NITRODERM TTS

NOVARTIS

Atualizado em 09/12/2014

VASODILATADOR

Forma Farmacêutica e Apresentações de Nitroderm Tts

Sistema terapêutico transdérmico. Nitroderm TTS 5 e Nitroderm TTS 10 - Caixas com 5, 10 e 20 sistemas.


USO ADULTO

- Composição

Nitroderm TTS 5: Cada sistema terapêutico transdérmico contém: nitroglicerina 25mg; excipiente q.s.p. 1 sistema. Libera, em média, 5mg de substância ativa em 24 horas. Nitroderm TTS 10: Cada sistema terapêutico transdérmico contém: nitroglicerina 50mg; excipiente q.s.p. 1 sistema. Libera, em média, 10mg de substância ativa em 24 horas.

Informação ao Paciente de Nitroderm Tts


O produto deve ser mantido em local fresco. O prazo de validade está impresso no cartucho. Não utilize o produto após a data de validade. Após a aplicação do sistema sobre a pele1, inicia-se a passagem do medicamento para a corrente sanguínea. Pacientes que estiverem grávidas, amamentando ou que engravidarem durante o tratamento deverão informar seu médico.

- Como aplicar Nitroderm TTS:

 1.    Abra o envelope lacrado e retire o sistema terapêutico transdérmico, que contém uma película branca descartável. Retire esta película cuidadosamente sem tocar na superfície adesiva.

 2.    Aplique o sistema sobre a pele1, numa área seca, limpa e de poucos pêlos, pressionando-o bem em toda a superfície, com a palma da mão2 durante aproximadamente 10 segundos. A área escolhida poderá ser, por exemplo, um dos lados do tórax3 ao longo das costelas4. Os pacientes com tendência à transpiração5 excessiva devem aplicar o sistema, de preferência, no terço superior do braço.
 
3. Nitroderm TTS adere bem à pele1, mesmo durante o banho, ducha ou exercícios físicos, permitindo a utilização de apenas um sistema por dia.

Observações:
Mude diariamente a região de aplicação de Nitroderm TTS. Somente após alguns dias o mesmo local poderá ser utilizado novamente. Esta medida visa evitar possíveis irritações de pele1 no local de aplicação. O sistema não deve ser reaproveitado. Após o tempo de uso recomendado pelo seu médico, retire o sistema e inutilize-o, evitando que fique ao alcance das crianças.
Siga corretamente as instruções do seu médico, não interrompendo ou modificando o tratamento sem antes consultá-lo.De modo geral, Nitroderm TTS é bem tolerado. Entretanto, alguns pacientes podem apresentar dor de cabeça6 que, em geral, desaparece com a continuidade do tratamento. Raramente podem ocorrer: vermelhidão no rosto, fraqueza, tontura7 ou irritação no local de aplicação do sistema. Caso ocorra qualquer efeito indesejável durante o tratamento, informe seu médico, ele lhe dará a orientação adequada.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Caso você esteja tomando qualquer outro tipo de medicamento, avise o seu médico. O paciente em tratamento não deve ingerir bebidas alcoólicas.Nitroderm TTS é contra-indicado para pacientes8 com alergia9 à nitroglicerina ou a outros nitratos. Deve se ter precaução em casos de infarto do miocárdio10 recente e de anemia11 grave. Nitroderm TTS, especialmente no início do tratamento, pode alterar os reflexos do paciente. Devido a isso, a habilidade para dirigir veículos e/ou operar máquinas pode estar afetada.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE12.

Informação Técnica de Nitroderm Tts

Forma Farmacêutica de Nitroderm Tts


O sistema terapêutico transdérmico de Nitroderm TTS, formado por várias camadas, tem a capacidade de liberar nitroglicerina de forma contínua após aplicação na pele1. Nos casos onde a permeabilidade13 da pele1 é excessiva, a liberação do fármaco14 é limitada pela própria membrana de controle. A substância ativa penetra na pele1 e torna-se biodisponível diretamente na circulação15 sistêmica em concentrações constantes durante o período de aplicação recomendado. Os seguintes sistemas são disponíveis:
 
NitrodermTTS 5 Nitroderm TTS 10    
Quantidade de nitroglicerina liberada por hora                   0,2mg                    0,4mg    
Conteúdo total de nitroglicerina                    25mg                     50mg    
Área de liberação do fármaco14                    10cm 2                      30cm 2     

