ETOPOSIDO

BIOSINTETICA

Atualizado em 08/12/2014


Advertência do Etoposido

. Etoposido deve ser administrado sob a supervisão de um médico qualificado, com experiência no uso de agentes quimioterápicos. Pode ocorrer mielossupressão severa, com infecção1 e sangramento resultantes.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Formas Farmacêuticas e Apresentações do Etoposido

Ampolas contendo 100 mg de Etoposido em 5 ml de solução aquosa para administração exclusivamente intravenosa por infusão. Embalagens contendo 10 ampolas.

Composições do Etoposido

Cada 1 ml de solução injetável I.V. contém:

Etoposido .................... 20 mg

Veículo q.s.p. .................... 1 ml


Informações ao Paciente do Etoposido

. Conservar o produto longe do calor excessivo e protegido da luz e umidade.

. O prazo de validade encontra-se impresso no cartucho; não use o produto com prazo de validade vencido.

. ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA é indicado para o tratamento paliativo2 e/ou adjuvante das neoplasias3 embrionárias de testículo4, da neoplasia5 de pulmão6 de pequenas células7, dos linfomas Hodgkin e não-Hodgkin, das leucemias agudas e de outras moléstias neoplásicas8.

. Podem ocorrer reações desagradáveis como: náuseas9, vômitos10, queda de cabelo11, queda de pressão arterial12, problemas sangüíneos, formigamento nas extremidades e reações do tipo alérgico.

. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

. NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE13.

Informações Técnicas do Etoposido

O Etoposido é um derivado semi-sintético da podofilotoxina, pouco hidrossolúvel. Este fármaco14, em baixas concentrações (0,3 a 10 mg/ml), inibe a entrada na prófase das células7 neoplásicas8, muito provavelmente por ação sobre a topoisomerase II. Em altas concentrações (10 mg/ml ou mais), observa-se a lise15 de células7 entrando na mitose. O efeito macromolecular predominante parece ser a inibição da síntese de DNA. Após administração oral, verifica-se uma rápida absorção (de meia a duas horas). A distribuição no líquor16 é variável e fraca; o Etoposido se distribui preferencialmente no fígado17, rins18, cérebro19, coração20 e intestinos21. O fármaco14 é caracterizado por um processo bifásico, com uma meia-vida de distribuição de aproximadamente 1,5 horas e meia-vida de eliminação terminal entre 4 a 11 horas, após administração intravenosa. Os valores de clearance corporal encontram-se numa faixa de valores que varia de 33 a 48 ml/min ou 16 a 36 ml/min/m².Aproximadamente 94% do produto acoplam-se às proteínas22 plasmáticas. Etoposido não se acumula no plasma23 com administração diária de 100 mg/m², durante 4 a 5 dias. Após perfusão I.V., sua eliminação urinária é da ordem de 42 a 67%, dos quais 8 a 35% de forma inalterada; sua eliminação fecal é da ordem de 0 a 16%. Em crianças 55% da dose é eliminada na urina24 em 24 horas. O clearance renal25 médio vai de 7 a 10 ml/min/m². O valor médio da biodisponibilidade da cápsula oral é de aproximadamente 50% (varia de 25 a 75%). A depuração do Etoposido é mais ou menos o mesmo do da creatinina26, havendo necessidade de ajuste da posologia em caso de insuficiência renal27. Não há alterações da excreção frente à insuficiência hepática28.

Indicações do Etoposido

ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA está indicado em carcinomas embrionários do testículo4, nas neoplasias3 pulmonares de pequenas células7, nos linfomas Hodgkin e não-Hodgkin, nas leucemias agudas, nos coriocarcinomas placentários e nas neoplasias3 de mama29 recidivadas.

Contra-Indicações do Etoposido

Hipersensibilidade ao Etoposido, na gravidez30 e na lactação31. Etoposido não deve ser administrado por injeção32 intracavitária.

PRECAUÇÕES

Pacientes sendo tratados com Etoposido devem ser freqüentemente observados quanto à mielossupressão, durante e após a terapia. A mais significativa toxicidade33 associada ao tratamento é a supressão de medula óssea34 (relaciona-se com as doses).

