HALOG CAPILAR

B-MS

Atualizado em 08/12/2014

          HALOGR

halcinonida + cloreto de benzoxônio + ácido salicílico

CAPILAR1

Solução Tópica 0,1%

Apresentação/Composição de Halog Capilar1

HALOG CAPILAR1 é apresentado em frascos contendo 30ml de solução. A solução contém 0,1% de halcinonida, 0,1% de cloreto de benzoxônio e 2,0% de ácido salicílico, em veículo de etanol a 66%.

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO


Informações ao Paciente de Halog Capilar1

O produto deverá ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30o C).

Prazo de validade: vide cartucho. Este medicamento não deverá ser utilizado se o seu prazo de validade estiver vencido.

O produto deverá ser usado de acordo com as orientações do médico. Este medicamento é apenas para uso sobre a pele2. Evitar contato com os olhos3 e membranas mucosas4.

Este medicamento não deverá ser usado para quaisquer distúrbios outros daqueles para os quais foi prescrito.

A área de pele2 tratada não deverá ser enfaixada, coberta ou envolvida de forma a ser oclusiva a não ser que orientado pelo médico. Não usar calças plásticas/artigos para incontinência5 com ajustamento apertado em pacientes sendo tratados, uma vez que esses artigos podem constituir penso oclusivo.
Sempre informar o médico da ocorrência de quaisquer sinais6 de reações adversas, especialmente sob penso oclusivo.

Informar ao médico se ocorrer gravidez7 antes ou durante a terapia (ver Gravidez7: Efeitos Teratogênicos8).

Se grandes áreas são tratadas ou durante uso prolongado em crianças e adolescentes, existe uma possibilidade de absorção sistêmica (ver Uso Pediátrico).

HALOG CAPILAR1 é inflamável e após sua aplicação sobre o couro cabeludo não secar o cabelo9 em frente ao fogo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Não use remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde10.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Farmacologia11 Clínica de Halog Capilar1

Corticosteróides tópicos tem em comum ações anti-inflamatória, anti-pruriginosa e vasoconstritora.O mecanismo de atividade anti-inflamatória dos corticosteróides tópicos é obscuro. Vários métodos de laboratório, incluindo ensaios vasoconstritores, são usados para comparar e prever potência e/ou eficácia clínica dos corticosteróides tópicos. Há alguma evidência para sugerir que existe correlação identificável entre potência e eficácia terapêutica12 no homem.
O ácido salicílico tem atividades antibacteriana e antifúngica fracas e efeitos queratolíticos.
O cloreto de benzoxônio é bactericida em concentração baixa contra uma variedade de bactérias gram-positivas e gram-negativas.

Farmacocinética de Halog Capilar1

A extensão da absorção percutânea de corticosteróides tópicos é determinada por vários fatores incluindo o veículo, a integridade da barreira epidérmica e o uso de pensos oclusivos.
Corticosteróides tópicos podem ser absorvidos por pele2 normal intacta. Inflamação13 e/ou outros processos de doença na pele2 aumentam a absorção percutânea. Pensos oclusivos aumentam substancialmente a absorção percutânea de corticosteróides tópicos. Assim, os pensos oclusivos podem ser um tratamento auxiliar de valor terapêutico de dermatoses resistentes (ver POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO).
Uma vez absorvidos através da pele2, os corticosteróides tópicos são conduzidos através de etapas farmacocinéticas semelhantes aos corticosteróides administrados sistêmicamente. Os corticosteróides estão ligados às proteínas14 plasmáticas em vários graus. Os corticosteróides são metabolizados principalmente no fígado15 e são então excretados pelos rins16. Alguns dos corticosteróides tópicos e seus metabólitos17 são também excretados na bile18.
O ácido salicílico produz descamação19 e ação queratolítica na camada córnea20 da pele2 sem alterar a estrutura da epiderme21 viável. Absorção percutânea foi reportada, particularmente quando aplicada a grandes áreas de superfície ou quando usada por períodos prolongados. Reações tóxicas são usualmente associadas com níveis séricos de 30 a 40mg/100ml.


Indicações de Halog Capilar1

   

HALOG CAPILAR1 é indicado para o tratamento de dermatoses hiperqueratóticas e secas, aguda e crônica, responsivas à terapia com corticosteróides e ácido salicílico que pode incluir eczema22 de contato, dermatite23 eczematosa, dermatite23 seborrêica, dermatite23 atópica, neurodermatite e psoríase24.

