LOCOID

EUROFARMA

Atualizado em 09/12/2014

LOCOID®

Butirato de Hidrocortisona

Forma Farmacêutica, Apresentação e Composição de Locoid

Apresentação de Locoid

Creme dermatológico: Em tubos contendo 15g de creme.Emulsão dermatológica: Em frascos contendo 30g de emulsão.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Locoid

Cada grama1 de LOCOID® creme contém:
Butirato de hidrocortisona ........1 mg
Excipientes q.s.p .........1 g
(Álcool cetoestearílico, cetomacrogol 1000, parafina líquida, parafina sólida, metil parahidroxibenzoato, ácido cítrico anidro, citrato de sódio anidro e água purificada).

Cada grama1 de LOCOID® emulsão contém:
Butirato de hidrocortisona ........1 mg
Excipientes q.s.p.......1 g
(Álcool cetoestearílico, cetomacrogol 1000, parafina líquida, parafina sólida, óleo de borragem, butilhidroxitolueno, propilenoglicol, citrato de sódio anidro, ácido cítrico anidro, propil parahidroxibenzoato, butil parahidroxibenzoato e água purificada).

Informações ao Paciente de Locoid

LOCOID® tem ações antiinflamatória e antipruriginosa, úteis no alívio das manifestações inflamatórias e pruríticas das dermatoses superficiais sensíveis à corticoterapia, não causadas por microorganismos.

Cuidados de Armazenamento de Locoid

Conservar o produto à temperatura ambiente ( entre 15°C e 30°C), mantendo o frasco ou o tubo bem fechados.

Prazo de Validade de Locoid

Desde que observados os devidos cuidados de conservação o prazo de validade do LOCOID® creme dermatológico é de 36 meses e de LOCOID® emulsão dermatológica é de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa ATENÇÃO: Não utilize o medicamento após vencido o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos desejados.
Informe seu médico se estiver grávida ou amamentando, antes de fazer uso de LOCOID®. Informe-o também se ocorrer gravidez2 durante o tratamento.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Evite o contato de LOCOID®  com os olhos3. Não faça curativo oclusivo sobre a área tratada, exceto sob orientação médica. (Em crianças pequenas, fraldas apertadas ou plásticas podem funcionar como curativos oclusivos, aumentando o risco de efeitos adversos).
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Informe seu médico se ocorrer  reações desagradáveis. Estas são, em geral, infrequentes; todavia, o uso de curativos oclusivos pode aumentar a  incidência4. As mais comuns são: ardência, prurido5, irritação e ressecamento da pele6.
"TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS".
LOCOID® é contra-indicado para pessoas que tenham demonstrado hipersensibilidade ou reações adversas aos componentes da formulação ou a outros corticosteróides, em lesões7 na pele6 causadas por microorganismos (bactérias, vírus8, fungos, etc.), em feridas e úlceras9 na pele6.
Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando antes do início ou durante o tratamento com LOCOID.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE10.

Informações Técnicas de Locoid

O butirato de hidrocortisona é um glicocorticóide potente de fórmula molecular C25H36O6 e peso molecular de 432.6. Cento e dezenove miligramas (119 mg) de butirato de hidrocortisona são equivalentes a 100 mg de hidrocortisona, aproximadamente.
Os corticosteróides tópicos compartilham ações antiinflamatória, antiprurítica e vasoconstritora. Os seus mecanismos de ação não são claramente conhecidos. Vários métodos de laboratório, incluindo ensaios para vasoconstritor, são usados para comparar e prever as potências e/ou as eficácias clínicas dos corticosteróides tópicos; constatou-se alguma evidência a sugerir que existe uma correlação reconhecível entre a potência vasoconstritora e a eficácia terapêutica11 destas drogas no homem.
O butirato de hidrocortisona é absorvido através da pele6.

Indicações de Locoid

LOCOID® é indicado no alívio das manifestações inflamatórias e pruríticas das dermatoses superficiais sensíveis à corticoterapia, não causadas por microorganismos, tais como: eczema12, eczema12 infantil, dermatite13 atópica, dermatite13 herpetiforme, dermatite13 de contato, dermatite13 seborréica, neurodermatite, algumas formas de psoríase14 e intetrigo.Ocasionalmente, corticosteróides como o butirato de hidrocortisona podem ser usados, associados a uma droga antimicrobiana adequada, no tratamento de infecções15 da pele6.
Obs.: A forma emulsão, ainda que possa ser usada em quaisquer das patologias acima, é especialmente direcionada para o tratamento da dermatite13 seborréica.

