Preço de Minusorb em Fairfield/SP: R$ 60,58

Minusorb

UCI FARMA

Atualizado em 09/12/2014

Minusorb

Alendronato sódico

Apresentações de Minusorb

Caixa contendo 15 ou 30 comprimidos Comprimidos - Uso oral
USO ADULTO

Composição de Minusorb

Alendronato sódico triidratado (equivalente a 10mg de ácido alendrônico) .................... 13,05 mg
Excipiente* q.s.p. .................... 1 comprimido
*(lactose1, celulose microcristalina, polivinilpirrolidona, estearato de magnésio, silicato de magnésio)

Informações ao Paciente de Minusorb

· MINUSORB® é um medicamento utilizado no tratamento da osteoporose2.· MINUSORB® deve ser conservado em lugar seco, fresco (temperatura menor que 30o C) e protegido da luz, na sua embalagem original até o término de seu uso.
· O número do lote, as datas de fabricação e validade estão carimbados no cartucho do produto.
· Não utilize o medicamento com prazo de validade vencido.
· Para a administração correta de MINUSORB®, leia atentamente o item Instruções de Uso, contido na parte final desta bula.
· MINUSORB® não deve ser utilizado por pacientes alérgicos ao alendronato sódico, com doenças graves dos rins3, com problemas gástricos, como úlcera gástrica4 ou duodenal, ou que estejam impossibilitados de permanecer em pé ou sentados.
· Informe ao médico a ocorrência de gravidez5 durante o tratamento ou após o seu término.
· Informe ao médico se estiver amamentando.
· Informe ao médico sobre os medicamentos que está utilizando.
· Obedeça a posologia indicada pelo médico e não interrompa o tratamento sem o seu conhecimento.
· Informe imediatamente ao médico se ocorrerem reações indesejáveis.
NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE6. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Informações Técnicas de Minusorb

O alendronato é um bifosfonato de terceira geração, relacionado química e farmacologicamente com o etidronato. Atua como inibidor da reabsorção óssea mediada por osteoclastos7, sem reduzir a formação de tecido ósseo8 pelos osteoblastos, estando especificamente indicado para o tratamento da osteoporose2 pós-menopáusica.
Devido a alta afinidade de ligação com a hidroxiapatita, o alendronato incorpora-se na matriz óssea9, principalmente nos sítios ativos de reabsorção onde há maior exposição de cristais de hidroxiapatita, sendo assimilado pelos osteoclastos7 durante a reabsorção do osso. Assim, o alendronato inibe a atividade dos osteoclastos7 e o processo de reabsorção diminui.
Após incorporado na matriz óssea9 o alendronato torna-se farmacologicamente inativo, devendo, por isso, ser administrado continuamente para suprimir a atividade dos osteoclastos7.
A administração do alendronato em mulheres na pós-menopausa10 produz uma diminuição dos marcadores bioquímicos da reabsorção óssea, incluindo a redução de cálcio na urina11 e de parâmetros urinários da degradação do colágeno12 ósseo.
Evidências clínicas demonstram que a administração diária de 10 mg de alendronato aumenta a densidade mineral óssea (DMO), tanto para a coluna lombar, quadril, fêmur13 proximal14, como a massa esquelética total; regiões importantes e onde as fraturas osteoporóticas são comumente encontradas.
O alendronato apresenta baixa absorção gastrintestinal, com biodisponibilidade de 0,7% após doses orais de 5 a 40 mg, administradas seguidas ao jejum noturno.
A presença de alimentos diminui a absorção do alendronato em, aproximadamente, 60%.
A meia-vida plasmática do alendronato é de 15 a 60 minutos, com meia-vida de eliminação óssea superior a 10 anos e ligação a proteínas15 plasmáticas de 78%.
O alendronato é eliminado rapidamente da circulação16 sangüínea. Estima-se que 20 a 50% do fármaco17 absorvido, liguem-se ao osso e o restante é excretado de forma inalterada pelos rins3.
Embora não haja estudos clínicos comparativos de longa duração com o estrógeno18, o alendronato pode ser uma alternativa em mulheres na pós-menopausa10 que não podem tratar-se com a terapia de reposição hormonal.

Indicações de Minusorb

MINUSORB® é indicado no tratamento da osteoporose2 em mulheres na pós-menopausa10.

