MITOCIN

B-MS

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Mitocin

cada frasco-ampola contém 5 mg de mitomicina Csob a forma de pó liofilizado1.

Posologia e Administração de Mitocin

Mitocin deve ser administrado com cuidado para se evitar o extravasamento do composto. Caos isso ocorra, pode resultar em celulite2, ulceração3 e necrose4. Reconstituição: para reconstituir o produto, adicionar 10 ml de água estéril para injeção5 ao frasco-ampola (5 mg), para resultar em uma concentração de 0,5 mg/ml. Agite para dissolver. Se o produto não se dissolver imediatamente, mantê-lo à temperatura ambiente até a obtenção da solução. Devem ser considerados os procedimentos quanto à manipulação e descarte das drogas anticâncer. Já foram publicados vários guias sobre este assunto. Administração intravenosa: após a recuperação hematológica completa de qualquer quimioterapia6 anterior, pode-se administrar 20 mg/m2 intravenosamente em dose única através de um cateter intravenoso, em intervalos de 6 a 8 semanas. Devido à mielodepressão cumulativa, os pacientes devem ser completamente reavaliados após cada ciclo de Mitocin e a dose reduzida, se o mesmo apresentar qualquer toxicidade7 (vide guia para ajuste de dose). Doses superiores a 20 mg/m2 não têm se mostrado mais eficazes, além do que são mais tóxicas que as doses menores. Não se deve administrar outra dose da droga até que a contagem de leucócitos8 retorne a 4.000/mm3 e de plaquetas9 a 100.000/mm3. O seguinte esquema é sugerido como guia para ajuste da dose. Nadir após a dose anterior: leucócitos8 (/mm3) > 4.000; plaquetas9 (/mm3) > 100.000; percentagem da dose anterior a ser administrada 100%. Leucócitos8 (/mm3) 3.000-3.999; plaquetas9 (/mm3) 75.000-99.999; percentagem da dose anterior a ser administrada 100%. Leucócitos8 (/mm3) 2.000-2.999; plaquetas9 (/mm3) 25.000-74.999; percentagem da dose anterior a ser administrada 70%. Leucócitos8 (/mm3) < 2.000; plaquetas9 (/mm3) < 25.000; percentagem da dose anterior a ser administrada 50%. Quando o Mitocin é usado em combinação com outros agentes mielodepressivos, as doses devem ser ajustadas de acordo. Se a doença continuar a ter progressao após 2 ciclos de tratamento, a droga deve ser descontinuada, visto que as chances de resposta são mínimas. Administração intravesical: a dosagem intravesical recomendada é 20 a 40 mg na concentração de 1 mg/ml em água estéril, via intravesical 1 vez por semana durante 8 semanas. Os pacientes devem se abster de líquidos por 12 horas antes da terapia. O paciente é cateterizado, a bexiga10 é drenada e Mitocin é instilado. A solução deve ser mantida por 2 horas. O paciente deve alterar sua posição a cada 15 minutos para permitir uma área de contato máximo. - Superdosagem: não se conhece antidoto11 específico para a mitomicina. O controle de uma superdose deverá incluir medidas de suporte gerais para alívio do paciente em qualquer período de toxicidade7 que possa ocorrer. Estabilidade: quando armazenado à temperatura ambiente (15 a 30ºC) e protegido da luz, Mitocin não reconstituído é estável até a data de validade indicada no cartucho. Evitar calor excessivo (acima de 40ºC). Quando reconstituído com água estéril para injeção5 a uma concentração de 0,5 mg/ml, Mitocin é estável por 14 dias, quando refrigerado (2 a 8ºC), ou por 7 dias à temperatura ambiente (15 a 30ºC). Proteger da luz. Quando reconstituído com água estéril para injeção5 para uma concentração de 1 mg/ml, Mitocin é estável por 7 dias em temperatura ambiente (25ºC). Se partículas não dissolvidas aparecerem após a reconstituição, aquecer levemente o frasco-ampola, sob agitação. Soluções de Mitocin em concentração de 1 mg/ml não devem ser guardadas sob refrigeração, com risco de ocorrer precipitação. A associação do Mitocin (5 a 15 mg) e heparina (1.000 a 10.000 unidades) em 30 ml de soro12 fisiológico13 a 0,9% é estável por 48 horas à temperatura ambiente. Quando diluido em vários líquidos para injeção5 intravenosa, a temperatura ambiente (15 a 30ºC), para uma concentração de 20 a 40 Ág/ml, a estabilidade e a seguinte: líquidos para injeção5 I.V.: soro12 glicosado a 5%, estabilidade de 3 horas; soro12 fisiológico13 a 0,9%, estabilidade de 12 horas; solução de lactato14 de sódio para injeção5, estabilidade 24 horas.