Antes do início da terapia e antes de terapias posteriores, recomenda-se a realização dos seguintes testes: contagem de plaquetas35, hemoglobina36, contagem de células7 brancas e diferencial. Para realizar uma terapia posterior, a contagem de plaquetas35 ou de neutrófilos37 absoluta não deve ser inferior a 50.000/mm³.

Podem ocorrer reações anafiláticas38, cujo tratamento é sintomático39, usando anti-histamínicos corticosteróides ou agentes para manter a pressão arterial12 ou expansores de volume.

O ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA é de emprego exclusivamente hospitalar. O médico prescritor deve avaliar a necessidade e utilidade da droga ante os riscos de reações adversas quando se considerar o uso do Etoposido. Contagens sangüíneas completas periódicas devem ser realizadas antes, durante e depois da terapia. Deve-se manter um controle estrito sobre a crase sangüínea e hematopoiese, pois pode existir mielossupressão. Em presença de uma leucopenia40 abaixo de 3.000 leucócitos41 por mm³ e de uma trombocitopenia42 abaixo de 100.000 plaquetas35 por mm³, deve-se pesar sempre o risco e o benefício de se utilizar o ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA. Em casos de insuficiência renal27 estabelecida, deve-se reduzir as doses administradas. Caso ocorram reações severas a dosagem deve ser reduzida ou a droga deve ser descontinuada e medidas apropriadas devem ser tomadas. A reintrodução do Etoposido deve ser feita com cautela, uma vez que pode ocorrer recorrência43 de toxicidade33.

As ampolas de ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA (solução injetável) devem ser empregadas única e exclusivamente por via intravenosa, através sempre de infusão contínua lenta (geralmente num período de 30 a 60 minutos), uma vez que hipotensão44 pode ser efeito colateral45 em injeções intravenosas rápidas..


Gravidez30 e Lactação31 do Etoposido

É teratogênico46 e embriotóxico em ratos e camundongos. Pode causar danos fetais quando administrado em mulheres grávidas. Se Etoposido for usado durante a gravidez30 ou se a paciente engravidar durante o tratamento com esta droga, a paciente deve ser advertida sobre os riscos em potencial para o feto47. Mulheres em idade fértil também devem ser avisadas sobre os riscos.

Não se sabe ao certo se o Etoposido é excretado no leite materno. Devido ao risco em potencial de sérias reações adversas nos lactentes48, deve-se considerar a descontinuação do aleitamento ou a descontinuação do tratamento, levando-se em conta a importância da terapia para a mãe.

Interações Medicamentosas do Etoposido

Na ausência de estudos mais específicos sobre uma possível interação do Etoposido e outros fármacos, deve-se evitar associar o ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA a demais medicamentos em perfusão simultânea.

Reações Adversas do Etoposido

Toxicidade33 hematológica: mielossupressão, com nadir granulocitário ocorrendo em 7 a 14 dias e nadir plaquetário ocorrendo em 9 a 16 dias após administração da droga. A recuperação da medula óssea34 ocorre em aproximadamente 20 dias. A ocorrência de leucemia49 aguda, com ou sem uma fase pré-leucocitária, tém sido relatada em poucos casos, em terapia associada. Leucopenia40, trombocitopenia42 e anemia50 reversíveis.

Toxicidade33 gastrintestinal: náusea51 e vômito52, que podem ser controlados com terapia antiemética.São mais freqüentes com terapia oral. Podem também ocorrer anorexia53, diarréia54 e estomatite55.

Hipotensão44: ocorre hipotensão arterial56 em caso de injeção32 I.V. muito rápida; não está associada com toxicidade33 cardíaca ou alterações eletrocardiograficas.

Reações alérgicas: podem ocorrer reações do tipo anafiláticas, caracterizadas por febre57, taquicardia58, hipertensão59, broncoespasmo60, dispnéia61 e/ou hipotensão44. Essas reações, contudo, podem ser fatais. As vezes ocorrem tosse, diaforese62, cianose63, laringoespasmo, dor nas costas64 e/ou perda de consciência, além de hipersensibilidade associada a apnéia65. Raros casos de anafilaxia66 broncopulmonar (2% dos casos).

Alopecia67 reversível.

