 1413 - Distrito Industrial
Montes Claros - Minas Gerais
CEP: 39.404-004
Tel: (38) 3229.6200
Fax: (38) 3229.625

Matriz
Endereço: Novo Nordisk A/S, Novo Allé,
2880 Bagsvaerd, Dinamarca
Telefone: +45 4444.8888
Fax: +45 4449.0555
Telex: 37173
Website: www.novonordisk.com

Ver outros medicamentos do laboratório "NOVO NORDISK"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
2 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
3 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
4 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
5 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
6 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
7 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
8 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
11 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
12 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
13 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
14 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
15 Fissuras: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
16 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
17 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
18 Inchaço: Inchação, edema.
19 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
20 Articulações:
21 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
23 Cabeça:
24 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
25 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
26 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
27 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
28 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
29 Cartilagem: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
30 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
31 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
32 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
33 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
34 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
35 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
36 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
37 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
38 Fundo de olho: Fundoscopia, oftalmoscopia ou exame de fundo de olho é o exame em que se visualizam as estruturas do segmento posterior do olho (cabeça do nervo óptico, retina, vasos retinianos e coroide), dando atenção especialmente a região central da retina, denominada mácula. O principal aparelho utilizado pelo clínico para realização do exame de fundo de olho é o oftalmoscópio direto. O oftalmologista usa o oftalmoscópio indireto e a lâmpada de fenda.
39 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
40 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
41 Prolactina: Hormônio secretado pela adeno-hipófise. Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias. O aumento de produção da prolactina provoca a hiperprolactinemia, podendo causar alteração menstrual e infertilidade nas mulheres. No homem, gera impotência sexual (por prejudicar a produção de testosterona) e ginecomastia (aumento das mamas).
42 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
43 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
44 Epifisária: Relativo à epífise, que é a parte de um osso longo originária de um centro de ossificação distinto, inicialmente separada por uma camada de cartilagem, posteriormente reunida ao osso.
45 Uremia: Doença causada pelo armazenamento de uréia no organismo devido ao mal funcionamento renal. Os sintomas incluem náuseas, vômitos, perda de apetite, fraqueza e confusão mental.
46 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
47 Hiperfiltração: Uma função renal normal é aquela que se situa entre 70 e 140 ml/min de sangue filtrado por dia. Esse valor varia com a idade, o tamanho e o sexo. Quando o clearance é menor que 70 ml/min há insuficiência renal e quando é maior que 140 ml/min chamamos de hiperfiltração, que também é um sinal de doença renal.
48 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
49 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
50 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
51 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
52 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
53 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
54 Endocrinologista: Médico que trata pessoas que apresentam problemas nas glândulas endócrinas.
55 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
56 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
57 Artralgia: Dor em uma articulação.
58 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
59 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
60 Lipoatrofia: Perda de tecido gorduroso abaixo da pele resultando em afundamentos localizados. Pode ser causada por injeções repetidas de insulina em um mesmo local.
61 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
62 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
63 Expiração: 1. Ato ou efeito de expirar. 2. Expulsão, pelas vias respiratórias, do ar dos pulmões. 3. Fim ou termo de prazo estipulado ou convencionado.

Tem alguma dúvida sobre Norditropin SimpleXx™?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.