Contra-Indicações de Halog Capilar1

Esse medicamento é contra-indicado naqueles pacientes com lesões25 tuberculosas ou infecções26 virais tópicas ou sistêmicas (i.e., vaccinia, varicela27, herpes simplex). Não é indicado em dermatoses úmidas ou exsudativas28. Não deve ser usado em pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer de seus componentes.


Advertências de Halog Capilar1

Este preparado não é recomendado para crianças abaixo de 6 anos de idade (ver PRECAUÇÕES: Uso Pediátrico).

Precauções de Halog Capilar1

Geral

Absorção sistêmica de corticosteróides tópicos produziu supressão reversível do eixo hipotalâmico-pituitária-adrenal (HPA), manifestações de síndrome de Cushing29, hiperglicemia30 e glicosuria31 em alguns pacientes. Absorção sistêmica de ácido salicílico pode resultar em sintomas32 de salicilismo.Condições que aumentam a absorção sistêmica de corticosteróides e ácido salicílico aplicados topicamente incluem: uso sobre áreas de grande superfície, uso prolongado, uso em dobras e áreas intertriginosas e a adição de pensos oclusivos. A ação queratolítica do ácido salicílico pode também levar ao aumento da absorção do esteróide.
Pacientes recebendo uma grande dose de qualquer esteróide tópico33 potente e ácido salicílico sob qualquer(s) condição(s) que pode aumentar a absorção sistêmica, deverão ser avaliados periodicamente para evidência da supressão do eixo HPA, usando cortisol urinário livre e teste de estimulação de ACTH, para diminuição da homeostase térmica e evidência de salicilismo. Se qualquer dessas condições ocorrer, deve-se fazer uma tentativa de suspender a droga, reduzir a frequência de aplicação, substituir um esteróide menos potente ou usar uma abordagem  sequencial quando se utilizar a técnica oclusiva.
A recuperação da função do eixo HPA e da homeostase térmica é geralmente imediata e completada a partir da descontinuação da droga. Raras vezes, sinais6 e sintomas32 de abstinência de esteróides podem ocorrer, requerendo corticosteróides sistêmicos34 suplementares. Ocasionalmente, um paciente pode desenvolver uma reação de sensibilidade a um material particular de penso oclusivo ou adesivo e pode ser necessário um material substituto.
Crianças podem absorver proporcionalmente quantidades maiores de corticosteróides tópicos e ácido salicílico e assim ser mais suscetível à toxicidade35 sistêmica (ver PRECAUÇÕES, Uso Pediátrico).
Caso se desenvolva irritação, secura excessiva ou desenvolvimento de escamação indesejável o tratamento deverá ser descontinuado e instituida terapia apropriada.
Na presença de erupções, lesões25 ou infecções26 dermatológicas, o uso de terapia anti-infecciosa apropriada deverá ser instituida. Se uma resposta favorável não ocorrer imediatamente, a solução deverá ser descontinuada até que o problema concomitante tenha sido controlado adequadamente.
Evitar contato com os olhos3 e membranas mucosas4.
HALOG CAPILAR1 é inflamável e na aplicação sobre o couro cabeludo o cabelo9 não deverá ser secado em frente ao fogo aberto.

Testes de Laboratório  

Um teste de cortisol urinário livre e teste de estimulação de ACTH pode ser útil na avaliação da supressão do eixo HPA.

Carcinogênese, Mutagênese e Diminuição da Fertilidade  

Não foram feitos estudos prolongados em animais para avaliar o potencial carcinogênico ou o efeito na fertilidade desse medicamento.
Estudos para determinar a mutagenicidade com prednisolona e hidrocortisona mostraram resultados negativos. O teste de Ames Salmonella usando uma preparação contendo 6% de ácido salicílico não mostrou potencial mutagênico.

