Preço de CIPRO XR em Houston/SP: R$ 94,45

CIPRO XR

BAYER

Atualizado em 08/12/2014

Cipro® XR

Apresentação do Cipro Xr

Cipro® XR é apresentado sob a forma de comprimidos revestidos de liberação controlada, nas doses de 500 mg e 1000 mg.Embalagens com 3 comprimidos na dose de 500mg e com 7 comprimidos na dose de 1000 mg. Cipro® XR deve ser administrado somente a ADULTOS.

Composição do Cipro Xr

Cada comprimido de Cipro® XR 500 mg contém 334,8 mg de cloridrato de ciprofloxacino monoidratado e 253,0 mg de ciprofloxacino, equivalentes a 500 mg de ciprofloxacino. Cada comprimido de Cipro® XR 1000 mg contém 669,4 mg de cloridrato de ciprofloxacino monoidratado e 506 mg de ciprofloxacino, equivalentes a 1000 mg de ciprofloxacino. Componentes inertes: crospovidona, estearato de magnésio, dióxido de silício coloidal, ácido succínico, hidroxipropilmetilcelulose, polietilenoglicol, dióxido de titânio.

Informações ao Paciente do Cipro Xr

Cipro® XR é um antibiótico de amplo espectro. Se adequadamente indicado, os sinais1 e sintomas2 da doença devem melhorar em, no mínimo, três dias de tratamento. Cipro® XR deve ser guardado na embalagem original, em local seco e temperatura ambiente entre 15 e 30°C. Deve ser utilizado até o vencimento do seu prazo de validade, indicado na embalagem do produto.Cipro® XR não deve ser administrado a mulheres grávidas ou que estejam amamentando. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez3 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe também se estiver amamentando. O comprimido deve ser ingerido com um pouco de líquido, independentemente das refeições. Cipro® XR não pode ser partido ou mastigado. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Cipro® XR pode provocar reações gastrintestinais (náusea4, vômito5, diarréia6, dor abdominal, dispepsia7, falta de apetite, monilíase ou sapinho e flatulência ou gases intestinais), sensação de cansaço e de fraqueza, reações de pele8 (vermelhidão, coceira e inchaço9), dores nas articulações10, tontura11, dor na cabeça12, insônia, agitação, confusão e alterações do paladar13. Essas reações são incomuns, porém, em qualquer eventualidade, informe a seu médico.
Se ocorrer diarréia6 grave e persistente, o tratamento deve ser interrompido e o médico consultado. Ao primeiro sinal14 de tendinite15, a administração de Cipro® XR deve ser suspensa e evitados os exercícios físicos, sendo necessário consultar um médico.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS. Cipro® XR não deve ser tomado por pessoas alérgicas ao ciprofloxacino ou aos derivados quinolônicos nem por crianças e adolescentes em fase de crescimento.
A absorção do ciprofloxacino é reduzida se usada com ferro, sucralfato ou antiácidos16 e medicamentos tamponados, contendo magnésio, alumínio ou cálcio. Por isso, Cipro® XR deve ser ingerido uma a duas horas antes ou, pelo menos, quatro horas após esses medicamentos. Evitar a administração simultânea de ciprofloxacino e produtos derivados do leite ou bebidas enriquecidas com sais minerais, como leite, iogurte, suco de laranja enriquecido com cálcio. Durante o tratamento com Cipro® XR, o paciente não deve dirigir ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas, principalmente com a ingestão concomitante de álcool. Evitar sol em excesso, pois Cipro® XR pode induzir na pele8 reações de sensibilidade à luz solar. NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE17.

