Acebrofilina Eurofarma

EUROFARMA

Atualizado em 03/06/2015

Acebrofilina


Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999


Xarope


Forma Farmacêutica e Apresentações da Acebrofilina Eurofarma

Xarope infantil 25 mg/5 mL. Embalagem contendo 1 frasco com 120 mL acompanhado de copo-medida.

Xarope adulto 50 mg/5 mL. Embalagem contendo 1 frasco com 120 mL acompanhado de copo-medida.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO.


USO ORAL


Composição da Acebrofilina Eurofarma

Xarope infantil 25 mg/5 mL - Cada 1 mL contém:

acebrofilina ............................................................................................... 5 mg

Excipientes q.s.p. .........................................................................................1 mL

Excipientes: açúcar1, glicerina, metilparabeno, propilparabeno, aroma de groselha, corante vermelho, ácido cítrico e água deionizada.


Xarope adulto 50 mg/5 mL - Cada 1 mL contém:

acebrofilina ................................................................................................10 mg

Excipientes q.s.p. .........................................................................................1 mL

Excipientes: açúcar1, glicerina, metilparabeno, propilparabeno, aroma de groselha, corante vermelho, ácido cítrico e água deionizada.


Informações ao Paciente da Acebrofilina Eurofarma

Ação esperada do medicamento
Acebrofilina xarope tem ação broncodilatadora, mucorreguladora e expectorante.


Cuidados de armazenamento

Conservar em temperatura ambiente (entre 15oC e 30oC). Proteger da luz.


Prazo de validade

Desde que observados os devidos cuidados de conservação, o prazo de validade de acebrofilina é de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa.


NÃO USE MEDICAMENTOS COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.


Gravidez2 e lactação3

Deve-se evitar o uso de acebrofilina durante o primeiro trimestre da gravidez2, a não ser que, a critério médico, os benefícios do tratamento esperados para a mãe de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se está amamentando.

Cuidados de administração

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.


Interrupção do tratamento

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico, somente o médico poderá avaliar a eficácia da terapia. A interrupção do tratamento pode ocasionar a não obtenção dos resultados esperados.



Reações adversas

Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, tais como náuseas4 e/ou tontura5.


TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.


Ingestão concomitante com outras substâncias

Não são conhecidas interações deste medicamento com alimentos e álcool.

Entretanto, recomenda-se não ingerir bebidas alcóolicas durante o tratamento.


Contra-indicações e precauções

O uso deste medicamento é contra-indicado em caso de hipersensibilidade conhecida a acebrofilina, a derivados da xantina e/ou demais componentes das formulações.

O produto deve ser usado com cautela em pacientes que apresentam cardiopatias, hipertensão6, hipoxemia7 grave e úlcera péptica8.

Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.


NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE9.


- INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Características da Acebrofilina Eurofarma

Descrição

A acebrofilina possui ação broncodilatadora, mucorreguladora e expectorante.

A acebrofilina é produto da adição de teofilina e ambroxol sendo também conhecida por teofilinato de ambroxol. In vivo, são liberados tanto a teofilina, que possui ação broncodilatadora, estimulante respiratória e profilática da asma10, quanto o ambroxol que possui ação expectorante e mucolítica.


Modo de ação

A acebrofilina possui vários mecanismos pelo qual exerce seu efeito terapêutico.

Atua fragmentando e desagregando a organização filamentosa do muco, de forma a diminuir sua viscosidade11 e adesividade, tornando as secreções do aparelho respiratório12 mais fluidas.

A acebrofilina estimula a síntese e secreção do surfactante alveolar, favorece a expulsão das secreções bronquiais melhorando, portanto, a capacidade de ventilação13. Por sua ação broncodilatadora, inibe o broncoespasmo14, a dispnéia15 e os sibilos, melhorando a função respiratória com o aumento do fluxo respiratório.


Farmacocinética

No organismo, a acebrofilina se dissocia em teofilina e ambroxol.

A teofilina é bem e completamente absorvida. A ligação a proteínas16 varia: cerca de 60% em pacientes adultos, 36% em recém-nascidos e 35% em pacientes com cirrose17 hepática18. A teofilina é biotransformada parcialmente, no fígado19, em cafeína; isto é clinicamente mais significante nos recém-nascidos e crianças com menos de 3 anos de idade devido à meia-vida extremamente longa da cafeína nestes pacientes. A meia-vida média: crianças de até 6 meses, menos de 24 horas; crianças maiores de 6 meses, 3,7 horas; adultos não-fumantes, 8,7 horas; fumantes, 5,7 horas e adultos com doenças pulmonares, mais de 24 horas.

O ambroxol diminui a viscosidade11 e adesividade do muco, facilitando a expectoração20 e diminuindo o trabalho respiratório. É rapidamente absorvido no trato entérico; atinge níveis séricos máximos dentro de 2 horas. O ambroxol possui uma meia-vida de cerca de 10 horas e é eliminado através da urina21 na forma inalterada e/ou de metabólitos22.