Gravidez7: Efeitos Teratogênicos8

Administração sistêmica de corticosteróides e administração oral de ácido acetilsalicílico em animais de laboratório mostraram ser teratogênicos8.Os corticosteróides mais potentes mostraram ser teratogênicos8, após aplicação dérmica em animais de laboratório. Não há estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas sobre efeitos teratogênicos8 de componentes nesse medicamento aplicados topicamente. Portanto, este medicamento deverá ser usado durante a gravidez7, apenas se o benefício justificar o risco potencial para o feto36. Esse medicamento não deverá ser usado extensivamente em pacientes grávidas, em grandes quantidades ou por períodos prolongados de tempo.

Mães Lactantes37

Não é conhecido se a administração tópica desse medicamento pode resultar em absorção sistêmica dos componentes suficiente para produzir quantidades detectáveis no leite materno.
Corticosteróides administrados sistêmicamente são secretados no leite materno em quantidades provavelmente não apresentando efeito deletério em crianças pequenas. Todavia, cuidado deve ser exercido quando este medicamento for administrado a uma  mulher lactante38.

Uso Pediátrico

O uso desse medicamento sobre grandes áreas de superfície ou por períodos prolongados de tempo em crianças e adolescentes pode resultar em absorção sistêmica suficiente para produzir efeitos sistêmicos34. Portanto, esses pacientes podem demonstrar maior susceptibilidade39 ao salicilismo, supressão do eixo HPA e síndrome de Cushing29 do que pacientes mais velhos por causa de uma maior relação área de superfície de pele2 sobre peso corporal.
A supressão do eixo HPA, síndrome de Cushing29 e hipertensão40 intracraniana foram relatados em crianças recebendo corticosteróides tópicos.
Quando aplicado a pacientes pediátricos, particularmente aqueles entre 6 e 12 anos de idade, esse medicamento deverá ser limitado à menor quantidade para a mais curta duração compatível com um regime terapêutico efetivo. Esses pacientes devem ser monitorados de perto para sinais6 e sintomas32 de efeitos sistêmicos34.

Reações Adversas de Halog Capilar1

HALOG CAPILAR1 é geralmente bem tolerado.
As seguintes reações adversas locais são reportadas raras vezes com corticosteróides tópicos, mas podem ocorrer mais frequentemente com o uso de pensos oclusivos (reações são listadas numa ordem decrescente aproximada de ocorrência): queimação, coceira, irritação, secura, foliculite, hipertricose41, erupções acneiformes, hipopigmentação, dermatite23 perioral, dermatite23 alérgica de contato, maceração de pele2, infecção42 secundária, atrofia43 da pele2, estrias e miliaria.
Algum avermelhamento local da pele2, descamação19, dermatite23, prurido44 e pintas no local de aplicação podem resultar do ácido salicílico. Pode ocorrer hipersensibilidade ao ácido salicílico.
Irritação local devido ao cloreto de benzoxônio pode ocorrer.

Reações Adversas - Pacientes Pediátricos

Manifestações de supressão adrenal em crianças incluem retardamento linear do crescimento, ganho de peso retardado, níveis baixos de cortisol no plasma45 e ausência de resposta à estimulação ACTH. Manifestações de hipertensão40 intracraniana incluem fontanelas46 protuberantes, dores de cabeça47 e papiledema bilateral.
Sinais6 e sintomas32 de salicilismo incluem náusea48, vômito49, vertigem50, perda de audição, tinitus, letargia51, hiperpnéia52, diarréia53, distúrbios psíquicos.

Posologia e Administração de Halog Capilar1

Aplicar sobre a área afetada 2 a 3 vezes diariamente. A solução deverá ser massageada gota54 a gota54 para cobrir a área afetada. A técnica do penso oclusivo pode ser empregada para o tratamento de condições recalcitrantes.

Técnica do Penso Oclusivo

Pensos oclusivos podem ser usados para o tratamento de psoríase24 ou outras condições recalcitrantes.Aplicar HALOG CAPILAR1 SOLUÇÃO 0,1% à lesão55, cobrir com um filme flexível não poroso e selar as extremidades. Se necessário, umidade adicional pode ser providenciada cobrindo a lesão55 com uma peça  de roupa limpa de algodão umedecida, antes do filme não poroso ser aplicado ou molhando ligeiramente a área afetada com água, logo antes de aplicar a solução. A frequência de troca dos pensos é melhor determinada numa base individual. Pode ser conveniente aplicar a solução sob penso oclusivo à noite e remover o penso pela manhã (i.e., oclusão de 12 horas). Quando se utiliza o regime de oclusão de 12 horas, solução adicional deverá ser aplicada, sem oclusão, durante o dia. A reaplicação é essencial a cada troca de penso.
Caso se desenvolva uma infecção42, o uso de pensos oclusivos deverá ser descontinuado e instituida uma terapia antimicrobiana apropriada.