Informações Técnicas do Cipro Xr

Os comprimidos de Cipro® XR apresentam duas camadas, uma de liberação imediata e a outra de liberação controlada.
O ciprofloxacino é eficaz in vitro contra praticamente todos os patógenos gram-negativos, incluindo Pseudomonas aeruginosa. Também é ativo contra patógenos gram-positivos, como estafilococos e estreptococos. Em geral, os anaeróbios são menos suscetíveis. A ação bactericida do ciprofloxacino é rápida, tanto na fase de proliferação quanto na fase vegetativa. O ciprofloxacino inibe a DNAgirase, bloqueando o metabolismo18 bacteriano. A resistência ao ciprofloxacino se desenvolve lentamente e por etapas. Em contraste com os antibióticos ?-lactâmicos, aminoglicosídeos e tetraciclinas, o desenvolvimento de resistência mediada por plasmídeos não foi observado com o ciprofloxacino. É de interesse clínico destacar que as bactérias portadoras de plasmídeos também são sensíveis ao ciprofloxacino. Devido ao seu especial mecanismo de ação, o ciprofloxacino não apresenta resistência paralela a outros grupos de princípios ativos importantes, quimicamente distintos, como os antibióticos ?-lactâmicos, aminoglicosídeos, tetraciclinas, antibióticos macrolídeos ou peptídeos, sulfonamidas e derivados da trimetoprima ou do nitrofurano. Dentro da sua área de indicação, o ciprofloxacino é completamente eficaz contra patógenos resistentes aos grupos de antibióticos anteriormente citados. A resistência paralela se observa dentro do grupo dos inibidores da girase. Contudo, por causa da alta sensibilidade primária ao ciprofloxacino, apresentada pela maioria dos microorganismos, a resistência paralela é menos pronunciada com esse princípio ativo. Assim, o ciprofloxacino permanece eficaz contra patógenos que já apresentam resistência a inibidores da girase menos eficazes. Por sua estrutura química, o ciprofloxacino é eficaz contra bactérias produtoras de ?-lactamase. O ciprofloxacino pode ser utilizado em associação com outros antibióticos. Estudos in vitro com patógenos sensíveis, que utilizaram ciprofloxacino em associação com antibióticos ?-lactâmicos e aminoglicosídeos, demonstraram efeitos aditivos ou não demonstraram interação; efeitos sinérgicos foram relativamente raros e antagonismo foi muito raro.

As Associações Possíveis com Antibióticos Incluem do Cipro Xr

Pseudomonas: azlocilina e ceftazidima.Streptococcus: mezlocilina, azlocilina e outros antibióticos ?-lactâmicos eficazes.
Staphylococcus: antibióticos ?-lactâmicos, particularmente isoxazolilpenicilinas e vancomicina.
Anaeróbios: metronidazol e clindamicina.

Cipro® XR apresenta características de liberação da droga que, após sua administração oral, atinge-se um único pico de concentração plasmática, maior e mais largo, permitindo o esquema de uma administração diária, ao invés das duas tomadas diárias da formulação convencional. Os comprimidos de Cipro® XR são rapidamente e quase que totalmente absorvidos. No estado de equilíbrio, a biodisponibilidade corresponde a aproximadamente 97%. Cerca de 1,5 a 2,5 horas após a administração de um comprimido de Cipro® XR 500 mg, alcança-se, em média, o pico de concentração de aproximadamente 1,5 mg/l e 2,8 mg/l com Cipro® XR 1000 mg.

Indicações do Cipro Xr

Cipro® XR 500 mg: infecções19 não-complicadas do trato urinário20.
Cipro® XR 1.000 mg: infecções19 complicadas do trato urinário20, incluindo pielonefrite21 aguda não-complicada. Segundo estudos in vitro, podem ser considerados sensíveis os seguintes patógenos: E. coli, Shigella, Salmonella, Citrobacter, Klebsiella, Enterobacter, Serratia, Hafnia, Edwardsiella, Proteus (indol-positivo e indol-negativo) , Providencia, Morganella, Yersinia; Vibrio, Aeromonas, Plesiomonas, Pasteurella, Haemophilus, Campylobacter, Pseudomonas, Legionella, Neisseria, Moraxella, Acinetobacter, Brucella, Staphylococcus, Listeria, Corynebacterium e Chlamydia. É também ativo contra Bacillus anthracis.

Os microorganismos abaixo são sensíveis ao ciprofloxacino em grau variável:
Gardnerella, Flavobacterium, Alcaligenes, Streptococcus agalactiae, Enterococcus faecalis, Streptococcus pyogenes, Streptococcus pneumoniae, os estreptococos do grupo viridans , Mycoplasma hominis, Mycobacterium tuberculosis e Mycobacterium fortuitum.

Os seguintes microorganismos habitualmente se mostram resistentes:
Enterococcus faecium, Ureaplasma urealyticum e Nocardia asteroides.
Com raras exceções, os anaeróbios variam de moderadamente sensíveis (ex.: Peptococcus e Peptostreptococcus) a resistentes (ex.: Bacteroides). O ciprofloxacino é ineficaz contra o Treponema pallidum.

