VINCRISTINA

Pharmacia & Upjohn Ltda.

Atualizado em 09/12/2014

Composição da Vincristina

cada frasco-ampola de liofilizado1 contém:sulfato de vincristina 1 mg. Lactose2 10 mg. Cada frasco-ampola de diluente contém: cloreto de sódio 90 mg, álcool benzílico 90 mg, água para injeção3 q.s.p. 10 ml.

Posologia e Administração da Vincristina

o sulfato de vincristina só deve ser administrado por via intravenosa e a intervalos semanais. O sulfato de vincristina usado associado com corticosteróides representa atualmente o tratamento de escolha para induzir a remissão da leucemia4 em crianças. A dose usual para crianças é de 2 mg/m2 de superfície corpórea, semanalmente. Nos adultos o tratamento inicia com doses de 0,01 mg/kg de peso corpóreo. Após a observação do paciente durante 1 semana, a dose é elevada por aumentos semanais de 0,01 mg/kg até que seja alcançada a resposta desejada ou até que seja verificada toxicidade5. Pacientes adultos com carcinomas ou linfomas freqüentemente respondem a doses semanais de 0,02 a 0,05 mg/kg. Quando usada com outras drogas, por exemplo, no regime MOPP, a dose recomendada de Vincristina é de 1 a 1,5 mg/m2 de superfície corpórea. Doses elevadas de Vincristina são mais bem toleradas por crianças com leucemia4 do que por adultos, que podem apresentar toxicidade5 neurológica grave. A administração da substância, com freqüência maior do que uma vez por semana ou em doses maiores, parece aumentar as manifestações tóxicas sem melhora proporcional do índice de respostas. - Atenção: deve-se observar cautela extrema no cálculo6 e na administração da dose, uma vez que a superdosagem pode ocasionar acidentes graves ou fatais. É extremamente importante que a agulha esteja corretamente posicionada na veia antes que a solução seja injetada, já que o extravasamento do líquido poderá causar considerável irritação; neste caso, a injeção3 deverá ser imediatamente interrompida e qualquer volume restante injetado em outra veia. A injeção3 local de hialuronidase e a aplicação de calor moderado no sítio do extravasamento ajudará a dispersar a substância, a reduzir o desconforto e a possibilidade de celulite7.

Precauções da Vincristina

a avaliação clínica é necessária para detectar a necessidade de modificação da dose, pois após a administração do sulfato de vincristina, alguns pacientes podem ter queda na contagem de leucócitos8 e plaquetas9, particularmente quando a terapia prévia ou a própria doença reduziu a função da medula óssea10. Recomenda-se fazer um hemograma completo antes da administração de cada dose. A ocorrência de leucopenia11 ou de infecção12 exige rigorosa ponderação antes de ser administrada a dose subseqüente. Diante do diagnóstico13 de leucemia4 do SNC14 outras drogas poderão ser necessárias, visto que o sulfato de vincristina não atravessa a barreira hematoencefálica em quantidades satisfatórias. Recomenda-se atenção especial quanto à posologia e efeitos colaterais15 neurológicos, no caso do sulfato de vincristina ser administrado a pacientes portadores de doença neuromuscular preexistente ou que estejam em uso de outras drogas com potencial neurotóxico. Durante a indução de remissão da leucemia4 aguda pode ocorrer uma elevação do ácido úrico. Assim sendo tais níveis devem ser determinados freqüentemente durante as 3 a 4 primeiras semanas de tratamento e medidas apropriadas devem ser tomadas para prevenir a nefropatia16 úrica.