A nitroglicerina restante em cada sistema serve como reserva e não é liberada em uso normal. Por exemplo, após 12 horas cada sistema liberou 10% do seu conteúdo original de nitroglicerina. Uma vez que a nitroglicerina é liberada por Nitroderm TTS a uma velocidade constante por cm², a dose administrada depende somente do tamanho da área do sistema de liberação. O diagrama abaixo mostra um corte transversal de Nitroderm TTS:

-  Farmacodinâmica

A nitroglicerina tem ação relaxante sobre os músculos16 lisos do organismo. No sistema vascular17 age principalmente sobre as veias18 sistêmicas e nas artérias coronárias19 maiores. Na angina20 de peito21 o mecanismo fundamental de ação da nitroglicerina baseia-se, primariamente, no aumento da capacitância venosa, acarretando uma diminuição do retorno de sangue22 ao coração23. Próprio deste fenômeno, a pressão final diastólica do ventrículo esquerdo (pré-carga) e, portanto, o volume de enchimento diminuem, resultando numa redução do consumo de oxigênio pelo miocárdio24 em repouso e especialmente durante o exercício, com melhora na capacidade de exercício do paciente anginoso. Na circulação15 arterial coronária, a nitroglicerina dilata a condutância extramural e vasos de pequena resistência. O fármaco14 parece causar uma redistribuição do fluxo sanguíneo coronário para o subendocárdio isquêmico25 através de uma dilatação seletiva dos grandes vasos epicárdicos. A Nitroglicerina também é capaz de dilatar estenoses26 ateroscleróticas, onde o ateroma estiver localizado excentricamente. Além disso, a nitroglicerina produz um relaxamento do vasoespasmo espontâneo ou induzido pela ergonovina. A nitroglicerina exerce um efeito vasodilatador dose-dependente, sobre o leito vascular17 arteriolar, levando a uma redução da resistência vascular17 sistêmica (pós-carga) e da pressão sistólica27 do ventrículo esquerdo, reduzindo o consumo de oxigênio pelo miocárdio24. Embora os regimes de dosagem, para a maioria dos fármacos de uso crônico28 visem manter as concentrações plasmáticas continuamente superiores à concentração mínima efetiva, tal estratégia, provavelmente, é inapropriada para os nitratos orgânicos. Alguns ensaios clínicos29 bem controlados, usando teste de tolerância ao exercício mostraram a manutenção da eficácia do uso contínuo dos sistemas terapêuticos transdérmicos. Entretanto, estudos têm mostrado o desenvolvimento de tolerância, isto é, atenuação do efeito terapêutico quando avaliado por teste de esforço neste regime terapêutico. A tolerância também é observada com altas doses transdérmicas, mesmo as maiores do que 4mg/hora. A eficácia dos nitratos orgânicos é restaurada após um intervalo sem usar o medicamento (uso intermitente30). O menor intervalo de uso suficiente para restaurar a resposta terapêutica31 ainda não está definido. Sabe-se que intervalos de 8 a 12 horas são suficientes para restaurar a resposta. Intervalos menores não foram totalmente estudados. Nitroderm TTS, administrado em regime intermitente30, nas dosagens que liberam 0,4 e 0,8mg/hora (20 e 40cm²), demonstrou promover um aumento na capacidade de exercício por 8 a 12 horas. Na insuficiência cardíaca congestiva32 a ação vasodilatadora da nitroglicerina diminui a elevada pressão de enchimento do ventrículo esquerdo, sem alterar o débito cardíaco33 ou promovendo um ligeiro aumento. Nesta indicação, os efeitos benéficos da nitroglicerina ficam restritos à insuficiência cardíaca34 grave com sintomas35 predominantes de congestão venosa pulmonar devido a um aumento pronunciado da pressão de enchimento do ventrículo esquerdo. Quando for necessário um aumento do volume de ejeção, é recomendado o tratamento combinado com um vasodilatador arterial, como por exemplo, a hidralazina.