Contra-Indicações do Cipro Xr

Pacientes com hipersensibilidade conhecida à droga ou a outro derivado quinolônico. Crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade, uma vez que não há estudos nessa faixa etária. Mulheres grávidas ou lactantes22.

Advertências e Precauções do Cipro Xr

Cipro® XR 1000 mg
Para pacientes23 com insuficiência renal24 grave ( Clearence de creatinina25 < 30 ml/min/1,73 m2 ou concentração de creatinina25 sérica
> 2,0 mg/100ml), devem ser prescritos Cipro® XR 500 mg/dia e não Cipro® XR 1000 mg.

Uso Pediátrico do Cipro Xr

Como outras drogas de sua classe, o ciprofloxacino demonstrou ser causa de artropatia26 em articulações10 que suportam peso emanimais imaturos. Embora a análise dos dados de segurança disponíveis a respeito do uso do ciprofloxacino em pacientes com
menos de 18 anos de idade, em sua maioria portadores de fibrose cística27, não tenha revelado qualquer evidência de danos a
cartilagens28 ou articulações10 que pudessem ser relacionados ao uso do produto, sua utilização geralmente não se recomenda à
população de pacientes pediátricos.

Sistema Gastrintestinal do Cipro Xr

Se ocorrer diarréia6 grave e persistente durante ou após o tratamento, a administração de ciprofloxacino deve ser interrompida, já
que esse sintoma29 pode ocultar doença intestinal grave (colite30 pseudomembranosa, com possível evolução fatal) que exige tratamento urgente. Nesse caso, deve-se iniciar terapia adequada, (por exemplo, vancomicina oral, 4 x 250 mg/dia). Medicamentos que inibem a peristalse31 estão contra-indicados. Pode ocorrer um aumento temporário das transaminases e da fosfatase alcalina32 ou icterícia33 colestática, especialmente em pacientes com doença hepática34 prévia.

Sistema Nervoso35 do Cipro Xr

Em pacientes epilépticos ou com distúrbios do SNC36 (ex.: limiar convulsivo reduzido, antecedentes de convulsão37, redução do fluxo cerebral, lesão38 cerebral ou AVC), ciprofloxacino deve ser administrado se os benefícios do tratamento forem superiores aos possíveis riscos, por eventuais efeitos colaterais39 sobre o SNC36. Em alguns casos, essas reações ocorreram logo após a primeira administração de ciprofloxacino. Raramente, podem ocorrer depressão ou reações psicóticas, que possam evoluir para um comportamento de auto-exposição a riscos. Nesse caso, ciprofloxacino deve ser suspenso.

Hipersensibilidade do Cipro Xr

Em alguns casos, reações alérgicas e de hipersensibilidade podem ocorrer após a primeira administração. Raramente reações
anafiláticas ou anafilactóides podem progredir para um estado de choque40, com risco de vida em alguns casos, após a primeira
administração. Em tais circunstâncias, a administração de ciprofloxacino deve ser interrompida e instituir-se tratamento médico
adequado (ex.: tratamento para choque40).

Sistema Musculoesquelético do Cipro Xr

Ao primeiro sinal14 de tendinite15 (por exemplo, inflamação41 dolorosa), a administração de ciprofloxacino deve ser suspensa e osexercícios físicos evitados. Observou-se, em alguns casos, ruptura do tendão42, principalmente de Aquiles, predominantemente em pacientes idosos em tratamento sistêmico43 anterior com glicocorticóides.

Pele8 e Anexos44 do Cipro Xr

O ciprofloxacino pode induzir reações de fotossensibilidade na pele8. Portanto, deve-se evitar a exposição direta e excessiva ao
sol ou à luz ultravioleta. O tratamento deve ser interrompido se ocorrer fotossensibilização (por exemplo, reações cutâneas45 do tipo eritema46 solar).

Habilidade Para Dirigir Veículos e Operar Máquinas do Cipro Xr

Mesmo com a dose exata prescrita de ciprofloxacino, a capacidade de reagir prontamente às situações pode ser alterada, comprometendo a habilidade de dirigir veículos ou de operar máquinas. Tal fato ocorre, principalmente, com a ingestão concomitante de álcool.

