Hepatilon

KLEY HERTZ S.A - Indústria e Comércio

Atualizado em 08/12/2014

Hepatilon®

Peumus boldus

HERTZ®

(Boldo)
0.67 mL/10mL

MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

Forma Farmacêutica e Apresentação de Hepatilon

Solução oral: cartucho contendo frasco de vidro com 150 mL e cartucho contendo 12, 24 e 60 flaconetes de 10 mL.Via de administração: oral

USO ADULTO

Composição de Hepatilon

Cada 10 mL contém:
Extrato 0,1% de Peumus boldus ............. 0,67 mL
(padronizado em 0,67 mg (0,1%) de boldina.
veículo q.s.p. .................... 10,00 mL
Veículos: metilparabeno, propilparabeno, extrato fluido de Citrus aurantium, tintura de menta, corante caramelo, álcool etílico, glicerol e água deionizada.

Nomenclatura botânica oficial: Peumus boldus Molina.
Nomenclatura popular: Boldo, Boldo do Chile.
Família: Monimiaceae.
Parte da planta utilizada: folhas.

Informações ao Paciente de Hepatilon

Como este medicamento funciona?Atua como estimulante digestivo. Apresenta efeito colagogo, no estímulo à secreção da bile1 pela vesícula biliar2 para o duodeno3, e colerético, no estímulo à produção de bile1 pelo fígado4, auxiliando a digerir os alimentos gordurosos. Promove diminuição das contrações leves da musculatura intestinal, apresentando atividade antiespasmódica.

Por que este medicamento foi indicado?
Este medicamento é indicado para o tratamento de distúrbios digestivos leves, atuando na redução de espasmos5 intestinais e tratamento de distúrbios hepatobiliares6, com ação colagoga e colerética.

Quando não devo usar este medicamento?
Pacientes com histórico de hipersensibilidade e alergia7 a qualquer um dos componentes da fórmula não devem fazer uso do produto.
Mulheres grávidas não devem usar este medicamento, visto que este poderá provocar contrações uterinas e acelerar o parto. Mulheres em amamentação8 também não devem fazer uso deste medicamento. Pacientes com obstrução das vias biliares9, cálculos biliares, quadros de inflamação10 ou câncer11 no ducto biliar e com câncer11 no pâncreas12 não deverão fazer uso deste medicamento.
Este medicamento não deverá ser usado por pacientes com doenças severas no fígado4 como hepatite13 viral, cirrose14 ou hepatite13 tóxica. Este medicamento é contraindicado para crianças menores de seis anos de idade. Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Como devo usar este medicamento?
USO ORAL/ USO INTERNO
Ingerir 10 mL ou 1 flaconete, quatro vezes ao dia, ou a critério médico.
Características organolépticas: líquido levemente turvo, de coloração caramelo e odor característico
de boldo.
Se preferir, o produto pode ser diluído em quantidade suficiente de água.
Não se recomenda o uso contínuo deste medicamento. O uso de P. boldus não deve ultrapassar quatro semanas consecutivas.
Caso haja esquecimento da ingestão de uma dose deste medicamento, retome a posologia prescrita sem a necessidade de suplementação15.
Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas16, procure orientação médica ou de seu cirurgião-dentista.
Não use o medicamento com prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.
Assim como todos os medicamentos, informe ao seu profissional de saúde17 todas as plantas medicinais e fitoterápicos que estiver tomando. Interações podem ocorrer entre medicamentos e plantas medicinais e mesmo entre duas plantas medicinais quando administradas ao mesmo tempo.

Quais os males que este medicamento pode causar?
Nas doses recomendadas não são conhecidos efeitos adversos ao medicamento.

O que fazer se alguém usar uma grande quantidade deste medicamento de uma só vez?
Doses superiores às recomendadas poderão provocar transtornos renais, vômitos18 e diarreia19.
Em caso de superdosagem, suspender o uso, procurar orientação médica de imediato para que sejam adotadas as medidas habituais de apoio e controle das funções vitais.

Onde e como devo guardar este medicamento?
Conservar o medicamento em sua embalagem original, protegendo-o da luz, do calor e da umidade.
Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), Nestas condições, o medicamento se manterá próprio para o consumo, respeitando o prazo de validade indicado na embalagem.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Informações Técnicas Aos Profissionais de Saúde17 de Hepatilon

Características farmacológicas:
As folhas de Peumus boldus contêm não menos que 0,2% de alcalóides totais calculados em boldi-
na e, no mínimo, 1,5% de óleo essencial. Este medicamento atua no tratamento de dispepsia20 leve. Os preparados contendo P. boldus aumentam a secreção biliar e fluidificam a bile1, sem alterar a composição da mesma. Os alcalóides constituintes da espécie vegetal são aparentemente os responsáveis pela atividade colerética. A boldina age como relaxante da musculatura lisa intestinal, de acordo com estudos realizados em órgãos isolados. Além da atividade antiespasmódica, as ações colagoga e colerética são amplamente relatadas pela literatura científica para este fitoterápico.