- INDICAÇÕES

Acebrofilina possui ação broncodilatadora, mucolítica e expectorante, sendo indicada no tratamento sintomático23 das patologias agudas e crônicas do aparelho respiratório12 caracterizadas por fenômenos de hipersecreção, traqueobronquites, rinofaringites, laringotraqueítes, pneumoconioses24 e bronquiectasias, bem como nas patologias pulmonares acompanhadas de broncoespasmo14, tais como: bronquite aguda25, bronquite obstrutiva ou asmatiforme, asma10 brônquica e

enfisema26 pulmonar.


Contra- Indicações da Acebrofilina Eurofarma

ESTE MEDICAMENTO É CONTRA-INDICADO EM CASOS DE RECONHECIDA HIPERSENSIBILIDADE A ACEBROFILINA E/OU DEMAIS COMPONENTES DAS FORMULAÇÕES, A OUTROS DERIVADOS DA XANTINA E EM CASOS DE HIPERTENSÃO6.

Precauções e Advertências da Acebrofilina Eurofarma

O PRODUTO DEVE SER USADO COM CAUTELA EM PACIENTES QUE APRESENTAM CARDIOPATIAS, HIPERTENSÃO6, HIPOXEMIA7 GRAVE E ÚLCERA PÉPTICA8.


- USO DURANTE A GRAVIDEZ2 E LACTAÇÃO3

EVITAR O USO DE ACEBROFILINA DURANTE O PRIMEIRO TRIMESTRE DA GRAVIDEZ2.


Efeitos Sobre a Habilidade de Dirigir Veículos e/ou Operar Máquinas da Acebrofilina Eurofarma

NÃO HÁ EVIDÊNCIAS DE QUE ACEBROFILINA DIMINUA A HABILIDADE DE DIRIGIR VEÍCULOS E/OU OPERAR MÁQUINAS.

Interações Medicamentosas da Acebrofilina Eurofarma

A ACEBROFILINA INTERAGE COM OUTROS DERIVADOS DA XANTINA E COM BETABLOQUEADORES .


Reações Adversas da Acebrofilina Eurofarma

HÁ RELATOS DE DESCONFORTO GASTRINTESTINAL (NÁUSEA27) E, OCASIONALMENTE, TONTURAS28. A INTERRUPÇÃO DO MEDICAMENTO CONDUZ AO RÁPIDO DESAPARECIMENTO DESTES SINTOMAS29.

Posologia da Acebrofilina Eurofarma

Adultos - xarope 50 mg/5 mL:

- 10 mL do xarope duas vezes ao dia.


Crianças - xarope 25 mg/5 mL:




- SUPERDOSAGEM

Em caso de superdosagem, não ocorrendo convulsões, recomenda-se a indução do vômito30 ou o uso de um agente laxante31 ou carvão ativado. Em caso de convulsão32, deve-se assegurar a manutenção da respiração e administrar oxigênio e diazepam por via intravenosa. Monitorar a pressão arterial33 e hidratar

o paciente.


Pacientes Idosos da Acebrofilina Eurofarma

Devem-se seguir as orientações gerais descritas anteriormente.


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.


N.º de lote, data de fabricação e prazo de validade: VIDE CARTUCHO.

Para sua segurança mantenha esta embalagem até o uso total do

medicamento.


MS - 1.0043.0785


Farm. Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró

CRF-SP 19.258


EURO FARMA LABORAT ÓRIOS LTDA.

Av. Ver. José Diniz, 3.465 - São Paulo - SP

CNPJ: 61.190.096/0001-92

Indústria Brasileira


Ver informações do laboratório

Acebrofilina Eurofarma - Laboratório

EUROFARMA
Av. Ver. José Diniz, 3465 - Campo Belo
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 0800-704-3876
Email: euroatende@eurofarma.com.br
Site: http://www.eurofarma.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "EUROFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
4 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
5 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
6 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
7 Hipoxemia: É a insuficiência de oxigênio no sangue.
8 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
11 Viscosidade: 1. Atributo ou condição do que é viscoso; viscidez. 2. Resistência que um fluido oferece ao escoamento e que se deve ao movimento relativo entre suas partes; atrito interno de um fluido.
12 Aparelho respiratório: O aparelho respiratório transporta o ar do meio externo aos pulmões e vice-versa e promove a troca de gases entre o sangue e o ar.
13 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
14 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
15 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
16 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
17 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
18 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
19 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
20 Expectoração: Ato ou efeito de expectorar. Em patologia, é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões; escarro.
21 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
22 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
23 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
24 Pneumoconioses: Reação fibrosa crônica dos pulmões à inalação de poeiras, marcada especialmente por perda da expansibilidade, fibrose e pigmentação. Elas recebem nomes diversos segundo o tipo de poeira inalada.
25 Bronquite aguda: Inflamação dos brônquios produzida em geral por diferentes vírus respiratórios, que se manifesta por febre, tosse e expectoração de muco à tosse.
26 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
27 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
28 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
31 Laxante: Que laxa, afrouxa, dilata. Medicamento que trata da constipação intestinal; purgante, purgativo, solutivo.
32 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
33 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.

Tem alguma dúvida sobre Acebrofilina Eurofarma?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.