Farmacocinética de Nitroderm Tts

Após a aplicação de Nitroderm TTS, as concentrações plasmáticas de nitroglicerina atingem um platô em 2 horas, o qual é mantido durante o período recomendado de aplicação. A altura deste platô é diretamente proporcional ao tamanho da área do sistema de liberação. Os mesmos níveis plasmáticos são obtidos indiferentemente se o sistema for aplicado na pele1 do antebraço36, pelve37 ou no peito21. Após a remoção de Nitroderm TTS, o nível plasmático de nitroglicerina cai rapidamente. Após repetidas aplicações de Nitroderm TTS, não ocorre acúmulo do produto. A nitroglicerina, substância ativa de Nitroderm TTS, é rapidamente metabolizada no fígado38 pela enzima39 glutation-redutase dos nitratos orgânicos. Estudos em eritrócitos40 humanos "in vitro" mostraram que o eritrócito também é um local importante de biotransformação da nitroglicerina através de um processo enzimático sulfidril-dependente e por uma interação com a hemoglobina41 reduzida. A quantidade desta hemoglobina41 reduzida nos eritrócitos40 humanos parece ter um papel importante em sua atividade metabólica e, portanto, deve-se ter cuidado em casos de anemia11. Nos estudos realizados em animais, foi observado que tecidos vasculares42 extra-hepáticos (veia femural, veia cava inferior, aorta43) também desempenham um importante papel no metabolismo44 da nitroglicerina, dado este consistente com o grande "clearance" sistêmico45 observado com os nitratos. Também foi demonstrado, "in vitro", que a biotransformação da nitroglicerina ocorre conjuntamente com o relaxamento do músculo liso vascular46. Esta observação é consistente com a hipótese de que a biotransformação da nitroglicerina está envolvida no mecanismo da vasodilatação induzida pela nitroglicerina.

Indicações de Nitroderm Tts


Nitroderm TTS é indicado como vasodilatador em:

 ·  Angina20 de peito21: como monoterapia ou em combinação com outros fármacos anti-anginosos como betabloqueadores e/ou antagonistas do cálcio.

 ·  Insuficiência cardíaca congestiva32: como indicação suplementar em pacientes que não respondem adequadamente à terapia convencional47 com digitálicos ou outros agentes inotrópicos positivos e diuréticos48.

Contra-Indicações de Nitroderm Tts

Hipersensibilidade conhecida à nitroglicerina ou nitratos orgânicos correlatos. Insuficiência49 circulatória aguda associada à hipotensão50 importante (choque51, colapso52). Condições associadas à pressão intracraniana elevada. Insuficiência49 miocárdica devida a obstrução (por exemplo, na estenose53 mitral ou aórtica e na pericardite54 constritiva).

Precauções de Nitroderm Tts


Assim como para outros nitratos, quando for necessária a modificação da terapia de longo prazo para outro tipo de medicamento, a nitroglicerina deve ser retirada gradualmente e concomitantemente à introdução de outra terapia. Nitroderm TTS deve ser removido antes de cardioversão, desfribilação elétrica ou aplicação do tratamento diatérmico. Em casos de infarto do miocárdio10 recente ou insuficiência cardíaca34 aguda, o tratamento com Nitroderm TTS deve ser realizado cuidadosamente sob estrito controle médico e/ou monitorização hemodinâmica55. Devem ser tomadas precauções em pacientes com hipoxemia56 arterial devida à anemia11 grave, pois em tais pacientes a biotransformação da nitroglicerina está reduzida. Da mesma forma, deve-se tomar cuidado em pacientes com hipoxemia56 e desequilíbrio ventilação57/perfusão devido à doença pulmonar ou insuficiência cardíaca34 de origem isquêmica. Pacientes com angina20 do peito21, infarto do miocárdio10 ou isquemia58 cerebral frequentemente apresentam anormalidades de pequenas vias aéreas (especialmente hipóxia59 alveolar). Sob estas condições ocorre, no pulmão60, uma vasoconstrição61 desviando a perfusão de áreas com hipóxia59 alveolar para regiões melhor ventiladas. A nitroglicerina, como potente vasodilatador, pode reverter esta vasoconstrição61 protetora, resultando num aumento da perfusão para áreas pouco ventiladas, revertendo o desequilíbrio ventilação57/perfusão e a diminuição da pressão arterial62 parcial de oxigênio.Os nitratos podem aumentar a pressão intra-ocular.
A terapia com nitrato pode agravar a angina20 causada pela cardiomiopatia hipertrófica.
Deve ser considerada a possibilidade de aumento da frequência de crises de angina20 durante os períodos sem o sistema terapêutico transdérmico. Em tais casos é desejável o uso de terapia anti-anginosa concomitante.
Como os sistemas de nitroglicerina desenvolvem tolerância, o efeito da nitroglicerina sublingual sobre a tolerância ao exercício pode ser parcialmente diminuído.

Gravidez63 e Lactação64 de Nitroderm Tts

Como em qualquer terapia medicamentosa, Nitroderm TTS também deve ser empregado com cautela durante a gravidez63, especialmente nos três primeiros meses. Não há dados sobre a passagem da substância ativa para o leite materno. O benefício para a mãe deve ser analisado face65 aos riscos para a criança.