Contra-Indicações de Locoid

Hipersensibilidade ou reações adversas demonstradas  aos componentes da formulação ou a outros corticosteróides, incluindo-se entre as últimas, dermatite13 perioral e estrias atróficas16.
Lesões7 na pele6 causadas por:
infecções15 bacterianas (piodermites, processos luéticos e tuberculosos)
infecções15 virais (varicela17, herpes simplex, herpes zoster18, verruga vulgar19, verruga plana, condiloma20, molusco contagioso21)
infecções15 micóticas e por leveduras
infecções15 parasitárias (escabiose22, por exemplo).
Lesões7 ulcerosas da pele6, feridas.
Ictiose, dermatose23 plantar juvenil, acne24 vulgar, acne24 rosácea, fragilidade dos vasos superficiais e atrofia25 da pele6.

Precauções e Advertências de Locoid

- Gerais:Não aplicar sobre as pálpebras26 em razão da possibilidade de contaminação da conjuntiva27, com o risco de indução de glaucoma28 simples ou catarata29 subcapsular.
A absorção sistêmica de corticosteróides tópicos pode produzir inibição reversível do eixo hipotálamo30-pituitária-adrenal (HPA), manifestações da síndrome de Cushing31, hiperglicemia32 e glicosúria33. As condições que aumentam a absorção sistêmica incluem a aplicação dos esteróides mais potentes, uso sobre área corporal extensa, uso prolongado e adição de curativos oclusivos.
Assim, pacientes recebendo uma dose alta de um esteróide tópico34 potente, aplicado sobre área corporal extensa ou sob curativo oclusivo, devem ser avaliados periodicamente, com vistas a evidências de inibição do eixo HPA, utilizando-se os testes do cortisol urinário livre e de estimulação pelo ACTH. Caso seja constatada supressão do eixo HPA deve-se tentar a retirada da droga, reduzir a frequência de administração ou substituí-la por outro esteróide menos potente.
A recuperação da função do eixo HPA é geralmente imediata e completa após a descontinuação da droga. Infrequentemente podem ocorrer sinais35 e sintomas36 da retirada de esteróide, que pode requerer suplementação37 sistêmica de corticosteróide.
As crianças podem absorver proporcionalmente maiores quantidades de corticosteróides tópicos e assim serem mais suscetíveis à toxicidade38 sistêmica.
Caso se desenvolva irritação, o corticosteróide tópico34 deve ser descontinuado e instituída terapia apropriada. Na presença de infecções15 dermatológicas, deve ser instituído o uso de um agente antifúngico ou antibacteriano apropriado: caso não ocorra uma resposta favorável imediata, o corticosteróide deve ser descontinuado até que a infecção39 tenha sido adequadamente controlada.

- Carcinogenicidade, Mutagenicidade e Prejuízos à fertilidade:
Não foram realizados estudos de longa duração em animais, para avaliação do potencial carcinogênico ou os efeitos sobre a fertilidade relacionados ao uso de corticosteróides tópicos.
Estudos para determinar o potencial mutagênico da prednisolona e da hidrocortisona revelaram resultados negativos.

- Gravidez2:
Os corticosteróides são geralmente teratogênicos40 em animais de laboratório quando administrados sistemicamente em níveis de dose relativamente baixos. Os mais potentes corticosteróides tem evidenciado serem teratogênicos40 após aplicação dérmica em animais de laboratório. Não existem estudos adequados e bem controlados, em mulheres grávidas, sobre os efeitos teratogênicos40 dos corticosteróides aplicados topicamente. Portanto, os corticosteróides tópicos somente devem ser usados durante a gravidez2 se o benefício esperado justificar o risco potencial para o feto;41 de qualquer forma, não devem ser usados extensivamente, em quantidades grandes ou por longos períodos de tempo em pacientes grávidas.

- Lactação42:
Não se conhece se a administração tópica de corticosteróides pode resultar em absorção sistêmica suficiente para produzir quantidades detectáveis no leite materno. Administrados sistemicamente os corticosteróides são excretados no leite materno em quantidades não capazes de ter efeito deletério sobre o lactente43. Ainda assim, deve-se ter cuidado ao se administrar corticosteróides tópicos a lactantes44.