Reações Adversas da Vincristina

em geral as reações adversas são reversíveis e relacionadas à dose: a alopecia17 é mais comum e os distúrbios neuromusculares, os mais desagradáveis. Neuromusculares: observa-se freqüentemente uma seqüência no desenvolvimento dos efeitos colaterais15 neuromusculares. Inicialmente, pode-se observar apenas diminuição sensorial e parestesias18. Com a continuação do tratamento podem aparecer dores neuríticas e, posteriormente, dificuldades motoras. Ainda não foi relatada a existência de um produto capaz de anular as manifestações musculares associadas à terapia com vincristina. Pacientes com afecções19 neurológicas preexistentes exibem freqüentemente exacerbação desses sintomas20 quando o produto é administrado. Convulsões, freqüentemente com hipertensão21, tem sido relatadas em alguns pacientes sob tratamento com vincristina. Ataxia22, paralisia23 do pé, parestesia24 e entorpecimento dos dedos também têm sido reportados. Gastrintestinais: a obstipação25 pode tomar a forma de bloqueio do cólon ascendente26, podendo encontrar-se o reto27 vazio ao exame proctológico28. A dor abdominal ou cólica na presença de um reto27 vazio pode confundir o médico. Uma radiografia simples do abdômen é útil para demonstrar esta condição, sendo que todos os casos têm respondido ao uso de laxativos29 e enemas30 altos. Recomenda-se regime profilático rotineiro contra a obstipação25, em todos os pacientes recebendo vincristina. Além da obstipação25, pode ocorrer íleo paralítico31, particularmente em crianças pequenas e em pessoas idosas. Este quadro, podendo mimetizar um abdômen cirúrgico, recuperar-se-á com a interrupção temporária do tratamento com o produto e com tratamento sintomático32. Cólicas33 abdominais, vômitos34 e diarréia35 têm sido relatados. Renais: pode ser observado aumento da retenção urinária36 nos pacientes mais idosos com graus variados de uropatia obstrutiva. É possível que alguns desses pacientes estejam recebendo outras medicações capazes de aumentar a retenção; neste caso, tais medicações deverão ser temporariamente interrompidas durante os primeiros dias após a administração de vincristina. Poliúria37 e disúria38 têm sido também reportadas. Hematológicos: a vincristina parece não exercer qualquer efeito persistente ou significativo sobre as plaquetas9 ou hemácias39. A trombocitopenia40, caso presente ao instituir-se a terapia com vincristina, pode realmente melhorar antes da remissão medular. Pacientes com função renal41 normal da medula óssea10 não revelam normalmente leucopenia11 significativa, quando tratados com as doses recomendadas de vincristina. Outras reações adversas relatadas incluem: perda de peso, febre42, manifestações de nervos cranianos, ulceração43 oral e dor de cabeça44. Tem sido observada a ocorrência de síndrome45 de secreção inadequada do hormônio46 antidiurético em pacientes tratados com vincristina, síndrome45 esta que tem sido descrita em associação com diversas doenças. Caracteriza-se por uma excreção elevada de sódio em presença de hiponatremia47 e com ausência de doença renal41 ou supra-renal48, hipotensão49, desidratação50, azotemia, edema51; a restrição hídrica proporcionará melhora na hiponatremia47 e na perda renal41 de sódio. Quando são administradas as doses semanais recomendadas, as reações adversas como leucopenia11, dor neurítica; constipação52 e dificuldade de andar são geralmente de curta duração (isto é, menos de 7 a 10 dias). Com a diminuição da dose, esses efeitos podem diminuir ou desaparecer, parecendo aumentar quando a quantidade calculada da droga é administrada em doses fracionadas. Outras reações adversas, tais como, alopecia17, perda de sensibilidade, parestesia24, marcha insegura, perda dos reflexos tendinosos profundos e desgaste muscular podem perdurar ao longo do tratamento. Na maioria dos casos desaparecem por volta da sexta semana após a descontinuação do tratamento, porém em alguns pacientes os distúrbios neuromusculares podem persistir por períodos mais prolongados. - Superdosagem: o tratamento de superdosagem deve incluir: prevenção dos efeitos da síndrome45 de hipossecreção de hormônio46 antidiurético através de restrição hídrica e talvez com o emprego de diurético53 que atue sobre a alça de Henle54 e túbulo distal55; administração de fenobarbital em doses anticonvulsivas; uso de catárticos para prevenir o íleo paralítico31; monitorização cardiovascular e hemogramas diários para orientação no caso de necessidade de transfusão56. Animais de laboratório podem ser protegidos de doses letais de vincristina com ácido folínico. Parece razoável, portanto, que pacientes sejam tratados com ácido folínico. Um esquema sugerido é a administração de 15 mg de ácido folínico IV de 3/3 horas durante 24 horas, e a seguir cada 6 horas durante pelo menos 48 horas. É de se prever a persistência de níveis tissulares elevados da droga durante 72 horas, no mínimo. O tratamento com ácido folínico não elimina a necessidade das medidas de suporte mencionadas.

