Aerodiol

SERVIER

Atualizado em 03/06/2015

Aerodiol

Estradiol hemi-hidratado

Uso adulto

Forma Farmacêutica e Apresentação de Aerodiol

Solução estéril para pulverização nasal em um frasco de vidro com uma bomba dosadora.

Composição de Aerodiol

Cada ml da solução contém: Estradiol hemi-hidratado (DCB 0483.01) 2,143 mg. Excipientes (metil-b-ciclodextrina, cloreto de sódio, água purificada, ácido clorídrico1 ou hidróxido de sódio) q.s.p. 1,000 ml. Cada aplicação (0,07 ml) contém 150 µg de estradiol hemi-hidratado. Cada frasco contém 4,2 ml da solução, garantindo 60 aplicações após sua ativação.

Informações ao Paciente de Aerodiol

O produto deverá ser conservado ao abrigo do calor e umidade excessivos. Prazo de validade: 24 meses após a data de fabricação. Atenção: Não tome remédio com o prazo de validade vencido. O resultado poderá ser nulo ou prejudicial para a sua saúde2. A ação esperada de AERODIOL é a correção das deficiências de estrogênio e dos seus sintomas3, em particular na menopausa4 fisiológica5 ou pós-cirúrgica. Não use este medicamento se você estiver grávida ou amamentando. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez6 após o início do tratamento. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. As mais freqüentemente descritas são referentes ao local de aplicação: espirros e uma sensação de prurido7. Não foram referidas até a presente data restrições de uso do produto, conjuntamente com álcool ou alimentos. Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde2.

Informações Técnicas de Aerodiol

Farmacocinética: Os picos dos níveis de estradiol sérico em cerca de 1.000 pg/ml são observados em cerca de 10 a 30 minutos após a administração da dose, quando AERODIOL é administrado na dosagem de 300 µg. O 17b-estradiol (E2) é rapidamente distribuído. O retorno aos valores próximos à linha de base ocorre dentro de 12 horas após a administração da dose. A biodisponibilidade do estradiol, quando administrado por via nasal, é maior do que aquela após administração oral. A exposição ao hormônio8, expressa pela área sob a curva (AUC24h) é proporcional à dose. Após a administração de 300 µg, a AUC24h é semelhante àquela obtida utilizando-se outras vias de administração (emplastro fornecendo 50 µg, comprimido de 2 mg). Variações intra e interindividuais são baixas e, nos estudos clínicos, nenhum caso de não-absorção foi observado. Os níveis de estrona (E1) são baixos e as relações E1/E2 são fisiológicas9, em torno de 1: a via nasal evita o efeito de primeira passagem hepática10. O fumo, imediatamente antes da administração de AERODIOL, não modifica a absorção nasal do produto e não exige modificação da posologia.

Dados de Segurança Pré-Clínicos de Aerodiol

: Os estudos pertinentes à tolerância local em animais mostraram que a administração nasal do estradiol não causa lesões11 à mucosa12.

Propriedades farmacodinâmicas: Estrogênio natural para administração nasal. AERODIOL permite a administração do 17b-estradiol, estrogênio natural que é produzido pelos ovários13 diariamente, em uma quantidade fisiológica5, e sob uma forma inalterada. AERODIOL constitui uma pulsoterapia estrogênica baseada em doses que podem ser ajustadas individualmente sem maiores dificuldades e assegura grande regularidade nas quantidades absorvidas. A exposição hormonal induzida é semelhante àquela encontrada durante as fases foliculares inicial e intermediária do ciclo menstrual. Após a aplicação de AERODIOL, o 17b-estradiol rapidamente penetra nas células14 e ativa os receptores estrogênicos específicos no núcleo. Uma vez ativados, os receptores se ligam aos sítios específicos do ADN, induzindo uma cascata de reações e síntese protéica, durante várias horas (de 3 a 7 horas para os processos rápidos e de 12 a 24 horas para os processos lentos). AERODIOL diminui a secreção de FSH. Durante o tratamento, devido ao mecanismo de ação, os valores mínimos do FSH são observados de 6 a 8 horas após a administração da dose e valores diminuídos ainda são observados antes da administração da dose seguinte. AERODIOL é desprovido de efeitos de primeira passagem intestinal e hepática10, ao contrário do que ocorre com os estrogênios administrados oralmente. Em um estudo controlado com 6 meses de duração, AERODIOL não demonstrou exercer qualquer estímulo sobre o metabolismo15 hepático. AERODIOL não induz nenhum aumento nos triglicerídeos, não interfere com as proteínas16 da coagulação17 (fibrinogênio18 de alto peso molecular, antitrombina III) e não tem efeito sobre os níveis angiotensiogênicos circulantes. AERODIOL afeta o perfil lipídico19 pós-menopausal, diminuindo a lipoproteína (a), a apolipoproteína B e o colesterol20 total. Isto é considerado benéfico para as mulheres com risco de doença coronariana21.

Indicações de Aerodiol

Correção das deficiências de estrogênios e seus sintomas3, particularmente aquelas relacionadas à menopausa4 pós-cirúrgica ou fisiológica5.