Precauções de Mitocin

Mitocin deve ser administrado sob a supervisão de um médico qualificado e com experiência no uso de agentes quimioterápicos do câncer15. A devida conduta do tratamento e em complicações somente é possível quando se faz um diagnóstico16 adequado e os recursos de tratamento estão prontamente disponíveis. O uso do Mitocin resulta em uma alta incidência17 de depressão medular, particularmente trombocitopenia18 e leucopenia19. A trombocitopenia18 pode levar à hemorragia20, e a leucopenia19 contribui para o aparecimento de infecções21 em um paciente já comprometido. Houve relatos de obitos devido à septicemia22 como resultado de leucopenia19. Pode ser necessário um ajuste de dosagem de acordo com o nadir de contagem. Portanto, os seguintes exames devem ser obtidos repetidamente durante o tratamento e por pelo menos 8 semanas após o mesmo: contagem de plaquetas9, contagem e diferencial de leucócitos8 e hemoglobina23. Quando o número de plaquetas9 for inferior a 100.000/mm3 ou o de leucócitos8 for inferior a 4.000/mm3 ou ainda, ocorrer um declínio progressivo em qualquer um dos dois, é uma indicação para a suspensão da terapia até que a contagem sangüínea se recupere acima destes níveis. A síndrome24 hemolítica urêmica (SHU) é uma complicação grave de quimioterapia6, que consiste primariamente de anemia hemolítica25 microangiopática, trombocitopenia18 e insuficiência renal26 irreversível, tendo sido relatada em pacientes recebendo Mitocin via sistêmica. A síndrome24 pode ocorrer a qualquer momento durante a terapia sistêmica com Mitocin, agente único, ou em combinação com outros agentes citotóxicos27; entretanto, a maioria dos casos ocorre com doses maior ou igual a 60 mg de Mitocin. A transfusão28 de sangue29 pode exacerbar os sintomas30 associados a esta síndrome24. A incidência17 desta síndrome24 não foi definida. Os pacientes devem ser alertados sobre a toxicidade7 potencial desta droga, em particular, a depressão medular. Os pacientes deverão ser instruídos sobre a sintomatologia relevante e aconselhados sobre a importância de se notificar prontamente os médicos em caso de desenvolvimento deste sintoma31. Os pacientes que estejam em tratamento com o Mitocin devem ser observados quanto à ocorrência de toxicidade7 renal32. O produto não deve ser administrado a pacientes com taxa de creatinina33 sérica superior a 1,7 mg/dl34 (150 Ámol/l). Falta de ar aguda e broncospasmo severo têm sido relatados após administração de alcalóides da vinca em pacientes que tenham recebido Mitocin prévia ou simultaneamente. O início desta angústia respiratória aguda pode ocorrer em minutos ou horas após a injeção5 de alcalóide da vinca. O número total de doses tem variado consideravelmente para cada droga. Broncodilatadores35, esteróides e/ou oxigênio produziram alívio sintomático36. Poucos casos de síndrome24 de angústia respiratória em adultos têm sido relatados em pacientes recebendo Mitocin em combinação com outros agentes quimioterápicos, mantidos a concentrações de FIO2 maiores do que 50% peroperatoriamente. Portanto deve-se ter cautela e deve-se usar somente oxigênio suficiente para fornecer saturação arterial adequada, uma vez que o oxigênio por si só pode ser tóxico para os pulmões37. Especial atenção deve ser dada ao balanço de fluidos devendo-se evitar a super-hidratação. Uso na gravidez38: o uso seguro do Mitocin durante a gravidez38 não está estabelecido. Alterações teratogênicas têm sido observadas em estudos animais. O efeito do Mitocin na fertilidade é desconhecido. Lactação39: não se sabe se a mitomicina é excretada no leite humano. Recomenda-se que as mulheres em tratamento com mitomicina não amamentem, devido ao potencial da droga em provocar reações adversas nos lactentes40.

