DESPACILINA

B-MS

Atualizado em 08/12/2014

Composição da Despacilina

cada frasco-ampola contém: benzilpenicilinaprocaína 300.000 U; benzilpenicilina potássica 100.000 U.

Posologia e Administração da Despacilina

Despacilina é para exclusivo uso intramuscular profundo; preferivelmente deve ser aplicada no quadrante superior externo da nádega. Parar de injetar se o paciente apresentar dor abrupta de grande intensidade. Nas infecções1 de leve a moderada gravidade, causadas por agentes sensíveis à penicilinoterapia, a dose varia de 1 frasco-ampola por via intramuscular a cada 12 ou 24 horas; a critério médico, dose maior poderá ser recomendada. Nos casos de difteria2 (como complemento de - 300.000 a 600.000 unidades de antitoxina) e escarlatina ou outras infecções1 estreptocócicas do grupo A, o tratamento deve ser mantido por 10 dias.

Precauções da Despacilina

a Despacilina é indicada para aplicação exclusivamente intramuscular. As penicilinas devem ser usadas com cuidado nos indivíduos com história ou antecedentes alérgicos cutâneos ou respiratório (asma3). O uso prolongado e com doses elevadas de antibióticos poderá provocar exacerbação do crescimento de fungos e cepas4 resistentes, nestes casos tratamento complementar deverá ser instituído. Nos casos de gonorréia5 devemos ter em mente que o paciente também poderá ter sífilis6, a qual requer tratamento específico.

Reações Adversas da Despacilina

reações cutâneas7 adversas decorrentes de hipersensibilidade: exantema8, erupções maculopapular9 ou esfoliativa, urticária10. Reações sistêmicas tais como: febre11, calafrios12, edema13, artralgia14, desconforto respiratório, edema angioneurótico15 (choque anafilático16 de evolução imprevisível), podem ocorrer em pacientes muito alérgicos ou nos com sensibilidade prévia à penicilina, seus derivados ou cefalosporinas.

Contra-Indicações da Despacilina

pacientes com história pregressa de hipersensibilidade à penicilina, seus derivados ou às cefalosporinas. - Avisos: reações alérgicas de maior gravidade e ocasionalmente fatais (choque anafilático16) têm sido relatadas em pacientes hipersensíveis à penicilina, seus derivados ou às cefalosporinas. Na ocorrência de tais reações, o tratamento emergencial imediato é requerido, empregando-se adrenalina17 (epinefrina), solução 1:1.000. (0,3 a 0,5 ml) subcutânea18, corticosteróide endovenoso, oxigenoterapia e supervisão médica. Estas manifestações ocorrem com mais freqüência em indivíduos sensíveis a múltiplos alérgenos19. A injeção intramuscular20 deve ser feita com bastante cuidado para evitar aplicação em áreas com grandes vasos ou nervos, pois a aplicação inadvertidamente intra-arterial ou intraneural (nervo) pode levar a serias complicações vasoneuromusculares, com risco de lesão21 neurológica permanente. Antes de aplicar, aspirar, para verificar possível refluxo sangüíneo, ou mudar de local se a introdução da agulha provocou dor abrupta e intensa. O quadrante superior externo das nádegas22 é considerado a área mais segura para aplicação de antibióticos ou drogas por via intramuscular profunda.

Indicações da Despacilina

infecções1 das vias aéreas superiores e inferiores, pneumopatias e infecções1 de pele23 de leve a moderada gravidade, sensíveis à penicilinoterapia que respondem aos níveis séricos obtidos pela aplicação diária de 1 ampola a cada 12 a 24 horas. Os agentes causais de infecções1 das vias aéreas superiores e inferiores, pele23 e tecidos moles, escarlatina, erisipela24: os estreptococos dos grupos A - C - G - H - L - M são muito sensíveis às penicilinas. O Streptococcus faecalis (grupo D) é habitualmente resistente. Infecções1 pneumocócicas do trato respiratório são bastante sensíveis à penicilinoterapia. As infecções1 mais graves tais como: meningite25, bacteremias, empiema26, peritonites e pericardites27 por pneumococos requerem tratamentos com penicilina G cristalina em doses maiores e de aplicação endovenosa com o paciente hospitalizado. Infecções1 estafilocócicas que habitualmente respondem à penicilina tem que ser confirmadas por antibiograma, frente ao crescente desenvolvimento de cepas4 penicilinorresistentes. As infecções1 com coleções purulentas28 causadas por estafilococos e outros agentes, mesmo os sensíveis à penicilina ou a outro agente antibacteriano requerem drenagem29 cirúrgica. Outras infecções1 causadas por N. gonorrhoeae, C. diphtheriae (associada à antitoxina), fusoespiroquetas (gengivite30 e faringite31 de Vincent) e por Treponema pallidum (sífilis6), habitualmente respondem ao tratamento com penicilina, porém requerem esquemas posológicos especiais.

Apresentação da Despacilina

Despacilina 400.000 U é apresentada em caixas com 100 frascos-ampola, acompanhados de diluente contendo 2 ml de água bidestilada para injeção32.


DESPACILINA - Laboratório

B-MS
Rua Carlos Gomes, 924
São Paulo/SP - CEP: 04743-002
Tel: 55 (011) 882-2000
Fax: 55 (011) 246-0151
Site: http://www.bristol.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "B-MS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Difteria: Doença infecto-contagiosa que afeta as vias respiratórias superiores, caracterizada pela produção de uma falsa membrana na garganta como resultado da ação de uma toxina bacteriana. Este microorganismo é denominado Corinebacterium difteriae, e é capaz de produzir doença neurológica e cardíaca também.Atualmente, está disponível uma vacina eficiente (a tríplice ou DPT) para esta doença, que tem tornado-se rara.
3 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
4 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
5 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
6 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
7 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
8 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
9 Maculopapular: Erupção cutânea que se caracteriza pelo aparecimento de manchas e de pápulas de tonalidade avermelhada, geralmente observada no sarampo ou na rubéola.
10 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
11 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
12 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
13 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
14 Artralgia: Dor em uma articulação.
15 Edema angioneurótico: Ataques recidivantes de edema transitório que aparecem subitamente em áreas da pele, membranas mucosas e ocasionalmente nas vísceras, geralmente associadas com dermatografismo, urticária, eritema e púrpura.
16 Choque anafilático: Reação alérgica grave, caracterizada pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação, acompanhado ou não de edema de glote. Necessita de tratamento urgente. Pode surgir por exposição aos mais diversos alérgenos.
17 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.
18 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
19 Alérgenos: Substância capaz de provocar reação alérgica em certos indivíduos.
20 Injeção intramuscular: Injetar medicamento em forma líquida no músculo através do uso de uma agulha e seringa.
21 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
22 Nádegas:
23 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
24 Erisipela: Infecção cutânea que afeta a derme e o tecido celular subcutâneo, produzida por uma bactéria denominada estreptococo e que se manifesta por febre, aumento da temperatura local, dor e espessamento da pele afetada.
25 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
26 Empiema: Coleção de pus na cavidade pleural.
27 Pericardites: Inflamação da membrana que recobre externamente o coração e os vasos sanguíneos que saem dele. Os sintomas dependem da velocidade e grau de lesão que produz. Variam desde dor torácica, febre, até o tamponamento cardíaco, que é uma emergência médica potencialmente fatal.
28 Purulentas: Em que há pus ou cheio de pus; infeccionadas. Que segrega pus. No sentido figurado, cuja conduta inspira nojo; repugnante, asqueroso, sórdido.
29 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
30 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
31 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
32 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.

Tem alguma dúvida sobre DESPACILINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.