Contra-Indicações de Aerodiol

Contra-indicações absolutas: Hipersensibilidade conhecida a um dos componentes da fórmula; tumores malignos da mama22 e do útero23; tumores da hipófise24; sangramento genital sem diagnóstico25; evento tromboembolítico venoso pregresso; evento trombótico26 arterial pregresso (particularmente coronariano ou cerebral); porfiria27. Contra-indicações relativas: Tumores benignos da mama22 e distrofia28 uterina (hiperplasia29, mioma, endometriose30); colagenose; otospongiose; gravidez6 e lactação31; galactorréia32, níveis elevados de prolactina33; história de colestase34 recorrente ou prurido7 recorrente durante a gravidez6; insuficiência renal35; insuficiência hepática36 severa. Embora, com AERODIOL, os fatores de coagulação17 permaneçam inalterados a curto prazo, este medicamento geralmente não é indicado nas seguintes situações (como precaução e na ausência de dados epidemiológicos suficientes): doença cardíaca emboligênica; histórico pessoal de doença tromboembólica recente e documentada.

Precauções de Uso de Aerodiol

Cuidados especiais: O risco de câncer37 endometrial está aumentado, quando os estrogênios são administrados isoladamente durante períodos prolongados. Portanto, recomenda-se fortemente combinar um progestágeno durante, pelo menos, 10 a 14 dias por ciclo. Precauções especiais para o uso: Um exame médico completo incluindo um exame ginecológico e anamnese concernente ao histórico familiar é necessário, antes e nos intervalos, durante o tratamento com estrogênio. A terapia de reposição hormonal somente será instituída após terem sido avaliadas as doenças vasculares38 e/ou metabólicas e o monitoramento regular será conduzido nestes casos. O emprego de AERODIOL em pacientes idosos a princípio não apresenta maiores restrições, visto que destina-se à reposição hormonal, mesmo em pacientes em pós-menopausa4 já bem estabelecida. Contudo, incorre nas mesmas precauções descritas anteriormente nesta bula. Gravidez6 e lactação31: AERODIOL não deve ser usado durante a gravidez6 ou a lactação31. Os estudos mostram que a administração acidental de AERODIOL durante a gravidez6 não provocaria efeitos adversos, já que a suplementação39 de estradiol fornecida permaneceria dentro dos limites fisiológicos. Efeitos sobre a aptidão de condução de veículos e utilização de máquinas: Não existem dados clínicos sugerindo que AERODIOL possa interferir com a capacidade de dirigir ou manusear máquinas.

- Interações medicamentosas e outras formas de interação
A ação dos estrogênios pode estar prejudicada por medicamentos que provocam indução hepática10 de enzima40, tais como: barbitúricos, hidantoína e compostos relacionados, carbamazepina, meprobamato, fenilbutazona e rifampicina. Não se sabe se tais interações podem ocorrer após a administração nasal de AERODIOL. Nenhuma interação entre AERODIOL e outros medicamentos tem sido relatada, já que não existe o efeito de primeira passagem hepática10.

Reações Adversas de Aerodiol

AERODIOL geralmente é bem tolerado. As reações adversas mais freqüentemente relatadas são as reações no local da aplicação: espirros e uma sensação de prurido7. As reações normalmente são transitórias e moderadas e só excepcionalmente obrigam a interrupção do tratamento. Outras reações secundárias, que geralmente não obrigam a interrupção do tratamento, podem ser observadas: náuseas41, cefaléia42 moderada; mastalgia43 (exigindo ajuste da dose); pernas pesadas; sangramento importante exigindo investigação para doença subjacente; secreção cervical aumentada. Como precaução, é aconselhável descontinuar o tratamento se um dos seguintes fenômenos ocorrer: acidentes cardiovasculares ou tromboembólicos; icterícia44 por estase45 biliar; doença benigna ou maligna da mama22, tumores uterinos; recrudescimento46 de quadro epiléptico; adenoma47 hepático; galactorréia32.