Contra-Indicações de Minusorb

Em casos de hipersensibilidade ao alendronato ou a qualquer componente da fórmula.O uso de MINUSORB® é contra-indicado em pacientes com anormalidades que retardam o esvaziamento do esôfago19, como estenose20 ou acalásia; na impossibilidade para permanecer em posição ereta ou sentado, no mínimo 30 minutos.
MINUSORB® não deve ser administrado em pacientes com hipocalcemia21, distúrbios no metabolismo22 do cálcio, deficiência de vitamina23 D, insuficiência renal24 grave (clearance de creatinina25 < 35 ml/min).

Precauções de Minusorb

MINUSORB® deve ser administrado com precaução a pacientes portadores de afecção26 no trato gastrintestinal superior27, como disfagia28, gastrite29, úlcera péptica30 (gástrica ou duodenal), doenças esofágicas.
A administração de MINUSORB® deve ser interrompida se houver sintomas31 de reação esofágica, como dificuldade ou dor durante a ingestão, dor retroesternal, pirose32.
A deficiência de cálcio ou vitamina23 D deve ser corrigida antes do início do tratamento com o alendronato. A suplementação33 de cálcio e vitamina23 D deve ser realizada quando a ingestão diária for insuficiente.
Não é necessário o ajuste de dose em pacientes idosos ou com insuficência renal34 leve a moderada (clearance de creatinina25 de 35 a 60 ml/min).
Para diminuir o possível efeito irritante sobre a mucosa35 gastrintestinal, os pacientes devem ser instruídos para ingerir MINUSORB® pela manhã, em jejum, com o auxílio de água (um copo de 150 a 200 ml); não devendo o paciente deitar-se, ingerir qualquer alimento ou medicamento por, no mínimo, 30 minutos após a ingestão do alendronato. O comprimido de MINUSORB® não deve ser mastigado ou dissolvido na boca36 antes da ingestão.
Gravidez5 e lactação37: não foram realizados estudos clínicos em mulheres grávidas com a utilização do alendronato. O medicamento poderá ser administrado durante a gestação, sob estrito acompanhamento médico, quando os benefícios para a mãe justificarem o potencial de risco para o feto38.
Não há relatos sobre a eliminação do alendronato no leite materno. A administração deve ser cautelosa e sob orientação médica se o alendronato for utilizado durante a lactação37.

Reações Adversas de Minusorb

MINUSORB® é um fármaco17 bem tolerado, apresentando baixa incidência39 de efeitos colaterais40. Geralmente, os efeitos adversos são leves e transitórios não causando a suspensão da terapia. Ocasionalmente, podem ocorrer náuseas41, vômitos42, dispepsia43, dor abdominal, diarréia44, constipação45, cefaléia46, dor músculo-esquelética.
Raras vezes foram relatados casos de esofagite47 e úlceras48 esofágica e péptica, erupção49 cutânea50, eritema51.

Interações Medicamentosas de Minusorb

Estrógeno18: não está estabelecida a eficácia e segurança do uso conjunto da terapia de reposição hormonal e o alendronato.
Cálcio e antiácidos52: a ingestão concomitante pode interferir na absorção do alendronato.
Ácido acetilsalicílico: a administração diária de doses maiores que 10mg de ácido acetilsalicílico com o alendronato pode aumentar a incidência39 de efeitos no trato gastrintestinal.
Antiinflamatórios não-esteróides: não há relatos de efeitos gástricos em pacientes que fizeram terapia concomitante com 5 ou 10 mg/dia de alendronato.
A administração de qualquer medicamento deve ser feita, no mínimo, 30 minutos após a ingestão do alendronato, para evitar possíveis interferências no processo de absorção do alendronato.

Posologia e Administração de Minusorb

Tratamento da osteoporose2 na pós-menopausa10: 1 comprimido (10mg) de MINUSORB® ao dia.A deficiência de cálcio ou vitamina23 D deve ser corrigida antes do início do tratamento com o alendronato. A suplementação33 de cálcio e vitamina23 D deve ser realizada quando a ingestão diária for insuficiente.
Não é necessário o ajuste de dose em pacientes idosos ou com insuficência renal34 leve a moderada (clearance de creatinina25 de 35 a 60 ml/min).