Efeitos Sobre a Habilidade de Dirigir Veículos e/ou Operar Máquinas de Nitroderm Tts


Nitroderm TTS, especialmente no início do tratamento, pode alterar as reações do paciente, por exemplo, para dirigir veículos e/ou operar máquinas.

Interações Medicamentosas de Nitroderm Tts

O tratamento concomitante com outros vasodilatadores, antagonistas de cálcio, inibidores de ECA, betabloqueadores, diuréticos48, anti-hipertensivos, antidepressivos tricíclicos e tranquilizantes maiores, bem como o consumo de álcool, podem potencializar o efeito de redução da pressão sanguínea de Nitroderm TTS. A administração concomitante de Nitroderm TTS com diidroergotamina pode aumentar a biodisponibilidade deste fármaco14. Deve ser dada especial atenção a este ponto em pacientes com doença arterial coronariana, pois a diidroergotamina antagoniza o efeito da nitroglicerina e pode levar à vasoconstrição61 coronária. Não deve ser excluída a possibilidade de que a administração de ácido acetilsalicílico e antiinflamatórios não-esteróides possa diminuir a resposta terapêutica31 a Nitroderm TTS.

Reações Adversas de Nitroderm Tts


Sistema nervoso central66:
Como os outros nitratos, Nitroderm TTS pode ocasionar cefaléia67, devido à vasodilatação cerebral dose-dependente. Tais cefaléias68 frequentemente regridem após alguns dias, apesar da manutenção da terapia. Deve ser considerada a possibilidade de cefaléia67 persistente durante a terapia intermitente30. Quando presente, deve-se tratá-la com analgésicos69 leves. Em casos de não haver resposta ao tratamento, a dosagem de nitroglicerina deve ser reduzida ou o medicamento descontinuado.

Pele1:
Ocasionalmente pode ocorrer rubor na pele1, com ou sem prurido70 local ou sensação de queimação, como uma dermatite71 alérgica de contato. Após a remoção do sistema terapêutico transdérmico, o rubor normalmente desaparece em poucas horas.

Sistema cardiovascular72:
Foram raramente observados rubor facial, fraqueza, atordoamento, tontura7 e hipotensão50 postural, a qual pode estar associada à taquicardia73 reflexa induzida. O leve aumento da frequência cardíaca, reflexo-induzida pode ser evitado pelo uso, se necessário, do tratamento combinado com betabloqueador.

Sistema gastrintestinal:
Raramente náuseas74 e vômitos75.

Posologia de Nitroderm Tts

Nitroderm TTS não é adequado para o alívio imediato de ataques agudos de angina20 do peito21; se isto ocorrer devem ser usadas formulações de nitrato de ação rápida. A resposta ao nitrato varia de paciente para paciente76. Portanto, deve ser prescrita a dose mínima eficaz. O local de aplicação deve ser mudado regularmente, a fim de prevenir a irritação local. O desenvolvimento de tolerância ou atenuação do efeito terapêutico ocorre comumente na administração prolongada ou frequente dos nitratos de ação prolongada (incluindo Nitroderm TTS ou outros sistemas transdérmicos). Um período de 8 a 12 horas, sem uso do sistema terapêutico transdérmico, normalmente à noite, a cada 24 horas, é recomendado para evitar a tolerância ao produto. Ensaios clínicos29 têm demonstrado que, na maioria dos pacientes, a terapia intermitente30 é mais eficaz do que a administração contínua. A aplicação contínua de Nitroderm TTS pode ser apropriada em pacientes nos quais a resposta clínica por tempo prolongado for considerada realmente eficaz.

 ·  Angina20 de peito21:
 O tratamento, via de regra, deve ser iniciado com um Nitroderm TTS 5 (0,2mg/hora) diariamente. Na terapia de manutenção, a dose diária pode ser aumentada usando outro Nitroderm TTS 5 e/ou Nitroderm TTS 10 (0,4mg/hora) até uma dose máxima de dois Nitroderm TTS 10 (0,8mg/hora) diariamente.

 ·  Insuficiência cardíaca congestiva32:
 Recomenda-se que o tratamento seja iniciado em hospital e o estado hemodinâmico do paciente monitorizado. O tratamento deve continuar com o paciente internado até o estabelecimento da dose de manutenção necessária. A dose ótima deve ser determinada com base na resposta clínica, nos efeitos adversos encontrados e na monitorização cuidadosa dos sinais77 de superdosagem, tais como queda de pressão sanguínea e taquicardia73.