Posologia e Modo de Administração de Aerodiol

Via nasal: A administração da solução de AERODIOL na forma de spray nasal permite que a dose seja ajustada de 150 µg (1 aplicação) a 600 µg (4 aplicações). A dose geralmente recomendada para o início do tratamento dos sintomas3 menopausais é de 300 µg para um período de 24 horas, como dose única, isto é, 1 aplicação em cada narina, pela manhã ou à noite, conforme instruções para uso/manuseio. Após 2 ou 3 ciclos, a dose pode ser ajustada em função dos sintomas3 clínicos: se os sintomas3 da deficiência de estrogênio persistem: distúrbios vasomotores (fogachos, suores noturnos), atrofia48 urogenital49 (secura vaginal, dispareunia, atrofia48 vulvovaginal, incontinência urinária50) ou distúrbios psiquiátricos (distúrbios do sono, astenia51, cefaléia42, tendência depressiva), a quantidade de doses pode ser aumentada para 3 ou mesmo 4 aplicações por dia, divididas entre manhã e noite; no caso de aparecimento de sinais52 de hiperestrogenismo, tais como mastalgia43, meteorismo53, ansiedade, nervosismo ou agressividade, a dose pode ser reduzida para uma aplicação diária. Em todos os casos, o tratamento deve ser continuado na dose eficaz mínima. AERODIOL pode ser administrado como tratamento descontínuo ou contínuo: Tratamento descontínuo: AERODIOL é usado ciclicamente durante um período de 21 a 28 dias, seguido por um período sem tratamento de 2 a 7 dias. Tratamento contínuo: AERODIOL é administrado diária e continuamente. Este regime de tratamento está indicado particularmente nas mulheres histerectomizadas ou nos casos nos quais os sintomas3 climatéricos ocorrem durante o período de não-tratamento. Independentemente do tratamento ser descontínuo ou contínuo, o uso de progestágeno deve ser combinado com AERODIOL para as mulheres não-histerectomizadas, abrangendo pelo menos de 10 a 14 dias por ciclo. Sangramento vaginal pode ocorrer após a suspensão do progestágeno nos dois tipos de tratamento recomendados anteriormente. No caso de obstrução acentuada das vias nasais, AERODIOL pode ser temporariamente administrado por via oral, aplicado no sulco gengival superior. Em tais circunstâncias, a dose usual deve ser dobrada. Se a paciente esquecer de aplicar uma dose, esta deve ser aplicada tão logo seja possível, em até 12 horas após o horário habitual. Se ultrapassar as 12 horas, esta dose deve ser desconsiderada. O esquecimento das doses pode induzir a sangramentos irregulares.

Modo e Via de Administração de Aerodiol

Via nasal: Seguir as orientações a seguir:

ENTRA FIGURAS

Conduta na superdosagem
A via de administração torna improvável uma superdosagem aguda significativa. Os efeitos da superdosagem são, geralmente, mastalgia43, distensão abdominal/pélvica54, náuseas41 e agressividade.

Atenção
Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança, quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

Venda Sob Prescrição Médica.

Aerodiol - Laboratório

SERVIER
RUA MARIO PIRAGIBE, 23
RIO DE JANEIRO/RJ - CEP: 20720320
Tel: (021 )289-2832
Fax: (021 )593-0774

Ver outros medicamentos do laboratório "SERVIER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
5 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
8 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
9 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
10 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
11 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
13 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
14 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
15 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
16 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
17 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
18 Fibrinogênio: Proteína plasmática precursora da fibrina (que dá origem à fibrina) e que participa da coagulação sanguínea.
19 Perfil lipídico: Exame laboratorial que mede colesterol total, triglicérides, HDL. O LDL é calculado por estes resultados. O perfil lipídico é uma das medidas de risco para as doenças cardiovasculares.
20 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
21 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
22 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
23 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
24 Hipófise:
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Trombótico: Relativo à trombose, ou seja, à formação ou desenvolvimento de um trombo (coágulo).
27 Porfiria: Constituem um grupo de pelo menos oito doenças genéticas distintas, além de formas adquiridas, decorrentes de deficiências enzimáticas específicas na via de biossíntese do heme, que levam à superprodução e acumulação de precursores metabólicos, para cada qual correspondendo um tipo particular de porfiria. Fatores ambientais, tais como: medicamentos, álcool, hormônios, dieta, estresse, exposição solar e outros desempenham um papel importante no desencadeamento e curso destas doenças.
28 Distrofia: 1. Acúmulo de grande quantidade de matéria orgânica, mas poucos nutrientes, em corpos de água, como brejos e pântanos. 2. Na medicina, é qualquer problema de nutrição e o estado de saúde daí decorrente.
29 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
30 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
31 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
32 Galactorréia: Secreção mamária anormal de leite fora do período de amamentação. Pode ser produzida por distúrbios hormonais ou pela ação de medicamentos.
33 Prolactina: Hormônio secretado pela adeno-hipófise. Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias. O aumento de produção da prolactina provoca a hiperprolactinemia, podendo causar alteração menstrual e infertilidade nas mulheres. No homem, gera impotência sexual (por prejudicar a produção de testosterona) e ginecomastia (aumento das mamas).
34 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
35 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
36 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
37 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
38 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
39 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
40 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
41 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
42 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
43 Mastalgia: Dor nas mamas. Costuma ser um distúrbio benigno em mulheres jovens devido a um desequilíbrio hormonal durante o ciclo menstrual. Mas, pode ter outras causas.
44 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
45 Estase: 1. Estagnação do sangue ou da linfa. 2. Incapacidade de agir; estado de impotência.
46 Recrudescimento: Exacerbação dos sintomas de uma doença após uma remissão temporária.
47 Adenoma: Tumor do epitélio glandular de características benignas.
48 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
49 Urogenital: Na anatomia geral, é a região relativa aos órgãos genitais e urinários; geniturinário.
50 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
51 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
52 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
53 Meteorismo: Acúmulo de gás no tubo digestivo. Pode produzir distensão abdominal, dor persistente, flatulência, etc.
54 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).

Tem alguma dúvida sobre Aerodiol?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.