Instruções de Uso de Minusorb

As instruções para a administração de MINUSORB® devem ser seguidas para evitar a ocorrência de irritação gástrica e para que haja a absorção adequada do medicamento.
MINUSORB® deve ser ingerido pela manhã, em jejum, com auxílio de um copo cheio de água (150 a 200 ml). Não beber qualquer outro líquido, a não ser água.
Não administrar MINUSORB® deitada (antes de levantar-se).
Não deitar antes de, no mínimo, meia-hora à tomada de MINUSORB®.
MINUSORB® deve ser ingerido, no mínimo, meia-hora antes de qualquer alimento, bebida ou medicação do dia.
O comprimido de MINUSORB® não deve ser mastigado ou dissolvido na boca36 antes da ingestão.

Superdosagem de Minusorb

A ingestão de altas doses de alendronato pode causar sintomas31 de diarréia44, pirose32, esofagite47, gastrite29, úlcera péptica30, hipocalcemia21, hipofosfatemia.
O tratamento da intoxicação aguda consiste na administração de antiácidos52 ou leite.
Devido a possibilidade de irritação esofágica, a indução de emese53 não deverá ser realizada.
A hemodiálise54 parece não exercer efeito benéfico.
ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E, EMBORA AS PESQUISAS REALIZADAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA NO USO CLÍNICO, PODEM OCORRER REAÇÕES ADVERSAS AINDA NÃO DESCRITAS. EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÃO ADVERSA O MÉDICO RESPONSÁVEL DEVE SER NOTIFICADO.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Farmacêutica Responsável: Dra. Dirce de Paula Zanetti. CRF-SP nº 7758
Registro MS nº 1.0550.0097

Minusorb - Laboratório

UCI FARMA
Rua do Cruzeiro, 374
São Bernardo do Campo/SP - CEP: 09725-310
Tel: (011)414-2022
Fax: (011)448-5253

Ver outros medicamentos do laboratório "UCI FARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
3 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
4 Úlcera gástrica: Lesão na mucosa do estômago. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100 % dos casos.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Osteoclastos: Célula que garante a destruição do tecido ósseo.
8 Tecido Ósseo: TECIDO CONJUNTIVO especializado, principal constituinte do ESQUELETO. O componente celular básico (principle) do osso é constituído por OSTEOBLASTOS, OSTEÓCITOS e OSTEOCLASTOS, enquanto COLÁGENOS FIBRILARES e cristais de hidroxiapatita formam a MATRIZ ÓSSEA.
9 Matriz Óssea:
10 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
11 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
12 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
13 Fêmur: O mais longo e o maior osso do esqueleto; está situado entre o quadril e o joelho. Sinônimos: Trocanter
14 Proximal: 1. Que se localiza próximo do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Em anatomia geral, significa o mais próximo do tronco (no caso dos membros) ou do ponto de origem (no caso de vasos e nervos). Ou também o que fica voltado para a cabeça (diz-se de qualquer formação). 3. Em botânica, o que fica próximo ao ponto de origem ou à base. 4. Em odontologia, é o mais próximo do ponto médio do arco dental.
15 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
16 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
17 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
18 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
19 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
20 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
21 Hipocalcemia: É a existência de uma fraca concentração de cálcio no sangue. A manifestação clínica característica da hipocalcemia aguda é a crise de tetania.
22 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
23 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
24 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
25 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
26 Afecção: Qualquer alteração patológica do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
27 Trato Gastrintestinal Superior: O segmento do TRATO GASTROINTESTINAL que inclui o ESÔFAGO, o ESTÔMAGO e o DUODENO.
28 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
29 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
30 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
31 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
32 Pirose: Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, ela pode ser acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago; azia.
33 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
34 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
35 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
36 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
37 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
38 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
39 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
40 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
41 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
42 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
44 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
45 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
46 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
47 Esofagite: Inflamação da mucosa esofágica. Pode ser produzida pelo refluxo do conteúdo ácido estomacal (esofagite de refluxo), por ingestão acidental ou intencional de uma substância tóxica (esofagite cáustica), etc.
48 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
49 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
50 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
51 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
52 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
53 Êmese: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Sinônimo de vômito. Pode ser classificada como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
54 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.

Tem alguma dúvida sobre Minusorb?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.