Reações Adversas de Mitocin

hematológicas: a mielodepressão foi a toxicidade7 mais comum e mais séria observada. A trombocitopenia18 e/ou leucopenia19 podem ocorrer a qualquer momento dentro de 8 semanas após o início do tratamento, com um tempo médio de 4 semanas. A recuperação após o término da terapia ocorre dentro de 10 semanas. Cerca de 25% dos episódios de leucopenia19 ou trombocitopenia18 não se resolvem. O Mitocin produz mielodepressão cumulativa. Pele41 e membranas mucosas42: celulite2 no local da injeção5 tem sido registrada e pode ser ocasionalmente severa. O evento dermatológico mais importante é necrose4 e conseqüente morte do tecido43, fato que acontece quando a droga extravasa durante a injeção5. O extravasamento pode ocorrer com ou sem uma concomitante sensação de queimação ou ardor44 e, ainda, se houver retorno sangüíneo adequado quando a agulha da injeção5 é aspirada. Aparecimento retardado de eritema45 e/ou ulceração3 têm sido observados tanto no local da injeção5, como a distância, semanas a meses após a administração da droga, mesmo quando não forem observadas evidências óbvias de extravasamento por ocasião da administração. Em alguns casos tem sido necessário o enxerto46 da pele41. Estomatite47 e alopecia48 também ocorrem frequentemente. Erupções cutâneas49 foram raramente registradas. Renais: parece não haver relação entre a dose total administrada ou duração da terapia e o grau de insuficiência renal26. Síndrome24 hemolítica uremica (SHU): esta complicação grave de quimioterapia6, que consiste principalmente de anemia hemolítica25 microangiopática (hematócrito50 menor ou igual a 25%), trombocitopenia18 (menor ou igual a 100.000/mm3), e insuficiência renal26 irreversível (creatinina33 sérica maior ou igual a1,6 mg/dl34 ou 140 Ámol/l), tem sido relatada em pacientes recebendo Mitocin por via sistêmica. Hemólise51 microangiopática com eritrócitos52 fragmentados visto em esfregacos de sangue29 periférico ocorrem em 98% dos pacientes com esta síndrome24. Outras complicações menos frequentes da síndrome24 podem incluir edema pulmonar53, anormalidades neurológicas e hipertensão54. Relata-se exacerbação dos sintomas30 associados com a SHU em alguns pacientes recebendo transfusões de produtos do sangue29. A incidência17 da síndrome24 não foi definida. Associa-se uma alta taxa de mortalidade55 com esta síndrome24. A síndrome24 pode ocorrer a qualquer momento durante a terapia sistêmica com Mitocin, agente único, ou em combinação com outras drogas citotóxicas. Menos frequentemente, é relatada em pacientes recebendo combinações de drogas citotóxicas que não incluem o Mitocin. Conseqüentemente pacientes recebendo doses maiores ou iguais a 60 mg de Mitocin devem ser acompanhados de perto na ocorrência de anemia56 inexplicada, com células57 fragmentadas em esfregacos de sangue29 periférico, trombocitopenia18 e função renal32 diminuída. Pulmonares: eventos pulmonares ocorrem infreqüentemente, mas toxicidade7 pode ser grave e com risco de vida. Dispnéia58 com tosse seca e evidência radiográfica de infiltrados pulmonares podem ser indicativos de toxicidade7 pulmonar induzida pelo Mitocin. Se outras etiologias forem descartadas, a terapia com a droga deve ser descontinuada. Emprega-se corticosteróides no tratamento desta toxicidade7, mas seu valor terapêutico não foi determinado. Poucos casos de síndrome24 de angústia respiratória em adultos são relatados em pacientes recebendo Mitocin em combinação com outros agentes quimioterápicos e mantidos a concentrações de FIO2 maiores do que 50% peroperatoriamente. Cardiacas: relata-se, com rara frequência, insuficiência cardíaca congestiva59, que responde à terapia convencional60. Quase todos os pacientes que apresentaram esse efeito colateral61 haviam recebido tratamento prévio com doxorrubicina. Efeitos colaterais62 agudos causados por Mitocin: febre63, anorexia64, náusea65 e vômito66. Outras reações adversas registradas durante a terapia com Mitocin: cefaléia67, visão68 turva, confusão mental, sonolência, síncope69, fadiga70, edema71, tromboflebite72, hematêmese73, diarréia74 e dor. Estes não pareciam estar relacionados com a dose e não ficou esclarecido se estavam relacionados com a droga ou se estavam relacionados com processos primários ou metastáticos da doença. Administração intravesical: irritação geniturinária, incluindo disúria75, noctúria, freqüência de micção76 aumentada, hematúria77 e outros sintomas30 de irritação local, erupções e prurido78 nas mãos79 e na área genital.