Gravidez3 e Lactação47 do Cipro Xr

Ciprofloxacino não deve ser prescrito a mulheres grávidas ou a lactantes22, já que não há experiência sobre a segurança da droga nesses pacientes; além disso, com base em estudos realizados com animais, não é de todo improvável que o medicamento possa causar lesões48 na cartilagem articular49 de organismos imaturos. Estudos feitos com animais não evidenciaram efeitos teratogênicos50.

Interações Medicamentosas do Cipro Xr

A administração concomitante de ciprofloxacino oral e substâncias com cátions polivalentes e suplementos minerais (Ca, Mg, Al e Fe), sucralfato ou antiácidos16 e medicamentos tamponados (por exemplo, didanosina comprimidos), que contenham magnésio, alumínio ou cálcio, reduz a absorção do ciprofloxacino. Conseqüentemente, este deve ser administrado de 1 a 2 horas antes ou, pelo menos, 4 horas após essas medicações. Essa restrição não se aplica aos antiácidos16 da categoria dos bloqueadores do receptor H2. Administração concomitante de omeprazol e ciprofloxacino resulta em leve redução de Cmax e AUC de ciprofloxacino. A administração concomitante de ciprofloxacino e teofilina pode causar aumento indesejável das concentrações séricas de teofilina. Isso pode levar a efeitos colaterais39 induzidos pela teofilina; em raros casos, esses efeitos podem colocar a vida do paciente em risco (arritmias51 ventriculares, convulsões, etc.) ou mesmo ser fatal. Quando o uso da associação for inevitável, as concentrações séricas de teofilina deverão ser cuidadosamente monitoradas, para o ajuste da dose. Esse ajuste deverá ser feito antes da administração da primeira dose, quando poderá ocorrer o primeiro sinal14 de toxicidade52, sem prévio aviso. Estudos realizados com animais demonstraram que a associação de doses altas de quinolonas (inibidores da girase) e de certos antiinflamatórios não esteróides (mas, não o ácido acetilsalicílico) pode provocar convulsões. A administração simultânea de ciprofloxacino e ciclosporina causou aumento transitório da creatinina25 sérica. Portanto, é necessário monitorar a concentração de creatinina25 sérica nesses pacientes (duas vezes por semana). O uso concomitante de ciprofloxacino e varfarina pode intensificar a ação desta. Em casos isolados, a administração concomitante de ciprofloxacino e glibenclamida pode intensificar a ação desta. A probenecida interfere na secreção renal53 do ciprofloxacino e, quando administrada concomitantemente, causa aumento da concentração sérica de ciprofloxacino. A administração concomitante de ciprofloxacino e metotrexato pode inibir o transporte no túbulo renal53 deste último, podendo aumentar o risco de reações tóxicas relativo ao metotrexato. Conseqüentemente, pacientes medicados com essa associação devem ser cuidadosamente monitorados.A metoclopramida acelera a absorção de ciprofloxacino, fazendo com que a concentração máxima no plasma54 seja atingida em um período de tempo menor.

Posologia do Cipro Xr

Adultos
Salvo prescrição médica em contrário, recomendam-se as seguintes doses:
Cipro® XR 500 mg: 1 x 500 mg por 3 dias para infecção55 aguda não-complicada do trato urinário20 (cistite56 aguda).
Cipro® XR 1.000 mg: 1 x 1.000 mg por 7 a 14 dias para infecção55 complicada do trato urinário20 e pielonefrite21 aguda não-complicada. A duração do tratamento dependerá do grau de infecção55, do quadro clínico e bacteriológico. É essencial continuar a medicação por, pelo menos, mais três dias após o desaparecimento da febre57 ou dos sintomas2 clínicos.