- Uso pediátrico:
Os pacientes pediátricos podem demonstrar maior suscetibilidade à inibição do eixo HPA corticosteróide tópico34-induzida e à síndrome de Cushing31 que os pacientes adultos porque, naqueles pacientes, a área corporal tratada é, proporcionalmente, maior do que nestes últimos.
Inibição do eixo HPA, síndrome de Cushing31 e hipertensão45 intracraniana tem sido reportadas em crianças recebendo corticosteróides tópicos. Manifestações de supressão supra-renal46 em crianças incluem retardo do crescimento, diminuição do ganho de peso, baixo nível plasmático de cortisol e ausência de resposta à estimulação pelo ACTH. Manifestações de hipertensão45 intracraniana incluem fontanelas47 salientes, cefaléia48 e edema de papila49 bilateral.
A administração de corticosteróides tópicos em crianças deve ser limitada à menor quantidade compatível com um efetivo regime terapêutico. Terapia corticosteróide crônica pode interferir com o crescimento e o desenvolvimento de crianças.

Interações com Outras Drogas de Locoid

Em se tratando de um produto para uso tópico34 dermatológico, que somente excepcionalmente é absorvido em quantidade capaz de provocar efeitos sistêmicos50, não se dispõe de dados relativos à interação com outras drogas.

Reações Adversas de Locoid

Efeitos sistêmicos50:Efeitos sistêmicos50, como consequência de aplicação tópica de corticosteróides em adultos, raramente ocorrem, mas podem ser sérios. A inibição do eixo hipotálamo30-pituitária-adrenal (HPA) tem importância, especialmente, nos tratamentos de longo prazo. O risco de efeitos sistêmicos50 é maior em:
aplicação sob oclusão
aplicação em grandes áreas
tratamento de longo prazo
aplicação em crianças (a pele6 delgada e a relativamente extensa superfície corporal tratada, tornam as crianças muito sensíveis).
Efeitos locais:
As seguintes reações adversas locais, em ordem decrescente de incidência4, são reportadas infrequentemente, podendo ocorrer mais frequentemente com o uso de curativos oclusivos: ardência, prurido5, irritação, ressecamento, foliculite, hipertricose51, erupções acneiformes, hipopigmentação, dermatite13 perioral, dermatite13 de contato, maceração da pele6, infecção39 da pele6, infecção39 secundária, atrofia25 da pele6, estrias, miliária.
A incidência4 de reações adversas locais aumenta com a duração do tratamento e com a aplicação sob oclusão.
Infecções15 dérmicas bacterianas, parasitárias, fúngicas52 e virais podem ser mascaradas e/ou agravadas com o uso de LOCOID®.

Posologia de Locoid

Aplicar, uniformemente, uma fina camada de LOCOID® sobre a pele6 lesada, duas a três vezes ao dia, dependendo da seriedade da lesão53. Após a melhora do quadro, a aplicação uma vez ao dia ou duas a três vezes na semana é, usualmente, eficaz. Não usar mais que 30 - 60 g do produto no período de uma semana.
Para uma melhor penetração na pele6, a aplicação do produto pode ser feita massageando-se suavemente. Para se obter um resultado terapêutico melhor, pode ser recomendada a utilização de um curativo oclusivo, o que, todavia, aumenta o risco de efeitos adversos.

- USO GERIÁTRICO
Pacientes idosos podem fazer uso de LOCOID®, desde que observadas as Precauções e Advertências inerentes ao uso do produto.

Superdosagem de Locoid

Não existem dados disponíveis sobre superdosagem com LOCOID®. Todavia, corticosteróides aplicados topicamente podem ser absorvidos em quantidades suficientes para produzir efeitos sistêmicos50, o que é mais provável de ocorrer em crianças tratadas com doses altas, por longo tempo. Neste caso, o tratamento deve ser interrompido e consultado o médico.

ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E, EMBORA AS PESQUISAS REALIZADAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA QUANDO CORRETAMENTE INDICADO, PODEM OCORRER REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS, AINDA NÃO DESCRITAS OU CONHECIDAS. EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÃO ADVERSA, O MÉDICO RESPONSÁVEL DEVE SER NOTIFICADO.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

LOCOID - Laboratório

EUROFARMA
Av. Ver. José Diniz, 3465 - Campo Belo
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 0800-704-3876
Email: euroatende@eurofarma.com.br
Site: http://www.eurofarma.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "EUROFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Olhos:
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
9 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
12 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
13 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
14 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
15 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
16 Atróficas: Relativas à atrofia, atrofiada. Que atrofiam; que minguam, atrofiadoras, atrofiantes. Que se tornam mais debilitadas e menos intensas.
17 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
18 Zoster: Doença produzida pelo mesmo vírus que causa a varicela (Varicela-Zóster). Em pessoas que já tenham tido varicela, o vírus se encontra em forma latente e pode ser reativado produzindo as características manchas avermelhadas, vesículas e crostas no território de distribuição de um determinado nervo. Como seqüela pode deixar neurite, com dores importantes.
19 Verruga vulgar: Lesão benigna da pele, produzida por um vírus denominado HPV (Vírus do Papiloma Humano) de forma elevada e superfície áspera, sem alterações na coloração normal.
20 Condiloma: Formação em formato de verruga que ocupa a superfície das mucosas genitais ou retais. Pode estar associada à infecção por um vírus chamado HPV (papilomavírus humano). Também é encontrado na sífilis tardia.
21 Molusco contagioso: Infecção viral da pele, caracterizada por pequenas lesões elevadas, com uma umbilicação central, sem alterações de coloração da pele, que é transmitida por contato interpessoal. Comum em crianças tem evolução benigna, podendo involuir espontaneamente. Por motivos estéticos, podem ser removidas por eletrocoagulação após anestesia local.
22 Escabiose: Doença contagiosa da pele causada nos homens pelo Sarcoptes scabiei e nos animais por diversos ácaros. Caracteriza-se por intenso prurido e eczema. Popularmente conhecida como sarna ou pereba.
23 Dermatose: Qualquer moléstia da pele e de seus anexos, especialmente quando caracterizada pela ausência de inflamação.
24 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
25 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
26 Pálpebras:
27 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
28 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
29 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
30 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
31 Síndrome de Cushing: A síndrome de Cushing, hipercortisolismo ou hiperadrenocortisolismo, é um conjunto de sinais e sintomas que indicam excesso de cortisona (hormônio) no sangue. Esse hormônio é liberado pela glândula adrenal (também conhecida como suprarrenal) em resposta à liberação de ACTH pela hipófise no cérebro. Níveis elevados de cortisol (ou cortisona) também podem ocorrer devido à administração de certos medicamentos, como hormônios glicocorticoides. A síndrome de Cushing e a doença de Cushing são muito parecidas, já que o que a causa de ambas é o elevado nível de cortisol no sangue. O que difere é a origem dessa elevação. A doença de Cushing diz respeito, exclusivamente, a um tumor na hipófise que passa a secretar grande quantidade de ACTH e, consequentemente, há um aumento na liberação de cortisol pelas adrenais. Já a síndrome de Cushing pode ocorrer, por exemplo, devido a um tumor presente nas glândulas suprarrenais ou pela administração excessiva de corticoides.
32 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
33 Glicosúria: Presença de glicose na urina.
34 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
35 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
36 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
37 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
38 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
39 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
40 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
41 Feto;: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
42 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
43 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
44 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
45 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
46 Supra-renal:
47 Fontanelas: Na anatomia geral, são espaços membranosos entre os ossos do crânio que ainda não se encontram ossificados quando do nascimento do bebê; fontículos ou moleiras. Na anatomia zoológica, são depressões rasas e pálidas da cabeça de certos cupins; fenestras.
48 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
49 Edema de papila: Termo utilizado para designar uma alteração oftalmoscópica caracterizada pelo velamento e elevação das margens da papila ou disco do nervo óptico. É um quadro sindrômico que ocorre em uma série de afecções do nervo óptico.
50 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
51 Hipertricose: É a transformação de pêlos velus (de textura fina e distribuídos em todo o corpo) em pêlos terminais (mais grossos e escuros). Não é causada por um aumento na produção de androgênios, podendo ser congênita ou adquirida. A hipertricose adquirida pode ser ocasionada por ingestão de medicamentos, algumas doenças metabólicas, como hipotireoidismo e porfirias, ou doenças nutricionais, como anorexia, desnutrição ou síndromes de má absorção.
52 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
53 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.

Tem alguma dúvida sobre LOCOID?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.