Superdosagem de Halog Capilar1

Corticosteróides e ácido salicílico aplicados topicamente podem ser absorvidos em quantidades suficientes para produzir efeitos sistêmicos34 (ver PRECAUÇÕES: Geral).

Tratamento

Nenhum antídoto56 específico é disponível e o tratamento deverá ser sintomático57.


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

HALOG CAPILAR - Laboratório

B-MS
Rua Carlos Gomes, 924
São Paulo/SP - CEP: 04743-002
Tel: 55 (011) 882-2000
Fax: 55 (011) 246-0151
Site: http://www.bristol.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "B-MS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Olhos:
4 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
5 Incontinência: Perda do controle da bexiga ou do intestino, perda acidental de urina ou fezes.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
8 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
9 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
12 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
13 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
14 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
15 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
16 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
17 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
18 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
19 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
20 Camada córnea: A camada córnea é uma das cinco camadas que compõem a epiderme. Ela é constituída por células mortas, sem núcleo, achatadas e em forma de lâminas. Estas lâminas se sobrepõem formando uma estrutura rígida e hidrófila, com função de proteção contra agentes físicos, químicos e biológicos, além de impedir a evaporação de água. Nesta camada, ocorre o desprendimento constante dos queratinócitos e com renovação constante da epiderme.
21 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
22 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
23 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
24 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
25 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
26 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
27 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
28 Exsudativas: 1. Inerente ou pertencente à exsudação. Ação de exsudar, suar, transpirar. 2. Líquido que, saindo pelos poros da superfície de um vegetal ou de um animal, torna-se espesso ou viscoso nessa superfície.
29 Síndrome de Cushing: A síndrome de Cushing, hipercortisolismo ou hiperadrenocortisolismo, é um conjunto de sinais e sintomas que indicam excesso de cortisona (hormônio) no sangue. Esse hormônio é liberado pela glândula adrenal (também conhecida como suprarrenal) em resposta à liberação de ACTH pela hipófise no cérebro. Níveis elevados de cortisol (ou cortisona) também podem ocorrer devido à administração de certos medicamentos, como hormônios glicocorticoides. A síndrome de Cushing e a doença de Cushing são muito parecidas, já que o que a causa de ambas é o elevado nível de cortisol no sangue. O que difere é a origem dessa elevação. A doença de Cushing diz respeito, exclusivamente, a um tumor na hipófise que passa a secretar grande quantidade de ACTH e, consequentemente, há um aumento na liberação de cortisol pelas adrenais. Já a síndrome de Cushing pode ocorrer, por exemplo, devido a um tumor presente nas glândulas suprarrenais ou pela administração excessiva de corticoides.
30 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
31 Glicosúria: Presença de glicose na urina.
32 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
33 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
34 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
35 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
36 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
37 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
38 Lactante: Que produz leite; que aleita.
39 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
40 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
41 Hipertricose: É a transformação de pêlos velus (de textura fina e distribuídos em todo o corpo) em pêlos terminais (mais grossos e escuros). Não é causada por um aumento na produção de androgênios, podendo ser congênita ou adquirida. A hipertricose adquirida pode ser ocasionada por ingestão de medicamentos, algumas doenças metabólicas, como hipotireoidismo e porfirias, ou doenças nutricionais, como anorexia, desnutrição ou síndromes de má absorção.
42 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
43 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
44 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
45 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
46 Fontanelas: Na anatomia geral, são espaços membranosos entre os ossos do crânio que ainda não se encontram ossificados quando do nascimento do bebê; fontículos ou moleiras. Na anatomia zoológica, são depressões rasas e pálidas da cabeça de certos cupins; fenestras.
47 Cabeça:
48 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
49 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
50 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
51 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
52 Hiperpnéia: Respiração superficial e rápida, associada a processos fisiológicos (exercícios, parto) ou anormais como a insuficiência respiratória aguda, estados de choque, etc.
53 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
54 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
55 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
56 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
57 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre HALOG CAPILAR?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.