Contra-Indicações de Mitocin

pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade ou reação idiossincrática à droga ou a qualquer outro componente de sua formulação no passado. Também é contra-indicado a pacientes com trombocitopenia18, distúrbios de coagulação80, ou que apresentem uma tendência crescente à hemorragia20 devida a outras causas.

Indicações de Mitocin

tratamento do adenocarcinoma81 do estômago82 ou pâncreas83, em combinações comprovadas com outros agentes quimioterápicos aprovados, e ainda como tratamento paliativo84 quando outras modalidades tenham falhado. Mitocin, como agente único, é indicado para o tratamento tópico85 do carcinoma86 superficial de células57 de transição da bexiga urinária87 (sem invasão além da lâmina própria). Mitocin não é recomendado como substituto de cirurgia e/ou radioterapia88 apropriadas.

Apresentação de Mitocin

embalagem com 1 frasco-ampola.


MITOCIN - Laboratório

B-MS
Rua Carlos Gomes, 924
São Paulo/SP - CEP: 04743-002
Tel: 55 (011) 882-2000
Fax: 55 (011) 246-0151
Site: http://www.bristol.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "B-MS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.
2 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
3 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
4 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
5 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
6 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
7 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
8 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
9 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
10 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
11 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
12 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
13 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
14 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
15 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
18 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
19 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
20 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
21 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
22 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
23 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
24 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
25 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
26 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
27 Citotóxicos: Diz-se das substâncias que são tóxicas às células ou que impedem o crescimento de um tecido celular.
28 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
29 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
30 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
31 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
32 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
33 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
34 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
35 Broncodilatadores: São substâncias farmacologicamente ativas que promovem a dilatação dos brônquios.
36 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
37 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
38 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
39 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
40 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
41 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
42 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
43 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
44 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
45 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
46 Enxerto: 1. Na agricultura, é uma operação que se caracteriza pela inserção de uma gema, broto ou ramo de um vegetal em outro vegetal, para que se desenvolva como na planta que o originou. Também é uma técnica agrícola de multiplicação assexuada de plantas florais e frutíferas, que permite associar duas plantas diferentes, mas gerações próximas, muito usada na produção de híbridos, na qual uma das plantas assegura a nutrição necessária à gema, ao broto ou ao ramo da outra, cujas características procura-se desenvolver; enxertia. 2. Na medicina, é a transferência especialmente de células ou de tecido (por exemplo, da pele) de um local para outro do corpo de um mesmo indivíduo ou de um indivíduo para outro.
47 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
48 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
49 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
50 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
51 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.
52 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
53 Edema pulmonar: Acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Pode levar a dificuldades nas trocas gasosas e dificuldade respiratória.
54 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
55 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
56 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
57 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
58 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
59 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
60 Terapia convencional: Termo usado em triagens clínicas em que um grupo de pacientes recebe tratamento para diabetes que mantêm os níveis de A1C (hemoglobina glicada) e de glicemia sangüínea nas medidas estipuladas pelos protocolos práticos em uso. Entretanto, o objetivo não é manter os níveis de glicemia o mais próximo possível do normal, como é feito na terapia intensiva. A terapia convencional inclui o uso de medicações, o planejamento das refeições e dos exercícios físicos, juntamente com visitas regulares aos profissionais de saúde.
61 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
62 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
63 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
64 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
65 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
66 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
67 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
68 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
69 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
70 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
71 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
72 Tromboflebite: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
73 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
74 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
75 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
76 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
77 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
78 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
79 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
80 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
81 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
82 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
83 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
84 Paliativo: 1. Que ou o que tem a qualidade de acalmar, de abrandar temporariamente um mal (diz-se de medicamento ou tratamento); anódino. 2. Que serve para atenuar um mal ou protelar uma crise (diz-se de meio, iniciativa etc.).
85 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
86 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
87 Bexiga Urinária: Saco musculomembranoso ao longo do TRATO URINÁRIO. A URINA flui dos rins (KIDNEY) para dentro da bexiga via URETERES (URETER) e permanece lá até a MICÇÃO. Sinônimos: Bexiga
88 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.

Tem alguma dúvida sobre MITOCIN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.