Outras toxicidades: parestesias68 periféricas, febre57, pigmentação, dor abdominal, constipação69, disfagia70, cegueira cortical transitória e neurite71 ótica, toxicidade33 hepática72 e acidose73 (em pacientes recebendo doses maiores que as recomendadas), neurotoxicidade periférica.

Posologia do Etoposido

Via parenteral (I.V.): O ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA deve ser administrado na dose de uma ampola diluída em 250 ml de soro74 glicosado ou fisiológico75, para perfusão de aproximadamente 2 horas de duração. A dose é de 50 a 100 mg/m² nas 24 horas, durante 1 a 5 dias, conforme o protocolo utilizado.

Os cursos de terapia só devem ser repetidos após intervalos de 3 a 4 semanas, após recuperação completa de qualquer toxicidade33.

A dosagem e via de administração devem ser ajustadas levando-se em conta a mielossupressão, os efeitos de outras drogas usadas em combinação ou os efeitos de quimioterapia76 e radioterapia77 anterior, que podem ter comprometido a reserva da medula óssea34.

Ao manipular a solução, recomenda-se o uso de luvas. Se ocorrer contato da solução com a pele78 ou mucosa79, deve-se lavar a região com água e sabão.

ATENÇÃO: Nunca injetar-se diretamente o ETOPOSIDO BIOSINTÉTICA na veia (sempre por infusão).

Conduta na Superdosagem do Etoposido

Não são conhecidos antídotos específicos para o etoposide. Sabe-se que esta droga não é dialisável.


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

ETOPOSIDO - Laboratório

BIOSINTETICA
Rua Periquito, 236 - Vl. Uberabinha
São Paulo/SP - CEP: 04514-050
Tel: 55 (011) 5561-2614
Fax: 55 (011)5561-2072
Site: http://www.biosintetica.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "BIOSINTETICA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Paliativo: 1. Que ou o que tem a qualidade de acalmar, de abrandar temporariamente um mal (diz-se de medicamento ou tratamento); anódino. 2. Que serve para atenuar um mal ou protelar uma crise (diz-se de meio, iniciativa etc.).
3 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
4 Testículo: A gônada masculina contendo duas partes funcionais Sinônimos: Testículos
5 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
6 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Neoplásicas: Que apresentam neoplasias, ou seja, que apresentam processo patológico que resulta no desenvolvimento de neoplasma ou tumor. Um neoplasma é uma neoformação de crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido, mediante proliferação celular.
9 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
10 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
11 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
12 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
15 Lise: 1. Em medicina, é o declínio gradual dos sintomas de uma moléstia, especialmente de doenças agudas. Por exemplo, queda gradual de febre. 2. Afrouxamento, deslocamento, destruição de aderências de um órgão. 3. Em biologia, desintegração ou dissolução de elementos orgânicos (tecidos, células, bactérias, microrganismos) por agentes físicos, químicos ou enzimáticos.
16 Líquor: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
17 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
18 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
19 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
20 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
21 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
22 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
23 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
24 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
25 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
26 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
27 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
28 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
29 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
30 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
31 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
32 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
33 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
34 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
35 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
36 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
37 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
38 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
39 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
40 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
41 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
42 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
43 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
44 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
45 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
46 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
47 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
48 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
49 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
50 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
51 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
52 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
53 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
54 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
55 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
56 Hipotensão arterial: Diminuição da pressão arterial abaixo dos valores normais. Estes valores normais são 90 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 50 milímetros de pressão diastólica.
57 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
58 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
59 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
60 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
61 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
62 Diaforese: Sudação, transpiração intensa.
63 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
64 Costas:
65 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
66 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
67 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
68 Parestesias: São sensações cutâneas subjetivas (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação.
69 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
70 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
71 Neurite: Inflamação de um nervo. Pode manifestar-se por neuralgia, déficit sensitivo, formigamentos e/ou diminuição da força muscular, dependendo das características do nervo afetado (sensitivo ou motor). Esta inflamação pode ter causas infecciosas, traumáticas ou metabólicas.
72 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
73 Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
74 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
75 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
76 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
77 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
78 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
79 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.

Tem alguma dúvida sobre ETOPOSIDO?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.