Contra-Indicações da Vincristina

hipersensibilidade conhecida à droga. Atenção especial deve ser dada às condições relacionadas nos itens Advertências e Precauções. Advertência: a terapia com o sulfato de vincristina, a exemplo dos medicamentos oncoterápicos em geral, é potencialmente perigosa, podendo dar margem a complicações fatais. Recomenda-se por isso que o medicamento seja administrado sob supervisão de médico qualificado, com experiência no manejo de quimioterápicos antineoplásicos. Vincristina pode ser prejudicial ao feto57 quando administrado em mulheres grávidas. Não existem adequados e bem controlados estudos em mulheres grávidas, se esta droga for usada durante a gestação. Quando este produto e outros agentes quimioterápicos forem usados em indivíduos com capacidade reprodutiva, o médico deverá avaliar os benefícios contra os riscos em potencial. O sulfato de vincristina não deve ser administrado por via intratecal.

Indicações da Vincristina

tratamento da leucemia4 aguda. O produto tem-se revelado útil também, em combinação com outros agentes oncolíticos, na doença de Hodgkin58, linfomas malignos não Hodgkin (tipos linfocíticos de células59 mistas, histiocísticos, não diferenciados, nodulares e difusos), rabdomiossarcoma60, neuroblastoma, tumor61 de Wilms, carcinoma62 do cérvix uterino, câncer63 da mama64.

Apresentação da Vincristina

embalagens contendo 1 frasco-ampola de pó liófilo com 1 mg do princípio ativo, acompanhado de 1 frasco-ampola com 10 ml de solução diluente.


VINCRISTINA - Laboratório

Pharmacia & Upjohn Ltda.
Av. Nações Unidas 12.995 4º andar
São Paulo/SP - CEP: 04578-000
Tel: 55 (011) 5005-4004

Ver outros medicamentos do laboratório "Pharmacia & Upjohn Ltda."

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.
2 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
3 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
4 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
5 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
6 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
7 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
8 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
9 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
10 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
11 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
15 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
16 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
17 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
18 Parestesias: São sensações cutâneas subjetivas (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação.
19 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
22 Ataxia: Reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo. É um sintoma, não uma doença específica ou um diagnóstico.
23 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
24 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
25 Obstipação: Prisão de ventre ou constipação rebelde.
26 Cólon Ascendente: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o COLO TRANSVERSO. Possui trajeto ascendente desde o ceco à superfície caudal do lóbulo direito do FÍGADO onde se dobra pronunciadamente à esquerda, formando a flexura cólica direita
27 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
28 Proctológico: Relativo ou pertencente à proctologia, ramo da gastroenterologia que se dedica ao estudo e tratamento das patologias do reto e do ânus.
29 Laxativos: Mesmo que laxantes. Que laxa, afrouxa, dilata. Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
30 Enemas: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
31 Íleo paralítico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
32 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
33 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
34 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
35 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
36 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.
37 Poliúria: Diurese excessiva, pode ser um sinal de diabetes.
38 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
39 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
40 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
41 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
42 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
43 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
44 Cabeça:
45 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
46 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
47 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
48 Supra-renal:
49 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
50 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
51 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
52 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
53 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
54 Alça de Henle: Porção do tubo renal (em forma de U), na MEDULA RENAL, constituída por uma alça descendente e uma ascendente. Situada entre o TÚBULO RENAL PROXIMAL e o TÚBULOS RENAL DISTAL.
55 Distal: 1. Que se localiza longe do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Espacialmente distante; remoto. 3. Em anatomia geral, é o mais afastado do tronco (diz-se de membro) ou do ponto de origem (diz-se de vasos ou nervos). Ou também o que é voltado para a direção oposta à cabeça. 4. Em odontologia, é o mais distante do ponto médio do arco dental.
56 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
57 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
58 Doença de Hodgkin: Doença neoplásica que afeta o tecido linfático, caracterizada por aumento doloroso dos gânglios linfáticos do pescoço, axilas, mediastino, etc., juntamente com astenia, prurido (coceira) e febre. Atualmente pode ter uma taxa de cura superior a 80%.
59 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
60 Rabdomiossarcoma: Rabdomiossarcoma é um câncer de origem embrionária que atinge as células que se tornam os músculos do corpo.
61 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
62 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
63 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
64 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.

Tem alguma dúvida sobre VINCRISTINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.