Superdosagem de Nitroderm Tts


Sinais77 e sintomas35: Altas doses de nitroglicerina podem levar a hipotensão50 grave e taquicardia73 reflexa ou a colapso52 e síncope78. Também tem sido observada metahemoglobinemia79 após superdosagem acidental de nitroglicerina. Entretanto, com Nitroderm TTS a membrana de controle reduzirá a probabilidade da ocorrência de superdosagem.

Tratamento: O efeito do nitrato de Nitroderm TTS pode ser rapidamente cessado simplesmente pela remoção do(s) sistema(s). Podem ocorrer hipotensão50 ou sinais77 de colapso52 que podem ser tratados elevando-se as pernas do paciente e, se necessário, enfaixando-as.

NITRODERM TTS - Laboratório

NOVARTIS
Av. Prof. Vicente Rao, 90 - Brooklin
São Paulo/SP - CEP: 04706-900
Tel: 55 (011) 532-7122
Fax: 55 (011) 532-7942
Site: http://www.novartis.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "NOVARTIS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
3 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
4 Costelas:
5 Transpiração: 1. Ato ou efeito de transpirar. 2. Em fisiologia, é a eliminação do suor pelas glândulas sudoríparas da pele; sudação. Ou o fluido segregado pelas glândulas sudoríparas; suor. 3. Em botânica, é a perda de água por evaporação que ocorre na superfície de uma planta, principalmente através dos estômatos, mas também pelas lenticelas e, diretamente, pelas células epidérmicas.
6 Cabeça:
7 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
8 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
9 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
10 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
11 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
14 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
15 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
16 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
17 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
18 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
19 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
20 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
21 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
22 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
23 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
24 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
25 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
26 Estenoses: Estreitamentos patológicos de um conduto, canal ou orifício.
27 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
28 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
29 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
30 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
31 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
32 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
33 Débito cardíaco: Quantidade de sangue bombeada pelo coração para a aorta a cada minuto.
34 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
35 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
36 Antebraço:
37 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
38 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
39 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
40 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
41 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
42 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
43 Aorta: Principal artéria do organismo. Surge diretamente do ventrículo esquerdo e através de suas ramificações conduz o sangue a todos os órgãos do corpo.
44 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
45 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
46 Músculo Liso Vascular: Tecido muscular não estriado e de controle involuntário que está presente nos vasos sangüíneos.
47 Terapia convencional: Termo usado em triagens clínicas em que um grupo de pacientes recebe tratamento para diabetes que mantêm os níveis de A1C (hemoglobina glicada) e de glicemia sangüínea nas medidas estipuladas pelos protocolos práticos em uso. Entretanto, o objetivo não é manter os níveis de glicemia o mais próximo possível do normal, como é feito na terapia intensiva. A terapia convencional inclui o uso de medicações, o planejamento das refeições e dos exercícios físicos, juntamente com visitas regulares aos profissionais de saúde.
48 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
49 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
50 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
51 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
52 Colapso: 1. Em patologia, é um estado semelhante ao choque, caracterizado por prostração extrema, grande perda de líquido, acompanhado geralmente de insuficiência cardíaca. 2. Em medicina, é o achatamento conjunto das paredes de uma estrutura. 3. No sentido figurado, é uma diminuição súbita de eficiência, de poder. Derrocada, desmoronamento, ruína. 4. Em botânica, é a perda da turgescência de tecido vegetal.
53 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
54 Pericardite: Inflamação da membrana que recobre externamente o coração e os vasos sanguíneos que saem dele. Os sintomas dependem da velocidade e grau de lesão que produz. Variam desde dor torácica, febre, até o tamponamento cardíaco, que é uma emergência médica potencialmente fatal.
55 Hemodinâmica: Ramo da fisiologia que estuda as leis reguladoras da circulação do sangue nos vasos sanguíneos tais como velocidade, pressão etc.
56 Hipoxemia: É a insuficiência de oxigênio no sangue.
57 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
58 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
59 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
60 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
61 Vasoconstrição: Diminuição do diâmetro dos vasos sanguíneos.
62 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
63 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
64 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
65 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
66 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
67 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
68 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
69 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
70 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
71 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
72 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
73 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
74 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
75 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
76 Para paciente: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Paciente disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
77 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
78 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
79 Metahemoglobinemia: Condição caracterizada pela presença de um nível mais alto do que o normal de metahemoglobina no sangue. A metahemoglobina é uma forma de hemoglobina que não se liga ao oxigênio. Quando sua concentração está elevada nas hemácias, pode ocorrer uma anemia funcional e uma falta de oxigênio aos tecidos.

Tem alguma dúvida sobre NITRODERM TTS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.