Resultados de Eficácia de Hepatilon

A atividade colerética e antiespasmódica foi demonstrada tanto por estudos in vitro quanto em órgãos isolados. Estudos pré-clínicos em ratos demonstraram a ação colerética do fitoterápico contendo Peumus boldus, medida pelo aumento da secreção de bile1 pela vesícula biliar2. Não há relatos na literatura de metanálise de estudos clínicos randomizados, duplo-cego, placebo21-controlados.

Indicações de Hepatilon

Este medicamento é indicado como colagogo, colerético, para dispepsias funcionais e distúrbios gastrointestinais espásticos

Contraindicações de Hepatilon

Pacientes com histórico de hipersensibilidade e alergia7 a qualquer um dos componentes da fórmula não devem fazer uso do produto. Este medicamento é contraindicado nos casos de obstrução das vias biliares9, cálculos biliares, infecções22 ou câncer11 no ducto biliar e câncer11 no pâncreas12, face23 aos efeitos colagogo e colerético. Pacientes com quadro de doenças severas no fígado4, como hepatite13 viral, cirrose14 e hepatite13 tóxica não deverão fazer uso deste medicamento. Este produto não deve ser usado durante a gravidez24, já que contém esparteína. Este alcalóide apresenta atividade oxitócica. Mulheres em período de lactância não deverão fazer uso deste medicamento, face23 à presença de alcalóides e risco de neurotoxicidade. Crianças menores de seis anos também não deverão fazer uso deste medicamento.

Modo de Usar e Cuidados de Conservação Depois de Aberto de Hepatilon

Uso oral. Se preferir, o produto pode ser diluído em quantidade suficiente de água. Caso haja esquecimento da ingestão de uma dose deste medicamento, retome a posologia prescrita sem a necessidade de suplementação15. Manter o medicamento em sua embalagem original, protegendo-o da luz, do calor e da umidade. Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), em sua embalagem original, ao abrigo da luz e umidade.
Características organolépticas: líquido levemente turvo, de coloração caramelo e odor característico
de boldo.

Posologia de Hepatilon

USO ORAL/ USO INTERNOIngerir 10 mL ou 1 flaconete, quatro vezes ao dia, ou a critério médico.

Advertências de Hepatilon

Em casos de hipersensibilidade ao produto, recomenda- se descontinuar o uso e consultar o médico.
Não ingerir doses maiores do que as recomendadas.
Não se recomenda o uso contínuo deste medicamento.
O uso de P. boldus não deve ultrapassar quatro semanas consecutivas. De acordo com a categoria de risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, este medicamento apresenta categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Uso em Idosos, Crianças e Outros Grupos de Risco de Hepatilon

Não existem recomendações específicas para o uso deste medicamento em pacientes idosos. Este medicamento não é indicado para mulheres grávidas ou em amamentação8. Crianças menores de seis anos não devem fazer uso deste medicamento.

Interações Medicamentosas de Hepatilon

Não foram encontradas na literatura referências a  interações medicamentosas com medicamentos a base de P. boldus.

Reações Adversas ao Medicamento de Hepatilon

Nas doses recomendadas não são conhecidos efeitos adversos ao medicamento. A revisão da literatura não revela a frequência e intensidade das mesmas. Porém, doses mais elevadas poderão causar irritação renal25, vômitos18 e diarreia19.

Superdose de Hepatilon

Doses superiores às recomendadas poderão provocar transtornos renais, vômitos18 e diarreia19. Suspender imediatamente a medicação, e quando necessário, recomenda-se tratamento de suporte sintomático26 pelas medidas habituais de apoio e controle das funções vitais.

Armazenagem de Hepatilon

Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), em sua embalagem original, ao abrigo da luz e umidade. Nestas condições, o medicamento se manterá próprio para o consumo, respeitando o prazo de validade indicado na embalagem.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Data de fabricação, data de vencimento e lote:
Vide cartucho.

SAC 0800 704 9001

KLEY HERTZ S.A - Indústria e Comércio
Rua Com. Azevedo, 224 - Porto Alegre - RS
Farmacêutica Resp.: Paula Carniel Antonio
CRF-RS 4228 - Reg. no M.S. 1.0689.0155
C. N. P. J. nº 92.695.691/0001-03
INDÚSTRIA BRASILEIRA

Hepatilon - Laboratório

KLEY HERTZ S.A - Indústria e Comércio
Rua Comendador Azevedo, 224
Porto Alegre/RS
Tel: 0800512517
Site: http://www.grupohertz.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "KLEY HERTZ S.A - Indústria e Comércio"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
2 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
3 Duodeno: Parte inicial do intestino delgado que se estende do piloro até o jejuno.
4 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
5 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
6 Hepatobiliares: Diz-se do que se refere ao fígado e às vias biliares.
7 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
8 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
9 Vias biliares: Conjunto de condutos orgânicos que conectam o fígado e a vesícula biliar ao duodeno. Sua função é conduzir a bile produzida no fígado, para ser armazenada na vesícula biliar e posteriormente ser liberada no duodeno.
10 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
11 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
12 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
13 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
14 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
15 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
18 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
19 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
20 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
21 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
22 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
23 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
24 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
25 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
26 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre Hepatilon?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.