Insuficiência Renal24 e Insuficiência Hepática58 do Cipro Xr

AdultosA) Cipro® XR 500 mg: não é necessário ajuste de dose em pacientes com insuficiência renal24 moderada à grave (i.e. clearance de creatinina25 < 30 ml/min/1,73 m2 ou concentração de creatinina25 sérica > 2,0 mg/100 ml), incluindo pacientes em diálise59 renal53 ou pacientescom insuficiência hepática58.
B) Cipro® XR 1.000 mg:
1. Insuficiência renal24
1.1
. Clearance de creatinina25 entre 31 e 60 ml/min/1,73 m2 ou concentração de creatinina25 sérica entre 1,4 e 1,9 mg/100 ml: não necessita ajuste de dose.
1.2. Clearance de creatinina25 < 30 ml/min/1,73 m2 ou concentração de creatinina25 sérica > 2,0 mg/100 ml: a dose máxima diária deverá ser de Cipro® XR 500 mg/dia por via oral. Não se recomenda a esses pacientes Cipro® XR 1.000 mg.
2. Insuficiência renal24 + hemodiálise60
Praticar a dosagem conforme item 1.2; nos dias de diálise59, após a mesma.
3. Insuficiência renal24 + CAPD
Administrar Cipro® comprimidos revestidos tradicionais (ao invés de Cipro® XR) por via oral: 1 comprimido de 500 mg ou 2 comprimidos de 250 mg.
4. Insuficiência hepática58
Não é necessário ajuste de dose.
5. Em casos de disfunção renal53 e hepática34
O ajuste de dose deve ser feito conforme itens 1.1 e 1.2.
Crianças
As doses em crianças com disfunção renal53 e/ou hepática34 não foram estudadas.

Modo de Administração do Cipro Xr

O comprimido deve ser ingerido inteiro, sem partir ou mastigar, com um pouco de líquido, independentemente das refeições. A substância ativa é absorvida mais rapidamente quando o comprimido é ingerido com o estômago61 vazio. Ciprofloxacino não deve ser administrado com produtos lácteos ou com bebidas enriquecidas com sais minerais, como leite, iogurte, suco de laranja enriquecido com cálcio, pois esses produtos podem reduzir a absorção da droga. Contudo, o cálcio da dieta normal não interfere de forma significativa na absorção do ciprofloxacino.

Superdose do Cipro Xr

Em casos de superdose oral aguda, registrou-se ocorrência de toxicidade52 renal53 reversível. Portanto, além das medidas habituais de emergência62, recomenda-se monitorar a função renal53 e administrar antiácidos16 contendo magnésio ou cálcio para reduzir-se a absorção de ciprofloxacino. Apenas uma pequena quantidade de ciprofloxacino (< 10%) é eliminada após hemodiálise60 ou diálise peritoneal63.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Lote, datas de fabricação e validade: vide cartucho.

CIPRO XR - Laboratório

BAYER
Rua Domingos Jorge, 1100
São Paulo/SP - CEP: 04779-900
Tel: 08007231010
Fax: 55 (011)548-0485
Site: http://www.bayer.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "BAYER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
5 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
6 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
7 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
8 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
9 Inchaço: Inchação, edema.
10 Articulações:
11 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
12 Cabeça:
13 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
14 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
15 Tendinite: Inflamação de um tendão. Produz-se em geral como conseqüência de um traumatismo. Existem doenças imunológicas capazes de produzir tendinite entre outras alterações.
16 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
17 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
18 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
19 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Trato Urinário:
21 Pielonefrite: Infecção dos rins produzida em geral por bactérias. A forma de aquisição mais comum é por ascensão de bactérias através dos ureteres, como complicação de uma infecção prévia de bexiga. Seus sintomas são febre, dor lombar, calafrios, eliminação de urina turva ou com traços de sangue, etc. Deve ser tratada cuidadosamente com antibióticos pelo risco de lesão permanente dos rins, com perda de função renal.
22 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
23 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
24 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
25 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
26 Artropatia: Comprometimento patológico de uma artculação.
27 Fibrose cística: Doença genética autossômica recessiva que promove alteração de glândulas exócrinas do organismo. Caracterizada por infecções crônicas das vias aéreas, que leva ao desenvolvimento de bronquiectasias, insuficiência pancreática exócrina, disfunções intestinais, anormalidades das glândulas sudoríparas e disfunção genitourinária.
28 Cartilagens: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
29 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
31 Peristalse: Conjunto das contrações musculares dos órgãos ocos, provocando o avanço de seu conteúdo; movimento peristáltico, peristaltismo.
32 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
33 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
34 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
35 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
36 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
37 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
38 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
39 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
40 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
41 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
42 Tendão: Tecido fibroso pelo qual um músculo se prende a um osso.
43 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
44 Anexos: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
45 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
46 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
47 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
48 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
49 Cartilagem Articular:
50 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
51 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
52 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
53 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
54 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
55 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
56 Cistite: Inflamação ou infecção da bexiga. É uma das infecções mais freqüentes em mulheres, e manifesta-se por ardor ao urinar, urina escura ou com traços de sangue, aumento na freqüência miccional, etc.
57 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
58 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
59 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
60 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
61 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
62 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
63 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre CIPRO XR?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.